SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
VIDA E OBRA


José Joaquim Cesário Verde nasceu em Caneças, no
concelho de Loures, a 25 de Fevereiro de 1855.



O seu pai era lavrador e comerciante, sendo proprietário de
uma quinta nas imediações de Lisboa, em Linda-a-Pastora, e
de uma loja de ferragens na baixa lisboeta, onde Cesário
Verde chegou a trabalhar.



Foi a trabalhar no negócio de seu pai que repartiu a sua vida,
fazendo do quotidiano o assunto da sua poesia.


Desta forma, ia alimentando o seu gosto pela leitura e pela
criação literária, embora longe dos meios literários oficiais
com os quais nunca se deu bem, o que o levou, por exemplo,
a abandonar o Curso Superior de Letras da Faculdade de
Letras de Lisboa, que frequentou entre 1873 e 1874, e onde
travou conhecimento com figuras da vida literária como Silva
Pinto, que se tornou seu grande amigo e, após a sua morte,
compilador da sua obra.



Aquando da sua entrada para a Faculdade de Letras,
estreou-se com várias poesias nos jornais Diário de
Notícias, Diário da Tarde, A Tribuna e Renascença, acolhidos
com críticas quase sempre desfavoráveis.
Em 1874, foi
anunciada a edição de um livro de Cesário Verde, o que, no
entanto, não aconteceu. Esta falta de estímulo da crítica e um
certo mal-estar relativamente ao meio literário fizeram com
que Cesário Verde deixasse de publicar em jornais.



Julho de 1886, apesar das várias tentativas de
convalescença.


Assim, a partir de 1879, Cesário Verde empenha-se cada vez
mais no auxílio nas tarefas da loja de ferragens e da
exploração da quinta. Em 1872, a sua irmã morre, seguindose, dez anos depois, o seu irmão, ambos de tuberculose. Foi
esta a doença que viria a vitimar igualmente o poeta, a 19 de



Só em 1887 foi organizada, por iniciativa de Silva Pinto, uma
compilação dos seus poemas com o título de O Livro de
Cesário Verde.
CORRENTES LITERÁRIAS
INFLUENTES


Cesário Verde era um realista que também utilizou algum
impressionismo nos seus poemas, já que este materializava o
abstracto, insiste na impessoalidade, utiliza paisagens e
locais para traduzir estados psicológicos e também utiliza
muito a personificação pois dá espírito a objectos.



As suas composições poéticas enquadram-se também no
Parnasianismo que defende “a arte pela arte” e que foi
iniciado em França no século XIX.


Esta corrente literária procura um acabamento perfeito
através de poesias descritivas. É uma reacção contra o
Romantismo, defendendo a objectividade em detrimento do
sentimentalismo, e a perfeição formal em detrimento da
indisciplina da linguagem. É um retorno ao racionalismo e
uma busca pela impessoalidade.



Através da junção do realismo com o impressionismo e o
Parnasianismo, os poemas de Cesário Verde tornam-se
autênticas representações pictóricas da realidade devido à
utilização de uma linguagem colorida, à musicalidade e à
perfeição formal.



Desta forma, Cesário Verde preocupa-se bastante em
apresentar o quotidiano da realidade de uma forma realista,
clara, objectiva e concreta. Procura descrever o mundo com
objectividade, tentando captar os mais ínfimos pormenores de
forma a poder, depois, transmitir percepções sensoriais e
partir para uma subjectividade sóbria.
ANÁLISE DE UM POEMA
“ Ó áridas Messalinas ”
Ó áridas Messalinas
não entreis no santuário,
transformareis em ruínas
o meu imenso sacrário!

Oh! A deusa das doçuras,
a mulher! eu a contemplo!
Vós tendes almas impuras,
não me profaneis o templo!
A mulher é ser sublime,
é conjunto de carinhos,
ela não propaga o crime,
em sentimentos mesquinhos.
Vós sois umas vis afrontas,
que nos dão falsos prazeres,
não sei se sois más se tontas,
mas sei que não sois mulheres!
ESTRUTURA INTERNA


É conveniente, antes de tudo, esclarecer o que é uma
Messalina, já que é uma palavra bastante relevante para a
compreensão de todo o poema.



No Império Romano, existiu uma imperatriz, Valéria
Messalina, mulher do imperador Cláudio, que ficou famosa
pela sua crueldade e pela sua vida libertina, devassa e
promíscua, acabando por ser executada por ordem do
marido. Deste facto histórico, surge a palavra “messalina”,
utilizada, num sentido figurado, para referenciar alguma
mulher que leve uma vida como a de Valéria Messalina.



Muito claramente, os temas deste poema são o amor e a
sedução, tendo a mulher por objecto. O sujeito lírico faz uma
crítica às mulheres que levam uma vida devassa, pedindo
para que não o seduzam.


Esta composição poética pode ser dividida em três porções
lógicas.



A primeira porção é a primeira quadra, onde o eu poético
pede às “áridas Messalinas”, ou seja, às mulheres
depravadas e desprovidas de interesse, para que não
invadam o “santuário”, referindo-se à sua vida regrada, cuja
integridade seria posta em causa caso fosse seduzido por
elas.



A segunda parte lógica do poema são a segunda e terceira
estrofe onde o sujeito poético solta frases de veneração e
descreve o seu conceito de mulher. Assim, para ele, a mulher
seria um ser puro, “sublime”, que não transforma o amor num
sentimento desprezível.



Na terceira parte do poema, ou seja, na quarta e última
estrofe, o sujeito poético utiliza a definição de mulher que
apresentou na segunda parte do poema para a comparar com
as Messalinas, dizendo que estas, ao contrário das
“mulheres”, são falsas, impuras, e que, portanto, não podem
ser consideradas mulheres, apesar de o eu poético não saber
se a vida que levam se deve à sua falta de juízo ou à sua
crueldade.


As temáticas de Cesário Verde mais evidentes neste poema
são o símbolo da mulher e a humilhação sentimental.



É apresentada a Messalina, a mulher fatal que desperta o
desejo do eu lírico mas que o arrasta também para a morte,
num sentido figurado (“…transformareis em ruínas / o meu
imenso sacrário!”). Esta faz parte de um dos principais
contrastes que Cesário faz ao longo de toda a sua obra, o
“mulher fatal / mulher angélica”, estando, normalmente, a
primeira estreitamente relacionada com a cidade, e a
segunda com o campo. Assim, as mulheres citadinas, como
as Messalinas, eram frias, opressoras e artificiais, símbolo do
desenvolvimento urbano. Além disso, também surge a mulher
objecto, vista enquanto estímulo dos sentidos carnais,
sensuais, como impulso erótico.


Também neste poema é tratada a humilhação afectiva visto
que a mulher fatal, bela, artificial, poderosa e desumana faz
com que o sujeito poético a deseje e a receie, levando a que
este se sinta humilhado e seja compelido a controlar os seus
impulsos amorosos.



A nível de correntes literárias influentes, percebe-se que mais
uma vez está presente o Parnasianismo visto que este poema
não tem muito de subjectivo, é muito directo e os termos
utilizados são bastante fáceis de entender, recorrendo
somente à transfiguração da realidade. Não são
apresentados quaisquer ideais, mas coisas que são
observadas a cada instante, o que é exemplo do carácter
impessoal das composições parnasianas.


Este poema foi escrito em 1873, período em que Cesário
Verde elaborou bastantes poemas que têm o amor e a mulher
por temas. Nesta altura, Cesário Verde era ainda um
adolescente, tinha 18 anos, mas a cidade e o campo
constituíam já duas facetas da sua vida.



Assim, Cesário Verde produziu poemas que falavam do
campo como representante de um amor vivido no passado
(como em “Flores Velhas”) ou de um amor idílico, e que
falavam da cidade como símbolo do erotismo e da sedução,
que, como já foi analisado neste poema, o eu poético não
considera sinónimos de verdadeiro amor, mas antes
“sentimentos mesquinhos”. Neste poema, particularmente, é
feita, em tom jocoso, uma dessacralização da mulher da
cidade, pela qual terá tido alguns amores durante a sua
adolescência.
UNIDADE FORMA – CONTEÚDO


Nesta composição poética o vocabulário é
predominantemente concreto e relaciona-se sobretudo com a
religião (”templo”, “sacrário”, “santuário”, “deusa”).



São utilizados bastantes pontos de exclamação ao longo do
poema que são usados em frases imperativas (“…não me
profaneis o templo!”), em conjunto com interjeições (“Oh!”) e
também para exprimir admiração, respeito, devoção (neste
caso, à mulher pura, “Oh! A deusa das doçuras, / a mulher! eu
a contemplo!”) e aversão (“…mas sei que não sois
mulheres!”).


Pode encontrar-se um único ponto final, no final da terceira
quadra, já que esta é a estrofe em que se procede à
descrição da mulher angélica.

Neste poema, os recursos estético-estilísticos existentes são:
- a apóstrofe (“Ó áridas Messalinas…”);
- a metáfora (“…o meu imenso sacrário!”);
- a aliteração, (“…não sei se sois más se tontas, / mas sei que
não sois mulheres!”);
- o hipérbato (“Oh! A deusa das doçuras, / a mulher! eu a
contemplo!”);
- a hipérbole (“…transformareis em ruínas…);
- a sinédoque (“A mulher… é conjunto de carinhos…”);
- a exclamação (…não me profaneis o templo!”, “…mas sei
que não sois mulheres!”), que serve para intensificar a emoção.

ESTRUTURA EXTERNA


A composição poética é constituída por quatro estrofes
(quadras), sendo estas constituídas por versos de sete
sílabas, como se verifica pela seguinte análise de versos:
“A / mu / lher / é / ser / su / bli / me,
1 2
3 4 5
6 7
é / con / jun / to / de / ca / ri / nhos,
1 2
3
4 5 6 7
e / la / não / pro / pa / ga o / cri / me,
1 2 3
4
5 6
7
em / sen / ti / men / tos / mes / qui / nhos”
1
2 3
4
5
6
7


O esquema rimático é //ABAB/CDCD/EFEF/GHGH//, sendo a
rima cruzada.



As rimas pobres (Messalinas / ruínas, santuário / sacrário,
afrontas / tontas, prazeres / mulheres) e as rimas ricas
(doçuras / impuras, contemplo / templo, sublime / crime,
carinhos / mesquinhos) existem em igual quantidade. Verificase que as rimas pobres se encontram na primeira e na última
estrofe e as rimas ricas se encontram nas outras duas
estrofes.



As rimas são todas consoantes, à excepção de prazeres /
mulheres.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaSamuel Neves
 
Nós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeNós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Álvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª FaseÁlvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª FaseDina Baptista
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoRaffaella Ergün
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeMariaVerde1995
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoafromgaliza
 
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá CarneiroEugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá CarneiroRosário Cunha
 
Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo nanasimao
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoalenaeira
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Camposguest3fc89a1
 
Cesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - ContextualizaçãoCesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - Contextualizaçãosin3stesia
 

Mais procurados (20)

Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infanciaFernando Pessoa Nostalgia da infancia
Fernando Pessoa Nostalgia da infancia
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Nós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário VerdeNós, de Cesário Verde
Nós, de Cesário Verde
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
Álvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª FaseÁlvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª Fase
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá CarneiroEugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
 
Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Cesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - ContextualizaçãoCesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - Contextualização
 

Destaque

O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental1103sancho
 
Vida e obra de cesário verde
Vida e obra de cesário verdeVida e obra de cesário verde
Vida e obra de cesário verdeMariaVerde1995
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulasluisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulasluisprista
 
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Carlos Pina
 

Destaque (7)

Deslumbramentos
DeslumbramentosDeslumbramentos
Deslumbramentos
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental
 
Vida e obra de cesário verde
Vida e obra de cesário verdeVida e obra de cesário verde
Vida e obra de cesário verde
 
A debil cesario verde
A debil cesario verdeA debil cesario verde
A debil cesario verde
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
 
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
 

Semelhante a Cesário Verde

Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augustoteresakashino
 
Cesario e-pessoa-a-caracter-deambulatorio-das-respetivas-obras-poeticas-e-cen...
Cesario e-pessoa-a-caracter-deambulatorio-das-respetivas-obras-poeticas-e-cen...Cesario e-pessoa-a-caracter-deambulatorio-das-respetivas-obras-poeticas-e-cen...
Cesario e-pessoa-a-caracter-deambulatorio-das-respetivas-obras-poeticas-e-cen...sandraguerin6
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na TavernaKauan_ts
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bteresakashino
 
O olhar condescendente - Sylvia Perlingeiro Paixão (PUC-RJ)
O olhar condescendente - Sylvia Perlingeiro Paixão (PUC-RJ)O olhar condescendente - Sylvia Perlingeiro Paixão (PUC-RJ)
O olhar condescendente - Sylvia Perlingeiro Paixão (PUC-RJ)rc1951
 
Resumos das obras derek e isabella 2º b
Resumos das obras   derek e isabella 2º bResumos das obras   derek e isabella 2º b
Resumos das obras derek e isabella 2º bteresakashino
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedojuliannecarvalho
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)juliannecarvalho
 
Clepsidra Inês Leitão nº5 12ºB
Clepsidra Inês Leitão nº5 12ºBClepsidra Inês Leitão nº5 12ºB
Clepsidra Inês Leitão nº5 12ºBIsabelPereira2010
 
O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasilstrawhiit
 
Power point Sexualidade na Literatura
Power  point Sexualidade na LiteraturaPower  point Sexualidade na Literatura
Power point Sexualidade na Literaturagracafigueiredo2
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismoJonatas Carlos
 
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSANDRAMARLENEBARBOSA1
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração românticaalinesantana1422
 

Semelhante a Cesário Verde (20)

Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesario e-pessoa-a-caracter-deambulatorio-das-respetivas-obras-poeticas-e-cen...
Cesario e-pessoa-a-caracter-deambulatorio-das-respetivas-obras-poeticas-e-cen...Cesario e-pessoa-a-caracter-deambulatorio-das-respetivas-obras-poeticas-e-cen...
Cesario e-pessoa-a-caracter-deambulatorio-das-respetivas-obras-poeticas-e-cen...
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
 
O olhar condescendente - Sylvia Perlingeiro Paixão (PUC-RJ)
O olhar condescendente - Sylvia Perlingeiro Paixão (PUC-RJ)O olhar condescendente - Sylvia Perlingeiro Paixão (PUC-RJ)
O olhar condescendente - Sylvia Perlingeiro Paixão (PUC-RJ)
 
Helena - Machado de Assis
Helena - Machado de AssisHelena - Machado de Assis
Helena - Machado de Assis
 
Resumos das obras derek e isabella 2º b
Resumos das obras   derek e isabella 2º bResumos das obras   derek e isabella 2º b
Resumos das obras derek e isabella 2º b
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
 
Clepsidra Inês Leitão nº5 12ºB
Clepsidra Inês Leitão nº5 12ºBClepsidra Inês Leitão nº5 12ºB
Clepsidra Inês Leitão nº5 12ºB
 
O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
 
Power point Sexualidade na Literatura
Power  point Sexualidade na LiteraturaPower  point Sexualidade na Literatura
Power point Sexualidade na Literatura
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Castro alves
Castro alvesCastro alves
Castro alves
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 

Último

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 

Cesário Verde

  • 1.
  • 2. VIDA E OBRA  José Joaquim Cesário Verde nasceu em Caneças, no concelho de Loures, a 25 de Fevereiro de 1855.  O seu pai era lavrador e comerciante, sendo proprietário de uma quinta nas imediações de Lisboa, em Linda-a-Pastora, e de uma loja de ferragens na baixa lisboeta, onde Cesário Verde chegou a trabalhar.  Foi a trabalhar no negócio de seu pai que repartiu a sua vida, fazendo do quotidiano o assunto da sua poesia.
  • 3.  Desta forma, ia alimentando o seu gosto pela leitura e pela criação literária, embora longe dos meios literários oficiais com os quais nunca se deu bem, o que o levou, por exemplo, a abandonar o Curso Superior de Letras da Faculdade de Letras de Lisboa, que frequentou entre 1873 e 1874, e onde travou conhecimento com figuras da vida literária como Silva Pinto, que se tornou seu grande amigo e, após a sua morte, compilador da sua obra.  Aquando da sua entrada para a Faculdade de Letras, estreou-se com várias poesias nos jornais Diário de Notícias, Diário da Tarde, A Tribuna e Renascença, acolhidos com críticas quase sempre desfavoráveis. Em 1874, foi anunciada a edição de um livro de Cesário Verde, o que, no entanto, não aconteceu. Esta falta de estímulo da crítica e um certo mal-estar relativamente ao meio literário fizeram com que Cesário Verde deixasse de publicar em jornais.  Julho de 1886, apesar das várias tentativas de convalescença.
  • 4.  Assim, a partir de 1879, Cesário Verde empenha-se cada vez mais no auxílio nas tarefas da loja de ferragens e da exploração da quinta. Em 1872, a sua irmã morre, seguindose, dez anos depois, o seu irmão, ambos de tuberculose. Foi esta a doença que viria a vitimar igualmente o poeta, a 19 de  Só em 1887 foi organizada, por iniciativa de Silva Pinto, uma compilação dos seus poemas com o título de O Livro de Cesário Verde.
  • 5. CORRENTES LITERÁRIAS INFLUENTES  Cesário Verde era um realista que também utilizou algum impressionismo nos seus poemas, já que este materializava o abstracto, insiste na impessoalidade, utiliza paisagens e locais para traduzir estados psicológicos e também utiliza muito a personificação pois dá espírito a objectos.  As suas composições poéticas enquadram-se também no Parnasianismo que defende “a arte pela arte” e que foi iniciado em França no século XIX.
  • 6.  Esta corrente literária procura um acabamento perfeito através de poesias descritivas. É uma reacção contra o Romantismo, defendendo a objectividade em detrimento do sentimentalismo, e a perfeição formal em detrimento da indisciplina da linguagem. É um retorno ao racionalismo e uma busca pela impessoalidade.  Através da junção do realismo com o impressionismo e o Parnasianismo, os poemas de Cesário Verde tornam-se autênticas representações pictóricas da realidade devido à utilização de uma linguagem colorida, à musicalidade e à perfeição formal.  Desta forma, Cesário Verde preocupa-se bastante em apresentar o quotidiano da realidade de uma forma realista, clara, objectiva e concreta. Procura descrever o mundo com objectividade, tentando captar os mais ínfimos pormenores de forma a poder, depois, transmitir percepções sensoriais e partir para uma subjectividade sóbria.
  • 7. ANÁLISE DE UM POEMA “ Ó áridas Messalinas ” Ó áridas Messalinas não entreis no santuário, transformareis em ruínas o meu imenso sacrário! Oh! A deusa das doçuras, a mulher! eu a contemplo! Vós tendes almas impuras, não me profaneis o templo!
  • 8. A mulher é ser sublime, é conjunto de carinhos, ela não propaga o crime, em sentimentos mesquinhos. Vós sois umas vis afrontas, que nos dão falsos prazeres, não sei se sois más se tontas, mas sei que não sois mulheres!
  • 9. ESTRUTURA INTERNA  É conveniente, antes de tudo, esclarecer o que é uma Messalina, já que é uma palavra bastante relevante para a compreensão de todo o poema.  No Império Romano, existiu uma imperatriz, Valéria Messalina, mulher do imperador Cláudio, que ficou famosa pela sua crueldade e pela sua vida libertina, devassa e promíscua, acabando por ser executada por ordem do marido. Deste facto histórico, surge a palavra “messalina”, utilizada, num sentido figurado, para referenciar alguma mulher que leve uma vida como a de Valéria Messalina.  Muito claramente, os temas deste poema são o amor e a sedução, tendo a mulher por objecto. O sujeito lírico faz uma crítica às mulheres que levam uma vida devassa, pedindo para que não o seduzam.
  • 10.  Esta composição poética pode ser dividida em três porções lógicas.  A primeira porção é a primeira quadra, onde o eu poético pede às “áridas Messalinas”, ou seja, às mulheres depravadas e desprovidas de interesse, para que não invadam o “santuário”, referindo-se à sua vida regrada, cuja integridade seria posta em causa caso fosse seduzido por elas.  A segunda parte lógica do poema são a segunda e terceira estrofe onde o sujeito poético solta frases de veneração e descreve o seu conceito de mulher. Assim, para ele, a mulher seria um ser puro, “sublime”, que não transforma o amor num sentimento desprezível.  Na terceira parte do poema, ou seja, na quarta e última estrofe, o sujeito poético utiliza a definição de mulher que apresentou na segunda parte do poema para a comparar com as Messalinas, dizendo que estas, ao contrário das “mulheres”, são falsas, impuras, e que, portanto, não podem ser consideradas mulheres, apesar de o eu poético não saber se a vida que levam se deve à sua falta de juízo ou à sua crueldade.
  • 11.  As temáticas de Cesário Verde mais evidentes neste poema são o símbolo da mulher e a humilhação sentimental.  É apresentada a Messalina, a mulher fatal que desperta o desejo do eu lírico mas que o arrasta também para a morte, num sentido figurado (“…transformareis em ruínas / o meu imenso sacrário!”). Esta faz parte de um dos principais contrastes que Cesário faz ao longo de toda a sua obra, o “mulher fatal / mulher angélica”, estando, normalmente, a primeira estreitamente relacionada com a cidade, e a segunda com o campo. Assim, as mulheres citadinas, como as Messalinas, eram frias, opressoras e artificiais, símbolo do desenvolvimento urbano. Além disso, também surge a mulher objecto, vista enquanto estímulo dos sentidos carnais, sensuais, como impulso erótico.
  • 12.  Também neste poema é tratada a humilhação afectiva visto que a mulher fatal, bela, artificial, poderosa e desumana faz com que o sujeito poético a deseje e a receie, levando a que este se sinta humilhado e seja compelido a controlar os seus impulsos amorosos.  A nível de correntes literárias influentes, percebe-se que mais uma vez está presente o Parnasianismo visto que este poema não tem muito de subjectivo, é muito directo e os termos utilizados são bastante fáceis de entender, recorrendo somente à transfiguração da realidade. Não são apresentados quaisquer ideais, mas coisas que são observadas a cada instante, o que é exemplo do carácter impessoal das composições parnasianas.
  • 13.  Este poema foi escrito em 1873, período em que Cesário Verde elaborou bastantes poemas que têm o amor e a mulher por temas. Nesta altura, Cesário Verde era ainda um adolescente, tinha 18 anos, mas a cidade e o campo constituíam já duas facetas da sua vida.  Assim, Cesário Verde produziu poemas que falavam do campo como representante de um amor vivido no passado (como em “Flores Velhas”) ou de um amor idílico, e que falavam da cidade como símbolo do erotismo e da sedução, que, como já foi analisado neste poema, o eu poético não considera sinónimos de verdadeiro amor, mas antes “sentimentos mesquinhos”. Neste poema, particularmente, é feita, em tom jocoso, uma dessacralização da mulher da cidade, pela qual terá tido alguns amores durante a sua adolescência.
  • 14. UNIDADE FORMA – CONTEÚDO  Nesta composição poética o vocabulário é predominantemente concreto e relaciona-se sobretudo com a religião (”templo”, “sacrário”, “santuário”, “deusa”).  São utilizados bastantes pontos de exclamação ao longo do poema que são usados em frases imperativas (“…não me profaneis o templo!”), em conjunto com interjeições (“Oh!”) e também para exprimir admiração, respeito, devoção (neste caso, à mulher pura, “Oh! A deusa das doçuras, / a mulher! eu a contemplo!”) e aversão (“…mas sei que não sois mulheres!”).
  • 15.  Pode encontrar-se um único ponto final, no final da terceira quadra, já que esta é a estrofe em que se procede à descrição da mulher angélica. Neste poema, os recursos estético-estilísticos existentes são: - a apóstrofe (“Ó áridas Messalinas…”); - a metáfora (“…o meu imenso sacrário!”); - a aliteração, (“…não sei se sois más se tontas, / mas sei que não sois mulheres!”); - o hipérbato (“Oh! A deusa das doçuras, / a mulher! eu a contemplo!”); - a hipérbole (“…transformareis em ruínas…); - a sinédoque (“A mulher… é conjunto de carinhos…”); - a exclamação (…não me profaneis o templo!”, “…mas sei que não sois mulheres!”), que serve para intensificar a emoção. 
  • 16. ESTRUTURA EXTERNA  A composição poética é constituída por quatro estrofes (quadras), sendo estas constituídas por versos de sete sílabas, como se verifica pela seguinte análise de versos: “A / mu / lher / é / ser / su / bli / me, 1 2 3 4 5 6 7 é / con / jun / to / de / ca / ri / nhos, 1 2 3 4 5 6 7 e / la / não / pro / pa / ga o / cri / me, 1 2 3 4 5 6 7 em / sen / ti / men / tos / mes / qui / nhos” 1 2 3 4 5 6 7
  • 17.  O esquema rimático é //ABAB/CDCD/EFEF/GHGH//, sendo a rima cruzada.  As rimas pobres (Messalinas / ruínas, santuário / sacrário, afrontas / tontas, prazeres / mulheres) e as rimas ricas (doçuras / impuras, contemplo / templo, sublime / crime, carinhos / mesquinhos) existem em igual quantidade. Verificase que as rimas pobres se encontram na primeira e na última estrofe e as rimas ricas se encontram nas outras duas estrofes.  As rimas são todas consoantes, à excepção de prazeres / mulheres.