SlideShare uma empresa Scribd logo
Pré-Modernismo
século XX
Pré-modernismo
brasileiro
Início do século XX até a
Semana de Arte Moderna de
1922
O século XX foi o período
de maior desenvolvimento
tecnológico da história da
humanidade. Muitos desses
avanços foram
impulsionados pelas duas
grandes guerras que
ocorrem na primeira metade
do século.
As novas relações de
trabalho criadas pela
Revolução Industrial criam
disparidades e explorações
jamais antes vistas, com
consequências sociais
gravíssimas.
É o tempo de pensadores, o avanço das ciências e das
filosofias sociais começam a sugerir que a prática tome lugar
do discurso. Assim, os trabalhadores se organizam,
socialistas e anarquistas questionam o poder instituído das
potências coloniais. O imperialismo entra em crise e a
urbanização já faz a sociedade ser diferente. O palco da luta
de classes está armado.
No Brasil, o fim do século XIX marca o início da “República
do café-com-leite”, na qual os grandes proprietários rurais
exerciam enorme influência. Nossa urbanização, ainda no
início, não produzia o quadro de tensão no qual vivia a
Europa, mas já dava sinais de crescimento principalmente em
São Paulo.
As tensões nacionais eram regionais e geraram inúmeras agitações
sociais, como a Revolta de Canudos, na Bahia; a série de conflitos no
Ceará em torno do religioso Padre Cícero; e o cangaço, em pleno sertão
nordestino, que nos apresentou a figura de Virgulino Ferreira, o
Lampião.
No Rio de Janeiro, a insurreição ao poder constituído foi desde a
Revolta da Vacina – uma rebelião popular contra a vacinação obrigatória,
mas que guardava suas reivindicações sociais – até a Revolta da Chibata
– uma rebelião de marinheiros contra os castigos físicos.
Essas agitações criavam o clima de tensão e tumulto que iria
eclodir artisticamente em 1922, mas que, de alguma forma já
se manifestavam em produções artísticas da época. Pode-se
dizer que os primeiros anos do século XX foram uma espécie de
transição entre dois mundos. Assim, a Literatura fez contar
seu próprio tempo, espalhando a transição, mostrando não uma
escola, mas apresentando novas tendências e rupturas com a
arte conservadora.
Portanto, não se pode dizer que o Pré-modernismo constitui-se
em uma escola literária em si. É, em verdade, um conjunto de
manifestações do espírito de uma época, que apresentava o
novo, rompia com o velho, mas ainda não possuía um rumo certo
ou uma clara intenção estética.
Os autores dessa época são influenciados pelo Realismo e
pelas novas tendências que surgiam na Europa. Ao mesmo tempo,
os escritores românticos, parnasianos e simbolistas ainda
publicavam seus livros e encontravam excelente público, já
que o final do século XIX e início do século XX é um tempo de
prosperidade dos livreiros, uma época do crescimento do
mercado editorial no país.
Esses novos autores demonstram um grande interesse pela
realidade nacional, contrariando o universalismo dos modelos
realista-naturalistas. O cotidiano brasileiro passa a ser
exposto nas páginas dos livros, dando espaço a criação de
obras de nítida preocupação social. Os tipos marginalizados,
as lutas inglórias e as mazelas do povo passam a ser os temas
da prosa pré-modernista.
Essa aproximação com a realidade brasileira traz como
consequência formal a busca por uma linguagem mais simples, mais
direta, coloquial, próxima da população. Os textos apresentam
linguagem jornalística, aproximando-se, por vezes, mais da
realidade que de um estilo artístico propriamente dito. Euclides
da Cunha, Lima Barreto e Monteiro Lobato são exemplos de
literatos que contribuíram largamente com a imprensa; por outro
lado, há também João do Rio, um jornalista que retratou a
sociedade da época, fazendo-se um dos cronistas mais importantes
de nossa história
Características do
Pré-Modernismo
Ruptura com o academicismo;
Ruptura com o passado e com
a linguagem parnasiana;
Linguagem coloquial,
simples;
Exposição da realidade
social brasileira;
Regionalismo e nacionalismo;
Marginalidade das
personagens: o sertanejo, o
caipira, o mulato;
Temas: fatos históricos,
políticos, econômicos e
sociais.
Almeida
Junior, O
violeiro
(1899)
Na poesia, a ruptura fica por conta de um dos mais geniais
poetas que já surgiram: Augusto dos Anjos. Irônico e
pessimista, rompe com o linguajar poético, tripudia do
realismo e do materialismo, brica com as ciências e a
filosofia.
Euclides da Cunha
(1866-1909)
Os Sertões - 1902
A obra regionalista narra
os acontecimentos da
sangrenta Guerra de
Canudos, liderada por
Antônio Conselheiro (1830-
1897), que ocorreu no
Interior da Bahia, durante
1896 e 1897.
Trecho do livro Os Sertões
“O sertanejo é, antes de tudo, um forte. Não tem o raquitismo
exaustivo dos mestiços do litoral. A sua aparência,
entretanto, ao primeiro lance de vista, revela o contrário. É
desengonçado, torto. Hércules-Quasímodo, reflete no aspecto a
fealdade típica dos fracos. (…) Basta o aparecimento de
qualquer incidente transfigura-se. Reponta. Um titã acobreado
e potente. De força e agilidade extraordinárias (…) Sua
cultura respeita antiquíssimas tradições. Torna-se um
retirante, impulso pela seca cíclica, mas retorna sempre ao
sertão”.
Lima Barreto
(1881-1922)
Os inúmeros desgostos
domésticos, a revolta contra o
preconceito racial, as crises
de depressão, o alcoolismo e as
internações no hospício
transformaram Lima Barreto em
um crítico amargo e severo da
sociedade. Suas contribuições
na imprensa eram inúmeras e
combatiam o preconceito racial
e contra a mulher. Sua
consciência acerca dos
problemas sociais brasileiros
coloca-lhe como militante
socialista, um dos primeiros a
combater as desigualdades,
criticar o poder republicano e
denunciar a realidade nacional.
Principais obras de Lima Barreto
Triste fim de Policarpo Quaresma (1915): romance.
Clara dos Anjos (1948): romance.
Diário íntimo (1953): memórias.
O cemitério dos vivos (1956): memórias.
Trechos do livro Triste fim de Policarpo Quaresma
O nacionalista Policarpo Quaresma estuda o tupi-guarani, pois, para ele,
essa seria a língua original dos brasileiros. Por isso, é apelidado de
Ubirajara:
“Havia um ano a esta parte que se dedicava ao tupi-guarani. Todas as
manhãs, antes que a “Aurora, com seus dedos rosados abrisse caminho ao
louro Febo”, ele se atracava até ao almoço com o Montoya, Arte y
diccionario de la lengua guaraní o más bien tupí, e estudava o jargão
caboclo com afinco e paixão. Na repartição, os pequenos empregados,
amanuenses e escreventes, tendo notícia desse seu estudo do idioma
tupiniquim, deram não se sabe por que em chamá-lo — Ubirajara.”
“E desse modo ele ia levando a vida, metade na repartição,
sem ser compreendido, e a outra metade em casa, também sem
ser compreendido. No dia em que o chamaram de Ubirajara,
Quaresma ficou reservado, taciturno, mudo, e só veio a falar
porque, quando lavavam as mãos num aposento próximo à
secretaria e se preparavam para sair, alguém, suspirando,
disse: “Ah! Meu Deus! Quando poderei ir à Europa!” O major
não se conteve: levantou o olhar, concertou o pince-nez e
falou fraternal e persuasivo: “Ingrato! Tens uma terra tão
bela, tão rica, e queres visitar a dos outros! Eu, se algum
dia puder, hei de percorrer a minha de princípio ao fim!””
“— O que é?
— O Quaresma está doido.
— Mas... o quê? Quem foi que te disse?
— Aquele homem do violão. Já está na casa de saúde...
— Eu logo vi, disse Albernaz, aquele requerimento era de doido.
— Mas não é só, general, acrescentou Genelício. Fez um ofício em tupi
e mandou ao ministro.
— É o que eu dizia, fez Albernaz.— Quem é? perguntou
Florêncio.
— Aquele vizinho, empregado do arsenal; não conhece?
— Um baixo, de pince-nez?
— Este mesmo, confirmou Caldas.
— Nem se podia esperar outra coisa, disse o doutor
Florêncio. Aqueles livros, aquela mania de leitura…”
João do Rio
(1881-1921)
João do Rio produziu sua
obra a partir da
observação direta da vida
e da linguagem de
diferentes grupos sociais
do Rio de Janeiro do
começo do século 20.
Seu olhar atento faz de presidiários, trabalhadores braçais,
prostitutas, barões, dândis, cocotes e outros seres urbanos
tema de investigação. Os espaços sociais - terreiros de
umbanda e candomblé, igrejas, cabarés, cortiços, favelas,
minas, palácios, presídios - em que se movimentam essas
criaturas são expostos com realismo e sensibilidade.
A alma encantadora das ruas (1908)
Eu amo a rua. Esse sentimento de natureza toda íntima não vos seria
revelado por mim se não julgasse, e razões não tivesse para julgar, que
este amor assim absoluto e assim exagerado é partilhado por todos vós.
Nós somos irmãos, nós nos sentimos parecidos e iguais; nas cidades, nas
aldeias, nos povoados, não porque soframos, com a dor e os desprazeres,
a lei e a polícia, mas porque nos une, nivela e agremia o amor da rua. É
este mesmo o sentimento imperturbável e indissolúvel, o único que, como
a própria vida, resiste às idades e às épocas. Tudo se transforma, tudo
varia -o amor, o ódio, o egoísmo. Hoje é mais amargo o riso, mais
dolorosa a ironia, Os séculos passam, deslizam, levando as coisas fúteis
e os acontecimentos notáveis. Só persiste e fica, legado das gerações
cada vez maior, o amor da rua.
Oh! Sim, as ruas têm alma! Há ruas honestas, ruas ambíguas,
ruas sinistras, ruas nobres, delicadas, trágicas, depravadas,
puras, infames, ruas sem história, ruas tão velhas que bastam
para contar a evolução de uma cidade inteira, ruas
guerreiras, revoltosas, medrosas, spleenéticas, snobs, ruas
aristocráticas, ruas amorosas, ruas covardes, que ficam sem
pinga de sangue…
Augusto dos Anjos
(1884-1914)
O mais importante poeta do pré-
modernismo, embora revele em sua
poesia, raízes do simbolismo,
retratando o gosto pela morte, a
angústia e o uso de metáforas.
Declarou-se "Cantor da poesia de
tudo que é morto". Durante muito
tempo foi ignorado pela crítica,
que julgou seu vocabulário mórbido
e vulgar. Sua obra poética, está
resumida em um único livro "EU",
publicado em 1912, e reeditado com
o nome "Eu e Outros Poemas".
Psicologia de um Vencido
Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro da escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênese da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.
Profundissimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância...
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco
Já o verme – esse operário das ruínas -
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,
Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!
Vocabulário
Rutilância: brilho, esplendor
Epigênese: processo de desenvolvimento de um embrião a partir
de um zigoto sem forma
Frialdade: frieza, indiferença
Versos Íntimos
Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera
Foi tua companheira inseparável!
Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.
Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que
apedreja.
Se a alguém causa inda pena a tua
chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!
Budismo moderno
Tome, Dr., esta tesoura, e... corte
Minha singularíssima pessoa.
Que importa a mim que a bicharia roa
Todo o meu coração, depois da morte?!
Ah! Um urubu pousou na minha sorte!
Também, das diatomáceas da lagoa
A criptógama cápsula se esbroa
Ao contato de bronca destra forte!
Dissolva-se, portanto, minha vida
Igualmente a uma célula caída
Na aberração de um óvulo infecundo
Mas o agregado abstrato das
saudades
Fique batendo nas perpétuas grades
Do último verso que eu fizer no
mundo!
Vocabulário
Diatomáceas: algas unicelulares que realizam fotossíntese e
são encontradas em água doce ou salgada
Criptógama: plantas que se reproduzem por meio de esporos
Esbroa: reduz a pó, desagrega-se
O poema “Budismo moderno” foi musicado por Arnaldo Antunes
para o álbum “Ninguém”, de 1995.
Pode ser apreciado em
https://www.youtube.com/watch?v=2QdcLPE9aB0
Prestem atenção nas pausas e nos “barulhos” da música, que
ajudam a compor o clima do poema

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Pre-modernismo.pptx

3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Andriane Cursino
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Thamires Martins
 
M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
Prof Palmito Rocha
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
Eliete Sampaio Farneda
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Cláudia Heloísa
 
O Pré-Modernismo
O Pré-ModernismoO Pré-Modernismo
O Pré-Modernismo
Luciene Gomes
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Walace Cestari
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
CrisBiagio
 
Relações entre a poesia marginal e a política dos anos 70 no brasil
Relações entre a poesia marginal e a política dos anos 70 no brasilRelações entre a poesia marginal e a política dos anos 70 no brasil
Relações entre a poesia marginal e a política dos anos 70 no brasil
Luciana Borges
 
Pré
PréPré
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
Faell Vasconcelos
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
jasonrplima
 
O guarani - José de Alencar
O guarani - José de AlencarO guarani - José de Alencar
O guarani - José de Alencar
jasonrplima
 
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
GabrielLessa19
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
Mônica D'Almenery
 
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
morgananogueira2
 

Semelhante a Pre-modernismo.pptx (20)

3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
O Pré-Modernismo
O Pré-ModernismoO Pré-Modernismo
O Pré-Modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Relações entre a poesia marginal e a política dos anos 70 no brasil
Relações entre a poesia marginal e a política dos anos 70 no brasilRelações entre a poesia marginal e a política dos anos 70 no brasil
Relações entre a poesia marginal e a política dos anos 70 no brasil
 
Pré
PréPré
Pré
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
 
O guarani - José de Alencar
O guarani - José de AlencarO guarani - José de Alencar
O guarani - José de Alencar
 
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
|Introdução ao PRE-MODERNISMO - apresentação
 

Último

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 

Último (20)

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 

Pre-modernismo.pptx

  • 2. Pré-modernismo brasileiro Início do século XX até a Semana de Arte Moderna de 1922 O século XX foi o período de maior desenvolvimento tecnológico da história da humanidade. Muitos desses avanços foram impulsionados pelas duas grandes guerras que ocorrem na primeira metade do século. As novas relações de trabalho criadas pela Revolução Industrial criam disparidades e explorações jamais antes vistas, com consequências sociais gravíssimas.
  • 3. É o tempo de pensadores, o avanço das ciências e das filosofias sociais começam a sugerir que a prática tome lugar do discurso. Assim, os trabalhadores se organizam, socialistas e anarquistas questionam o poder instituído das potências coloniais. O imperialismo entra em crise e a urbanização já faz a sociedade ser diferente. O palco da luta de classes está armado.
  • 4. No Brasil, o fim do século XIX marca o início da “República do café-com-leite”, na qual os grandes proprietários rurais exerciam enorme influência. Nossa urbanização, ainda no início, não produzia o quadro de tensão no qual vivia a Europa, mas já dava sinais de crescimento principalmente em São Paulo.
  • 5. As tensões nacionais eram regionais e geraram inúmeras agitações sociais, como a Revolta de Canudos, na Bahia; a série de conflitos no Ceará em torno do religioso Padre Cícero; e o cangaço, em pleno sertão nordestino, que nos apresentou a figura de Virgulino Ferreira, o Lampião. No Rio de Janeiro, a insurreição ao poder constituído foi desde a Revolta da Vacina – uma rebelião popular contra a vacinação obrigatória, mas que guardava suas reivindicações sociais – até a Revolta da Chibata – uma rebelião de marinheiros contra os castigos físicos.
  • 6. Essas agitações criavam o clima de tensão e tumulto que iria eclodir artisticamente em 1922, mas que, de alguma forma já se manifestavam em produções artísticas da época. Pode-se dizer que os primeiros anos do século XX foram uma espécie de transição entre dois mundos. Assim, a Literatura fez contar seu próprio tempo, espalhando a transição, mostrando não uma escola, mas apresentando novas tendências e rupturas com a arte conservadora.
  • 7. Portanto, não se pode dizer que o Pré-modernismo constitui-se em uma escola literária em si. É, em verdade, um conjunto de manifestações do espírito de uma época, que apresentava o novo, rompia com o velho, mas ainda não possuía um rumo certo ou uma clara intenção estética. Os autores dessa época são influenciados pelo Realismo e pelas novas tendências que surgiam na Europa. Ao mesmo tempo, os escritores românticos, parnasianos e simbolistas ainda publicavam seus livros e encontravam excelente público, já que o final do século XIX e início do século XX é um tempo de prosperidade dos livreiros, uma época do crescimento do mercado editorial no país.
  • 8. Esses novos autores demonstram um grande interesse pela realidade nacional, contrariando o universalismo dos modelos realista-naturalistas. O cotidiano brasileiro passa a ser exposto nas páginas dos livros, dando espaço a criação de obras de nítida preocupação social. Os tipos marginalizados, as lutas inglórias e as mazelas do povo passam a ser os temas da prosa pré-modernista.
  • 9. Essa aproximação com a realidade brasileira traz como consequência formal a busca por uma linguagem mais simples, mais direta, coloquial, próxima da população. Os textos apresentam linguagem jornalística, aproximando-se, por vezes, mais da realidade que de um estilo artístico propriamente dito. Euclides da Cunha, Lima Barreto e Monteiro Lobato são exemplos de literatos que contribuíram largamente com a imprensa; por outro lado, há também João do Rio, um jornalista que retratou a sociedade da época, fazendo-se um dos cronistas mais importantes de nossa história
  • 10. Características do Pré-Modernismo Ruptura com o academicismo; Ruptura com o passado e com a linguagem parnasiana; Linguagem coloquial, simples; Exposição da realidade social brasileira; Regionalismo e nacionalismo; Marginalidade das personagens: o sertanejo, o caipira, o mulato; Temas: fatos históricos, políticos, econômicos e sociais.
  • 12. Na poesia, a ruptura fica por conta de um dos mais geniais poetas que já surgiram: Augusto dos Anjos. Irônico e pessimista, rompe com o linguajar poético, tripudia do realismo e do materialismo, brica com as ciências e a filosofia.
  • 13. Euclides da Cunha (1866-1909) Os Sertões - 1902 A obra regionalista narra os acontecimentos da sangrenta Guerra de Canudos, liderada por Antônio Conselheiro (1830- 1897), que ocorreu no Interior da Bahia, durante 1896 e 1897.
  • 14. Trecho do livro Os Sertões “O sertanejo é, antes de tudo, um forte. Não tem o raquitismo exaustivo dos mestiços do litoral. A sua aparência, entretanto, ao primeiro lance de vista, revela o contrário. É desengonçado, torto. Hércules-Quasímodo, reflete no aspecto a fealdade típica dos fracos. (…) Basta o aparecimento de qualquer incidente transfigura-se. Reponta. Um titã acobreado e potente. De força e agilidade extraordinárias (…) Sua cultura respeita antiquíssimas tradições. Torna-se um retirante, impulso pela seca cíclica, mas retorna sempre ao sertão”.
  • 15. Lima Barreto (1881-1922) Os inúmeros desgostos domésticos, a revolta contra o preconceito racial, as crises de depressão, o alcoolismo e as internações no hospício transformaram Lima Barreto em um crítico amargo e severo da sociedade. Suas contribuições na imprensa eram inúmeras e combatiam o preconceito racial e contra a mulher. Sua consciência acerca dos problemas sociais brasileiros coloca-lhe como militante socialista, um dos primeiros a combater as desigualdades, criticar o poder republicano e denunciar a realidade nacional.
  • 16. Principais obras de Lima Barreto Triste fim de Policarpo Quaresma (1915): romance. Clara dos Anjos (1948): romance. Diário íntimo (1953): memórias. O cemitério dos vivos (1956): memórias.
  • 17. Trechos do livro Triste fim de Policarpo Quaresma O nacionalista Policarpo Quaresma estuda o tupi-guarani, pois, para ele, essa seria a língua original dos brasileiros. Por isso, é apelidado de Ubirajara: “Havia um ano a esta parte que se dedicava ao tupi-guarani. Todas as manhãs, antes que a “Aurora, com seus dedos rosados abrisse caminho ao louro Febo”, ele se atracava até ao almoço com o Montoya, Arte y diccionario de la lengua guaraní o más bien tupí, e estudava o jargão caboclo com afinco e paixão. Na repartição, os pequenos empregados, amanuenses e escreventes, tendo notícia desse seu estudo do idioma tupiniquim, deram não se sabe por que em chamá-lo — Ubirajara.”
  • 18. “E desse modo ele ia levando a vida, metade na repartição, sem ser compreendido, e a outra metade em casa, também sem ser compreendido. No dia em que o chamaram de Ubirajara, Quaresma ficou reservado, taciturno, mudo, e só veio a falar porque, quando lavavam as mãos num aposento próximo à secretaria e se preparavam para sair, alguém, suspirando, disse: “Ah! Meu Deus! Quando poderei ir à Europa!” O major não se conteve: levantou o olhar, concertou o pince-nez e falou fraternal e persuasivo: “Ingrato! Tens uma terra tão bela, tão rica, e queres visitar a dos outros! Eu, se algum dia puder, hei de percorrer a minha de princípio ao fim!””
  • 19. “— O que é? — O Quaresma está doido. — Mas... o quê? Quem foi que te disse? — Aquele homem do violão. Já está na casa de saúde... — Eu logo vi, disse Albernaz, aquele requerimento era de doido. — Mas não é só, general, acrescentou Genelício. Fez um ofício em tupi e mandou ao ministro. — É o que eu dizia, fez Albernaz.— Quem é? perguntou Florêncio. — Aquele vizinho, empregado do arsenal; não conhece? — Um baixo, de pince-nez? — Este mesmo, confirmou Caldas. — Nem se podia esperar outra coisa, disse o doutor Florêncio. Aqueles livros, aquela mania de leitura…”
  • 20. João do Rio (1881-1921) João do Rio produziu sua obra a partir da observação direta da vida e da linguagem de diferentes grupos sociais do Rio de Janeiro do começo do século 20.
  • 21. Seu olhar atento faz de presidiários, trabalhadores braçais, prostitutas, barões, dândis, cocotes e outros seres urbanos tema de investigação. Os espaços sociais - terreiros de umbanda e candomblé, igrejas, cabarés, cortiços, favelas, minas, palácios, presídios - em que se movimentam essas criaturas são expostos com realismo e sensibilidade.
  • 22. A alma encantadora das ruas (1908) Eu amo a rua. Esse sentimento de natureza toda íntima não vos seria revelado por mim se não julgasse, e razões não tivesse para julgar, que este amor assim absoluto e assim exagerado é partilhado por todos vós. Nós somos irmãos, nós nos sentimos parecidos e iguais; nas cidades, nas aldeias, nos povoados, não porque soframos, com a dor e os desprazeres, a lei e a polícia, mas porque nos une, nivela e agremia o amor da rua. É este mesmo o sentimento imperturbável e indissolúvel, o único que, como a própria vida, resiste às idades e às épocas. Tudo se transforma, tudo varia -o amor, o ódio, o egoísmo. Hoje é mais amargo o riso, mais dolorosa a ironia, Os séculos passam, deslizam, levando as coisas fúteis e os acontecimentos notáveis. Só persiste e fica, legado das gerações cada vez maior, o amor da rua.
  • 23. Oh! Sim, as ruas têm alma! Há ruas honestas, ruas ambíguas, ruas sinistras, ruas nobres, delicadas, trágicas, depravadas, puras, infames, ruas sem história, ruas tão velhas que bastam para contar a evolução de uma cidade inteira, ruas guerreiras, revoltosas, medrosas, spleenéticas, snobs, ruas aristocráticas, ruas amorosas, ruas covardes, que ficam sem pinga de sangue…
  • 24. Augusto dos Anjos (1884-1914) O mais importante poeta do pré- modernismo, embora revele em sua poesia, raízes do simbolismo, retratando o gosto pela morte, a angústia e o uso de metáforas. Declarou-se "Cantor da poesia de tudo que é morto". Durante muito tempo foi ignorado pela crítica, que julgou seu vocabulário mórbido e vulgar. Sua obra poética, está resumida em um único livro "EU", publicado em 1912, e reeditado com o nome "Eu e Outros Poemas".
  • 25. Psicologia de um Vencido Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro da escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos do zodíaco. Profundissimamente hipocondríaco, Este ambiente me causa repugnância... Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia Que se escapa da boca de um cardíaco Já o verme – esse operário das ruínas - Que o sangue podre das carnificinas Come, e à vida em geral declara guerra, Anda a espreitar meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos, Na frialdade inorgânica da terra!
  • 26. Vocabulário Rutilância: brilho, esplendor Epigênese: processo de desenvolvimento de um embrião a partir de um zigoto sem forma Frialdade: frieza, indiferença
  • 27. Versos Íntimos Vês?! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão – esta pantera Foi tua companheira inseparável! Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera. Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja. Se a alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!
  • 28. Budismo moderno Tome, Dr., esta tesoura, e... corte Minha singularíssima pessoa. Que importa a mim que a bicharia roa Todo o meu coração, depois da morte?! Ah! Um urubu pousou na minha sorte! Também, das diatomáceas da lagoa A criptógama cápsula se esbroa Ao contato de bronca destra forte! Dissolva-se, portanto, minha vida Igualmente a uma célula caída Na aberração de um óvulo infecundo Mas o agregado abstrato das saudades Fique batendo nas perpétuas grades Do último verso que eu fizer no mundo!
  • 29. Vocabulário Diatomáceas: algas unicelulares que realizam fotossíntese e são encontradas em água doce ou salgada Criptógama: plantas que se reproduzem por meio de esporos Esbroa: reduz a pó, desagrega-se
  • 30. O poema “Budismo moderno” foi musicado por Arnaldo Antunes para o álbum “Ninguém”, de 1995. Pode ser apreciado em https://www.youtube.com/watch?v=2QdcLPE9aB0 Prestem atenção nas pausas e nos “barulhos” da música, que ajudam a compor o clima do poema