SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
Do ultrarromantismo 
ao realismo 
Almeida Garrett –1799 /1854 
Feliciano Castilho –1800/1875 
Antero de Quental –1842 /1891 
Eça de Queirós –1845/1900 
Cesário Verde –1855/1886
. Em Portugal, o Realismo e o Naturalismo aparecem ligados a expressões como Questão Coimbrã, Cenáculo, Conferências do Casino, Geração de 70. 
Questão Coimbrã 
. Foi o passo inicial para a introdução de novas ideias. 
. Castilho representava a última vaga do ultrarromantismo, que se revelava já pobre, sem nada de novo a acrescentar, numa sociedade onde todos os dias entravam novas ideias, novos conceitos, novas realidades vindas da Europa. 
.“Castilhoerapoisoobstáculocomquehaviadetropeçaranovarebeldiadageraçãointelectualqueporvoltade1865seestavaformandoemCoimbra.Estageraçãojádesde1861vinhadandomostrasdoseupendorparaarebeldiaàdisciplinauniversitáriacomruidosostumultos,irreverênciaserevoltas–queindicavamclaramenteainconformidadedajuventudeacadémicacomosvaloresoficiaisdasociedadeemquevivia.
A chamada questão coimbrã ou 
do « Bom senso e Bom gosto » 
foi a primeira manifestação importante desta Geração de 70. 
. A três personalidades muito diferentes coube a responsabilidade desta Questão: Antero de Quental, «Príncipe da Mocidade» coimbrã, Teófilo Braga e Castilho. Este último escreve numa carta-posfácio alguns ataques à juventude inquieta de Coimbra, nomeadamente, a Antero e Teófilo acusando-os de falta de bom senso e bom gosto; 
. Ora esta carta desencadeou uma resposta por parte de Antero que lança então o opúsculo, intitulado « Bom senso e Bom gosto ». Assim se opunha Lisboa e Coimbra. Os folhetos começaram a suceder-se dum e doutro lado. A luta entre os adeptos do Romantismo velho que morria e a juvenil rebelião do Realismo novo prolongou-se pelo ano de 1866. 
. A “Questão” embora aparentemente literária, denunciava incompatibilidades mais profundas. Os jovens reagiam contra a falsidade que representavam muitos outros aspetos da vida nacional.
Conferências do Casino e Cenáculo 
. Cenáculo –designação por que é conhecida o grupo formado por alguns escritores e intelectuais pertencentes à geração de 1865, que se reunião em Lisboa, passados anos dos seus estudos em Coimbra, para discutir livremente os assuntos que apaixonavam essa mocidade atenta ao movimento de ideias do tempo. 
. Antero encaminhou a inquietação inconformista do grupo e deu-lhe forma e fim, surgindo então as Conferências do Casino. 
. As Conferências visavam abrir um debate sobre o que de mais moderno, a nível de pensamento, se vinha fazendo lá fora. Aproximar Portugal da Europa era o objetivo máximo, anunciado, aliás no respetivo programa. 
. Os seus objetivos eram: 
estudar serenamente a significação dos interesses políticos em jogo; investigar como a sociedade é e como ela devia ser; estudar todas as ideias e todas as correntes do século; estudar e preocupar-se sobretudo com a transformação social, moral e política dos povos; ligar Portugal com o movimento moderno. 
.
Das várias conferências previstas, só se realizaram cinco, pois a partir da sexta, foram proibidas pelo governo, sob alegação que elas atacavam “ a religião e as instituições políticas do Estado” Esta proibição levantou uma enorme onda de protestos de novo encabeçada por Antero de Quental. De qualquer modo, entre os intelectuais portugueses, ficou o gérmen da modernidade do pensamento político, social, pedagógico e científico que se fazia sentir na Europa. Este espírito revolucionário e positivista dominava a maioria da jovem classe pensante.
Realismo 
. A “Questão coimbrã” preparou o terreno para o aparecimento do Realismo, pois agitou as classes cultas e políticas, mostrando o enfeudamento de certos escritores ao regime político conservador. 
. As “Conferências do Casino” inauguraram o Realismo, lançando ao país os objetivos e as bases da nova estética. 
. O Romantismo foi a apoteose do sentimento, a expressão individual; o Realismo é a análise tendo em vista a verdade absoluta, a representação mimética objetiva da realidade exterior e a exaltação do ideal da impessoalidade. 
. A literatura realista deve banir o excesso de sentimento e a retórica oca superficial, isto é, abandonar o Romantismo. 
.A literatura realista deve inspirar-se nas correntes filosóficas e sociológicas para exprimir com verdade a real problemática do homem da sua época.
. O realismo deve ser o mais objetivo possível. Para recriar a realidade com rigor e exatidão, o “eu” deve distanciar-se e evitar a intromissão do sentimento. 
. O realismo deve aliar-se ao naturalismo. A literatura naturalista é a expressão dos progressos da ciência. 
. O realismo pretende a reforma social; para isso, é necessário criticar o que está mal na sociedade: o ócio da alta burguesia, a depravação do clero, a ignorância da classe política, a educação retrógrada da juventude, os maus costumes, a imoralidade, os vícios e as taras. 
. A obra literária deve ser o reflexo da realidade; por isso, é preciso recriá-la em termos naturais, numa expressão desafetada. Os acontecimentos aparecem nas obras sem convencionalismos e com naturalidade. 
. Os realistas são mestres no desenho e no colorido; cuidam muito o aspeto formal da escrita. Impressionismo.
O Impressionismo 
-movimento que surgiu em França no campo das artes plásticas na segunda metade do século XIX 
-principais representantes: 
Monet, Renoir, Pissaro, Cézanne, Degas 
-características mais significativas: 
utilização de cores puras/tonalidades ou impressões cromáticas/apreendidas em função da própria posição do contemplador do quadro 
-contornos esfumados 
-transposto para a literatura, manifesta-se no uso de um estilo pictórico, procurando dar as impressões globais e também isolar os elementos dessas impressões.
O Naturalismo 
O Naturalismo é um período literário de base realista –uma espécie de realismo científico; 
-acentua as tendências temáticas e ideológicas do Realismo; 
-posicionamentos anti-românticos e anti idealistas; 
-objetivos de reforma social; 
-temas de índole social e cultural (educação, adultérios, opressão, etc.) e temperamentos perturbados ( análise de fenómenos como o alcoolismo, a histeria, o roubo, a loucura, o fanatismo, a luxúria, etc.); 
Ideologicamente o naturalismo fundamenta-se: 
-no positivismo –culto da indução e dos métodos experimentais, respeito pelas leis da Natureza; 
-no determinismo –afirma os factores de condicionamento do comportamento humano (a raça, o meio e o momento histórico). 
A narrativa, em especial o romance, é o melhor género para servir estes propósitos: 
-o tempo, a acção e a personagem permitem mostrar uma certa trajetória de comportamentos 
-a representação de um tempo retrospetivo propicia a pesquisa, no passado, de factos que expliquem esses comportamentos.
Portugal do século XIX 
a vida, os costumes, as inovações...
Inovações 
•Na agricultura: 
-Divisão da terra:: 
. Venda da terra à burguesia; 
.acaba-se o “morgadio”; 
. Dividem-se os baldios.
Inovações 
•Exploração mineira: 
-cobre; ferro e carvão; 
-junto das minas, surgem novas povoações; 
-carvão –principal fonte de energia. 
•Indústria 
-Utilização de maquinaria 
ex: a máquina a vapor surgiu , pela primeira vez, em Portugal em 1835. 
–a industrialização permitiu baixas de custo dos produtos
Transportes e Comunicações 
•O ministro Fontes Pereira de melo foi um dos principais responsáveis pela política de modernização. 
•(Fontismo)
A inauguração do caminho de ferro e o comboio a vapor 
•
A evolução da rede ferroviária 
•
A diligência e o automóvel 
•
A Ponte D. Maria (Porto)
O Ensino
A vida quotidiana
A vida quotidiana
A vida na cidade
A vida dos mais abastados
Jornalistas à porta do Café e Dama acompanhada pela alcoviteira 
•
O Povo –a carvoeira e a lavadeira
As Lavadeiras
Vendedoras de galinhas e de uvas
Negro caiador e aguadeiro
Servente da companhia de gás e vendedora de capachos
Pescadores
A agricultura tradicional e a agricultura mecanizada
As fábricas
O interior de uma mina
O Barco a vapor
A leitura do correio e a romaria
A desfolhada
O mercado de gado
A época –Lisboa do final de séc. XIX 
. As pessoas do campo rumavam para as grandes cidades, nomeadamente Lisboa, na tentativa de melhorar as condições de vida. O que provocou o crescimento da cidade. Estes homens ocupavam-se de trabalhos pesados, eram estivadores, pedreiros… 
. Os laços com o campo e os hábitos rurais permaneciam fortes e a cidade parecia asfixiante aos novos habitantes. 
. Lisboa tinha os primeiros candeeiros a gás (1848) e chegavam também ao chiado os primeiros candeeiros eléctricos(1878) 
. Grande parte das ruas eram de terra, malcheirosas e escuras. A muitas das vielas e escadinhas a civilização não chegara. 
. Nos bairros antigos a higiene era deplorável, havia animais domésticos e as casas estavam cheias de parasitas. 
. A rede de água não chegava a todas as casas. 
. Os contrastes entre ricos e pobres eram enormes. 
. No centro da cidade entre portais e vãos de escada, amontoavam-se cegos estropiados, crianças abandonadas e velhos paralíticos.
. Os albergues nocturnos abarrotavam de gente suja e esfarrapada 
. Os trabalhadores ganhavam salários irrisórios e estavam sempre à beira do desemprego 
. A sua ementa era insuficiente o que sustenta as altas taxas de mortalidade de Lisboa e Porto. A tuberculose e as pneumonias eram as doenças mais frequentes. 
. As condições de vida eram atrozes: sem condições de trabalho, sem dignidade, sem segurança… 
. Foi-se generalizando a ideia de que o Estado tinha de intervir na defesa dos mais desfavorecidos.
A Geração de 70 –Carlos da Maia 
•“Perante um mundo em mudança, estes jovens recém- formados, cultos e abastados, com o mundo a seus pés, desejam, fortemente, mudar Portugal e o mundo! Juram descobrir os males de toda a humanidade, empreender a viagem mais audaciosa de todas –a descoberta do ser humano no mais profundo do seu “eu”...
Contexto sócio-cultural 
século XIX –implantação do Liberalismo/ambiente de renovação cultural 
“Geração de 70”-um grupo de jovens que se caracteriza por: 
-inconformismo e rebeldia 
-desejo de renovação política, social e cultural do país 
-conflito com o velho sentimentalismo do Ultra-romantismo 
“Questão Coimbrã”: 
-a propósito de um poema romântico de Pinheiro Chagas, António Feliciano de Castilho critica a poesia de Antero e Teófilo; segue-se troca de folhetos em que as duas partes se debatem (1865/66) 
-Romantismo velho vs. Realismo novo
“Conferências Democráticas do Casino”: 
-proferidas com o objectivo de alertar para o estado de decadência do país e o seu afastamento em relação à Europa, considerada culta 
-apenas foram concretizadas 5 conferências, sendo as restantes proibidas pelo governo 
Realismo: 
uma nova expressão de arte 
gero do gosto romântico 
-atitude crítica em relação à sociedade, com o objectivo de reformar 
-temas da vida familiar, económica, cultural e social 
A narrativa, em especial o romance, é o melhor género para uma reflexão sobre o Homem e os seus problemas concretos: 
O Realismo é uma reacção contra o Romantismo 
-protesto contra o exagero romântico 
-acção complexa 
-descrição minuciosa 
-personagens do mundo real

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosóficoRolando Almeida
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoGijasilvelitz 2
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradeAnaGomes40
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maiasmauro dinis
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Marisa Ferreira
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Paula Pereira
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasDina Baptista
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Camposguest3fc89a1
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas713773
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicosSílvia Faim
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoFilipaFonseca
 

Mais procurados (20)

Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicos
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 

Destaque

10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte ALurdes Augusto
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte BLurdes Augusto
 
10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte CLurdes Augusto
 
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasGrupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasLurdes Augusto
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensLurdes Augusto
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica AristotélicaJorge Barbosa
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Lurdes Augusto
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasLurdes Augusto
 

Destaque (12)

Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
 
10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte C
 
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasGrupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavras
 

Semelhante a Do Ultrarromantismo ao Realismo

O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilJose Arnaldo Silva
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaLuisMagina
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Silmara Braz
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação joanana
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugalnanasimao
 
Antero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escritaAntero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escritaPaula Duarte
 
A cultura do século XIX
A cultura do século XIXA cultura do século XIX
A cultura do século XIXÂngela Almeida
 
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXA arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXanabelasilvasobral
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptxGoisTec
 
POESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESAPOESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESAItalo Delavechia
 
Literatura portuguesa ii
Literatura portuguesa iiLiteratura portuguesa ii
Literatura portuguesa iiLucilé Ribeiro
 
A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70Cainha18
 

Semelhante a Do Ultrarromantismo ao Realismo (20)

O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
 
Cenáculo
CenáculoCenáculo
Cenáculo
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
Antero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escritaAntero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escrita
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
A cultura do século XIX
A cultura do século XIXA cultura do século XIX
A cultura do século XIX
 
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXA arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx
 
Novos
NovosNovos
Novos
 
POESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESAPOESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESA
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Literatura portuguesa ii
Literatura portuguesa iiLiteratura portuguesa ii
Literatura portuguesa ii
 
Aula 1 módulo 8
Aula 1 módulo 8Aula 1 módulo 8
Aula 1 módulo 8
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Capitulo 9
Capitulo 9Capitulo 9
Capitulo 9
 
A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70
 

Mais de Lurdes Augusto

A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)Lurdes Augusto
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosLurdes Augusto
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoLurdes Augusto
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - característicasLurdes Augusto
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettLurdes Augusto
 
Texto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoTexto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoLurdes Augusto
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettLurdes Augusto
 
Texto dramático, Falar verdade a Mentir
Texto dramático, Falar verdade a MentirTexto dramático, Falar verdade a Mentir
Texto dramático, Falar verdade a MentirLurdes Augusto
 
José Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaJosé Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaLurdes Augusto
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteLurdes Augusto
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaLurdes Augusto
 
Funcionamento da Língua
Funcionamento da Língua Funcionamento da Língua
Funcionamento da Língua Lurdes Augusto
 
Cavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da DinamarcaCavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da DinamarcaLurdes Augusto
 
Ficha de trabalho + resolução
Ficha de trabalho + resoluçãoFicha de trabalho + resolução
Ficha de trabalho + resoluçãoLurdes Augusto
 

Mais de Lurdes Augusto (19)

Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostos
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
 
Texto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoTexto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicação
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
 
Texto dramático, Falar verdade a Mentir
Texto dramático, Falar verdade a MentirTexto dramático, Falar verdade a Mentir
Texto dramático, Falar verdade a Mentir
 
José Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografiaJosé Jorge Letria - biografia
José Jorge Letria - biografia
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis SepúlvedaHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda
 
Os Grandes Temas
Os Grandes TemasOs Grandes Temas
Os Grandes Temas
 
A Lua de Joana
A Lua de JoanaA Lua de Joana
A Lua de Joana
 
Escrita Criativa
Escrita Criativa Escrita Criativa
Escrita Criativa
 
Funcionamento da Língua
Funcionamento da Língua Funcionamento da Língua
Funcionamento da Língua
 
Modelos de Texto
Modelos de Texto Modelos de Texto
Modelos de Texto
 
Cavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da DinamarcaCavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da Dinamarca
 
Ficha de trabalho + resolução
Ficha de trabalho + resoluçãoFicha de trabalho + resolução
Ficha de trabalho + resolução
 

Do Ultrarromantismo ao Realismo

  • 1. Do ultrarromantismo ao realismo Almeida Garrett –1799 /1854 Feliciano Castilho –1800/1875 Antero de Quental –1842 /1891 Eça de Queirós –1845/1900 Cesário Verde –1855/1886
  • 2.
  • 3.
  • 4. . Em Portugal, o Realismo e o Naturalismo aparecem ligados a expressões como Questão Coimbrã, Cenáculo, Conferências do Casino, Geração de 70. Questão Coimbrã . Foi o passo inicial para a introdução de novas ideias. . Castilho representava a última vaga do ultrarromantismo, que se revelava já pobre, sem nada de novo a acrescentar, numa sociedade onde todos os dias entravam novas ideias, novos conceitos, novas realidades vindas da Europa. .“Castilhoerapoisoobstáculocomquehaviadetropeçaranovarebeldiadageraçãointelectualqueporvoltade1865seestavaformandoemCoimbra.Estageraçãojádesde1861vinhadandomostrasdoseupendorparaarebeldiaàdisciplinauniversitáriacomruidosostumultos,irreverênciaserevoltas–queindicavamclaramenteainconformidadedajuventudeacadémicacomosvaloresoficiaisdasociedadeemquevivia.
  • 5. A chamada questão coimbrã ou do « Bom senso e Bom gosto » foi a primeira manifestação importante desta Geração de 70. . A três personalidades muito diferentes coube a responsabilidade desta Questão: Antero de Quental, «Príncipe da Mocidade» coimbrã, Teófilo Braga e Castilho. Este último escreve numa carta-posfácio alguns ataques à juventude inquieta de Coimbra, nomeadamente, a Antero e Teófilo acusando-os de falta de bom senso e bom gosto; . Ora esta carta desencadeou uma resposta por parte de Antero que lança então o opúsculo, intitulado « Bom senso e Bom gosto ». Assim se opunha Lisboa e Coimbra. Os folhetos começaram a suceder-se dum e doutro lado. A luta entre os adeptos do Romantismo velho que morria e a juvenil rebelião do Realismo novo prolongou-se pelo ano de 1866. . A “Questão” embora aparentemente literária, denunciava incompatibilidades mais profundas. Os jovens reagiam contra a falsidade que representavam muitos outros aspetos da vida nacional.
  • 6. Conferências do Casino e Cenáculo . Cenáculo –designação por que é conhecida o grupo formado por alguns escritores e intelectuais pertencentes à geração de 1865, que se reunião em Lisboa, passados anos dos seus estudos em Coimbra, para discutir livremente os assuntos que apaixonavam essa mocidade atenta ao movimento de ideias do tempo. . Antero encaminhou a inquietação inconformista do grupo e deu-lhe forma e fim, surgindo então as Conferências do Casino. . As Conferências visavam abrir um debate sobre o que de mais moderno, a nível de pensamento, se vinha fazendo lá fora. Aproximar Portugal da Europa era o objetivo máximo, anunciado, aliás no respetivo programa. . Os seus objetivos eram: estudar serenamente a significação dos interesses políticos em jogo; investigar como a sociedade é e como ela devia ser; estudar todas as ideias e todas as correntes do século; estudar e preocupar-se sobretudo com a transformação social, moral e política dos povos; ligar Portugal com o movimento moderno. .
  • 7. Das várias conferências previstas, só se realizaram cinco, pois a partir da sexta, foram proibidas pelo governo, sob alegação que elas atacavam “ a religião e as instituições políticas do Estado” Esta proibição levantou uma enorme onda de protestos de novo encabeçada por Antero de Quental. De qualquer modo, entre os intelectuais portugueses, ficou o gérmen da modernidade do pensamento político, social, pedagógico e científico que se fazia sentir na Europa. Este espírito revolucionário e positivista dominava a maioria da jovem classe pensante.
  • 8. Realismo . A “Questão coimbrã” preparou o terreno para o aparecimento do Realismo, pois agitou as classes cultas e políticas, mostrando o enfeudamento de certos escritores ao regime político conservador. . As “Conferências do Casino” inauguraram o Realismo, lançando ao país os objetivos e as bases da nova estética. . O Romantismo foi a apoteose do sentimento, a expressão individual; o Realismo é a análise tendo em vista a verdade absoluta, a representação mimética objetiva da realidade exterior e a exaltação do ideal da impessoalidade. . A literatura realista deve banir o excesso de sentimento e a retórica oca superficial, isto é, abandonar o Romantismo. .A literatura realista deve inspirar-se nas correntes filosóficas e sociológicas para exprimir com verdade a real problemática do homem da sua época.
  • 9. . O realismo deve ser o mais objetivo possível. Para recriar a realidade com rigor e exatidão, o “eu” deve distanciar-se e evitar a intromissão do sentimento. . O realismo deve aliar-se ao naturalismo. A literatura naturalista é a expressão dos progressos da ciência. . O realismo pretende a reforma social; para isso, é necessário criticar o que está mal na sociedade: o ócio da alta burguesia, a depravação do clero, a ignorância da classe política, a educação retrógrada da juventude, os maus costumes, a imoralidade, os vícios e as taras. . A obra literária deve ser o reflexo da realidade; por isso, é preciso recriá-la em termos naturais, numa expressão desafetada. Os acontecimentos aparecem nas obras sem convencionalismos e com naturalidade. . Os realistas são mestres no desenho e no colorido; cuidam muito o aspeto formal da escrita. Impressionismo.
  • 10. O Impressionismo -movimento que surgiu em França no campo das artes plásticas na segunda metade do século XIX -principais representantes: Monet, Renoir, Pissaro, Cézanne, Degas -características mais significativas: utilização de cores puras/tonalidades ou impressões cromáticas/apreendidas em função da própria posição do contemplador do quadro -contornos esfumados -transposto para a literatura, manifesta-se no uso de um estilo pictórico, procurando dar as impressões globais e também isolar os elementos dessas impressões.
  • 11.
  • 12. O Naturalismo O Naturalismo é um período literário de base realista –uma espécie de realismo científico; -acentua as tendências temáticas e ideológicas do Realismo; -posicionamentos anti-românticos e anti idealistas; -objetivos de reforma social; -temas de índole social e cultural (educação, adultérios, opressão, etc.) e temperamentos perturbados ( análise de fenómenos como o alcoolismo, a histeria, o roubo, a loucura, o fanatismo, a luxúria, etc.); Ideologicamente o naturalismo fundamenta-se: -no positivismo –culto da indução e dos métodos experimentais, respeito pelas leis da Natureza; -no determinismo –afirma os factores de condicionamento do comportamento humano (a raça, o meio e o momento histórico). A narrativa, em especial o romance, é o melhor género para servir estes propósitos: -o tempo, a acção e a personagem permitem mostrar uma certa trajetória de comportamentos -a representação de um tempo retrospetivo propicia a pesquisa, no passado, de factos que expliquem esses comportamentos.
  • 13. Portugal do século XIX a vida, os costumes, as inovações...
  • 14.
  • 15.
  • 16. Inovações •Na agricultura: -Divisão da terra:: . Venda da terra à burguesia; .acaba-se o “morgadio”; . Dividem-se os baldios.
  • 17. Inovações •Exploração mineira: -cobre; ferro e carvão; -junto das minas, surgem novas povoações; -carvão –principal fonte de energia. •Indústria -Utilização de maquinaria ex: a máquina a vapor surgiu , pela primeira vez, em Portugal em 1835. –a industrialização permitiu baixas de custo dos produtos
  • 18. Transportes e Comunicações •O ministro Fontes Pereira de melo foi um dos principais responsáveis pela política de modernização. •(Fontismo)
  • 19. A inauguração do caminho de ferro e o comboio a vapor •
  • 20. A evolução da rede ferroviária •
  • 21. A diligência e o automóvel •
  • 22. A Ponte D. Maria (Porto)
  • 26. A vida na cidade
  • 27. A vida dos mais abastados
  • 28. Jornalistas à porta do Café e Dama acompanhada pela alcoviteira •
  • 29. O Povo –a carvoeira e a lavadeira
  • 32. Negro caiador e aguadeiro
  • 33. Servente da companhia de gás e vendedora de capachos
  • 35. A agricultura tradicional e a agricultura mecanizada
  • 37. O interior de uma mina
  • 38. O Barco a vapor
  • 39. A leitura do correio e a romaria
  • 41. O mercado de gado
  • 42. A época –Lisboa do final de séc. XIX . As pessoas do campo rumavam para as grandes cidades, nomeadamente Lisboa, na tentativa de melhorar as condições de vida. O que provocou o crescimento da cidade. Estes homens ocupavam-se de trabalhos pesados, eram estivadores, pedreiros… . Os laços com o campo e os hábitos rurais permaneciam fortes e a cidade parecia asfixiante aos novos habitantes. . Lisboa tinha os primeiros candeeiros a gás (1848) e chegavam também ao chiado os primeiros candeeiros eléctricos(1878) . Grande parte das ruas eram de terra, malcheirosas e escuras. A muitas das vielas e escadinhas a civilização não chegara. . Nos bairros antigos a higiene era deplorável, havia animais domésticos e as casas estavam cheias de parasitas. . A rede de água não chegava a todas as casas. . Os contrastes entre ricos e pobres eram enormes. . No centro da cidade entre portais e vãos de escada, amontoavam-se cegos estropiados, crianças abandonadas e velhos paralíticos.
  • 43. . Os albergues nocturnos abarrotavam de gente suja e esfarrapada . Os trabalhadores ganhavam salários irrisórios e estavam sempre à beira do desemprego . A sua ementa era insuficiente o que sustenta as altas taxas de mortalidade de Lisboa e Porto. A tuberculose e as pneumonias eram as doenças mais frequentes. . As condições de vida eram atrozes: sem condições de trabalho, sem dignidade, sem segurança… . Foi-se generalizando a ideia de que o Estado tinha de intervir na defesa dos mais desfavorecidos.
  • 44. A Geração de 70 –Carlos da Maia •“Perante um mundo em mudança, estes jovens recém- formados, cultos e abastados, com o mundo a seus pés, desejam, fortemente, mudar Portugal e o mundo! Juram descobrir os males de toda a humanidade, empreender a viagem mais audaciosa de todas –a descoberta do ser humano no mais profundo do seu “eu”...
  • 45.
  • 46. Contexto sócio-cultural século XIX –implantação do Liberalismo/ambiente de renovação cultural “Geração de 70”-um grupo de jovens que se caracteriza por: -inconformismo e rebeldia -desejo de renovação política, social e cultural do país -conflito com o velho sentimentalismo do Ultra-romantismo “Questão Coimbrã”: -a propósito de um poema romântico de Pinheiro Chagas, António Feliciano de Castilho critica a poesia de Antero e Teófilo; segue-se troca de folhetos em que as duas partes se debatem (1865/66) -Romantismo velho vs. Realismo novo
  • 47. “Conferências Democráticas do Casino”: -proferidas com o objectivo de alertar para o estado de decadência do país e o seu afastamento em relação à Europa, considerada culta -apenas foram concretizadas 5 conferências, sendo as restantes proibidas pelo governo Realismo: uma nova expressão de arte gero do gosto romântico -atitude crítica em relação à sociedade, com o objectivo de reformar -temas da vida familiar, económica, cultural e social A narrativa, em especial o romance, é o melhor género para uma reflexão sobre o Homem e os seus problemas concretos: O Realismo é uma reacção contra o Romantismo -protesto contra o exagero romântico -acção complexa -descrição minuciosa -personagens do mundo real