SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Português
2012/2013
Cesário Verde
Eu, que sou feio, sólido, leal,
A ti, que és bela, frágil, assustada,
Quero estimar-te, sempre, recatada
Numa existência honesta, de cristal.
Sentado à mesa dum café devasso,
Ao avistar-te, há pouco, fraca e loura,
Nesta Babel tão velha e corruptora,
Tive tenções de oferecer-te o braço.
E, quando socorreste um miserável,
Eu, que bebia cálices de absinto,
Mandei ir a garrafa, porque sinto
Que me tornas prestante, bom, saudável.
« Ela aí vem!» disse eu para os demais;
E pus-me a olhar, vexado e suspirando,
O teu corpo que pulsa, alegre e brando,
Na frescura dos linhos matinais.
Via-te pela porta envidraçada;
E invejava, - talvez que o não suspeites! -
Esse vestido simples, sem enfeites,
Nessa cintura tenra, imaculada.
Ia passando, a quatro, o patriarca.
Triste eu saí. Doía-me a cabeça;
Uma turba ruidosa, negra, espessa,
Voltava das exéquias dum monarca.
Adorável! Tu, muito natural,
Seguias a pensar no teu bordado;
Avultava, num largo arborizado,
Uma estátua de rei num pedestal.
Sorriam, nos seus trens, os titulares;
E ao claro sol, guardava-te, no entanto,
A tua boa mãe, que te ama tanto,
Que não te morrerá sem te casares!
Soberbo dia! Impunha –me respeito
A limpidez do teu semblante grego;
E uma família, um ninho de sossego,
Desejava beijar sobre o teu peito.
Com elegância e sem ostentação,
Atravessavas branca, esbelta e fina,
Uma chusma de padres de batina,
E de altos funcionários da nação.
«Mas se a atropela o povo turbulento!
Se fosse, por acaso, ali pisada!»
De repente, paraste, embaraçada
Ao pé dum numeroso ajuntamento.
E eu, que urdia estes fáceis esbocetos,
Julguei ver, com a vista de poeta,
Uma pombinha tímida e quieta
Num bando ameaçador de corvos pretos.
E foi, então, que eu, homem varonil,
Quis dedicar-te a minha pobre vida,
A ti, que és ténue, dócil, recolhida,
Eu, que sou hábil, prático, viril.
Este poema, redigido em 1875, aborda um dos elementos mais comuns
nas obras de Cesário Verde, a figura feminina.
Porém, neste poema em particular, a figura feminina retratada
contrasta com a típica mulher provocante e deslumbrante.
Assim, o poema “A Débil” representa uma
mulher que sobressai no meio citadino,
não pela sua excentricidade, mas pela
sua pureza e simplicidade.
O sujeito lírico serve-se de um conjunto de termos
para caracterizar esta típica mulher: "frágil,
assustada, recatada, honesta, fraca, natural, dócil,
recolhida", remetendo para a sua caracterização
psicológica.
Já os vocábulos "loura, de corpo alegre e brando,
cintura estreita, adorável, com elegância e sem
ostentação, esbelta e fina, ténue" remetem para o seu
aspeto físico.
Este poema põe em relevo uma figura feminina que escapa à típica mulher
citadina, a mulher que surge no espaço rural.
O retrato da figura feminina está associado à mulher do campo que se
movimenta num espaço que lhe é estranho. Assim, esta sente-se perdida,
necessitando de proteção masculina pois sente-se desnorteada num espaço
que não está adequado à sua fragilidade.
Vs
O sujeito poético caracteriza os espaços citadinos de forma negativa.
Nestes espaços movimentam-se figuras sórdidas, que ele caracteriza por
“turba ruidosa, negra" e por " uma chusma de padres de batina". Tal permite
destacar a fragilidade da jovem, que torna estes locais mais brilhantes e
atrativos.
Com o intuito de evidenciar o contraste entre o espaço e a jovem senhora, o
sujeito poético faz referência à agitação e à confusão que predominam na
cidade, onde sobressaem as diferentes classes sociais.
Cesário Verde utiliza um vocabulário preciso e exato, e as suas
descrições dão-nos uma visão perfeita da realidade. Além disso, imprime
objetividade ao conteúdo, afastando-se do lirismo romântico.
O poema está cheio de referências à realidade social, onde se perceciona
a crítica e a ironia de que Cesário Verde se serve e que refletem o seu
caráter subjetivo.
Cesário Verde utiliza, ainda, quadras e versos decassilábicos que
permitem uma maior aproximação à prosa. As sonoridades mais
utilizadas no poema são as aliterações e o tipo de frase predominante é o
tipo declarativo.
Ao longo de todo o poema são visíveis vários exemplos de adjetivação
expressiva, o que reforça a forma como o sujeito poético caracteriza as
duas realidades presentes – o campo e a cidade.
O sujeito lírico dá bastante importância ao
imperfeito do indicativo neste poema para
indicar que o fascínio que a “Débil” exerceu
sobre ele é durável e que perdura.
• Composto por 13 quadras;
• Métrica - versos decassilábicos;
Ex.:
“Eu, que sou fe io, só li do, le al ”
• Rima - interpolada (ABBA);
Ex.: interpolada:
“Eu, que sou feio, sólido, leal,
A ti, que és bela, frágil, assustada,
Quero estimar-te, sempre, recatada
Numa existência honesta, de cristal.”
B
A
B
A
Eu, que sou feio, sólido, leal,
A ti, que és bela, frágil, assustada,
Quero estimar-te, sempre, recatada
Numa existência honesta, de cristal.
Contraste:
Ele é feio, ela é bela.
Ele é sólido, ela é frágil.
Introdução
Sentado à mesa dum café devasso*,
Ao avistar-te, há pouco, fraca e loura,
Nesta Babel tão velha e corruptora,
Tive tenções de oferecer-te o braço.
E, quando socorreste um miserável,
Eu, que bebia cálices de absinto*,
Mandei ir a garrafa, porque sinto
Que me tornas prestante, bom, saudável.
* Devasso: libertino, indivíduo desregrado, depravado;
* Absinto: licor realizado com uma planta aromática
Ambiente degradante em oposição à “Débil”
Influência da “Débil” no sujeito lírico
Eu, que sou feio, sólido, leal,
A ti, que és bela, frágil, assustada,
Quero estimar-te, sempre, recatada
Numa existência honesta, de cristal.
Sentado à mesa dum café devasso,
Ao avistar-te, há pouco, fraca e loura,
Nesta Babel tão velha e corruptora,
Tive tenções de oferecer-te o braço.
E, quando socorreste um miserável,
Eu, que bebia cálices de absinto,
Mandei ir a garrafa, porque sinto
Que me tornas prestante, bom, saudável.
Adjetivação expressiva/enumeração
Metáfora
Dupla adjetivação
Hipálage
Adjetivação
expressiva /
enumeração
Hipérbole
« Ela aí vem!» disse eu para os demais;
e pus-me a olhar, vexado* e suspirando,
o teu corpo que pulsa, alegre e brando,
na frescura dos linhos matinais.
Via-te pela porta envidraçada;
E invejava, - talvez que o não suspeites! -
Esse vestido simples, sem enfeites,
Nessa cintura tenra, imaculada.
Ia passando, a quatro, o patriarca.
Triste eu saí. Doía-me a cabeça;
Uma turba* ruidosa, negra, espessa,
Voltava das exéquias* dum monarca.
Adjetivação dupla
Hipálage
Adjetivação expressiva / Enumeração
Sinestesia
* Vexado: humilhado
*Turba: multidão
*Exéquias: orações
Hipérbato / Inversão
Adorável! Tu, muito natural,
Seguias a pensar no teu bordado;
Avultava, num largo arborizado,
Uma estátua de rei num pedestal.
Sorriam, nos seus trens, os titulares;
E ao claro sol, guardava-te, no entanto,
A tua boa mãe, que te ama tanto,
Que não te morrerá sem te casares!
Exaltação
Distinção a vida no
campo e a realidade
da cidade.
Realce da fragilidade
e inocência da “Débil
Titulares=Predadores
reforço da
vulnerabilidade da
“Débil” face à cidade
Nova distinção
entre a “Débil” e as
mulheres da cidade
A Débil
Soberbo dia! Impunha-me respeito
A limpidez do teu semblante grego;
E uma família, um ninho de sossego,
Desejava beijar sobre o teu peito.
Experimentação
do amor
libertador
Ver a “Débil” melhorou
o dia do poeta
A perfeição da mulher
impõe respeito ao poeta.
Inicio da passagem do real para o irreal.
Adorável! Tu, muito natural,
Seguias a pensar no teu bordado;
Avultava, num largo arborizado,
Uma estátua de rei num pedestal.
Sorriam, nos seus trens, os titulares;
E ao claro sol, guardava-te, no entanto,
A tua boa mãe, que te ama tanto,
Que não te morrerá sem te casares!
Soberbo dia! Impunha-me respeito
A limpidez do teu semblante grego;
E uma família, um ninho de sossego,
Desejava beijar sobre o teu peito.
Metáfora
Hipérbato /
Inversão
Com elegância e sem ostentação,
Atravessavas branca, esbelta e fina,
Uma chusma* de padres de batina*,
E de altos funcionários da nação.
«Mas se a atropela o povo turbulento!
Se fosse, por acaso, ali pisada!»
De repente, paraste, embaraçada
Ao pé dum numeroso ajuntamento.
* Chusma: multidão
* Batina: vestido usado pelos eclesiásticos
Vícios negros da
cidade
A atitude do
sujeito poético
transfigura-se
nesta quadra e
nas seguintes
Descrição da
agitação da
cidade
Com elegância e sem ostentação,
Atravessavas branca, esbelta e fina,
Uma chusma* de padres de batina*,
E de altos funcionários da nação.
«Mas se a atropela o povo turbulento!
Se fosse, por acaso, ali pisada!»
De repente, paraste, embaraçada
Ao pé dum numeroso ajuntamento.
* Chusma: multidão
* Batina: vestido usado pelos eclesiásticos
Adjetivação expressiva /
Enumeração
E eu, que urdia* estes fáceis esbocetos*,
Julguei ver, com a vista de poeta,
Uma pombinha tímida e quieta
Num bando ameaçador de corvos pretos.
E foi, então, que eu, homem varonil*,
Quis dedicar-te a minha pobre vida,
A ti, que és ténue, dócil, recolhida,
Eu, que sou hábil, prático, viril.
Conclusão
(3ª Parte)
Cidade ameaça o
campo, que é frágil
* Urdir: tecer; preparar ardilosamente; tramar;
* Esbocetos: pequeno desenho para estudo de obras em ponto grande;
* Varonil: viril, másculo
Fim da 2ª Parte
- Descrição
Parte da objetividade
para a subjetividade
Corvos – simbolizam
os padres. Os padres
ameaçam a pureza.
Sentimento amoroso
em relação à “Débil”
Contradição com o 1º verso: “Eu, que sou feio,
sólido e leal”. Agora, o poeta está influenciado
pelos valores do campo.
E eu, que urdia* estes fáceis esbocetos*,
Julguei ver, com a vista de poeta,
Uma pombinha tímida e quieta
Num bando ameaçador de corvos pretos.
E foi, então, que eu, homem varonil*,
Quis dedicar-te a minha pobre vida,
A ti, que és ténue, dócil, recolhida,
Eu, que sou hábil, prático, viril.
* Urdir: tecer; preparar ardilosamente; tramar;
* Esbocetos: pequeno desenho para estudo de obras em ponto grande;
* Varonil: viril, másculo
Antítese metafórica
Antítese
• http://www.slideboom.com/presentations/242178/debil
• http://mym-pt.blogspot.pt/2011/09/debil-cesario-verde.html
•
• http://www.slideboom.com/presentations/242178/debil
• http://mym-pt.blogspot.pt/2011/09/debil-cesario-verde.html
• GUERRA, J.; VIEIRA, J. – “Aula Viva” - Porto Editora, Porto, 2001

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de CamposAna Isabel
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAnabela Fernandes
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto georgeestado
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro modernoaramalho340
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Iga Almeida
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 

Mais procurados (20)

Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro moderno
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 

Destaque

Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Carlos Pina
 
Num bairro moderno - Cesário Verde
Num bairro moderno - Cesário VerdeNum bairro moderno - Cesário Verde
Num bairro moderno - Cesário VerdeJRS Photography
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental1103sancho
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeRaffaella Ergün
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 

Destaque (9)

Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
A débil cv..
A débil cv..A débil cv..
A débil cv..
 
Deslumbramentos
DeslumbramentosDeslumbramentos
Deslumbramentos
 
Num bairro moderno - Cesário Verde
Num bairro moderno - Cesário VerdeNum bairro moderno - Cesário Verde
Num bairro moderno - Cesário Verde
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Livro do desassossego power point
Livro do desassossego power pointLivro do desassossego power point
Livro do desassossego power point
 

Semelhante a A Débil de Cesário Verde: contraste entre campo e cidade

Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 111-112
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 111-112Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 111-112
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 111-112luisprista
 
Poesias infantis olavo bilac
Poesias infantis olavo bilacPoesias infantis olavo bilac
Poesias infantis olavo bilacMariGiopato
 
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdfa-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdfFrankyleneBarros
 
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoCenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixãowiyofog561
 
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoCenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixãowiyofog561
 
A linguagem na poesia de Cesario Verde
A linguagem na poesia de Cesario VerdeA linguagem na poesia de Cesario Verde
A linguagem na poesia de Cesario VerdeMariaVerde1995
 
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um FigurinoFrancisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurinowilson-alencar
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124luisprista
 
Viag11 poesia quental- semana leitura cartas
Viag11 poesia quental- semana leitura cartasViag11 poesia quental- semana leitura cartas
Viag11 poesia quental- semana leitura cartasIsabelPereira2010
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)luisprista
 
Alvares de azevedo poemas malditos
Alvares de azevedo   poemas malditosAlvares de azevedo   poemas malditos
Alvares de azevedo poemas malditosTulipa Zoá
 
A poesia lírica de luís vaz de camões
A poesia lírica de luís vaz de camõesA poesia lírica de luís vaz de camões
A poesia lírica de luís vaz de camõesma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a A Débil de Cesário Verde: contraste entre campo e cidade (20)

Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 111-112
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 111-112Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 111-112
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 111-112
 
Poesias infantis olavo bilac
Poesias infantis olavo bilacPoesias infantis olavo bilac
Poesias infantis olavo bilac
 
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdfa-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
 
Novelas do Minho
Novelas do MinhoNovelas do Minho
Novelas do Minho
 
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoCenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
 
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoCenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
Cenas da Escravidão - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
 
A linguagem na poesia de Cesario Verde
A linguagem na poesia de Cesario VerdeA linguagem na poesia de Cesario Verde
A linguagem na poesia de Cesario Verde
 
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um FigurinoFrancisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
 
Poemas Malditos
Poemas MalditosPoemas Malditos
Poemas Malditos
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
11 chico xavier-emmanuel-50anosdepois
11 chico xavier-emmanuel-50anosdepois11 chico xavier-emmanuel-50anosdepois
11 chico xavier-emmanuel-50anosdepois
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
 
Viag11 poesia quental- semana leitura cartas
Viag11 poesia quental- semana leitura cartasViag11 poesia quental- semana leitura cartas
Viag11 poesia quental- semana leitura cartas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
 
Alvares de azevedo poemas malditos
Alvares de azevedo   poemas malditosAlvares de azevedo   poemas malditos
Alvares de azevedo poemas malditos
 
Poetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistasPoetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistas
 
Literatura de Cordel
Literatura de Cordel Literatura de Cordel
Literatura de Cordel
 
A poesia lírica de luís vaz de camões
A poesia lírica de luís vaz de camõesA poesia lírica de luís vaz de camões
A poesia lírica de luís vaz de camões
 

Último

8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 

Último (20)

8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 

A Débil de Cesário Verde: contraste entre campo e cidade

  • 2. Eu, que sou feio, sólido, leal, A ti, que és bela, frágil, assustada, Quero estimar-te, sempre, recatada Numa existência honesta, de cristal. Sentado à mesa dum café devasso, Ao avistar-te, há pouco, fraca e loura, Nesta Babel tão velha e corruptora, Tive tenções de oferecer-te o braço. E, quando socorreste um miserável, Eu, que bebia cálices de absinto, Mandei ir a garrafa, porque sinto Que me tornas prestante, bom, saudável.
  • 3. « Ela aí vem!» disse eu para os demais; E pus-me a olhar, vexado e suspirando, O teu corpo que pulsa, alegre e brando, Na frescura dos linhos matinais. Via-te pela porta envidraçada; E invejava, - talvez que o não suspeites! - Esse vestido simples, sem enfeites, Nessa cintura tenra, imaculada. Ia passando, a quatro, o patriarca. Triste eu saí. Doía-me a cabeça; Uma turba ruidosa, negra, espessa, Voltava das exéquias dum monarca.
  • 4. Adorável! Tu, muito natural, Seguias a pensar no teu bordado; Avultava, num largo arborizado, Uma estátua de rei num pedestal. Sorriam, nos seus trens, os titulares; E ao claro sol, guardava-te, no entanto, A tua boa mãe, que te ama tanto, Que não te morrerá sem te casares! Soberbo dia! Impunha –me respeito A limpidez do teu semblante grego; E uma família, um ninho de sossego, Desejava beijar sobre o teu peito.
  • 5. Com elegância e sem ostentação, Atravessavas branca, esbelta e fina, Uma chusma de padres de batina, E de altos funcionários da nação. «Mas se a atropela o povo turbulento! Se fosse, por acaso, ali pisada!» De repente, paraste, embaraçada Ao pé dum numeroso ajuntamento.
  • 6. E eu, que urdia estes fáceis esbocetos, Julguei ver, com a vista de poeta, Uma pombinha tímida e quieta Num bando ameaçador de corvos pretos. E foi, então, que eu, homem varonil, Quis dedicar-te a minha pobre vida, A ti, que és ténue, dócil, recolhida, Eu, que sou hábil, prático, viril.
  • 7. Este poema, redigido em 1875, aborda um dos elementos mais comuns nas obras de Cesário Verde, a figura feminina. Porém, neste poema em particular, a figura feminina retratada contrasta com a típica mulher provocante e deslumbrante. Assim, o poema “A Débil” representa uma mulher que sobressai no meio citadino, não pela sua excentricidade, mas pela sua pureza e simplicidade.
  • 8. O sujeito lírico serve-se de um conjunto de termos para caracterizar esta típica mulher: "frágil, assustada, recatada, honesta, fraca, natural, dócil, recolhida", remetendo para a sua caracterização psicológica. Já os vocábulos "loura, de corpo alegre e brando, cintura estreita, adorável, com elegância e sem ostentação, esbelta e fina, ténue" remetem para o seu aspeto físico.
  • 9. Este poema põe em relevo uma figura feminina que escapa à típica mulher citadina, a mulher que surge no espaço rural. O retrato da figura feminina está associado à mulher do campo que se movimenta num espaço que lhe é estranho. Assim, esta sente-se perdida, necessitando de proteção masculina pois sente-se desnorteada num espaço que não está adequado à sua fragilidade. Vs
  • 10. O sujeito poético caracteriza os espaços citadinos de forma negativa. Nestes espaços movimentam-se figuras sórdidas, que ele caracteriza por “turba ruidosa, negra" e por " uma chusma de padres de batina". Tal permite destacar a fragilidade da jovem, que torna estes locais mais brilhantes e atrativos. Com o intuito de evidenciar o contraste entre o espaço e a jovem senhora, o sujeito poético faz referência à agitação e à confusão que predominam na cidade, onde sobressaem as diferentes classes sociais.
  • 11. Cesário Verde utiliza um vocabulário preciso e exato, e as suas descrições dão-nos uma visão perfeita da realidade. Além disso, imprime objetividade ao conteúdo, afastando-se do lirismo romântico. O poema está cheio de referências à realidade social, onde se perceciona a crítica e a ironia de que Cesário Verde se serve e que refletem o seu caráter subjetivo.
  • 12. Cesário Verde utiliza, ainda, quadras e versos decassilábicos que permitem uma maior aproximação à prosa. As sonoridades mais utilizadas no poema são as aliterações e o tipo de frase predominante é o tipo declarativo. Ao longo de todo o poema são visíveis vários exemplos de adjetivação expressiva, o que reforça a forma como o sujeito poético caracteriza as duas realidades presentes – o campo e a cidade. O sujeito lírico dá bastante importância ao imperfeito do indicativo neste poema para indicar que o fascínio que a “Débil” exerceu sobre ele é durável e que perdura.
  • 13. • Composto por 13 quadras; • Métrica - versos decassilábicos; Ex.: “Eu, que sou fe io, só li do, le al ” • Rima - interpolada (ABBA); Ex.: interpolada: “Eu, que sou feio, sólido, leal, A ti, que és bela, frágil, assustada, Quero estimar-te, sempre, recatada Numa existência honesta, de cristal.” B A B A
  • 14. Eu, que sou feio, sólido, leal, A ti, que és bela, frágil, assustada, Quero estimar-te, sempre, recatada Numa existência honesta, de cristal. Contraste: Ele é feio, ela é bela. Ele é sólido, ela é frágil. Introdução
  • 15. Sentado à mesa dum café devasso*, Ao avistar-te, há pouco, fraca e loura, Nesta Babel tão velha e corruptora, Tive tenções de oferecer-te o braço. E, quando socorreste um miserável, Eu, que bebia cálices de absinto*, Mandei ir a garrafa, porque sinto Que me tornas prestante, bom, saudável. * Devasso: libertino, indivíduo desregrado, depravado; * Absinto: licor realizado com uma planta aromática Ambiente degradante em oposição à “Débil” Influência da “Débil” no sujeito lírico
  • 16. Eu, que sou feio, sólido, leal, A ti, que és bela, frágil, assustada, Quero estimar-te, sempre, recatada Numa existência honesta, de cristal. Sentado à mesa dum café devasso, Ao avistar-te, há pouco, fraca e loura, Nesta Babel tão velha e corruptora, Tive tenções de oferecer-te o braço. E, quando socorreste um miserável, Eu, que bebia cálices de absinto, Mandei ir a garrafa, porque sinto Que me tornas prestante, bom, saudável. Adjetivação expressiva/enumeração Metáfora Dupla adjetivação Hipálage Adjetivação expressiva / enumeração Hipérbole
  • 17. « Ela aí vem!» disse eu para os demais; e pus-me a olhar, vexado* e suspirando, o teu corpo que pulsa, alegre e brando, na frescura dos linhos matinais. Via-te pela porta envidraçada; E invejava, - talvez que o não suspeites! - Esse vestido simples, sem enfeites, Nessa cintura tenra, imaculada. Ia passando, a quatro, o patriarca. Triste eu saí. Doía-me a cabeça; Uma turba* ruidosa, negra, espessa, Voltava das exéquias* dum monarca. Adjetivação dupla Hipálage Adjetivação expressiva / Enumeração Sinestesia * Vexado: humilhado *Turba: multidão *Exéquias: orações Hipérbato / Inversão
  • 18. Adorável! Tu, muito natural, Seguias a pensar no teu bordado; Avultava, num largo arborizado, Uma estátua de rei num pedestal. Sorriam, nos seus trens, os titulares; E ao claro sol, guardava-te, no entanto, A tua boa mãe, que te ama tanto, Que não te morrerá sem te casares! Exaltação Distinção a vida no campo e a realidade da cidade. Realce da fragilidade e inocência da “Débil Titulares=Predadores reforço da vulnerabilidade da “Débil” face à cidade Nova distinção entre a “Débil” e as mulheres da cidade
  • 19. A Débil Soberbo dia! Impunha-me respeito A limpidez do teu semblante grego; E uma família, um ninho de sossego, Desejava beijar sobre o teu peito. Experimentação do amor libertador Ver a “Débil” melhorou o dia do poeta A perfeição da mulher impõe respeito ao poeta. Inicio da passagem do real para o irreal.
  • 20. Adorável! Tu, muito natural, Seguias a pensar no teu bordado; Avultava, num largo arborizado, Uma estátua de rei num pedestal. Sorriam, nos seus trens, os titulares; E ao claro sol, guardava-te, no entanto, A tua boa mãe, que te ama tanto, Que não te morrerá sem te casares! Soberbo dia! Impunha-me respeito A limpidez do teu semblante grego; E uma família, um ninho de sossego, Desejava beijar sobre o teu peito. Metáfora Hipérbato / Inversão
  • 21. Com elegância e sem ostentação, Atravessavas branca, esbelta e fina, Uma chusma* de padres de batina*, E de altos funcionários da nação. «Mas se a atropela o povo turbulento! Se fosse, por acaso, ali pisada!» De repente, paraste, embaraçada Ao pé dum numeroso ajuntamento. * Chusma: multidão * Batina: vestido usado pelos eclesiásticos Vícios negros da cidade A atitude do sujeito poético transfigura-se nesta quadra e nas seguintes Descrição da agitação da cidade
  • 22. Com elegância e sem ostentação, Atravessavas branca, esbelta e fina, Uma chusma* de padres de batina*, E de altos funcionários da nação. «Mas se a atropela o povo turbulento! Se fosse, por acaso, ali pisada!» De repente, paraste, embaraçada Ao pé dum numeroso ajuntamento. * Chusma: multidão * Batina: vestido usado pelos eclesiásticos Adjetivação expressiva / Enumeração
  • 23. E eu, que urdia* estes fáceis esbocetos*, Julguei ver, com a vista de poeta, Uma pombinha tímida e quieta Num bando ameaçador de corvos pretos. E foi, então, que eu, homem varonil*, Quis dedicar-te a minha pobre vida, A ti, que és ténue, dócil, recolhida, Eu, que sou hábil, prático, viril. Conclusão (3ª Parte) Cidade ameaça o campo, que é frágil * Urdir: tecer; preparar ardilosamente; tramar; * Esbocetos: pequeno desenho para estudo de obras em ponto grande; * Varonil: viril, másculo Fim da 2ª Parte - Descrição Parte da objetividade para a subjetividade Corvos – simbolizam os padres. Os padres ameaçam a pureza. Sentimento amoroso em relação à “Débil” Contradição com o 1º verso: “Eu, que sou feio, sólido e leal”. Agora, o poeta está influenciado pelos valores do campo.
  • 24. E eu, que urdia* estes fáceis esbocetos*, Julguei ver, com a vista de poeta, Uma pombinha tímida e quieta Num bando ameaçador de corvos pretos. E foi, então, que eu, homem varonil*, Quis dedicar-te a minha pobre vida, A ti, que és ténue, dócil, recolhida, Eu, que sou hábil, prático, viril. * Urdir: tecer; preparar ardilosamente; tramar; * Esbocetos: pequeno desenho para estudo de obras em ponto grande; * Varonil: viril, másculo Antítese metafórica Antítese
  • 25. • http://www.slideboom.com/presentations/242178/debil • http://mym-pt.blogspot.pt/2011/09/debil-cesario-verde.html • • http://www.slideboom.com/presentations/242178/debil • http://mym-pt.blogspot.pt/2011/09/debil-cesario-verde.html • GUERRA, J.; VIEIRA, J. – “Aula Viva” - Porto Editora, Porto, 2001