SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Causas da crise monárquica
Questão Militar (Importante)
 A questão militar compreende diversos conflitos entre os militares e o governo
monárquico entre os anos de 1884 e 1889. De uma forma geral, a grande
reclamação dos militares é que lhes faltava espaço de atuação política no governo.
Principalmente após a Guerra do Paraguai (1864-1870), os militares se deram conta
de que tinham grande força e faziam muito pelo país. Porém não eram reconhecidos
pela monarquia com promoções e cargos políticos, pois como já vimos, essas
regalias eram somente para os privilegiados.
Questão Religiosa (Importante)
 Desde o período colonial, a Igreja Católica era uma instituição submetida ao Estado. Isso significava, entre outras
coisas, que nenhuma ordem do Papa poderia vigorar no Brasil sem que fosse aprovada pelo Imperador
(Padroado). Ocorre que, em 1872, D. Vidal e D. Macedo, bispos de Olinda e Belém respectivamente, resolvem
seguir as ordens do Papa Pio IX, punindo religiosos ligados à maçonaria. D. Pedro II (1840-1889), influenciado
pelos maçons, decidiu intervir na questão, solicitando aos bispos que suspendessem as punições. Estes se
recusaram a obedecer ao imperador, sendo condenados a quatro anos de prisão. Em 1875, graças à intervenção
do Duque de Caxias, os bispos receberam o perdão imperial e foram colocados em liberdade. Contudo, o império
foi perdendo a simpatia da Igreja.
Questão abolicionista (Importante)
 A extinção do tráfico negreiro com a Lei Eusébio de Queirós em 1850 teve um duplo
efeito: de um lado aumentou o surto de progresso com seus investimentos em
outras áreas que não o tráfico e, de outro, criou a necessidade de outra forma de
trabalho.
 Depois houve a instituição da Lei do Ventre Livre em 1871, na qual todos os filhos de
mulheres escravas nascidos a partir da data da lei eram considerados livres. Tal lei
causou um reboliço no Parlamento e entre os senhores fazendeiros, que temiam
perder a sua força trabalhadora estável e lucrativa.
 A campanha chegou ao fim em 1888, com a Lei Áurea, sem que os senhores de
escravos fossem indenizados por isso. Muitos fazendeiros sofreram grandes perdas e
alguns até se arruinaram devido à Abolição. Esse grupo descontente passa então a
fazer parte da oposição à Monarquia.
Questão ideológica
 No dia 3 de dezembro de 1870 surge no Rio de Janeiro o jornal A República,
trazendo o manifesto do Partido Republicano, com o intuito de esclarecer a
sociedade quanto aos defeitos do regime monárquico e as virtudes da República.
 Para os republicanos a Monarquia era um regime de “privilégios em todas as suas
relações com a sociedade” (privilégio de religião, de raça, de sabedoria, de posição).
Por isso, a Monarquia levava o país a uma “decadência moral”, a uma
“desorganização administrativa e a perturbações econômicas”. Mas os principais
problemas apontados pelos republicanos era o excessivo poder do Imperador, um
“poder onipotente, perpétuo, superior à lei e à opinião” e a falta de representação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução inglesa e absolutismo
Revolução inglesa e absolutismoRevolução inglesa e absolutismo
Revolução inglesa e absolutismoCarlos Zaranza
 
História Contemporânea I
História Contemporânea IHistória Contemporânea I
História Contemporânea IManu Moraes
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoAntonino Miguel
 
Introdução Ao Mundo Contemporâneo
Introdução Ao Mundo Contemporâneo Introdução Ao Mundo Contemporâneo
Introdução Ao Mundo Contemporâneo wyliannemaia
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugalcattonia
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoricardup
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução FrancesaIsaquel Silva
 
Seminario mundo contemporaneo
Seminario mundo contemporaneoSeminario mundo contemporaneo
Seminario mundo contemporaneoGian Vargas
 
Absolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismoAbsolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismoedna2
 
Revoluções liberais
Revoluções liberaisRevoluções liberais
Revoluções liberaisTeresa Maia
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicodiariohistoria
 

Mais procurados (19)

Revolução inglesa e absolutismo
Revolução inglesa e absolutismoRevolução inglesa e absolutismo
Revolução inglesa e absolutismo
 
Costa Cabral
Costa CabralCosta Cabral
Costa Cabral
 
História Contemporânea I
História Contemporânea IHistória Contemporânea I
História Contemporânea I
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 
Introdução Ao Mundo Contemporâneo
Introdução Ao Mundo Contemporâneo Introdução Ao Mundo Contemporâneo
Introdução Ao Mundo Contemporâneo
 
2º ano - iluminismo
2º ano -  iluminismo2º ano -  iluminismo
2º ano - iluminismo
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
História
HistóriaHistória
História
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómico
 
As revoluções burguesas
As revoluções burguesasAs revoluções burguesas
As revoluções burguesas
 
2ºteste
2ºteste2ºteste
2ºteste
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Seminario mundo contemporaneo
Seminario mundo contemporaneoSeminario mundo contemporaneo
Seminario mundo contemporaneo
 
Absolutismo 4
Absolutismo 4Absolutismo 4
Absolutismo 4
 
Absolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismoAbsolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismo
 
Revoluções liberais
Revoluções liberaisRevoluções liberais
Revoluções liberais
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
 

Destaque

Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2Matheus Alves
 
Modelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTModelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTMatheus Alves
 
Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Matheus Alves
 
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1Matheus Alves
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3Matheus Alves
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Matheus Alves
 
Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Matheus Alves
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialMatheus Alves
 
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoHistória do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoMatheus Alves
 
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasOs tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasMatheus Alves
 
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemAgricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemMatheus Alves
 

Destaque (20)

Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
 
Modelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTModelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINT
 
Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2
 
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
 
A guerra fria 2008
A guerra fria 2008A guerra fria 2008
A guerra fria 2008
 
Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1
 
As revoluções
As revoluçõesAs revoluções
As revoluções
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
 
História
HistóriaHistória
História
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Brasil colonial_mineracao
Brasil colonial_mineracaoBrasil colonial_mineracao
Brasil colonial_mineracao
 
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoHistória do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
 
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasOs tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012
 
Revolução americana 1776
Revolução americana   1776Revolução americana   1776
Revolução americana 1776
 
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemAgricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
 

Semelhante a Causas da crise monárquica: Questões militar, religiosa, abolicionista e ideológica

Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraWashington Souza
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialTatiana Rezende
 
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfAULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfFlviaCristina51
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptdawdsoncangussu
 
HistóRia May 22
HistóRia May 22HistóRia May 22
HistóRia May 22agccf
 
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptimperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptKrishPatel433809
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo CarlosNazar1
 
Ocaso do Império Brasileiro
Ocaso do Império BrasileiroOcaso do Império Brasileiro
Ocaso do Império BrasileiroLuiz Valentim
 

Semelhante a Causas da crise monárquica: Questões militar, religiosa, abolicionista e ideológica (20)

Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileira
 
O reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro IIO reinado de dom pedro II
O reinado de dom pedro II
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfAULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.ppt
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
A crise no impér io e o 15 de novembro
A crise no impér io e o 15 de novembroA crise no impér io e o 15 de novembro
A crise no impér io e o 15 de novembro
 
O Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro IIO Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro II
 
HistóRia May 22
HistóRia May 22HistóRia May 22
HistóRia May 22
 
Resumo o segundo reinado
Resumo   o segundo reinadoResumo   o segundo reinado
Resumo o segundo reinado
 
Resumo o segundo reinado
Resumo   o segundo reinadoResumo   o segundo reinado
Resumo o segundo reinado
 
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptimperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
 
Ocaso do Império Brasileiro
Ocaso do Império BrasileiroOcaso do Império Brasileiro
Ocaso do Império Brasileiro
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 

Mais de Matheus Alves

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaMatheus Alves
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaMatheus Alves
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Matheus Alves
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaMatheus Alves
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Matheus Alves
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Matheus Alves
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Matheus Alves
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisMatheus Alves
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoMatheus Alves
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)Matheus Alves
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matheus Alves
 

Mais de Matheus Alves (20)

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na alma
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíblia
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitais
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definição
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
 

Último

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

Causas da crise monárquica: Questões militar, religiosa, abolicionista e ideológica

  • 1. Causas da crise monárquica
  • 2. Questão Militar (Importante)  A questão militar compreende diversos conflitos entre os militares e o governo monárquico entre os anos de 1884 e 1889. De uma forma geral, a grande reclamação dos militares é que lhes faltava espaço de atuação política no governo. Principalmente após a Guerra do Paraguai (1864-1870), os militares se deram conta de que tinham grande força e faziam muito pelo país. Porém não eram reconhecidos pela monarquia com promoções e cargos políticos, pois como já vimos, essas regalias eram somente para os privilegiados.
  • 3. Questão Religiosa (Importante)  Desde o período colonial, a Igreja Católica era uma instituição submetida ao Estado. Isso significava, entre outras coisas, que nenhuma ordem do Papa poderia vigorar no Brasil sem que fosse aprovada pelo Imperador (Padroado). Ocorre que, em 1872, D. Vidal e D. Macedo, bispos de Olinda e Belém respectivamente, resolvem seguir as ordens do Papa Pio IX, punindo religiosos ligados à maçonaria. D. Pedro II (1840-1889), influenciado pelos maçons, decidiu intervir na questão, solicitando aos bispos que suspendessem as punições. Estes se recusaram a obedecer ao imperador, sendo condenados a quatro anos de prisão. Em 1875, graças à intervenção do Duque de Caxias, os bispos receberam o perdão imperial e foram colocados em liberdade. Contudo, o império foi perdendo a simpatia da Igreja.
  • 4. Questão abolicionista (Importante)  A extinção do tráfico negreiro com a Lei Eusébio de Queirós em 1850 teve um duplo efeito: de um lado aumentou o surto de progresso com seus investimentos em outras áreas que não o tráfico e, de outro, criou a necessidade de outra forma de trabalho.  Depois houve a instituição da Lei do Ventre Livre em 1871, na qual todos os filhos de mulheres escravas nascidos a partir da data da lei eram considerados livres. Tal lei causou um reboliço no Parlamento e entre os senhores fazendeiros, que temiam perder a sua força trabalhadora estável e lucrativa.  A campanha chegou ao fim em 1888, com a Lei Áurea, sem que os senhores de escravos fossem indenizados por isso. Muitos fazendeiros sofreram grandes perdas e alguns até se arruinaram devido à Abolição. Esse grupo descontente passa então a fazer parte da oposição à Monarquia.
  • 5. Questão ideológica  No dia 3 de dezembro de 1870 surge no Rio de Janeiro o jornal A República, trazendo o manifesto do Partido Republicano, com o intuito de esclarecer a sociedade quanto aos defeitos do regime monárquico e as virtudes da República.  Para os republicanos a Monarquia era um regime de “privilégios em todas as suas relações com a sociedade” (privilégio de religião, de raça, de sabedoria, de posição). Por isso, a Monarquia levava o país a uma “decadência moral”, a uma “desorganização administrativa e a perturbações econômicas”. Mas os principais problemas apontados pelos republicanos era o excessivo poder do Imperador, um “poder onipotente, perpétuo, superior à lei e à opinião” e a falta de representação.