SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
REVOLUÇÃO RUSSA - 1917 (História ger
#Parte 1
REVOLUÇÃO RUSSA - 1917 (História ger
#Parte 1
REVOLUÇÃO RUSSA - 1917 (História ger
#Parte 1
É importante saber
A revolução Russa deve ser estudada com base no seu contexto
da época:
• Influência do rei, Rússia absolutista (Czarismo);
• Influências da Igreja católica ortodoxa;
• Atividades agrárias, país populoso com graves problemas
sociais e suas desigualdades;
• Sociedade hierarquizada;
E aí, vai fazer como a velha Rússia parada no tempo? Vem
comigo!
A Rússia presa no tempo
• A Rússia ainda estava presa nas mãos de um soberano, o qual estava fortemente ligado a ideia
do “Direito divino dos reis” que propagava que os reis eram reis porque eram escolhidos por
Deus para designar tal cargo.
• Apresentava um grande atraso em todos os aspectos em relação aos países da Europa. Para se
ter uma ideia, a maioria de suas atividades eram voltadas ao campo, com pouquíssimas
indústrias estrangeiras.
• Tanto a população quanto a burguesia estavam subordinados a nobreza Russa, sem nenhuma
exposição de ideias e cumprimento de seus mínimos direitos. Mais de 80% da população vivia
no campo.
• Países como Inglaterra, França e Alemanha já progrediam para regimes constitucionalistas.
Nicolau II - Ações
• Nicolau recusava conceder a seus súditos um governo constitucional e parlamentar.
• Partidos políticos: proibidos, censura à imprensa e qualquer rebeldia contra o
governo era duramente reprimida, podendo o rebelde ser exilado na Sibéria.
• Os COSSACOS - polícia czarista - reprimia duramente qualquer ato contra o
governo czarista de Nicolau II.
Nicolau II - Ações
• Ele abriu mais ainda a economia russa à entrada do capital externo. Início da exportação de
petróleo, a implantação de estradas de ferro e da indústria siderúrgica. Esse impulso teve
como consequência a ampliação da classe operária e uma conscientização de sua
exploração; assim como um campo fértil para o florescimento das ideias marxistas e a luta
da classe operária em termos de organização política que fez surgir o Partido Operário
Social-Democrata de base marxista.
O partido se divide
• Após várias controvérsias quanto as ambições que o partido deveria tomar, ele se
divide em:
 Mencheviques: (minoria)- eram liderados por Martov, esses revolucionários
aliança com a burguesia e a passagem gradual ao socialismo através de um
de reformas políticas.
 Bolcheviques:(maioria)- liderados por Lênin, eram revolucionários e defendiam
instauração do socialismo na Rússia com base numa aliança entre os
operários.
A diferença entre eles
Os líderes
Julius Martov
Menchevique
Vladimir Lenine(Lênin)
Bolchevique
A Guerra Russo-Japonesa
A Guerra Russo-Japonesa
• Fim do século XIX foi marcado pela expansão colonial e imperialista das grandes potências,
com vistas à divisão do mercado mundial em áreas de influência. Também a Rússia
expandiu-se, mas em direção ao Oriente, acabando por se chocar com o imperialismo
japonês na Manchúria e na Coréia (região do Extremo Oriente).
• Essa rivalidade acabou por provocar em 1904 a eclosão da guerra Russo-Japonesa. O Japão
obteve esmagadora vitória sobre a Rússia aumentando ainda mais as dificuldades do povo
russo.
O domingo sangrento
• Em janeiro de 1905, em Petrogrado, uma passeata pacífica liderada por um padre,
culminou no massacre dos manifestantes pelo exército do Czar. Nesse episódio, conhecido
como “Domingo sangrento”, mais de mil pessoas foram massacradas, tornou-se o estopim
para o início da revolução, chamada posteriormente por Lênin de Ensaio Geral. O país foi
abalado por uma série de greves e revoltas.
Revolução Russa de 1917: Contexto e Causas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comunismo: de Stalin a Gorbachov
Comunismo: de Stalin a GorbachovComunismo: de Stalin a Gorbachov
Comunismo: de Stalin a GorbachovGustavo Domingues
 
Mencheviques e Bolcheviques - Prof. Altair Aguilar
Mencheviques e Bolcheviques - Prof. Altair AguilarMencheviques e Bolcheviques - Prof. Altair Aguilar
Mencheviques e Bolcheviques - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Revolução Russa (esquema)
Revolução Russa (esquema)Revolução Russa (esquema)
Revolução Russa (esquema)Elton Zanoni
 
Aula revolução russa editora moderna
Aula revolução russa editora modernaAula revolução russa editora moderna
Aula revolução russa editora modernaBruno-machado Bruno
 
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)Marcos Mamute
 
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietesDa Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietesJoão Camacho
 

Mais procurados (16)

Comunismo: de Stalin a Gorbachov
Comunismo: de Stalin a GorbachovComunismo: de Stalin a Gorbachov
Comunismo: de Stalin a Gorbachov
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Mencheviques e Bolcheviques - Prof. Altair Aguilar
Mencheviques e Bolcheviques - Prof. Altair AguilarMencheviques e Bolcheviques - Prof. Altair Aguilar
Mencheviques e Bolcheviques - Prof. Altair Aguilar
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução Russa (esquema)
Revolução Russa (esquema)Revolução Russa (esquema)
Revolução Russa (esquema)
 
Aula revolução russa editora moderna
Aula revolução russa editora modernaAula revolução russa editora moderna
Aula revolução russa editora moderna
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
 
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietesDa Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
 
Lenine
LenineLenine
Lenine
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
 
A revolução russa
A revolução russaA revolução russa
A revolução russa
 

Destaque

Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2Matheus Alves
 
Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Matheus Alves
 
Causas da crise do 2° reinado
Causas da crise do 2° reinadoCausas da crise do 2° reinado
Causas da crise do 2° reinadoMatheus Alves
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Matheus Alves
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3Matheus Alves
 
Modelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTModelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTMatheus Alves
 
Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Matheus Alves
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialMatheus Alves
 
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoHistória do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoMatheus Alves
 
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasOs tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasMatheus Alves
 
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemAgricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemMatheus Alves
 

Destaque (20)

Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
 
Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2
 
A guerra fria 2008
A guerra fria 2008A guerra fria 2008
A guerra fria 2008
 
Causas da crise do 2° reinado
Causas da crise do 2° reinadoCausas da crise do 2° reinado
Causas da crise do 2° reinado
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
 
Modelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTModelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINT
 
Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
 
As revoluções
As revoluçõesAs revoluções
As revoluções
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Brasil colonial_mineracao
Brasil colonial_mineracaoBrasil colonial_mineracao
Brasil colonial_mineracao
 
História
HistóriaHistória
História
 
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoHistória do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
 
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasOs tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução americana 1776
Revolução americana   1776Revolução americana   1776
Revolução americana 1776
 
Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012
 
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemAgricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
 

Semelhante a Revolução Russa de 1917: Contexto e Causas

As Revoluções da Rússia.pptx
As Revoluções da Rússia.pptxAs Revoluções da Rússia.pptx
As Revoluções da Rússia.pptxWirlanPaje2
 
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917josafaslima
 
Seminário de historia por alunos do 3º Ensino Médio
Seminário de historia por alunos do 3º Ensino MédioSeminário de historia por alunos do 3º Ensino Médio
Seminário de historia por alunos do 3º Ensino MédioInaldo Macedo
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917josafaslima
 
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.comHistória - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.comVídeo Aulas Apoio
 
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo Mirandaeduardodemiranda
 
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdfA revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdfRafa Rafael JW
 
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Mirandaeduardodemiranda
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticasa REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas SoviéticasMarceloDosSantosSoar3
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russawinterverno
 
1.1 A Revolução russa e o trabalho
1.1 A Revolução russa e o trabalho1.1 A Revolução russa e o trabalho
1.1 A Revolução russa e o trabalhoLuiz Antonio Souza
 

Semelhante a Revolução Russa de 1917: Contexto e Causas (20)

As Revoluções da Rússia.pptx
As Revoluções da Rússia.pptxAs Revoluções da Rússia.pptx
As Revoluções da Rússia.pptx
 
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
 
Seminário de historia por alunos do 3º Ensino Médio
Seminário de historia por alunos do 3º Ensino MédioSeminário de historia por alunos do 3º Ensino Médio
Seminário de historia por alunos do 3º Ensino Médio
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
 
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.comHistória - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
 
A revolução russa
A revolução russaA revolução russa
A revolução russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
 
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdfA revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
Russia
RussiaRussia
Russia
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticasa REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
A RevoluçãO SoviéTica
A RevoluçãO SoviéTicaA RevoluçãO SoviéTica
A RevoluçãO SoviéTica
 
A revolução russa de 1917.em
A revolução russa de 1917.emA revolução russa de 1917.em
A revolução russa de 1917.em
 
1.1 A Revolução russa e o trabalho
1.1 A Revolução russa e o trabalho1.1 A Revolução russa e o trabalho
1.1 A Revolução russa e o trabalho
 

Mais de Matheus Alves

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaMatheus Alves
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaMatheus Alves
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Matheus Alves
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaMatheus Alves
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Matheus Alves
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Matheus Alves
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Matheus Alves
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisMatheus Alves
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoMatheus Alves
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)Matheus Alves
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matheus Alves
 

Mais de Matheus Alves (20)

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na alma
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíblia
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitais
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definição
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
 

Último

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 

Último (20)

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 

Revolução Russa de 1917: Contexto e Causas

  • 1. REVOLUÇÃO RUSSA - 1917 (História ger #Parte 1
  • 2. REVOLUÇÃO RUSSA - 1917 (História ger #Parte 1
  • 3. REVOLUÇÃO RUSSA - 1917 (História ger #Parte 1
  • 4. É importante saber A revolução Russa deve ser estudada com base no seu contexto da época: • Influência do rei, Rússia absolutista (Czarismo); • Influências da Igreja católica ortodoxa; • Atividades agrárias, país populoso com graves problemas sociais e suas desigualdades; • Sociedade hierarquizada; E aí, vai fazer como a velha Rússia parada no tempo? Vem comigo!
  • 5. A Rússia presa no tempo • A Rússia ainda estava presa nas mãos de um soberano, o qual estava fortemente ligado a ideia do “Direito divino dos reis” que propagava que os reis eram reis porque eram escolhidos por Deus para designar tal cargo. • Apresentava um grande atraso em todos os aspectos em relação aos países da Europa. Para se ter uma ideia, a maioria de suas atividades eram voltadas ao campo, com pouquíssimas indústrias estrangeiras. • Tanto a população quanto a burguesia estavam subordinados a nobreza Russa, sem nenhuma exposição de ideias e cumprimento de seus mínimos direitos. Mais de 80% da população vivia no campo. • Países como Inglaterra, França e Alemanha já progrediam para regimes constitucionalistas.
  • 6. Nicolau II - Ações • Nicolau recusava conceder a seus súditos um governo constitucional e parlamentar. • Partidos políticos: proibidos, censura à imprensa e qualquer rebeldia contra o governo era duramente reprimida, podendo o rebelde ser exilado na Sibéria. • Os COSSACOS - polícia czarista - reprimia duramente qualquer ato contra o governo czarista de Nicolau II.
  • 7. Nicolau II - Ações • Ele abriu mais ainda a economia russa à entrada do capital externo. Início da exportação de petróleo, a implantação de estradas de ferro e da indústria siderúrgica. Esse impulso teve como consequência a ampliação da classe operária e uma conscientização de sua exploração; assim como um campo fértil para o florescimento das ideias marxistas e a luta da classe operária em termos de organização política que fez surgir o Partido Operário Social-Democrata de base marxista.
  • 8. O partido se divide • Após várias controvérsias quanto as ambições que o partido deveria tomar, ele se divide em:  Mencheviques: (minoria)- eram liderados por Martov, esses revolucionários aliança com a burguesia e a passagem gradual ao socialismo através de um de reformas políticas.  Bolcheviques:(maioria)- liderados por Lênin, eram revolucionários e defendiam instauração do socialismo na Rússia com base numa aliança entre os operários.
  • 12. A Guerra Russo-Japonesa • Fim do século XIX foi marcado pela expansão colonial e imperialista das grandes potências, com vistas à divisão do mercado mundial em áreas de influência. Também a Rússia expandiu-se, mas em direção ao Oriente, acabando por se chocar com o imperialismo japonês na Manchúria e na Coréia (região do Extremo Oriente). • Essa rivalidade acabou por provocar em 1904 a eclosão da guerra Russo-Japonesa. O Japão obteve esmagadora vitória sobre a Rússia aumentando ainda mais as dificuldades do povo russo.
  • 13. O domingo sangrento • Em janeiro de 1905, em Petrogrado, uma passeata pacífica liderada por um padre, culminou no massacre dos manifestantes pelo exército do Czar. Nesse episódio, conhecido como “Domingo sangrento”, mais de mil pessoas foram massacradas, tornou-se o estopim para o início da revolução, chamada posteriormente por Lênin de Ensaio Geral. O país foi abalado por uma série de greves e revoltas.