SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Era napoleônica
Biografia, consulado, império e o governo dos cem dias
Clique no ícone para ver uma observação.
Termos em vermelho são importantes.
Biografia – Napoleão Bonaparte
 Napoleão Bonaparte (Napoléon Bonaparte), nascido em Ajaccio, Córsega,
15 de Agosto de 1769, falecido em Santa Helena, 5 de Maio de 1821, foi o
dirigente efetivo da França a partir de 1799 e foi Imperador de França de 18
de Maio de 1804 a 6 de Abril de 1814, adoptando o nome de Napoleão I.
Além disso, conquistou e governou grande parte da Europa central e
ocidental. Napoleão Bonaparte tornou-se uma figura importante no cenário
político mundial da época, já que esteve no poder da França por 15 anos e
nesse tempo conquistou grandes partes do continente europeu. Os
biógrafos afirmam que seu sucesso deu-se devido ao seu talento como
estrategista, seu talento para entusiasmar os soldados com promessas de
riqueza e glória após vencidas as batalhas, além de seu espírito de
liderança.
Relembrando alguns conceitos...
 O 18 de Brumário foi um golpe de Estado comandado por Napoleão Bonaparte na França. No calendário
revolucionário francês, este dia ocorreu em 18 de Brumário do ano IV (9 de novembro de 1799 no calendário
gregoriano). Através deste golpe, Napoleão colocou fim ao Diretório e iniciou a ditadura na França.
 Após a queda do Diretório, foi criado o Consulado e Napoleão se tornou o primeiro-cônsul da França, governando
com poderes absolutos.
 Como ocorreu
Mesmo com uma grande instabilidade política e econômica na França, Napoleão recebeu forte apoio da
burguesia que defendia um governo forte para pacificar o país e gerar um ambiente de ordem.
Os políticos do Diretório deram a Napoleão o apoio necessário e propuseram o uso da força militar para que ele
assumisse o governo.
 A burguesia no poder
Com apoio da burguesia, dos políticos e do exército, Napoleão deu o golpe, fechando a Assembleia do Diretório.
Foi a consolidação da burguesia no poder, que já vinha acontecendo desde a Revolução Francesa de 1789.
Diretório
Governo – Era napoleônica (1799-1814)
 A sociedade francesa estava a passar por um momento difícil com os processos
revolucionários ocorridos no país, de um lado com a burguesia insatisfeita com os
jacobinos, formados por monarquistas e revolucionários radicais, e do outro lado as
tradicionais monarquias europeias, que estavam a temer que os
ideais revolucionários franceses se difundissem pelos seus reinos.
 O governo do Diretório foi derrubado em França sob o comando de Napoleão,
que junto com a burguesia, instituiu o "consulado", primeira fase do governo de
Napoleão. Este golpe ficou conhecido como golpe 18 de Brumário' (data que
corresponde ao calendário estabelecido pela Revolução Francesa e equivale a 9
de Novembro do calendário gregoriano) em 1799. Muitos historiadores alegam que
Napoleão fez questão de evitar que camadas inferiores da população subissem ao
poder.
 O fim do processo revolucionário na França, com o Golpe 18 de Brumário, marcou
o início de um novo período na história francesa, e consequentemente, da
Europa: a Era Napoleónica.
Governo – Consulado (1799-1804)
 O governo do consulado de Napoleão foi instalado após a queda do
Directório. O consulado possuía características republicanas, além de ser
centralizado e controlado pelos militares. No poder Executivo, havia três
pessoas que eram responsáveis: os cônsules Roger Ducos, Emmanuel Sieyès
e o próprio Napoleão. Apesar da presença de outros dois cônsules, quem
mais tinha força e poder no Executivo era Napoleão, que foi eleito primeiro-
cônsul da República.
 Novas instituições foram criadas com a Constituição de Dezembro de 1799,
com cunho democrático, eram criadas para disfarçar o seu centralismo no
poder. As instituições criadas foram o Senado, Tribunal, Corpo Legislativo e o
Conselho de Estado. Mas o responsável pelo comando do exército, pela
política externa, pela autoria das leis e quem nomeava os membros da
administração era o primeiro-cônsul(Napoleão Bonaparte).
Governo – Consulado (1799-1804)
 Quem estava no centro do poder na época do consulado era a burguesia
(os industriais, os financistas e comerciantes), e consolidaram-se como o
grupo dirigente na França. Os ideais "liberdade, igualdade, fraternidade", da
época da Revolução Francesa foram abandonados, e através da forte
censura à imprensa e acção violenta de órgãos policiais, a oposição ao
governo foi destruida.
Consulado – Medidas adotadas
(importante)
 Economia - o Banco da França foi criado, em 1800, controlando a emissão de moedas,
reduzindo a inflação. As tarifas impostas eram protecionistas (ou seja, com aumento de
impostos para a importação de produtos estrangeiros), o resultado geral foi uma França
com comércio e indústria fortalecidos, principalmente com os estímulos a produção e
consumo interno.
 Religião - com o objetivo de usar a religião como instrumento de poder político, Napoleão
assinou um acordo, o Tratado (1801), entre a Igreja Católica e o Estado. O acordo sob
aprovação do papa, dava o direito do governo francês de confiscar as propriedades da
Igreja, e em troca, o governo teria de apoiar o clero. Napoleão reconhecia o catolicismo
como a religião da maioria dos franceses, mas dava o direito de escolher bispos, que mais
tarde seriam aprovados pelo papa.
 Direito - o Código Napolenico, um código civil, foi estabelecido, representando em grande
parte interesses dos burgueses, como casamento civil (separado do religioso), respeito à
propriedade privada, direito à liberdade individual e igualdade de todos perante à lei.
Código Napoleônico
Consulado – Medidas adotadas
(importante)
 Educação - o ensino foi restaurado e a preferência foi a formação do
cidadão francês. A educação pública foi reconhecida como importante
meio de formação das pessoas, principalmente nos aspectos
do comportamento moral, político e social.
 Administração - pessoas da confiança de Napoleão eram indicadas aos
cargos administrativos.
 Após uma década de conflitos gerais no país, com a Revolução Francesa,
as medidas aplicadas deram para o povo francês a esperança de uma
estabilização do governo. Os resultados obtidos neste período do governo
de Napoleão agradaram à elite francesa. Com o apoio destas, Napoleão
foi elevado ao nível de cônsul vitalício em 1802, podendo indicar seu
sucessor. Esta realização implicou na instituição de um regime monárquico.
Governo – Império (1804-1814)
 A opinião pública foi mobilizada pelos apoiadores de Napoleão, que levou à aprovação para a
implantação definitiva do governo do Império. Em plebiscito realizado em 1804, a nova fase da era
napoleónica foi aprovada com quase 60% dos votos, e o regime monárquico foi reinstituído na
França, e Napoleão foi declarado para ocupar o trono.
 Foi realizada uma festa em 2 de Dezembro de 1804 para formalizar a coroação do agora Napoleão I
na catedral de Notre-Dame. Um dos momentos mais marcantes da história ocorreu nesta noite, onde
um acto surpreendente, Napoleão I retirou a coroa das mãos do Papa Pio VII, que tinha viajado
especialmente para a cerimónia, e ele mesmo se coroou, numa atitude para deixar claro que não
toleraria alguma autoridade superior á dele. Logo após também coroou sua esposa, a imperatriz
Josefina.
 Títulos de nobreza foram concedidos aos familiares de Napoleão, por ele mesmo. Além disso, colocou-
os em altos cargos públicos. Uma nova corte com membros da elite militar, da alta burguesia e da
antiga nobreza foi formada. Para celebrar os triunfos de seu governo, Napoleão I construiu
monumentos grandiosos, como o Arco do Triunfo.
 O Império Francês atingiu sua extensão máxima neste período, em torno de 1812, com quase toda
Europa Ocidental e grande parte da Oriental ocupadas, possuindo 150 departamentos, com 50
milhões de habitantes, quase um terço da população europeia da época.
Governo – Império (1804-1814)
(importante)
Clique no ícone para ver uma
observação.Expansão territorial militar
Bloqueio Continental
Fuga da Família Real para o Brasil
Derrota francesa na Rússia
Invasão dos aliados na França e derrota de
Napoleão
Governo – Cem dias
 O Governo dos Cem Dias refere-se ao período compreendido entre 1° de março de 1815 - quando
Napoleão retorna do seu exílio na ilha de Elba - e 18 de junho do mesmo ano - quando seu exército, a
Grande Armée, é vencido na batalha de Waterloo.
Este período é a fase final das chamadas Guerras Napoleónicas, assim como do império francês de
Napoleão Bonaparte.
 O Tratado de Fontainebleau, de 1814, afasta Napoleão da ilha de Elba, de onde foge no ano a
seguir. Desembarca na França com um Exército e reconquista o poder. Inicia então o Governo dos
Cem Dias. A Europa reunida prossegue a sua luta contra o Exército francês. Napoleão entra na
Bélgica em Junho de 1815, mas é derrotado pelos ingleses na Batalha de Waterloo e renuncia pela
segunda vez, pondo fim ao Império Napoleónico.
Considerações finais
 O Império Francês afetou diretamente Portugal, uma vez que este não aceitou participar no Bloqueio
Continental. Descontente o exército francês começou a atacar Portugal e a família real portuguesa
viu-se sem alternativas pois não tinha meios para fazer frente ao império napoleónico mas também
não podia abdicar dos negócios com Inglaterra, e como consequência os dirigentes portugueses
fugiram para o Brasil.
 Existem várias teorias sobre as causas da morte do imperador Napoleão Bonaparte mas até aos dias
de hoje nenhuma delas é completamente aceite.
O diretório
 A queda dos jacobinos representou a subida ao poder da alta burguesia. O
Diretório era composto por cinco membros, e existiam ainda duas
assembleias: a dos Anciãos e a dos Quinhentos. Essa fase representou o
fortalecimento da burguesia e a volta de alguns privilégios, como o voto
censitário e o fim das leis sociais do período anterior.
 Houve ainda tentativas de insurreições, como a de Graco Babeuf, líder da
Conspiração dos Iguais, que pretendia destituir o Diretório e aprofundar as
reformas sociais da Revolução Francesa. Babeuf foi guilhotinado, ilustrando o
domínio da burguesia no poder do Estado. As disputas internas e as guerras
externas criaram as condições para o fortalecimento do exército e de um
dos seus principais generais, Napoleão Bonaparte. Com a criação do
Consulado em 1799, tinha início a época Napoleônica.
Código napoleônico
 O Código Civil Francês (originalmente chamado de Code Civil, ou código
civil e, posteriormente, chamado de Code Napoléon, ou Código
Napoleônico) foi o código civil francês outorgado por Napoleão I e que
entrou em vigor 21 de março de 1804.
 O Código Napoleônico propriamente dito aborda somente questões
de direito civil, como as pessoas, os bens e a aquisição de propriedade;
outros códigos foram posteriormente publicados abordando direito
penal, direito processual penal e direito comercial. O Código Napoleônico
também não tratava como leis e normas deveriam ser elaboradas, o que é
matéria para uma Constituição.
Expansão territorial militar
 Neste período, Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos
territórios para França. O exército francês aumentou o seu número de armas e
combatentes, e tornou-se o mais poderoso de toda a Europa.
 Pensando que a expansão e o crescimento económico e militar da França era uma
ameaça a Inglaterra, os diplomatas ingleses formaram coligações internacionais para se
opor ao novo governo francês e ao seu expansionismo. Também acreditavam que o
governo francês poderia influenciar países que estavam sob o sistema absolutista e assim
causar uma revolta. A primeira coligação formada para deter os franceses era constituída
pela: Inglaterra, Áustria, Rússia e Prússia.
 Em Outubro de 1805, os franceses usaram a marinha para atacar a Inglaterra por mar, mas
não tiveram sucesso, derrotados pela marinha inglesa, comandada pelo almirante Nelson,
batalha que ficou conhecida como Batalha de Trafalgar, firmando o império naval
britânico.
 Ao contrário do fracasso com os ingleses, os franceses venceram os seus outros inimigos da
coligação, como a Áustria, em 1805, na Batalha de Austerlitz, além da Prússia em 1806 e
Rússia em 1807.
Bloqueio continental
 Na busca de outras maneiras para derrotar ou enfraquecer os ingleses, o Império Francês
impôs o Bloqueio Continental em 1806, onde Napoleão impunha que todos os países
europeus deveriam fechar seus portos para o comércio com a Inglaterra, enfraquecendo as
exportações do país e causando uma crise industrial.
 Um problema que afetou muitos países que participaram do Bloqueio continental era que a
Inglaterra, que já tinha passado pela Revolução Industrial, estava com uma firme produção
de produtos industriais, e muitos países europeus ainda não possuíam produção industrial
própria, e dependiam da Inglaterra para importar este tipo de produto, em troca de
produtos agrícolas.
 A França procurou-se beneficiar no Bloqueio continental com o aumento da venda dos
produtos produzidos pelos produtores franceses, aumentando as exportações dentro da
Europa e no mundo. A fraca quantidade de produtos manufaturados deixou alguns países
sem recursos industriais.
Fuga da família real para o Brasil
 O governo português dependia muito da Inglaterra para seus negócios, e abdicar da
importação de produtos industriais ingleses não deixaria a situação fácil. Pressionados por
Napoleão, os portugueses não tiveram escolha: como não podiam abandonar os negócios
que tinha com a Inglaterra, não participarão do Bloqueio Continental.
 Insatisfeito com a decisão portuguesa, o exército francês começou a dirigir-se a Portugal.
Sem alternativas de negociação e sabendo nobreza francesas, arma uma conspiração
para dar um golpe de Estado contra o imperador. Napoleão regressa imediatamente a
Paris e controla a situação.que não teria como vencer as tropas, a Família Real portuguesa,
incluindo o príncipe-regente D. João VI, que chefiou a operação, fugiu para o Brasil, instalou
e operou o governo português directamente de lá, do Rio de Janeiro em 1808.
 Quase 10 mil pessoas fugiram para o Brasil, transferindo praticamente todo o quadro do
aparelho estatal. Além de pessoas do governo muitos nobres, comerciantes ricos, juízes de
tribunais superiores, entre outros, vieram junto. O exército de Napoleão atravessou Portugal
sem encontrar uma só resistência.
Derrota francesa na Rússia
 Em 1812, a aliança franco-russa é quebrada pelo czar Alexandre, que rompe
o bloqueio contra os ingleses. Napoleão empreende então a campanha
contra a Rússia. Entra em Moscovo e, durante a retirada, o frio e a fome
diminui grande parte do Exército francês. Enquanto isso, na França, o
general Malet, apoiado por sectores descontentes da burguesia e da
antiga.
Invasão dos aliados na França e derrota de
Napoleão
 Tem início então a luta da coalizão europeia contra a França. Com a
capitulação de Paris, o imperador é obrigado a abdicar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialHerminio Banze
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira repúblicaMaria Gomes
 
O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)Paulo Alexandre
 
História do rádio
História do rádioHistória do rádio
História do rádioJúlio Rocha
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesaedna2
 
Slides revolução francesa
Slides revolução francesaSlides revolução francesa
Slides revolução francesaprofalced04
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesaeduardosalgdo
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesaJanayna Lira
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesaeiprofessor
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoLeonardo Caputo
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesaIsabel Aguiar
 
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensCarla Freitas
 

Mais procurados (20)

A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrial
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
 
O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)
 
O congresso de viena
O congresso de vienaO congresso de viena
O congresso de viena
 
História do rádio
História do rádioHistória do rádio
História do rádio
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Slides revolução francesa
Slides revolução francesaSlides revolução francesa
Slides revolução francesa
 
Império napoleônico
Império napoleônicoImpério napoleônico
Império napoleônico
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
A história da 1ª republica
A história da 1ª republicaA história da 1ª republica
A história da 1ª republica
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
ERA NAPOLEÔNICA
ERA NAPOLEÔNICAERA NAPOLEÔNICA
ERA NAPOLEÔNICA
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesa
 
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
 
Era napoleonica
Era napoleonicaEra napoleonica
Era napoleonica
 

Destaque

Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Matheus Alves
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3Matheus Alves
 
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1Matheus Alves
 
Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Matheus Alves
 
Causas da crise do 2° reinado
Causas da crise do 2° reinadoCausas da crise do 2° reinado
Causas da crise do 2° reinadoMatheus Alves
 
Modelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTModelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTMatheus Alves
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2Matheus Alves
 
Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Matheus Alves
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialMatheus Alves
 
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoHistória do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoMatheus Alves
 
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasOs tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasMatheus Alves
 
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemAgricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemMatheus Alves
 

Destaque (20)

Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 4
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 3
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 3
 
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
Revolução Russa - 1917 (História geral) #Parte1
 
Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2 Modelo para apresentação 2
Modelo para apresentação 2
 
A guerra fria 2008
A guerra fria 2008A guerra fria 2008
A guerra fria 2008
 
Causas da crise do 2° reinado
Causas da crise do 2° reinadoCausas da crise do 2° reinado
Causas da crise do 2° reinado
 
Modelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINTModelo de trabalho para POWERPOINT
Modelo de trabalho para POWERPOINT
 
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2Modelo de trabalho POWERPOINT -  Modelo 2
Modelo de trabalho POWERPOINT - Modelo 2
 
Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1 Modelo para apresentação 1
Modelo para apresentação 1
 
As revoluções
As revoluçõesAs revoluções
As revoluções
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
 
História
HistóriaHistória
História
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Brasil colonial_mineracao
Brasil colonial_mineracaoBrasil colonial_mineracao
Brasil colonial_mineracao
 
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinadoHistória do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
História do Brasil - Causas da crise do 2° reinado
 
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileirasOs tipos de inclusões e exclusões brasileiras
Os tipos de inclusões e exclusões brasileiras
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012
 
Revolução americana 1776
Revolução americana   1776Revolução americana   1776
Revolução americana 1776
 
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemAgricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
 

Semelhante a Era Napoleônica

Trabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRiaTrabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRiazucolandia
 
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão Wendell Leonardo .
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônicaWellersonln
 
Revolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
Revolução Francesa ate o fim da era NapolêonicaRevolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
Revolução Francesa ate o fim da era Napolêonicaalunoitv
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° balunoitv
 
Era napoleônica primavera dos povos
Era napoleônica   primavera dos povosEra napoleônica   primavera dos povos
Era napoleônica primavera dos povosOsmar Oliver
 
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão BonaparteDa Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão BonaparteDarlene Celestina
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônicaalunoitv
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa alunoitv
 
Trabalho de h
Trabalho de hTrabalho de h
Trabalho de hjoel-msg
 
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro LimaPower Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Limaalunoitv
 
A era napoleônica 2012
A era napoleônica   2012A era napoleônica   2012
A era napoleônica 2012historiando
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônicoalunoitv
 
Napoleao Bonaparte
Napoleao BonaparteNapoleao Bonaparte
Napoleao BonaparteLevi Lima
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônicoalunoitv
 

Semelhante a Era Napoleônica (20)

Trabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRiaTrabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRia
 
A era napolionica
A era napolionicaA era napolionica
A era napolionica
 
Periodo napoleonico
Periodo napoleonicoPeriodo napoleonico
Periodo napoleonico
 
A era napoleonica_1799_1814
A era napoleonica_1799_1814A era napoleonica_1799_1814
A era napoleonica_1799_1814
 
A era napoleônica 2014
A era napoleônica   2014A era napoleônica   2014
A era napoleônica 2014
 
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
Revolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
Revolução Francesa ate o fim da era NapolêonicaRevolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
Revolução Francesa ate o fim da era Napolêonica
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
 
Era napoleônica primavera dos povos
Era napoleônica   primavera dos povosEra napoleônica   primavera dos povos
Era napoleônica primavera dos povos
 
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão BonaparteDa Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
Da Revolução Francesa a Era de Napoleão Bonaparte
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
 
Trabalho de h
Trabalho de hTrabalho de h
Trabalho de h
 
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro LimaPower Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
 
A era napoleônica 2012
A era napoleônica   2012A era napoleônica   2012
A era napoleônica 2012
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
 
Napoleao Bonaparte
Napoleao BonaparteNapoleao Bonaparte
Napoleao Bonaparte
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
 

Mais de Matheus Alves

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaMatheus Alves
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaMatheus Alves
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Matheus Alves
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaMatheus Alves
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Matheus Alves
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Matheus Alves
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Matheus Alves
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Matheus Alves
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisMatheus Alves
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoMatheus Alves
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)Matheus Alves
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matheus Alves
 

Mais de Matheus Alves (20)

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na alma
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíblia
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitais
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definição
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
 

Último

Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

Era Napoleônica

  • 1. Era napoleônica Biografia, consulado, império e o governo dos cem dias Clique no ícone para ver uma observação. Termos em vermelho são importantes.
  • 2. Biografia – Napoleão Bonaparte  Napoleão Bonaparte (Napoléon Bonaparte), nascido em Ajaccio, Córsega, 15 de Agosto de 1769, falecido em Santa Helena, 5 de Maio de 1821, foi o dirigente efetivo da França a partir de 1799 e foi Imperador de França de 18 de Maio de 1804 a 6 de Abril de 1814, adoptando o nome de Napoleão I. Além disso, conquistou e governou grande parte da Europa central e ocidental. Napoleão Bonaparte tornou-se uma figura importante no cenário político mundial da época, já que esteve no poder da França por 15 anos e nesse tempo conquistou grandes partes do continente europeu. Os biógrafos afirmam que seu sucesso deu-se devido ao seu talento como estrategista, seu talento para entusiasmar os soldados com promessas de riqueza e glória após vencidas as batalhas, além de seu espírito de liderança.
  • 3. Relembrando alguns conceitos...  O 18 de Brumário foi um golpe de Estado comandado por Napoleão Bonaparte na França. No calendário revolucionário francês, este dia ocorreu em 18 de Brumário do ano IV (9 de novembro de 1799 no calendário gregoriano). Através deste golpe, Napoleão colocou fim ao Diretório e iniciou a ditadura na França.  Após a queda do Diretório, foi criado o Consulado e Napoleão se tornou o primeiro-cônsul da França, governando com poderes absolutos.  Como ocorreu Mesmo com uma grande instabilidade política e econômica na França, Napoleão recebeu forte apoio da burguesia que defendia um governo forte para pacificar o país e gerar um ambiente de ordem. Os políticos do Diretório deram a Napoleão o apoio necessário e propuseram o uso da força militar para que ele assumisse o governo.  A burguesia no poder Com apoio da burguesia, dos políticos e do exército, Napoleão deu o golpe, fechando a Assembleia do Diretório. Foi a consolidação da burguesia no poder, que já vinha acontecendo desde a Revolução Francesa de 1789. Diretório
  • 4. Governo – Era napoleônica (1799-1814)  A sociedade francesa estava a passar por um momento difícil com os processos revolucionários ocorridos no país, de um lado com a burguesia insatisfeita com os jacobinos, formados por monarquistas e revolucionários radicais, e do outro lado as tradicionais monarquias europeias, que estavam a temer que os ideais revolucionários franceses se difundissem pelos seus reinos.  O governo do Diretório foi derrubado em França sob o comando de Napoleão, que junto com a burguesia, instituiu o "consulado", primeira fase do governo de Napoleão. Este golpe ficou conhecido como golpe 18 de Brumário' (data que corresponde ao calendário estabelecido pela Revolução Francesa e equivale a 9 de Novembro do calendário gregoriano) em 1799. Muitos historiadores alegam que Napoleão fez questão de evitar que camadas inferiores da população subissem ao poder.  O fim do processo revolucionário na França, com o Golpe 18 de Brumário, marcou o início de um novo período na história francesa, e consequentemente, da Europa: a Era Napoleónica.
  • 5. Governo – Consulado (1799-1804)  O governo do consulado de Napoleão foi instalado após a queda do Directório. O consulado possuía características republicanas, além de ser centralizado e controlado pelos militares. No poder Executivo, havia três pessoas que eram responsáveis: os cônsules Roger Ducos, Emmanuel Sieyès e o próprio Napoleão. Apesar da presença de outros dois cônsules, quem mais tinha força e poder no Executivo era Napoleão, que foi eleito primeiro- cônsul da República.  Novas instituições foram criadas com a Constituição de Dezembro de 1799, com cunho democrático, eram criadas para disfarçar o seu centralismo no poder. As instituições criadas foram o Senado, Tribunal, Corpo Legislativo e o Conselho de Estado. Mas o responsável pelo comando do exército, pela política externa, pela autoria das leis e quem nomeava os membros da administração era o primeiro-cônsul(Napoleão Bonaparte).
  • 6. Governo – Consulado (1799-1804)  Quem estava no centro do poder na época do consulado era a burguesia (os industriais, os financistas e comerciantes), e consolidaram-se como o grupo dirigente na França. Os ideais "liberdade, igualdade, fraternidade", da época da Revolução Francesa foram abandonados, e através da forte censura à imprensa e acção violenta de órgãos policiais, a oposição ao governo foi destruida.
  • 7. Consulado – Medidas adotadas (importante)  Economia - o Banco da França foi criado, em 1800, controlando a emissão de moedas, reduzindo a inflação. As tarifas impostas eram protecionistas (ou seja, com aumento de impostos para a importação de produtos estrangeiros), o resultado geral foi uma França com comércio e indústria fortalecidos, principalmente com os estímulos a produção e consumo interno.  Religião - com o objetivo de usar a religião como instrumento de poder político, Napoleão assinou um acordo, o Tratado (1801), entre a Igreja Católica e o Estado. O acordo sob aprovação do papa, dava o direito do governo francês de confiscar as propriedades da Igreja, e em troca, o governo teria de apoiar o clero. Napoleão reconhecia o catolicismo como a religião da maioria dos franceses, mas dava o direito de escolher bispos, que mais tarde seriam aprovados pelo papa.  Direito - o Código Napolenico, um código civil, foi estabelecido, representando em grande parte interesses dos burgueses, como casamento civil (separado do religioso), respeito à propriedade privada, direito à liberdade individual e igualdade de todos perante à lei. Código Napoleônico
  • 8. Consulado – Medidas adotadas (importante)  Educação - o ensino foi restaurado e a preferência foi a formação do cidadão francês. A educação pública foi reconhecida como importante meio de formação das pessoas, principalmente nos aspectos do comportamento moral, político e social.  Administração - pessoas da confiança de Napoleão eram indicadas aos cargos administrativos.  Após uma década de conflitos gerais no país, com a Revolução Francesa, as medidas aplicadas deram para o povo francês a esperança de uma estabilização do governo. Os resultados obtidos neste período do governo de Napoleão agradaram à elite francesa. Com o apoio destas, Napoleão foi elevado ao nível de cônsul vitalício em 1802, podendo indicar seu sucessor. Esta realização implicou na instituição de um regime monárquico.
  • 9. Governo – Império (1804-1814)  A opinião pública foi mobilizada pelos apoiadores de Napoleão, que levou à aprovação para a implantação definitiva do governo do Império. Em plebiscito realizado em 1804, a nova fase da era napoleónica foi aprovada com quase 60% dos votos, e o regime monárquico foi reinstituído na França, e Napoleão foi declarado para ocupar o trono.  Foi realizada uma festa em 2 de Dezembro de 1804 para formalizar a coroação do agora Napoleão I na catedral de Notre-Dame. Um dos momentos mais marcantes da história ocorreu nesta noite, onde um acto surpreendente, Napoleão I retirou a coroa das mãos do Papa Pio VII, que tinha viajado especialmente para a cerimónia, e ele mesmo se coroou, numa atitude para deixar claro que não toleraria alguma autoridade superior á dele. Logo após também coroou sua esposa, a imperatriz Josefina.  Títulos de nobreza foram concedidos aos familiares de Napoleão, por ele mesmo. Além disso, colocou- os em altos cargos públicos. Uma nova corte com membros da elite militar, da alta burguesia e da antiga nobreza foi formada. Para celebrar os triunfos de seu governo, Napoleão I construiu monumentos grandiosos, como o Arco do Triunfo.  O Império Francês atingiu sua extensão máxima neste período, em torno de 1812, com quase toda Europa Ocidental e grande parte da Oriental ocupadas, possuindo 150 departamentos, com 50 milhões de habitantes, quase um terço da população europeia da época.
  • 10. Governo – Império (1804-1814) (importante) Clique no ícone para ver uma observação.Expansão territorial militar Bloqueio Continental Fuga da Família Real para o Brasil Derrota francesa na Rússia Invasão dos aliados na França e derrota de Napoleão
  • 11. Governo – Cem dias  O Governo dos Cem Dias refere-se ao período compreendido entre 1° de março de 1815 - quando Napoleão retorna do seu exílio na ilha de Elba - e 18 de junho do mesmo ano - quando seu exército, a Grande Armée, é vencido na batalha de Waterloo. Este período é a fase final das chamadas Guerras Napoleónicas, assim como do império francês de Napoleão Bonaparte.  O Tratado de Fontainebleau, de 1814, afasta Napoleão da ilha de Elba, de onde foge no ano a seguir. Desembarca na França com um Exército e reconquista o poder. Inicia então o Governo dos Cem Dias. A Europa reunida prossegue a sua luta contra o Exército francês. Napoleão entra na Bélgica em Junho de 1815, mas é derrotado pelos ingleses na Batalha de Waterloo e renuncia pela segunda vez, pondo fim ao Império Napoleónico.
  • 12. Considerações finais  O Império Francês afetou diretamente Portugal, uma vez que este não aceitou participar no Bloqueio Continental. Descontente o exército francês começou a atacar Portugal e a família real portuguesa viu-se sem alternativas pois não tinha meios para fazer frente ao império napoleónico mas também não podia abdicar dos negócios com Inglaterra, e como consequência os dirigentes portugueses fugiram para o Brasil.  Existem várias teorias sobre as causas da morte do imperador Napoleão Bonaparte mas até aos dias de hoje nenhuma delas é completamente aceite.
  • 13. O diretório  A queda dos jacobinos representou a subida ao poder da alta burguesia. O Diretório era composto por cinco membros, e existiam ainda duas assembleias: a dos Anciãos e a dos Quinhentos. Essa fase representou o fortalecimento da burguesia e a volta de alguns privilégios, como o voto censitário e o fim das leis sociais do período anterior.  Houve ainda tentativas de insurreições, como a de Graco Babeuf, líder da Conspiração dos Iguais, que pretendia destituir o Diretório e aprofundar as reformas sociais da Revolução Francesa. Babeuf foi guilhotinado, ilustrando o domínio da burguesia no poder do Estado. As disputas internas e as guerras externas criaram as condições para o fortalecimento do exército e de um dos seus principais generais, Napoleão Bonaparte. Com a criação do Consulado em 1799, tinha início a época Napoleônica.
  • 14. Código napoleônico  O Código Civil Francês (originalmente chamado de Code Civil, ou código civil e, posteriormente, chamado de Code Napoléon, ou Código Napoleônico) foi o código civil francês outorgado por Napoleão I e que entrou em vigor 21 de março de 1804.  O Código Napoleônico propriamente dito aborda somente questões de direito civil, como as pessoas, os bens e a aquisição de propriedade; outros códigos foram posteriormente publicados abordando direito penal, direito processual penal e direito comercial. O Código Napoleônico também não tratava como leis e normas deveriam ser elaboradas, o que é matéria para uma Constituição.
  • 15. Expansão territorial militar  Neste período, Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para França. O exército francês aumentou o seu número de armas e combatentes, e tornou-se o mais poderoso de toda a Europa.  Pensando que a expansão e o crescimento económico e militar da França era uma ameaça a Inglaterra, os diplomatas ingleses formaram coligações internacionais para se opor ao novo governo francês e ao seu expansionismo. Também acreditavam que o governo francês poderia influenciar países que estavam sob o sistema absolutista e assim causar uma revolta. A primeira coligação formada para deter os franceses era constituída pela: Inglaterra, Áustria, Rússia e Prússia.  Em Outubro de 1805, os franceses usaram a marinha para atacar a Inglaterra por mar, mas não tiveram sucesso, derrotados pela marinha inglesa, comandada pelo almirante Nelson, batalha que ficou conhecida como Batalha de Trafalgar, firmando o império naval britânico.  Ao contrário do fracasso com os ingleses, os franceses venceram os seus outros inimigos da coligação, como a Áustria, em 1805, na Batalha de Austerlitz, além da Prússia em 1806 e Rússia em 1807.
  • 16. Bloqueio continental  Na busca de outras maneiras para derrotar ou enfraquecer os ingleses, o Império Francês impôs o Bloqueio Continental em 1806, onde Napoleão impunha que todos os países europeus deveriam fechar seus portos para o comércio com a Inglaterra, enfraquecendo as exportações do país e causando uma crise industrial.  Um problema que afetou muitos países que participaram do Bloqueio continental era que a Inglaterra, que já tinha passado pela Revolução Industrial, estava com uma firme produção de produtos industriais, e muitos países europeus ainda não possuíam produção industrial própria, e dependiam da Inglaterra para importar este tipo de produto, em troca de produtos agrícolas.  A França procurou-se beneficiar no Bloqueio continental com o aumento da venda dos produtos produzidos pelos produtores franceses, aumentando as exportações dentro da Europa e no mundo. A fraca quantidade de produtos manufaturados deixou alguns países sem recursos industriais.
  • 17. Fuga da família real para o Brasil  O governo português dependia muito da Inglaterra para seus negócios, e abdicar da importação de produtos industriais ingleses não deixaria a situação fácil. Pressionados por Napoleão, os portugueses não tiveram escolha: como não podiam abandonar os negócios que tinha com a Inglaterra, não participarão do Bloqueio Continental.  Insatisfeito com a decisão portuguesa, o exército francês começou a dirigir-se a Portugal. Sem alternativas de negociação e sabendo nobreza francesas, arma uma conspiração para dar um golpe de Estado contra o imperador. Napoleão regressa imediatamente a Paris e controla a situação.que não teria como vencer as tropas, a Família Real portuguesa, incluindo o príncipe-regente D. João VI, que chefiou a operação, fugiu para o Brasil, instalou e operou o governo português directamente de lá, do Rio de Janeiro em 1808.  Quase 10 mil pessoas fugiram para o Brasil, transferindo praticamente todo o quadro do aparelho estatal. Além de pessoas do governo muitos nobres, comerciantes ricos, juízes de tribunais superiores, entre outros, vieram junto. O exército de Napoleão atravessou Portugal sem encontrar uma só resistência.
  • 18. Derrota francesa na Rússia  Em 1812, a aliança franco-russa é quebrada pelo czar Alexandre, que rompe o bloqueio contra os ingleses. Napoleão empreende então a campanha contra a Rússia. Entra em Moscovo e, durante a retirada, o frio e a fome diminui grande parte do Exército francês. Enquanto isso, na França, o general Malet, apoiado por sectores descontentes da burguesia e da antiga.
  • 19. Invasão dos aliados na França e derrota de Napoleão  Tem início então a luta da coalizão europeia contra a França. Com a capitulação de Paris, o imperador é obrigado a abdicar.