Trab. cancro

1.073 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Diversão e humor
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.073
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trab. cancro

  1. 1. CANCRO DAPROSTATA
  2. 2. Caracterização da DoençaA quase totalidade dos casos de cancro da próstata éum carcinoma.Entre diversas características que se podem encontrarno carcinoma, salienta-se a semelhança que aindaexiste, ou não, entre o tumor e a glândula prostática deonde se origina. O grau de semelhança é medido pelochamado score de Gleason: um Gleason baixo significaque o tumor é mais semelhante à glândula prostática,enquanto um Gleason alto (máximo 10) significa ocontrário. A um Gleason baixo correspondehabitualmente um melhor prognóstico.Outra característica fundamental é medida pelo Estádioda doença, isto é, se a doença se encontra confinada àpróstata ou, pelo contrário, se se espalhou a outrosórgãos.O PSA, a idade e o estado geral do doente são aindafactores determinantes da caracterização da doença.
  3. 3. O CANCRO DA PRÓSTATAEm Portugal, o cancro da próstata é o tipo decancro mais importante e frequente no homem(superior ao cancro da pele) .A investigação constante, numa área deintervenção tão importante como o cancro dapróstata é, inquestionavelmente necessária.Estão a ser estudadas novas formas de oprevenir, detectar e tratar, tendo sempre ematenção a melhoria da qualidade de vida daspessoas com cancro da próstata, durante eapós o tratamento.
  4. 4. Será frequente o Cancro da Próstata???Segundo estudos a probabilidade de se tercancro da próstata ao longo da vida é muitoelevada.Em média, 1 em cada 6 homens terá cancroda próstata.Apesar desta conclusão também ficámos asaber que a probabilidade de se morrer porcancro da próstata é bastante inferior. Emmédia 1 em cada 33 homens morrerá devido aeste cancro.
  5. 5. Porque esta diferença de probabilidades?Um dos factores que contribui para a menorprobabilidade de morrer por cancro da próstata emrelação à probabilidade de poder ter a doença, é ofacto de uma percentagem significativa de cancros dapróstata ter uma evolução muito lenta, sem qualquerrepercussão na qualidade de vida do homem e semnunca se manifestar. Autópsias efectuadas emhomens que morreram por outras causasdemonstraram que cerca de 80% dos homens entre os70 e 79 anos tinham cancro da próstata. Contudo,esses cancros nunca se manifestaram. A medicinaactual não permite saber, no momento do diagnóstico,se um cancro da próstata é do tipo agressivo ou se,pelo contrário, é daqueles cancros que nunca se irámanifestar por ter uma evolução muito lenta.
  6. 6. Como é feito o rastreio do cancro da próstata?O rastreio do cancro da próstata pode serfeito pelo toque rectal e pelo teste PSA. Otoque rectal é um exame em que o médico,através da introdução do dedo no recto, faz apalpação da próstata no sentido de tentardetectar irregularidades ou possíveis nódulos.O teste PSA corresponde a uma análisesanguínea. Um valor elevado de PSA oualterações detectadas ao toque rectal implicama realização de uma biopsia prostáticatransrectal: através do recto, com umaagulha, recolhe-se uma amostra da próstatapara ser analisada ao microscópio.
  7. 7. O Toque Rectal e o PSAO toque rectal e o PSA (Antígeno Prostático Específico) podem terfalsos positivos ou falsos negativos. Em média, em cada 10pessoas com o PSA elevado e que serão submetidas a biopsia,apenas 3 terão cancro da próstata. A biopsia implica desconfortofísico significativo (p.ex. dor) e, quando negativa, pode conduzir adesconforto psíquico (p.ex. ansiedade), pois cerca de 20% dasbiopsias são falsos negativos.O rastreio efectuado por rotina conduz a um diagnósticoexcessivo de cancro da próstata. Estima-se que em cada 2cancros da próstata diagnosticados num programa de rastreio, 1corresponda a um cancro diagnosticado desnecessariamente quenunca se manifestaria clinicamente. Em caso de cancro, seránecessário tratamento agressivo com um elevado risco de efeitossecundários: disfunção eréctil, incontinência urinária ou problemasintestinais.O paciente que efectua o rastreio tem uma elevada probabilidadede necessitar de realizar exames adicionais mais invasivos.
  8. 8. Quem apresenta um risco aumentado de cancro da próstata?Os homens que tenham um pai ou um irmão com cancroda próstata apresentam um risco aumentado de podervir a ter esta doença. Será que me devo submeter ao rastreio do cancro da próstata?A decisão deve ser tomada por cada um, em conjuntocom o seu médico. Deve ter em consideração o seurisco pessoal em relação ao cancro da próstata e devetomar uma decisão tendo em consideração os prós e oscontras do rastreio.
  9. 9. Métodos de tratamentoOs métodos de tratamento actualmenteutilizados são:- Cirurgia;- Radioterapia;- Hormonoterapia;- Observação.
  10. 10. O cancro da próstata no MundoActualmente o cancro da próstata é a quarta causa de mortepor cancro nos homens nos países desenvolvidos, sendo apenasultrapassado pelo cancro de pulmão, colorectal e estômago.Em 2000 estimavam-se cerca de 193 mil novos casos de cancroda próstata e 35.800 mortes nos EUA. No mesmo período, oReino Unido registou o diagnóstico de 21.300 casos de cancroda próstata, tornando-se o segundo mais comum entre oshomens naquele país.Em Portugal, e de acordo com o rastreio anual efectuado peloServiço de Urologia do Hospital do Desterro, deverão existirmais de 110 mil portugueses com cancro da próstata ou seja,2,2 por cento da população masculina. Trata-se do segundocancro em prevalência e em mortalidade nos homens, logo após ocancro do pulmão.
  11. 11. Células de Câncer da Próstata Raquel Silva Efa Gestão 2º Ano 2009/2010 Disciplina de STC

×