Financiamento de Longo Prazo (IPO e SEO - Parte I)

676 visualizações

Publicada em

Disciplina: Finanças Aplicadas III
Objetivo da aula: apresentar o processo para emissão de ações, bem como as vantagens e desvantagens
Conteúdo:
Fontes de financiamento com capital próprio;
IPO; e
SEO

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
676
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
345
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Financiamento de Longo Prazo (IPO e SEO - Parte I)

  1. 1. Financiamento de Longo Prazo (IPO e SEO - Parte I) grggggggggggggggggggg ggggggggg Disciplina: Finanças Aplicadas III Objetivo da aula: apresentar o processo para emissão de ações, bem como as vantagens e desvantagens Conteúdo: 1. Fontes de financiamento com capital próprio; 2. IPO; e 3. SEO
  2. 2. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com INTRODUÇÃO • Fontes de financiamento: capital próprio (“caixa” e ações) e capital de terceiros; • Veremos de forma global e algumas especificidades do Brasil; • Importância: saber o custo efetivo, riscos e garantias das fontes de financiamento de longo prazo e quais são as fontes desses recursos. • Mas antes disso... A miniprova e a discussão de alguns cases de sucesso de venture capital e private equity. 2
  3. 3. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Operações no SFN 3 Mercado monetário Mercado de Crédito Mercado Cambial Mercado de Capitais Curto e Curtíssimo prazo Médio e Longo prazo Mercado acionário: financiamento por meio de recursos próprios (subscrição); Mercado de empréstimos e financiamentos: financiamento por meio de capital de terceiros Nosso foco é o mercado de capitais
  4. 4. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Fontes de financiamento • Investidor-Anjo: investidores/empreendedores/diretores experientes que investem “pequenas” quantias em novas empresas (start-ups), além de auxiliar na gestão. • Vídeo 1 – Investidor-anjo no Jornal da Globo: http://www.youtube.com/watch?v=Nexj0brq4Lk • Vídeo 2 – 1ª Conferência de investidor-anjo no Brasil: http://www.youtube.com/watch?v=PAd32ocE9Z0 • Vídeo 3 – introdução ao investidor anjo • https://www.youtube.com/watch?v=1lqCGth1psY&list=U Uhpit7E5EGVbIA-4TM6cEEQ • Vídeo 4 – Cresce o número de anjos no Brasil • https://www.youtube.com/embed/ZcZ5XZo48qo 4
  5. 5. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Fontes de financiamento • Venture capital: semelhante ao anjo, porém envolve mais recursos. • Private equity: a diferença para o Venture é que o investimento é feito em empresas mais maduras, geralmente com produtos já consolidados. • Casos de sucesso no site da ABVCaP: http://www.abvcap.com.br/industria-de-pe- vc/casos-de-sucesso.aspx?c=pt-br • Trabalho para enviar por email antes do início da próxima aula: descrever 3 desses casos e um de investidor-anjo – uma página com fonte 12 e espaçamento simples, no máximo. Enviar por email. 5
  6. 6. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Financiamento e Propriedade • PROBLEMA: pre- e post-money valuation? Diluição? • Você fundou sua empresa dois anos atrás, com $ 100.000, para 1,5 milhões de ações. Adicionalmente, foram vendidas mais 500 mil ações para um “anjo” e você está analisando levantar mais capital com um venture capitalist (VC). O VC investiria $ 6 milhões, recebendo 3 milhões de novas ações. – Qual é a post-money valuation? Qual seria a participação do VC e a sua na empresa? Qual é o valor das suas ações post-money? 6 Suas ações 1.500.000 Anjo 500.000 Novas ações 3.000.000 Total 5.000.000 Valor pago pelo VC = $ 6 milhões/3 milhões de ações = $ 2 por ação Post-money valuation = 5.000.000 de ações * $ 2 por ação = $10 mi %VC = 3 milhões /5 milhões = 60% e %Sua = 1,5 milhão/5 milhões = 30% E se você negociasse um preço mais alto por suas ações, melhoraria o tradeoff entre financiamento e propriedade? Pense em $ 5 por ação... Qual seria o impacto para você, como controlador da empresa?
  7. 7. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Financiamento para empresas fechadas • Você iniciou uma empresa (100% das 5 milhões de ações) e está com sorte, pois um VC ofereceu $ 1 milhão por 800 mil novas ações. a) Qual é o preço por ação proposto pelo VC? b) Qual é a post-money valuation? c) Qual fração da empresa você ficará após o investimento? 7
  8. 8. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Financiamento para empresas fechadas • Sua empresa (100% das 10 milhões de ações) recebeu duas propostas de dois VC. A primeira oferece $ 3 milhões por 1 milhão de ações. A segunda oferece $ 2 milhões por 500 mil ações. – Calcule o provável valor da empresa após o investimento para cada uma das duas opções (post-money); – Qual será sua participação no capital da empresa para cada um das duas propostas? – Qual das duas opções é a melhor? Justifique. – Supondo que você precisa de $ 3 milhões, mas que prefere o VC 2. Analisando a situação, o que você iria sugerir ao seu Chefe como saída para financiar o projeto. 8
  9. 9. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Questões conceituais • Quais são as formas de se levantar capital próprio para empresas privadas (apenas as que foram vistas até agora)? • O que é um “investidor-anjo”? • O que é um investidor de capital de risco (venture capital e private equity)? 9
  10. 10. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com O IPO 10
  11. 11. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com IPO: vantagens e desvantagens • Vantagens: – Maior liquidez das ações; – Mais acesso a capital (tanto no IPO quanto no follow-on, ou FPO); – Possibilita aos seus investidores (e.g. VC) diversificarem os investimentos. • Desvantagens: – Problemas de agência; – Custos de manutenção, governança etc. 11 CURIOSIDADE: o IPO faz o investidor crescer junto com a empresa? Muitas vezes as pessoas investem no IPO esperando comprar a ação “barata” e esperar o preço subir para vender. Porém antes do IPO a empresa pode ter passado por diversas rodadas de investimentos e o IPO pode servir para o investidor anterior realizar seu lucro. Outros mitos sobre o IPO: http://economia.uol.com.br/noticias/infomoney/2 014/05/21/ipo-veja-os-mitos-que-envolvem-a- estreia-de-empresas-na-bolsa.htm
  12. 12. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com IPOs no Brasil • Acesse o site: http://www.bmfbovespa.com.br/pt- br/mercados/acoes/ofertas-publicas/ofertas- publicas.aspx?idioma=pt-br • Nele vocês poderão acessar os prospectos preliminares (“isca vermelha”), prospecto final, anúncio de início e encerramento, aviso ao mercado, as ofertas em andamento, encerradas etc. • Ver os documentos da Ser Educacional. 12
  13. 13. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com IPO: o processo • Para realizar o IPO, é necessário haver um underwriter (ver exemplos nos prospectos), que gerenciará todo o processo. • Nas ofertas maiores há uma espécie de consórcio de bancos de investimento para realizar IPOs. • Aos mais interessados no assunto, acessar o seguinte site para obter mais informações: http://www.bmfbovespa.com.br/empresas/pages/e mpresas_abertura_capital_como_abrir.asp 13
  14. 14. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Valuation • Junto com a empresa, os underwriters utilizam técnicas de valuation para formar o preço que será utilizado (vimos isso em Finanças II, fluxos de caixa ou múltiplos). • A maioria dos underwriters utilizam as duas técnicas. Quando há diferenças significativas, eles utilizam a comparação com IPOs recentes (BERK; DEMARZO;HARFORD, 2012). • Road show: o preço é formado, então os representantes da empresa e o principal underwriter viajam o país/mundo divulgando e avaliando o que o mercado pensa sobre o preço. Após isso é realizado o bookbuilding, para então fechar o preço. 14 Roadshow do Facebook: http://www.youtube.com/watch?v=TyF2UAaMe_E
  15. 15. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Exemplo: Valuation usando múltiplos 15 P/E (ou P/L): Valor = E(P/E)*earnings Preço da ação = Valor/S(ações outsdanding) P/R: Valor = E(P/E)*revenues Preço da ação = Valor/S(ações outsdanding)
  16. 16. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Analisando o IPO da SER Educacional • Os grupos devem fazer juntos, podendo separar as questões para cada membro e depois discutir a resposta para finalizar. As respostas finalizadas serão discutidas com a sala toda. • Responda às questões abaixo com base no Anúncio de Início de Oferta do IPO do Grupo SER Educacional: 1. O que diferencia a oferta primária da secundária? 2. Caso você fosse explicar essa oferta a um leigo, como você resumiria a seção “1 A OFERTA”? 3. Descreva o PROCEDIMENTO DA OFERTA. 4. O que diferencia a oferta de varejo da oferta institucional? 5. Como funcionou a garantia firme neste caso? 6. Como foi fixado o preço da ação? Os investidores não institucionais participaram desse processo? 7. Identifique os 4 termos “técnicos” que te chamaram mais a atenção e busque sua definição. • O que levou esta oferta a ser suspensa, em 2013? Aconteceu algo nos últimos tempos (2014/2015) que fazem pensar que aquilo realmente foi importante? Verifique no Comunicado ao Mercado de Suspensão da Oferta. 16
  17. 17. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Discussão sobre a tese e miniprova • ALMEIDA, Vinício S. O papel do intermediário financeiro em aberturas de capital no Brasil. 2010. 124 f. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto COPPEAD de Administração, Rio de Janeiro, 2010. • Começando com a miniprova. 17
  18. 18. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Reputação dos bancos coordenadores • Objetivo: analisar se no Brasil a atuação dos bancos coordenadores tem caráter de certificação (quanto maior a reputação do banco, menores os retornos iniciais e a volatilidade da ação). • Período: 2004 a 2007. • Hipóteses testadas: – Bancos com maior reputação coordenam ofertas com menor valorização no curto prazo; – Bancos com maior reputação coordenam ofertas com menor dispersão, assim com menor risco; e – Bancos com maior reputação cobram mais pelos seus serviços. 18
  19. 19. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Reputação dos bancos coordenadores • Posição relativa dos bancos coordenadores nos anúncios de ofertas: – As linhas de logomarcas caracterizam a distinção entre “banco de primeira linha” e “banco de segunda linha”. – Quanto mais à esquerda estiver posicionada a logomarca do banco, mais prestigiado ele terá. • Prospecto da SER Educacional: 19
  20. 20. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Reputação dos bancos coordenadores • “(...) os bancos de investimento disputam ferozmente as posições nos anúncios que refletem, em última instância, a sua parcela e o seu poder de venda da oferta” (ALMEIDA, 2010, p.28). • Os bancos de “segunda linha” ficam com uma quantidade residual de ações e com uma remuneração menor, apenas para eles designarem analistas para seguirem a empresa emissora; • A única posição reservada é a do líder, sempre na primeira linha à esquerda (ALMEIDA, 2010) (existem exceções – próximo slide). 20
  21. 21. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Reputação dos bancos coordenadores • Prospecto da Bovespa 21 Banco que estrutura, define o preço e convida outros subscritores a participar de uma emissão de valores mobiliários (fonte) Apenas um foi o coordenador.
  22. 22. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Reputação dos bancos coordenadores • Resultados no Brasil: – Não há diferenciação significativa entre os underwriters no mercado brasileiro de IPOs entre 2004 e 2007. – No Brasil, a reputação do banco coordenador não tem relação com o processo de formação e preço das ações em IPOS. – Verificou-se ainda que: • Quanto maior a oferta, maior foi o underpricing; (quem ganha e quem perde com isso no curto prazo?) – Ainda há campo de pesquisa nessa área no Brasil – vocês podem inclusive atualizar essa pesquisa. – Ver apêndices dessa parte da tese (página 48). 22 Será, então, que as empresas podem simplesmente contratar underwriters mais baratos, já que a reputação não influencia?
  23. 23. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Relacionamento entre as partes • Objetivo: analisar os efeitos da escolha entre “poucos” ou “muitos” bancos coordenadores nas IPOs no Brasil. • Partes: acionistas, emissoras e bancos. 23
  24. 24. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Relacionamento entre as partes 24 Qtd. de bancos de primeira (COORD) e segunda (COMAN) linha. TOTALCO é a quantidade de bancos no consórcio. A VD é o retorno do primeiro dia ajustado
  25. 25. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Relacionamento entre as partes 25 VD no painel A é o tamanho da oferta. No painel B é a remuneração dos coordenadores. Ambas em log.
  26. 26. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Bookbuilding • Definição: processo utilizado pelos underwriters para chegar a um preço que interesse aos possíveis investidores. • Passos: 1. Estabelece-se o intervalo de preços com o mínimo e máximo, num processo de valuation; 2. É feito o road show, para que os possíveis compradores conheçam o projeto; 3. É indicado pelos investidores quantas ações e quanto eles estão dispostos a pagar; e 4. Analisam-se as ofertas para decidir sobre o preço, de modo a alcançar a meta de captação no IPO. 26
  27. 27. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Métodos para IPOs • Nós apenas vimos o primeiro, que é o clássico. • Veja mais no livro de Ross, Westerfield e Jaffe (2002, p.436) 27 Compromisso firme Melhores esforços Auction IPO (leilão) O underwriter compra as ações que a empresa quer lançar a um preço pré-acordado e vende aos investidores a um preço mais alto. Há um acordo entre a empresa e o underwriter para vender quantas ações forem possíveis ao preço pré-determinado. A empresa ou o underwriter solicita ofertas dos seus investidores e escolhe o preço mais alto para vender a emissão completa.
  28. 28. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Going public... The IPO • As ações da sua empresa estão distribuídas da seguinte forma: • Você decidiu fazer o IPO com 6,5 milhões de novas ações. Suponha que o lucro estimado para este ano será de $ 7,5 milhões, responda: a) Seu underwriter advertiu que os IPOs recentes de empresas equivalentes foram feitos com um P/E médio de 20. Qual será o seu preço por ação? b) Qual será agora a sua porcentagem de participação na empresa? c) Se você fosse o VC, qual seria sua reação pós-IPO? d) Com base na sua reação, qual seria o impacto esperado no valor de mercado das ações? 28
  29. 29. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Going public... The IPO • Margoles Publishing recently completed its IPO. The stock was offered at a price of $14 per share. On the first day of trading, the stock closed at $19 per share. a) What was the initial return on Margoles? b) Who benefited from this underpricing? Who lost, and why? c) Suppose that the firm subscribed 1 milion of shares. How much money did they raised? 29
  30. 30. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Questão conceitual • Que serviço o underwriter presta em um IPO tradicional/clássico? • Pesquisar termo: market maker. 30
  31. 31. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com IPO puzzles • São 4 quebra-cabeças (ver BERK; DEMARZO; HARFORD, 2012, p.425): 1. Na média, os IPOs parecem ser subavaliados: o preço no fim do primeiro dia é substancialmente maior que o preço do IPO; 2. O número de IPOs é muito cíclico. Quando os tempos são bons, o mercado é cheio de IPOs; quando os tempos são ruins, o número cai; 3. Os custos de transação dos IPOs são muito altos, e não é claro o motivo pelo qual as empresas custeiam isso; e 4. O desempenho de longo prazo de uma empresa que se tornou pública recentemente é fraco. Isto é, em média, uma estratégia de buy-and-hold de 3 a 5 anos parece ser um mau investimento. 31 Alguém poderia explorar isso no Brasil
  32. 32. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com 32
  33. 33. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com 33
  34. 34. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com 34
  35. 35. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com SEO – Seasoned Public Offering • Durante a vida da empresa surgem outras oportunidades de investimentos que não podem ser financiadas com lucros retidos, então elas emitem novas ações. • Os passos são semelhantes aos de um IPO, porém o preço da ação já existe no mercado. 35
  36. 36. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Referências • ASSAF NETO, Alexandre; LIMA, Fabiano G. Curso de administração financeira. 2ed. São Paulo: Atlas, 2011a. • ROSS, Stephen A.; WESTERFIELD, Randolph W.; JAFFE, Jeffrey F. Administração financeira: corporate finance. 2ed. São Paulo: Atlas, 2002. • BERK, Jonathan; DEMARZO, Peter; HARFORD, Jarrad. Fundamentals of corporate finance. 2nd ed. Pearson Education, 2012. 36

×