SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
FRAUDE E GERENCIAMENTO DE
RESULTADOS
grggggggggggggggggggg
ggggggggg
Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão
Objetivo da aula: estudar ferramentas para auxiliar na detecção de
manipulações contábeis discricionárias e fraudes que reduzem a qualidade da
informação.
Conteúdo: Gerenciamento de resultados e fraudes. Modelos usados para
auxiliar na detecção de gerenciamento de resultados e fraudes.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
2
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD     1
,,2,,10
𝑃𝑡 =
𝜏=1
∞
𝑅𝑓−𝑡
𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Introdução
• O analista, em geral, precisa confiar nas demonstrações contábeis das
empresas, sabendo que elas podem nos enganar. Para evitar esse
problema, confiamos nos auditores... Mas...
• Nessa aula buscaremos algumas ferramentas para tentar reduzir ainda
mais a chance de sermos enganados.
3
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
O que é e quando ocorre o GR?
• O que é gerenciamento de resultados?
É a intervenção proposital no processo de financial reporting, com a intenção de
obter algum ganho privado. Ou seja, impedir a neutralidade da informação.
• Quando ocorre o gerenciamento de resultados?
Quando os gestores usam o seu julgamento no processo de financial reporting e na
estruturação de transações para alterar a divulgação no sentido de enganar alguns
stakeholders sobre o desempenho econômico da empresa ou para influenciar
questões contratuais (e.g. covenants) que dependem dos números contábeis
reportados.
6
Seção baseada no livro de
Dechow e Schrand (2003)
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
GR reduz a qualidade da informação contábil?
• Dado que a informação contábil (especificamente o lucro) é de
qualidade quando reflete a performance corrente, que é útil para a
projeção da performance futura e auxilia na estimação do valor
intrínseco da empresa.... O Gerenciamento de Resultados reduz a
qualidade dos lucros, independente do motivo pelo qual o lucro foi
gerenciado.
• À frente veremos o impacto disso em modelos de valuation.
7
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
GR no mundo
8
Redutores de GR: a) mercado de
capitais grande, b) dispersão de
controle, c) forte proteção do
investidor e d) forte enforcement
legal
Como está o Brasil nesse sentido?
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Formas de gerenciar resultados
• O que é lucro?
𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 = 𝐹𝑙𝑢𝑥𝑜 𝑑𝑒 𝐶𝑎𝑖𝑥𝑎 + 𝐴𝑐𝑐𝑟𝑢𝑎𝑙𝑠
• Para gerenciar resultados, é preciso mexer nos componentes do lucro.
• Tipos de manipulações:
a) Atividades reais; e
b) Accruals.
9
Manipulações dos componentes
do lucro afetam a qualidade
deles e, em consequência,
afetam a qualidade do relatório
do analista
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Impacto no valuation
• Imagine um modelo de valuation (desenhe um modelo de FCLF
assumindo a perpetuidade já no primeiro ano, por questões didáticas)
10
Receita 11,256,565.00$
Margem operacional (EBIT) 6.34%
EBIT 713,215.00$
(-) IR e CSLL (169,772.81)$
(=) EBIT Líquido 543,442.19$
(-/+) CAPEX líquido (217,531.00)$
(-) Investimento em Capital de Giro (237,230.00)$
(=) Fluxo de Caixa Livre da Empresa 88,681.19$
Situação 1:
Considere o seguinte:
1) WACC = 14,52%
2) Crescimento perpétuo de 1%
3) Qual é o valor da firma?
Situação 2:
1) Considere o mesmo cenário da
situação 1, porém considere que
a empresa manipulou algumas
atividades reais e conseguiu uma
receita 1% maior (situação 2.1).
Faça o mesmo com uma receita
10% maior (situações 2.2).
2) Qual é o valor da firma nas
situações 2.1 e 2.2?
Situação 3:
1) Baseado ainda na situação 1, considere que, após algumas
manipulações, a empresa conseguiu aumentar a margem
operacional para 6,5% (situação 3.1). Considere também que
eles conseguiram aumentar a margem para 7% (situação 3.2).
2) Qual é o valor da firma nas situações 3.1 e 3.2?
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Impacto no valuation
11
DUCHARME, Larry L.; MALATESTA, Paul H.; SEFCIK, Stephan E. Earnings
management: IPO valuation and subsequent performance. Journal of Accounting,
Auditing & Finance, v. 16, n. 4, p. 369-396, 2001.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Impacto no valuation
12
DUCHARME, Larry L.; MALATESTA, Paul H.; SEFCIK, Stephan E. Earnings
management: IPO valuation and subsequent performance. Journal of Accounting,
Auditing & Finance, v. 16, n. 4, p. 369-396, 2001.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
• A manipulação de atividades reais não viola nenhuma norma e nem
deve criar problemas com a auditoria, porque foi uma coisa que
aconteceu de fato na empresa.
• Todavia, apesar de ter acontecido de fato, isso pode prejudicar o
desempenho futuro da empresa e prejudicar o histórico de resultados,
diminuindo a qualidade da informação.
• Uma forma comum de manipular as atividades reais: forçar a venda
(redução de preço/margem) para que os “distribuidores” comprem
mais. Uma hora os estoques ficarão abarrotados e novas vendas não
serão possíveis. (próximo slide).
• Essa prática é conhecida como “channel stuffing”.
14
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
15
Cortei o nome da empresa, mas esse caso parece
ser mais um de vendas forçadas com redução de
margem, até que não foi mais possível vender
porque os “distribuidores” estavam com muito
estoque parado.
Verde é receita e marrom é margem EBIT. Ambos LTM.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
16
Enquanto isso, uma concorrente não parece ter
forçado a margem de última hora para vender
mais. No 4T18, inclusive, a margem aumentou e
só reduziu no 1T19.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
17
Outra concorrente com comportamento
bem diferente da nossa primeira empresa.
Mais uma evidência de que pode ter
havido manipulação de atividades reais
por meio das receitas.
É bem difícil comprovar que houve manipulação de atividades reais. Há
como encontrar alguns indícios, mas nada muito exato. O livro de Dechow
e Schrand (2004) traz vários artigos com evidências científicas.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
18
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
• Como detectar channel stuffing (TUNG et al, 2008):
• Passo 1:
• AR_tr: se a empresa aumenta o crédito aos clientes, o que acontece
com a média das contas a receber? O que acontece com a AR_tr?
– Haverá aumento na média de contas a receber e redução do AR_tr.
• Inv_tr: se a empresa aumenta o crédito aos clientes para vender mais, o
que acontece com a média dos estoques? O que acontece com a Inv_tr?
– Haverá redução na média dos estoques, aumento no CMV e aumento do Inv_tr.
19
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
20
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
1.2
1.4
1.6
1.8
2
AR_tr
Alpargatas Grendene Arezzo
Espera-se redução do
AR_tr. Alguém se
comporta diferente?
Trabalhar com prazos mais agressivos pode ser estratégia
do setor. É importante verificar se o comportamento é
diferente da média/mediana do setor
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
21
-
0.20
0.40
0.60
0.80
1.00
1.20
1.40
1.60
1.80
2.00
Inv_tr
Alpargatas Grendene Arezzo
Espera-se aumento do
Inv_tr. Alguém se
comporta diferente?
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
• Como detectar channel stuffing (TUNG et al, 2008):
• Passo 2: se houve channel stuffing, AR_A < 0 e Inv_A > 0.
22
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
23
-0.5
-0.4
-0.3
-0.2
-0.1
0
0.1
0.2
0.3
0.4
0.5
AR_A
Alpargatas Grendene Arezzo
AR_A < 0
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
24
(0.40)
(0.30)
(0.20)
(0.10)
-
0.10
0.20
0.30
0.40
0.50
Inv_A
Alpargatas Grendene Arezzo
Inv_A > 0
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Atividades Reais
• Casos de Channel Stuffing famosos:
• https://www.sec.gov/news/press/2004-105.htm
• https://www.marketwatch.com/story/coke-settles-with-sec-over-sales-
inflation-in-japan
• https://www.nytimes.com/2016/03/29/business/dealbook/valeants-
accounting-error-a-warning-sign-of-bigger-problems.html]
• https://www.reuters.com/article/us-monsterbeverage-lawsuit/monster-
beverage-in-16-25-million-channel-stuffing-settlement-
idUSBREA3G1K620140417
25
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Accruals
• O que são accruals?
• Accruals abrem oportunidades para o gerenciamento de resultados
porque é preciso fazer previsões, estimativas e julgamentos sobre eles.
• Exemplos de ativos/passivos sujeitos a ajustes nos accruals (DECHOW;
SCHRAND, 2004):
– Contas a receber (alto grau de discricionariedade): a gestão precisa fazer
previsões sobre retorno dos produtos e a quantidade de pagadores ruins;
– Imobilizado (alto grau): alguns custos são capitalizados quando não deveriam e a
depreciação pode ser feita de forma arbitrária. Além disso, as projeções sobre a
demanda futura para fazer impairment também podem ser arbitrárias.
– Dívida (baixo grau): baseado em contratos.
27
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Accruals
• O gerenciamento de accruals afeta apenas o timing do reconhecimento
dos lucros. Um lucro inflado em um período implica em uma redução
em outro período (DECHOW; SCHRAND, 2004).
• Uma das poucas certezas da nossa vida: os accruals se revertem e
quando é tomada a decisão de gerenciar os accruals, há a expectativa
de que no futuro as atividades normais compensem o gerenciamento
para que ele passe despercebido.
28
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Accruals
• RED FLAGS:
1. Nível alto de accruals é um indício de que possa haver manipulação
(DECHOW; SLOAN; SWEENEY, 1996).
2. Gap muito forte entre lucro e fluxo de caixa livre (RICHARDSON, TUNA,
WU, 2003).
29
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Accruals
30
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Accruals
31
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Manipulação de Accruals
• Trabalhos brasileiros sobre refazimento e repuplicação:
• http://gorila.furb.br/ojs/index.php/universocontabil/article/view/2002/
1598
• http://tcc.bu.ufsc.br/Contabeis296135.PDF
• http://www.cvm.gov.br/menu/regulados/companhias/consultas/refazi
mento/index.html
32
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Fraudes são detectáveis?
• Em geral, é difícil detectar de forma muito antecipada, sem que haja
alguma denúncia. Mas existem sinais, como no caso da Enron e
Parmalat (FRIDSON; ALVAREZ, 2011).
– Troca repentina/inesperada de diretores experientes (não é fraude, mas
aconteceu recentemente com a Smiles – de novo ela);
– Falta de clareza na divulgação de informações;
– Notas explicativas que não explicam muita coisa;
– Empresa captando dívida, sem explicação clara, quando aparentemente não
precisa;
– Etc.
34
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Fraudes são detectáveis?
• É possível usar modelos preexistentes ou criar o seu próprio modelo, a
exemplo do modelo de Beneish (1999) que ficou famoso após um
grupo de estudantes utilizá-lo para antecipar a derrocada da Enron.
• A ideia é semelhante àquela utilizada pelos modelos de previsão de
falência, mas nesse caso Beneish usou um modelo probit.
• Faça a aplicação do modelo na sua empresa (próximo slide).
• BENEISH, Messod D. The detection of earnings manipulation. Financial
Analysts Journal, v. 55, n. 5, p. 24-36, 1999.
35
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Fraudes são detectáveis?
• M-Score de Beneish = -4,840 + 0,920*DSRI + 0,528*GMI + 0,404*AQ +
0,892*SGI + 0,115*DEPI – 0,172*SGAI – 0,327*LVGI + 4,697*TATA
• M-Score > -2,22 indica empresa propensa a manipular informações.
36
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Dechow et al (2012)
• Esse modelo corrige dois problemas: a desconsideração da reversão
natural dos accruals (Pae e Paulo já fizeram isso muito antes) e ajusta
problemas de variáveis omitidas correlacionadas.
38
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Pae (2005)
• Vamos aplicar com a base de dados que enviei (Dados Molode de Pae –
calçados)
• Os comandos estão acima. Rode o modelo completo e analise os
accruals discricionários gerados.
• Rode o modelo sem a consideração da reversão natural dos accruals,
retirando a última variável. Qual é o efeito?
• Supondo que o meu modelo pode ser extrapolado, aplique na sua
empresa e analise o nível de gerenciamento de resultados dela.
39
destring data, replace
tsset data empresa
reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1
tat_1_at_1
predict acc_discric, residuals
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Pae (2005)
_cons -.087447 .0474653 -1.84 0.074 -.1839081 .0090141
tat_1_at_1 .5453413 .130408 4.18 0.000 .2803205 .8103622
cft_1_at_1 -.0118305 .0361272 -0.33 0.745 -.0852498 .0615887
cf_at_1 -.5266396 .5208221 -1.01 0.319 -1.585077 .5317982
ppe_at_1 .3282045 .2440542 1.34 0.188 -.1677734 .8241823
varreceita_at_1 -.2683816 .1092889 -2.46 0.019 -.4904834 -.0462797
ta_at_1 Coef. Std. Err. t P>|t| [95% Conf. Interval]
Total .569814085 39 .014610618 Root MSE = .07811
Adj R-squared = 0.5824
Residual .207441405 34 .006101218 R-squared = 0.6359
Model .36237268 5 .072474536 Prob > F = 0.0000
F( 5, 34) = 11.88
Source SS df MS Number of obs = 40
. reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1
40
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Pae (2005)
• Explicação dos comandos:
• ** Comando usado para transformar a data que estava "não numérica"
em uma variável numérica.
• destring data, replace
• ** Comando usado para dizer quem é minha variável de tempo e de
empresa, caso eu queira fazer testes de painel ou série temporal
• tsset data empresa
• ** Comando usado na minha regressão
• reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1
• ** Salvando os resíduos (erro da regressão) com o nome de acc_discr
• predict acc_discric, residuals
41
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Pae (2005)
• Controlei pelos anos. Veja o efeito no R² ajustado:
42
_cons -.0489127 .0623868 -0.78 0.440 -.1769198 .0790945
ano2017 -.1271371 .0567826 -2.24 0.034 -.2436453 -.0106288
ano2016 -.0153751 .0498563 -0.31 0.760 -.1176719 .0869216
ano2015 -.0020402 .0484602 -0.04 0.967 -.1014723 .0973919
ano2014 -.0322461 .0489593 -0.66 0.516 -.1327023 .0682101
ano2013 -.0402282 .0545954 -0.74 0.468 -.1522488 .0717923
ano2012 .0434429 .0512182 0.85 0.404 -.0616482 .148534
ano2011 .0156515 .0487077 0.32 0.750 -.0842885 .1155916
tat_1_at_1 .554503 .1372353 4.04 0.000 .2729194 .8360865
cft_1_at_1 .0350576 .0391977 0.89 0.379 -.0453696 .1154847
cf_at_1 .3058544 .5805371 0.53 0.603 -.8853094 1.497018
ppe_at_1 .2550658 .2376703 1.07 0.293 -.2325934 .742725
varreceita_at_1 -.3522351 .1135162 -3.10 0.004 -.5851511 -.1193191
ta_at_1 Coef. Std. Err. t P>|t| [95% Conf. Interval]
Total .569814085 39 .014610618 Root MSE = .07308
Adj R-squared = 0.6345
Residual .144179623 27 .005339986 R-squared = 0.7470
Model .425634463 12 .035469539 Prob > F = 0.0000
F( 12, 27) = 6.64
Source SS df MS Number of obs = 40
. reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1 ano2011 ano2012 ano2013 ano2014 ano2015 ano2016 ano2017
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Pae (2005)
• Como criei as dummies dos anos:
• g ano2011=(data==2011)
• g ano2012=(data==2012)
• g ano2013=(data==2013)
• g ano2014=(data==2014)
• g ano2015=(data==2015)
• g ano2016=(data==2016)
• g ano2017=(data==2017)
43
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Pae (2005)
• Agora adicionei também o controle das empresas:
44
_cons .065582 .166648 0.39 0.698 -.2791557 .4103196
Vulca -.0277707 .0669432 -0.41 0.682 -.1662534 .1107119
Grendene -.1532947 .0910353 -1.68 0.106 -.3416155 .0350262
Arezzo -.0955543 .1084376 -0.88 0.387 -.3198745 .1287659
Alpa -.0444058 .0504727 -0.88 0.388 -.1488164 .0600049
ano2017 -.1010376 .0578641 -1.75 0.094 -.2207385 .0186634
ano2016 .0074217 .0511223 0.15 0.886 -.0983328 .1131762
ano2015 .0133649 .0485419 0.28 0.786 -.0870516 .1137815
ano2014 .0008263 .0495626 0.02 0.987 -.1017017 .1033543
ano2013 .0085353 .0571092 0.15 0.882 -.1096042 .1266747
ano2012 .0787746 .0513546 1.53 0.139 -.0274606 .1850098
ano2011 .0323831 .0472801 0.68 0.500 -.0654233 .1301894
tat_1_at_1 .2904929 .1856155 1.57 0.131 -.093482 .6744678
cft_1_at_1 .0352053 .0431402 0.82 0.423 -.0540369 .1244476
cf_at_1 .2380342 .5625823 0.42 0.676 -.9257561 1.401824
ppe_at_1 -.2940973 .6299032 -0.47 0.645 -1.597151 1.008957
varreceita_at_1 -.4327805 .1285752 -3.37 0.003 -.6987586 -.1668024
ta_at_1 Coef. Std. Err. t P>|t| [95% Conf. Interval]
Total .569814085 39 .014610618 Root MSE = .07017
Adj R-squared = 0.6630
Residual .113258077 23 .004924264 R-squared = 0.8012
Model .456556008 16 .028534751 Prob > F = 0.0001
F( 16, 23) = 5.79
Source SS df MS Number of obs = 40
> Vulca
. reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1 ano2011 ano2012 ano2013 ano2014 ano2015 ano2016 ano2017 Alpa Arezzo Grendene
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Pae (2005)
• Como criei as dummies das empresas:
• g Alpa=(empresa==1)
• g Arezzo=(empresa==2)
• g Grendene=(empresa==3)
• g Vulca=(empresa==4)
• Modelo completo:
• reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1
ano2011 ano2012 ano2013 ano2014 ano2015 ano2016 ano2017 Alpa
Arezzo Grendene Vulca
45
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelo de Pae (2005)
• O ideal é se estimar por cross-section por setor, Fama-McBeth, ou até
mesmo por dados em painel. Mas prefiro a primeira opção (vídeo no
final dos slides).
46
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Os modelos detectam casos reais?
• https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1506/car.25.2.8
47
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Os modelos detectam casos reais? 2
• https://www.aaajournals.org/doi/pdf/10.2308/accr.2010.85.2.695
48
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
O papel da imprensa
• https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1475-
679X.2006.00224.x
49
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Prática
• Para trabalhos maiores, você pode programar no Stata ou no R.
• Veja como programar um modelo de gerenciamento de resultados no
Stata:
• https://www.youtube.com/watch?v=fxUVejr38Cc&t=15s
• Rode o modelo para o setor da sua empresa, de 2010 até 2018. Analise
os resultados comparando as empresas do setor com a sua empresa.
• Façam com base no modelo do vídeo e com base no modelo que eu
apresentei em sala. Compare os resultados.
50
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Para ter acesso a mais conteúdos, acesse:
– Blogs
www.ContabilidadeMQ.com.br
www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com
– Instagram:
www.instagram.com/felfelipepontes
– Facebook:
www.facebook.com/ContabilidadeMQ
– Twitter:
www.twitter.com/felfelipepontes
– YouTube:
www.youtube.com/ContabilidadeMQ
51
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
52
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD     1
,,2,,10
𝑃𝑡 =
𝜏=1
∞
𝑅𝑓−𝑡
𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.iApostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.i
simuladocontabil
 
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Concurseiro Antenado
 
Teoria da contabilidade i exercicios contabilidade ativo gabarito
Teoria da contabilidade i exercicios contabilidade ativo gabaritoTeoria da contabilidade i exercicios contabilidade ativo gabarito
Teoria da contabilidade i exercicios contabilidade ativo gabarito
gabaritocontabil
 
Princípios fundamentais de contabilidade
Princípios fundamentais de contabilidadePrincípios fundamentais de contabilidade
Princípios fundamentais de contabilidade
apostilacontabil
 
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade 1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
Bolivar Motta
 
Contabilidade geral conceitos
Contabilidade geral conceitosContabilidade geral conceitos
Contabilidade geral conceitos
apostilacontabil
 

Mais procurados (20)

Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
Controladoria: a ferramenta amiga dos EmpreendedoresControladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
 
Apostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.iApostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.i
 
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
Demonstrações contábeis balanço patrimonial, demonstração de resultado e flux...
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES
CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORESCONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES
CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES
 
A história da contabilidade!
A história da contabilidade!A história da contabilidade!
A história da contabilidade!
 
Teoria da contabilidade 1 - slid -
Teoria da contabilidade   1  - slid -Teoria da contabilidade   1  - slid -
Teoria da contabilidade 1 - slid -
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvência
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Resumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade BásicaResumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade Básica
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
 
CONTABILIDADE BASICA E ESCRITURAÇÃO FISCAL
CONTABILIDADE BASICA E ESCRITURAÇÃO FISCALCONTABILIDADE BASICA E ESCRITURAÇÃO FISCAL
CONTABILIDADE BASICA E ESCRITURAÇÃO FISCAL
 
Teoria da contabilidade i exercicios contabilidade ativo gabarito
Teoria da contabilidade i exercicios contabilidade ativo gabaritoTeoria da contabilidade i exercicios contabilidade ativo gabarito
Teoria da contabilidade i exercicios contabilidade ativo gabarito
 
Princípios fundamentais de contabilidade
Princípios fundamentais de contabilidadePrincípios fundamentais de contabilidade
Princípios fundamentais de contabilidade
 
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade 1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
 
Contabilidade geral conceitos
Contabilidade geral conceitosContabilidade geral conceitos
Contabilidade geral conceitos
 
Noções básicas de contabilidade por altair marta
Noções básicas de contabilidade por altair martaNoções básicas de contabilidade por altair marta
Noções básicas de contabilidade por altair marta
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
 
Fundamentos de contabilidade i
Fundamentos de contabilidade iFundamentos de contabilidade i
Fundamentos de contabilidade i
 
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar nciasMarion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
 

Semelhante a Fraude e gerenciamento de resultados

Contabilidade básica
Contabilidade básicaContabilidade básica
Contabilidade básica
Cfx2015
 

Semelhante a Fraude e gerenciamento de resultados (20)

Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidade
 
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do Capital
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresa
 
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasCiclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresas
 
Estimando o valor por ação
Estimando o valor por açãoEstimando o valor por ação
Estimando o valor por ação
 
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisObjetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
 
REVISTA DA LIVRARIA IOB Agosto/2015
REVISTA DA LIVRARIA IOB Agosto/2015REVISTA DA LIVRARIA IOB Agosto/2015
REVISTA DA LIVRARIA IOB Agosto/2015
 
Contabilidade Básica
Contabilidade  BásicaContabilidade  Básica
Contabilidade Básica
 
Contabil basica
Contabil basicaContabil basica
Contabil basica
 
Contabilidade básica
Contabilidade básicaContabilidade básica
Contabilidade básica
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
auditoria digital.pdf
auditoria digital.pdfauditoria digital.pdf
auditoria digital.pdf
 
Estudo_exercicios_CRC.pdf
Estudo_exercicios_CRC.pdfEstudo_exercicios_CRC.pdf
Estudo_exercicios_CRC.pdf
 
Bloco K entrevista Tânia Gurgel
Bloco K entrevista Tânia GurgelBloco K entrevista Tânia Gurgel
Bloco K entrevista Tânia Gurgel
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Projecto de Franchising de Gestão e Contabilidade
Projecto de Franchising de Gestão e ContabilidadeProjecto de Franchising de Gestão e Contabilidade
Projecto de Franchising de Gestão e Contabilidade
 

Mais de Felipe Pontes

Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Felipe Pontes
 

Mais de Felipe Pontes (19)

Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuation
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresas
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresas
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
 
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBIntrodução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
 
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
 
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBPIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
 
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
 
Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma  Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma
 
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoAplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
 
Fundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart BetaFundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart Beta
 
Fundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento ImobiliárioFundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento Imobiliário
 
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long OnlyFundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
 
Fundos Multimercado
Fundos MultimercadoFundos Multimercado
Fundos Multimercado
 

Fraude e gerenciamento de resultados

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA FRAUDE E GERENCIAMENTO DE RESULTADOS grggggggggggggggggggg ggggggggg Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão Objetivo da aula: estudar ferramentas para auxiliar na detecção de manipulações contábeis discricionárias e fraudes que reduzem a qualidade da informação. Conteúdo: Gerenciamento de resultados e fraudes. Modelos usados para auxiliar na detecção de gerenciamento de resultados e fraudes.
  • 2. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 2 it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD     1 ,,2,,10 𝑃𝑡 = 𝜏=1 ∞ 𝑅𝑓−𝑡 𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!
  • 3. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Introdução • O analista, em geral, precisa confiar nas demonstrações contábeis das empresas, sabendo que elas podem nos enganar. Para evitar esse problema, confiamos nos auditores... Mas... • Nessa aula buscaremos algumas ferramentas para tentar reduzir ainda mais a chance de sermos enganados. 3
  • 4. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br O que é e quando ocorre o GR? • O que é gerenciamento de resultados? É a intervenção proposital no processo de financial reporting, com a intenção de obter algum ganho privado. Ou seja, impedir a neutralidade da informação. • Quando ocorre o gerenciamento de resultados? Quando os gestores usam o seu julgamento no processo de financial reporting e na estruturação de transações para alterar a divulgação no sentido de enganar alguns stakeholders sobre o desempenho econômico da empresa ou para influenciar questões contratuais (e.g. covenants) que dependem dos números contábeis reportados. 6 Seção baseada no livro de Dechow e Schrand (2003)
  • 5. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br GR reduz a qualidade da informação contábil? • Dado que a informação contábil (especificamente o lucro) é de qualidade quando reflete a performance corrente, que é útil para a projeção da performance futura e auxilia na estimação do valor intrínseco da empresa.... O Gerenciamento de Resultados reduz a qualidade dos lucros, independente do motivo pelo qual o lucro foi gerenciado. • À frente veremos o impacto disso em modelos de valuation. 7
  • 6. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br GR no mundo 8 Redutores de GR: a) mercado de capitais grande, b) dispersão de controle, c) forte proteção do investidor e d) forte enforcement legal Como está o Brasil nesse sentido?
  • 7. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Formas de gerenciar resultados • O que é lucro? 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 = 𝐹𝑙𝑢𝑥𝑜 𝑑𝑒 𝐶𝑎𝑖𝑥𝑎 + 𝐴𝑐𝑐𝑟𝑢𝑎𝑙𝑠 • Para gerenciar resultados, é preciso mexer nos componentes do lucro. • Tipos de manipulações: a) Atividades reais; e b) Accruals. 9 Manipulações dos componentes do lucro afetam a qualidade deles e, em consequência, afetam a qualidade do relatório do analista
  • 8. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Impacto no valuation • Imagine um modelo de valuation (desenhe um modelo de FCLF assumindo a perpetuidade já no primeiro ano, por questões didáticas) 10 Receita 11,256,565.00$ Margem operacional (EBIT) 6.34% EBIT 713,215.00$ (-) IR e CSLL (169,772.81)$ (=) EBIT Líquido 543,442.19$ (-/+) CAPEX líquido (217,531.00)$ (-) Investimento em Capital de Giro (237,230.00)$ (=) Fluxo de Caixa Livre da Empresa 88,681.19$ Situação 1: Considere o seguinte: 1) WACC = 14,52% 2) Crescimento perpétuo de 1% 3) Qual é o valor da firma? Situação 2: 1) Considere o mesmo cenário da situação 1, porém considere que a empresa manipulou algumas atividades reais e conseguiu uma receita 1% maior (situação 2.1). Faça o mesmo com uma receita 10% maior (situações 2.2). 2) Qual é o valor da firma nas situações 2.1 e 2.2? Situação 3: 1) Baseado ainda na situação 1, considere que, após algumas manipulações, a empresa conseguiu aumentar a margem operacional para 6,5% (situação 3.1). Considere também que eles conseguiram aumentar a margem para 7% (situação 3.2). 2) Qual é o valor da firma nas situações 3.1 e 3.2?
  • 9. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Impacto no valuation 11 DUCHARME, Larry L.; MALATESTA, Paul H.; SEFCIK, Stephan E. Earnings management: IPO valuation and subsequent performance. Journal of Accounting, Auditing & Finance, v. 16, n. 4, p. 369-396, 2001.
  • 10. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Impacto no valuation 12 DUCHARME, Larry L.; MALATESTA, Paul H.; SEFCIK, Stephan E. Earnings management: IPO valuation and subsequent performance. Journal of Accounting, Auditing & Finance, v. 16, n. 4, p. 369-396, 2001.
  • 11. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais • A manipulação de atividades reais não viola nenhuma norma e nem deve criar problemas com a auditoria, porque foi uma coisa que aconteceu de fato na empresa. • Todavia, apesar de ter acontecido de fato, isso pode prejudicar o desempenho futuro da empresa e prejudicar o histórico de resultados, diminuindo a qualidade da informação. • Uma forma comum de manipular as atividades reais: forçar a venda (redução de preço/margem) para que os “distribuidores” comprem mais. Uma hora os estoques ficarão abarrotados e novas vendas não serão possíveis. (próximo slide). • Essa prática é conhecida como “channel stuffing”. 14
  • 12. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais 15 Cortei o nome da empresa, mas esse caso parece ser mais um de vendas forçadas com redução de margem, até que não foi mais possível vender porque os “distribuidores” estavam com muito estoque parado. Verde é receita e marrom é margem EBIT. Ambos LTM.
  • 13. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais 16 Enquanto isso, uma concorrente não parece ter forçado a margem de última hora para vender mais. No 4T18, inclusive, a margem aumentou e só reduziu no 1T19.
  • 14. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais 17 Outra concorrente com comportamento bem diferente da nossa primeira empresa. Mais uma evidência de que pode ter havido manipulação de atividades reais por meio das receitas. É bem difícil comprovar que houve manipulação de atividades reais. Há como encontrar alguns indícios, mas nada muito exato. O livro de Dechow e Schrand (2004) traz vários artigos com evidências científicas.
  • 16. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais • Como detectar channel stuffing (TUNG et al, 2008): • Passo 1: • AR_tr: se a empresa aumenta o crédito aos clientes, o que acontece com a média das contas a receber? O que acontece com a AR_tr? – Haverá aumento na média de contas a receber e redução do AR_tr. • Inv_tr: se a empresa aumenta o crédito aos clientes para vender mais, o que acontece com a média dos estoques? O que acontece com a Inv_tr? – Haverá redução na média dos estoques, aumento no CMV e aumento do Inv_tr. 19
  • 17. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais 20 0 0.2 0.4 0.6 0.8 1 1.2 1.4 1.6 1.8 2 AR_tr Alpargatas Grendene Arezzo Espera-se redução do AR_tr. Alguém se comporta diferente? Trabalhar com prazos mais agressivos pode ser estratégia do setor. É importante verificar se o comportamento é diferente da média/mediana do setor
  • 18. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais 21 - 0.20 0.40 0.60 0.80 1.00 1.20 1.40 1.60 1.80 2.00 Inv_tr Alpargatas Grendene Arezzo Espera-se aumento do Inv_tr. Alguém se comporta diferente?
  • 19. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais • Como detectar channel stuffing (TUNG et al, 2008): • Passo 2: se houve channel stuffing, AR_A < 0 e Inv_A > 0. 22
  • 20. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais 23 -0.5 -0.4 -0.3 -0.2 -0.1 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 AR_A Alpargatas Grendene Arezzo AR_A < 0
  • 21. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais 24 (0.40) (0.30) (0.20) (0.10) - 0.10 0.20 0.30 0.40 0.50 Inv_A Alpargatas Grendene Arezzo Inv_A > 0
  • 22. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Atividades Reais • Casos de Channel Stuffing famosos: • https://www.sec.gov/news/press/2004-105.htm • https://www.marketwatch.com/story/coke-settles-with-sec-over-sales- inflation-in-japan • https://www.nytimes.com/2016/03/29/business/dealbook/valeants- accounting-error-a-warning-sign-of-bigger-problems.html] • https://www.reuters.com/article/us-monsterbeverage-lawsuit/monster- beverage-in-16-25-million-channel-stuffing-settlement- idUSBREA3G1K620140417 25
  • 23. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Accruals • O que são accruals? • Accruals abrem oportunidades para o gerenciamento de resultados porque é preciso fazer previsões, estimativas e julgamentos sobre eles. • Exemplos de ativos/passivos sujeitos a ajustes nos accruals (DECHOW; SCHRAND, 2004): – Contas a receber (alto grau de discricionariedade): a gestão precisa fazer previsões sobre retorno dos produtos e a quantidade de pagadores ruins; – Imobilizado (alto grau): alguns custos são capitalizados quando não deveriam e a depreciação pode ser feita de forma arbitrária. Além disso, as projeções sobre a demanda futura para fazer impairment também podem ser arbitrárias. – Dívida (baixo grau): baseado em contratos. 27
  • 24. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Accruals • O gerenciamento de accruals afeta apenas o timing do reconhecimento dos lucros. Um lucro inflado em um período implica em uma redução em outro período (DECHOW; SCHRAND, 2004). • Uma das poucas certezas da nossa vida: os accruals se revertem e quando é tomada a decisão de gerenciar os accruals, há a expectativa de que no futuro as atividades normais compensem o gerenciamento para que ele passe despercebido. 28
  • 25. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Accruals • RED FLAGS: 1. Nível alto de accruals é um indício de que possa haver manipulação (DECHOW; SLOAN; SWEENEY, 1996). 2. Gap muito forte entre lucro e fluxo de caixa livre (RICHARDSON, TUNA, WU, 2003). 29
  • 28. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Manipulação de Accruals • Trabalhos brasileiros sobre refazimento e repuplicação: • http://gorila.furb.br/ojs/index.php/universocontabil/article/view/2002/ 1598 • http://tcc.bu.ufsc.br/Contabeis296135.PDF • http://www.cvm.gov.br/menu/regulados/companhias/consultas/refazi mento/index.html 32
  • 29. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Fraudes são detectáveis? • Em geral, é difícil detectar de forma muito antecipada, sem que haja alguma denúncia. Mas existem sinais, como no caso da Enron e Parmalat (FRIDSON; ALVAREZ, 2011). – Troca repentina/inesperada de diretores experientes (não é fraude, mas aconteceu recentemente com a Smiles – de novo ela); – Falta de clareza na divulgação de informações; – Notas explicativas que não explicam muita coisa; – Empresa captando dívida, sem explicação clara, quando aparentemente não precisa; – Etc. 34
  • 30. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Fraudes são detectáveis? • É possível usar modelos preexistentes ou criar o seu próprio modelo, a exemplo do modelo de Beneish (1999) que ficou famoso após um grupo de estudantes utilizá-lo para antecipar a derrocada da Enron. • A ideia é semelhante àquela utilizada pelos modelos de previsão de falência, mas nesse caso Beneish usou um modelo probit. • Faça a aplicação do modelo na sua empresa (próximo slide). • BENEISH, Messod D. The detection of earnings manipulation. Financial Analysts Journal, v. 55, n. 5, p. 24-36, 1999. 35
  • 31. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Fraudes são detectáveis? • M-Score de Beneish = -4,840 + 0,920*DSRI + 0,528*GMI + 0,404*AQ + 0,892*SGI + 0,115*DEPI – 0,172*SGAI – 0,327*LVGI + 4,697*TATA • M-Score > -2,22 indica empresa propensa a manipular informações. 36
  • 32. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Dechow et al (2012) • Esse modelo corrige dois problemas: a desconsideração da reversão natural dos accruals (Pae e Paulo já fizeram isso muito antes) e ajusta problemas de variáveis omitidas correlacionadas. 38
  • 33. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Pae (2005) • Vamos aplicar com a base de dados que enviei (Dados Molode de Pae – calçados) • Os comandos estão acima. Rode o modelo completo e analise os accruals discricionários gerados. • Rode o modelo sem a consideração da reversão natural dos accruals, retirando a última variável. Qual é o efeito? • Supondo que o meu modelo pode ser extrapolado, aplique na sua empresa e analise o nível de gerenciamento de resultados dela. 39 destring data, replace tsset data empresa reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1 predict acc_discric, residuals
  • 34. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Pae (2005) _cons -.087447 .0474653 -1.84 0.074 -.1839081 .0090141 tat_1_at_1 .5453413 .130408 4.18 0.000 .2803205 .8103622 cft_1_at_1 -.0118305 .0361272 -0.33 0.745 -.0852498 .0615887 cf_at_1 -.5266396 .5208221 -1.01 0.319 -1.585077 .5317982 ppe_at_1 .3282045 .2440542 1.34 0.188 -.1677734 .8241823 varreceita_at_1 -.2683816 .1092889 -2.46 0.019 -.4904834 -.0462797 ta_at_1 Coef. Std. Err. t P>|t| [95% Conf. Interval] Total .569814085 39 .014610618 Root MSE = .07811 Adj R-squared = 0.5824 Residual .207441405 34 .006101218 R-squared = 0.6359 Model .36237268 5 .072474536 Prob > F = 0.0000 F( 5, 34) = 11.88 Source SS df MS Number of obs = 40 . reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1 40
  • 35. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Pae (2005) • Explicação dos comandos: • ** Comando usado para transformar a data que estava "não numérica" em uma variável numérica. • destring data, replace • ** Comando usado para dizer quem é minha variável de tempo e de empresa, caso eu queira fazer testes de painel ou série temporal • tsset data empresa • ** Comando usado na minha regressão • reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1 • ** Salvando os resíduos (erro da regressão) com o nome de acc_discr • predict acc_discric, residuals 41
  • 36. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Pae (2005) • Controlei pelos anos. Veja o efeito no R² ajustado: 42 _cons -.0489127 .0623868 -0.78 0.440 -.1769198 .0790945 ano2017 -.1271371 .0567826 -2.24 0.034 -.2436453 -.0106288 ano2016 -.0153751 .0498563 -0.31 0.760 -.1176719 .0869216 ano2015 -.0020402 .0484602 -0.04 0.967 -.1014723 .0973919 ano2014 -.0322461 .0489593 -0.66 0.516 -.1327023 .0682101 ano2013 -.0402282 .0545954 -0.74 0.468 -.1522488 .0717923 ano2012 .0434429 .0512182 0.85 0.404 -.0616482 .148534 ano2011 .0156515 .0487077 0.32 0.750 -.0842885 .1155916 tat_1_at_1 .554503 .1372353 4.04 0.000 .2729194 .8360865 cft_1_at_1 .0350576 .0391977 0.89 0.379 -.0453696 .1154847 cf_at_1 .3058544 .5805371 0.53 0.603 -.8853094 1.497018 ppe_at_1 .2550658 .2376703 1.07 0.293 -.2325934 .742725 varreceita_at_1 -.3522351 .1135162 -3.10 0.004 -.5851511 -.1193191 ta_at_1 Coef. Std. Err. t P>|t| [95% Conf. Interval] Total .569814085 39 .014610618 Root MSE = .07308 Adj R-squared = 0.6345 Residual .144179623 27 .005339986 R-squared = 0.7470 Model .425634463 12 .035469539 Prob > F = 0.0000 F( 12, 27) = 6.64 Source SS df MS Number of obs = 40 . reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1 ano2011 ano2012 ano2013 ano2014 ano2015 ano2016 ano2017
  • 37. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Pae (2005) • Como criei as dummies dos anos: • g ano2011=(data==2011) • g ano2012=(data==2012) • g ano2013=(data==2013) • g ano2014=(data==2014) • g ano2015=(data==2015) • g ano2016=(data==2016) • g ano2017=(data==2017) 43
  • 38. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Pae (2005) • Agora adicionei também o controle das empresas: 44 _cons .065582 .166648 0.39 0.698 -.2791557 .4103196 Vulca -.0277707 .0669432 -0.41 0.682 -.1662534 .1107119 Grendene -.1532947 .0910353 -1.68 0.106 -.3416155 .0350262 Arezzo -.0955543 .1084376 -0.88 0.387 -.3198745 .1287659 Alpa -.0444058 .0504727 -0.88 0.388 -.1488164 .0600049 ano2017 -.1010376 .0578641 -1.75 0.094 -.2207385 .0186634 ano2016 .0074217 .0511223 0.15 0.886 -.0983328 .1131762 ano2015 .0133649 .0485419 0.28 0.786 -.0870516 .1137815 ano2014 .0008263 .0495626 0.02 0.987 -.1017017 .1033543 ano2013 .0085353 .0571092 0.15 0.882 -.1096042 .1266747 ano2012 .0787746 .0513546 1.53 0.139 -.0274606 .1850098 ano2011 .0323831 .0472801 0.68 0.500 -.0654233 .1301894 tat_1_at_1 .2904929 .1856155 1.57 0.131 -.093482 .6744678 cft_1_at_1 .0352053 .0431402 0.82 0.423 -.0540369 .1244476 cf_at_1 .2380342 .5625823 0.42 0.676 -.9257561 1.401824 ppe_at_1 -.2940973 .6299032 -0.47 0.645 -1.597151 1.008957 varreceita_at_1 -.4327805 .1285752 -3.37 0.003 -.6987586 -.1668024 ta_at_1 Coef. Std. Err. t P>|t| [95% Conf. Interval] Total .569814085 39 .014610618 Root MSE = .07017 Adj R-squared = 0.6630 Residual .113258077 23 .004924264 R-squared = 0.8012 Model .456556008 16 .028534751 Prob > F = 0.0001 F( 16, 23) = 5.79 Source SS df MS Number of obs = 40 > Vulca . reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1 ano2011 ano2012 ano2013 ano2014 ano2015 ano2016 ano2017 Alpa Arezzo Grendene
  • 39. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Pae (2005) • Como criei as dummies das empresas: • g Alpa=(empresa==1) • g Arezzo=(empresa==2) • g Grendene=(empresa==3) • g Vulca=(empresa==4) • Modelo completo: • reg ta_at_1 varreceita_at_1 ppe_at_1 cf_at_1 cft_1_at_1 tat_1_at_1 ano2011 ano2012 ano2013 ano2014 ano2015 ano2016 ano2017 Alpa Arezzo Grendene Vulca 45
  • 40. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelo de Pae (2005) • O ideal é se estimar por cross-section por setor, Fama-McBeth, ou até mesmo por dados em painel. Mas prefiro a primeira opção (vídeo no final dos slides). 46
  • 41. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Os modelos detectam casos reais? • https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1506/car.25.2.8 47
  • 42. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Os modelos detectam casos reais? 2 • https://www.aaajournals.org/doi/pdf/10.2308/accr.2010.85.2.695 48
  • 43. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br O papel da imprensa • https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1475- 679X.2006.00224.x 49
  • 44. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Prática • Para trabalhos maiores, você pode programar no Stata ou no R. • Veja como programar um modelo de gerenciamento de resultados no Stata: • https://www.youtube.com/watch?v=fxUVejr38Cc&t=15s • Rode o modelo para o setor da sua empresa, de 2010 até 2018. Analise os resultados comparando as empresas do setor com a sua empresa. • Façam com base no modelo do vídeo e com base no modelo que eu apresentei em sala. Compare os resultados. 50
  • 45. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Para ter acesso a mais conteúdos, acesse: – Blogs www.ContabilidadeMQ.com.br www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com – Instagram: www.instagram.com/felfelipepontes – Facebook: www.facebook.com/ContabilidadeMQ – Twitter: www.twitter.com/felfelipepontes – YouTube: www.youtube.com/ContabilidadeMQ 51
  • 46. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 52 it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD     1 ,,2,,10 𝑃𝑡 = 𝜏=1 ∞ 𝑅𝑓−𝑡 𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!

Notas do Editor

  1. Baseado no livro de Dechow e Schrand.
  2. https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/0148558X0101600409
  3. Veja que nos últimos trimestres a receita vinha se mantendo estável, mas a margem vinha reduzindo. Parece ser um caso de manipulação de atividades reais em que a Grendene forçou a venda... Aí no quarto trimestre de 2018 os franqueados, empolgados com a eleição, compraram muito e depois não conseguiram vender e não fizeram novas compras no 1 trimestre de 2019.... Que além da redução de receita, teve redução ainda maior de margem. Muita gente tá desconfiando que a Grendene errou feio a mão da coleção, mas eu chutaria que eles forçaram a barra no final do ano mesmo e a economia não recuperou e os estoques ficaram abarrotados.
  4. Arezzo.
  5. Alpargatas.
  6. https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/16081625.2008.9720816 Tem outro artigo interessante:> Detection of Channel Stuffing
  7. AR_tr: se a empresa aumenta o crédito para fazer channel stuffing, a média das contas a receber aumentará. Isso reduzirá o giro das contas a receber... A empresa levará mais tempo para “coletar” suas vendas a prazo. Inv_tr: se a empresa aumento o crédito, a empresa venderá mais, provavelmente, e isso reduzirá os estoques e aumentará o CMV.
  8. Caso no Brasil para analisar: Hypera. https://twitter.com/PedroCerize/status/1122839028011819009
  9. https://www.ey.com/Publication/vwLUAssets/EY-financial-restatements-understanding-differences-and-significance/$FILE/EY-financial-restatements-understanding-differences-and-significance-cover.pdf
  10. LTD = long term debt TATA é Total Accruals/Total Assets. A parte de total accruals pode calcular como Lucro – FCO.