SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
MODELAGEM FINANCEIRA
grggggggggggggggggggg
ggggggggg
Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão
Objetivo da aula: os alunos deverão compreender a ideia por trás da
modelagem financeira e forecasting aplicados à análise das empresas.
Conteúdo: modelagem financeira e projeções das demonstrações contábeis.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
2
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD     1
,,2,,10
𝑃𝑡 =
𝜏=1
∞
𝑅𝑓−𝑡
𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Discussão sobre o assunto da aula passada
• Um voluntário para apresentar um resumo do texto “Qual é o problema?”
• Análise comparativa pelo Modelo de Graham e Dodd para a sua empresa e a
principal concorrente;
• 15 Pontos de Fisher para cada empresa;
• Questões do Capítulo 10 (eu tinha colocado errado no SIGAA – então
deixaremos para lá, dessa vez).
• Caso Maxwell.
3
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Introdução
• O que é modelagem financeira?
– É o processo de criação de uma representação (modelo) da realidade. A
realidade representada no modelo é baseada em pressupostos assumidos pelo
analista. Esses pressupostos, muitas vezes, podem estar equivocados.
– É preciso ter muito cuidado para não “perpetuar” eventos passados como se
eles fossem se repetir no futuro, especialmente em casos de empresas com
crescimento muito forte.
• Quem precisa de modelos e projeções? Para que eles precisam?
– Gestores de empresas;
– Analistas financeiros;
– Credores;
– Valuation (tópico específico de outra disciplina).
4
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Modelagem e Análise Estratégia/Contábil/Financeira
• A modelagem nos ajuda a analisar, por exemplo, o efeito de decisões
estratégicas no desempenho da empresa.
5
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Visão geral das projeções
• Quando fazemos valuation, normalmente projetamos apenas os Fluxos
de Caixa Livres, para propósito de investimentos em ações.
• Para propósitos de consultoria em avaliação de empresas,
normalmente se faz projeções das principais demonstrações contábeis –
no mínimo balanço e DRE.
• Qual dos dois está correto e por quê?
• Os dois podem estar corretos, porém, na primeira opção, você corre um
risco alto de assumir pressupostos que não são reais – como
crescimento de receitas sem crescimento de custos, necessidade de
reinvestimentos (e financiamento).
6
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
• O passo inicial é sempre conhecer a empresa primeiro!
• Análise estratégica, contábil e financeira.
• Após isso é que você passará a ancorar suas projeções em alguns
direcionadores.
7
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
• Reversão à média no crescimento das receitas: por que isso acontece?
Por que os analistas perpetuam o crescimento?
• O que eu costumo fazer nos meus modelos, já que não dá para prever
o futuro? Reversão à média do setor, mas depende!
8
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
• O que aconteceu com as margens e crescimento das receitas da Cielo e
da Raia Drogasil nos últimos anos?
• O que gerou esse efeito?
• Como a empresa poderia ter se defendido disso?
9
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
• Com relação às projeções dos lucros, cuidado com o que veem no
consenso dos analistas. Lucros são persistentes e, para a projeção deles,
um ótimo passo inicial é começar pelos últimos lucros.
10
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
11
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
12
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
• Dado que os lucros são persistentes e são bons preditores dos lucros
futuros, devemos esperar que os ROEs presentes também sejam bons
preditores dos ROEs futuros? Ver literatura empírica citada no livro de
Palepu e Healy.
• Não!
1. ROEs também devem reverter à média, com o tempo.
2. Novos investimentos das empresas com altos ROEs não devem conseguir,
facilmente, altos ROEs como no passado.
13
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
• Empresas com ROEs muito altos (se não for por questões contábeis como off-
balance-sheet, como leasing e intangíveis) devem sofrer com concorrência e
saturação do mercado (mais uma vez elas: Cielo e Raia Drogasil), fazendo com
que o ROE caia à média. Smiles é um caso especial.
• Empresas com ROEs muito baixos devem se tornar eficientes, para subir o
ROE à média, senão quebrarão.
14
Num mundo ideal,
em termos de
competição e
alocação de capital,
o ROE tende ao Ke
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ponto de partida das projeções
• Sobre os novos investimentos, para manutenção ou expansão dos ROEs,
lembram da fábrica de móveis de plástico da Grendene?
• A ideia era ter móveis sofisticados, mas com preço acessível para a
classe média. Hoje a empresa reluta muito a fazer novos investimentos.
15
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Elementos da Projeção
• PROJEÇÃO DAS RECEITAS: o que olhar, no caso de varejo?
1. Receitas do ano anterior;
2. Aumento do número de lojas;
3. Evolução do ciclo de vida das lojas;
4. Desenvolvimento e aceitação de novos produtos;
5. Marketing;
6. Comportamento dos concorrentes (entrada, saída, preços etc);
7. Etc.
16
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Elementos da Projeção
• PROJEÇÃO DAS RECEITAS: o que olhar, no caso de varejo?
– É possível também estimar o tamanho do mercado de atuação da empresa;
– A partir do tamanho do mercado, estimar o market share;
– Como a empresa está trabalhando para ampliar ou proteger o seu share?
• Pensem no caso abaixo:
17
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Elementos da Projeção
• PROJEÇÃO DAS RECEITAS: o que olhar, no caso de varejo?
• Problemas estruturais devem ser considerados nas projeções. Por
exemplo, será que a Via Varejo recupera melhor as vendas
(principalmente online), já que, supostamente, estão agora bem
integrados digitalmente, após o problema na Black Friday de 2018?
18
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Elementos da Projeção
• Recomendo que leiam os materiais e vejam o vídeo do link abaixo
sobre esse assunto:
• http://www.contabilidademq.com.br/2017/03/review-superprevisores-
arte-e-ciencia-de-antecipar-o-futuro.html
• http://www.contabilidademq.com.br/2017/09/aplicando-tecnica-de-
estimacao-de-fermi.html
• http://www.contabilidademq.com.br/2018/07/video-como-resolver-
problemas-que.html
19
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Elementos da Projeção
• PROJEÇÃO DAS DESPESAS: o que olhar, no caso de varejo?
• É preciso analisar qual é o direcionador de cada linha da DRE.
Recomendo também analisar a estabilidade deles ao longo do tempo.
1. Receita  COGS
2. Receita  SG&A
3. Endividamento e taxa de juros  Despesas financeiras
4. Política contábil e CAPEX  Depreciação e amortização
5. LAIR e benefícios tributários  IR/CSLL
6. Etc.
20
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Elementos da Projeção
• PROJEÇÃO DO BALANÇO: o que olhar, no caso de varejo?
• No ativo, deve-se olhar conta a conta, mas a maioria e as mais
importantes também depende das vendas – teste sempre a estabilidade
temporal. Capital de giro dependerá do objetivo de crescimento e
política de vendas, investimentos em imobilizado também, por exemplo.
• Para os ativos imobilizados, verifiquem sempre o plano de negócios e a
política de investimentos aprovados pela empresa.
• O mesmo serve para as contas do passivo e PL.
• Atenção especial à política de dividendos, estrutura de capital e
recompra de ações; e a qualquer alteração que tenha impacto nas
contas.
21
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Análise de sensibilidade
• Como eu sempre digo, é mais importante você acertar o caso do que
acertar os números. Essas projeções são “chutes fundamentados”. É
importante para você ganhar confiança, mas não é tudo.
• Para evitar vieses, recomendo fazer testes de sensibilidade mexendo nas
margens, no crescimento, nos custos etc.
22
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Caso do Capítulo 7 de Bruner
• Montem a planilha e respondam às questões, em grupos.
23
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Para a próxima aula
• 01/05/2019 - Feriado na próxima quarta-feira;
• 08/05/2019 – Apresentação dos relatórios parciais de análise das
empresas (já incluam as projeções fundamentadas das demonstrações
contábeis):
– George e Matheus: Sanepar
– Mariângela e Patrícia: Valid
– Marcelly e André: Via Varejo
– Igor e Luiz: Fleury
– Polyandra e Gustavo: Trisul
– Alunos da graduação apresentarão os seus relatórios.
24
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Para ter acesso a mais conteúdos, acesse:
– Blogs
www.ContabilidadeMQ.com.br
www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com
– Instagram:
www.instagram.com/felfelipepontes
– Facebook:
www.facebook.com/ContabilidadeMQ
– Twitter:
www.twitter.com/felfelipepontes
– YouTube:
www.youtube.com/ContabilidadeMQ
25
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
26
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD     1
,,2,,10
𝑃𝑡 =
𝜏=1
∞
𝑅𝑓−𝑡
𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercicios resolvidos contabilidade aula 12
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 12Exercicios resolvidos contabilidade   aula 12
Exercicios resolvidos contabilidade aula 12
cathedracontabil
 
Aula de movimento de caixa cebrac
Aula de movimento de caixa cebracAula de movimento de caixa cebrac
Aula de movimento de caixa cebrac
Valéria Lins
 
Desenvolvimento de novos produtos
Desenvolvimento de novos produtos Desenvolvimento de novos produtos
Desenvolvimento de novos produtos
Franciely Charleaux
 
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo AlvimAvaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Valor da Empresa
 
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornadaAula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Renan Kaltenegger
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Alvaro Galdos
 
Material para cálculo de mrp
Material para cálculo de mrpMaterial para cálculo de mrp
Material para cálculo de mrp
Lucas Souza
 

Mais procurados (20)

Tecnologia do leite
Tecnologia do leiteTecnologia do leite
Tecnologia do leite
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 12
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 12Exercicios resolvidos contabilidade   aula 12
Exercicios resolvidos contabilidade aula 12
 
Aula de movimento de caixa cebrac
Aula de movimento de caixa cebracAula de movimento de caixa cebrac
Aula de movimento de caixa cebrac
 
Construção Galpão Industrial
Construção Galpão IndustrialConstrução Galpão Industrial
Construção Galpão Industrial
 
Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
 
Desenvolvimento de novos produtos
Desenvolvimento de novos produtos Desenvolvimento de novos produtos
Desenvolvimento de novos produtos
 
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
 
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo AlvimAvaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
 
Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
 
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornadaAula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
Aula 1 e 2 OSM calculos produtividade, hora, jornada
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
 
agregados
agregados agregados
agregados
 
Avaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosAvaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentos
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
 
Processos de transformação de alimentos
Processos de transformação de alimentosProcessos de transformação de alimentos
Processos de transformação de alimentos
 
Dre
DreDre
Dre
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoque
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvência
 
Material para cálculo de mrp
Material para cálculo de mrpMaterial para cálculo de mrp
Material para cálculo de mrp
 

Semelhante a Modelagem financeira e demonstrações pro forma

Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorPalestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Universidade de Pernambuco
 
Slides módulo5.2
Slides módulo5.2Slides módulo5.2
Slides módulo5.2
Eva Gomes
 

Semelhante a Modelagem financeira e demonstrações pro forma (20)

Estimando o crescimento
Estimando o crescimentoEstimando o crescimento
Estimando o crescimento
 
Estimando o crescimento dos lucros e fluxos de caixa
Estimando o crescimento dos lucros e fluxos de caixaEstimando o crescimento dos lucros e fluxos de caixa
Estimando o crescimento dos lucros e fluxos de caixa
 
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidade
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresas
 
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
 
Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuation
 
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorPalestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
 
Estimando o valor por ação
Estimando o valor por açãoEstimando o valor por ação
Estimando o valor por ação
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
 
Planejamento Estratégico Comercial - Colocando em Prática
Planejamento Estratégico Comercial - Colocando em PráticaPlanejamento Estratégico Comercial - Colocando em Prática
Planejamento Estratégico Comercial - Colocando em Prática
 
Valor terminal (valuation)
Valor terminal (valuation)Valor terminal (valuation)
Valor terminal (valuation)
 
Plano de Negócios - Parte fundamental do empreendedor
Plano de Negócios - Parte fundamental do empreendedorPlano de Negócios - Parte fundamental do empreendedor
Plano de Negócios - Parte fundamental do empreendedor
 
Aprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o SebraeAprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o Sebrae
 
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisObjetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
 
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de EmpreendimentosStart-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
Start-ups no Brasil: Documentação na Estruturação de Empreendimentos
 
Slides módulo5.2
Slides módulo5.2Slides módulo5.2
Slides módulo5.2
 
Avaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentosAvaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentos
 
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
 
Plano de negócios 1
Plano de negócios 1Plano de negócios 1
Plano de negócios 1
 

Mais de Felipe Pontes

Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Felipe Pontes
 

Mais de Felipe Pontes (20)

Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasCiclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresas
 
Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultados
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresa
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresas
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
 
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBIntrodução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
 
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
 
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBPIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
 
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do Capital
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
 
Orçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPLOrçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPL
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
 
Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma  Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma
 
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoAplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
 
Fundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart BetaFundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart Beta
 
Fundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento ImobiliárioFundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento Imobiliário
 

Modelagem financeira e demonstrações pro forma

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MODELAGEM FINANCEIRA grggggggggggggggggggg ggggggggg Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão Objetivo da aula: os alunos deverão compreender a ideia por trás da modelagem financeira e forecasting aplicados à análise das empresas. Conteúdo: modelagem financeira e projeções das demonstrações contábeis.
  • 2. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 2 it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD     1 ,,2,,10 𝑃𝑡 = 𝜏=1 ∞ 𝑅𝑓−𝑡 𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!
  • 3. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Discussão sobre o assunto da aula passada • Um voluntário para apresentar um resumo do texto “Qual é o problema?” • Análise comparativa pelo Modelo de Graham e Dodd para a sua empresa e a principal concorrente; • 15 Pontos de Fisher para cada empresa; • Questões do Capítulo 10 (eu tinha colocado errado no SIGAA – então deixaremos para lá, dessa vez). • Caso Maxwell. 3
  • 4. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Introdução • O que é modelagem financeira? – É o processo de criação de uma representação (modelo) da realidade. A realidade representada no modelo é baseada em pressupostos assumidos pelo analista. Esses pressupostos, muitas vezes, podem estar equivocados. – É preciso ter muito cuidado para não “perpetuar” eventos passados como se eles fossem se repetir no futuro, especialmente em casos de empresas com crescimento muito forte. • Quem precisa de modelos e projeções? Para que eles precisam? – Gestores de empresas; – Analistas financeiros; – Credores; – Valuation (tópico específico de outra disciplina). 4
  • 5. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Modelagem e Análise Estratégia/Contábil/Financeira • A modelagem nos ajuda a analisar, por exemplo, o efeito de decisões estratégicas no desempenho da empresa. 5
  • 6. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Visão geral das projeções • Quando fazemos valuation, normalmente projetamos apenas os Fluxos de Caixa Livres, para propósito de investimentos em ações. • Para propósitos de consultoria em avaliação de empresas, normalmente se faz projeções das principais demonstrações contábeis – no mínimo balanço e DRE. • Qual dos dois está correto e por quê? • Os dois podem estar corretos, porém, na primeira opção, você corre um risco alto de assumir pressupostos que não são reais – como crescimento de receitas sem crescimento de custos, necessidade de reinvestimentos (e financiamento). 6
  • 7. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ponto de partida das projeções • O passo inicial é sempre conhecer a empresa primeiro! • Análise estratégica, contábil e financeira. • Após isso é que você passará a ancorar suas projeções em alguns direcionadores. 7
  • 8. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ponto de partida das projeções • Reversão à média no crescimento das receitas: por que isso acontece? Por que os analistas perpetuam o crescimento? • O que eu costumo fazer nos meus modelos, já que não dá para prever o futuro? Reversão à média do setor, mas depende! 8
  • 9. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ponto de partida das projeções • O que aconteceu com as margens e crescimento das receitas da Cielo e da Raia Drogasil nos últimos anos? • O que gerou esse efeito? • Como a empresa poderia ter se defendido disso? 9
  • 10. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ponto de partida das projeções • Com relação às projeções dos lucros, cuidado com o que veem no consenso dos analistas. Lucros são persistentes e, para a projeção deles, um ótimo passo inicial é começar pelos últimos lucros. 10
  • 13. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ponto de partida das projeções • Dado que os lucros são persistentes e são bons preditores dos lucros futuros, devemos esperar que os ROEs presentes também sejam bons preditores dos ROEs futuros? Ver literatura empírica citada no livro de Palepu e Healy. • Não! 1. ROEs também devem reverter à média, com o tempo. 2. Novos investimentos das empresas com altos ROEs não devem conseguir, facilmente, altos ROEs como no passado. 13
  • 14. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ponto de partida das projeções • Empresas com ROEs muito altos (se não for por questões contábeis como off- balance-sheet, como leasing e intangíveis) devem sofrer com concorrência e saturação do mercado (mais uma vez elas: Cielo e Raia Drogasil), fazendo com que o ROE caia à média. Smiles é um caso especial. • Empresas com ROEs muito baixos devem se tornar eficientes, para subir o ROE à média, senão quebrarão. 14 Num mundo ideal, em termos de competição e alocação de capital, o ROE tende ao Ke
  • 15. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ponto de partida das projeções • Sobre os novos investimentos, para manutenção ou expansão dos ROEs, lembram da fábrica de móveis de plástico da Grendene? • A ideia era ter móveis sofisticados, mas com preço acessível para a classe média. Hoje a empresa reluta muito a fazer novos investimentos. 15
  • 16. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Elementos da Projeção • PROJEÇÃO DAS RECEITAS: o que olhar, no caso de varejo? 1. Receitas do ano anterior; 2. Aumento do número de lojas; 3. Evolução do ciclo de vida das lojas; 4. Desenvolvimento e aceitação de novos produtos; 5. Marketing; 6. Comportamento dos concorrentes (entrada, saída, preços etc); 7. Etc. 16
  • 17. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Elementos da Projeção • PROJEÇÃO DAS RECEITAS: o que olhar, no caso de varejo? – É possível também estimar o tamanho do mercado de atuação da empresa; – A partir do tamanho do mercado, estimar o market share; – Como a empresa está trabalhando para ampliar ou proteger o seu share? • Pensem no caso abaixo: 17
  • 18. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Elementos da Projeção • PROJEÇÃO DAS RECEITAS: o que olhar, no caso de varejo? • Problemas estruturais devem ser considerados nas projeções. Por exemplo, será que a Via Varejo recupera melhor as vendas (principalmente online), já que, supostamente, estão agora bem integrados digitalmente, após o problema na Black Friday de 2018? 18
  • 19. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Elementos da Projeção • Recomendo que leiam os materiais e vejam o vídeo do link abaixo sobre esse assunto: • http://www.contabilidademq.com.br/2017/03/review-superprevisores- arte-e-ciencia-de-antecipar-o-futuro.html • http://www.contabilidademq.com.br/2017/09/aplicando-tecnica-de- estimacao-de-fermi.html • http://www.contabilidademq.com.br/2018/07/video-como-resolver- problemas-que.html 19
  • 20. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Elementos da Projeção • PROJEÇÃO DAS DESPESAS: o que olhar, no caso de varejo? • É preciso analisar qual é o direcionador de cada linha da DRE. Recomendo também analisar a estabilidade deles ao longo do tempo. 1. Receita  COGS 2. Receita  SG&A 3. Endividamento e taxa de juros  Despesas financeiras 4. Política contábil e CAPEX  Depreciação e amortização 5. LAIR e benefícios tributários  IR/CSLL 6. Etc. 20
  • 21. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Elementos da Projeção • PROJEÇÃO DO BALANÇO: o que olhar, no caso de varejo? • No ativo, deve-se olhar conta a conta, mas a maioria e as mais importantes também depende das vendas – teste sempre a estabilidade temporal. Capital de giro dependerá do objetivo de crescimento e política de vendas, investimentos em imobilizado também, por exemplo. • Para os ativos imobilizados, verifiquem sempre o plano de negócios e a política de investimentos aprovados pela empresa. • O mesmo serve para as contas do passivo e PL. • Atenção especial à política de dividendos, estrutura de capital e recompra de ações; e a qualquer alteração que tenha impacto nas contas. 21
  • 22. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Análise de sensibilidade • Como eu sempre digo, é mais importante você acertar o caso do que acertar os números. Essas projeções são “chutes fundamentados”. É importante para você ganhar confiança, mas não é tudo. • Para evitar vieses, recomendo fazer testes de sensibilidade mexendo nas margens, no crescimento, nos custos etc. 22
  • 23. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Caso do Capítulo 7 de Bruner • Montem a planilha e respondam às questões, em grupos. 23
  • 24. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Para a próxima aula • 01/05/2019 - Feriado na próxima quarta-feira; • 08/05/2019 – Apresentação dos relatórios parciais de análise das empresas (já incluam as projeções fundamentadas das demonstrações contábeis): – George e Matheus: Sanepar – Mariângela e Patrícia: Valid – Marcelly e André: Via Varejo – Igor e Luiz: Fleury – Polyandra e Gustavo: Trisul – Alunos da graduação apresentarão os seus relatórios. 24
  • 25. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Para ter acesso a mais conteúdos, acesse: – Blogs www.ContabilidadeMQ.com.br www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com – Instagram: www.instagram.com/felfelipepontes – Facebook: www.facebook.com/ContabilidadeMQ – Twitter: www.twitter.com/felfelipepontes – YouTube: www.youtube.com/ContabilidadeMQ 25
  • 26. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 26 it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD     1 ,,2,,10 𝑃𝑡 = 𝜏=1 ∞ 𝑅𝑓−𝑡 𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!