José de Alencar

14.242 visualizações

Publicada em

Panorama da obra do autor.

Publicada em: Educação
4 comentários
36 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.242
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
4
Gostaram
36
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

José de Alencar

  1. 1. “Eis o que é a palavra, meu amigo:simples e delicada flor do sentimento,nota palpitante do coração, ela pode elevar-se até o fastígio da grandeza humana, e impor leis ao mundo do alto desse trono, que tem por degrau o coração e por cúpula a inteligência.”
  2. 2. José Martiniano de Alencar nasceu no Ceará, filho do (ex) padre José Martiniano de Alencar (deputado pela província do Ceará) ; foi o fruto de uma união ilícita e particular do padre com a prima Ana Josefina de Alencar. Quando criança e adolescente, era tratado em família por Cazuza, mais tarde, adulto, ficou conhecido nacionalmente como José de Alencar, um dos maiores escritores românticos do Brasil. *1829 – 1877 Faleceu aos 48 anos
  3. 3. O Nacionalismo Com a Independência em 1822, os artistas brasileiros empenharam-se em definir uma identidade cultural (...). Afinal, • o que era ser brasileiro? • qual a nossa língua? • a nossa raça? • nosso passado histórico? • nossos costumes e tradições?
  4. 4. O Projeto de Alencar Iracema O sertanejo As minas de prata Senhora José de Alencar pretendia formar um panorama do Brasil, O gaúchoretratando cada parte do país em um romance.
  5. 5. Pode-se dividir a obra de José de Alencar da seguinte forma: Romances históricosRomances Romances Nacionalismourbanos indianistas Ufanismo Romances regionalistas
  6. 6. Romance Indianista “Bom selvagem” Índio Símbolo Passado denacionalidade histórico
  7. 7. Trilogia indianista de Alencar
  8. 8. Filmografia Indicada1979 1996 1975
  9. 9. O Guarani “A idealização está presente a cada passo, tanto nas descrições da natureza, quanto na apresentação das personagens. Se Ceci é a heroína adolescente, Peri é o “bom selvagem” de Rousseau, um autêntico cavaleiro medieval, “cavalheiro português no corpo de um selvagem!” (Ester D. Braga Tavares de Castro em http://www.10emtudo.com.br/demo/obras/index_6.html)http://www.youtube.com/watch?v=7_i8z4yaNu8
  10. 10. http://www.youtube.com/watch?v=PTomUb3r1m0&NR=1
  11. 11. Características do Romance Indianista Chamado de "poema em prosa" pela crítica, dado o ritmo e cadência de Iracema, mais deum autor procurou demonstrar o caráter de poesia do livro. Realmente, sobretudo a belíssimaabertura do livro é marcada por um ritmo cadenciado, podendo as palavras ser distribuídas em versos de um poema tradicional: Verdes mares bravios (6 sílabas) de minha terra natal, (7) onde canta a jandaia(6) nas frondes da carnaúba; (7) Verdes mares que brilhais (7) como líquida esmeralda (7) aos rios do sol nascente, (7) perlongando as alvas praias (7) ensombradas de coqueiros; (7) Serenai, verdes mares, (6) e alisai docemente (6) a vaga impetuosa, (6) para que o barco aventureiro (8) manso resvale à flor das águas.” (8)
  12. 12. Características do Romance Indianista Em “Iracema” , o amor entre oIRACEMA colonizador Martim e a índia Iracema,faz surgir uma nova nação. Nesta história narrada em linguagem poética, José de Alencar apresenta metaforicamente as origens doAMÉRICA Brasil.
  13. 13. A ambiguidade romântica“É muito importante notar o valor alegórico dessa[união]. Ao “possuir” Iracema, Martim estáinconsciente, completamente seduzido einebriado. Esse gesto há de provocar a destruiçãoda virgem, assim como a invasão do Brasil pelosportugueses há de provocar a destruição dafloresta virgem americana.No entanto, assim como Martim não tinhaqualquer intenção de provocar a morte de suaamada – o faz por paixão – os destruidores danatureza brasileira o fizeram de formainconsciente e inconsequente. A consciênciaecológica de Alencar vai muito além da ingênuadefesa das nossas matas: percebe com clareza oseu processo de destruição.” Frederico Barbosa
  14. 14. Verossimilhança “O livro é a história da fundação do Ceará e o ódio de duas nações inimigas (tabajaras e pitiguaras). Os pitiguaras habitavam o litoral cearense e eram amigos dos portugueses. Os tabajaras viviam no interior e eram aliados dos franceses. José de Alencar recorreu a circunstâncias históricas, como a rixa entre os índios tabajaras e pitiguaras e utilizou personagens reais, como Martim Soares Moreno e o índio Poti, que depois viria a adotar o nome cristão de Antônio Felipe Camarão. Mas cercou-os de uma fértil imaginação e de um lirismo próprios da Estátua situada na praia de Iracema(CE). poesia romântica.” Homenagem à heroína da terra.
  15. 15. “ uma alegoria perfeita do processode colonização do Brasil e de toda aAmérica pelos invasores portugueses e europeus em geral.” (Frederico Barbosa, in http://fredb.sites.uol.com.br/iracema.html
  16. 16. Enredo SimbólicoIRACEMA MARTIM + índio civilizadoamericano europeu MOACIR “O nome de seu amado Martim remete ao deus Filho da dor greco-romano Marte, o deus da guerra e da destruição.” Brasileiro
  17. 17. Idealização romântica A idealização romântica concretiza-se quando o narrador compara Iracema à natureza. “e a virgem leva sempre vantagem: Seus cabelos são mais negros e maislongos, seu sorriso mais doce, seu hálitomais perfumado, seus pés mais rápidos. Iracema é muito mais do que umamulher. Não anda, flutua. Toda a naturezarende-lhe homenagem: da acácia silvestre aos pássaros, como o sabiá e a ará. A heroína é o próprio espírito harmonioso da floresta virgem.”
  18. 18. Iracema para sempre “A permanência de Iracema no universo cultural brasileiro é incontestável. Uma das manifestações artísticas que perpetuam a imagem da virgem dos lábios de mel, mesmo que nem sempre tão virgem ou idealizada, é a música popular brasileira contemporânea” Estátua de Iracema na Lagoa de Messejana, em Fortaleza/CE
  19. 19. Índia Roberto CarlosÍndia seus cabelos nos ombros caídosnegros como a noite que não tem luarseus lábios de rosa para mim sorrindoe a doce meiguice desse seu olharÍndia da pele morena, sua boca pequena eu querobeijarÍndia, sangue tupi, tem o cheiro da florVem, que eu quero te darTodo meu grande amorQuando eu for embora para bem distantee chegar a hora de dizer adeusFica nos meus braços só mais um instantedeixa os meus lábios se unirem aos seusÍndia levarei saudade da felicidadeque você me deuÍndia, a sua imagem sempre comigo vaiDentro do meu coração,flor do meu Paraguaihttp://www.youtube.com/watch?v=FU6J-DesjGE&playnext=1&list=PL9FBF02A23AFA36B2
  20. 20. Luiz Gonzaga ,1962Adeus, IracemaNavega, ó , jangada, nesse marEnfeitado de coqueiroE coberto de luarNavega no Nordeste pela praiaQuero ver ItapuãQuero ver minha atalaiaBoa viagemGogó da EmaAreia Preta, Pontal, TambaúAdeus, IracemaAdeusNavega, ó , jangada, nesse marEnfeitado de coqueiroE coberto de luar http://www.youtube.com/watch?v=3wkW2AyUSPA
  21. 21. Resgate temático Novela produzida pela Rede Globo em 2005. Novela produzida pela Rede Globo em 2011.
  22. 22. Intertextualidadehttp://www.youtube.com/watch?v=ClOHlfUI7Bw&feature=related
  23. 23. Iracema voou Chico Buarque/1998Iracema voouPara a AméricaLeva roupa de lãE anda lépida Nessa canção, Chico Buarque deVê um filme de quando em vez Holanda atualiza a lenda doNão domina o idioma inglês Ceará, apresentando IracemaLava chão numa casa de chá como uma emigrante que vai para a América (lembrando oTem saído ao luar anagrama de Alencar), seguindoCom um mímico assim, a sina do primeiroAmbiciona estudar cearense, Moacir.Canto líricoNão dá mole pra políciaSe puder, vai ficando por láTem saudade do CearáMas não muitaUns dias, afoitaMe liga a cobrar:-- É Iracema da América http://www.youtube.com/watch?v=6O-sJPa1gvQ&feature=related
  24. 24. Iracema, quadro de Antônio Parreiras
  25. 25. Romance Histórico(1865) (1873) (1873)
  26. 26. Adaptações para TV A trama central de A Padroeira (2002) foi inspirada no romance As Minas de Prata de José Alencar, que por sua vez já havia sido adaptado para a televisão (1966) pela TV Excelsior.
  27. 27. Romance Regionalista O gaúcho Til O sertanejoO tronco do ipê (1870) (1871/72) (1875) (1871)
  28. 28. Romance Urbano(1857) (1860) (1862) (1864) (1870) (1872) (1875) (1893, póstumo)
  29. 29. Adaptação para TV José de Alencar considera suas obras "Lucíola", "Diva" e "Senhora" como sendo o uma trilogia que ele intitulou de "Perfis de Mulheres". Por isso, em 2006, a Rede Record de televisão transformou essas 3 obras de José de Alencar em uma novela chamada "Essas Mulheres"
  30. 30. Fontes www.google images CEREJA, William Roberto.Português: Linguages, vol 2 Atual Editora, São Paulo 1999. http://www.portrasdasletras.com.br http://contigo.abril.com.br/famosos/ivani-ribeiro/autora http://www.teledramaturgia.com.br/tele/padroeirab.asp http://fredb.sites.uol.com.br/iracema.html http://paixaoporlivros-vick.blogspot.com/2010/07/senhora-jose-de-alencar.html http://www.10emtudo.com.br/demo/obras/index_6.html Organização e PesquisaProfª Cláudia Heloísa Cunha Andria contato: clauheloisa@yahoo.com.br

×