SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
“Como é perversa a juventude do meu coração
Que só entende o que é cruel, o que é paixão”
Belchior
Literatura da 1ª metade do séc. XIX - repúdio à tradição clássica
Domínio histórico no Brasil:
- 1836 – Revista “Niterói” e “Suspiros poéticos e
saudades”, de Gonçalves de Magalhães. POESIA
- 1844 – “A Moreninha”, Joaquim Manuel de Macêdo. PROSA
- 1881 – “O mulato”, de Aluísio Azevedo, e “Memórias
póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis
Romantismo no Brasil ROMANTISMO
1ª GERAÇÃO - Nacionalista ou
Indianista
CARACTERÍSTICAS
• Nacionalismo
• Lusofobia – Aversão a Portugal
• Indianismo – indígena tomando
como símbolo nacional, como heroi-
mito do Bom Selvagem (Rosseau)
• Valorização de uma cultura nacional
(cor local)
Gonçalves de Magalhães: poesia
religiosa; poema épico - Suspiros
Poéticos e Saudades.
Gonçalves Dias: indianismo, natureza
pátria, religiosidade, sentimentalismo
e brasilidade - Canção do Exílio.
Não esqueça: G. Dias é o poeta
romântico mais equilibrado e o que
tem o melhor sentido de ritmo e
musicalidade do verso.
2ª GERAÇÃO - geração Byroniana ou
Ultrarromântica
CARACTERÍSTICAS
• Sentimentalismo exagerado
• Individualismo, sentimentos pessoais
• Escapismo a evasão – na morte
• Angustia, pessimismo, depressão
• Tristeza profunda: estado permanente
de melancolia , morbidez, escuridão
• Auto-destruição-Boemia, idéia de morte
• Idealização do amor e da mulher
Álvares de Azevedo: mal-do-século;
amor, morte, mulheres idealizadas;
influência de Byron.
Casimiro de Abreu: repetição do estilo
dos outros autores.
Junqueira Freire: tema do celibato,
análise da religião, morte (fuga).
Fagundes Varela: sintetizou todos os
temas do romantismo.
3ª GERAÇÃO - Condoreira
CARACTERÍSTICAS
• Poesia social , poesia
revolucionária – Defende já a idéia
da republica
• Contra a escravidão
• Liga-se a oratória, ao discurso a
oralidade, grandiloquente e
altissonante
• Poesia um pouco mais real menos
idealizada , amor e a mulher são
menos idealizados (certo
sensualismo)
Castro Alves: observação da
realidade; poesia social; luta
abolicionista: Navio Negreiro .
Sousândrade: causas abolicionistas
e republicanas; experiências de
viagens; padrões diferentes do
Romantismo.
Não esqueça: A poesia lírica
encontra sua expressão numa
linguagem simples, quase coloquial
e de forte plasticidade (qualidade
visual).
Sentimentalismo: predominância da emoção sobre a razão ( =
impulsividade, euforia, saudosismo, tristeza, desilusão ... ).
Subjetivismo: foco na realidade interior e parcial – tratamento temático
pessoal e fantasioso.
Egocentrismo: culto do "eu" interior, atitude narcisista e individualista
microcosmos (mundo interior) X macrocosmos (mundo exterior).
“Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!
(Álvares de Azevedo)
Idealização: consequente da fantasia e da imaginação: a pátria =
melhor dos mundos; a mulher = virgem frágil, bela, submissa; o amor
= espiritual e inalcançável; o índio = é o herói nacional.
Pessimismo: o “mal-do-século” – incapaz de realizar o sonho do
"eu“, a personagem cai em profunda tristeza, angústia, solidão,
inquietação, desespero, chegando, muitas vezes, ao suicídio, solução
definitiva.
Culto ao fantástico: a presença do mistério, do sobrenatural,
representando o sonho, a imaginação, a fantasia, que não carecem de
fundamentação lógica.
"Por isso, morte, eu amo-te e não temo.
Por isso, morte, eu quero-te comigo.
Leva-me à região da paz horrenda,
Leva-me ao nada, leva-me contigo."
(Junqueira Freire)
"Pensamento gentil de paz eterna,
Amiga morte, vem."
(Junqueira Freire)
Liberdade de criação: o clássico é abolido; uso do verso livre e
branco. Na Prosa o uso da linguagem coloquial.
Medievalismo: interesse pelas origens do país, do povo. Na Europa,
o cavaleiro e seus valores. No Brasil, o índio como herói nacional.
Religiosidade: ponto de apoio ou válvula de escape diante das
frustrações do mundo real, uma reação ao racionalismo materialista
dos clássicos.
Escapismo ou Evasão: sem aceitar a realidade, o romântico volta ao
passado individual (fatos da sua história, da sua infância) ou
histórico (época medieval).
"Oh, que saudades que eu tenho “Minha terra tem palmeiras
Da aurora da minha vida onde canta o sabiá
Da minha infância querida as aves que aqui gorjeiam
Que os anos não trazem mais !“ não gorjeiam como lá”
(Casimiro de Abreu) (G. Dias)
Byronismo: influência de Lord Byron, cultor dum estilo de vida
e duma forma particular de ver o mundo (boêmia, noturnismo,
prazeres da bebida, do fumo e do sexo, satanismo).
Condoreirismo: corrente de poesia político-social,
influenciados por Victor Hugo, os poetas condoreiros
defendem a justiça social e a liberdade.
Nativismo: fascinação pela natureza – o romântico se vê
envolvido por paisagens exóticas, como se ele fosse uma
continuação da natureza.
Nacionalismo: exaltação da pátria, de forma exagerada, em que
somente as qualidades são enaltecidas.
Geração indianista
Gonçalves Dias (principal autor) :
- indianismo
- estilo equilibrado
- ritmo marcante
- idealização feminina
- amor cortês
“I - Juca Pirama”, de Gonçalves Dias
Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi:
Sou filho das selvas,
Nas selvas cresci;
Guerreiros, descendo
Da tribo tupi.
Da tribo pujante,
Que agora anda errante
Por fado inconstante,
Guerreiros, nasci;
Sou bravo, sou forte,
Sou filho do Norte;
Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi.
(...)
Canção do exílio
Gonçalves Dias
Minha terra tem palmeiras
Onde canta o Sabiá,
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais
flores,
Nossos bosques têm mais
vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
(...)
“Ainda uma vez – Adeus”, de Gonçalves Dias
I
Enfim te vejo! — enfim posso,
Curvado a teus pés, dizer-te,
Que não cessei de querer-te,
Pesar de quanto sofri.
Muito penei! Cruas ânsias,
Dos teus olhos afastado,
Houveram-me acabrunhado
A não lembrar-me de ti!
“Seus Olhos”
Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
De vivo luzir,
Estrelas incertas, que as águas dormentes
Do mar vão ferir;
Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
Têm meiga expressão,
Mais doce que a brisa, — mais doce que o nauta
De noite cantando, — mais doce que a frauta
Quebrando a solidão,
Geração byroniana ou ultrarromântica
Álvares de Azevedo (principal autor) :
- estilo subjetivo
- noturnismo
- mal do século
- fantasias do desejo
- introspecção
- ironia
Tristeza
Álvares de Azevedo
Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto o poento caminheiro;
Como as horas de um longo pesadelo,
Que se desfaz ao dobre de um sineiro;
Como um desterro de minha alma errante,
Onde fogo insensato a consumia…
Só levo um saudade – é um desses tempos
Que amorosa ilusão embelecia.
Só levo uma saudade – é dessas sombras
Que eu sentia velar nas noites minhas…
De ti, ó minha mãe, pobre coitada,
Que por minha tristeza te definhas!
Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz – e escrevam nela:
Foi poeta, sonhou e amou a vida…
“É ela! É ela! É ela! É ela!”, de Álvares de Azevedo
É ela! É ela! - murmurei tremendo,
E o eco ao longe murmurou - é ela!
Eu a vi... minha fada aérea e pura -
A minha lavadeira na janela!
Dessas águas-furtadas onde eu moro
Eu a vejo estendendo no telhado
Os vestidos de chita, as saias brancas;
Eu a vejo e suspiro enamorado!
Esta noite eu ousei mais atrevido
Nas telhas que estalavam nos meus passos
Ir espiar seu venturoso sono,
Vê-la mais bela de Morfeu nos braços!
Como dormia! Que profundo sono!...
Tinha na mão o ferro do engomado...
Como roncava maviosa e pura!...
Quase caí na rua desmaiado!
Afastei a janela, entrei medroso...
Palpitava-lhe o seio adormecido...
Fui beijá-la... roubei do seio dela
Um bilhete que estava ali metido...
Oh! de certo... (pensei) é doce página
Onde a alma derramou gentis amores;
São versos dela... que amanhã de certo
Ela me enviará cheios de flores...
Tremi de febre!
Venturosa folha!
Quem pousasse contigo neste seio!
Como Otelo beijando a sua esposa,
Eu beijei-a a tremer de devaneio...
É ela! É ela! - repeti tremendo;
Mas cantou nesse instante uma coruja...
Abri cioso a página secreta...
Oh! Meu Deus! Era um rol de roupa suja!
Mas se Werther morreu por ver Carlota
Dando pão com manteiga às criancinhas
Se achou-a assim mais bela - eu mais te
adoro
Sonhando-te a lavar as camizinhas!
É ela! É ela! meu amor, minh'alma,
A Laura, a Beatriz que o céu revela...
É ela! É ela! - murmurei tremendo,
E o eco ao longe suspirou - é ela!
Geração condoreira ou hugoana
Castro Alves (principal autor) :
- abolicionismo
- estilo empolgado
- sensualidade e ardor
- donjuanismo real
- participação social
“Navio Negreiro”, de Castro Alves
IV
Era um sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite...
Legiões de homens negros como a
noite,
Horrendos a dançar...
Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!
E ri-se a orquestra irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais ...
Se o velho arqueja, se no chão resvala,
Ouvem-se gritos... o chicote estala.
E voam mais e mais...
“Boa Noite”, de Castro Alves
Boa noite, Maria! Eu vou,me embora.
A lua nas janelas bate em cheio.
Boa noite, Maria! É tarde... é tarde. .
Não me apertes assim contra teu seio.
Boa noite! ... E tu dizes - Boa noite.
Mas não digas assim por entre beijos...
Mas não mo digas descobrindo o peito,
— Mar de amor onde vagam meus
desejos!
ROMANTISMO - PROSA
E foram felizes
ROMANTISMO - PROSA
Rio de Janeiro - meados do século XIX
Lettighe. Street in Rio Janeiro
Migliavacca, ca 1840
Colecção de estampas
- Antonio Feliciano de Castilho
SEGMENTOS URBANO HISTÓRICO INDIANISTA REGIONALISTA
TEMÁTICO Os costumes da corte
e a família
burguesa (seus
relacionamento
s, suas
atividades, seus
sentimentos)
Enfatiza o nacionalismo
através de
reconstituições de
fatos históricos
Retratação da vida
do índio, ser
idealizado e
puro
Costumes e histórias do
interior do Brasil.
PRINCIPAIS
ROMANCISTAS
- Joaquim Manoel
de Macedo
- José de Alencar
José de Alencar José de Alencar - Visconde de Taunay
- Franklin Távora
- José de Alencar
PRINCIPAIS
OBRAS
A moreninha, de
Macedo
Senhora, de
Alencar
- A guerra dos Mascates
- As minas de Prata
- O Guarujá
Ubirajara
Iracema
O guarani
Inocência, de Visconde de
Taunay
O Cabeleira, Franklin Távora
O Gaúcho, José de Alencar
O Sertanejo, de José de
Alencar
OBSERVAÇÕES Das modalidades do
romance, essa
foi a mais
aceita
É visível a influência
européia nesse
estilo
Utilizado lirismo na
apresentação
do indígena
(prosa
poética)
Utiliza linguagem regional
CARACTERÍSTICAS
- Questiona valores
burgueses
- tematiza dramas
morais, tipos
femininos,
casamento
por interesse
- explora o mito do
tesouro escondido
- lenda da riqueza
inesgotável do
Brasil;
- aborda luta pela posse
da terra e o
alargamento da
fronteira.
- apresenta inteira
movimentação(ave
nturas)
- Forte
impregnação
lírica;
- Predomina os
aspectos
lendários
sobre os
históricos;
- "mito do bom
selvagem"
de Rossincan;
- Acentuada
idealização
do índio.
- Traça um painel das
principais regiões
culturais do país;
1º Romance - O Ermitão de
Muquém, de Bernardo
Guimarães.
Franklin Távora - Fundador
da literatura do
Nordeste- - tematiza
violência e banditismo

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Romantismo brasileiro e seus principais autores

slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptaldair55
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptEdilmaBrando1
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptWandersonBarros16
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxGANHADODINHEIRO
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfMichaelMorais12
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilJosi Motta
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoRichard Lincont
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaVinicius Soco
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMODiego
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismoDilmara Faria
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxDAYNARASANTOS3
 
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01MAIRY RIBEIRO Maíre
 
Segunda Geração do Romantismo Brasileiro
Segunda Geração do Romantismo BrasileiroSegunda Geração do Romantismo Brasileiro
Segunda Geração do Romantismo BrasileiroExpeditoCarneiro3
 

Semelhante a Romantismo brasileiro e seus principais autores (20)

slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia Poética
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptx
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
 
Segunda Geração do Romantismo Brasileiro
Segunda Geração do Romantismo BrasileiroSegunda Geração do Romantismo Brasileiro
Segunda Geração do Romantismo Brasileiro
 

Mais de RildeniceSantos

Mais de RildeniceSantos (20)

Policarpo Quaresma.pptx
Policarpo Quaresma.pptxPolicarpo Quaresma.pptx
Policarpo Quaresma.pptx
 
SONETO-CAMÕES.ppt
SONETO-CAMÕES.pptSONETO-CAMÕES.ppt
SONETO-CAMÕES.ppt
 
Lima _Barreto.pptx
Lima _Barreto.pptxLima _Barreto.pptx
Lima _Barreto.pptx
 
BOM-CRIOULO (1).ppt
BOM-CRIOULO (1).pptBOM-CRIOULO (1).ppt
BOM-CRIOULO (1).ppt
 
pós-impressionismo.pptx
pós-impressionismo.pptxpós-impressionismo.pptx
pós-impressionismo.pptx
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
ARCADISMO.ppt
ARCADISMO.pptARCADISMO.ppt
ARCADISMO.ppt
 
variedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.pptvariedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.ppt
 
vidas-secas-16438 (1).ppt
vidas-secas-16438 (1).pptvidas-secas-16438 (1).ppt
vidas-secas-16438 (1).ppt
 
INTERTEXTUALIDADE.pptx
INTERTEXTUALIDADE.pptxINTERTEXTUALIDADE.pptx
INTERTEXTUALIDADE.pptx
 
INTERTEXTUALIDADE.pptx
INTERTEXTUALIDADE.pptxINTERTEXTUALIDADE.pptx
INTERTEXTUALIDADE.pptx
 
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.pptVARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
 
ABSTRACIONISMO – A ARTE DA NÃO REPRESENTAÇÃO.pptx
ABSTRACIONISMO – A ARTE DA NÃO REPRESENTAÇÃO.pptxABSTRACIONISMO – A ARTE DA NÃO REPRESENTAÇÃO.pptx
ABSTRACIONISMO – A ARTE DA NÃO REPRESENTAÇÃO.pptx
 
ARTE BRASILEIRA SÉCULO XIX.pptx
ARTE BRASILEIRA SÉCULO XIX.pptxARTE BRASILEIRA SÉCULO XIX.pptx
ARTE BRASILEIRA SÉCULO XIX.pptx
 
PARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
PARNASIANISMO-AUTORES1.pptPARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
PARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
IMPRESSIONISMO.pptx
IMPRESSIONISMO.pptxIMPRESSIONISMO.pptx
IMPRESSIONISMO.pptx
 
NEOPLASTICISMO.pptx
NEOPLASTICISMO.pptxNEOPLASTICISMO.pptx
NEOPLASTICISMO.pptx
 
Apresentação 1.pptx
Apresentação 1.pptxApresentação 1.pptx
Apresentação 1.pptx
 

Último

HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Romantismo brasileiro e seus principais autores

  • 1. “Como é perversa a juventude do meu coração Que só entende o que é cruel, o que é paixão” Belchior Literatura da 1ª metade do séc. XIX - repúdio à tradição clássica
  • 2. Domínio histórico no Brasil: - 1836 – Revista “Niterói” e “Suspiros poéticos e saudades”, de Gonçalves de Magalhães. POESIA - 1844 – “A Moreninha”, Joaquim Manuel de Macêdo. PROSA - 1881 – “O mulato”, de Aluísio Azevedo, e “Memórias póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis
  • 3. Romantismo no Brasil ROMANTISMO 1ª GERAÇÃO - Nacionalista ou Indianista CARACTERÍSTICAS • Nacionalismo • Lusofobia – Aversão a Portugal • Indianismo – indígena tomando como símbolo nacional, como heroi- mito do Bom Selvagem (Rosseau) • Valorização de uma cultura nacional (cor local) Gonçalves de Magalhães: poesia religiosa; poema épico - Suspiros Poéticos e Saudades. Gonçalves Dias: indianismo, natureza pátria, religiosidade, sentimentalismo e brasilidade - Canção do Exílio. Não esqueça: G. Dias é o poeta romântico mais equilibrado e o que tem o melhor sentido de ritmo e musicalidade do verso. 2ª GERAÇÃO - geração Byroniana ou Ultrarromântica CARACTERÍSTICAS • Sentimentalismo exagerado • Individualismo, sentimentos pessoais • Escapismo a evasão – na morte • Angustia, pessimismo, depressão • Tristeza profunda: estado permanente de melancolia , morbidez, escuridão • Auto-destruição-Boemia, idéia de morte • Idealização do amor e da mulher Álvares de Azevedo: mal-do-século; amor, morte, mulheres idealizadas; influência de Byron. Casimiro de Abreu: repetição do estilo dos outros autores. Junqueira Freire: tema do celibato, análise da religião, morte (fuga). Fagundes Varela: sintetizou todos os temas do romantismo. 3ª GERAÇÃO - Condoreira CARACTERÍSTICAS • Poesia social , poesia revolucionária – Defende já a idéia da republica • Contra a escravidão • Liga-se a oratória, ao discurso a oralidade, grandiloquente e altissonante • Poesia um pouco mais real menos idealizada , amor e a mulher são menos idealizados (certo sensualismo) Castro Alves: observação da realidade; poesia social; luta abolicionista: Navio Negreiro . Sousândrade: causas abolicionistas e republicanas; experiências de viagens; padrões diferentes do Romantismo. Não esqueça: A poesia lírica encontra sua expressão numa linguagem simples, quase coloquial e de forte plasticidade (qualidade visual).
  • 4. Sentimentalismo: predominância da emoção sobre a razão ( = impulsividade, euforia, saudosismo, tristeza, desilusão ... ). Subjetivismo: foco na realidade interior e parcial – tratamento temático pessoal e fantasioso. Egocentrismo: culto do "eu" interior, atitude narcisista e individualista microcosmos (mundo interior) X macrocosmos (mundo exterior). “Se eu morresse amanhã, viria ao menos Fechar meus olhos minha triste irmã; Minha mãe de saudades morreria Se eu morresse amanhã! (Álvares de Azevedo)
  • 5. Idealização: consequente da fantasia e da imaginação: a pátria = melhor dos mundos; a mulher = virgem frágil, bela, submissa; o amor = espiritual e inalcançável; o índio = é o herói nacional. Pessimismo: o “mal-do-século” – incapaz de realizar o sonho do "eu“, a personagem cai em profunda tristeza, angústia, solidão, inquietação, desespero, chegando, muitas vezes, ao suicídio, solução definitiva. Culto ao fantástico: a presença do mistério, do sobrenatural, representando o sonho, a imaginação, a fantasia, que não carecem de fundamentação lógica. "Por isso, morte, eu amo-te e não temo. Por isso, morte, eu quero-te comigo. Leva-me à região da paz horrenda, Leva-me ao nada, leva-me contigo." (Junqueira Freire) "Pensamento gentil de paz eterna, Amiga morte, vem." (Junqueira Freire)
  • 6. Liberdade de criação: o clássico é abolido; uso do verso livre e branco. Na Prosa o uso da linguagem coloquial. Medievalismo: interesse pelas origens do país, do povo. Na Europa, o cavaleiro e seus valores. No Brasil, o índio como herói nacional. Religiosidade: ponto de apoio ou válvula de escape diante das frustrações do mundo real, uma reação ao racionalismo materialista dos clássicos. Escapismo ou Evasão: sem aceitar a realidade, o romântico volta ao passado individual (fatos da sua história, da sua infância) ou histórico (época medieval). "Oh, que saudades que eu tenho “Minha terra tem palmeiras Da aurora da minha vida onde canta o sabiá Da minha infância querida as aves que aqui gorjeiam Que os anos não trazem mais !“ não gorjeiam como lá” (Casimiro de Abreu) (G. Dias)
  • 7. Byronismo: influência de Lord Byron, cultor dum estilo de vida e duma forma particular de ver o mundo (boêmia, noturnismo, prazeres da bebida, do fumo e do sexo, satanismo). Condoreirismo: corrente de poesia político-social, influenciados por Victor Hugo, os poetas condoreiros defendem a justiça social e a liberdade. Nativismo: fascinação pela natureza – o romântico se vê envolvido por paisagens exóticas, como se ele fosse uma continuação da natureza. Nacionalismo: exaltação da pátria, de forma exagerada, em que somente as qualidades são enaltecidas.
  • 8. Geração indianista Gonçalves Dias (principal autor) : - indianismo - estilo equilibrado - ritmo marcante - idealização feminina - amor cortês
  • 9. “I - Juca Pirama”, de Gonçalves Dias Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi: Sou filho das selvas, Nas selvas cresci; Guerreiros, descendo Da tribo tupi. Da tribo pujante, Que agora anda errante Por fado inconstante, Guerreiros, nasci; Sou bravo, sou forte, Sou filho do Norte; Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi. (...)
  • 10. Canção do exílio Gonçalves Dias Minha terra tem palmeiras Onde canta o Sabiá, As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. (...)
  • 11. “Ainda uma vez – Adeus”, de Gonçalves Dias I Enfim te vejo! — enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te, Que não cessei de querer-te, Pesar de quanto sofri. Muito penei! Cruas ânsias, Dos teus olhos afastado, Houveram-me acabrunhado A não lembrar-me de ti! “Seus Olhos” Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, De vivo luzir, Estrelas incertas, que as águas dormentes Do mar vão ferir; Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, Têm meiga expressão, Mais doce que a brisa, — mais doce que o nauta De noite cantando, — mais doce que a frauta Quebrando a solidão,
  • 12. Geração byroniana ou ultrarromântica Álvares de Azevedo (principal autor) : - estilo subjetivo - noturnismo - mal do século - fantasias do desejo - introspecção - ironia
  • 13. Tristeza Álvares de Azevedo Eu deixo a vida como deixa o tédio Do deserto o poento caminheiro; Como as horas de um longo pesadelo, Que se desfaz ao dobre de um sineiro; Como um desterro de minha alma errante, Onde fogo insensato a consumia… Só levo um saudade – é um desses tempos Que amorosa ilusão embelecia. Só levo uma saudade – é dessas sombras Que eu sentia velar nas noites minhas… De ti, ó minha mãe, pobre coitada, Que por minha tristeza te definhas! Descansem o meu leito solitário Na floresta dos homens esquecida, À sombra de uma cruz – e escrevam nela: Foi poeta, sonhou e amou a vida…
  • 14. “É ela! É ela! É ela! É ela!”, de Álvares de Azevedo É ela! É ela! - murmurei tremendo, E o eco ao longe murmurou - é ela! Eu a vi... minha fada aérea e pura - A minha lavadeira na janela! Dessas águas-furtadas onde eu moro Eu a vejo estendendo no telhado Os vestidos de chita, as saias brancas; Eu a vejo e suspiro enamorado! Esta noite eu ousei mais atrevido Nas telhas que estalavam nos meus passos Ir espiar seu venturoso sono, Vê-la mais bela de Morfeu nos braços! Como dormia! Que profundo sono!... Tinha na mão o ferro do engomado... Como roncava maviosa e pura!... Quase caí na rua desmaiado! Afastei a janela, entrei medroso... Palpitava-lhe o seio adormecido... Fui beijá-la... roubei do seio dela Um bilhete que estava ali metido... Oh! de certo... (pensei) é doce página Onde a alma derramou gentis amores; São versos dela... que amanhã de certo Ela me enviará cheios de flores... Tremi de febre! Venturosa folha! Quem pousasse contigo neste seio! Como Otelo beijando a sua esposa, Eu beijei-a a tremer de devaneio... É ela! É ela! - repeti tremendo; Mas cantou nesse instante uma coruja... Abri cioso a página secreta... Oh! Meu Deus! Era um rol de roupa suja! Mas se Werther morreu por ver Carlota Dando pão com manteiga às criancinhas Se achou-a assim mais bela - eu mais te adoro Sonhando-te a lavar as camizinhas! É ela! É ela! meu amor, minh'alma, A Laura, a Beatriz que o céu revela... É ela! É ela! - murmurei tremendo, E o eco ao longe suspirou - é ela!
  • 15. Geração condoreira ou hugoana Castro Alves (principal autor) : - abolicionismo - estilo empolgado - sensualidade e ardor - donjuanismo real - participação social
  • 16. “Navio Negreiro”, de Castro Alves IV Era um sonho dantesco... o tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar de açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar... Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras moças, mas nuas e espantadas, No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs! E ri-se a orquestra irônica, estridente... E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais ... Se o velho arqueja, se no chão resvala, Ouvem-se gritos... o chicote estala. E voam mais e mais...
  • 17. “Boa Noite”, de Castro Alves Boa noite, Maria! Eu vou,me embora. A lua nas janelas bate em cheio. Boa noite, Maria! É tarde... é tarde. . Não me apertes assim contra teu seio. Boa noite! ... E tu dizes - Boa noite. Mas não digas assim por entre beijos... Mas não mo digas descobrindo o peito, — Mar de amor onde vagam meus desejos!
  • 18. ROMANTISMO - PROSA E foram felizes
  • 19. ROMANTISMO - PROSA Rio de Janeiro - meados do século XIX Lettighe. Street in Rio Janeiro Migliavacca, ca 1840 Colecção de estampas - Antonio Feliciano de Castilho
  • 20. SEGMENTOS URBANO HISTÓRICO INDIANISTA REGIONALISTA TEMÁTICO Os costumes da corte e a família burguesa (seus relacionamento s, suas atividades, seus sentimentos) Enfatiza o nacionalismo através de reconstituições de fatos históricos Retratação da vida do índio, ser idealizado e puro Costumes e histórias do interior do Brasil. PRINCIPAIS ROMANCISTAS - Joaquim Manoel de Macedo - José de Alencar José de Alencar José de Alencar - Visconde de Taunay - Franklin Távora - José de Alencar PRINCIPAIS OBRAS A moreninha, de Macedo Senhora, de Alencar - A guerra dos Mascates - As minas de Prata - O Guarujá Ubirajara Iracema O guarani Inocência, de Visconde de Taunay O Cabeleira, Franklin Távora O Gaúcho, José de Alencar O Sertanejo, de José de Alencar OBSERVAÇÕES Das modalidades do romance, essa foi a mais aceita É visível a influência européia nesse estilo Utilizado lirismo na apresentação do indígena (prosa poética) Utiliza linguagem regional CARACTERÍSTICAS - Questiona valores burgueses - tematiza dramas morais, tipos femininos, casamento por interesse - explora o mito do tesouro escondido - lenda da riqueza inesgotável do Brasil; - aborda luta pela posse da terra e o alargamento da fronteira. - apresenta inteira movimentação(ave nturas) - Forte impregnação lírica; - Predomina os aspectos lendários sobre os históricos; - "mito do bom selvagem" de Rossincan; - Acentuada idealização do índio. - Traça um painel das principais regiões culturais do país; 1º Romance - O Ermitão de Muquém, de Bernardo Guimarães. Franklin Távora - Fundador da literatura do Nordeste- - tematiza violência e banditismo