SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
Administração de tempo e prazo
Alunos: Ciro Rafael, Diogo Sampaio
 Professor: João Sotero
 Disciplina: Projetos I
 Curso: GTI
 Instituto Federal do Sertão Pernambucano

O que é Gerenciamento de Prazo
Gerenciar processos que asseguram que o
projeto será implementado no prazo previsto.
Processos para o Gerenciamento do Prazo






Definição das Atividades
Sequenciamento das Atividades
Estimativa da Duração das Atividades
Desenvolvimento do Cronograma
Controle do Cronograma
Definição das Atividades

Objetivo: Identificar e documentar as atividades que
devem ser realizadas para produzir os diversos
subprodutos do projeto.
Processo:
Definição das Atividades
Entradas:
 Estrutura Analítica do Projeto: É definido na área
de gerenciamento do escopo, que servirá de base
para o detalhamento das atividades.

Declaração do Escopo: É composto pela
justificativa, objetivo e sumário da descrição dos
produtos e subprodutos.
 Informações Históricas: São informações sobre
a execução de projetos anteriores.
Processo:
Definição das Atividades
Ferramentas e Técnicas:
 Decomposição: Significa subdividir os pacotes de
trabalho do projeto em componentes menores e
mais manejáveis com a finalidade de fornecer
melhor controle do gerenciamento.
 Modelos: Lista de atividades de projetos anteriores
que servem como modelo ou referência para o
novo projeto.
Processo:
Definição das Atividades
Saídas:
 Lista de Atividades: Contém todas as atividades
que serão realizadas no projeto.
 Detalhes de Suporte: É um detalhamento da lista
de atividades incluindo todas premissas e
restrições.
 Atualizações na EAP: É quando se percebe a
falta / correção de algum produto ou subproduto
definida na EAP.
Sequenciamento das Atividades
Objetivo: Identificar

e documentar as relações de
dependências entre as atividades que devem ser
sequenciadas corretamente possibilitando um cronograma
realista e viável.
Processo:
Sequenciamento das Atividades
Entradas:
 Lista de Atividades: Contém todas as atividades que
serão realizadas no projeto, com base no EAP.
 Descrição do Produto: Características do produto que
influenciam o sequenciamento.
Ex.: Layout físico de uma planta.
 Dependências
Mandatórias
Hard
Logic:
Dependências que envolvem limitações físicas.
Ex.: o protótipo deve ser construído antes de ser
testado.
Processo:
Sequenciamento das Atividades
Ferramentas e Técnicas:
 Modelos de Rede: São modelos de rede que podem
auxiliar na preparação do diagrama de rede do projeto.
São bastante úteis quando o projeto inclui várias
características idênticas ou bastante similares.
Ex.: Construção do piso de prédios comerciais.
Processo:
Sequenciamento das Atividades

Ferramentas e Técnicas:
 Método do Diagrama de Flecha (ADM - Arow
Diagramming Method): Método de construção do
diagrama de rede que utiliza setas para representar as
atividades e as conecta por meio de nós que
representam
as
dependências.
Só
representa
dependência do tipo Término / Início.
Sequenciamento das Atividades
Processo:
Definição das Atividades
Saídas:
 Diagrama de Rede do Projeto (Gráficos de
PERT): Representação gráfica do relacionamento
lógico entre as atividades do projeto acompanhado
de uma descrição sumária da abordagem do
sequenciamento.
 Atualização da Lista de Atividades: A preparação
do diagrama de rede do projeto pode revelar
situações em que uma atividade deve ser dividida
ou mesmo redefinida.
estimativa da duração das atividades

Objetivo: Estimar a duração das atividades para entrada
no cronograma, a partir das informações do escopo do
projeto e dos recursos disponíveis.
Processo :
Estimativa da Duração das Atividades
Entradas:
 Lista de atividades: Contém todas as atividades
que serão realizadas no projeto, com base no EAP.
 Restrições: Fatores que limitarão as opções da
equipe de gerência do projeto.
Ex.: determinação de duração máxima de uma
atividade ou quantidade de pessoas por atividade.
Processo :
Estimativa da Duração das Atividades


Riscos Identificados: Os riscos identificados e a
análise de sua influência na duração das
atividades.
Processo :
Estimativa da Duração das Atividades
Ferramentas e Técnicas:
 Duração
Estimadas
Quantitativamente:
Quantidades a serem executadas para cada
categoria específica de trabalho.
Ex.: metros / hora ; horas / desenho.
 Tempo de Reserva (Contingência): Incorporação
adicional de tempo que pode ser adicionada a
duração da atividade. Pode ter um valor fixo ou
proporcional ao tempo.
Processo :
Estimativa da Duração das Atividades
Ferramentas e Técnicas:
 Estimativa por Analogia (top_down): Utiliza-se
durações de atividades anteriores ou similares para
determinar a duração de uma atividade futura. São
confiáveis quando as atividades anteriores são
semelhantes de fato e os indivíduos que preparam
estas estimativas têm conhecimento necessário.
Processo :
Estimativa da Duração das Atividades
Saídas:
 Estimativa de Duração das Atividades: Avaliações
quantitativas da quantidade mais provável de períodos
de trabalho que será requerida para se completar uma
atividade. Devem sempre incluir uma indicação da faixa
de variação dos possíveis resultados.
Ex.: 2 semanas +/- 2 dias.
 Bases para a Estimativa: As premissas feitas na
elaboração das estimativas devem ser documentadas.
Processo :
Desenvolvimento do Cronograma
Objetivo: Determinar datas de início e fim das
atividades.
Processo :
Desenvolvimento do Cronograma
Entradas:
 Diagramas de Rede do Projeto: Representação
gráfica do relacionamento lógico entre as
atividades do projeto.
 Estimativas
de Duração das Atividades:
Avaliações quantitativas da quantidade mais
provável de
períodos de trabalho que será
requerida para se completar uma atividade.
 Necessidades de Recursos: Análise dos recursos
designados às atividades.
Processo :
Desenvolvimento do Cronograma
Calendários: Identificam os períodos nos quais o
trabalho será considerado.
Afetam todos os
recursos (horários diferentes).
 Atributos
da Atividade: Os atributos mais
importantes para a seleção e classificação das
atividades planejadas são :
 Quem (responsabilidade)
 Onde (área geográfica)
 Tipo da atividade (sumário ou detalhe)

Processo :
Desenvolvimento do Cronograma
Ferramentas e Técnicas:
 Compressão da Duração: Procura alternativas
para reduzir o prazo do projeto sem alterar seu
escopo, usando técnicas, tais como :
 Colisão - busca compressão para minimizar o
aumento do custo, analisando compensação de
custo e prazo.
 Caminho Rápido - paraleliza as atividades.
 Simulações - Considera múltiplas opções de
duração :
 Diferentes grupos de premissas
 Resultados prováveis

Processo :
Desenvolvimento do Cronograma
Saídas:
 Cronograma do Projeto: Apresenta datas de
início/término para cada atividade, apresentando-se
em diversos formatos:
 Diagrama de Rede
 Gráfico de Barras
 Gráficos de Marcos
 Detalhes de Suporte: Documentação de todas as
premissas e restrições identificadas.
Processo :
Desenvolvimento do Cronograma


Plano de Gerência do Cronograma: Define como
as mudanças no cronograma serão gerenciadas.



Atualização da Necessidade de Recursos:
Atualização do nivelamento dos recursos podem ter
um efeito significativo nas estimativas preliminares
quanto à necessidade de recursos.
Processo :
Controle do Cronograma

Objetivo:
Consiste em manipular os fatores que geram mudanças no
cronograma, registrar as alterações e gerenciar as
mudanças reais, quando e como elas ocorrem.
Processo :
Controle do Cronograma
Entradas:
 Cronograma de Projetos: Para cada atividade do
projeto, está incluso no mínimo as datas de início
de término esperado.


Relatórios de performance (desempenho):
Fornecem informações sobre o desempenho do
cronograma. Podem alertar à equipe sobre
problemas que podem aparecer no futuro. Ex: data
que foram alcançadas conforme planejamento ou
não.
Processo:
Controle do Cronograma


Requisições de Mudança : Podem ocorrer de
vária formas, tipo: Oral ou escrita, direta ou
indiretamente, etc.... Essas mudanças podem
alterar o cronograma para mais ou para menos.



Plano de Gerência de Cronograma: Este plano
está descrito no processo de saída do
desenvolvimento do cronograma. Define como as
mudanças serão gerenciadas. É um elemento
auxiliar no plano geral do projeto
Processo:
Controle do Cronograma
Ferramentas e Técnicas:
 Planejamento
Adicional:
Quando ocorrem
mudanças no projeto (quase sempre) é necessário
que o cronograma das atividades novas ou
Revisadas
seja
atualizado(mudanças
nas
estimativas de duração).


Análise de Variações: Esta análise é um elemento
chave para o controle do prazo. Tanto as datas de
inicio/fim prevista/reais quanto as folgas,
são
componentes vitais para a avaliação do
desempenho do prazo do projeto.
Processo:
Controle do Cronograma
Saídas:
 Atualizações do Cronograma: Qualquer modificação
nas informações do prazo, é
considerada uma
atualização no cronograma. Essas modificações
podem ou não requerer ajustes maiores no plano geral
do projeto e quando ocorrem graves mudanças é
necessário um replanejamento.


Ações Corretivas: É qualquer ação feita para
compatibilizar o desempenho futuro do projeto com o
plano do projeto. São importantes porque elas tem
que garantir a conclusão do projeto no prazo ou com
o mínimo de atraso possível.
Processo:
Controle do Cronograma



Lições aprendidas: As causas das variações e os
“porquês”
das
ações
corretivas
devem
ser
documentadas porque servirão de conhecimento para o
curso do projeto ou futuros projetos da organização.
Fontes
• MAXIMILIANO, Antônio César Amaru. Administração de
Projetos:Como Transformar Ideias em Resultados. 3ª
Edição. São Paulo-SP: Editora Atlas, 2009.
• VARGAS, Ricardo Viana. Manual Prático do Plano do
Projeto. 2ª. Edição. Rio de Janeiro: Editora Brasport, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de CronogramasTécnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de CronogramasPeter Mello
 
Ferramentas de gestão do tempo no Spider Project
Ferramentas de gestão do tempo no Spider ProjectFerramentas de gestão do tempo no Spider Project
Ferramentas de gestão do tempo no Spider ProjectPeter Mello
 
Gerenciamento de projetos aula 7 (custos)
Gerenciamento de projetos   aula 7 (custos)Gerenciamento de projetos   aula 7 (custos)
Gerenciamento de projetos aula 7 (custos)Paulo Junior
 
Administração de projetos - Planejamento - Tempo - aula 9
Administração de projetos - Planejamento - Tempo - aula 9Administração de projetos - Planejamento - Tempo - aula 9
Administração de projetos - Planejamento - Tempo - aula 9Ueliton da Costa Leonidio
 
Plano de gerenciamento do cronograma (2)
Plano de gerenciamento do cronograma (2)Plano de gerenciamento do cronograma (2)
Plano de gerenciamento do cronograma (2)Flavia Skilhan Lopes
 
Diagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaDiagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaMarcelo Coutinho
 
Gerenciamento de projetos - Tempo, Recursos e Custo
Gerenciamento de projetos - Tempo, Recursos e CustoGerenciamento de projetos - Tempo, Recursos e Custo
Gerenciamento de projetos - Tempo, Recursos e CustoClaudio Barbosa
 
Gerenciamento de Custos em Projetos
Gerenciamento de Custos em ProjetosGerenciamento de Custos em Projetos
Gerenciamento de Custos em Projetosrenneralves
 
Indicadores Ágeis
Indicadores ÁgeisIndicadores Ágeis
Indicadores ÁgeisSilas Serpa
 
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de ProjetosGestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de ProjetosAntonio Marcos Montai Messias
 
Gerenciamento de tempo
Gerenciamento de tempoGerenciamento de tempo
Gerenciamento de tempoLucas Pedrosa
 
Gerenciamento de tempo em projetos
Gerenciamento de tempo em projetosGerenciamento de tempo em projetos
Gerenciamento de tempo em projetosPaulo Junior
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoAnderson Pontes
 
Impactos no avanço físico de um projeto
Impactos no avanço físico de um projetoImpactos no avanço físico de um projeto
Impactos no avanço físico de um projetoFrancisco de Figueiredo
 

Mais procurados (20)

Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de CronogramasTécnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
 
Redes de Pert
Redes de PertRedes de Pert
Redes de Pert
 
Ferramentas de gestão do tempo no Spider Project
Ferramentas de gestão do tempo no Spider ProjectFerramentas de gestão do tempo no Spider Project
Ferramentas de gestão do tempo no Spider Project
 
Gerenciamento de projetos aula 7 (custos)
Gerenciamento de projetos   aula 7 (custos)Gerenciamento de projetos   aula 7 (custos)
Gerenciamento de projetos aula 7 (custos)
 
Administração de projetos - Planejamento - Tempo - aula 9
Administração de projetos - Planejamento - Tempo - aula 9Administração de projetos - Planejamento - Tempo - aula 9
Administração de projetos - Planejamento - Tempo - aula 9
 
Plano de gerenciamento do cronograma (2)
Plano de gerenciamento do cronograma (2)Plano de gerenciamento do cronograma (2)
Plano de gerenciamento do cronograma (2)
 
Diagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaDiagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e Cronograma
 
Gráfico de gantt
Gráfico de ganttGráfico de gantt
Gráfico de gantt
 
Gerenciamento de projetos - Tempo, Recursos e Custo
Gerenciamento de projetos - Tempo, Recursos e CustoGerenciamento de projetos - Tempo, Recursos e Custo
Gerenciamento de projetos - Tempo, Recursos e Custo
 
Gerenciamento de Custos em Projetos
Gerenciamento de Custos em ProjetosGerenciamento de Custos em Projetos
Gerenciamento de Custos em Projetos
 
Gestão de Prazos e Custos do Projeto
Gestão de Prazos e Custos do ProjetoGestão de Prazos e Custos do Projeto
Gestão de Prazos e Custos do Projeto
 
Indicadores Ágeis
Indicadores ÁgeisIndicadores Ágeis
Indicadores Ágeis
 
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de ProjetosGestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
Gestão dos prazos, custos e riscos em Gestão de Projetos
 
Gerencia de projetos
Gerencia de projetosGerencia de projetos
Gerencia de projetos
 
Gráfico de Gantt
Gráfico de GanttGráfico de Gantt
Gráfico de Gantt
 
Gerenciamento de tempo
Gerenciamento de tempoGerenciamento de tempo
Gerenciamento de tempo
 
Gerenciamento de tempo em projetos
Gerenciamento de tempo em projetosGerenciamento de tempo em projetos
Gerenciamento de tempo em projetos
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
 
Project parte01
Project parte01Project parte01
Project parte01
 
Impactos no avanço físico de um projeto
Impactos no avanço físico de um projetoImpactos no avanço físico de um projeto
Impactos no avanço físico de um projeto
 

Destaque

Administração do Tempo
Administração do TempoAdministração do Tempo
Administração do TempoAndrea Costa
 
Administração do tempo belmetal 10
Administração do tempo   belmetal 10Administração do tempo   belmetal 10
Administração do tempo belmetal 10Antonio Moreira
 
Exercicio sobre-administracao-do-tempo
Exercicio sobre-administracao-do-tempo Exercicio sobre-administracao-do-tempo
Exercicio sobre-administracao-do-tempo cacabrustolin
 
Administração do tempo core
Administração do tempo   coreAdministração do tempo   core
Administração do tempo coreAntonio Moreira
 
Meus pedidos -_desafios_da_gestao_do_tempo
Meus pedidos -_desafios_da_gestao_do_tempoMeus pedidos -_desafios_da_gestao_do_tempo
Meus pedidos -_desafios_da_gestao_do_tempoPatrick S. Winnikes
 
Administração do tempo e sustentabilidade
Administração do tempo e sustentabilidadeAdministração do tempo e sustentabilidade
Administração do tempo e sustentabilidadeJoão Gretzitz
 
A disciplina do corpo
A disciplina do corpoA disciplina do corpo
A disciplina do corpoMarcos Barros
 
Gestão do tempo - parte 1
Gestão do tempo - parte 1Gestão do tempo - parte 1
Gestão do tempo - parte 1Marcos Barros
 
Gestão estratégica do tempo - #DNAD2014 - Setembro 2014
Gestão estratégica do tempo  - #DNAD2014 - Setembro 2014Gestão estratégica do tempo  - #DNAD2014 - Setembro 2014
Gestão estratégica do tempo - #DNAD2014 - Setembro 2014Luís Caramurú
 
Curso de gestão de tempo em 5 minutos
Curso de gestão de tempo em 5 minutosCurso de gestão de tempo em 5 minutos
Curso de gestão de tempo em 5 minutosHelder Marques
 
Impactos na gestão do tempo para os alunos de e-Learning
Impactos na gestão do tempo para os alunos de e-LearningImpactos na gestão do tempo para os alunos de e-Learning
Impactos na gestão do tempo para os alunos de e-LearningFilipa Ramalhete
 
Quem manda aqui é você - Gerenciamento de tempo por uma vida com mais vida
Quem manda aqui é você - Gerenciamento de tempo por uma vida com mais vidaQuem manda aqui é você - Gerenciamento de tempo por uma vida com mais vida
Quem manda aqui é você - Gerenciamento de tempo por uma vida com mais vidaAgata Sousa
 
Mudança de Hábito e Wunderkit - Gerente Bem Informado
Mudança de Hábito e Wunderkit - Gerente Bem InformadoMudança de Hábito e Wunderkit - Gerente Bem Informado
Mudança de Hábito e Wunderkit - Gerente Bem InformadoGerente Bem Informado
 

Destaque (20)

Administração do tempo
Administração do tempoAdministração do tempo
Administração do tempo
 
Adm tempo e 5 s
Adm tempo e 5 sAdm tempo e 5 s
Adm tempo e 5 s
 
Administração do Tempo
Administração do TempoAdministração do Tempo
Administração do Tempo
 
Administração do tempo belmetal 10
Administração do tempo   belmetal 10Administração do tempo   belmetal 10
Administração do tempo belmetal 10
 
Exercicio sobre-administracao-do-tempo
Exercicio sobre-administracao-do-tempo Exercicio sobre-administracao-do-tempo
Exercicio sobre-administracao-do-tempo
 
Administração do tempo core
Administração do tempo   coreAdministração do tempo   core
Administração do tempo core
 
Meus pedidos -_desafios_da_gestao_do_tempo
Meus pedidos -_desafios_da_gestao_do_tempoMeus pedidos -_desafios_da_gestao_do_tempo
Meus pedidos -_desafios_da_gestao_do_tempo
 
Matriz de covey . jose maita
Matriz de covey . jose maitaMatriz de covey . jose maita
Matriz de covey . jose maita
 
Administração do tempo e sustentabilidade
Administração do tempo e sustentabilidadeAdministração do tempo e sustentabilidade
Administração do tempo e sustentabilidade
 
A disciplina do corpo
A disciplina do corpoA disciplina do corpo
A disciplina do corpo
 
Gestão do tempo - parte 1
Gestão do tempo - parte 1Gestão do tempo - parte 1
Gestão do tempo - parte 1
 
Gestão estratégica do tempo - #DNAD2014 - Setembro 2014
Gestão estratégica do tempo  - #DNAD2014 - Setembro 2014Gestão estratégica do tempo  - #DNAD2014 - Setembro 2014
Gestão estratégica do tempo - #DNAD2014 - Setembro 2014
 
Curso de gestão de tempo em 5 minutos
Curso de gestão de tempo em 5 minutosCurso de gestão de tempo em 5 minutos
Curso de gestão de tempo em 5 minutos
 
Impactos na gestão do tempo para os alunos de e-Learning
Impactos na gestão do tempo para os alunos de e-LearningImpactos na gestão do tempo para os alunos de e-Learning
Impactos na gestão do tempo para os alunos de e-Learning
 
Quem manda aqui é você - Gerenciamento de tempo por uma vida com mais vida
Quem manda aqui é você - Gerenciamento de tempo por uma vida com mais vidaQuem manda aqui é você - Gerenciamento de tempo por uma vida com mais vida
Quem manda aqui é você - Gerenciamento de tempo por uma vida com mais vida
 
Gestão do tempo
Gestão do tempoGestão do tempo
Gestão do tempo
 
gestao-de-tempo
gestao-de-tempogestao-de-tempo
gestao-de-tempo
 
Administração do tempo set2013
Administração do tempo set2013Administração do tempo set2013
Administração do tempo set2013
 
Administrarotempo
AdministrarotempoAdministrarotempo
Administrarotempo
 
Mudança de Hábito e Wunderkit - Gerente Bem Informado
Mudança de Hábito e Wunderkit - Gerente Bem InformadoMudança de Hábito e Wunderkit - Gerente Bem Informado
Mudança de Hábito e Wunderkit - Gerente Bem Informado
 

Semelhante a Administração de tempo e prazo

Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW Rogerio P C do Nascimento
 
Curso de Microsoft Project 2010 - Completo
Curso de Microsoft Project 2010 - CompletoCurso de Microsoft Project 2010 - Completo
Curso de Microsoft Project 2010 - CompletoFernando Dantas
 
Aula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosAula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosFernando Dantas
 
Gerenciamento de Projetos PMBOK cap6 tempo
Gerenciamento de Projetos PMBOK  cap6 tempoGerenciamento de Projetos PMBOK  cap6 tempo
Gerenciamento de Projetos PMBOK cap6 tempoFernando Palma
 
Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)Deisi Motter
 
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo IIIFundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo IIIWilian Fabricio Pereira
 
Gerenciamento dos custos do projeto(Grupo 4)
Gerenciamento dos custos do projeto(Grupo 4)Gerenciamento dos custos do projeto(Grupo 4)
Gerenciamento dos custos do projeto(Grupo 4)Nilton Cesar Araruna
 
f200480552.pptx sequenciamento de projecto do grupo 4
f200480552.pptx sequenciamento de projecto do grupo 4f200480552.pptx sequenciamento de projecto do grupo 4
f200480552.pptx sequenciamento de projecto do grupo 4msmateus2450
 
Gerenciamento de projetos
Gerenciamento de projetosGerenciamento de projetos
Gerenciamento de projetosezielsilva
 
C:\Documents And Settings\Juliana\Desktop\Palestra 19 03 2010
C:\Documents And Settings\Juliana\Desktop\Palestra 19 03 2010C:\Documents And Settings\Juliana\Desktop\Palestra 19 03 2010
C:\Documents And Settings\Juliana\Desktop\Palestra 19 03 2010Facuuldade Norte Sul
 
Rational Unified Process - RUP
Rational Unified Process - RUPRational Unified Process - RUP
Rational Unified Process - RUPFernando Nogueira
 
Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos
Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos
Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos André Cruz
 
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptxpag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptxPelotaMECXII
 

Semelhante a Administração de tempo e prazo (20)

Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
 
MsProject.pptx
MsProject.pptxMsProject.pptx
MsProject.pptx
 
Curso de Microsoft Project 2010 - Completo
Curso de Microsoft Project 2010 - CompletoCurso de Microsoft Project 2010 - Completo
Curso de Microsoft Project 2010 - Completo
 
Gestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms projectGestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms project
 
Aula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosAula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de Projetos
 
Gerenciamento de Projetos PMBOK cap6 tempo
Gerenciamento de Projetos PMBOK  cap6 tempoGerenciamento de Projetos PMBOK  cap6 tempo
Gerenciamento de Projetos PMBOK cap6 tempo
 
Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)
 
Planificação do Projeto de Software
Planificação do Projeto de SoftwarePlanificação do Projeto de Software
Planificação do Projeto de Software
 
Plano de Projeto SGS
Plano de Projeto SGSPlano de Projeto SGS
Plano de Projeto SGS
 
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo IIIFundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
Fundamentos em Gerenciamento de Projetos - Módulo III
 
Gerenciamento dos custos do projeto(Grupo 4)
Gerenciamento dos custos do projeto(Grupo 4)Gerenciamento dos custos do projeto(Grupo 4)
Gerenciamento dos custos do projeto(Grupo 4)
 
Pmbok custos
Pmbok custosPmbok custos
Pmbok custos
 
f200480552.pptx sequenciamento de projecto do grupo 4
f200480552.pptx sequenciamento de projecto do grupo 4f200480552.pptx sequenciamento de projecto do grupo 4
f200480552.pptx sequenciamento de projecto do grupo 4
 
Gerenciamento de projetos
Gerenciamento de projetosGerenciamento de projetos
Gerenciamento de projetos
 
C:\Documents And Settings\Juliana\Desktop\Palestra 19 03 2010
C:\Documents And Settings\Juliana\Desktop\Palestra 19 03 2010C:\Documents And Settings\Juliana\Desktop\Palestra 19 03 2010
C:\Documents And Settings\Juliana\Desktop\Palestra 19 03 2010
 
Ms project
Ms projectMs project
Ms project
 
Ms project 2013
Ms project 2013Ms project 2013
Ms project 2013
 
Rational Unified Process - RUP
Rational Unified Process - RUPRational Unified Process - RUP
Rational Unified Process - RUP
 
Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos
Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos
Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos
 
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptxpag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
 

Último

Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Administração de tempo e prazo

  • 1. Administração de tempo e prazo Alunos: Ciro Rafael, Diogo Sampaio  Professor: João Sotero  Disciplina: Projetos I  Curso: GTI  Instituto Federal do Sertão Pernambucano 
  • 2. O que é Gerenciamento de Prazo Gerenciar processos que asseguram que o projeto será implementado no prazo previsto.
  • 3. Processos para o Gerenciamento do Prazo      Definição das Atividades Sequenciamento das Atividades Estimativa da Duração das Atividades Desenvolvimento do Cronograma Controle do Cronograma
  • 4. Definição das Atividades Objetivo: Identificar e documentar as atividades que devem ser realizadas para produzir os diversos subprodutos do projeto.
  • 5. Processo: Definição das Atividades Entradas:  Estrutura Analítica do Projeto: É definido na área de gerenciamento do escopo, que servirá de base para o detalhamento das atividades.  Declaração do Escopo: É composto pela justificativa, objetivo e sumário da descrição dos produtos e subprodutos.  Informações Históricas: São informações sobre a execução de projetos anteriores.
  • 6. Processo: Definição das Atividades Ferramentas e Técnicas:  Decomposição: Significa subdividir os pacotes de trabalho do projeto em componentes menores e mais manejáveis com a finalidade de fornecer melhor controle do gerenciamento.  Modelos: Lista de atividades de projetos anteriores que servem como modelo ou referência para o novo projeto.
  • 7. Processo: Definição das Atividades Saídas:  Lista de Atividades: Contém todas as atividades que serão realizadas no projeto.  Detalhes de Suporte: É um detalhamento da lista de atividades incluindo todas premissas e restrições.  Atualizações na EAP: É quando se percebe a falta / correção de algum produto ou subproduto definida na EAP.
  • 8. Sequenciamento das Atividades Objetivo: Identificar e documentar as relações de dependências entre as atividades que devem ser sequenciadas corretamente possibilitando um cronograma realista e viável.
  • 9. Processo: Sequenciamento das Atividades Entradas:  Lista de Atividades: Contém todas as atividades que serão realizadas no projeto, com base no EAP.  Descrição do Produto: Características do produto que influenciam o sequenciamento. Ex.: Layout físico de uma planta.  Dependências Mandatórias Hard Logic: Dependências que envolvem limitações físicas. Ex.: o protótipo deve ser construído antes de ser testado.
  • 10. Processo: Sequenciamento das Atividades Ferramentas e Técnicas:  Modelos de Rede: São modelos de rede que podem auxiliar na preparação do diagrama de rede do projeto. São bastante úteis quando o projeto inclui várias características idênticas ou bastante similares. Ex.: Construção do piso de prédios comerciais.
  • 11. Processo: Sequenciamento das Atividades Ferramentas e Técnicas:  Método do Diagrama de Flecha (ADM - Arow Diagramming Method): Método de construção do diagrama de rede que utiliza setas para representar as atividades e as conecta por meio de nós que representam as dependências. Só representa dependência do tipo Término / Início.
  • 13. Processo: Definição das Atividades Saídas:  Diagrama de Rede do Projeto (Gráficos de PERT): Representação gráfica do relacionamento lógico entre as atividades do projeto acompanhado de uma descrição sumária da abordagem do sequenciamento.  Atualização da Lista de Atividades: A preparação do diagrama de rede do projeto pode revelar situações em que uma atividade deve ser dividida ou mesmo redefinida.
  • 14. estimativa da duração das atividades Objetivo: Estimar a duração das atividades para entrada no cronograma, a partir das informações do escopo do projeto e dos recursos disponíveis.
  • 15. Processo : Estimativa da Duração das Atividades Entradas:  Lista de atividades: Contém todas as atividades que serão realizadas no projeto, com base no EAP.  Restrições: Fatores que limitarão as opções da equipe de gerência do projeto. Ex.: determinação de duração máxima de uma atividade ou quantidade de pessoas por atividade.
  • 16. Processo : Estimativa da Duração das Atividades  Riscos Identificados: Os riscos identificados e a análise de sua influência na duração das atividades.
  • 17. Processo : Estimativa da Duração das Atividades Ferramentas e Técnicas:  Duração Estimadas Quantitativamente: Quantidades a serem executadas para cada categoria específica de trabalho. Ex.: metros / hora ; horas / desenho.  Tempo de Reserva (Contingência): Incorporação adicional de tempo que pode ser adicionada a duração da atividade. Pode ter um valor fixo ou proporcional ao tempo.
  • 18. Processo : Estimativa da Duração das Atividades Ferramentas e Técnicas:  Estimativa por Analogia (top_down): Utiliza-se durações de atividades anteriores ou similares para determinar a duração de uma atividade futura. São confiáveis quando as atividades anteriores são semelhantes de fato e os indivíduos que preparam estas estimativas têm conhecimento necessário.
  • 19. Processo : Estimativa da Duração das Atividades Saídas:  Estimativa de Duração das Atividades: Avaliações quantitativas da quantidade mais provável de períodos de trabalho que será requerida para se completar uma atividade. Devem sempre incluir uma indicação da faixa de variação dos possíveis resultados. Ex.: 2 semanas +/- 2 dias.  Bases para a Estimativa: As premissas feitas na elaboração das estimativas devem ser documentadas.
  • 20. Processo : Desenvolvimento do Cronograma Objetivo: Determinar datas de início e fim das atividades.
  • 21. Processo : Desenvolvimento do Cronograma Entradas:  Diagramas de Rede do Projeto: Representação gráfica do relacionamento lógico entre as atividades do projeto.  Estimativas de Duração das Atividades: Avaliações quantitativas da quantidade mais provável de períodos de trabalho que será requerida para se completar uma atividade.  Necessidades de Recursos: Análise dos recursos designados às atividades.
  • 22. Processo : Desenvolvimento do Cronograma Calendários: Identificam os períodos nos quais o trabalho será considerado. Afetam todos os recursos (horários diferentes).  Atributos da Atividade: Os atributos mais importantes para a seleção e classificação das atividades planejadas são :  Quem (responsabilidade)  Onde (área geográfica)  Tipo da atividade (sumário ou detalhe) 
  • 23. Processo : Desenvolvimento do Cronograma Ferramentas e Técnicas:  Compressão da Duração: Procura alternativas para reduzir o prazo do projeto sem alterar seu escopo, usando técnicas, tais como :  Colisão - busca compressão para minimizar o aumento do custo, analisando compensação de custo e prazo.  Caminho Rápido - paraleliza as atividades.  Simulações - Considera múltiplas opções de duração :  Diferentes grupos de premissas  Resultados prováveis 
  • 24. Processo : Desenvolvimento do Cronograma Saídas:  Cronograma do Projeto: Apresenta datas de início/término para cada atividade, apresentando-se em diversos formatos:  Diagrama de Rede  Gráfico de Barras  Gráficos de Marcos  Detalhes de Suporte: Documentação de todas as premissas e restrições identificadas.
  • 25. Processo : Desenvolvimento do Cronograma  Plano de Gerência do Cronograma: Define como as mudanças no cronograma serão gerenciadas.  Atualização da Necessidade de Recursos: Atualização do nivelamento dos recursos podem ter um efeito significativo nas estimativas preliminares quanto à necessidade de recursos.
  • 26. Processo : Controle do Cronograma Objetivo: Consiste em manipular os fatores que geram mudanças no cronograma, registrar as alterações e gerenciar as mudanças reais, quando e como elas ocorrem.
  • 27. Processo : Controle do Cronograma Entradas:  Cronograma de Projetos: Para cada atividade do projeto, está incluso no mínimo as datas de início de término esperado.  Relatórios de performance (desempenho): Fornecem informações sobre o desempenho do cronograma. Podem alertar à equipe sobre problemas que podem aparecer no futuro. Ex: data que foram alcançadas conforme planejamento ou não.
  • 28. Processo: Controle do Cronograma  Requisições de Mudança : Podem ocorrer de vária formas, tipo: Oral ou escrita, direta ou indiretamente, etc.... Essas mudanças podem alterar o cronograma para mais ou para menos.  Plano de Gerência de Cronograma: Este plano está descrito no processo de saída do desenvolvimento do cronograma. Define como as mudanças serão gerenciadas. É um elemento auxiliar no plano geral do projeto
  • 29. Processo: Controle do Cronograma Ferramentas e Técnicas:  Planejamento Adicional: Quando ocorrem mudanças no projeto (quase sempre) é necessário que o cronograma das atividades novas ou Revisadas seja atualizado(mudanças nas estimativas de duração).  Análise de Variações: Esta análise é um elemento chave para o controle do prazo. Tanto as datas de inicio/fim prevista/reais quanto as folgas, são componentes vitais para a avaliação do desempenho do prazo do projeto.
  • 30. Processo: Controle do Cronograma Saídas:  Atualizações do Cronograma: Qualquer modificação nas informações do prazo, é considerada uma atualização no cronograma. Essas modificações podem ou não requerer ajustes maiores no plano geral do projeto e quando ocorrem graves mudanças é necessário um replanejamento.  Ações Corretivas: É qualquer ação feita para compatibilizar o desempenho futuro do projeto com o plano do projeto. São importantes porque elas tem que garantir a conclusão do projeto no prazo ou com o mínimo de atraso possível.
  • 31. Processo: Controle do Cronograma  Lições aprendidas: As causas das variações e os “porquês” das ações corretivas devem ser documentadas porque servirão de conhecimento para o curso do projeto ou futuros projetos da organização.
  • 32. Fontes • MAXIMILIANO, Antônio César Amaru. Administração de Projetos:Como Transformar Ideias em Resultados. 3ª Edição. São Paulo-SP: Editora Atlas, 2009. • VARGAS, Ricardo Viana. Manual Prático do Plano do Projeto. 2ª. Edição. Rio de Janeiro: Editora Brasport, 2005.