Palácio de Queluz

1.921 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Palácio de Queluz

  1. 1. Módulo 4: Barroco Recurso: “Palácio de Queluz”
  2. 2. 2
  3. 3. 3
  4. 4. 4
  5. 5. Postal da Década de 60 com vista aérea sobre o Palácio de Queluz 5
  6. 6. Palácio de Queluz• Localização – propriedade junto à estrada para Sintra;• História – Propriedade que pertenceu aos marqueses de Castelo Rodrigo; – Em 1654, foi incorporada na Casa do Infantado: • criada por D. João IV para os filhos segundos dos reis, que teve por base os bens confiscados à família Moura Corte Real, Marqueses de Castelo Rodrigo, que era partidária de Castela. 6
  7. 7. Palácio de Queluz• Origem – conheceu uma primeira ampliação ao pavilhão de caça que aí existia desde o século XVI, no tempo de D. Francisco, irmão de D. João V; – mandado construir pelo príncipe D. Pedro, filho de D. João V e futuro D. Pedro III, devido ao seu casamento com a sobrinha, D. Maria I.• Período de obras – inicio em 1747; – prolongam-se até cerca de 1790; – várias campanhas com características diferenciadas. 7
  8. 8. 8
  9. 9. Palácio de Queluz• Estilos – Barroco; – Rococó; – Neo-classicismo de D. Maria I. 9
  10. 10. Palácio de Queluz• Arquitetura – Pátio de honra • inspirado no Cour de Marbre de Versalhes; • as arcadas e a grande janela sobre o portal têm afinidades com a arquitetura de Mafra. 10
  11. 11. 11
  12. 12. 12
  13. 13. 13
  14. 14. 14
  15. 15. 15
  16. 16. 16
  17. 17. 17
  18. 18. Palácio de Queluz• Arquitetos – 1ª fase - Mateus Vicente de Oliveira • Dirige as obras de 1747 a 1752. • um dos mais des-tacados aprendizes e oficiais da casa do risco das obras de Mafra, sob a direção de Ludovice; • Trabalha, mais tarde, na Basílica da Ajuda. – 2ª fase - Jean-Baptiste Robillon • Dirige as obras de 1755 a 1782; • artista francês estabelecido em Lisboa como gravador e debuxador; • foi contratado inicialmente para traçar os planos dos jardins; • Acaba por ficar responsável de outros acrescentos. 18
  19. 19. Palácio de Queluz– 3ª Fase – Manuel Caetano de Sousa • Dirige as obras de 1786 a 1792; • responsável pelos novos projetos após a morte de Robillion; • Desenhou a biblioteca do convento de Mafra; 19
  20. 20. Palácio de Queluz• 1ª fase de Obras – Fachada principal para o Jardim • corpo central, de dois pisos, coroado por um frontão triangular assente em largas pilastras; • por todo o frontispício se rasgam janelões para permitir o máximo de luminosidade no interior; • as janelas têm o lintel decorado com motivos típicos do concheado; • Abre-se para o jardim do Pênsil. 20
  21. 21. 21
  22. 22. Palácio de Queluz• A fachada é ladeada por duas alas de um andar;• Para nascente existe uma fachada (sobre o jardim de Malta) com um certo dinamismo nos elementos utilizados de inspiração italiana (frontões interrompido e contracurvado, etc.) e centro- europeia (telhado de águas duplas);• O telhado atual, que não será o original, assentando pesadamente na frágil balaustrada, torna menos felizes as pro-porções do conjunto. 22
  23. 23. Palácio de Queluz 23
  24. 24. Palácio de Queluz• 2ª Fase de Obra – Pavilhão poente • inicio em 1758; • vence o desnível do terreno com dois pisos de balaustradas, colunata dórica emparelhada e uma escadaria cenográfica que conduz a um canal, ponte e fonte azulejados. • A nova construção, mais clássica e palaciana, é indubitavelmente o sector mais arcaizante do palácio, dada a sua ligação à tradição francesa remanescente da arquitetura monumental da época seiscentista de Luís XIV. 24
  25. 25. 25
  26. 26. Palácio de Queluz 26
  27. 27. 27
  28. 28. Palácio de Queluz• 3ª Fase de Obra • obras do Quarto Novo do Príncipe D. João; • Executa um segundo piso que se prolongava desde a Sala dos Embaixadores e da Fachada de Cerimónias até ao ângulo da atual Sala do Café. • Atualmente, só resta o andar nobre sobre a Fachada de Cerimónias, pois tudo o resto foi grandemente afetado pelo enorme incêndio de 4 para 5 de Outubro de 1934. • Construção do Pavilhão D. Maria. 28
  29. 29. Foto de Francisco Santos Cordeiro,publicada na revista "Ilustração" nº 212 de 16 de Outubro de 1934 29
  30. 30. 30
  31. 31. 31
  32. 32. 32
  33. 33. 33
  34. 34. DEPENDÊNCIAS 34
  35. 35. Sala do Trono ou “Casa Grande” É a maior das três salas de aparato do Palácio e data de 1774.Da autoria de Jean Baptiste Robillon, foi concebida ao gosto “rococó” francês e ocupa o espaço onde 35 existiam cinco salas.
  36. 36. 36
  37. 37. Sala da Música 37
  38. 38. 38
  39. 39. Capela do PalácioProjetada por Mateus Vicente de Oliveira, foi um dos primeiros espaços a serem construídos (c. 1752). A cúpula da capela-mor tem uma cobertura exterior em forma de bolbo, revestida de cobre, ao gosto centro europeu.A talha dourada de inspiração “rococó” é de Silvestre de Faria Lobo e as paredes e teto são decorados com pintura e tingidos imitando mármore e lápis lázuli. 39
  40. 40. O retábulo do altar-mor, representa Nossa Senhora da Conceição (orago de Queluz). 40
  41. 41. Aposentos da Princesa D. Maria Francisca Benedita (saleta)Conjunto de apartamentos privados queserviram de aposentos à princesa D. MariaFrancisca Benedita (1746-1829) irmã darainha D. Maria I.A decoração é inspirada em temaspompeianos. 41
  42. 42. Sala de FumoFunção que tinha na segunda metade do séc. XIX, época em que o ato de fumar fazia parte do 42 quotidiano da corte, após a refeição.
  43. 43. Sala de Jantara denominação reporta-se ao século XIX, consequência da função que lhe foi dada pelos últimos 43 monarcas.
  44. 44. Sala dos Azulejos – Corredor das MangasSala de ligação entre o Paço Velho (finais do século XVI) e as novas edificações (século XVIII) dos arquitetos Mateus Vicente de Oliveira e Jean-Baptiste Robillion. 44 Aqui seriam guardadas as mangas de vidro para proteção das velas.
  45. 45. Sala dos Azulejos – Corredor das Mangas cena de jardim Rapto da Europa A PrimaveraOs painéis de azulejo policromados, neoclássicos, de 1784, representam as Quatro Estações, os Quatro Continentes, cenas de mitologia clássica, “singeries” e “chinoiseries”. O lambrim em azul e branco, de 1764, representa cenas de caça e de quotidiano. 45
  46. 46. Sala dos ArcheirosTambém chamada do “Corpo da Guarda”, era a entrada do Palácio. 46 Encontra-se atualmente mobilada em estilo D. Maria.
  47. 47. Sala dos ParticularesUsada no tempo do príncipe D. João (1792-1807) como sala de espera dos camaristas. No tempo de D. Luís (1838-1839) e de D. Carlos (1863-1908), foi utilizada para Sala de Reuniões ou Biblioteca.Atualmente está mobilada no estilo Império, usado também no Palácio de Queluz no início do47 século XIX.
  48. 48. Sala dos Embaixadores A sua construção decorreu entre 1754 e 1762 (Jean-Baptiste Robillion). Originalmente designadapor Barraca Rica, Sala das Colunas, dos Serenins e Galeria, passou a ser conhecida, depois de 1794, 48 durante a regência do príncipe D. José e a Rainha D. Mariana Vitória.
  49. 49. 49
  50. 50. Sala do Despacho Espaço que integra o Pavilhão RobillionDecorada em estilo neoclássico, com pinturas de ruínas da Antiguidade Clássica de Giovanni Berardi, 50 foi usada pelo Príncipe D. João, para reuniões ministeriais e despacho.
  51. 51. 51
  52. 52. 52
  53. 53. Sala das Merendas Destinada a sala de jantar privada dos aposentos reais, estava em conclusão em 1767.As quatro telas que a decoram representam merendas de caça e parecem constituir uma alegoria às 53 diferentes estações do ano.
  54. 54. Quarto D. Quixote Construído entre 1759 e 1774, contém pinturas com cenas da vida de D. Quixote de La Mancha.Usado inicialmente como sala de café e posteriormente como quarto de dormir, aqui nasceram os54 filhos de D. João VI e de D. Carlota Joaquina e aqui morreu em 1834 o rei D. Pedro IV.
  55. 55. 55
  56. 56. JARDINS 56
  57. 57. Canal de Azulejos 57
  58. 58. 58
  59. 59. 59
  60. 60. Largo dos Plátanos 60
  61. 61. Lago das Medalhasconsiderado o maior Lago dos jardins, foi desenhado por Jean-Baptiste Robillion em 1764, em forma de octógono estrelado, tendo ao centro um grupo escultórico em chumbo fundido e dotado 61 um de complexo sistema de repuxos.
  62. 62. 62
  63. 63. Cascata Grande edificada na década de 1770 eera ornamentada por estatuáriaem pedra e em chumbo que não perdurou até hoje. Era a parte mais espetacular detodos os jogos de água dos lagos e constitui hoje um ponto central do percurso de visita. 63
  64. 64. 64
  65. 65. Pórtico da Fama A Fama heroica monta Pégaso, da autoria de Manuel Alves e Filipe da Costa, 1771, 65separa os jardins superiores da zona do Parque, daqui irradiando as respectivas alamedas.
  66. 66. 66
  67. 67. 67
  68. 68. Jardim Pênsil ou de Neptuno O Jardim Pênsil deve o seu nome ao fato de se encontrar sobre um reservatório que recolhe oexcesso das águas dos lagos. Solução arquitetónica idealizada por Robillion para vencer o desnível 68 de terreno existente e elevá-lo ao nível de Fachada de Cerimônias.
  69. 69. 69
  70. 70. 70
  71. 71. Jardim de MaltaReferência à Ordem de Malta, de que D. Pedro III era Grão-Mestre. 71 Foi originalmente um enorme tanque com espelho de água

×