SlideShare uma empresa Scribd logo
A Arquitetura Barroca
Arte e Retórica

http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

1
Praça de S. Pedro, Bernini (1656-57)

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo
2
O espírito do barroco traduz-se nesta metáfora: “Os homens e
mulheres, moveram-se como atores, representaram a sua
própria vida no palco que é o mundo”;

Fonte de Trevi

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

3
Foi uma época de contradições;
O Barroco traduziu um mundo abalado por conflitos sociais
e religiosos, guerras, etc.;
A arte tinha uma função dupla: fascinar pelos sentidos e
transmitir uma forte mensagem ideológica;

Nazoni, Bom Jesus de
Matosinhos

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

4
Versalhes

Um dos melhores exemplos dessa encenação do Barroco é
o Palácio de Versalhes;
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

5
Basílica de São Pedro (interior)

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

6
À pompa e esplendor contrapõe-se um profundo sentido
de fé e crença religiosa;
Ao prazer dos sentidos contrapõe-se a consciência
objetiva da morte;
O barroco dirigiu-se ao grande público;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

7
Destinava-se a persuadir e estimular emoções;
Pelo movimento curvilíneo, real ou aparente;
Pela assimetria;
Pelos jogos de luz e sombra;
Pela procura do infinito, teatral, do fantástico, do cenográfico;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

8
O Barroco é uma arte comandada pela emoção, afetividade e
misticismo e não pela razão;
Procura alcançar o público pelos sentidos;
Talha dourada,
Igreja de S. Francisco,
Porto

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

9
A arquitetura barroca nasceu em Roma, na época da
Contra-Reforma;
Serviu as diretrizes emanadas do Concílio de Trento;

Igreja Il Gesú, Roma

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

10
Um concílio é uma reunião de autoridades eclesiásticas com
o objetivo de discutir e deliberar sobre questões pastorais,
de doutrina, fé e costumes (moral).
Em 1545 reuniu-se o Concílio de Trento, convocado pelo Papa
Paulo III. Terminou os seus trabalhos em 1563;
Condena o protestantismo;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

11
Expandiu-se para os países de maioria protestante
(Alemanha, Holanda), adaptando-se a novos gostos e
particularidades, sobretudo na pintura;
Durante o século XVII expandiu-se para o Oriente e América;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

12
Igreja Santa Susana, Roma
Igreja S. Paulo, Macau
Catedral de Havana, Havana

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

13
A Arquitetura barroca foi uma associação da arte com o
poder (do papa e dos monarcas absolutos);
Papas e reis procuravam valorizar as suas imagens
através da ostentação do poder;

Retrato de D. João V

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

14
Mais do que um estilo, o Barroco, foi um gosto que se
soube adaptar a vários interesses diferentes;
Inspirou-se na Antiguidade e Renascimento mas foi uma
arte original, imaginativa, fantasista, cénica, ao gosto
pessoal dos seus criadores;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

15
Bernini, Baldaquino
de S. Pedro, Vaticano

Usaram as ordens clássicas e
renascentistas (dórica, jónica,
coríntia, compósita, colossal)
às quais acrescentaram a
ordem torsa ou salomónica;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

16
Utilizaram a mesma gramática formal da Antiguidade e
Renascimento: colunas, entablamentos, frontões,
só que agora quebrados e por vezes assimétricos;

Bernini, Igreja de S. André
do Quirinal, Roma

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

17
A arquitectura barroca caracteriza-se pela:
Libertação espacial;
Fim do estatismo e simetria;
Procura da fantasia e do movimento;
Guarini, Palácio
Carignano, Turim

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

18
Jardins de Belvedere, Viena

Existe uma aliança da arquitectura com
a pintura,
a escultura,
a jardinagem e
os jogos de água;
Os arquitectos procuraram criar efeitos ilusórios;
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

19
Borromini, Igreja de S. Inês, Roma
A sensação de movimento e
efeitos cénicos é reforçada
por:
A combinação e abundância
de linhas opostas;
Jogos de claro-escuro
(paredes salientes ou com
reentrâncias);

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

20
Elementos até então construtivos são usados como
decorativos, como por exemplo as colunas;
O barroco é uma arte liberta de regras formais e intelectuais;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

21
Primeiros arquitetos a utilizarem estes princípios:
Giacomo della Porta (1533-1602);
Vignola (1507-1573);
Foram os divulgadores da Contrarreforma artística;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

22
Primeiro arquiteto barroco: Carlo Maderno (1576-1636);
Principais arquitetos:
Bernini (1598-1680);
Borromini (1599-1667);
Baltazar Longhena (1598-1682);
Guarino Guarini (1624-1683);

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

23
As grandes alterações na
arquitetura foram motivadas
pela necessidade de adaptar
as Igrejas às novas exigências
da liturgia propostas pelo
Concílio de Trento;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

24
Bernini, Igreja de S. André do Quirinal,1568-78, Roma

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

25
As primeiras igrejas foram de dimensões modestas;
Foram a Basílica de S. Pedro e a Igreja de Il Gesú que
anunciaram as linhas orientadoras da arquitetura barroca;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

26
Basílica de S. Pedro
Júlio II (1503-13) decidiu derrubar a igreja velha,18 de Abril
de 1506 Bramante recebeu o encargo de desenhar a nova;
Um século mais tarde trabalharam como arquitetos:
Rafael, Fra Giocondo, Giuliano da Sangallo, Baldassare
Peruzzi, Antonio da Sangallo;
O Papa Paulo III (1534-49) em 1546 entregou a direção
dos trabalhos a Miguel Ângelo;
Vignola, Pirro Ligorio, Giacomo della Porta continuaram os
trabalhos na basílica;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

27
O poder papal e real
preocupou-se em erigir
igrejas luxuosas;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

28
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

29
Plantas de Igrejas Barrocas
As plantas das igrejas
barrocas apresentam uma
grande diversidade formal:
Baseadas em formas
geométricas curvas, elípticas,
ovais, irregulares;

Mas preferiram as plantas de
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
nave única ou igreja-salão.
Turismo

30
As paredes alternavam entre o côncavo e o convexo,
formando paredes ondulantes;
Criando efeitos de surpresa e jogos de claro-escuro;
No interior estão cobertas por pinturas e talha dourada;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

31
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

32
Guarini, Capela do Santo Sudário, 1667, Turim
A cobertura era constituída por
abóbadas;
E sobretudo por cúpulas
colossais (representava
simbolicamente o céu)

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

33/
Borromini, Igreja de Santa Inês, 1652, Roma
Borromini, Igreja de S. Carlos, 1667, Roma

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

34
As fachadas, seguem o esquema renascentista de rematar o
corpo central com um frontão (acentuar a verticalidade);
Depois aparecem fachadas mais elaboradas, divididas em
andares, com formas côncavas e convexas e por vezes
irregulares;
O Portal principal destaca-se pela ornamentação muito
elaborada;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

35
Basílica de S. Pedro, interior

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

36
A decoração interior foi feita para aumentar a sensação de
movimento;
Surgem pinturas murais com linhas ondulantes, muitos
figurantes, anjos inseridos numa luz celestial;

Pintura mural, Pietro de
Cortona, Triunfo da
Divina Providência

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

37
Igreja de Santa Clara,
Porto

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

38
Nas cúpulas o céu é pintados nestas cenas procurando
obter um efeito de trompe-l’oeil;
Para além das pinturas aparece o mármore policromada, a
talha dourada, estátuas, retábulos, telas, órgãos, etc.
Ajudam a criar um ambiente sensorial;

Andrea Pozzo, A
glorificação de S.
Inácio

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

39
Arquitectura civil

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

40
Bernini, Palácio Barberini, 1628, Roma

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

41
Guarini, Palácio Carignano, 1678, Turim

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

42
Inigo Jones, planta do Palácio Queen’s
House, Greenwich, 1616

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

43
Versalhes, vista aérea

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

44
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

45
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

46
Escadarias do Palácio de Pommerfelden

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

47
A arquitetura civil limitou-se aos palácios urbanos e villas
da aristocracia;
Os jardins faziam parte do enquadramento paisagístico do
edifício;
A planta tinha forma de U ou duplo U;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

48
Na fachada, o corpo central e a porta tinham mais decoração
que os corpos laterais;
O andar mais importante (piano nobile) era o 1º, residência
da família;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

49/72
Interiormente, o piano nobile, normalmente tinha no centro
um grande salão;
Ligando os diferentes andares havia galerias e escadas
com decoração;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

50
As villas seguem os mesmos princípios, mas aqui o jardim
ganha uma importância fundamental;
A arte do jardim redescoberta no Renascimento, foi
desenvolvida e enriquecida com bosques, grutas artificiais,
labirintos, etc.;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

51
O jardim era organizado segundo um eixo central e depois
organizado geometricamente, era o “jardim à francesa”;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

52
O Barroco existiu para fascinar e deslumbrar. Sendo uma
arte urbana, as cidades possuíam ruas e avenidas retas,
largas praças, fontes extravagantes e as fachadas dos
palácios e igrejas;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

53
Piazza Navona

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

54
Piazza del Popolo
Praça de Espanha

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

55
A sociedade barroca era festiva (casamento, nascimento,
chegada ou morte de um rei ou príncipe, procissão, autode-fé);
Este modo de entender a vida fez surgir um novo tipo de
cidade;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

56
Cidade-capital do Estado;
Um espaço racionalmente
(geometricamente) planificado;
São destruídas áreas
medievais para construir
grandes praças;
Um dos elementos
fundamentais destas praças,
sobretudo em Itália, são as
fontes;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

57
Principais praças italianas: Piazza del Popolo, Piazza
Navona e Praça de Espanha;
Das fontes salienta-se a Fonte dos Quatro Rios, na Piazza
Navona de Bernini;

HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

58
Em Espanha surge a plaza mayor, um grande espaço
quase sempre quadrangular, dominado por palácios,
igrejas, fontes, jardins, etc.

Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da
Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011
HCA, Módulo 6, Curso Profissional
Turismo

59

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rococó em Portugal
Rococó em PortugalRococó em Portugal
Rococó em Portugal
Mluzsantos
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
Módulo 7 a arte rococó
Módulo 7   a arte rococóMódulo 7   a arte rococó
Módulo 7 a arte rococó
Carla Freitas
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
Ana Barreiros
 
A Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio IA Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio I
luisant
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
Carlos Pinheiro
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
31 - Arte barroca
31  - Arte barroca31  - Arte barroca
31 - Arte barroca
Carla Freitas
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
Carla Freitas
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
Hca Faro
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
Ana Barreiros
 
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Módulo 7   arquitetura neoclássicaMódulo 7   arquitetura neoclássica
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Carla Freitas
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
Tekas1967
 
Context a cultura do salão o rococó
Context a cultura do salão   o rococóContext a cultura do salão   o rococó
Context a cultura do salão o rococó
cattonia
 
Basílica de São Pedro
Basílica de São PedroBasílica de São Pedro
Basílica de São Pedro
Ana Clara Almeida
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Rui Neto
 
A pintura gótica ii
A pintura gótica iiA pintura gótica ii
A pintura gótica ii
Ana Barreiros
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
Ana Barreiros
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Rococó em Portugal
Rococó em PortugalRococó em Portugal
Rococó em Portugal
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Módulo 7 a arte rococó
Módulo 7   a arte rococóMódulo 7   a arte rococó
Módulo 7 a arte rococó
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
 
A Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio IA Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio I
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
31 - Arte barroca
31  - Arte barroca31  - Arte barroca
31 - Arte barroca
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Módulo 7   arquitetura neoclássicaMódulo 7   arquitetura neoclássica
Módulo 7 arquitetura neoclássica
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Context a cultura do salão o rococó
Context a cultura do salão   o rococóContext a cultura do salão   o rococó
Context a cultura do salão o rococó
 
Basílica de São Pedro
Basílica de São PedroBasílica de São Pedro
Basílica de São Pedro
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
A pintura gótica ii
A pintura gótica iiA pintura gótica ii
A pintura gótica ii
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 

Semelhante a 02 arquitetura barroca

A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
ssuser3b314d
 
03 escultura barroca
03 escultura barroca03 escultura barroca
03 escultura barroca
Vítor Santos
 
15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
sofiasimao
 
Barroco
Barroco   Barroco
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
Eugenia silva
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regime
Vítor Santos
 
01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio
Vítor Santos
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Carlos Pinheiro
 
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
Vítor Santos
 
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Carlos Teodoro
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
www.historiadasartes.com
 
05 maneirismo
05 maneirismo05 maneirismo
05 maneirismo
Vítor Santos
 
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Tânia Domingos
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
restauracao
 
Arte Barroca no Mundo.pptx
Arte Barroca no Mundo.pptxArte Barroca no Mundo.pptx
Arte Barroca no Mundo.pptx
MaiconGoncalves2
 
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
Hist8
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
José Palma
 
7 barroco 2020
7 barroco 20207 barroco 2020
7 barroco 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
02 romantismo
02 romantismo02 romantismo
02 romantismo
Vítor Santos
 
O barroco-
O barroco-O barroco-
O barroco-
borgia
 

Semelhante a 02 arquitetura barroca (20)

A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
 
03 escultura barroca
03 escultura barroca03 escultura barroca
03 escultura barroca
 
15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regime
 
01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
 
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
 
05 maneirismo
05 maneirismo05 maneirismo
05 maneirismo
 
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
 
Arte Barroca no Mundo.pptx
Arte Barroca no Mundo.pptxArte Barroca no Mundo.pptx
Arte Barroca no Mundo.pptx
 
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
7 barroco 2020
7 barroco 20207 barroco 2020
7 barroco 2020
 
02 romantismo
02 romantismo02 romantismo
02 romantismo
 
O barroco-
O barroco-O barroco-
O barroco-
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

02 arquitetura barroca

  • 1. A Arquitetura Barroca Arte e Retórica http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 1
  • 2. Praça de S. Pedro, Bernini (1656-57) HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 2
  • 3. O espírito do barroco traduz-se nesta metáfora: “Os homens e mulheres, moveram-se como atores, representaram a sua própria vida no palco que é o mundo”; Fonte de Trevi HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 3
  • 4. Foi uma época de contradições; O Barroco traduziu um mundo abalado por conflitos sociais e religiosos, guerras, etc.; A arte tinha uma função dupla: fascinar pelos sentidos e transmitir uma forte mensagem ideológica; Nazoni, Bom Jesus de Matosinhos HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 4
  • 5. Versalhes Um dos melhores exemplos dessa encenação do Barroco é o Palácio de Versalhes; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 5
  • 6. Basílica de São Pedro (interior) HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 6
  • 7. À pompa e esplendor contrapõe-se um profundo sentido de fé e crença religiosa; Ao prazer dos sentidos contrapõe-se a consciência objetiva da morte; O barroco dirigiu-se ao grande público; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 7
  • 8. Destinava-se a persuadir e estimular emoções; Pelo movimento curvilíneo, real ou aparente; Pela assimetria; Pelos jogos de luz e sombra; Pela procura do infinito, teatral, do fantástico, do cenográfico; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 8
  • 9. O Barroco é uma arte comandada pela emoção, afetividade e misticismo e não pela razão; Procura alcançar o público pelos sentidos; Talha dourada, Igreja de S. Francisco, Porto HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 9
  • 10. A arquitetura barroca nasceu em Roma, na época da Contra-Reforma; Serviu as diretrizes emanadas do Concílio de Trento; Igreja Il Gesú, Roma HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 10
  • 11. Um concílio é uma reunião de autoridades eclesiásticas com o objetivo de discutir e deliberar sobre questões pastorais, de doutrina, fé e costumes (moral). Em 1545 reuniu-se o Concílio de Trento, convocado pelo Papa Paulo III. Terminou os seus trabalhos em 1563; Condena o protestantismo; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 11
  • 12. Expandiu-se para os países de maioria protestante (Alemanha, Holanda), adaptando-se a novos gostos e particularidades, sobretudo na pintura; Durante o século XVII expandiu-se para o Oriente e América; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 12
  • 13. Igreja Santa Susana, Roma Igreja S. Paulo, Macau Catedral de Havana, Havana HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 13
  • 14. A Arquitetura barroca foi uma associação da arte com o poder (do papa e dos monarcas absolutos); Papas e reis procuravam valorizar as suas imagens através da ostentação do poder; Retrato de D. João V HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 14
  • 15. Mais do que um estilo, o Barroco, foi um gosto que se soube adaptar a vários interesses diferentes; Inspirou-se na Antiguidade e Renascimento mas foi uma arte original, imaginativa, fantasista, cénica, ao gosto pessoal dos seus criadores; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 15
  • 16. Bernini, Baldaquino de S. Pedro, Vaticano Usaram as ordens clássicas e renascentistas (dórica, jónica, coríntia, compósita, colossal) às quais acrescentaram a ordem torsa ou salomónica; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 16
  • 17. Utilizaram a mesma gramática formal da Antiguidade e Renascimento: colunas, entablamentos, frontões, só que agora quebrados e por vezes assimétricos; Bernini, Igreja de S. André do Quirinal, Roma HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 17
  • 18. A arquitectura barroca caracteriza-se pela: Libertação espacial; Fim do estatismo e simetria; Procura da fantasia e do movimento; Guarini, Palácio Carignano, Turim HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 18
  • 19. Jardins de Belvedere, Viena Existe uma aliança da arquitectura com a pintura, a escultura, a jardinagem e os jogos de água; Os arquitectos procuraram criar efeitos ilusórios; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 19
  • 20. Borromini, Igreja de S. Inês, Roma A sensação de movimento e efeitos cénicos é reforçada por: A combinação e abundância de linhas opostas; Jogos de claro-escuro (paredes salientes ou com reentrâncias); HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 20
  • 21. Elementos até então construtivos são usados como decorativos, como por exemplo as colunas; O barroco é uma arte liberta de regras formais e intelectuais; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 21
  • 22. Primeiros arquitetos a utilizarem estes princípios: Giacomo della Porta (1533-1602); Vignola (1507-1573); Foram os divulgadores da Contrarreforma artística; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 22
  • 23. Primeiro arquiteto barroco: Carlo Maderno (1576-1636); Principais arquitetos: Bernini (1598-1680); Borromini (1599-1667); Baltazar Longhena (1598-1682); Guarino Guarini (1624-1683); HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 23
  • 24. As grandes alterações na arquitetura foram motivadas pela necessidade de adaptar as Igrejas às novas exigências da liturgia propostas pelo Concílio de Trento; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 24
  • 25. Bernini, Igreja de S. André do Quirinal,1568-78, Roma HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 25
  • 26. As primeiras igrejas foram de dimensões modestas; Foram a Basílica de S. Pedro e a Igreja de Il Gesú que anunciaram as linhas orientadoras da arquitetura barroca; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 26
  • 27. Basílica de S. Pedro Júlio II (1503-13) decidiu derrubar a igreja velha,18 de Abril de 1506 Bramante recebeu o encargo de desenhar a nova; Um século mais tarde trabalharam como arquitetos: Rafael, Fra Giocondo, Giuliano da Sangallo, Baldassare Peruzzi, Antonio da Sangallo; O Papa Paulo III (1534-49) em 1546 entregou a direção dos trabalhos a Miguel Ângelo; Vignola, Pirro Ligorio, Giacomo della Porta continuaram os trabalhos na basílica; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 27
  • 28. O poder papal e real preocupou-se em erigir igrejas luxuosas; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 28
  • 29. HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 29
  • 30. Plantas de Igrejas Barrocas As plantas das igrejas barrocas apresentam uma grande diversidade formal: Baseadas em formas geométricas curvas, elípticas, ovais, irregulares; Mas preferiram as plantas de HCA, Módulo 6, Curso Profissional nave única ou igreja-salão. Turismo 30
  • 31. As paredes alternavam entre o côncavo e o convexo, formando paredes ondulantes; Criando efeitos de surpresa e jogos de claro-escuro; No interior estão cobertas por pinturas e talha dourada; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 31
  • 32. HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 32
  • 33. Guarini, Capela do Santo Sudário, 1667, Turim A cobertura era constituída por abóbadas; E sobretudo por cúpulas colossais (representava simbolicamente o céu) HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 33/
  • 34. Borromini, Igreja de Santa Inês, 1652, Roma Borromini, Igreja de S. Carlos, 1667, Roma HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 34
  • 35. As fachadas, seguem o esquema renascentista de rematar o corpo central com um frontão (acentuar a verticalidade); Depois aparecem fachadas mais elaboradas, divididas em andares, com formas côncavas e convexas e por vezes irregulares; O Portal principal destaca-se pela ornamentação muito elaborada; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 35
  • 36. Basílica de S. Pedro, interior HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 36
  • 37. A decoração interior foi feita para aumentar a sensação de movimento; Surgem pinturas murais com linhas ondulantes, muitos figurantes, anjos inseridos numa luz celestial; Pintura mural, Pietro de Cortona, Triunfo da Divina Providência HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 37
  • 38. Igreja de Santa Clara, Porto HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 38
  • 39. Nas cúpulas o céu é pintados nestas cenas procurando obter um efeito de trompe-l’oeil; Para além das pinturas aparece o mármore policromada, a talha dourada, estátuas, retábulos, telas, órgãos, etc. Ajudam a criar um ambiente sensorial; Andrea Pozzo, A glorificação de S. Inácio HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 39
  • 40. Arquitectura civil HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 40
  • 41. Bernini, Palácio Barberini, 1628, Roma HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 41
  • 42. Guarini, Palácio Carignano, 1678, Turim HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 42
  • 43. Inigo Jones, planta do Palácio Queen’s House, Greenwich, 1616 HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 43
  • 44. Versalhes, vista aérea HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 44
  • 45. HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 45
  • 46. HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 46
  • 47. Escadarias do Palácio de Pommerfelden HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 47
  • 48. A arquitetura civil limitou-se aos palácios urbanos e villas da aristocracia; Os jardins faziam parte do enquadramento paisagístico do edifício; A planta tinha forma de U ou duplo U; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 48
  • 49. Na fachada, o corpo central e a porta tinham mais decoração que os corpos laterais; O andar mais importante (piano nobile) era o 1º, residência da família; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 49/72
  • 50. Interiormente, o piano nobile, normalmente tinha no centro um grande salão; Ligando os diferentes andares havia galerias e escadas com decoração; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 50
  • 51. As villas seguem os mesmos princípios, mas aqui o jardim ganha uma importância fundamental; A arte do jardim redescoberta no Renascimento, foi desenvolvida e enriquecida com bosques, grutas artificiais, labirintos, etc.; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 51
  • 52. O jardim era organizado segundo um eixo central e depois organizado geometricamente, era o “jardim à francesa”; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 52
  • 53. O Barroco existiu para fascinar e deslumbrar. Sendo uma arte urbana, as cidades possuíam ruas e avenidas retas, largas praças, fontes extravagantes e as fachadas dos palácios e igrejas; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 53
  • 54. Piazza Navona HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 54
  • 55. Piazza del Popolo Praça de Espanha HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 55
  • 56. A sociedade barroca era festiva (casamento, nascimento, chegada ou morte de um rei ou príncipe, procissão, autode-fé); Este modo de entender a vida fez surgir um novo tipo de cidade; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 56
  • 57. Cidade-capital do Estado; Um espaço racionalmente (geometricamente) planificado; São destruídas áreas medievais para construir grandes praças; Um dos elementos fundamentais destas praças, sobretudo em Itália, são as fontes; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 57
  • 58. Principais praças italianas: Piazza del Popolo, Piazza Navona e Praça de Espanha; Das fontes salienta-se a Fonte dos Quatro Rios, na Piazza Navona de Bernini; HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 58
  • 59. Em Espanha surge a plaza mayor, um grande espaço quase sempre quadrangular, dominado por palácios, igrejas, fontes, jardins, etc. Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011 HCA, Módulo 6, Curso Profissional Turismo 59