O Rococó em Portugal e em Espanha <ul><li>A Península Ibérica prolongou as manifestações do Barroco pelo século XVIII faze...
Palácio do Marquês de Duas Águas- Valência, de  Rovira e Vergara
<ul><li>“ Altar transparente” </li></ul><ul><li>De Narciso Tomé, Catedral de Toledo </li></ul>
Palácio de Queluz de Mateus Vicente de Oliveira
Palácio de Queluz Fachada de Malta
Capela de Santa Madalena na Falperra, de André Soares
<ul><li>“ Estátua equestre de D. José I” </li></ul><ul><li>de Machado de Castro </li></ul>
Presépio do Convento do Coração de Jesus, de Machado de Castro
“ Virgem e Santos”, “Salvador do Mundo”   de Pedro Alexandrino
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rococó em Portugal

6.168 visualizações

Publicada em

Rococó em Portugal

Publicada em: Educação, Turismo, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.168
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rococó em Portugal

  1. 1. O Rococó em Portugal e em Espanha <ul><li>A Península Ibérica prolongou as manifestações do Barroco pelo século XVIII fazendo a ligação com a decoração Rococó, sem cortes nem rupturas. </li></ul><ul><li>Em Espanha, este movimento resultou da influência de Churriguera com o gosto francês e italiano, como F. Juvara, G. Sacchetti e Tieppolo. </li></ul><ul><li>As estruturas arquitectónicas permaneceram barrocas, mas foram guarnecidas com o novo gosto decorativo, como é o do “Altar Transparente”na Catedral de Toledo, de Narciso Tomé. </li></ul><ul><li>Em Portugal, devido à tardia adopção da gramática barroca, os dois movimentos confundem-se e completam-se, tal como em Espanha. Os artistas e as obras, da 2ª fase do Barroco, são, com algumas excepções, os mesmos que os do Rococó. </li></ul><ul><li>Na arquitectura, distinguiram-se André Ribeiro Soares da Silva, que trabalhou na decoração da capela de Santa Maria Madalena na Falperra; Mateus Vicente de Oliveira, arquitecto do Palácio de Queluz, deu-nos uma obra de estrutura barroca, decoração Rococó e fachada neoclássica. Esta diversidade resultou do longo tempo que levou a construção, terminada, provavelmente, por Robillon . </li></ul>
  2. 2. Palácio do Marquês de Duas Águas- Valência, de Rovira e Vergara
  3. 3. <ul><li>“ Altar transparente” </li></ul><ul><li>De Narciso Tomé, Catedral de Toledo </li></ul>
  4. 4. Palácio de Queluz de Mateus Vicente de Oliveira
  5. 5. Palácio de Queluz Fachada de Malta
  6. 6. Capela de Santa Madalena na Falperra, de André Soares
  7. 7. <ul><li>“ Estátua equestre de D. José I” </li></ul><ul><li>de Machado de Castro </li></ul>
  8. 8. Presépio do Convento do Coração de Jesus, de Machado de Castro
  9. 9. “ Virgem e Santos”, “Salvador do Mundo” de Pedro Alexandrino

×