A cristandade ocidental face ao islão parte 3

2.200 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
395
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A cristandade ocidental face ao islão parte 3

  1. 1. Indicador de aprendizagem: Explica o papel desempenhado pela Igreja Católica na coesão interna do mundo ocidental
  2. 2. O Papa Gregório VII afirmou que apenas o Papa, em nome de Cristo, tinha um poder absoluto e universal, estando este acima dos príncipes e que podia demitir quem não respeitasse os direitos de Deus e da Igreja.Este conflito evidenciou diversas divergências entre os imperadores e os papas.Apesar da contestação , a Igreja Católica dominava o cenário religioso. Detentora dopoder espiritual, a Igreja influenciava o modo de pensar, a psicologia e as formas decomportamento na Idade Média. Aqueles que questionavam os dogmas (verdades reveladas) instituídos pela Igreja eram vistos como inimigos- Hereges Criação do Tribunal do Santo Ofício, mais conhecido como tribunal da Inquisição.
  3. 3. A medo vivo, a medo escrevo e falo, Hei medo do que falo só comigo Mas ainda a medo cuido, a medo calo. Encontro a cada passo um inimigoQue me faz temer de mim mesmo e do amigo. António Ferreira
  4. 4. A Inquisição foi criada pelo Papa Gregório IX em 20 de abril de 1233, etinha o caráter de instituição judicial cujos objetivos eramlocalizar, processar e sentenciar pessoas culpadas de heresia. AInquisição vigiava, perseguia e condenava aqueles que fossem suspeitosde praticar outras religiões. Vídeo
  5. 5. Fases do Processo Inquisitorial
  6. 6.  A tortura era um recurso utilizado para extrair confissões dos acusados de pequenos delitos, até crimes mais graves. Diversos métodos de tortura foram desenvolvidos ao longo dos anos. Os métodos de tortura mais agressivos eram reservados àqueles que provavelmente seriam condenados à morte.
  7. 7.  As pessoas viviam amedrontadas e sabiam que podiam ser denunciadas a qualquer momento sem que houvesse necessariamente razão para isso. Quando alguém era denunciado, levavam-no preso e, muitas vezes, era torturado até confessar. Alguns dos suspeitos chegavam a confessar-se culpados só para acabar com a tortura. No caso do acusado não se mostrar arrependido ou de ser reincidente, era condenado, em cerimónias chamadas autos-da-fé, a morrer na fogueira.
  8. 8. Fases do Processo Inquisitorial
  9. 9. Mesa de evisceração Conhecida também de esquartejamento manual.O condenado era colocado deitado, preso pelas juntas e eviscerado vivo pelo carrasco. Abria-lhe o estômago com uma lâmina, prendia com pequenos pregos as vísceras e, com a roda, lentamente ia puxando os ganchos. Os órgãos iam saindo do corpo durante horas, até morrer.Espanha / Portugal
  10. 10. Fui preso apesar de estar inocente(...). Em cento e cinquentapresos da Inquisição nem cinco são culpados. As provas de culpafazem-se à força das torturas que eles praticam, até emmeninos com oito anos ou pouco mais.(...) Estive preso perto daCasa do Tormento e pude ouvir a crueldade com que se obtinhaa confissão e ouvir o queixume dos atormentados. Por estarazão, os presos confessam o que nunca fizeram ou sequersonharam, e culpam por cúmplices quantas pessoas lhes vêm àcabeça, mesmo sem culpa nenhuma, apenas para se verem livresda tortura e para os não tornarem a atormentar(...). Tudo issoacontece pelo ódio que os cristãos – velhos têm aos cristãos –novos. De um processo de Inquisição de Lisboa
  11. 11. As sentenças do Tribunal eram lidas e executadas em Cerimóniaspúblicas - Autos de Fé. Os gritos dos condenados provocavam o júbilo da assistência. Exclamações de alegria acompanhavam as sessões
  12. 12. Toda a atmosfera criada tinha como objectivo levar à confissão pelomedo e pelo terror. A morte pelo fogo era um acto de fé para salvar uma alma condenada
  13. 13. Vídeo: “As cruzadas”
  14. 14. No século XI, dentro do contexto histórico da expansão árabe, osmuçulmanos conquistaram a cidade sagrada de Jerusalém. Diantedessa situação, o papa Urbano II convocou a Primeira Cruzada(1096), com o objetivo de expulsar os "infiéis" (árabes) da TerraSanta. Iiniciou-se um movimento de expansão militar e económicacontra dois territórios dominados pelos Islâmicos e que os Europeusreivindicavam como seus: a Ocidente a Península Ibérica e a Orientea Palestina. São as Cruzadas do Ocidente e do Oriente (séc. XI aXIV).
  15. 15. O discurso proferido pelo papa Urbano II, na França – Concílio de Clermont ""Deixai os que outrora estavam a se baterem, impiedosamente contra os fiéis, em guerras particulares, lutarem contra os infiéis... Deixai os que até aqui foram ladrões, tornarem-se soldados. Deixai aqueles que outrora se bateram contra seus irmãos e parentes, lutarem agora contra os bárbaros como devem. Deixai os que outrora foram mercenários, a baixos salários, receberem agora a recompensa eterna. Uma vez que a terra que vós habitais, fechada por todos os lados pelo mar e circundada por picos e montanhas, é demasiadamente pequena para vossa grande população: a sua riqueza não abunda, mal fornece o alimento necessário aos seus cultiva- dores... Tomai o caminho do Santo Sepulcro; arrebatai aquela terra à raça perversa e submetei-a a vós mesmos...“ Papa Urbano II
  16. 16. Lê osdocumentosda pág . 26 e 27
  17. 17.  As cruzadas foram expedições militares que partiam da Europa Ocidental rumo ao Oriente com o objetivo de reconquistar a Terra Santa, Jerusalém que se encontrava em poder dos muçulmanos. Os cruzados, assim chamados os participantes das Cruzadas, assim se intitulavam por que se consideravam marcados pelo sinal da cruz e tinham uma cruz bordada na roupa.
  18. 18. • apresentavam-se como um contra-ataque da Europa Cristã para romper o cerco muçulmano que a Europa estivera submetida desde o século VIII. • Desenvolvimento do comércio e das cidades italianas de Veneza e Génova • possibilitou a reabertura do Mediterrâneo à navegação e ao comércio daEconómico Europa. • Influenciando o aparecimento da burguesia • forma de aliviar a pressão demográfica no continente Social que ameaçava destruir o feudalismo • Saque de Constantinopla: tensões entre cristãos/muçulmanos, cristãos romanos/ ortodoxos. • Para a Igreja Católica o movimento significou aReligioso possibilidade para expansão da sua fé

×