SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 70
Baixar para ler offline
Filosofia Contemporânea
Estruturação: Prof. Gilberto Cotrim
Fundamentos da Filosofia
História e grandes temas
No século XX, os fundamentos do mundo
sofreram contínuos abalos. E a coisa mais
penosa dessa época é que só os tolos exibem
convicções e certezas, enquanto os que
possuem imaginação e raciocínio vivem
repletos de dúvidas e indecisões.
Bertrand Russel
No século XX, os fundamentos do mundo
sofreram contínuos abalos. E a coisa mais
penosa dessa época é que só os tolos exibem
convicções e certezas, enquanto os que
possuem imaginação e raciocínio vivem
repletos de dúvidas e indecisões.
Bertrand Russel
Século XX: Era de incertezas
Ao mesclar destruição e violência com uma
estupendo progresso
técnino-científico, desenvolveu-se no século XX
uma mentalidade menos arrogante quanto aos
benefícios infalíveis da racionalidade científica.
Século XX: Era de incertezas
Ao mesclar destruição e violência com uma
estupendo progresso
técnino-científico, desenvolveu-se no século
XX uma mentalidade menos arrogante quanto
aos benefícios infalíveis da racionalidade
científica.
O Existencialismo
O existencialismo busca falar sobre a
existência humana.
A relação do homem consigo mesmo, com
outros seres humanos, com os objetos culturais
e com a natureza.
O Existencialismo
Apresenta uma visão dramática
da condição humana.
Albert Camus (1913 – 1960):
a única questão séria
é o suicídio.
Concepções e Características
do Existencialismo
Ser Humano
É entendido como uma realidade imperfeita,
aberta e inacabada, que foi “lançada” ao
mundo e vive sob riscos e ameaças.
Liberdade Humana
Não é plena, mas condicionada às
circunstância históricas da existência. Nesse
sentido, querer não se identifica
com poder.
Homens e mulheres agem no mundo
superando ou não os obstáculos que se lhes
apresentam.
Vida Humana
É marcada por situações de sofrimento, como
doença, dor, injustiça, luta pela sobrevivência,
fracassos, velhice e morte.
É preciso considerar esses aspectos adversos
da vida e encará-los de frente.
Vida Humana
É marcada por situações de sofrimento, como
doença, dor, injustiça, luta pela sobrevivência,
fracassos, velhice e morte.
É preciso considerar esses aspectos adversos
da vida e encará-los de frente.
Filósofos Preexistencialistas:
Schopenhauer, Kierkegaard,
Nietzsche e Husserl.
Filósofos Preexistencialistas:
Schopenhauer, Kierkegaard,
Nietzsche e Husserl.
Edvard Munch, 1893
“Passeava com dois amigos ao pôr do sol quando o
céu ficou de súbito vermelho-sangue.
Eu parei, exausto, e inclinei-me sobre a vedação.
Havia sangue e línguas de fogo sobre o azul-escuro do
fiorde e sobre a cidade.
Os meus amigos continuaram,
mas eu fiquei ali a tremer de ansiedade e senti o grito
infinito da Natureza.”
Edvard Munch
Schpenhauer:
vontade e representação
“É mais feliz aquele que consegue viver sem
grandes sofrimentos do que o outro que vive
cercado de alegrias e prazeres.”
“O tolo vive perseguindo a alegria da vida e
acaba ludibriado, enquanto o sábio procura
evitar o mal.”
Schpenhauer:
vontade e representação
Sua filosofia se caracteriza por uma visão
pessimista do homem e da vida. Para ele, o
ser humano seria essencialmente vontade, o
que o levaria a desejar sempre mais,
produzindo uma insatisfação constante.
Schpenhauer:
vontade e representação
Sua filosofia se caracteriza por uma visão
pessimista do homem e da vida. Para ele, o
ser humano seria essencialmente vontade, o
que o levaria a desejar sempre mais,
produzindo uma insatisfação constante.
Schpenhauer:
vontade e representação
Para Schopenhauer, apenas pela arte e
ascese, ou seja, abandono de si, pode o
homem se libertar da dor.
Kierkegaard:
a experiência única da vida
O pensador dinamarquês, como pensador
cristão, defendeu o conhecimento que se
origina da fé.
Afirmava que a existência humana possui três
dimensões: a dimensão estética, a dimensão
ética e a dimensão religiosa.
Kierkegaard:
a dimensão estética
Na qual se procura o prazer.
Kierkegaard:
a dimensão ética
Na qual se vivencia o problema da liberdade e
da contradição entre
o prazer e o dever.
Kierkegaard:
a dimensão religiosa
Marcada pela fé.
De acordo com Kierkegaard, cabe ao homem
escolher em que dimensão ele quer viver, já
que se trata de dimensões que se excluem
entre si.
Essas dimensões podem ser entendidas,
também, como etapas pelas quais o homem
passa durante a sua existência: primeiro viria a
estética, depois a ética e, por último, a
religiosa.
Kierkegaard:
A relação do homem com o mundo - outros
seres humanos e a natureza – é dominada
pela angústia.
A angústia é entendida como o sentimento
profundo que temos ao perceber a instabilidade
de viver num mundo de acontecimentos
possíveis, sem garantia de que nossas
expectativas sejam realizadas.
Kierkegaard:
A relação do homem consigo mesmo é
marcada pela inquietação e pelo desespero.
Motivos: ausência de satisfação plena ou
impossibilidade de realizar aquilo que
pretendia.
Kierkegaard:
A relação do homem com Deus seria talvez a
única via para a superação da angústia e do
desespero. Contudo, é marcada pelo
paradoxo de ter de compreender pela fé o que
é incompreensível pela razão.
Nietzsche:
humano, demasiado humano.
“Não há fatos, só interpretações.”
Nietzsche:
Apolíneo e dionisíaco
Em sua obra, Nietzsche critica a tradição da
filosofia ocidental a partir de Sócrates, a quem
acusa de ter negado a intuição criadora da
filosofia anterior,
a pré-socrática.
Nietzsche:
Apolíneo e dionisíaco
Apolo:
deus da razão, da clareza, da ordem.
Dionísio:
deus da aventura, da música, da fantasia e da
desordem.
Nietzsche:
Genealogia da moral
Desenvolveu uma crítica intensa dos valores
morais, propondo uma nova abordagem: a
genealogia da moral, isto é, o estudo da
formação histórica dos valores morais.
Nietzsche:
Genealogia da moral
Conclusão: não existem noções
absolutas de bem e de mal.
Ou seja, são produtos histórico-culturais.
Para o filósofo as religiões impõe esses valores
humanos como se fossem divinos.
Nietzsche:
Genealogia da moral
Assim, podemos compreender que os valores,
sendo humanos, podem ter seu valor
questionado.
Porém, teremos que enfrentar o risco de
vivermos por nós mesmos.
Nietzsche:
Niilismo
Definição simples: negação de todo o princípio
religioso, político e social.
Quando o cristianismo deixou de ser a “única
verdade” para se tornar uma das
interpretações possíveis do mundo, toda a
civilização ocidental e seus valores absolutos
foram postos em xeque.
Nietzsche:
Niilismo
“Deus está morto!”
Rejeição à crença num ser absoluto e
transcendental, capaz de traçar para todos os
humanos “o caminho, a verdade e a vida.”
Nietzsche:
Niilismo
“Ouse conquistar a si mesmo”
Orientação de Nietzsche àqueles que buscam
viver a “liberdade da razão”, sem conformismo,
resignação ou submissão.
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
“Consciência é intencionalidade.
É sempre consciência de alguma coisa.”
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
“Consciência é intencionalidade.
É sempre consciência de alguma coisa.”
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
Formulou um método de investigação filosófica
conhecido como fenomenologia.
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
Dessa maneira, busca-se analisar como se
forma, para nós, o campo de nossa
experiência, sem que o sujeito ofereça
resistência ao fenômeno estudado nem se
desvie dele.
Husserl:
a fenomenologia e o retorno
às próprias coisas.
O método fenomenológico consiste,
basicamente, na observação e descrição
rigorosa do fenômeno, isto é, daquilo que se
manifesta, aparece ou se oferece aos
sentidos ou à consciência.
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
Paris, França 1905 -1980
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
Paris, França 1905 -1980
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
“A liberdade é o fundamento de todos
os valores. O homem é aquilo que ele
faz de si mesmo.”
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
“A liberdade é o fundamento de todos
os valores. O homem é aquilo que ele
faz de si mesmo.”
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
“A liberdade é o fundamento de todos
os valores. O homem é aquilo que ele
faz de si mesmo.”
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
“A liberdade é o fundamento de todos
os valores. O homem é aquilo que ele
faz de si mesmo.”
Sartre:
a responsabilidade por
aquilo que fazemos.
A existência precede a essência.
A existência precede a essência.
Ponto 1: os objetos não possuem uma essência
anterior e que devemos nos concentrar nas
suas manifestações “existenciais” para
conhecê-los.
A existência precede a essência.
Ponto 2: o homem também não tem uma
essência predeterminada, ou seja, antes de
existir o home é “nada”.
A existência precede a essência.
Ponto 2: o homem também não tem uma
essência predeterminada, ou seja, antes de
existir o home é “nada”.
Desse modo, o existencialismo, indica que o
modo como o sujeito vive sua própria vida
determinará o que ele é.
O existencialismo de Sartre é ateu, pois afirma
que o homem não possui elementos que
indiquem uma natureza prévia, ou uma
essência.
Resta ao humano assumir sua existência.
Portanto, a ausência de uma essência prévia
tem como consequência imediata a liberdade.
A consciência da liberdade é o que Sartre
denomina angústia.
Liberdade e Situação:
Não há nenhuma razão que justifique como o
mundo é. Essa absoluta contingência do
mundo é o que dissolve as verdades e as
fundamentações para a existência humana.
Liberdade e Situação:
Na vida de um presidiário, nenhuma ação tira a
liberdade do preso, apenas a coloca sob
determinada situação.
Sem obstáculos não há liberdade.
Gandhi (1869-1948)
O existencialismo e a ética:
a escolha universal
Angustia moral é a enorme responsabilidade
que temos perante toda a humanidade, na
medida em que, ao escolhermos quem somos,
estamos escolhendo como todos deveriam ser.
“Se vocês procuram por um culpado, basta
olhar no espelho.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 

Semelhante a Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea

Filosofia Contemporânea.ppt
Filosofia Contemporânea.pptFilosofia Contemporânea.ppt
Filosofia Contemporânea.pptIgor da Silva
 
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdfExistencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdffirminomaissociologiafilosofia2019
 
Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoSilvia Cintra
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosBruno Carrasco
 
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumoNicolas Pelicioni
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoBruno Carrasco
 
Nietzsche, vida e principais ideias
Nietzsche, vida e principais ideiasNietzsche, vida e principais ideias
Nietzsche, vida e principais ideiasGabrielFarias387861
 
Filosofia contemporânea -Prof.Altair Aguilar.
Filosofia contemporânea -Prof.Altair Aguilar.Filosofia contemporânea -Prof.Altair Aguilar.
Filosofia contemporânea -Prof.Altair Aguilar.Altair Moisés Aguilar
 
Confessionalidade.pptx
Confessionalidade.pptxConfessionalidade.pptx
Confessionalidade.pptxRenatoRBorges
 

Semelhante a Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea (20)

Filosofia Contemporânea.ppt
Filosofia Contemporânea.pptFilosofia Contemporânea.ppt
Filosofia Contemporânea.ppt
 
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdfExistencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
 
Nietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existênciaNietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existência
 
Niilismo de nietzsche
Niilismo de nietzscheNiilismo de nietzsche
Niilismo de nietzsche
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimo
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitos
 
Karl jaspers
Karl jaspersKarl jaspers
Karl jaspers
 
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismo
 
Revisão de ética
Revisão de éticaRevisão de ética
Revisão de ética
 
Revisão de ética
Revisão de éticaRevisão de ética
Revisão de ética
 
Existencialismo Pronto
Existencialismo ProntoExistencialismo Pronto
Existencialismo Pronto
 
A Psico Existent.pptx
A Psico Existent.pptxA Psico Existent.pptx
A Psico Existent.pptx
 
Nietzsche, vida e principais ideias
Nietzsche, vida e principais ideiasNietzsche, vida e principais ideias
Nietzsche, vida e principais ideias
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Programa - Depois da morte
Programa - Depois da mortePrograma - Depois da morte
Programa - Depois da morte
 
Filosofia contemporânea -Prof.Altair Aguilar.
Filosofia contemporânea -Prof.Altair Aguilar.Filosofia contemporânea -Prof.Altair Aguilar.
Filosofia contemporânea -Prof.Altair Aguilar.
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
 
Confessionalidade.pptx
Confessionalidade.pptxConfessionalidade.pptx
Confessionalidade.pptx
 

Mais de Rafael Oliveira

Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoPassagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoRafael Oliveira
 
UEL - O Vestibular e seus eixos temáticos
UEL - O Vestibular e seus eixos temáticosUEL - O Vestibular e seus eixos temáticos
UEL - O Vestibular e seus eixos temáticosRafael Oliveira
 
Avaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e AristótelesAvaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e AristótelesRafael Oliveira
 
Immanuel Kant - Roteiro de aula
Immanuel Kant - Roteiro de aulaImmanuel Kant - Roteiro de aula
Immanuel Kant - Roteiro de aulaRafael Oliveira
 
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeEmpirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeRafael Oliveira
 
René Descartes - Roteiro de aula
René Descartes - Roteiro de aulaRené Descartes - Roteiro de aula
René Descartes - Roteiro de aulaRafael Oliveira
 
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os ...
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos  da desigualdade entre os ...[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos  da desigualdade entre os ...
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os ...Rafael Oliveira
 
Do Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Do Mito ao Renascentismo - Aula de FilosofiaDo Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Do Mito ao Renascentismo - Aula de FilosofiaRafael Oliveira
 
Aula de Filosofia - Consumo Consciente
Aula de Filosofia - Consumo ConscienteAula de Filosofia - Consumo Consciente
Aula de Filosofia - Consumo ConscienteRafael Oliveira
 
Aula de Filosofia - Consumismo
Aula de Filosofia - ConsumismoAula de Filosofia - Consumismo
Aula de Filosofia - ConsumismoRafael Oliveira
 
Aula de Filosofia - Hegel
Aula de Filosofia - HegelAula de Filosofia - Hegel
Aula de Filosofia - HegelRafael Oliveira
 
Aula de Filosofia - Violência e concórdia
Aula de Filosofia - Violência e concórdiaAula de Filosofia - Violência e concórdia
Aula de Filosofia - Violência e concórdiaRafael Oliveira
 
Aula de Filosofia - Democracia, Sofistas e Sócrates
Aula de Filosofia - Democracia, Sofistas e SócratesAula de Filosofia - Democracia, Sofistas e Sócrates
Aula de Filosofia - Democracia, Sofistas e SócratesRafael Oliveira
 
Aula de Filosofia - Passagem do Mito - Filosofia
Aula de Filosofia - Passagem do Mito - FilosofiaAula de Filosofia - Passagem do Mito - Filosofia
Aula de Filosofia - Passagem do Mito - FilosofiaRafael Oliveira
 
Aula de Filosofia - Platão
Aula de Filosofia - PlatãoAula de Filosofia - Platão
Aula de Filosofia - PlatãoRafael Oliveira
 
Aula de Filosofia - Aristóteles
Aula de Filosofia - AristótelesAula de Filosofia - Aristóteles
Aula de Filosofia - AristótelesRafael Oliveira
 
Aristóteles mapa mental
Aristóteles   mapa mentalAristóteles   mapa mental
Aristóteles mapa mentalRafael Oliveira
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Rafael Oliveira
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012Rafael Oliveira
 

Mais de Rafael Oliveira (19)

Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoPassagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
 
UEL - O Vestibular e seus eixos temáticos
UEL - O Vestibular e seus eixos temáticosUEL - O Vestibular e seus eixos temáticos
UEL - O Vestibular e seus eixos temáticos
 
Avaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e AristótelesAvaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
 
Immanuel Kant - Roteiro de aula
Immanuel Kant - Roteiro de aulaImmanuel Kant - Roteiro de aula
Immanuel Kant - Roteiro de aula
 
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeEmpirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
 
René Descartes - Roteiro de aula
René Descartes - Roteiro de aulaRené Descartes - Roteiro de aula
René Descartes - Roteiro de aula
 
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os ...
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos  da desigualdade entre os ...[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos  da desigualdade entre os ...
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os ...
 
Do Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Do Mito ao Renascentismo - Aula de FilosofiaDo Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Do Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
 
Aula de Filosofia - Consumo Consciente
Aula de Filosofia - Consumo ConscienteAula de Filosofia - Consumo Consciente
Aula de Filosofia - Consumo Consciente
 
Aula de Filosofia - Consumismo
Aula de Filosofia - ConsumismoAula de Filosofia - Consumismo
Aula de Filosofia - Consumismo
 
Aula de Filosofia - Hegel
Aula de Filosofia - HegelAula de Filosofia - Hegel
Aula de Filosofia - Hegel
 
Aula de Filosofia - Violência e concórdia
Aula de Filosofia - Violência e concórdiaAula de Filosofia - Violência e concórdia
Aula de Filosofia - Violência e concórdia
 
Aula de Filosofia - Democracia, Sofistas e Sócrates
Aula de Filosofia - Democracia, Sofistas e SócratesAula de Filosofia - Democracia, Sofistas e Sócrates
Aula de Filosofia - Democracia, Sofistas e Sócrates
 
Aula de Filosofia - Passagem do Mito - Filosofia
Aula de Filosofia - Passagem do Mito - FilosofiaAula de Filosofia - Passagem do Mito - Filosofia
Aula de Filosofia - Passagem do Mito - Filosofia
 
Aula de Filosofia - Platão
Aula de Filosofia - PlatãoAula de Filosofia - Platão
Aula de Filosofia - Platão
 
Aula de Filosofia - Aristóteles
Aula de Filosofia - AristótelesAula de Filosofia - Aristóteles
Aula de Filosofia - Aristóteles
 
Aristóteles mapa mental
Aristóteles   mapa mentalAristóteles   mapa mental
Aristóteles mapa mental
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
 

Último

música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 

Último (20)

música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 

Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea

  • 1. Filosofia Contemporânea Estruturação: Prof. Gilberto Cotrim Fundamentos da Filosofia História e grandes temas
  • 2. No século XX, os fundamentos do mundo sofreram contínuos abalos. E a coisa mais penosa dessa época é que só os tolos exibem convicções e certezas, enquanto os que possuem imaginação e raciocínio vivem repletos de dúvidas e indecisões. Bertrand Russel
  • 3. No século XX, os fundamentos do mundo sofreram contínuos abalos. E a coisa mais penosa dessa época é que só os tolos exibem convicções e certezas, enquanto os que possuem imaginação e raciocínio vivem repletos de dúvidas e indecisões. Bertrand Russel
  • 4.
  • 5. Século XX: Era de incertezas Ao mesclar destruição e violência com uma estupendo progresso técnino-científico, desenvolveu-se no século XX uma mentalidade menos arrogante quanto aos benefícios infalíveis da racionalidade científica.
  • 6. Século XX: Era de incertezas Ao mesclar destruição e violência com uma estupendo progresso técnino-científico, desenvolveu-se no século XX uma mentalidade menos arrogante quanto aos benefícios infalíveis da racionalidade científica.
  • 7.
  • 8.
  • 9. O Existencialismo O existencialismo busca falar sobre a existência humana. A relação do homem consigo mesmo, com outros seres humanos, com os objetos culturais e com a natureza.
  • 10. O Existencialismo Apresenta uma visão dramática da condição humana. Albert Camus (1913 – 1960): a única questão séria é o suicídio.
  • 12. Ser Humano É entendido como uma realidade imperfeita, aberta e inacabada, que foi “lançada” ao mundo e vive sob riscos e ameaças.
  • 13. Liberdade Humana Não é plena, mas condicionada às circunstância históricas da existência. Nesse sentido, querer não se identifica com poder. Homens e mulheres agem no mundo superando ou não os obstáculos que se lhes apresentam.
  • 14. Vida Humana É marcada por situações de sofrimento, como doença, dor, injustiça, luta pela sobrevivência, fracassos, velhice e morte. É preciso considerar esses aspectos adversos da vida e encará-los de frente.
  • 15. Vida Humana É marcada por situações de sofrimento, como doença, dor, injustiça, luta pela sobrevivência, fracassos, velhice e morte. É preciso considerar esses aspectos adversos da vida e encará-los de frente.
  • 19. “Passeava com dois amigos ao pôr do sol quando o céu ficou de súbito vermelho-sangue. Eu parei, exausto, e inclinei-me sobre a vedação. Havia sangue e línguas de fogo sobre o azul-escuro do fiorde e sobre a cidade. Os meus amigos continuaram, mas eu fiquei ali a tremer de ansiedade e senti o grito infinito da Natureza.” Edvard Munch
  • 20.
  • 21. Schpenhauer: vontade e representação “É mais feliz aquele que consegue viver sem grandes sofrimentos do que o outro que vive cercado de alegrias e prazeres.” “O tolo vive perseguindo a alegria da vida e acaba ludibriado, enquanto o sábio procura evitar o mal.”
  • 22. Schpenhauer: vontade e representação Sua filosofia se caracteriza por uma visão pessimista do homem e da vida. Para ele, o ser humano seria essencialmente vontade, o que o levaria a desejar sempre mais, produzindo uma insatisfação constante.
  • 23. Schpenhauer: vontade e representação Sua filosofia se caracteriza por uma visão pessimista do homem e da vida. Para ele, o ser humano seria essencialmente vontade, o que o levaria a desejar sempre mais, produzindo uma insatisfação constante.
  • 24. Schpenhauer: vontade e representação Para Schopenhauer, apenas pela arte e ascese, ou seja, abandono de si, pode o homem se libertar da dor.
  • 25.
  • 26. Kierkegaard: a experiência única da vida O pensador dinamarquês, como pensador cristão, defendeu o conhecimento que se origina da fé. Afirmava que a existência humana possui três dimensões: a dimensão estética, a dimensão ética e a dimensão religiosa.
  • 27. Kierkegaard: a dimensão estética Na qual se procura o prazer.
  • 28. Kierkegaard: a dimensão ética Na qual se vivencia o problema da liberdade e da contradição entre o prazer e o dever.
  • 30. De acordo com Kierkegaard, cabe ao homem escolher em que dimensão ele quer viver, já que se trata de dimensões que se excluem entre si. Essas dimensões podem ser entendidas, também, como etapas pelas quais o homem passa durante a sua existência: primeiro viria a estética, depois a ética e, por último, a religiosa.
  • 31. Kierkegaard: A relação do homem com o mundo - outros seres humanos e a natureza – é dominada pela angústia. A angústia é entendida como o sentimento profundo que temos ao perceber a instabilidade de viver num mundo de acontecimentos possíveis, sem garantia de que nossas expectativas sejam realizadas.
  • 32. Kierkegaard: A relação do homem consigo mesmo é marcada pela inquietação e pelo desespero. Motivos: ausência de satisfação plena ou impossibilidade de realizar aquilo que pretendia.
  • 33. Kierkegaard: A relação do homem com Deus seria talvez a única via para a superação da angústia e do desespero. Contudo, é marcada pelo paradoxo de ter de compreender pela fé o que é incompreensível pela razão.
  • 34.
  • 35.
  • 36. Nietzsche: humano, demasiado humano. “Não há fatos, só interpretações.”
  • 37. Nietzsche: Apolíneo e dionisíaco Em sua obra, Nietzsche critica a tradição da filosofia ocidental a partir de Sócrates, a quem acusa de ter negado a intuição criadora da filosofia anterior, a pré-socrática.
  • 38. Nietzsche: Apolíneo e dionisíaco Apolo: deus da razão, da clareza, da ordem. Dionísio: deus da aventura, da música, da fantasia e da desordem.
  • 39. Nietzsche: Genealogia da moral Desenvolveu uma crítica intensa dos valores morais, propondo uma nova abordagem: a genealogia da moral, isto é, o estudo da formação histórica dos valores morais.
  • 40. Nietzsche: Genealogia da moral Conclusão: não existem noções absolutas de bem e de mal. Ou seja, são produtos histórico-culturais. Para o filósofo as religiões impõe esses valores humanos como se fossem divinos.
  • 41. Nietzsche: Genealogia da moral Assim, podemos compreender que os valores, sendo humanos, podem ter seu valor questionado. Porém, teremos que enfrentar o risco de vivermos por nós mesmos.
  • 42. Nietzsche: Niilismo Definição simples: negação de todo o princípio religioso, político e social. Quando o cristianismo deixou de ser a “única verdade” para se tornar uma das interpretações possíveis do mundo, toda a civilização ocidental e seus valores absolutos foram postos em xeque.
  • 43. Nietzsche: Niilismo “Deus está morto!” Rejeição à crença num ser absoluto e transcendental, capaz de traçar para todos os humanos “o caminho, a verdade e a vida.”
  • 44. Nietzsche: Niilismo “Ouse conquistar a si mesmo” Orientação de Nietzsche àqueles que buscam viver a “liberdade da razão”, sem conformismo, resignação ou submissão.
  • 45.
  • 46.
  • 47. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. “Consciência é intencionalidade. É sempre consciência de alguma coisa.”
  • 48. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. “Consciência é intencionalidade. É sempre consciência de alguma coisa.”
  • 49. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. Formulou um método de investigação filosófica conhecido como fenomenologia.
  • 50. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. Dessa maneira, busca-se analisar como se forma, para nós, o campo de nossa experiência, sem que o sujeito ofereça resistência ao fenômeno estudado nem se desvie dele.
  • 51. Husserl: a fenomenologia e o retorno às próprias coisas. O método fenomenológico consiste, basicamente, na observação e descrição rigorosa do fenômeno, isto é, daquilo que se manifesta, aparece ou se oferece aos sentidos ou à consciência.
  • 52.
  • 53. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. Paris, França 1905 -1980
  • 54. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. Paris, França 1905 -1980
  • 55. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. “A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.”
  • 56. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. “A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.”
  • 57. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. “A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.”
  • 58. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. “A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo.”
  • 59. Sartre: a responsabilidade por aquilo que fazemos. A existência precede a essência.
  • 60. A existência precede a essência. Ponto 1: os objetos não possuem uma essência anterior e que devemos nos concentrar nas suas manifestações “existenciais” para conhecê-los.
  • 61. A existência precede a essência. Ponto 2: o homem também não tem uma essência predeterminada, ou seja, antes de existir o home é “nada”.
  • 62. A existência precede a essência. Ponto 2: o homem também não tem uma essência predeterminada, ou seja, antes de existir o home é “nada”.
  • 63. Desse modo, o existencialismo, indica que o modo como o sujeito vive sua própria vida determinará o que ele é.
  • 64. O existencialismo de Sartre é ateu, pois afirma que o homem não possui elementos que indiquem uma natureza prévia, ou uma essência. Resta ao humano assumir sua existência. Portanto, a ausência de uma essência prévia tem como consequência imediata a liberdade.
  • 65. A consciência da liberdade é o que Sartre denomina angústia.
  • 66. Liberdade e Situação: Não há nenhuma razão que justifique como o mundo é. Essa absoluta contingência do mundo é o que dissolve as verdades e as fundamentações para a existência humana.
  • 67. Liberdade e Situação: Na vida de um presidiário, nenhuma ação tira a liberdade do preso, apenas a coloca sob determinada situação.
  • 68. Sem obstáculos não há liberdade. Gandhi (1869-1948)
  • 69. O existencialismo e a ética: a escolha universal Angustia moral é a enorme responsabilidade que temos perante toda a humanidade, na medida em que, ao escolhermos quem somos, estamos escolhendo como todos deveriam ser.
  • 70. “Se vocês procuram por um culpado, basta olhar no espelho.”