SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
CÉLULAS NORMAIS
E
CÉLULAS NEOPLÁSICAS
Sandro Almeida Júnior
ESTRUTURA CELULAR
Núcleo
Retículo Endoplasmático
Membrana Plasmática
Citoplasma
Complexo de Golgi
Mitocôndrias
Centríolos
CICLO CELULAR
MITOSE
Prófase Pro-metáfase Metáfase
Anáfase Telófase Citocinese
Células Normais
1ª mutação 2ª mutação 3ª mutação 4ª mutação
Células Neoplásicas
A FORMAÇÃO DO CÂNCER
O QUE SÃO CÉLULAS NEOPLÁSICAS?
Detalhe de uma célula sanguínea
diferenciada (neoplásica).
Célula sanguínea Normal.
O QUE SE ENTENDE POR CRESCIMENTO
DESORDENADO DE CÉLULAS
As células cancerosas, em vez de morrerem, continuam crescendo incontrolavelmente;
As células se dividem de forma rápida, agressiva e incontrolável, espalhando-se para outras
regiões do corpo – acarretando transtornos funcionais;
CÂNCER: TIPOS DE CRESCIMENTO CELULAR
No crescimento controlado, tem-se um aumento localizado e autolimitado;
No crescimento não controlado, cujo crescimento é quase autônomo;
Fonte: Ilustração de Mariana F. Teles
Célula geneticamente
alterada
CÂNCER DE MAMA
Câncer de Mama Feminino Câncer de Mama Masculino
DESENVOLVIMENTO
DO CÂNCER
Melainne Barreto
DESENVOLVIMENTO DO CÂNCER
Células Normais:
Se dividem
Amadurecem
E morrem
Células Cancerígenas:
Se dividem
Amadurecem
E proliferam de forma
rápida e desigual
CARCINOGÊNESE
O DNA
PROCESSO DA CARCINOGÊNESE
1º Estágio
Iniciação
2º Estágio
Promoção
3º Estágio
Progressão
DISSEMINAÇÃO TUMORAL
AGENTES CARCINOGÊNICOS
PROGNÓSTICO DO CÂNCER
Tipo e
localização do
câncer
Estágio,
tamanho e se
atingiu outras
partes do
corpo
Idade e estilo
de vida do
indivíduo
Resposta ao
tratamento
Fonte: National Cancer Intitute
DIFERENÇAS ENTRE
TUMORES
BENIGNOS E MALIGNOS
Thainnar Moura
CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS
Fonte: Ilustração de Mariana F. Teles
Tumor Benigno Tumor Maligno
As neoplasias benignas têm seu crescimento de forma organizada;
As neoplasias malignas manifestam um maior grau de autonomia e são capazes de invadir
tecidos;
DIFERENÇAS ENTRE
INVASÃO E METÁSTASE
Angélica Reis
INVASÃO
AS CÉLULAS NEOPLÁSICAS PENETRAM OS TECIDOS VIZINHOS, MANTENDO CONTINUIDADE
ANATÔMICA COM A MASSA NEOPLÁSICA DE ORIGEM.
A INVASÃO DEPENDE DE UMA SÉRIE DE INTERAÇÕES ENTRE A CÉLULA TUMORAL E OS TECIDOS
DO HOSPEDEIRO.
APÓS ESTA INTERAÇÃO AS CÉLULAS MALIGNAS COMEÇAM A SECRETAR COLAGENASES TIPO IV,
QUE DEGRADAM OS COMPONENTES DA MATRIZ EXTRACELULAR, DESESTRUTURANDO E
PERMITINDO ASSIM A INVASÃO DAS CÉLULAS.
INVASÃO
INVASÃO
AS NEOPLASIAS BENIGNAS CRESCEM POR EXPANSÃO PERMANECENDO NO LOCAL DE
ORIGEM, SEM INFILTRAR OU INVADIR TECIDOS VIZINHOS.
AS NEOPLASIAS MALIGNAS SÃO INVASIVAS PROVOCANDO DESTRUIÇÃO DOS TECIDOS
ADJACENTES, NECESSITANDO DE RESSECÇÃO CIRÚRGICA.
METÁSTASE
• CONSTITUI UM CRESCIMENTO À DISTÂNCIA, SEM CONTINUIDADE ANATÔMICA COM A MASSA
NEOPLÁSICA DE ORIGEM.
• AS VIAS DE DISSEMINAÇÃO DAS METÁSTASES SÃO PRINCIPALMENTE:
1- A REDE LINFÁTICA (DEVIDO À PRESENÇA MARCANTE EM TECIDOS CONJUNTIVOS E SUA ESTRUTURA
SENSÍVEL).
2- A VIA HEMATOGÊNICA TAMBÉM PODE SER RESPONSÁVEL POR ESTE TIPO DE CRESCIMENTO
NEOPLÁSICO DEVIDO À PERMEAÇÃO DE CÉLULAS EM CAPILARES E VÊNULAS. ORGÃOS MAIS
ATINGIDOS O FÍGADO E PULMAO
3- DISSEMINAÇÃO ATRAVÉS DE CAVIDADE E SUPERFÍCIES CORPORAIS COMO: O PERITÔNIO
METÁSTASE
DISSEMINAÇÃO POR VIA LINFÁTICA
E HEMATOGÊNICA
• A DISSEMINAÇÃO DE TUMORES PARA LOCAIS DISTANTES É DE GRANDE IMPORTÂNCIA
NO CÂNCER.
• APROXIMADAMENTE 90% DAS MORTES DEVIDO AO CÃNCER ENVOLVE TUMORES QUE
SE ESPALHA PELO CORPO.
• ESTUDOS REVELARAM QUE EMBORA MILHÕES DE CÉLULAS DO TUMOR PRIMÁRIO
SEJAM LANÇADAS DIARIAMENTE NA CIRCULAÇÃO, SOMENTE ALGUMAS METÁSTASES
SÃO PRODUZIDAS.
METÁSTASE
MECANISMO DE INVASÃO E
METÁSTASE
• PARA QUE A CÉLULA NEOPLÁSICA OBTENHA SUCESSO NA METASTATIZAÇÃO ELA DEVE
INICIALMENTE SE DESTACAR DO TUMOR PRIMÁRIO;
• INVADIR E MIGRAR NOS TECIDOS ADJACENTES;
• INFILTRAR E SOBREVIVER NA CORRENTE CIRCULATÓRIA;
• ADERIR E ATRAVESSAR OS CAPILARES SANGÜÍNEOS;
• E SOBREVIVER EM UM TECIDO ESTRANHO AO DE SUA ORIGEM;
• COMO OCORRE TUDO ISSO:(E-CADERINAS, LAMININA, FIBRONECTINAS, COLAGENASE
IV, LINFÓCITOS NK, E FAGÓCITOS, PLAQUETAS).
METÁSTASE
EPIDEMIOLOGIA
DO CÂNCER
Roberta Almeida
EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER
O câncer é responsável por mais de 12% de todas as causas de óbito no mundo:
mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da doença.
Nos países em desenvolvimento que se verifica um grande aumento na
incidência e na mortalidade. Cerca de 50% do total de óbitos e mais de 60% dos
casos novos de câncer ocorrem nestes países.
2002- 10 milhões de casos novos e 6 milhões de mortes.
2005- O SUS registrou 423 mil internações por neoplasias malignas;
1,6 milhão de consultas ambulatoriais em oncologia;
Mensalmente, são tratados cerca de 128 mil pacientes
em quimioterapia e 98 mil em radioterapia ambulatorial.
EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER
2012- houve 14,1 milhões de casos novos de câncer e um total de 8,2 milhões de
mortes por câncer, em todo o mundo;
2014/2015- No Brasil, a estimativa , aponta para a ocorrência de aproximadamente 576
mil casos novos de câncer, incluindo os casos de pele não melanoma;
2020- Estima-se 15 milhões de casos novos e 12 milhões de mortes;
2030- a carga global será de 21,4 milhões de casos novos de câncer e 13,2 milhões de
mortes por câncer.
EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER
CÂNCER NO BRASIL
No Brasil, a distribuição dos diferentes tipos de câncer sugere uma transição
epidemiológica em, o que demanda dos gestores do Sistema Único de Saúde (SUS)
imenso esforço para a oferta de atenção adequada aos doentes. Esta perspectiva deixa
clara a necessidade de grande investimento na promoção de saúde, na busca da
modificação dos padrões de exposição aos fatores de risco para o câncer.
OS CÂNCERES MAIS INCIDENTES
NO BRASIL
O câncer de pele
(182 mil)
Câncer de Próstata
(69 mil)
Câncer de Mama feminina
(57 mil)
Câncer de cólon e reto
(33 mil)
Câncer de pulmão
(27 mil)
Câncer de estômago
(20 mil)
Suelen Maiara
CONCEITOS BÁSICOS DE
BIOLOGIA MOLECULAR
CONCEITOS BÁSICOS DE
BIOLOGIA MOLECULAR
CONCEITOS BÁSICOS DE
BIOLOGIA MOLECULAR
P53
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Educação. ABC do câncer : abordagens básicas para o
controle do câncer / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação Geral de Ações Estratégicas, Coordenação de Educação ; organização Luiz
Claudio Santos Thuler. – 2. ed.
Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação Nacional de controle de tabagismo – CONTAPP “Falando sobre câncer e seus fatores de risco”. Rio de Janeiro,
1996.
National Cancer Intitute. Understanding cancer prognosis. Retirado de www.cancer.gov/about-cancer, acessado em 28 de abril de 2016.
A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer- INCA. Coodernação de Prevenção e Vigilância- Conprev. 2006. Disponível
em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/situacao_cancer_brasil.pdf . Acesso em: 26 de abril de 2016.
Estimativa 2014: Incidência de Câncer no Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Rio de Janeiro, 2014. Disponível
em: http://www.inca.gov.br/wcm/dncc/2013/apresentacao-estimativa-2014.pdf . Acesso em: 26 de abril de 2016.
LIMA, J. M; SERAFIM, V. P; SILVA, I. D. C. G; FORONES, N. M; Estudo do polimorfismo genético no gene p53 (códon 72) em cancêr colorretal. Arq. Gastroenterol. v. 43,
n. 1, p. 8-13, São Paulo, Jan/Mar 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

2 aula oncologia fisiologia
2 aula oncologia fisiologia2 aula oncologia fisiologia
2 aula oncologia fisiologia
 
Entendendo o câncer colorretal
Entendendo o câncer colorretalEntendendo o câncer colorretal
Entendendo o câncer colorretal
 
As Bases genéticas do Câncer
As Bases genéticas do CâncerAs Bases genéticas do Câncer
As Bases genéticas do Câncer
 
Neoplasia slide
Neoplasia slideNeoplasia slide
Neoplasia slide
 
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia CechellaDificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
 
Oncologia básica
Oncologia básicaOncologia básica
Oncologia básica
 
C:\Fakepath\Trabalho Neoplasia
C:\Fakepath\Trabalho NeoplasiaC:\Fakepath\Trabalho Neoplasia
C:\Fakepath\Trabalho Neoplasia
 
Patologia 11 neoplasias
Patologia 11   neoplasiasPatologia 11   neoplasias
Patologia 11 neoplasias
 
Tu snc bruna
Tu snc  brunaTu snc  bruna
Tu snc bruna
 
Câncer de Rim
Câncer de RimCâncer de Rim
Câncer de Rim
 
Câncer de ânus
Câncer de ânusCâncer de ânus
Câncer de ânus
 
Paciente oncológico
Paciente oncológicoPaciente oncológico
Paciente oncológico
 
Ultrassonografia da lesão renal focal
Ultrassonografia da lesão renal focalUltrassonografia da lesão renal focal
Ultrassonografia da lesão renal focal
 
Oncologia +i
Oncologia +iOncologia +i
Oncologia +i
 
Câncer
CâncerCâncer
Câncer
 
Lesoes escamosas pre cancerosas 003
Lesoes escamosas pre cancerosas 003Lesoes escamosas pre cancerosas 003
Lesoes escamosas pre cancerosas 003
 
Neo e carcino
Neo e carcinoNeo e carcino
Neo e carcino
 
Neoplasia e reconstrução tecidual
Neoplasia e reconstrução tecidualNeoplasia e reconstrução tecidual
Neoplasia e reconstrução tecidual
 
Cancer bio l
Cancer bio lCancer bio l
Cancer bio l
 
Neoplasias
NeoplasiasNeoplasias
Neoplasias
 

Destaque

Destaque (7)

Protocolo de me
Protocolo de meProtocolo de me
Protocolo de me
 
Câncer de intestino laeo (3)
Câncer de intestino   laeo (3)Câncer de intestino   laeo (3)
Câncer de intestino laeo (3)
 
Poster enenge 2015 (1)
Poster enenge 2015 (1)Poster enenge 2015 (1)
Poster enenge 2015 (1)
 
Sae slaide
Sae slaideSae slaide
Sae slaide
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Estudo de caso 01
Estudo de caso 01Estudo de caso 01
Estudo de caso 01
 

Semelhante a Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016

Câncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralCâncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralEstúdio Site Ltda
 
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer   causas, prevenção e tratamentoArtigo câncer   causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer causas, prevenção e tratamentoAline Silva
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mamapralucianaevangelista
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalFisioterapeuta
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcerISJ
 
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
Saúde ginecológica  preparatório 2016 cSaúde ginecológica  preparatório 2016 c
Saúde ginecológica preparatório 2016 cangelalessadeandrade
 
Cancer colorretal 18022013
Cancer colorretal 18022013Cancer colorretal 18022013
Cancer colorretal 18022013Graciela Luongo
 
oncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptxoncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptxKarinyNayara1
 
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpaTumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpaJosé Maria Abreu Junior
 
[c7s] Desvendando fisiopatologias
[c7s] Desvendando fisiopatologias[c7s] Desvendando fisiopatologias
[c7s] Desvendando fisiopatologias7 de Setembro
 

Semelhante a Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016 (20)

Manual conduta-pocket
Manual conduta-pocketManual conduta-pocket
Manual conduta-pocket
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
 
Câncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralCâncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboral
 
NeoplasiaS.pdf
NeoplasiaS.pdfNeoplasiaS.pdf
NeoplasiaS.pdf
 
ONCOLOGIA
ONCOLOGIAONCOLOGIA
ONCOLOGIA
 
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio 10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
 
Ca de mama
Ca de mamaCa de mama
Ca de mama
 
O Cancro
O CancroO Cancro
O Cancro
 
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer   causas, prevenção e tratamentoArtigo câncer   causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
 
estudo dirigido brmatologia
estudo dirigido brmatologiaestudo dirigido brmatologia
estudo dirigido brmatologia
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
 
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
Saúde ginecológica  preparatório 2016 cSaúde ginecológica  preparatório 2016 c
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
 
Cancer colorretal 18022013
Cancer colorretal 18022013Cancer colorretal 18022013
Cancer colorretal 18022013
 
oncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptxoncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptx
 
Antineoplásicos
AntineoplásicosAntineoplásicos
Antineoplásicos
 
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpaTumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
 
[c7s] Desvendando fisiopatologias
[c7s] Desvendando fisiopatologias[c7s] Desvendando fisiopatologias
[c7s] Desvendando fisiopatologias
 

Análise de Polimorfismo Gênico para Estudo do Câncer .Jeu /LAEO 2016

  • 1.
  • 3.
  • 4. ESTRUTURA CELULAR Núcleo Retículo Endoplasmático Membrana Plasmática Citoplasma Complexo de Golgi Mitocôndrias Centríolos
  • 5. CICLO CELULAR MITOSE Prófase Pro-metáfase Metáfase Anáfase Telófase Citocinese
  • 6. Células Normais 1ª mutação 2ª mutação 3ª mutação 4ª mutação Células Neoplásicas A FORMAÇÃO DO CÂNCER
  • 7. O QUE SÃO CÉLULAS NEOPLÁSICAS? Detalhe de uma célula sanguínea diferenciada (neoplásica). Célula sanguínea Normal.
  • 8. O QUE SE ENTENDE POR CRESCIMENTO DESORDENADO DE CÉLULAS As células cancerosas, em vez de morrerem, continuam crescendo incontrolavelmente; As células se dividem de forma rápida, agressiva e incontrolável, espalhando-se para outras regiões do corpo – acarretando transtornos funcionais;
  • 9. CÂNCER: TIPOS DE CRESCIMENTO CELULAR No crescimento controlado, tem-se um aumento localizado e autolimitado; No crescimento não controlado, cujo crescimento é quase autônomo; Fonte: Ilustração de Mariana F. Teles Célula geneticamente alterada
  • 10. CÂNCER DE MAMA Câncer de Mama Feminino Câncer de Mama Masculino
  • 12. DESENVOLVIMENTO DO CÂNCER Células Normais: Se dividem Amadurecem E morrem Células Cancerígenas: Se dividem Amadurecem E proliferam de forma rápida e desigual CARCINOGÊNESE
  • 13. O DNA
  • 14. PROCESSO DA CARCINOGÊNESE 1º Estágio Iniciação 2º Estágio Promoção 3º Estágio Progressão
  • 17. PROGNÓSTICO DO CÂNCER Tipo e localização do câncer Estágio, tamanho e se atingiu outras partes do corpo Idade e estilo de vida do indivíduo Resposta ao tratamento Fonte: National Cancer Intitute
  • 18. DIFERENÇAS ENTRE TUMORES BENIGNOS E MALIGNOS Thainnar Moura
  • 19. CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS Fonte: Ilustração de Mariana F. Teles Tumor Benigno Tumor Maligno As neoplasias benignas têm seu crescimento de forma organizada; As neoplasias malignas manifestam um maior grau de autonomia e são capazes de invadir tecidos;
  • 20. DIFERENÇAS ENTRE INVASÃO E METÁSTASE Angélica Reis
  • 22. AS CÉLULAS NEOPLÁSICAS PENETRAM OS TECIDOS VIZINHOS, MANTENDO CONTINUIDADE ANATÔMICA COM A MASSA NEOPLÁSICA DE ORIGEM. A INVASÃO DEPENDE DE UMA SÉRIE DE INTERAÇÕES ENTRE A CÉLULA TUMORAL E OS TECIDOS DO HOSPEDEIRO. APÓS ESTA INTERAÇÃO AS CÉLULAS MALIGNAS COMEÇAM A SECRETAR COLAGENASES TIPO IV, QUE DEGRADAM OS COMPONENTES DA MATRIZ EXTRACELULAR, DESESTRUTURANDO E PERMITINDO ASSIM A INVASÃO DAS CÉLULAS. INVASÃO
  • 23. INVASÃO AS NEOPLASIAS BENIGNAS CRESCEM POR EXPANSÃO PERMANECENDO NO LOCAL DE ORIGEM, SEM INFILTRAR OU INVADIR TECIDOS VIZINHOS. AS NEOPLASIAS MALIGNAS SÃO INVASIVAS PROVOCANDO DESTRUIÇÃO DOS TECIDOS ADJACENTES, NECESSITANDO DE RESSECÇÃO CIRÚRGICA.
  • 25. • CONSTITUI UM CRESCIMENTO À DISTÂNCIA, SEM CONTINUIDADE ANATÔMICA COM A MASSA NEOPLÁSICA DE ORIGEM. • AS VIAS DE DISSEMINAÇÃO DAS METÁSTASES SÃO PRINCIPALMENTE: 1- A REDE LINFÁTICA (DEVIDO À PRESENÇA MARCANTE EM TECIDOS CONJUNTIVOS E SUA ESTRUTURA SENSÍVEL). 2- A VIA HEMATOGÊNICA TAMBÉM PODE SER RESPONSÁVEL POR ESTE TIPO DE CRESCIMENTO NEOPLÁSICO DEVIDO À PERMEAÇÃO DE CÉLULAS EM CAPILARES E VÊNULAS. ORGÃOS MAIS ATINGIDOS O FÍGADO E PULMAO 3- DISSEMINAÇÃO ATRAVÉS DE CAVIDADE E SUPERFÍCIES CORPORAIS COMO: O PERITÔNIO METÁSTASE
  • 26. DISSEMINAÇÃO POR VIA LINFÁTICA E HEMATOGÊNICA
  • 27. • A DISSEMINAÇÃO DE TUMORES PARA LOCAIS DISTANTES É DE GRANDE IMPORTÂNCIA NO CÂNCER. • APROXIMADAMENTE 90% DAS MORTES DEVIDO AO CÃNCER ENVOLVE TUMORES QUE SE ESPALHA PELO CORPO. • ESTUDOS REVELARAM QUE EMBORA MILHÕES DE CÉLULAS DO TUMOR PRIMÁRIO SEJAM LANÇADAS DIARIAMENTE NA CIRCULAÇÃO, SOMENTE ALGUMAS METÁSTASES SÃO PRODUZIDAS. METÁSTASE
  • 28. MECANISMO DE INVASÃO E METÁSTASE • PARA QUE A CÉLULA NEOPLÁSICA OBTENHA SUCESSO NA METASTATIZAÇÃO ELA DEVE INICIALMENTE SE DESTACAR DO TUMOR PRIMÁRIO; • INVADIR E MIGRAR NOS TECIDOS ADJACENTES; • INFILTRAR E SOBREVIVER NA CORRENTE CIRCULATÓRIA; • ADERIR E ATRAVESSAR OS CAPILARES SANGÜÍNEOS; • E SOBREVIVER EM UM TECIDO ESTRANHO AO DE SUA ORIGEM; • COMO OCORRE TUDO ISSO:(E-CADERINAS, LAMININA, FIBRONECTINAS, COLAGENASE IV, LINFÓCITOS NK, E FAGÓCITOS, PLAQUETAS).
  • 31. EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER O câncer é responsável por mais de 12% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da doença. Nos países em desenvolvimento que se verifica um grande aumento na incidência e na mortalidade. Cerca de 50% do total de óbitos e mais de 60% dos casos novos de câncer ocorrem nestes países.
  • 32. 2002- 10 milhões de casos novos e 6 milhões de mortes. 2005- O SUS registrou 423 mil internações por neoplasias malignas; 1,6 milhão de consultas ambulatoriais em oncologia; Mensalmente, são tratados cerca de 128 mil pacientes em quimioterapia e 98 mil em radioterapia ambulatorial. EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER
  • 33. 2012- houve 14,1 milhões de casos novos de câncer e um total de 8,2 milhões de mortes por câncer, em todo o mundo; 2014/2015- No Brasil, a estimativa , aponta para a ocorrência de aproximadamente 576 mil casos novos de câncer, incluindo os casos de pele não melanoma; 2020- Estima-se 15 milhões de casos novos e 12 milhões de mortes; 2030- a carga global será de 21,4 milhões de casos novos de câncer e 13,2 milhões de mortes por câncer. EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER
  • 34. CÂNCER NO BRASIL No Brasil, a distribuição dos diferentes tipos de câncer sugere uma transição epidemiológica em, o que demanda dos gestores do Sistema Único de Saúde (SUS) imenso esforço para a oferta de atenção adequada aos doentes. Esta perspectiva deixa clara a necessidade de grande investimento na promoção de saúde, na busca da modificação dos padrões de exposição aos fatores de risco para o câncer.
  • 35. OS CÂNCERES MAIS INCIDENTES NO BRASIL O câncer de pele (182 mil) Câncer de Próstata (69 mil) Câncer de Mama feminina (57 mil) Câncer de cólon e reto (33 mil) Câncer de pulmão (27 mil) Câncer de estômago (20 mil)
  • 36. Suelen Maiara CONCEITOS BÁSICOS DE BIOLOGIA MOLECULAR
  • 38.
  • 40. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Educação. ABC do câncer : abordagens básicas para o controle do câncer / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação Geral de Ações Estratégicas, Coordenação de Educação ; organização Luiz Claudio Santos Thuler. – 2. ed. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação Nacional de controle de tabagismo – CONTAPP “Falando sobre câncer e seus fatores de risco”. Rio de Janeiro, 1996. National Cancer Intitute. Understanding cancer prognosis. Retirado de www.cancer.gov/about-cancer, acessado em 28 de abril de 2016. A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer- INCA. Coodernação de Prevenção e Vigilância- Conprev. 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/situacao_cancer_brasil.pdf . Acesso em: 26 de abril de 2016. Estimativa 2014: Incidência de Câncer no Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.inca.gov.br/wcm/dncc/2013/apresentacao-estimativa-2014.pdf . Acesso em: 26 de abril de 2016. LIMA, J. M; SERAFIM, V. P; SILVA, I. D. C. G; FORONES, N. M; Estudo do polimorfismo genético no gene p53 (códon 72) em cancêr colorretal. Arq. Gastroenterol. v. 43, n. 1, p. 8-13, São Paulo, Jan/Mar 2006.