SlideShare uma empresa Scribd logo

Ca de mama

Detecção Precoce e Controle do Câncer de mama.

1 de 27
Baixar para ler offline
DETECÇÃO
PRECOCE E
CONTROLE DO
CÂNCER DE MAMA
Ca de mama
B njkyuiyiuyoikpipyutetrrioio[´phujd
O que é o Câncer?
• Proliferação exagerada de células
atípicas que agridem o organismo e
forma um tumor que pode dar raízes
em outros locais(metástase).
Nas últimas décadas, o câncer ganhou uma dimensão
maior, convertendo-se em um evidente problema de
saúde pública mundial. A Organização Mundial da
Saúde(OMS) estimou que, no ano 2030:
• 27 milhões de casos incidentes de câncer;
• 17 milhões de mortes por câncer ;
• 75 milhões de pessoas vivas, anualmente, com
câncer.
• O maior efeito desse aumento vai incidir em países de
baixa e média rendas.
São esperados um total de 257.870 casos novos
para o sexo masculino e 260.640 para o sexo
feminino. Confirma-se a estimativa:
• 134 mil casos novos de CA da pele do tipo não
melanoma (será o mais incidente na população
brasileira);
• 60 mil tumores de próstata;
• 53 mil de mama feminina;
• 30 mil de cólon e reto;
• 27 mil de pulmão;
• 20 mil estômago;
• 18 mil de colo do útero.
Em 2012 estimava-se para o Brasil perto de
52.680 novos casos de câncer da mama
Estado da Bahia: 2.000
Salvador: 800
-O 2º tipo de Câncer mais frequente no mundo
e o primeiro no Brasil.
(40/69 anos)
FATORES DE RISCO
• Idade (aumento rápido da incidência c/ o aumento da
idade);
• Nulipariadade ou gestação tardia (após os 30 anos).
• Não amamentação;
• Menarca precoce e menopausa tardia;
• TRH;
• Alta dessidade do tecido mamário.
RISCO ELEVADO PARA CA
• Pelo menos um familiar de 1º
grau (mãe, irmã ou filha) com
diagnóstico de câncer de mama.
DIAGNÓSTICO
- Auto-exame das mamas
- Exame clínico das mamas
- Mamografia
- Ultra-sonografia
- Exame citológico (PAAF)
- Exame histopatológico
Ca de mama
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS QUE SUGEREM A
HIPÓTESE DIAGNÓSTICA DE ALTERAÇÕES MAMÁRIAS
BENIGNOS MALIGNOS
• Consistência fibroelástica,
Cística
Consistência pétrea
Superfície regular,
lobulada
• Superfície irregular
Limites precisos,
contorno regular
• Contorno mal
definido, limites
imprecisos
Mobilidade presente Mobilidade fixa
TRATAMENTO
• Cirurgia
• Quimioterapia
• Radioterapia
DETECÇÃO PRECOCE
(DIAGNÓSTICO PRECOCE E RASTREAMENTO)
30% de
redução
da mortalidade
Fonte: NCCP. WHO, 2002
Cobertura da
população alvo
Qualidade dos
exames de
rastreamento
Garantia de acesso ao
diagnóstico e tratamento
Rastreamento populacional do
câncer de mama - Brasil
Política Nacional de Atenção Oncológica
Portaria nº 2.439/gm de 8/12/2005
Objetivos Gerais:
 Redução da incidência;
 Redução da mortalidade;
 Aumento da qualidade de vida.
deve ser organizada de forma articulada com o
Ministério da Saúde e com as Secretarias de Saúde
dos estados e dos municípios.
SISTEMA DE INFORMAÇÃO
Objetivo
Sistema de Informação
É um conjunto de elementos organizados (software, hardware e
pessoas) que se inter-relacionam através de processos ou
atividades com objetivo de prover um resultado
 Estruturar a Informação
 Tratar a Informação
 Disseminar a Informação
SISMAMA
Foi proposto para o acompanhamento e avaliação das ações
do Programa de Controle do Câncer de Mama.
 Avaliação (serviço, programa, rede)
 Planejamento
 Organização da rede
Padronização do Laudo de Mamografia - Sistema BI-
RADS®
 Identificação e acompanhamento das mulheres com
exames alterados
SISMAMA – Importância
Categoria
BI-RADS
Interpretação Risco de Câncer Recomendação
0 Inconclusivo
Necessita Avaliação Adicional.
(Encaminhar para Unidade de
Referência)
1
Benigno(Negativa: Não há comentário algum a ser feito nesta
categoria. As mamas são simétricas e não há massas, distorção
arquitetural ou microcalcificações suspeitas
presentes.)
0,05% Exame de rotina
2
Benigno:Não há evidência mamográfica de malignidade. É uma
avaliação considerada “normal”, mas, é descrito o achado benigno
no laudo mamográfico: Fibroadenomas; múltiplas calcificações
secretórias, lesões que contenham gordura (cistos oleosos, lipomas,
galactoceles e densidade mista, hamartoma). Todos têm
caracteristicamente aparências benignas e podem ser classificados
com confiança. Podendo também ser descrito linfonodos
intramamários, calcificações vasculares, implantes ou distorção
claramente relacionada a cirurgia prévia enquanto ainda concluindo.
0,05%
Exame de rotina (Unidade de
Referência/Serviço de
Ginecologia).
3 Provavelmente Benigno Até 2%
Seguimento precoce
(Unidade de Referência)
4 (A,B,C) Provavelmente Suspeito > 20%
Encaminhar para Unidade de
Referência
5 Provavelmente maligno > 75%
Encaminhar para Unidade de
Referência de Alta complexidade.
6
Lesão já biopsiada e diagnosticada como maligna, mas não retirada
ou tratada.
100%
Encaminhar para Unidade de
Referência de Alta complexidade.
PADRONIZAÇÃO DO LAUDOS MAMOGRAFICOS BI-RADS
Percurso da Mulher
Unidade Básica de Saúde
Cont. investigação
diagnóstica (US,
citopatologia,
histopatologia, etc.
Unidade Secundária
Rotina de
rastreamento
Recomendações para o
rastreamento de mulheres
assintomática
Categoria BI-RADS ®
e Sugestão de
Conduta
Formulários do Sismama
MAMOGRAFIA:
Requisição
Unidade de Atenção Básica e
Unidade Secundária
MAMOGRAFIA:
Resultado
Serviços de Mamografia
Formulários do Sismama
CITOPATOLOGIA
HISTOPATOLOGIA
Unidades Secundárias
Mama - Relação das unidades que recebemlaudos.txt
SISMAMA e Linha de Cuidado
SISMAMA SISRHC *
SIM **
Fim seguimento SISMAMA Seguimento SISRHC
Unidade Básica Unidade Secundária
Unidade Terciária
* Sistema de Registro Hospitalar de Câncer
** Sistema de Informação sobre Mortalidade
Consulta
com
generalista
Consulta
especializada
Rastreamento
Diagnóstico Precoce
Investigação Exames (laboratoriais, de
imagem e outros, biópsica
Diagnóstico Tratamento
Cuidados
Paliativos
Cirurgia
Quimioterapia
Radioterapia
Controle dos
sintomas e
alívio da dor,
suporte
espiritual,
apoio ao
cuidador
Sistema de Informação x Sistema informatizado
Qualidade do dado a ser informado – desde a
solicitação do exame até o resultado: impacto
na vida das mulheres
Importante ferramenta para o gestor
Construção de indicadores
Compromisso com a política de controle do
câncer de mama: reduzir a mortalidade
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE
PROGRAMA VIVA MULHER
COAPS/ Área Técnica de Saúde da Mulher
3186-1051/ 9967-0519
sms.vivamulher@saude.ba.gov.br
marietefonseca@yahoo.com.br
DESCUBRA CEDO
E VIVA MAIS
Enfª Ana Paula Vidal dos Santos

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroRoberta Araujo
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroOncoguia
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)educacaodetodos
 
Apresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaApresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaVanessa Serrano
 
Câncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaCâncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaAndressa Macena
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de MamaOncoguia
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mamapralucianaevangelista
 
Câncer de Ovário
Câncer de OvárioCâncer de Ovário
Câncer de OvárioOncoguia
 
Seminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaSeminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaMathielly Samara
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
eBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mamaeBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mamaGnTech
 
AULA Câncer do colo do útero.pptx
AULA Câncer do colo do útero.pptxAULA Câncer do colo do útero.pptx
AULA Câncer do colo do útero.pptxJessicaRamos80226
 
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018Simone Amucc
 

Mais procurados (20)

Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Tudo sobre a Saúde da Mama
Tudo sobre a Saúde da MamaTudo sobre a Saúde da Mama
Tudo sobre a Saúde da Mama
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
 
Apresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaApresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mama
 
Câncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaCâncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / Mama
 
Cancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero prontoCancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero pronto
 
Slides cancer de mama
Slides cancer de mamaSlides cancer de mama
Slides cancer de mama
 
Cancer de Mama
Cancer de MamaCancer de Mama
Cancer de Mama
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De MamaApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
 
Câncer de Ovário
Câncer de OvárioCâncer de Ovário
Câncer de Ovário
 
Seminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mamaSeminario de cancer de mama
Seminario de cancer de mama
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
 
eBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mamaeBook - Câncer de mama
eBook - Câncer de mama
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 
AULA Câncer do colo do útero.pptx
AULA Câncer do colo do útero.pptxAULA Câncer do colo do útero.pptx
AULA Câncer do colo do útero.pptx
 
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
 

Destaque

Seminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaSeminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaThiessa Vieira
 
CÂ N C E R D E M A M A
CÂ N C E R  D E  M A M ACÂ N C E R  D E  M A M A
CÂ N C E R D E M A M Aguest6791d1
 
Câncer de mama - Patologia
Câncer de mama - PatologiaCâncer de mama - Patologia
Câncer de mama - PatologiaDanilo Alves
 
Saúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de MamaSaúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de MamaBruna Oliveira
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnosticochirlei ferreira
 
A Força da Mídia em Articulação com a Voz do Paciente - Câncer de Mama no Bra...
A Força da Mídia em Articulação com a Voz do Paciente - Câncer de Mama no Bra...A Força da Mídia em Articulação com a Voz do Paciente - Câncer de Mama no Bra...
A Força da Mídia em Articulação com a Voz do Paciente - Câncer de Mama no Bra...Oncoguia
 
Tratamento do Câncer de Mama Metastático - Dr. Rafael Kaliks
Tratamento do Câncer de Mama Metastático - Dr. Rafael KaliksTratamento do Câncer de Mama Metastático - Dr. Rafael Kaliks
Tratamento do Câncer de Mama Metastático - Dr. Rafael KaliksOncoguia
 
O Cancro Da Mama
O Cancro Da MamaO Cancro Da Mama
O Cancro Da Mamavania19
 
Novidades no Tratamento do Câncer de Mama Avançado
Novidades no Tratamento do Câncer de Mama AvançadoNovidades no Tratamento do Câncer de Mama Avançado
Novidades no Tratamento do Câncer de Mama AvançadoOncoguia
 
Efeitos Secundários e Sequelas da Radioterapia
Efeitos Secundários e Sequelas da RadioterapiaEfeitos Secundários e Sequelas da Radioterapia
Efeitos Secundários e Sequelas da RadioterapiaRui P Rodrigues
 

Destaque (20)

Seminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaSeminário câncer de mama
Seminário câncer de mama
 
CÂ N C E R D E M A M A
CÂ N C E R  D E  M A M ACÂ N C E R  D E  M A M A
CÂ N C E R D E M A M A
 
Câncer de mama - Patologia
Câncer de mama - PatologiaCâncer de mama - Patologia
Câncer de mama - Patologia
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Saúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de MamaSaúde da Mulher em Câncer de Mama
Saúde da Mulher em Câncer de Mama
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
 
Cáncer de mama
Cáncer de mamaCáncer de mama
Cáncer de mama
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Cirurgia em ec iv
Cirurgia em ec ivCirurgia em ec iv
Cirurgia em ec iv
 
Entre De Peito Nesta Luta
Entre De Peito Nesta LutaEntre De Peito Nesta Luta
Entre De Peito Nesta Luta
 
A Força da Mídia em Articulação com a Voz do Paciente - Câncer de Mama no Bra...
A Força da Mídia em Articulação com a Voz do Paciente - Câncer de Mama no Bra...A Força da Mídia em Articulação com a Voz do Paciente - Câncer de Mama no Bra...
A Força da Mídia em Articulação com a Voz do Paciente - Câncer de Mama no Bra...
 
Tratamento do câncer de mama 2014
Tratamento do câncer de mama 2014Tratamento do câncer de mama 2014
Tratamento do câncer de mama 2014
 
Tratamento do Câncer de Mama Metastático - Dr. Rafael Kaliks
Tratamento do Câncer de Mama Metastático - Dr. Rafael KaliksTratamento do Câncer de Mama Metastático - Dr. Rafael Kaliks
Tratamento do Câncer de Mama Metastático - Dr. Rafael Kaliks
 
O Cancro Da Mama
O Cancro Da MamaO Cancro Da Mama
O Cancro Da Mama
 
Novidades no Tratamento do Câncer de Mama Avançado
Novidades no Tratamento do Câncer de Mama AvançadoNovidades no Tratamento do Câncer de Mama Avançado
Novidades no Tratamento do Câncer de Mama Avançado
 
Mulher e Cancro da Mama
Mulher e Cancro da MamaMulher e Cancro da Mama
Mulher e Cancro da Mama
 
Radioterapia Paliativa
Radioterapia PaliativaRadioterapia Paliativa
Radioterapia Paliativa
 
Aula 4 câncer de mama
Aula 4   câncer de mamaAula 4   câncer de mama
Aula 4 câncer de mama
 
Efeitos Secundários e Sequelas da Radioterapia
Efeitos Secundários e Sequelas da RadioterapiaEfeitos Secundários e Sequelas da Radioterapia
Efeitos Secundários e Sequelas da Radioterapia
 
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mamaRadioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
 

Semelhante a Ca de mama

Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012Graciela Luongo
 
Câncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralCâncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralEstúdio Site Ltda
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncernnanda4
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncernnanda4
 
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptx
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptxApresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptx
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptxpatrucua
 
Câncer de Mama no Brasil
Câncer de Mama no BrasilCâncer de Mama no Brasil
Câncer de Mama no BrasilLuiz Barros
 
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfAndreiaCosta151227
 
Conduta em lesoes Mamárias atipicas
Conduta em lesoes Mamárias atipicasConduta em lesoes Mamárias atipicas
Conduta em lesoes Mamárias atipicasIdalecio de Oliveira
 
Câncer de Ovário - Solange Sanches
Câncer de Ovário - Solange Sanches Câncer de Ovário - Solange Sanches
Câncer de Ovário - Solange Sanches Oncoguia
 

Semelhante a Ca de mama (20)

Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
 
Câncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralCâncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboral
 
Sleo ca mama
Sleo ca mamaSleo ca mama
Sleo ca mama
 
Cancro da mama
Cancro da mamaCancro da mama
Cancro da mama
 
Carcinoma ductal in situ apresentação
Carcinoma ductal in situ   apresentaçãoCarcinoma ductal in situ   apresentação
Carcinoma ductal in situ apresentação
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncer
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncer
 
Rm mamas
Rm mamasRm mamas
Rm mamas
 
palestra2.pptx
palestra2.pptxpalestra2.pptx
palestra2.pptx
 
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptx
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptxApresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptx
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptx
 
Cancer de ovario
Cancer de ovarioCancer de ovario
Cancer de ovario
 
Saúde intergral da mulher aula 4
Saúde intergral da mulher  aula 4Saúde intergral da mulher  aula 4
Saúde intergral da mulher aula 4
 
Câncer de Mama no Brasil
Câncer de Mama no BrasilCâncer de Mama no Brasil
Câncer de Mama no Brasil
 
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagemCâncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
 
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdfaula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
aula_tumoresfemininos_mulherporinteiro.pdf
 
Cancêr de mama
Cancêr de mamaCancêr de mama
Cancêr de mama
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
 
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
Rastreamento do câncer do colo do útero: cobertura, periodicidade e população...
 
Conduta em lesoes Mamárias atipicas
Conduta em lesoes Mamárias atipicasConduta em lesoes Mamárias atipicas
Conduta em lesoes Mamárias atipicas
 
Câncer de Ovário - Solange Sanches
Câncer de Ovário - Solange Sanches Câncer de Ovário - Solange Sanches
Câncer de Ovário - Solange Sanches
 

Último

a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...azulassessoriaacadem3
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...Prime Assessoria
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...azulassessoriaacadem3
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...excellenceeducaciona
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Prime Assessoria
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Prime Assessoria
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 

Último (20)

a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 

Ca de mama

  • 4. O que é o Câncer? • Proliferação exagerada de células atípicas que agridem o organismo e forma um tumor que pode dar raízes em outros locais(metástase).
  • 5. Nas últimas décadas, o câncer ganhou uma dimensão maior, convertendo-se em um evidente problema de saúde pública mundial. A Organização Mundial da Saúde(OMS) estimou que, no ano 2030: • 27 milhões de casos incidentes de câncer; • 17 milhões de mortes por câncer ; • 75 milhões de pessoas vivas, anualmente, com câncer. • O maior efeito desse aumento vai incidir em países de baixa e média rendas.
  • 6. São esperados um total de 257.870 casos novos para o sexo masculino e 260.640 para o sexo feminino. Confirma-se a estimativa: • 134 mil casos novos de CA da pele do tipo não melanoma (será o mais incidente na população brasileira); • 60 mil tumores de próstata; • 53 mil de mama feminina; • 30 mil de cólon e reto; • 27 mil de pulmão; • 20 mil estômago; • 18 mil de colo do útero.
  • 7. Em 2012 estimava-se para o Brasil perto de 52.680 novos casos de câncer da mama Estado da Bahia: 2.000 Salvador: 800 -O 2º tipo de Câncer mais frequente no mundo e o primeiro no Brasil. (40/69 anos)
  • 8. FATORES DE RISCO • Idade (aumento rápido da incidência c/ o aumento da idade); • Nulipariadade ou gestação tardia (após os 30 anos). • Não amamentação; • Menarca precoce e menopausa tardia; • TRH; • Alta dessidade do tecido mamário.
  • 9. RISCO ELEVADO PARA CA • Pelo menos um familiar de 1º grau (mãe, irmã ou filha) com diagnóstico de câncer de mama.
  • 10. DIAGNÓSTICO - Auto-exame das mamas - Exame clínico das mamas - Mamografia - Ultra-sonografia - Exame citológico (PAAF) - Exame histopatológico
  • 12. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS QUE SUGEREM A HIPÓTESE DIAGNÓSTICA DE ALTERAÇÕES MAMÁRIAS BENIGNOS MALIGNOS • Consistência fibroelástica, Cística Consistência pétrea Superfície regular, lobulada • Superfície irregular Limites precisos, contorno regular • Contorno mal definido, limites imprecisos Mobilidade presente Mobilidade fixa
  • 14. DETECÇÃO PRECOCE (DIAGNÓSTICO PRECOCE E RASTREAMENTO) 30% de redução da mortalidade Fonte: NCCP. WHO, 2002 Cobertura da população alvo Qualidade dos exames de rastreamento Garantia de acesso ao diagnóstico e tratamento
  • 16. Política Nacional de Atenção Oncológica Portaria nº 2.439/gm de 8/12/2005 Objetivos Gerais:  Redução da incidência;  Redução da mortalidade;  Aumento da qualidade de vida. deve ser organizada de forma articulada com o Ministério da Saúde e com as Secretarias de Saúde dos estados e dos municípios.
  • 18. Objetivo Sistema de Informação É um conjunto de elementos organizados (software, hardware e pessoas) que se inter-relacionam através de processos ou atividades com objetivo de prover um resultado  Estruturar a Informação  Tratar a Informação  Disseminar a Informação SISMAMA Foi proposto para o acompanhamento e avaliação das ações do Programa de Controle do Câncer de Mama.
  • 19.  Avaliação (serviço, programa, rede)  Planejamento  Organização da rede Padronização do Laudo de Mamografia - Sistema BI- RADS®  Identificação e acompanhamento das mulheres com exames alterados SISMAMA – Importância
  • 20. Categoria BI-RADS Interpretação Risco de Câncer Recomendação 0 Inconclusivo Necessita Avaliação Adicional. (Encaminhar para Unidade de Referência) 1 Benigno(Negativa: Não há comentário algum a ser feito nesta categoria. As mamas são simétricas e não há massas, distorção arquitetural ou microcalcificações suspeitas presentes.) 0,05% Exame de rotina 2 Benigno:Não há evidência mamográfica de malignidade. É uma avaliação considerada “normal”, mas, é descrito o achado benigno no laudo mamográfico: Fibroadenomas; múltiplas calcificações secretórias, lesões que contenham gordura (cistos oleosos, lipomas, galactoceles e densidade mista, hamartoma). Todos têm caracteristicamente aparências benignas e podem ser classificados com confiança. Podendo também ser descrito linfonodos intramamários, calcificações vasculares, implantes ou distorção claramente relacionada a cirurgia prévia enquanto ainda concluindo. 0,05% Exame de rotina (Unidade de Referência/Serviço de Ginecologia). 3 Provavelmente Benigno Até 2% Seguimento precoce (Unidade de Referência) 4 (A,B,C) Provavelmente Suspeito > 20% Encaminhar para Unidade de Referência 5 Provavelmente maligno > 75% Encaminhar para Unidade de Referência de Alta complexidade. 6 Lesão já biopsiada e diagnosticada como maligna, mas não retirada ou tratada. 100% Encaminhar para Unidade de Referência de Alta complexidade. PADRONIZAÇÃO DO LAUDOS MAMOGRAFICOS BI-RADS
  • 21. Percurso da Mulher Unidade Básica de Saúde Cont. investigação diagnóstica (US, citopatologia, histopatologia, etc. Unidade Secundária Rotina de rastreamento Recomendações para o rastreamento de mulheres assintomática Categoria BI-RADS ® e Sugestão de Conduta
  • 22. Formulários do Sismama MAMOGRAFIA: Requisição Unidade de Atenção Básica e Unidade Secundária MAMOGRAFIA: Resultado Serviços de Mamografia
  • 23. Formulários do Sismama CITOPATOLOGIA HISTOPATOLOGIA Unidades Secundárias Mama - Relação das unidades que recebemlaudos.txt
  • 24. SISMAMA e Linha de Cuidado SISMAMA SISRHC * SIM ** Fim seguimento SISMAMA Seguimento SISRHC Unidade Básica Unidade Secundária Unidade Terciária * Sistema de Registro Hospitalar de Câncer ** Sistema de Informação sobre Mortalidade Consulta com generalista Consulta especializada Rastreamento Diagnóstico Precoce Investigação Exames (laboratoriais, de imagem e outros, biópsica Diagnóstico Tratamento Cuidados Paliativos Cirurgia Quimioterapia Radioterapia Controle dos sintomas e alívio da dor, suporte espiritual, apoio ao cuidador
  • 25. Sistema de Informação x Sistema informatizado Qualidade do dado a ser informado – desde a solicitação do exame até o resultado: impacto na vida das mulheres Importante ferramenta para o gestor Construção de indicadores Compromisso com a política de controle do câncer de mama: reduzir a mortalidade
  • 26. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE PROGRAMA VIVA MULHER COAPS/ Área Técnica de Saúde da Mulher 3186-1051/ 9967-0519 sms.vivamulher@saude.ba.gov.br marietefonseca@yahoo.com.br
  • 27. DESCUBRA CEDO E VIVA MAIS Enfª Ana Paula Vidal dos Santos