SlideShare uma empresa Scribd logo
Plano Anual de Contratações –
Instrumento de gestão
A boa gestão dos recursos públicos passa necessariamente por um efetivo planejamento das
contratações firmadas entre os órgãos estatais e os particulares. Essas contratações devem ser guiadas
por regras claras não apenas do ponto de vista legal, mas também por ações que busquem a eficiência
nas aquisições por meio de estudos de viabilidade das compras e gestão de risco das ações.
No final do ano passado, uma relevante norma1 publicada pela Casa Civil da Presidência da
República estabeleceu medidas de governança para as contratações de seus órgãos e entidades
vinculadas.
Conforme lição do Tribunal de Contas da União – TCU, a Governança de Contratações
compreende essencialmente “o conjunto de mecanismos de liderança, estratégia e controle postos em
prática para avaliar, direcionar e monitorar a atuação da gestão das contratações, com objetivo de que as
contratações agreguem valor ao negócio da organização, com riscos aceitáveis”2.
A norma ainda previa a construção de um Plano Anual de Contratações como ferramenta de
planejamento, trazendo alguns pressupostos sobre como esse instrumento deveria ser produzido.
Recentemente, foi a vez do Ministério do Planejamento tratar com detalhes sobre a gestão de
compras na Administração Pública. Por meio de uma instrução normativa publicada no Diário Oficial da
União, o Ministério do Planejamento tratou do Sistema de Planejamento e Gerenciamento de
Contratações e sobre a elaboração do Plano Anual de Contratações de bens, serviços, obras e soluções
de tecnologia da informação e comunicações no âmbito da Administração Pública federal direta,
autárquica e fundacional.
Assim, o texto prevê que cada Unidade Administrativa de Serviços Gerais – UASG deve
elaborar o seu Plano Anual de Contratações contendo todos os itens que pretende contratar no exercício
subsequente. O envio deve ser realizado pelos setores requisitantes ao setor de licitações no período de
1° de janeiro a 1° de abril do ano de elaboração do Plano.
A norma estabelece quais informações devem conter em cada item apontado, como a
quantidade total estimada da contratação; as informações orçamentárias da contratação, se disponíveis;
e o grau de prioridade da contratação e a data estimada para a necessidade do item; entre outras.
Os dados incluídos no plano, porém, não são definitivos, podendo ser revistos seguindo-se
procedimento estabelecido na instrução normativa:
Art. 12. Nos períodos de 1° a 30 de setembro e de 16 a 30 de novembro do ano de elaboração do Plano Anual de
Contratações, poderá haver a inclusão, exclusão ou o redimensionamento de itens do Plano visando sua adequação à
proposta orçamentária do órgão ou entidade ao qual se vincular a UASG.
§ 1° A alteração do Plano Anual de Contratações deverá ser aprovada pela autoridade máxima de que trata o art. 11 e
enviada ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão por meio do Sistema PGC, dentro dos prazos
previstos no caput.
§ 2° A versão atualizada do Plano Anual de Contratações deverá ser divulgada no sítio eletrônico do órgão ou entidade
ao qual se vincular a UASG, em substituição à versão anterior.3
A norma, por fim, fixa que a elaboração do Plano Anual de Contratações mediante a utilização
do Sistema de Planejamento e Gerenciamento de Contratações é facultativa no ano de 2018 e
obrigatória a partir do próximo ano.
1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Casa Civil. Portaria nº 1.045, de 21 de novembro de 2017. Diário Oficial da União [da] República Federativa
do Brasil, Brasília, DF, 22 nov. 2017. Seção 1, p. 16-17.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo - Administração Financeira e Orçamentária - 2016
Resumo - Administração Financeira e Orçamentária - 2016Resumo - Administração Financeira e Orçamentária - 2016
Resumo - Administração Financeira e Orçamentária - 2016
Concurseira Silva
 
Plano plurianual
Plano plurianualPlano plurianual
Plano plurianual
Luiz Fernando Arantes Paulo
 
Plano plurianual
Plano plurianualPlano plurianual
Plano plurianual
Lorena Dias Marinho
 
Plc 206 2015 - Cria a Lei Fiscal do RS
Plc 206  2015 - Cria a Lei Fiscal do RSPlc 206  2015 - Cria a Lei Fiscal do RS
Plc 206 2015 - Cria a Lei Fiscal do RS
Franco Santos
 
Audiência Pública - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016
Audiência Pública - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016Audiência Pública - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016
Audiência Pública - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016
Marcelo Sander
 
Afo administracao financeira_orcamentaria_slides_com_quadros_resumos_comparat...
Afo administracao financeira_orcamentaria_slides_com_quadros_resumos_comparat...Afo administracao financeira_orcamentaria_slides_com_quadros_resumos_comparat...
Afo administracao financeira_orcamentaria_slides_com_quadros_resumos_comparat...
Edson Junior
 
Plano Plurianual Aspectos Constitucionais e Legais
Plano Plurianual  Aspectos Constitucionais e LegaisPlano Plurianual  Aspectos Constitucionais e Legais
Plano Plurianual Aspectos Constitucionais e Legais
gigifb_10
 
Lei de Diretrizes Orçamentárias: Aspectos Constitucionais e Legais
Lei de Diretrizes Orçamentárias: Aspectos Constitucionais e LegaisLei de Diretrizes Orçamentárias: Aspectos Constitucionais e Legais
Lei de Diretrizes Orçamentárias: Aspectos Constitucionais e Legais
Dulceasf
 
Resumao afo
Resumao afoResumao afo
Resumao afo
Keila Souza
 
Lei de Diretrizes Orçamentárias
Lei de Diretrizes OrçamentáriasLei de Diretrizes Orçamentárias
Lei de Diretrizes Orçamentárias
mayandrades
 
Apresentação SEPLAN
Apresentação SEPLANApresentação SEPLAN
Apresentação SEPLAN
chrystianlima
 
Apresentação seplan
Apresentação seplanApresentação seplan
Apresentação seplan
chrystianlima
 
PPA, LDO, LOA
PPA, LDO, LOAPPA, LDO, LOA
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
FIFE2014
 
Plano plurianual: Aspectos constitucionais e legais.
Plano plurianual: Aspectos constitucionais e legais.Plano plurianual: Aspectos constitucionais e legais.
Plano plurianual: Aspectos constitucionais e legais.
Brigida Souza
 
Palestra LDO
Palestra LDOPalestra LDO
Palestra LDO
EscoladoLegislativo
 
Afo anotada
Afo anotadaAfo anotada
Afo anotada
zeu1507
 

Mais procurados (17)

Resumo - Administração Financeira e Orçamentária - 2016
Resumo - Administração Financeira e Orçamentária - 2016Resumo - Administração Financeira e Orçamentária - 2016
Resumo - Administração Financeira e Orçamentária - 2016
 
Plano plurianual
Plano plurianualPlano plurianual
Plano plurianual
 
Plano plurianual
Plano plurianualPlano plurianual
Plano plurianual
 
Plc 206 2015 - Cria a Lei Fiscal do RS
Plc 206  2015 - Cria a Lei Fiscal do RSPlc 206  2015 - Cria a Lei Fiscal do RS
Plc 206 2015 - Cria a Lei Fiscal do RS
 
Audiência Pública - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016
Audiência Pública - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016Audiência Pública - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016
Audiência Pública - Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016
 
Afo administracao financeira_orcamentaria_slides_com_quadros_resumos_comparat...
Afo administracao financeira_orcamentaria_slides_com_quadros_resumos_comparat...Afo administracao financeira_orcamentaria_slides_com_quadros_resumos_comparat...
Afo administracao financeira_orcamentaria_slides_com_quadros_resumos_comparat...
 
Plano Plurianual Aspectos Constitucionais e Legais
Plano Plurianual  Aspectos Constitucionais e LegaisPlano Plurianual  Aspectos Constitucionais e Legais
Plano Plurianual Aspectos Constitucionais e Legais
 
Lei de Diretrizes Orçamentárias: Aspectos Constitucionais e Legais
Lei de Diretrizes Orçamentárias: Aspectos Constitucionais e LegaisLei de Diretrizes Orçamentárias: Aspectos Constitucionais e Legais
Lei de Diretrizes Orçamentárias: Aspectos Constitucionais e Legais
 
Resumao afo
Resumao afoResumao afo
Resumao afo
 
Lei de Diretrizes Orçamentárias
Lei de Diretrizes OrçamentáriasLei de Diretrizes Orçamentárias
Lei de Diretrizes Orçamentárias
 
Apresentação SEPLAN
Apresentação SEPLANApresentação SEPLAN
Apresentação SEPLAN
 
Apresentação seplan
Apresentação seplanApresentação seplan
Apresentação seplan
 
PPA, LDO, LOA
PPA, LDO, LOAPPA, LDO, LOA
PPA, LDO, LOA
 
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
 
Plano plurianual: Aspectos constitucionais e legais.
Plano plurianual: Aspectos constitucionais e legais.Plano plurianual: Aspectos constitucionais e legais.
Plano plurianual: Aspectos constitucionais e legais.
 
Palestra LDO
Palestra LDOPalestra LDO
Palestra LDO
 
Afo anotada
Afo anotadaAfo anotada
Afo anotada
 

Semelhante a Plano Anual de Contratações – Instrumento de gestão

Siconv legisla
Siconv legislaSiconv legisla
Siconv legisla
gvirtual
 
Contabilidade Pública
Contabilidade PúblicaContabilidade Pública
Contabilidade Pública
CharmosaCat
 
Terceirização do Serviço Público
Terceirização do Serviço PúblicoTerceirização do Serviço Público
Terceirização do Serviço Público
CNSP Confederação Nacional dos Servidores Públicos
 
Tudo sobre o SICONV (ppt da UFRN)
Tudo sobre o SICONV (ppt da UFRN)Tudo sobre o SICONV (ppt da UFRN)
Tudo sobre o SICONV (ppt da UFRN)
Memórias da Resistência
 
PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL.ppt
PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL.pptPLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL.ppt
PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL.ppt
Valdir Conceição
 
Mdic13 002 05
Mdic13 002 05Mdic13 002 05
Mdic13 002 05
igorrafaelas
 
Aula 05 extra
Aula 05   extraAula 05   extra
Aula 05 extra
Patricia Mh
 
Aula 21-22 - Prestaçao de Contas no Terceiro Setor.pptx
Aula 21-22 - Prestaçao de Contas no Terceiro Setor.pptxAula 21-22 - Prestaçao de Contas no Terceiro Setor.pptx
Aula 21-22 - Prestaçao de Contas no Terceiro Setor.pptx
FabioHenrique413835
 
Apresentação_Palestra_Terceirização_26.05.pptx
Apresentação_Palestra_Terceirização_26.05.pptxApresentação_Palestra_Terceirização_26.05.pptx
Apresentação_Palestra_Terceirização_26.05.pptx
ssuser9df3a8
 
Aula 03 nocoes de administracao afo diretrizes orcamentarias
Aula 03   nocoes de administracao afo diretrizes orcamentariasAula 03   nocoes de administracao afo diretrizes orcamentarias
Aula 03 nocoes de administracao afo diretrizes orcamentarias
Neon Online
 
Obras 2.0 cartilha obras convencionais
Obras 2.0 cartilha obras convencionaisObras 2.0 cartilha obras convencionais
Obras 2.0 cartilha obras convencionais
Engenheiro Claudio
 
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativosExerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Fabiana Adaice
 
minuta_acordo_de_cooperacao_tecnica__-_comissao_permanente_de_convencios.pdf
minuta_acordo_de_cooperacao_tecnica__-_comissao_permanente_de_convencios.pdfminuta_acordo_de_cooperacao_tecnica__-_comissao_permanente_de_convencios.pdf
minuta_acordo_de_cooperacao_tecnica__-_comissao_permanente_de_convencios.pdf
ssuser433e40
 
Bizu de vespera afo
Bizu de vespera   afoBizu de vespera   afo
Bizu de vespera afo
Mauro Almeida Loureiro
 
Resumo de AFO para Concurso TCM-RJ 2016
Resumo de AFO para Concurso TCM-RJ 2016Resumo de AFO para Concurso TCM-RJ 2016
Resumo de AFO para Concurso TCM-RJ 2016
Estratégia Concursos
 
Festival 2017 - Rosana Pereira
Festival 2017 - Rosana PereiraFestival 2017 - Rosana Pereira
Festival 2017 - Rosana Pereira
ABCR
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
dottoor
 
Parcerias públicao privadas são necessárias e urgentes para investimentos
Parcerias públicao privadas são necessárias e urgentes para investimentosParcerias públicao privadas são necessárias e urgentes para investimentos
Parcerias públicao privadas são necessárias e urgentes para investimentos
B&R Consultoria Empresarial
 
Contrato de Gestão por Resultados
Contrato de Gestão por ResultadosContrato de Gestão por Resultados
Contrato de Gestão por Resultados
Murilo Cesar
 
Finanas pblicas aula_03
Finanas pblicas aula_03Finanas pblicas aula_03
Finanas pblicas aula_03
Cesar Rabelo
 

Semelhante a Plano Anual de Contratações – Instrumento de gestão (20)

Siconv legisla
Siconv legislaSiconv legisla
Siconv legisla
 
Contabilidade Pública
Contabilidade PúblicaContabilidade Pública
Contabilidade Pública
 
Terceirização do Serviço Público
Terceirização do Serviço PúblicoTerceirização do Serviço Público
Terceirização do Serviço Público
 
Tudo sobre o SICONV (ppt da UFRN)
Tudo sobre o SICONV (ppt da UFRN)Tudo sobre o SICONV (ppt da UFRN)
Tudo sobre o SICONV (ppt da UFRN)
 
PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL.ppt
PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL.pptPLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL.ppt
PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL.ppt
 
Mdic13 002 05
Mdic13 002 05Mdic13 002 05
Mdic13 002 05
 
Aula 05 extra
Aula 05   extraAula 05   extra
Aula 05 extra
 
Aula 21-22 - Prestaçao de Contas no Terceiro Setor.pptx
Aula 21-22 - Prestaçao de Contas no Terceiro Setor.pptxAula 21-22 - Prestaçao de Contas no Terceiro Setor.pptx
Aula 21-22 - Prestaçao de Contas no Terceiro Setor.pptx
 
Apresentação_Palestra_Terceirização_26.05.pptx
Apresentação_Palestra_Terceirização_26.05.pptxApresentação_Palestra_Terceirização_26.05.pptx
Apresentação_Palestra_Terceirização_26.05.pptx
 
Aula 03 nocoes de administracao afo diretrizes orcamentarias
Aula 03   nocoes de administracao afo diretrizes orcamentariasAula 03   nocoes de administracao afo diretrizes orcamentarias
Aula 03 nocoes de administracao afo diretrizes orcamentarias
 
Obras 2.0 cartilha obras convencionais
Obras 2.0 cartilha obras convencionaisObras 2.0 cartilha obras convencionais
Obras 2.0 cartilha obras convencionais
 
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativosExerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
 
minuta_acordo_de_cooperacao_tecnica__-_comissao_permanente_de_convencios.pdf
minuta_acordo_de_cooperacao_tecnica__-_comissao_permanente_de_convencios.pdfminuta_acordo_de_cooperacao_tecnica__-_comissao_permanente_de_convencios.pdf
minuta_acordo_de_cooperacao_tecnica__-_comissao_permanente_de_convencios.pdf
 
Bizu de vespera afo
Bizu de vespera   afoBizu de vespera   afo
Bizu de vespera afo
 
Resumo de AFO para Concurso TCM-RJ 2016
Resumo de AFO para Concurso TCM-RJ 2016Resumo de AFO para Concurso TCM-RJ 2016
Resumo de AFO para Concurso TCM-RJ 2016
 
Festival 2017 - Rosana Pereira
Festival 2017 - Rosana PereiraFestival 2017 - Rosana Pereira
Festival 2017 - Rosana Pereira
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Parcerias públicao privadas são necessárias e urgentes para investimentos
Parcerias públicao privadas são necessárias e urgentes para investimentosParcerias públicao privadas são necessárias e urgentes para investimentos
Parcerias públicao privadas são necessárias e urgentes para investimentos
 
Contrato de Gestão por Resultados
Contrato de Gestão por ResultadosContrato de Gestão por Resultados
Contrato de Gestão por Resultados
 
Finanas pblicas aula_03
Finanas pblicas aula_03Finanas pblicas aula_03
Finanas pblicas aula_03
 

Mais de Alveni Lisboa

Desenvolvimento de Software
Desenvolvimento de SoftwareDesenvolvimento de Software
Desenvolvimento de Software
Alveni Lisboa
 
Alterações consensuais nos contratos administrativos e os limites do TCU
Alterações consensuais nos contratos administrativos e os limites do TCUAlterações consensuais nos contratos administrativos e os limites do TCU
Alterações consensuais nos contratos administrativos e os limites do TCU
Alveni Lisboa
 
Slides lei-anticorrupcao-ministerio-da-economia
Slides lei-anticorrupcao-ministerio-da-economiaSlides lei-anticorrupcao-ministerio-da-economia
Slides lei-anticorrupcao-ministerio-da-economia
Alveni Lisboa
 
Slides - Modernização do Controle Interno
Slides - Modernização do Controle InternoSlides - Modernização do Controle Interno
Slides - Modernização do Controle Interno
Alveni Lisboa
 
Carta de exclusividade - Inexibilidade de licitação
Carta de exclusividade - Inexibilidade de licitaçãoCarta de exclusividade - Inexibilidade de licitação
Carta de exclusividade - Inexibilidade de licitação
Alveni Lisboa
 
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICASEFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
Alveni Lisboa
 
IRPF incidente no contrato deve integrar receita municipal?
IRPF incidente no contrato deve integrar receita municipal?IRPF incidente no contrato deve integrar receita municipal?
IRPF incidente no contrato deve integrar receita municipal?
Alveni Lisboa
 
Portaria AGU - Precatorios
Portaria AGU - PrecatoriosPortaria AGU - Precatorios
Portaria AGU - Precatorios
Alveni Lisboa
 
Simples Nacional - Desburocratização para o pequeno empresário
Simples Nacional  - Desburocratização para o pequeno empresárioSimples Nacional  - Desburocratização para o pequeno empresário
Simples Nacional - Desburocratização para o pequeno empresário
Alveni Lisboa
 
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
Alveni Lisboa
 
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
Alveni Lisboa
 
Pregão com apenas uma empresa interessada presente?
Pregão com apenas uma empresa interessada presente?Pregão com apenas uma empresa interessada presente?
Pregão com apenas uma empresa interessada presente?
Alveni Lisboa
 
Sigilo da proposta no Pregão
Sigilo da proposta no PregãoSigilo da proposta no Pregão
Sigilo da proposta no Pregão
Alveni Lisboa
 
Novas regras para distribuição de processos no TCU
Novas regras para distribuição de processos no TCUNovas regras para distribuição de processos no TCU
Novas regras para distribuição de processos no TCU
Alveni Lisboa
 
TCU admite dispensa de contrato para aquisições com entrega imediata
TCU admite dispensa de contrato para aquisições com entrega imediataTCU admite dispensa de contrato para aquisições com entrega imediata
TCU admite dispensa de contrato para aquisições com entrega imediata
Alveni Lisboa
 
Empréstimos a entes federados e submissão à Lei de Responsabilidade Fiscal
Empréstimos a entes federados e submissão à Lei de Responsabilidade FiscalEmpréstimos a entes federados e submissão à Lei de Responsabilidade Fiscal
Empréstimos a entes federados e submissão à Lei de Responsabilidade Fiscal
Alveni Lisboa
 
Parcelamento e aquisição por preço global de grupo de itens
Parcelamento e aquisição por preço global de grupo de itensParcelamento e aquisição por preço global de grupo de itens
Parcelamento e aquisição por preço global de grupo de itens
Alveni Lisboa
 
TCU pode ou não determinar o bloqueio de bens?
TCU pode ou não determinar o bloqueio de bens?TCU pode ou não determinar o bloqueio de bens?
TCU pode ou não determinar o bloqueio de bens?
Alveni Lisboa
 
O governo pode comprar exclusivamente produtos de agricultura familiar?
O governo pode comprar exclusivamente produtos de agricultura familiar?O governo pode comprar exclusivamente produtos de agricultura familiar?
O governo pode comprar exclusivamente produtos de agricultura familiar?
Alveni Lisboa
 
Utilização de prova emprestada nas ações nos tribunais de contas
Utilização de prova emprestada nas ações nos tribunais de contasUtilização de prova emprestada nas ações nos tribunais de contas
Utilização de prova emprestada nas ações nos tribunais de contas
Alveni Lisboa
 

Mais de Alveni Lisboa (20)

Desenvolvimento de Software
Desenvolvimento de SoftwareDesenvolvimento de Software
Desenvolvimento de Software
 
Alterações consensuais nos contratos administrativos e os limites do TCU
Alterações consensuais nos contratos administrativos e os limites do TCUAlterações consensuais nos contratos administrativos e os limites do TCU
Alterações consensuais nos contratos administrativos e os limites do TCU
 
Slides lei-anticorrupcao-ministerio-da-economia
Slides lei-anticorrupcao-ministerio-da-economiaSlides lei-anticorrupcao-ministerio-da-economia
Slides lei-anticorrupcao-ministerio-da-economia
 
Slides - Modernização do Controle Interno
Slides - Modernização do Controle InternoSlides - Modernização do Controle Interno
Slides - Modernização do Controle Interno
 
Carta de exclusividade - Inexibilidade de licitação
Carta de exclusividade - Inexibilidade de licitaçãoCarta de exclusividade - Inexibilidade de licitação
Carta de exclusividade - Inexibilidade de licitação
 
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICASEFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
 
IRPF incidente no contrato deve integrar receita municipal?
IRPF incidente no contrato deve integrar receita municipal?IRPF incidente no contrato deve integrar receita municipal?
IRPF incidente no contrato deve integrar receita municipal?
 
Portaria AGU - Precatorios
Portaria AGU - PrecatoriosPortaria AGU - Precatorios
Portaria AGU - Precatorios
 
Simples Nacional - Desburocratização para o pequeno empresário
Simples Nacional  - Desburocratização para o pequeno empresárioSimples Nacional  - Desburocratização para o pequeno empresário
Simples Nacional - Desburocratização para o pequeno empresário
 
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
 
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
O edital deve estabelecer preço máximo para a licitação?
 
Pregão com apenas uma empresa interessada presente?
Pregão com apenas uma empresa interessada presente?Pregão com apenas uma empresa interessada presente?
Pregão com apenas uma empresa interessada presente?
 
Sigilo da proposta no Pregão
Sigilo da proposta no PregãoSigilo da proposta no Pregão
Sigilo da proposta no Pregão
 
Novas regras para distribuição de processos no TCU
Novas regras para distribuição de processos no TCUNovas regras para distribuição de processos no TCU
Novas regras para distribuição de processos no TCU
 
TCU admite dispensa de contrato para aquisições com entrega imediata
TCU admite dispensa de contrato para aquisições com entrega imediataTCU admite dispensa de contrato para aquisições com entrega imediata
TCU admite dispensa de contrato para aquisições com entrega imediata
 
Empréstimos a entes federados e submissão à Lei de Responsabilidade Fiscal
Empréstimos a entes federados e submissão à Lei de Responsabilidade FiscalEmpréstimos a entes federados e submissão à Lei de Responsabilidade Fiscal
Empréstimos a entes federados e submissão à Lei de Responsabilidade Fiscal
 
Parcelamento e aquisição por preço global de grupo de itens
Parcelamento e aquisição por preço global de grupo de itensParcelamento e aquisição por preço global de grupo de itens
Parcelamento e aquisição por preço global de grupo de itens
 
TCU pode ou não determinar o bloqueio de bens?
TCU pode ou não determinar o bloqueio de bens?TCU pode ou não determinar o bloqueio de bens?
TCU pode ou não determinar o bloqueio de bens?
 
O governo pode comprar exclusivamente produtos de agricultura familiar?
O governo pode comprar exclusivamente produtos de agricultura familiar?O governo pode comprar exclusivamente produtos de agricultura familiar?
O governo pode comprar exclusivamente produtos de agricultura familiar?
 
Utilização de prova emprestada nas ações nos tribunais de contas
Utilização de prova emprestada nas ações nos tribunais de contasUtilização de prova emprestada nas ações nos tribunais de contas
Utilização de prova emprestada nas ações nos tribunais de contas
 

Plano Anual de Contratações – Instrumento de gestão

  • 1. Plano Anual de Contratações – Instrumento de gestão
  • 2. A boa gestão dos recursos públicos passa necessariamente por um efetivo planejamento das contratações firmadas entre os órgãos estatais e os particulares. Essas contratações devem ser guiadas por regras claras não apenas do ponto de vista legal, mas também por ações que busquem a eficiência nas aquisições por meio de estudos de viabilidade das compras e gestão de risco das ações. No final do ano passado, uma relevante norma1 publicada pela Casa Civil da Presidência da República estabeleceu medidas de governança para as contratações de seus órgãos e entidades vinculadas. Conforme lição do Tribunal de Contas da União – TCU, a Governança de Contratações compreende essencialmente “o conjunto de mecanismos de liderança, estratégia e controle postos em prática para avaliar, direcionar e monitorar a atuação da gestão das contratações, com objetivo de que as contratações agreguem valor ao negócio da organização, com riscos aceitáveis”2. A norma ainda previa a construção de um Plano Anual de Contratações como ferramenta de planejamento, trazendo alguns pressupostos sobre como esse instrumento deveria ser produzido.
  • 3. Recentemente, foi a vez do Ministério do Planejamento tratar com detalhes sobre a gestão de compras na Administração Pública. Por meio de uma instrução normativa publicada no Diário Oficial da União, o Ministério do Planejamento tratou do Sistema de Planejamento e Gerenciamento de Contratações e sobre a elaboração do Plano Anual de Contratações de bens, serviços, obras e soluções de tecnologia da informação e comunicações no âmbito da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional. Assim, o texto prevê que cada Unidade Administrativa de Serviços Gerais – UASG deve elaborar o seu Plano Anual de Contratações contendo todos os itens que pretende contratar no exercício subsequente. O envio deve ser realizado pelos setores requisitantes ao setor de licitações no período de 1° de janeiro a 1° de abril do ano de elaboração do Plano. A norma estabelece quais informações devem conter em cada item apontado, como a quantidade total estimada da contratação; as informações orçamentárias da contratação, se disponíveis; e o grau de prioridade da contratação e a data estimada para a necessidade do item; entre outras.
  • 4. Os dados incluídos no plano, porém, não são definitivos, podendo ser revistos seguindo-se procedimento estabelecido na instrução normativa: Art. 12. Nos períodos de 1° a 30 de setembro e de 16 a 30 de novembro do ano de elaboração do Plano Anual de Contratações, poderá haver a inclusão, exclusão ou o redimensionamento de itens do Plano visando sua adequação à proposta orçamentária do órgão ou entidade ao qual se vincular a UASG. § 1° A alteração do Plano Anual de Contratações deverá ser aprovada pela autoridade máxima de que trata o art. 11 e enviada ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão por meio do Sistema PGC, dentro dos prazos previstos no caput. § 2° A versão atualizada do Plano Anual de Contratações deverá ser divulgada no sítio eletrônico do órgão ou entidade ao qual se vincular a UASG, em substituição à versão anterior.3 A norma, por fim, fixa que a elaboração do Plano Anual de Contratações mediante a utilização do Sistema de Planejamento e Gerenciamento de Contratações é facultativa no ano de 2018 e obrigatória a partir do próximo ano. 1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Casa Civil. Portaria nº 1.045, de 21 de novembro de 2017. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 nov. 2017. Seção 1, p. 16-17.