Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013

1.212 visualizações

Publicada em

As distintas perspectivas do sintoma na Psicanálise, a partir de Freud e Lacan. O sintoma na Clínica Psicanalítica Contemporânea.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013

  1. 1. VIII Jornada do Parlêtretema da mesa:Sintoma, Clínica eContemporaneidadeAlexandre SimõesMaio. 2013
  2. 2. Apontamentosacerca Do sintomaNa clínicapsicanalítica
  3. 3. &o sintoma na cena contemporâneatensão entre o sintomasob transferência
  4. 4. Estamos a 4horas doinício daera do
  5. 5. DSM:postura descritiva dos quadros clínicos, sem qualquerconotação etiológica ou explicativa dos mesmos, concentrando-se notrabalho de descrever os sintomas e agrupá-los em síndromes
  6. 6. Distúrbio outranstorno:implica em uma expectativa terapêutica adaptativa
  7. 7. Palavras-chave da terapêutica adaptativa:CorrigirAmenizarOrdenarAjustar
  8. 8. não exatamente as pessoasumas às outras....
  9. 9. o sintoma à realidadePorém
  10. 10. Pressupondo-se quehá umano sintomatransparência
  11. 11. Enquanto que um ponto crucialpara a clínica analítica é:a opacidade nosintoma
  12. 12. A concepção desintoma, em Freud,não é unívoca
  13. 13. Temos, no mínimo, duas dimensões do sintoma emFreudSintoma comoformação decompromissoSintoma comoformaçãosubstitutiva
  14. 14. formação de compromissosatisfação substitutivao sintoma tem umsentidoo sintoma diz algoo sintoma éinterpretávelseria o sintoma um substitutoou é a satisfação veiculada porele uma satisfação substitutiva ?o que não se diz nosintoma ?o que não é interpretávelno sintoma ?
  15. 15. EMJacques Lacan
  16. 16. Sintoma como mensagem
  17. 17. Sintoma comosignificação dada ao Outro
  18. 18. sintoma comomensagemsintoma comosignificação dada aoOutro
  19. 19. Ambas as definições sãohomogêneas entre sie, por sua vez, se articulamà ideia do sintoma comoformação do inconsciente
  20. 20. o Outro Outro da LeiOutro dosignificanteObjeto comooutroOutro do gozoCorpo como Outro
  21. 21. A partir daí...invólucro formal do sintoma se opõeà psicogênese (ou às indexaçõesImaginárias e Simbólicas do sintoma):final dos anos 60coisas que fazem signo para quemnão compreende nada (1971)ou ele é real ou tem um sentido (1977)
  22. 22. O surgimento de um sintoma é da ordem de umencontro com o Realneste sentido, a condição de formação de um sintoma é o Real(vide Lacan, em seu Prefácio à edição inglesa do Seminário 11)
  23. 23. a o p a c i d a d e n o s i n t o m ae m u m a é p o c ad e e v i d ê n c i a seu r g ê n c i a s ,as i n g u l a r i d a d ec o m od i f e r e n ç ar e s i d en ao p a c i d a d e
  24. 24. F I MObrigado pela atenção!Acesso a este conteúdo:www.alexandresimoes.com.brALEXANDRESIMÕES® Todos os direitosde autor reservados.ALEXANDRESIMÕES® Todos osdireitos deautorreservados.

×