O desejo como sustentação na formação do

460 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O desejo como sustentação na formação do

  1. 1. Eduardo Lucas Andrade*Discente da Faculdade Presidente Antônio Carlos - Bom Despacho *Estúdio Ato de Psicanálise - Bom Despacho dudupinta13@hotmail.com
  2. 2.  Um preço pelo Desejo deve ser pago. Se, tornar-se psicanalista é uma tarefa árdua, laboriosa e extensa, então, o que é que sustenta a formação do psicanalista? Hoje, na clínica mais voltada ao real e à distância do Desejo, o sujeito não mais nos traz a demanda e sim uma solução sobre o próprio corpo e repetições da vida que circulam o Desejo estrutural e afasta-o do Desejo ‘busca ativa’. A busca ativa e o preço pelo Desejo caem sobre o analista. O que fazer?
  3. 3. No texto freudiano de 1919, distorcido, ‘Sobre o ensino da psicanálise nas universidades’, é enfatizado o tripé da formação psicanalítica; base teórica, análise didática e supervisão. Escolas de psicanálise. Eu incluiria a esta lista o Desejo.Desejo; núcleo do inconsciente teórico e prático da psicanálise.O próprio Freud pagou tributos ao Desejo de instaurar a psicanálise no saber universal, nós só o seguimos.
  4. 4. Nascimento da psicanálise com sua primeva palavra teste o “Inconsciente”. O inconsciente freudiano diferencia-se dos demais absorvidos pela filosofia e poesia, ele não se restringe ao estado descritivo e semântico do termo, ou seja, não é apenas aquilo que não é ou está consciente, longe disto, o inconsciente freudiano, por assim dizer, é topográfico, sistemático e dinâmico, abordando características do funcionamento psíquico. O inconsciente freudiano perpassa o inconsciente filosófico e o inconsciente biológico, cujo corpo nada sabe.
  5. 5. As tópicas;PrincípiosModelo pente1º CS, PCS, ICS2º ID, EGO E SUPEREGOPulsões, desejo, manifestações psíquicas (corpo, ato, palavras)E tantos outros ...
  6. 6. O sujeito que Deseja ser analista deverá aprender a lidar com suas forças obscuras do inconsciente, por via da análise didática. Isto é; deverá ler o inconsciente, literalmente, tanto no texto freudiano quanto na sua atuação em análise. Um sujeito que entra na maré de ser psicanalista deverá ir com o bonde do Desejo. A análise didática além de mostrar a teoria na prática, possibilita o analista a elaborar suas questões psíquicas, ficando mais apto a escutar. Aqui o sujeito abre mão de desmedidas coisas para ser psicanalista.
  7. 7. Para abordar a supervisão lembrarei aqui de uma passagem no livro “A Interpretação dos Sonhos” no capítulo VII, sobre o sonho do filho que queimava. A supervisão é, metaforicamente dizendo; “Pai, não vês que estou queimando?” Para um analista não há espaço para narcisismo ou coisa do gênero, o seu lugar é sempre o de suposto saber que deverá ser atualizado constantemente. Este saber só se completará no laço transferencial onde fará par com o saber da história de vida do paciente.
  8. 8. A psicanálise trabalha com o Desejo, cujo material é inconsciente por excelência. O curso pulsa através do Desejo do próprio analista à espera do Desejo de seu paciente. Por isto que a psicanálise atrai a atenção de muitos, a curiosidade de outros e mesmo assim eles dizem não conseguir fazê-la. É além de difícil. É do campo do Desejo e a dificuldade ao qual se referem não passa de mera intelectualidade consciente. O Desejo é por natureza a condição inata da sustentação do analista enquanto o tripé citado por Freud é adquirido pelas manifestações deste Desejo. É o preço para sua sustentação.
  9. 9.  Para finalizar lembro-nos de “‘Gradiva’ de Jensen” texto de Freud datado em 1906. Gradiva ‘é a jovem que avança’, ou então ‘aquele que brilha ao avançar’. Gradiva, foi encontrada soterrada em Pompéia, mesmo assim, adormecida, permaneceu avançando com sua maneira sublime de caminhar, assim é nosso Desejo, mesmo soterrado nas profundezas do inconsciente nos faz seguir, buscar e até mesmo sermos psicanalistas. Por último e de maneira breve seguirei os passos de Freud e citarei Hamlet de Willian Shakespeare, que além de seguir seus próprios fantasmas nos deixa a dica “Presta ouvidos a muitos, tua voz a poucos. Acolhe a opinião de todos mais você decide.” (Hamlet, Cena III) Ser psicanalista é mesmo o seu Desejo?
  10. 10.  Para finalizar lembro-nos de “‘Gradiva’ de Jensen” texto de Freud datado em 1906. Gradiva ‘é a jovem que avança’, ou então ‘aquele que brilha ao avançar’. Gradiva, foi encontrada soterrada em Pompéia, mesmo assim, adormecida, permaneceu avançando com sua maneira sublime de caminhar, assim é nosso Desejo, mesmo soterrado nas profundezas do inconsciente nos faz seguir, buscar e até mesmo sermos psicanalistas. Por último e de maneira breve seguirei os passos de Freud e citarei Hamlet de Willian Shakespeare, que além de seguir seus próprios fantasmas nos deixa a dica “Presta ouvidos a muitos, tua voz a poucos. Acolhe a opinião de todos mais você decide.” (Hamlet, Cena III) Ser psicanalista é mesmo o seu Desejo?

×