SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Ferramentas gerenciaisTOMADA DE DECISÃO
Tomada de decisão 
Faz parte da vida 
Diariamente, simples ou complexas 
Nossa vida é permeada de escolhas. 
No âmbito pessoal serve para traçar e orientar os caminhos 
Profissionalmente -outra dimensão. 
Em um serviço: 
Situações complexas, que irão influenciar nossas vidas pessoais e a de muitas outras pessoas. 
É necessário que levem ao o melhor resultado possível
O que é processo decisório 
Atividade inerente ao processo de planejamento 
“Onde se pretende chegar, o que deve ser feito, quando, como e em que sequência” 
“decidir significa ir além do momento da escolha, da decisão em si, decidir significa necessariamente escolher entre uma ou mais alternativas ou opções, com vistas a alcançar um resultado desejado”.
Fases do processo decisório 
As fases do processo decisório são: Identificação do problema; Coleta de dados; Análise dos dados; Descrição de soluções alternativas; Escolha ou decisão; Implementação e Avaliação. 
Vejamos então o que significa cada uma delas:
Fases do processo decisório 
•Significa descrever objetivamente a situação/problema, tentando definir o problema a partir da listagem das supostas causas, a descrição da situação por escrito auxilia na compreensão da situação; 
Identificação do problema 
•Consiste em se colher e levantar informações que permitam o exame da situação para isso deve-se ouvir todas as pessoas envolvidas na situação e faz-se um estudo de opiniões do grupo de trabalho; 
Coleta de dados
Fases do processo decisório 
•Procura-se às causas do problema, relacionando as forças restritivas que causam e mantém o problema, resistindo à sua solução (as forças negativas) e as forças impulsoras, que contribuem para a solução do problema (forças positivas); 
Análise dos dados 
•Consiste em se listar as várias propostas de soluções alternativas, considerando a viabilidade e os efeitos prováveis de cada uma. 
Descrição de Soluções Alternativas
Fases do processo decisório 
•Opta-se por uma determinada solução, considerando-se as que melhor atendam aos objetivos estabelecidos e às circunstâncias presentes; 
Escolha ou decisão 
•Consiste em aplicar a solução escolhida; 
Implementação 
•Consiste em verificar se o problema foi resolvido e quais as consequências da decisão tomada, para fundamentar futuras intervenções 
Avaliação
Enfermagem e o processo decisório 
Atuação com outros profissionais; 
Cuidado envolve procedimentos técnico, dimensão afetiva e empatia; 
Cuidar é tomar decisões –posicionamento; 
É cotidiano porém muitas vezes são circunstanciais, pouco fundamentadas; 
“Causa angustias que, somadas às ansiedades geradas pelo próprio ambiente de trabalho, levam o profissional a vivenciar situações de permanentes conflitos e insatisfações”.
Enfermagem e o processo decisório 
É influenciado por padrões, normas e diretrizes, no entanto é importante que estes não sejam seguidos cegamente; 
Pensamento crítico para tomar uma decisão é essencial no momento de reconhecer quando a situação requer soluções criativas.
O que é pensamento crítico? 
Mundo em transformação 
Podemos assumir duas posturas: sujeitos críticos e não críticos 
Qual postura você tem assumido? 
Todos pensamos, mas o pensamento crítico é controlado, 0proposital e mais apropriado para levar aos benefícios óbvios. 
O pensamento crítico exige a pratica da reflexão
O pensamento crítico em enfermagem 
Rompercomalógicatecnicista,queapesardeseraspectoimportantesdaatuaçãonoatendimentoasurgênciaseemergêncianãodevemserprivilegiadoemdetrimentodosaberser. 
Não é fácil 
Somos condicionados e motivados para atividades práticas
O pensamento crítico em enfermagem 
É similar ao de qualquer outra situação; 
Requer crítica e reflexão 
As conclusões e decisões a que chegamos como enfermeiros afeta a vida das pessoas 
O nosso pensamento deve ser guiado por um raciocínio preciso que procure identificar claramente as questões que se apresentam 
Planejamento administrativo e o processo de enfermagem.
O pensamento crítico reflexivo e a tomada de decisão em enfermagem 
Essencial e nos ajuda a 
•Identificar problemas reais e potenciais 
•Aprimorar a equipe e atenção prestada. 
Tomar cuidado com a influência de padrões, normas e diretrizes. Estes não devem ser seguidos cegamente. 
•Usar a crítica e a criatividade. 
•Discutir “o protocolo é para os médios”
Para exemplificar Alfaro-Lefevre(1996) cita a seguinte situação: 
Dentro do processo decisório, a fase de procura de soluções alternativas pede que se lance mão da criatividade para que se alcancem mudanças.
Segundo Kron; Gray (1994) os enfermeiros possuem bloqueios à criatividade que podem ser explicados pelas seguintes razões: 
1 –Uso do pensamento crítico mais que o pensamento imaginativo; 
2 –Receio do desconhecido e receio de arriscar; 
3 –Incapacidade ou não desejo de analisar, objetivamente, as forças e capacidades dos indivíduos; 
4 –Conformismo, manutenção de métodos e padrões tradicionais e 
5 –Incapacidade de selecionar repentinamente ideias como forma de resolver um problema para mudança.
Hesketh(1984) aponta que a dificuldade em ser criativo pode ocorrer basicamente por 3 motivos: 
Bloqueios psicológicos -normalmente por falta de informação e conhecimentos sobre as situações ou hábitos pessoais levando a uma tendência a seguir normas preestabelecidas; 
Bloqueios por atitudes -pode ser representado pelo pensamento negativista, pelo conformismo e pela “preguiça mental”; 
Bloqueios pela influência de fatores socioculturais representado pelo condicionamento na crença da autoridade e os critérios de julgamento.
Técnicas de tomada de decisão
Tendências 
Descentralização da tomada de decisão 
Horizontalização da equipe 
Autoridade com responsabilidade
Princípios da decisão compartilhada 
•Envolvimento de todos, reconhecimento da interdependência das ações e da contribuição de cada um no resultado. 
Parceria 
•Consiste em garantir ao profissional autonomia, autoridade e controle sobre determinada atividade. 
Autoridade com responsabilidade 
•Valorizar a todos no processo de tomada de decisão 
Equidade
Princípios da decisão compartilhada 
•Comprometimento de cada um com a meta da organização. 
Propriedade 
•Consiste no empenho dos profissionais para o alcance dos melhores resultados 
Eficiência, eficácia e efetividade 
•Todos devem investir no aprendizado contínuo, buscando ações e decisões embasadas na melhor informação. 
Aprendizado contínuo 
•A melhor decisão não é a mais popular ou da maioria, mas sim aquela respaldada pela melhor informação 
A pessoa certa no lugar certo
A título de conclusão 
Tomar decisões: juízo de fatos e de valores 
Algo complexo, que irá influenciar a vida de muitas outras pessoas. 
Imperativo na profissão de enfermagem 
Utilizar “conhecimentos, habilidades e atitudes coerentes, precisas e imparciais para uma tomada de decisão que venha ao encontro de seus valores pessoais e éticos e ao mesmo tempo em que atenda aos objetivos e metas da organização” (CIAMPONE, 1991).
A titulo de conclusão 
O enfermeiro deve possuir: 
•Capacidade de caracterização objetiva da situação 
•Sensibilidade para problemas de relações humanas 
•Descontentamento construtivo 
•Autodeterminação para solucionar problemas 
•A tomada de decisão tem que ser um processo participativo
Nada é mais difícil e, portanto, tão precioso, do que ser capaz de decidir. 
Napoleão Bonaparte
referências•GRECO, R. M. Tomada de decisão e o pensamento crítico reflexivo em enfermagem. Juiz de Fora -MG, p. http://www.ufjf.br/admenf/files/2014/03/Aula-8-TOMADA-DE- DECIS%C3%83O-E-O-PENSAMENTO-CRITICO-REFLEXIVO-EM- ENFERMAGEM.pdf, 2014. Acesso em: 13 de agosto de 2014. 
•MONTEZELI, JH. O trabalho do enfermeiro no pronto-socorro: uma análise na perspectiva das competências gerenciais. 2009. Dissertação (mestrado) –Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2009. 135f. Disponível em:www.ppgenf.ufpr.br/DissertaçãoJulianaMontezeli.pdf. 
•DAL SASSO, G. T. M.; DARLI, M. C. B; CHAVES, L. D.P.; Et al. Cursode EspecializaçãoemLinhasde CuidadoemEnfermagem: MóduloV - Classificaçãode riscoe acolhimentoFlorianópilis-SC: UniversidadeFederal de Santa Catarina–UFSC Programade Pósgraduaçãoemenfermagem, 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeJesiele Spindler
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemFernando Dias
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptValdemilsonVieira
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemresenfe2013
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Organização serviços de saúde
Organização serviços de saúdeOrganização serviços de saúde
Organização serviços de saúdecalinesa
 
A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarEugenio Rocha
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'joselene beatriz
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Ravenny Caminha
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdenaiellyrodrigues
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 

Mais procurados (20)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Gestão em saúde
Gestão em saúdeGestão em saúde
Gestão em saúde
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Organização serviços de saúde
Organização serviços de saúdeOrganização serviços de saúde
Organização serviços de saúde
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalar
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 

Semelhante a Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão

Administracao unidade03
Administracao unidade03Administracao unidade03
Administracao unidade03koddyrj2011
 
Administracao unidade03
Administracao unidade03Administracao unidade03
Administracao unidade03koddyrj2011
 
Tomada de-decisão-em-enfermagemi
Tomada de-decisão-em-enfermagemiTomada de-decisão-em-enfermagemi
Tomada de-decisão-em-enfermagemiFabiana Costa
 
Havan lucas e leonardo - tomada de decisão e determinação - 27-06-13
Havan   lucas e leonardo - tomada de decisão e determinação - 27-06-13Havan   lucas e leonardo - tomada de decisão e determinação - 27-06-13
Havan lucas e leonardo - tomada de decisão e determinação - 27-06-13Evelise Cuesta
 
TOMADA DE DECISÃO SÉCULO .pptx
TOMADA DE DECISÃO  SÉCULO .pptxTOMADA DE DECISÃO  SÉCULO .pptx
TOMADA DE DECISÃO SÉCULO .pptxDanilloSGuimares
 
Resenha - Teoria Comportamental: Teoria das Idéias
Resenha - Teoria Comportamental: Teoria das IdéiasResenha - Teoria Comportamental: Teoria das Idéias
Resenha - Teoria Comportamental: Teoria das Idéiasadmetz01
 
Fichamento do interdisciplinar
Fichamento do interdisciplinarFichamento do interdisciplinar
Fichamento do interdisciplinarDorca Alves
 
Administração aulas 1 e 2 de processos decisorios
Administração aulas 1 e 2 de processos decisoriosAdministração aulas 1 e 2 de processos decisorios
Administração aulas 1 e 2 de processos decisoriosRosival Fagundes
 
2 aula 16 novo - 2014.1 ucam - comport organizacional - vocaçao do consultor
2   aula 16 novo - 2014.1 ucam - comport organizacional - vocaçao do consultor2   aula 16 novo - 2014.1 ucam - comport organizacional - vocaçao do consultor
2 aula 16 novo - 2014.1 ucam - comport organizacional - vocaçao do consultorAngelo Peres
 
Tomada_de_decisao.ppt
Tomada_de_decisao.pptTomada_de_decisao.ppt
Tomada_de_decisao.pptLinoGMarujo
 
Aoi aula8 tomada_de_decisao_gerencial
Aoi aula8 tomada_de_decisao_gerencialAoi aula8 tomada_de_decisao_gerencial
Aoi aula8 tomada_de_decisao_gerencialAnderson Coelho
 
Ética nas Organizações - artigo administração
Ética nas Organizações - artigo administraçãoÉtica nas Organizações - artigo administração
Ética nas Organizações - artigo administraçãofernandofaria155515
 
10 modelo simon
10   modelo simon10   modelo simon
10 modelo simonZaneliS
 
Análise de problemas e tomadas de decisões
Análise de problemas e tomadas de decisõesAnálise de problemas e tomadas de decisões
Análise de problemas e tomadas de decisõesJadgy Back
 

Semelhante a Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão (20)

Tomada de decisao
Tomada de decisaoTomada de decisao
Tomada de decisao
 
Administracao unidade03
Administracao unidade03Administracao unidade03
Administracao unidade03
 
Administracao unidade03
Administracao unidade03Administracao unidade03
Administracao unidade03
 
Tomada de-decisão-em-enfermagemi
Tomada de-decisão-em-enfermagemiTomada de-decisão-em-enfermagemi
Tomada de-decisão-em-enfermagemi
 
Havan lucas e leonardo - tomada de decisão e determinação - 27-06-13
Havan   lucas e leonardo - tomada de decisão e determinação - 27-06-13Havan   lucas e leonardo - tomada de decisão e determinação - 27-06-13
Havan lucas e leonardo - tomada de decisão e determinação - 27-06-13
 
Técnica de brainstorm
Técnica de brainstormTécnica de brainstorm
Técnica de brainstorm
 
TOMADA DE DECISÃO SÉCULO .pptx
TOMADA DE DECISÃO  SÉCULO .pptxTOMADA DE DECISÃO  SÉCULO .pptx
TOMADA DE DECISÃO SÉCULO .pptx
 
Resenha - Teoria Comportamental: Teoria das Idéias
Resenha - Teoria Comportamental: Teoria das IdéiasResenha - Teoria Comportamental: Teoria das Idéias
Resenha - Teoria Comportamental: Teoria das Idéias
 
Fichamento do interdisciplinar
Fichamento do interdisciplinarFichamento do interdisciplinar
Fichamento do interdisciplinar
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Administração aulas 1 e 2 de processos decisorios
Administração aulas 1 e 2 de processos decisoriosAdministração aulas 1 e 2 de processos decisorios
Administração aulas 1 e 2 de processos decisorios
 
2 aula 16 novo - 2014.1 ucam - comport organizacional - vocaçao do consultor
2   aula 16 novo - 2014.1 ucam - comport organizacional - vocaçao do consultor2   aula 16 novo - 2014.1 ucam - comport organizacional - vocaçao do consultor
2 aula 16 novo - 2014.1 ucam - comport organizacional - vocaçao do consultor
 
Tomada_de_decisao.ppt
Tomada_de_decisao.pptTomada_de_decisao.ppt
Tomada_de_decisao.ppt
 
Td parte1 e_2
Td parte1 e_2Td parte1 e_2
Td parte1 e_2
 
Aoi aula8 tomada_de_decisao_gerencial
Aoi aula8 tomada_de_decisao_gerencialAoi aula8 tomada_de_decisao_gerencial
Aoi aula8 tomada_de_decisao_gerencial
 
slides Processo decisório.pptx
slides Processo decisório.pptxslides Processo decisório.pptx
slides Processo decisório.pptx
 
Ética nas Organizações - artigo administração
Ética nas Organizações - artigo administraçãoÉtica nas Organizações - artigo administração
Ética nas Organizações - artigo administração
 
10 modelo simon
10   modelo simon10   modelo simon
10 modelo simon
 
Tomada de decisão
Tomada de decisãoTomada de decisão
Tomada de decisão
 
Análise de problemas e tomadas de decisões
Análise de problemas e tomadas de decisõesAnálise de problemas e tomadas de decisões
Análise de problemas e tomadas de decisões
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 

Último

1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 

Último (15)

1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 

Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão

  • 2. Tomada de decisão Faz parte da vida Diariamente, simples ou complexas Nossa vida é permeada de escolhas. No âmbito pessoal serve para traçar e orientar os caminhos Profissionalmente -outra dimensão. Em um serviço: Situações complexas, que irão influenciar nossas vidas pessoais e a de muitas outras pessoas. É necessário que levem ao o melhor resultado possível
  • 3. O que é processo decisório Atividade inerente ao processo de planejamento “Onde se pretende chegar, o que deve ser feito, quando, como e em que sequência” “decidir significa ir além do momento da escolha, da decisão em si, decidir significa necessariamente escolher entre uma ou mais alternativas ou opções, com vistas a alcançar um resultado desejado”.
  • 4. Fases do processo decisório As fases do processo decisório são: Identificação do problema; Coleta de dados; Análise dos dados; Descrição de soluções alternativas; Escolha ou decisão; Implementação e Avaliação. Vejamos então o que significa cada uma delas:
  • 5. Fases do processo decisório •Significa descrever objetivamente a situação/problema, tentando definir o problema a partir da listagem das supostas causas, a descrição da situação por escrito auxilia na compreensão da situação; Identificação do problema •Consiste em se colher e levantar informações que permitam o exame da situação para isso deve-se ouvir todas as pessoas envolvidas na situação e faz-se um estudo de opiniões do grupo de trabalho; Coleta de dados
  • 6. Fases do processo decisório •Procura-se às causas do problema, relacionando as forças restritivas que causam e mantém o problema, resistindo à sua solução (as forças negativas) e as forças impulsoras, que contribuem para a solução do problema (forças positivas); Análise dos dados •Consiste em se listar as várias propostas de soluções alternativas, considerando a viabilidade e os efeitos prováveis de cada uma. Descrição de Soluções Alternativas
  • 7. Fases do processo decisório •Opta-se por uma determinada solução, considerando-se as que melhor atendam aos objetivos estabelecidos e às circunstâncias presentes; Escolha ou decisão •Consiste em aplicar a solução escolhida; Implementação •Consiste em verificar se o problema foi resolvido e quais as consequências da decisão tomada, para fundamentar futuras intervenções Avaliação
  • 8. Enfermagem e o processo decisório Atuação com outros profissionais; Cuidado envolve procedimentos técnico, dimensão afetiva e empatia; Cuidar é tomar decisões –posicionamento; É cotidiano porém muitas vezes são circunstanciais, pouco fundamentadas; “Causa angustias que, somadas às ansiedades geradas pelo próprio ambiente de trabalho, levam o profissional a vivenciar situações de permanentes conflitos e insatisfações”.
  • 9. Enfermagem e o processo decisório É influenciado por padrões, normas e diretrizes, no entanto é importante que estes não sejam seguidos cegamente; Pensamento crítico para tomar uma decisão é essencial no momento de reconhecer quando a situação requer soluções criativas.
  • 10. O que é pensamento crítico? Mundo em transformação Podemos assumir duas posturas: sujeitos críticos e não críticos Qual postura você tem assumido? Todos pensamos, mas o pensamento crítico é controlado, 0proposital e mais apropriado para levar aos benefícios óbvios. O pensamento crítico exige a pratica da reflexão
  • 11. O pensamento crítico em enfermagem Rompercomalógicatecnicista,queapesardeseraspectoimportantesdaatuaçãonoatendimentoasurgênciaseemergêncianãodevemserprivilegiadoemdetrimentodosaberser. Não é fácil Somos condicionados e motivados para atividades práticas
  • 12. O pensamento crítico em enfermagem É similar ao de qualquer outra situação; Requer crítica e reflexão As conclusões e decisões a que chegamos como enfermeiros afeta a vida das pessoas O nosso pensamento deve ser guiado por um raciocínio preciso que procure identificar claramente as questões que se apresentam Planejamento administrativo e o processo de enfermagem.
  • 13. O pensamento crítico reflexivo e a tomada de decisão em enfermagem Essencial e nos ajuda a •Identificar problemas reais e potenciais •Aprimorar a equipe e atenção prestada. Tomar cuidado com a influência de padrões, normas e diretrizes. Estes não devem ser seguidos cegamente. •Usar a crítica e a criatividade. •Discutir “o protocolo é para os médios”
  • 14. Para exemplificar Alfaro-Lefevre(1996) cita a seguinte situação: Dentro do processo decisório, a fase de procura de soluções alternativas pede que se lance mão da criatividade para que se alcancem mudanças.
  • 15. Segundo Kron; Gray (1994) os enfermeiros possuem bloqueios à criatividade que podem ser explicados pelas seguintes razões: 1 –Uso do pensamento crítico mais que o pensamento imaginativo; 2 –Receio do desconhecido e receio de arriscar; 3 –Incapacidade ou não desejo de analisar, objetivamente, as forças e capacidades dos indivíduos; 4 –Conformismo, manutenção de métodos e padrões tradicionais e 5 –Incapacidade de selecionar repentinamente ideias como forma de resolver um problema para mudança.
  • 16. Hesketh(1984) aponta que a dificuldade em ser criativo pode ocorrer basicamente por 3 motivos: Bloqueios psicológicos -normalmente por falta de informação e conhecimentos sobre as situações ou hábitos pessoais levando a uma tendência a seguir normas preestabelecidas; Bloqueios por atitudes -pode ser representado pelo pensamento negativista, pelo conformismo e pela “preguiça mental”; Bloqueios pela influência de fatores socioculturais representado pelo condicionamento na crença da autoridade e os critérios de julgamento.
  • 17. Técnicas de tomada de decisão
  • 18. Tendências Descentralização da tomada de decisão Horizontalização da equipe Autoridade com responsabilidade
  • 19. Princípios da decisão compartilhada •Envolvimento de todos, reconhecimento da interdependência das ações e da contribuição de cada um no resultado. Parceria •Consiste em garantir ao profissional autonomia, autoridade e controle sobre determinada atividade. Autoridade com responsabilidade •Valorizar a todos no processo de tomada de decisão Equidade
  • 20. Princípios da decisão compartilhada •Comprometimento de cada um com a meta da organização. Propriedade •Consiste no empenho dos profissionais para o alcance dos melhores resultados Eficiência, eficácia e efetividade •Todos devem investir no aprendizado contínuo, buscando ações e decisões embasadas na melhor informação. Aprendizado contínuo •A melhor decisão não é a mais popular ou da maioria, mas sim aquela respaldada pela melhor informação A pessoa certa no lugar certo
  • 21. A título de conclusão Tomar decisões: juízo de fatos e de valores Algo complexo, que irá influenciar a vida de muitas outras pessoas. Imperativo na profissão de enfermagem Utilizar “conhecimentos, habilidades e atitudes coerentes, precisas e imparciais para uma tomada de decisão que venha ao encontro de seus valores pessoais e éticos e ao mesmo tempo em que atenda aos objetivos e metas da organização” (CIAMPONE, 1991).
  • 22. A titulo de conclusão O enfermeiro deve possuir: •Capacidade de caracterização objetiva da situação •Sensibilidade para problemas de relações humanas •Descontentamento construtivo •Autodeterminação para solucionar problemas •A tomada de decisão tem que ser um processo participativo
  • 23. Nada é mais difícil e, portanto, tão precioso, do que ser capaz de decidir. Napoleão Bonaparte
  • 24. referências•GRECO, R. M. Tomada de decisão e o pensamento crítico reflexivo em enfermagem. Juiz de Fora -MG, p. http://www.ufjf.br/admenf/files/2014/03/Aula-8-TOMADA-DE- DECIS%C3%83O-E-O-PENSAMENTO-CRITICO-REFLEXIVO-EM- ENFERMAGEM.pdf, 2014. Acesso em: 13 de agosto de 2014. •MONTEZELI, JH. O trabalho do enfermeiro no pronto-socorro: uma análise na perspectiva das competências gerenciais. 2009. Dissertação (mestrado) –Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2009. 135f. Disponível em:www.ppgenf.ufpr.br/DissertaçãoJulianaMontezeli.pdf. •DAL SASSO, G. T. M.; DARLI, M. C. B; CHAVES, L. D.P.; Et al. Cursode EspecializaçãoemLinhasde CuidadoemEnfermagem: MóduloV - Classificaçãode riscoe acolhimentoFlorianópilis-SC: UniversidadeFederal de Santa Catarina–UFSC Programade Pósgraduaçãoemenfermagem, 2013.