SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Autarquia Educacional do Belo Jardim
Faculdade do Belo Jardim
Curso de Bacharelado em Enfermagem
Disciplina: Administração, Distribuição e Controle Pessoal
Docente: Andrezza Priori
ADMINISTRAÇÃO DE
CONFLITO E TOMADA DE
DECISÃO
INTRODUÇÃO
O O QUE É CONFLITO?
O Conflito vem do latim conflictus que significa choque entre duas
coisas, embate de pessoas que lutam entre si.
O Vejamos agora como alguns autores definem o que são Conflitos:
O “Conflitos costumam ser definidos como discordâncias internas,
resultantes de diferenças quanto a idéias, valores ou sentimentos
entre duas ou mais pessoas (MARX, MORITA, 2000 p.69).
O “Um conflito é uma luta expressa entre pelo menos duas partes
interdependentes que percebem que seus objetivos são
incompatíveis, suas compensações são reduzidas e a outra parte
os impede de atingir seus objetivos” (HOCKER E WILMOT, 1985
citado por SARAIVA s/data).
QUAIS AS POSSÍVEIS
CAUSAS?
O Experiência de frustração de uma ou ambas
as partes: incapacidade de atingir uma ou
mais metas e/ou de realizar e satisfazer os
seus desejos, por algum tipo de interferência
ou limitação pessoal, técnica ou
comportamental;
O Diferenças de personalidade: são invocadas
como explicação para as desavenças tanto
no ambiente familiar como no ambiente de
trabalho, e reveladas no relacionamento
diário através de algumas características
indesejáveis na outra parte envolvida;
QUAIS AS POSSÍVEIS
CAUSAS?
O Metas diferentes: é muito comum estabelecermos
e/ou recebermos metas/objetivos a serem atingidos
e que podem ser diferentes dos de outras pessoas e
de outros departamentos, o que nos leva à geração
de tensões em busca de seu alcance;
O Diferenças em termos de informações e percepções:
costumeiramente tendemos a obter informações e
analisá-las à luz dos nossos conhecimentos e
referenciais, sem levar em conta que isto ocorre
também como outro lado com quem temos de
conversar e/ou apresentar nossas ideias, e que este
outro lado pode ter uma forma diferente de ver as
coisas.
NÍVEIS
O Nível 1 - Discussão: é o estágio inicial do conflito;
caracteriza-se normalmente por ser racional,
aberta e objetiva;
O Nível 2 - Debate: neste estágio, as pessoas fazem
generalizações e buscam demonstrar alguns
padrões de comportamento. O grau de
objetividade existente no nível 1 começa a
diminuir;
O Nível 3 - Façanhas: as partes envolvidas no
conflito começam a mostrar grande falta de
confiança no caminho ou alternativa escolhidos
pela outra parte envolvida;
NÍVEIS
O Nível 4 - Imagens fixas: são estabelecidas imagens
preconcebidas com relação à outra parte, fruto de
experiências anteriores ou de preconceitos que trazemos,
fazendo com que as pessoas assumam posições fixas e
rígidas;
O Nível 5 - Loss of face (ficar com a cara no chão.): trata-se
da postura de .continuo neste conflito custe o que custar e
lutarei até o fim., o que acaba por gerar dificuldades para
que uma das partes envolvidas se retire;
O Nível 6 - Estratégias: neste nível começam a surgir
ameaças e as punições ficam mais evidentes. O processo
de comunicação, uma das peças fundamentais para a
solução de conflitos, fica cada vez mais restrito;
NÍVEIS
O Nível 7 - Falta de humanidade: no nível anterior
evidenciam-se as ameaças e punições. Neste, aparecem
com muita freqüência os primeiros comportamentos
destrutivos e as pessoas passam a se sentir cada vez mais
desprovidas de sentimentos;
O Nível 8 - Ataque de nervos: nesta fase, a necessidade de
se autopreservar e se proteger passa a ser a única
preocupação. A principal motivação é a preparação para
atacar e ser atacado;
O Nível 9 - Ataques generalizados: neste nível chega-se às
vias de fato e não há outra alternativa a não ser a retirada
de um dos dois lados envolvidos ou a derrota de um deles.
TIPOS DE CONFLITO
O Conflito latente;
O Conflito percebido;
O Conflito sentido;
O Conflito manifesto.
ÁREAS DE CONFLITO
O Conflitos tradicionais: surge em
decorrência do grau de complexidade e
implicação social.
O Conflito social: pertencem à história e são
aqueles que reúnem indivíduos ao redor
dos mesmos interesses, fortalecendo sua
solidariedade.
FONTES DE CONFLITO
O Direitos não atendidos ou não
conquistados;
O Mudanças externas acompanhadas por
tensões,
O Desejo de êxito econômico;
O Necessidades individuais não atendidas;
FONTES DE CONFLITO
O Carências de informação, tempo e
tecnologia;
O Marcadas diferenças culturais e
individuais;
O Tentativa de autonomia;
O Emoções não expressas/inadequadas;
O Meio-ambiente adverso e preconceitos.
CONSEQUÊNCIAS DO
CONFLITOS
O Aspectos Negativos;
Sentimentos
ambíguos
Situação
hostil
Comunicação
Desperdício
de energia
CONSEQUÊNCIAS DO
CONFLITOS
O Aspectos Positivos:
Reflexões
e Análises
Gera
energia
Movimento
Ação
GERENCIAMENTO DOS
CONFLITOS NA ENFERMAGEM
O O enfrentamento do conflito é a oportunidade para
melhorar as inter-relações e o trabalho em saúde.
O Uma possibilidade para minimizar situações de
enfrentamento seria propiciar maior diálogo,
através de reuniões formais e informais.
O O enfermeiro para gerenciar conflitos deve saber
lidar em princípio com as próprias emoções e
aceitar que apesar das diferenças os seres
humanos podem conviver de maneira saudável
em harmonia e com qualidade
ESTRATÉGIAS UTILIZADAS
O Comprometimento/ compromisso – ambas as partes
envolvidas no conflito abrem mão de alguma coisa para
que se possa caminhar na direção da solução do conflito;
O Evitação/evitamento – é quando as partes envolvidas não
encaram o conflito fazendo a opção por não reconhecer ou
não tentar solucionar o conflito;
O Acomodação-suavização/ cooperação – uma das partes
abre mão de suas crenças e permite a vitória da outra
parte. Não há solução do problema que levou ao conflito;
O Competição – uma das partes consegue o que quer pela
força ou poder, modalidade do tipo perde-ganha, causa
frustração e desejo de vingança;
ESTRATÉGIAS UTILIZADAS
O Amenização – é quando se busca mais as
semelhanças do que as diferenças, de modo a
abrandar e reduzir o componente emocional
presente no conflito, também não leva a resolução
do verdadeiro conflito;
O Colaboração – método cooperativo e positivo,
solução do conflito de forma conjunta, através de
um comum acordo, forma assertiva de resolver um
conflito, pois todas as partes vencem. Deve-se
deixar as metas originais de lado e trabalhar
juntos para estabelecer novas metas comuns.
ELEMENTOS CHAVES PARA
A NEGOCIAÇÃO
O 1. Comunicação – saber fazer-se entender e saber
ouvir, pois uma boa comunicação evita ruídos;
O 2. Relacionamento – ter um bom relacionamento -
ter humildade, flexibilidade, ter bons princípios de
relações humanas;
O 3. Interesses da outra parte – saber que os seus
interesses são tão importantes quanto os da outra
parte – levar em consideração ambos os interesses;
O 4. Opções – estar preparado para apresentar
opções para a concretização de um acordo;
ELEMENTOS CHAVES PARA
A NEGOCIAÇÃO
O 5. Alternativas – saber equilibrar os pontos
positivos e negativos e qual o melhor
desfecho, às vezes o melhor é postergar a
decisão;
O 6. Legitimidade – ao final de uma
negociação, ambas as partes devem sentir
que os seus interesses foram tratados com
justiça;
O 7. Compromisso – é a forma de registrar o
que foi acordado.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
SOBRE CONFLITOS
Portanto para gerenciar conflitos o enfermeiro
dever ser gente.
E para um GERENTE ser GENTE basta retirar
o RE:
O RE de reativo
O RE de reacionário
O RE de retrogrado
O RE de rei
O RE de repórter fifi...
O resultado realmente será GENTE.
TOMADA DE DECISÃO
O Tomar decisões qualificadas e bem
direcionadas pode determinar o sucesso
ou insucesso profissional e da
organização. Muito tempo do enfermeiro
será despendido no exame crítico de
problemas, em sua solução e na tomada
de decisão (Marcon, 2006).
DIRETRIZES CURRICULARES
NACIONAIS
O Resolução CNE/CES Nº 03 de 7/11/2001
O “Tomada de decisões: o trabalho dos
profissionais de saúde deve estar
fundamentado na capacidade de tomar
decisões visando o uso apropriado, eficácia e
custo-efetividade, da força de trabalho, de
medicamentos, de equipamentos, de
procedimentos e de práticas. Para este fim, os
mesmos devem possuir habilidades para
avaliar, sistematizar e decidir a conduta mais
apropriada” (BRASIL, 2001).
O “A primeira diz respeito à necessidade do enfermeiro utilizar
julgamento independente, ou seja, de atuar com base numa
avaliação racional da situação e não de forma preconceituosa e/ou
de submissão sem questionamento, às imposições de outros
profissionais e das instituições;
O A segunda refere-se aos ideais de libertação do indivíduo, em que
o profissional pode livrar-se do controle de crenças e atitudes
injustificadas, tomar conta de sua vida indagando tanto as próprias
ideias como as dos outros;
O A terceira trata da necessidade de desenvolver, em benefício do
receptor de cuidados, a racionalidade no julgamento clínico e
científico inerente ao processo de enfermagem”. (Bandman e
Bandman, 1995 apud Enders, Brito e Monteiro, 2004; p. 297).
PROCESSO DECISÓRIO
O Decidir é um processo cognitivo complicado,
onde a dúvida a respeito de várias opções
precisa culminar com uma escolha que
elimine incertezas (Marquis e Huston, 2010).
O “Decidir significa ir além do momento da
escolha, da decisão em si; decidir significa
necessariamente escolher entre uma ou mais
alternativas ou opções, com vistas a alcançar
um resultado desejado”.
PROCESSO DECISÓRIO
O No processo de trabalho, a tomada de
decisão é considerada a função que
caracteriza o desempenho da gerência.
Independentemente do aspecto da decisão,
esta atitude deve ser fruto de um processo
sistematizado, que envolve o estudo do
problema a partir de um levantamento de
dados, produção de informação,
estabelecimento de propostas de soluções,
escolha da decisão, viabilização e
implementação da decisão e análise dos
resultados obtidos” (Guimarães; Évora, 2004:
p. 73).
PENSAMENTO CRÍTICO-
REFLEXIVO
O Pensar de forma crítica, ou raciocínio crítico-reflexivo, vai além de
decidir e resolver o problema; inclui a avaliação ampla do geral ao
específico, estreitando o foco com vistas a atingir uma conclusão.
O Segundo (Marquis e Huston, 2010) as características de quem usa
o raciocínio crítico:
O Ser aberto a novas ideias;
O Intuitivo;
O Persistente;
O Comunicador;
O Flexível;
O Observador;
O Assumir riscos;
O Enxergar além do que é apresentado;
O Ser criativo;
O Voltado a resultados.
PENSAMENTO CRÍTICO-
REFLEXIVO
O Para pensar criticamente precisamos estimular a reflexão, o que
significa desenvolver a observação, análise, crítica, autonomia de
pensar e de idéias, tornar-se agente de transformações na
sociedade e interagir com a realidade (Sordi, Bagnato, 1998 apud
Greco, 2008).
O Alfaro-Lefevre (1996) apud Greco (2008: p. 4) propõe algumas
ações que podem ajudar no exercício do pensamento crítico em
situações diferentes:
O Identificar suposições, verificar a exatidão e integridade dos dados,
compreender quando existem contradições em relação à
informação apresentada, distinguir o relevante do irrelevante,
distinguir normal do anormal.
O Reunir informações afins, identificar informações.
O Considerar conclusões diferentes e válidas.
O Identificar a causa fundamental e estabelecer prioridades;
determinar alvos realistas.
O Avaliar e corrigir.
FASES DO PROCESSO
DECISÓRIO
O Percepção do problema;
O Coleta de dados;
O Análise dos dados;
O Procura de soluções alternativas;
O Escolha ou decisão;
O Implementação;
O Avaliação.
FASES DO PROCESSO
DECISÓRIO
O Pontos importantes:
O Coleta dos dados;
O Trabalho em equipe;
O Consultas.
ABORDAGEM BASEADA EM
EVIDÊNCIAS
O Algumas estratégias incluem:
O Manter-se atualizado;
O Usar e estimular o uso de fontes de
evidências;
O Implementar e avaliar práticas já
sancionadas;
O Questionar, desafiar e assumir riscos;
O Cooperar com outros enfermeiros;
O Interagir com outras disciplinas para ativar
evidências em enfermagem.
TOMADA DE DECISÃO NAS
ORGANIZAÇÕES
O Considerando que as organizações são
compostas por pessoas com valores e
preferências distintos, conflitos podem
ocorrer na tomada de decisão;
O Hieraquização;
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O “Ao assumir um cargo, o enfermeiro se
depara indiscutivelmente com situações
diversas que lhe exigem conhecimentos,
habilidades e atitudes coerentes, precisas
e imparciais para uma tomada de
decisão.” (Ciampone, 1991: p. 205).
REFERÊNCIAS
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem resenfe2013
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de EnfermagemAndréa Dantas
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptxSocorro Carneiro
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoNyedson Barbosa
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Will Nunes
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na SaúdeYlla Cohim
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemFernando Dias
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 

Mais procurados (20)

BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de Trabalho
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 

Semelhante a Administração de Conflito e tomada de decisão

Modelos de liderança 5a aula - 17/03/2011
Modelos de liderança 5a aula - 17/03/2011Modelos de liderança 5a aula - 17/03/2011
Modelos de liderança 5a aula - 17/03/2011Unip e Uniplan
 
CONFLITO&NEGOCIACAO_I.pptx
CONFLITO&NEGOCIACAO_I.pptxCONFLITO&NEGOCIACAO_I.pptx
CONFLITO&NEGOCIACAO_I.pptxJosimar Reis
 
Capítulo 4 - O conflito e a negociação
Capítulo 4 - O conflito e a negociaçãoCapítulo 4 - O conflito e a negociação
Capítulo 4 - O conflito e a negociaçãoJulio Kyosen Nakatani
 
Parte v – administração de conflitos prof glauber santos adm-
Parte v – administração de conflitos prof glauber santos adm-Parte v – administração de conflitos prof glauber santos adm-
Parte v – administração de conflitos prof glauber santos adm-Isabel Brandão
 
Gestao%20de%20conflitos Tixa
Gestao%20de%20conflitos TixaGestao%20de%20conflitos Tixa
Gestao%20de%20conflitos Tixaguest98b8c3
 
Gestao%20de%20conflitos tixa
Gestao%20de%20conflitos tixaGestao%20de%20conflitos tixa
Gestao%20de%20conflitos tixaguest09b5d02
 
Gestao%20de%20conflitos tixa
Gestao%20de%20conflitos tixaGestao%20de%20conflitos tixa
Gestao%20de%20conflitos tixaguest09b5d02
 
Gestao%20de%20conflitos Tixa
Gestao%20de%20conflitos TixaGestao%20de%20conflitos Tixa
Gestao%20de%20conflitos Tixaguest98b8c3
 
apresentação powderpoint gestao_conflitos.ppt
apresentação powderpoint gestao_conflitos.pptapresentação powderpoint gestao_conflitos.ppt
apresentação powderpoint gestao_conflitos.ppthenrique fernandes
 
Administracao De Conflitos Aula 03
Administracao De Conflitos Aula 03Administracao De Conflitos Aula 03
Administracao De Conflitos Aula 03guest8598cc
 

Semelhante a Administração de Conflito e tomada de decisão (20)

Administração de conflito
Administração de conflitoAdministração de conflito
Administração de conflito
 
Modelos de liderança 5a aula - 17/03/2011
Modelos de liderança 5a aula - 17/03/2011Modelos de liderança 5a aula - 17/03/2011
Modelos de liderança 5a aula - 17/03/2011
 
CONFLITO&NEGOCIACAO_I.pptx
CONFLITO&NEGOCIACAO_I.pptxCONFLITO&NEGOCIACAO_I.pptx
CONFLITO&NEGOCIACAO_I.pptx
 
Conflitos
ConflitosConflitos
Conflitos
 
Aula 04 adm conflitos
Aula 04  adm conflitosAula 04  adm conflitos
Aula 04 adm conflitos
 
Adm de conflitos
Adm de conflitosAdm de conflitos
Adm de conflitos
 
Capítulo 4 - O conflito e a negociação
Capítulo 4 - O conflito e a negociaçãoCapítulo 4 - O conflito e a negociação
Capítulo 4 - O conflito e a negociação
 
gestão de conflitos 1.pptx
gestão de conflitos 1.pptxgestão de conflitos 1.pptx
gestão de conflitos 1.pptx
 
Conflitos eee
Conflitos eeeConflitos eee
Conflitos eee
 
Negociacao 1
Negociacao 1Negociacao 1
Negociacao 1
 
Negociação de conflitos.pdf
Negociação de conflitos.pdfNegociação de conflitos.pdf
Negociação de conflitos.pdf
 
Parte v – administração de conflitos prof glauber santos adm-
Parte v – administração de conflitos prof glauber santos adm-Parte v – administração de conflitos prof glauber santos adm-
Parte v – administração de conflitos prof glauber santos adm-
 
Gestao%20de%20conflitos Tixa
Gestao%20de%20conflitos TixaGestao%20de%20conflitos Tixa
Gestao%20de%20conflitos Tixa
 
Gestao%20de%20conflitos tixa
Gestao%20de%20conflitos tixaGestao%20de%20conflitos tixa
Gestao%20de%20conflitos tixa
 
Gestao%20de%20conflitos tixa
Gestao%20de%20conflitos tixaGestao%20de%20conflitos tixa
Gestao%20de%20conflitos tixa
 
Gestao%20de%20conflitos Tixa
Gestao%20de%20conflitos TixaGestao%20de%20conflitos Tixa
Gestao%20de%20conflitos Tixa
 
Gestao de conflitos
Gestao de conflitosGestao de conflitos
Gestao de conflitos
 
gestao_conflitos.ppt
gestao_conflitos.pptgestao_conflitos.ppt
gestao_conflitos.ppt
 
apresentação powderpoint gestao_conflitos.ppt
apresentação powderpoint gestao_conflitos.pptapresentação powderpoint gestao_conflitos.ppt
apresentação powderpoint gestao_conflitos.ppt
 
Administracao De Conflitos Aula 03
Administracao De Conflitos Aula 03Administracao De Conflitos Aula 03
Administracao De Conflitos Aula 03
 

Mais de Fernanda Marinho

PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMPESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMFernanda Marinho
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA). Fernanda Marinho
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIAFernanda Marinho
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDASINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDAFernanda Marinho
 
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PELEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PEFernanda Marinho
 
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...Fernanda Marinho
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Fernanda Marinho
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalFernanda Marinho
 
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Fernanda Marinho
 

Mais de Fernanda Marinho (20)

PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMPESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
 
DST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERESDST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERES
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDASINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDA
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Transtorno de ansiedade
Transtorno de ansiedadeTranstorno de ansiedade
Transtorno de ansiedade
 
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PELEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Sinasc
SinascSinasc
Sinasc
 
Transplantes
Transplantes Transplantes
Transplantes
 
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
 
Cobertura vacinal
Cobertura vacinalCobertura vacinal
Cobertura vacinal
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetal
 
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
 
HIPERÊMESE GRAVÍDICA
  HIPERÊMESE GRAVÍDICA  HIPERÊMESE GRAVÍDICA
HIPERÊMESE GRAVÍDICA
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 

Último

Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxOrações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxKtiaOliveira68
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfAutonoma
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaJulianeNassaralla1
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do séculoBiblioteca UCS
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxOrações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemática
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 

Administração de Conflito e tomada de decisão

  • 1. Autarquia Educacional do Belo Jardim Faculdade do Belo Jardim Curso de Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Administração, Distribuição e Controle Pessoal Docente: Andrezza Priori ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO E TOMADA DE DECISÃO
  • 2. INTRODUÇÃO O O QUE É CONFLITO? O Conflito vem do latim conflictus que significa choque entre duas coisas, embate de pessoas que lutam entre si. O Vejamos agora como alguns autores definem o que são Conflitos: O “Conflitos costumam ser definidos como discordâncias internas, resultantes de diferenças quanto a idéias, valores ou sentimentos entre duas ou mais pessoas (MARX, MORITA, 2000 p.69). O “Um conflito é uma luta expressa entre pelo menos duas partes interdependentes que percebem que seus objetivos são incompatíveis, suas compensações são reduzidas e a outra parte os impede de atingir seus objetivos” (HOCKER E WILMOT, 1985 citado por SARAIVA s/data).
  • 3. QUAIS AS POSSÍVEIS CAUSAS? O Experiência de frustração de uma ou ambas as partes: incapacidade de atingir uma ou mais metas e/ou de realizar e satisfazer os seus desejos, por algum tipo de interferência ou limitação pessoal, técnica ou comportamental; O Diferenças de personalidade: são invocadas como explicação para as desavenças tanto no ambiente familiar como no ambiente de trabalho, e reveladas no relacionamento diário através de algumas características indesejáveis na outra parte envolvida;
  • 4. QUAIS AS POSSÍVEIS CAUSAS? O Metas diferentes: é muito comum estabelecermos e/ou recebermos metas/objetivos a serem atingidos e que podem ser diferentes dos de outras pessoas e de outros departamentos, o que nos leva à geração de tensões em busca de seu alcance; O Diferenças em termos de informações e percepções: costumeiramente tendemos a obter informações e analisá-las à luz dos nossos conhecimentos e referenciais, sem levar em conta que isto ocorre também como outro lado com quem temos de conversar e/ou apresentar nossas ideias, e que este outro lado pode ter uma forma diferente de ver as coisas.
  • 5. NÍVEIS O Nível 1 - Discussão: é o estágio inicial do conflito; caracteriza-se normalmente por ser racional, aberta e objetiva; O Nível 2 - Debate: neste estágio, as pessoas fazem generalizações e buscam demonstrar alguns padrões de comportamento. O grau de objetividade existente no nível 1 começa a diminuir; O Nível 3 - Façanhas: as partes envolvidas no conflito começam a mostrar grande falta de confiança no caminho ou alternativa escolhidos pela outra parte envolvida;
  • 6. NÍVEIS O Nível 4 - Imagens fixas: são estabelecidas imagens preconcebidas com relação à outra parte, fruto de experiências anteriores ou de preconceitos que trazemos, fazendo com que as pessoas assumam posições fixas e rígidas; O Nível 5 - Loss of face (ficar com a cara no chão.): trata-se da postura de .continuo neste conflito custe o que custar e lutarei até o fim., o que acaba por gerar dificuldades para que uma das partes envolvidas se retire; O Nível 6 - Estratégias: neste nível começam a surgir ameaças e as punições ficam mais evidentes. O processo de comunicação, uma das peças fundamentais para a solução de conflitos, fica cada vez mais restrito;
  • 7. NÍVEIS O Nível 7 - Falta de humanidade: no nível anterior evidenciam-se as ameaças e punições. Neste, aparecem com muita freqüência os primeiros comportamentos destrutivos e as pessoas passam a se sentir cada vez mais desprovidas de sentimentos; O Nível 8 - Ataque de nervos: nesta fase, a necessidade de se autopreservar e se proteger passa a ser a única preocupação. A principal motivação é a preparação para atacar e ser atacado; O Nível 9 - Ataques generalizados: neste nível chega-se às vias de fato e não há outra alternativa a não ser a retirada de um dos dois lados envolvidos ou a derrota de um deles.
  • 8. TIPOS DE CONFLITO O Conflito latente; O Conflito percebido; O Conflito sentido; O Conflito manifesto.
  • 9. ÁREAS DE CONFLITO O Conflitos tradicionais: surge em decorrência do grau de complexidade e implicação social. O Conflito social: pertencem à história e são aqueles que reúnem indivíduos ao redor dos mesmos interesses, fortalecendo sua solidariedade.
  • 10. FONTES DE CONFLITO O Direitos não atendidos ou não conquistados; O Mudanças externas acompanhadas por tensões, O Desejo de êxito econômico; O Necessidades individuais não atendidas;
  • 11. FONTES DE CONFLITO O Carências de informação, tempo e tecnologia; O Marcadas diferenças culturais e individuais; O Tentativa de autonomia; O Emoções não expressas/inadequadas; O Meio-ambiente adverso e preconceitos.
  • 12. CONSEQUÊNCIAS DO CONFLITOS O Aspectos Negativos; Sentimentos ambíguos Situação hostil Comunicação Desperdício de energia
  • 13. CONSEQUÊNCIAS DO CONFLITOS O Aspectos Positivos: Reflexões e Análises Gera energia Movimento Ação
  • 14. GERENCIAMENTO DOS CONFLITOS NA ENFERMAGEM O O enfrentamento do conflito é a oportunidade para melhorar as inter-relações e o trabalho em saúde. O Uma possibilidade para minimizar situações de enfrentamento seria propiciar maior diálogo, através de reuniões formais e informais. O O enfermeiro para gerenciar conflitos deve saber lidar em princípio com as próprias emoções e aceitar que apesar das diferenças os seres humanos podem conviver de maneira saudável em harmonia e com qualidade
  • 15. ESTRATÉGIAS UTILIZADAS O Comprometimento/ compromisso – ambas as partes envolvidas no conflito abrem mão de alguma coisa para que se possa caminhar na direção da solução do conflito; O Evitação/evitamento – é quando as partes envolvidas não encaram o conflito fazendo a opção por não reconhecer ou não tentar solucionar o conflito; O Acomodação-suavização/ cooperação – uma das partes abre mão de suas crenças e permite a vitória da outra parte. Não há solução do problema que levou ao conflito; O Competição – uma das partes consegue o que quer pela força ou poder, modalidade do tipo perde-ganha, causa frustração e desejo de vingança;
  • 16. ESTRATÉGIAS UTILIZADAS O Amenização – é quando se busca mais as semelhanças do que as diferenças, de modo a abrandar e reduzir o componente emocional presente no conflito, também não leva a resolução do verdadeiro conflito; O Colaboração – método cooperativo e positivo, solução do conflito de forma conjunta, através de um comum acordo, forma assertiva de resolver um conflito, pois todas as partes vencem. Deve-se deixar as metas originais de lado e trabalhar juntos para estabelecer novas metas comuns.
  • 17. ELEMENTOS CHAVES PARA A NEGOCIAÇÃO O 1. Comunicação – saber fazer-se entender e saber ouvir, pois uma boa comunicação evita ruídos; O 2. Relacionamento – ter um bom relacionamento - ter humildade, flexibilidade, ter bons princípios de relações humanas; O 3. Interesses da outra parte – saber que os seus interesses são tão importantes quanto os da outra parte – levar em consideração ambos os interesses; O 4. Opções – estar preparado para apresentar opções para a concretização de um acordo;
  • 18. ELEMENTOS CHAVES PARA A NEGOCIAÇÃO O 5. Alternativas – saber equilibrar os pontos positivos e negativos e qual o melhor desfecho, às vezes o melhor é postergar a decisão; O 6. Legitimidade – ao final de uma negociação, ambas as partes devem sentir que os seus interesses foram tratados com justiça; O 7. Compromisso – é a forma de registrar o que foi acordado.
  • 19. CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE CONFLITOS Portanto para gerenciar conflitos o enfermeiro dever ser gente. E para um GERENTE ser GENTE basta retirar o RE: O RE de reativo O RE de reacionário O RE de retrogrado O RE de rei O RE de repórter fifi... O resultado realmente será GENTE.
  • 20. TOMADA DE DECISÃO O Tomar decisões qualificadas e bem direcionadas pode determinar o sucesso ou insucesso profissional e da organização. Muito tempo do enfermeiro será despendido no exame crítico de problemas, em sua solução e na tomada de decisão (Marcon, 2006).
  • 21. DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O Resolução CNE/CES Nº 03 de 7/11/2001 O “Tomada de decisões: o trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade, da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para este fim, os mesmos devem possuir habilidades para avaliar, sistematizar e decidir a conduta mais apropriada” (BRASIL, 2001).
  • 22. O “A primeira diz respeito à necessidade do enfermeiro utilizar julgamento independente, ou seja, de atuar com base numa avaliação racional da situação e não de forma preconceituosa e/ou de submissão sem questionamento, às imposições de outros profissionais e das instituições; O A segunda refere-se aos ideais de libertação do indivíduo, em que o profissional pode livrar-se do controle de crenças e atitudes injustificadas, tomar conta de sua vida indagando tanto as próprias ideias como as dos outros; O A terceira trata da necessidade de desenvolver, em benefício do receptor de cuidados, a racionalidade no julgamento clínico e científico inerente ao processo de enfermagem”. (Bandman e Bandman, 1995 apud Enders, Brito e Monteiro, 2004; p. 297).
  • 23. PROCESSO DECISÓRIO O Decidir é um processo cognitivo complicado, onde a dúvida a respeito de várias opções precisa culminar com uma escolha que elimine incertezas (Marquis e Huston, 2010). O “Decidir significa ir além do momento da escolha, da decisão em si; decidir significa necessariamente escolher entre uma ou mais alternativas ou opções, com vistas a alcançar um resultado desejado”.
  • 24. PROCESSO DECISÓRIO O No processo de trabalho, a tomada de decisão é considerada a função que caracteriza o desempenho da gerência. Independentemente do aspecto da decisão, esta atitude deve ser fruto de um processo sistematizado, que envolve o estudo do problema a partir de um levantamento de dados, produção de informação, estabelecimento de propostas de soluções, escolha da decisão, viabilização e implementação da decisão e análise dos resultados obtidos” (Guimarães; Évora, 2004: p. 73).
  • 25. PENSAMENTO CRÍTICO- REFLEXIVO O Pensar de forma crítica, ou raciocínio crítico-reflexivo, vai além de decidir e resolver o problema; inclui a avaliação ampla do geral ao específico, estreitando o foco com vistas a atingir uma conclusão. O Segundo (Marquis e Huston, 2010) as características de quem usa o raciocínio crítico: O Ser aberto a novas ideias; O Intuitivo; O Persistente; O Comunicador; O Flexível; O Observador; O Assumir riscos; O Enxergar além do que é apresentado; O Ser criativo; O Voltado a resultados.
  • 26. PENSAMENTO CRÍTICO- REFLEXIVO O Para pensar criticamente precisamos estimular a reflexão, o que significa desenvolver a observação, análise, crítica, autonomia de pensar e de idéias, tornar-se agente de transformações na sociedade e interagir com a realidade (Sordi, Bagnato, 1998 apud Greco, 2008). O Alfaro-Lefevre (1996) apud Greco (2008: p. 4) propõe algumas ações que podem ajudar no exercício do pensamento crítico em situações diferentes: O Identificar suposições, verificar a exatidão e integridade dos dados, compreender quando existem contradições em relação à informação apresentada, distinguir o relevante do irrelevante, distinguir normal do anormal. O Reunir informações afins, identificar informações. O Considerar conclusões diferentes e válidas. O Identificar a causa fundamental e estabelecer prioridades; determinar alvos realistas. O Avaliar e corrigir.
  • 27. FASES DO PROCESSO DECISÓRIO O Percepção do problema; O Coleta de dados; O Análise dos dados; O Procura de soluções alternativas; O Escolha ou decisão; O Implementação; O Avaliação.
  • 28. FASES DO PROCESSO DECISÓRIO O Pontos importantes: O Coleta dos dados; O Trabalho em equipe; O Consultas.
  • 29. ABORDAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS O Algumas estratégias incluem: O Manter-se atualizado; O Usar e estimular o uso de fontes de evidências; O Implementar e avaliar práticas já sancionadas; O Questionar, desafiar e assumir riscos; O Cooperar com outros enfermeiros; O Interagir com outras disciplinas para ativar evidências em enfermagem.
  • 30. TOMADA DE DECISÃO NAS ORGANIZAÇÕES O Considerando que as organizações são compostas por pessoas com valores e preferências distintos, conflitos podem ocorrer na tomada de decisão; O Hieraquização;
  • 31. CONSIDERAÇÕES FINAIS O “Ao assumir um cargo, o enfermeiro se depara indiscutivelmente com situações diversas que lhe exigem conhecimentos, habilidades e atitudes coerentes, precisas e imparciais para uma tomada de decisão.” (Ciampone, 1991: p. 205).