SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
Baixar para ler offline
SINAIS VITAIS
Profª Tamyres Magalhães
CONCEITO
• São os sinais das funções orgânicas básicas, sinais clínicos de
vida que refletem o equilíbrio ou o desequilíbrio do corpo;
• São os indicadores de vida
o Orientam, favorecem o diagnóstico e o acompanhamento da
evolução clínica do cliente identificando alterações
precocemente;
o É um meio rápido e eficiente de monitorização das condições
clínicas do paciente.
SINAIS VITAIS
• Temperatura (T) - ºC
• Pulso ou Batimentos Cardíacos (P) - bpm
• Respiração (R) - rpm ou ipm
• Pressão ou Tensão Arterial (PA ou TA) – mmHg
• Dor* e Glicemia capilar*
PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA VERIFICAÇÃOS DOS
SSVV
• O profissional deve conhecer a variação normal dos SSVV;
• Utilizar equipamentos devidamente certificados e calibrados;
• Deve-se realizar uma abordagem organizada e sistemática
para a verificação SSVV (não fracionar o tempo de medição*)
• Respeitar os horários prescritos em que os sinais vitais devem
ser verificados;
• Assegurar que suas mãos e os materiais estejam limpos;
PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA VERIFICAÇÃOS DOS
SSVV
• Estabelecer diálogo com o cliente explicando o procedimento
que irá realizar, lembrando que o estado emocional interfere
fortemente nos valores dos Sinais Vitais;
• Primar pela privacidade e dignidade do cliente;
• Comunicar, confirmar e anotar as alterações significativas
encontradas;
• Após o uso dos materiais providenciar limpeza e desinfecção
dos mesmos.
QUANDO VERIFICAR OS SSVV
• Na admissão do paciente;
• Dentro da rotina de atendimento;
• Pré-consulta ou consulta hospitalar ou ambulatorial;
• Antes e depois de qualquer procedimento cirúrgico;
• Antes e depois de qualquer procedimento invasivo de
diagnóstico.
QUANDO VERIFICAR OS SSVV
• Antes e depois da administração de medicamentos que
afetam as funções cardiovasculares, respiratória e de controle
da temperatura;
• Sempre que o paciente manifestar quaisquer sintomas
inespecífico de desconforto físico.
MATERIAL PARA VERIFICAR OS SSVV
• Termômetro de mercúrio ou digital;
• Recipiente com algodão embebido em álcool 70%;
• Relógio de ponteiro;
• Esfigmomanômetro calibrado e Estetoscópio;
• Papel para registro e caneta.
TEMPERATURA
• É a capacidade do organismo manter sua temperatura
central relativamente estável à variação climática ambiental,
possibilitando o funcionamento corporal-metabólico e
propiciando condições para a vida nas mais diversas
condições ambientais.
• Equilíbrio entre a produção e a perda de calor do organismo,
mediado pelo centro termorregulador (hipotálamo).
TEMPERATURA
• Grau de calor mantido pelo corpo:
o Valores normais: 35,5°C a 37,4°C/ 96,6°F a 99,3°F
• ESCALAS DE TEMPERATURA:
o Medida em centígrados: 0°C a 100°C
o Medida em fahrenheit: 32°F a 212°F
• PARTES DO TERMÔMETRO: Bulbo e Haste
• Tipos de termômetro: a mercúrio, digital e o timpânico
FATORES QUE AFETAM A TEMPERATURA
 Esforço físico;
 Aumento do metabolismo causado pela atividade muscular,
incluindo as contrações musculares produzidas pelo calafrio
(sensação frio);
 Vasodilatação.
FATORES QUE AFETAM A TEMPERATURA
• FEBRE;
o É a temperatura corpórea acima do normal;
o Causas: patologias, ferimentos e emoções;
o Variações da temperatura conforme local de verificação:
axilar, bucal, oral, retal e inguinal.
VARIAÇÃO DE TEMPERATURA
• Temperatura axilar: 35,5ºC a 37 º C
• Temperatura oral: 36ºC a 37,4º C
• Temperatura retal: 36ºC a 37,5º C
VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS LOCAIS DE
MEDIÇÃO
Axilar:
• Vantagens
o É acessível, segura e não-invasiva possuindo menor potencial de
contaminação;
o Pode-se usar em neonatos e pacientes não-colaboradores;
• Desvantagens
o Tempo de medição longo;
o Contra-indicado: trauma ou queimadura na região torácica.
VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS LOCAIS DE
MEDIÇÃO
Oral:
• Vantagens
o Acessível;
o Confortável para o paciente;
• Desvantagens
o Afetada pela ingestão de líquidos ou alimentos;
o Não usar em pacientes que se submeteram a cirurgia oral;
o Contra-indicado: em lactentes, crianças pequenas ou pacientes
inconscientes e não-colaboradores.
VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS LOCAIS DE
MEDIÇÃO
Retal:
• Vantagens
o Considera-se mais confiável, mais preciso;
• Desvantagens
o Constrangedor, exige o reposicionamento do paciente, requer
lubrificação;
o Contra-indicado: na presença de diarreia, intervenções cirúrgicas do
reto, processos inflamatórios locais;
TIPOS DE FEBRE
• Sustentada: febre mantida, geralmente 38 graus;
• Intermitente: a temperatura volta ao nível normal pelo menos
1xdia (Ex. malária);
• Remitente: períodos de febre seguidos com períodos sem
febre;
• Recidivante: a temperatura varia entre faixas normais e febris
em intervalos maiores de 24h.
VERIFICAÇÃO DA TEMPERATURA AXILAR
• Higienize as mãos;
• Prepare o material necessário para o procedimento em uma
bandeja;
• Leve o material para enfermaria/apartamento;
• Explique o procedimento para o paciente;
• Realize a desinfecção do termômetro utilizando algodão
embebido em álcool a 70%;
VERIFICAÇÃO DA TEMPERATURA AXILAR
• Certifique-se que a coluna de mercúrio está abaixo de 35°C;
caso não esteja, agite vigorosamente o termômetro, para que
o mercúrio desça;
• Enxugue a axila, S/N.
• Coloque o termômetro na região axilar com o bulbo em
contato direto com a pele do paciente, pedindo ao paciente
que mantenha o braço por sobre o tórax, com a mão no
ombro oposto e o cotovelo rente ao corpo;
• Retire o termômetro após 5min;
• Realize a leitura e memorize o resultado e anote;
VERIFICAÇÃO DA TEMPERATURA AXILAR
• Agite novamente o termômetro para que o mercúrio desça
abaixo de 35°C;
• Realize a desinfecção do termômetro utilizando algodão
embebido em álcool a 70% e guarde-o em local apropriado;
• Recolha o material, mantendo a unidade organizada;
• Lave a bandeja com água e sabão, seque com papel-toalha e
passe álcool a 70%;
VERIFICAÇÃO DA TEMPERATURA AXILAR
• Retire as luvas de procedimento*;
• Higienize as mãos;
• Cheque o procedimento realizado, registrando o valor obtido
na folha de anotação de enfermagem do prontuário do
paciente.
RECOMENDAÇÕES
• Comunicar alterações ao enfermeiro;
• Recomenda-se o uso de termômetro digitais*;
• Termômetro de mercúrio: o tempo é de 5min. Digitais: siga as
recomendações do fabricante.
TERMINOLOGIA DA TEMPERATURA
• Normotermia: temperatura corporal normal
• Febrícula: 37,2º C a 37,8 ºC
• Febre ou Hipertermia: a partir de 37,9 ºC
• Pirexia: maior que 39 a 40 °C
• Hiperpirexia: maior que 40°C
• Hipotermia: temperatura abaixo do normal
o Hipotermia leve: 32º a 35ºC
o Hipotermia moderada: 30 a 32ºC
o Hipotermia grave: menor 30ºC
PULSO
 É o batimento que se percebe numa artéria e que
corresponde, em condições fisiológicas, às contrações
sistólicas cardíacas;
 É uma sensação ondular que pode ser palpada em uma das
artérias periféricas;
 Frequência de pulsação é o número de pulsações periféricas
palpadas a cada minuto.
FATORES QUE AFETAM AS
FREQUÊNCIAS CARDÍACAS
 IDADE
 RITMO CIRCADIANO Manhã (diminui), final do dia (aumenta)
 GÊNERO: Mulheres 7 a 8 batimentos a mais por minutos
 ATIVIDADE FÍSICA
 FEBRE, CALOR, DOR
 DROGAS:
o EX. digitálicos e sedativos desaceleram enquanto cafeína,
nicotina, cocaína, aumentam as contrações cardíacas.
 VOLUME DE SANGUE
CARACTERÍSTICAS DO PULSO
 FREQUÊNCIA : quantas vezes baterá por minuto;
 RITMO: regular (normal) ou irregular (anormal);
 INTENSIDADE/VOLUME: forte ou cheio, fraco ou fino;
FREQUÊNCIA
 Corresponde ao número de pulsações por minuto e varia de
acordo com a idade e o sexo.
 Valores Normais:
o ADULTOS : 60 a 100 bpm
o CRIANÇAS: 80 a 120 bpm
o BEBÊS: 100 a 160 bpm
RITMO DO PULSO
 Refere-se ao padrão das pulsações e das pausas entre elas;
 Quando regulares são sucessivos;
 Quando irregular é chamado de arritmia ou disritmia.
PULSO: Resumo
 Freqüência:
o Taquicardia: Aumento da FC e P
o Bradicardia: Diminuição da FC e P
o Normocardia: Valor Normal da FC e P
 Ritmo:
o Rítmico: o intervalo entre os batimentos é igual
o Arrítmico ou Disrítmico: o intervalo entre os bat. é diferente
 Amplitude:
o Forte ou Cheio: aumento da força do vol. sanguíneo
o Fraco ou Filiforme: redução da força do vol.sanguíneo
LOCAIS DE VERIFICAÇÃO DO PULSO
LOCAIS DE VERIFICAÇÃO DO PULSO
VERIFICAÇÃO DO PULSO
PROCEDIMENTO:
 Higienize as mãos;
 Explique o procedimento ao paciente e posicione
confortavelmente;
 Colocar o dedo médio e o indicador sobre a artéria,
comprimindo-a levemente;
 Verificar frequência, ritmo e amplitude;
 Contar durante 1 (um) minuto inteiro (30 seg*);
 Repita o procedimento, se necessário;
 Higienize as mãos;
 Anotar no prontuário.
MATERIAL PARA VERIFICAÇÃO DO PULSO
 Relógio;
 Papel para anotação e Caneta.
VERIFICAÇÃO DO PULSO
OBSERVAÇÕES:
 Ter as mãos aquecidas;
 Nunca fazer pressão muito forte sobre a artéria;
 Certificar-se primeiro do ritmo, depois contá-lo;
 Evite verificação do pulso durante situações de estresse para o
paciente;
 Os locais para a verificação depende do estado do paciente;
 Nunca usar o dedo polegar na verificação, pois pode confundir
a sua pulsação com a do paciente;
 Evitar verificar o pulso em membros afetados;
 As artérias femoral e carótida são locais de fácil palpação.
TERMINOLOGIA DO PULSO
 Normocardia: frequência normal: 60-100 bpm
 Bradicardia: frequência abaixo do normal: < 60 bpm
 Taquicardia: frequência acima do normal: > 100 bpm
 Taquisfigmia: pulso fino e taquicárdico
 Bradisfigmia: pulso fino e bradicárdico
RESPIRAÇÃO
 Processo através do qual ocorre troca gasosa entre a
atmosfera e as células do organismo:
Hematose
 Mecânica da Respiração:
o Inspiração
o Expiração
FATORES QUE INFLUENCIAM A
RESPIRAÇÃO
 DOENÇA ou INDISPOSIÇÃO: Ex. enfisema ou bronquite, altera o estímulo
natural;
 ESTRESSE: ansiedade causa hiperventilação;
 IDADE: freqüência e capacidade pulmonar;
 POSIÇÃO CORPÓREA: posição curvada ou abaixada reduz a amplitude
respiratória;
 DROGAS: : narcóticos deprimem a habilidade de respiração, outras podem
aumentar ou diminuir ou afetar o ritmo;
 EXERCÍCIOS: O exercício aumenta a frequência e a amplitude respiratória.
CARACTERÍSTICAS DA RESPIRAÇÃO
 Frequência respiratória : pode variar com a idade;
o ADULTOS: 12 a 20rpm
o CRIANÇAS : 20 a 30rpm
o BEBÊS: 30 a 60rpm
 Profundidade ventilatória;
 Ritmo ventilatório.
FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA
 Deve-se observar uma inspiração e expiração plena, quando
contar a frequência da respiratória;
 A frequência respiratória varia de acordo com a idade;
 A faixa usual da frequência respiratória diminui durante toda
vida.
PROFUNDIDADE VENTILATÓRIA
 É avaliada através da observação do grau de movimento na parede
torácica;
 Deve descrever, os movimentos respiratórios como profundos,
normais ou superficiais:
o Respiração Profunda: envolve a expansão plena dos pulmões, com
expiração completa;
o Respiração Superficiais: quando apenas pequena quantidade de ar
atravessa os pulmões, e o movimento ventilatório é difícil de
observar.
RITMO VENTILATÓRIO
 O padrão respiratório pode ser determinado por meio da
observação do tórax ou do abdome;
 Homens saudáveis e crianças geralmente apresentam
respiração diafragmática (resulta da contração e relaxamento
do diafragma, sendo observada melhor pela visualização dos
movimentos abdominais);
 As mulheres tendem a usar os músculos torácicos para
respirar; os movimentos devem ser observados na parte
superior do tórax.
FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA
Adulto:
 Valor normal: eupneia - 12 a 20 incursões por minuto (ipm);
 Valor alterado:
o Taquipneia acima de 20 ipm
o Bradipneia abaixo de 12 ipm
TERMINOLOGIA DA RESPIRAÇÃO
 DISPNEIA: dificuldade de respirar
 EUPNEIA: presente em indivíduo que respira normalmente
(eupneico)
 TAQUIPNEIA: aumento da frequência respiratória
 BRADIPNEIA: redução da frequência respiratória
 APNEIA: ausência de movimentos respiratórios
 ORTOPNEIA: dispneia em decúbito, aliviada pelo menos
parcialmente ao sentar, ou pela elevação parcial do tronco
 CHEYNE STOKES: caracterizado por períodos alternados de apneia e
respiração rápida e profunda. O período de apneia pode durar 3 a 30
segundos
 KUSSMAUL: respiração rápida, profunda e trabalhosa, sem pausa
MATERIAL PARA VERIFICAÇÃO DO PULSO
 Relógio;
 Papel para anotação e Caneta.
TÉCNICA PARA VERIFICAÇÃO
PROCEDIMENTO:
 Higienize as mãos;
 Posicione o paciente confortavelmente;
 Coloque a mão no pulso radial do paciente, como se fosse
controlar o pulso e observe os movimentos respiratórios;
 Contar a frequência respiratória durante 1 minuto e observar o
tipo e as características da respiração;
 Se os movimentos respiratórios são anormais, conta-se o
número de movimentos durante um minuto completo;
 Higienize as mãos;
 Anota no prontuário.
TÉCNICA PARA VERIFICAÇÃO
RECOMENDAÇÕES:
 É necessário que paciente esteja tranquilo e em silêncio;
 É importante que o paciente não perceba que o número de
respirações está sendo verificado, pois isso poderá interferir
no padrão respiratório.
PRESSÃO ARTERIAL
 É a força exercida pelo sangue no interior das artérias;
 PA Sistólica (máxima): representa o volume de sangue lançado
na corrente sangüínea em cada sístole cardíaca;
 PA Diastólica (mínima): representa a resistência que os vasos
oferecem ao volume recebido;
 Unidade padrão milímetros de mercúrio (mmHg).
PRESSÃO ARTERIAL
 O instrumento utilizado para medir a pressão arterial é o
esfigmomanômetro e os tipos mais usados são:
Coluna de mercúrio Ponteiro Pulso
PRESSÃO ARTERIAL
 O estetoscópio é o instrumento que amplifica os sons e os
transmite até os ouvidos do operador:
Olivas auriculares
Biauricular
Campânula
Diafragma
Tubo
PRESSÃO ARTERIAL
 A série de sons que o operador ouve, ao verificar a pressão
sanguínea são chamados de sons de Korotkoff;
 O primeiro som claro, quando o sangue flui, através da artéria
comprimida é a pressão sistólica. A pressão diastólica ocorre
no ponto em que o som muda ou desaparece;
 A medida incorreta da pressão arterial pode trazer
consequências graves, tanto por levar pessoas normotensas a
serem tratadas sem necessidade ou, ao contrário, deixar de
tratar pessoas hipertensas.
FATORES QUE INFLUENCIAM A
PRESSÃO ARTERIAL
 IDADE
 DROGAS: Podem aumentar ou diminuir a pressão sanguínea;
 COTIDIANO: mais baixa pela manhã, aumentando durante o dia no
final da tarde ou começo da noite atinge o pico e diminuindo a
seguir;
 GÊNERO: As mulheres tendem a ter pressão mais baixa;
 EXERCÍCIO: aumenta a pressão sanguínea;
 EMOÇÕES E DOR: ela se eleva devido à estimulação do sistema
nervoso simpático.
FATORES QUE INFLUENCIAM A
PRESSÃO ARTERIAL
 Obesidade;
 Pressão sanguínea nos MMII tendem a ser 10
mmHg mais elevada.
Classificação da pressão arterial de acordo com
a medida casual no consultório (> 18 anos)
Classificação Pressão sistólica (mmHg) Pressão diastólica (mmHg)
Ótima < 120 < 80
Normal < 130 < 85
Limítrofe* 130–139 85–89
Hipertensão estágio 1 140–159 90–99
Hipertensão estágio 2 160–179 100–109
Hipertensão estágio 3 ≥ 180 ≥ 110
Hipertensão sistólica isolada ≥ 140 < 90
Quando as pressões sistólica e diastólica situam-se em categorias diferentes, a maior deve
ser utilizada para classificação da pressão arterial.
TERMINOLOGIAS DA
PRESSÃO ARTERIAL
 Hipertensão: PA acima da média;
 Hipotensão: PA inferior à média;
 Convergente: quando a sistólica e a diastólica se aproximam
(Ex: 120/100 mmHg);
 Divergente: quando a sistólica e a diastólica se afastam (Ex:
120/40 mmHg).
HIPERTENSÃO
 Existe quando a pressão sistólica ou a diastólica ou ambas
permanecem acima dos limites normais se for levada em
conta a idade do indivíduo: > 140/90 mmHg;
 Uma elevação ocasional na pressão do sangue não significa
necessariamente hipertensão;
 Geralmente estão associadas a: ansiedade, obesidade,
doenças vasculares.
HIPOTENSÃO
 Ocorre quando as medidas da pressão situam-se abaixo do
normal tanto sistólica e diastólica: < 120/80 mmHg;
 A permanência da pressão sanguínea baixa parece não
prejudicar, mas, deve-se fazer o controle;
 Pressão baixa geralmente está associada a: choques,
hemorragias e efeitos secundários de drogas.
PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL
Preparo do paciente:
1. Explicar o procedimento ao paciente e deixá-lo em repouso
por pelo menos 5 minutos em ambiente calmo. Deve ser
instruído a não conversar durante a medida. Possíveis
dúvidas devem ser esclarecidas antes ou após o
procedimento.
PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL
Preparo do paciente:
2. Certificar-se de que o paciente NÃO:
o Praticou exercícios físicos há pelo menos 60 minutos;
o Ingeriu bebidas alcoólicas, café ou alimentos;
o Fumou nos 30 minutos anteriores.
PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL
3. Posicionamento do paciente:
o Deve estar na posição sentada, pernas descruzadas, pés
apoiados no chão, dorso recostado na cadeira e relaxado. O
braço deve estar na altura do coração (nível do ponto médio
do esterno ou 4o espaço intercostal), livre de roupas,
apoiado, com a palma da mão voltada para cima e o cotovelo
ligeiramente fletido.
PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL
Para a medida propriamente:
1. Obter a circunferência aproximadamente no meio do braço.
Após a medida selecionar o manguito de tamanho adequado
ao braço*;
2. Colocar o manguito, sem deixar folgas, 2 a 3 cm acima da fossa
cubital;
3. Centralizar o meio da parte compressiva do manguito sobre a
artéria braquial;
4. Estimar o nível da pressão sistólica pela palpação do pulso
radial. O seu reaparecimento corresponderá à PA sistólica;
PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL
5. Palpar a artéria braquial na fossa cubital e colocar a
campânula ou o diafragma do estetoscópio sem compressão
excessiva;
6. Inflar rapidamente até ultrapassar 20 a 30 mmHg o nível
estimado da pressão sistólica, obtido pela palpação;
7. Proceder à deflação lentamente (velocidade de 2 mmHg por
segundo);
8. Determinar a pressão sistólica pela ausculta do primeiro som
(fase I de Korotkoff), que é em geral fraco seguido de batidas
regulares, e, após, aumentar ligeiramente a velocidade de
deflação.
PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL
9. Determinar a pressão diastólica no desaparecimento dos sons (fase
V de Korotkoff);
10. Auscultar cerca de 20 a 30 mmHg abaixo do último som para
confirmar seu desaparecimento e depois proceder à deflação rápida
e completa;
11. Se os batimentos persistirem até o nível zero, determinar a pressão
diastólica no abafamento dos sons (fase IV de Korotkoff) e anotar
valores da sistólica/diastólica/zero;
12. Sugere-se esperar em torno de um minuto para nova medida,
embora esse aspecto seja controverso 10,11;
13. Informar os valores de pressões arteriais obtidos para o paciente;
14. Anotar os valores exatos e o braço em que a pressão arterial foi
medida.
CAUSAS DE ENGANO DA MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL
ENGANOS DEVIDOS AO EQUIPAMENTO:
• Sistemas inadequadamente calibrados ou testados;
• Defeitos do esfigmomanômetro ponteiro ou de coluna de
mercúrio: orifício de ar obstruído;
• Tamanho da braçadeira em desacordo com o do braço.
CAUSAS DE ENGANO DA MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL
ENGANOS DEVIDOS À TÉCNICA DE EXAMINAR:
• Braços sem apoio dão pressões falsamente altas;
• Examinador posiciona o instrumento ao nível acima ou abaixo
do coração ou comprime o estetoscópio demasiado firme
sobre o vaso;
• Mãos do examinador e equipamento frios provocam aumento
da pressão sanguínea;
• Sistema acústico danificado;
• Interação entre examinado e examinador pode afetar a leitura
da pressão arterial.
P
R
A
T
I
C
A
R

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemRAYANE DORNELAS
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemDanilo Nunes Anunciação
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Ravenny Caminha
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteProqualis
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemYasmin Casini
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasMarci Oliveira
 

Mais procurados (20)

Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 

Destaque

130310 reprodução humana - completo
130310   reprodução humana - completo130310   reprodução humana - completo
130310 reprodução humana - completoEvandro Sanguinetto
 
FAC - Sistema Respiratório
FAC - Sistema RespiratórioFAC - Sistema Respiratório
FAC - Sistema RespiratórioCharles Ferreira
 
Anatomia do sistema respiratório
Anatomia do sistema respiratórioAnatomia do sistema respiratório
Anatomia do sistema respiratórioFlávia Salame
 
Sistema respiratório 2012
Sistema respiratório 2012Sistema respiratório 2012
Sistema respiratório 2012colegioitatiba
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução HumanaSérgio Luiz
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaLeonardo Kaplan
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioHerbert Santana
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratóriocarlotabuchi
 
Aula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - SexualidadeAula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - SexualidadeLeonardo Kaplan
 
Aula de sistema respiratório
Aula de sistema respiratórioAula de sistema respiratório
Aula de sistema respiratóriojorgemendes04
 
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e FemininoAparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e FemininoMariana Dziekanski
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaFabiano Reis
 
PowerPoint de Reprodução
PowerPoint de ReproduçãoPowerPoint de Reprodução
PowerPoint de Reproduçãojoana71
 
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoO sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoAndreane Motta
 

Destaque (20)

130310 reprodução humana - completo
130310   reprodução humana - completo130310   reprodução humana - completo
130310 reprodução humana - completo
 
FAC - Sistema Respiratório
FAC - Sistema RespiratórioFAC - Sistema Respiratório
FAC - Sistema Respiratório
 
Anatomia do sistema respiratório
Anatomia do sistema respiratórioAnatomia do sistema respiratório
Anatomia do sistema respiratório
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Sistema respiratório 2012
Sistema respiratório 2012Sistema respiratório 2012
Sistema respiratório 2012
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humana
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratório
 
Aula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - SexualidadeAula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - Sexualidade
 
Aula de sistema respiratório
Aula de sistema respiratórioAula de sistema respiratório
Aula de sistema respiratório
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Fecundação
 Fecundação Fecundação
Fecundação
 
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e FemininoAparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
 
PowerPoint de Reprodução
PowerPoint de ReproduçãoPowerPoint de Reprodução
PowerPoint de Reprodução
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoO sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
 
Sistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpointSistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpoint
 

Semelhante a Sinais Vitais Completos

Aula 08- verificação de sinais vitais-compactado
Aula 08- verificação de sinais vitais-compactadoAula 08- verificação de sinais vitais-compactado
Aula 08- verificação de sinais vitais-compactadoRenata Sousa
 
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...sarasmfranca
 
SINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdfSINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdfssuseraad45d
 
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptxaulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptxBruceCosta4
 
Aula Sinais vitais.pptx
Aula Sinais vitais.pptxAula Sinais vitais.pptx
Aula Sinais vitais.pptxTaty Simões
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxLealSafety
 
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdfOFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdfGleicySantos11
 
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01Kaliny Bianca
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICARaissaEufrazio
 
SINAIS VITAIS.pptx
SINAIS VITAIS.pptxSINAIS VITAIS.pptx
SINAIS VITAIS.pptxMoniceLago
 

Semelhante a Sinais Vitais Completos (20)

Aula 08- verificação de sinais vitais-compactado
Aula 08- verificação de sinais vitais-compactadoAula 08- verificação de sinais vitais-compactado
Aula 08- verificação de sinais vitais-compactado
 
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
 
SINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdfSINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdf
 
Sinais vitais_
Sinais  vitais_Sinais  vitais_
Sinais vitais_
 
AULA - SINAIS VITAIS
AULA  - SINAIS VITAIS AULA  - SINAIS VITAIS
AULA - SINAIS VITAIS
 
85390119 apostila
85390119 apostila85390119 apostila
85390119 apostila
 
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptxaulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
aulas2sinaisvitais-140825080409-phpapp01.pptx
 
Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4
 
Aula Sinais vitais.pptx
Aula Sinais vitais.pptxAula Sinais vitais.pptx
Aula Sinais vitais.pptx
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
 
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdfOFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
 
Sem título 1.pdf
Sem título 1.pdfSem título 1.pdf
Sem título 1.pdf
 
sinais vitais.pptx
sinais vitais.pptxsinais vitais.pptx
sinais vitais.pptx
 
Apostila Sinais Vitais.pdf
Apostila Sinais Vitais.pdfApostila Sinais Vitais.pdf
Apostila Sinais Vitais.pdf
 
pressão arterial
pressão arterialpressão arterial
pressão arterial
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
 
AULA CURATIVOS.pptx
AULA CURATIVOS.pptxAULA CURATIVOS.pptx
AULA CURATIVOS.pptx
 
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
 
SINAIS VITAIS.pptx
SINAIS VITAIS.pptxSINAIS VITAIS.pptx
SINAIS VITAIS.pptx
 

Sinais Vitais Completos

  • 2. CONCEITO • São os sinais das funções orgânicas básicas, sinais clínicos de vida que refletem o equilíbrio ou o desequilíbrio do corpo; • São os indicadores de vida o Orientam, favorecem o diagnóstico e o acompanhamento da evolução clínica do cliente identificando alterações precocemente; o É um meio rápido e eficiente de monitorização das condições clínicas do paciente.
  • 3. SINAIS VITAIS • Temperatura (T) - ºC • Pulso ou Batimentos Cardíacos (P) - bpm • Respiração (R) - rpm ou ipm • Pressão ou Tensão Arterial (PA ou TA) – mmHg • Dor* e Glicemia capilar*
  • 4. PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA VERIFICAÇÃOS DOS SSVV • O profissional deve conhecer a variação normal dos SSVV; • Utilizar equipamentos devidamente certificados e calibrados; • Deve-se realizar uma abordagem organizada e sistemática para a verificação SSVV (não fracionar o tempo de medição*) • Respeitar os horários prescritos em que os sinais vitais devem ser verificados; • Assegurar que suas mãos e os materiais estejam limpos;
  • 5. PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA VERIFICAÇÃOS DOS SSVV • Estabelecer diálogo com o cliente explicando o procedimento que irá realizar, lembrando que o estado emocional interfere fortemente nos valores dos Sinais Vitais; • Primar pela privacidade e dignidade do cliente; • Comunicar, confirmar e anotar as alterações significativas encontradas; • Após o uso dos materiais providenciar limpeza e desinfecção dos mesmos.
  • 6. QUANDO VERIFICAR OS SSVV • Na admissão do paciente; • Dentro da rotina de atendimento; • Pré-consulta ou consulta hospitalar ou ambulatorial; • Antes e depois de qualquer procedimento cirúrgico; • Antes e depois de qualquer procedimento invasivo de diagnóstico.
  • 7. QUANDO VERIFICAR OS SSVV • Antes e depois da administração de medicamentos que afetam as funções cardiovasculares, respiratória e de controle da temperatura; • Sempre que o paciente manifestar quaisquer sintomas inespecífico de desconforto físico.
  • 8. MATERIAL PARA VERIFICAR OS SSVV • Termômetro de mercúrio ou digital; • Recipiente com algodão embebido em álcool 70%; • Relógio de ponteiro; • Esfigmomanômetro calibrado e Estetoscópio; • Papel para registro e caneta.
  • 9. TEMPERATURA • É a capacidade do organismo manter sua temperatura central relativamente estável à variação climática ambiental, possibilitando o funcionamento corporal-metabólico e propiciando condições para a vida nas mais diversas condições ambientais. • Equilíbrio entre a produção e a perda de calor do organismo, mediado pelo centro termorregulador (hipotálamo).
  • 10. TEMPERATURA • Grau de calor mantido pelo corpo: o Valores normais: 35,5°C a 37,4°C/ 96,6°F a 99,3°F • ESCALAS DE TEMPERATURA: o Medida em centígrados: 0°C a 100°C o Medida em fahrenheit: 32°F a 212°F • PARTES DO TERMÔMETRO: Bulbo e Haste • Tipos de termômetro: a mercúrio, digital e o timpânico
  • 11.
  • 12. FATORES QUE AFETAM A TEMPERATURA  Esforço físico;  Aumento do metabolismo causado pela atividade muscular, incluindo as contrações musculares produzidas pelo calafrio (sensação frio);  Vasodilatação.
  • 13. FATORES QUE AFETAM A TEMPERATURA • FEBRE; o É a temperatura corpórea acima do normal; o Causas: patologias, ferimentos e emoções; o Variações da temperatura conforme local de verificação: axilar, bucal, oral, retal e inguinal.
  • 14. VARIAÇÃO DE TEMPERATURA • Temperatura axilar: 35,5ºC a 37 º C • Temperatura oral: 36ºC a 37,4º C • Temperatura retal: 36ºC a 37,5º C
  • 15. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS LOCAIS DE MEDIÇÃO Axilar: • Vantagens o É acessível, segura e não-invasiva possuindo menor potencial de contaminação; o Pode-se usar em neonatos e pacientes não-colaboradores; • Desvantagens o Tempo de medição longo; o Contra-indicado: trauma ou queimadura na região torácica.
  • 16. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS LOCAIS DE MEDIÇÃO Oral: • Vantagens o Acessível; o Confortável para o paciente; • Desvantagens o Afetada pela ingestão de líquidos ou alimentos; o Não usar em pacientes que se submeteram a cirurgia oral; o Contra-indicado: em lactentes, crianças pequenas ou pacientes inconscientes e não-colaboradores.
  • 17. VANTAGENS E DESVANTAGENS DOS LOCAIS DE MEDIÇÃO Retal: • Vantagens o Considera-se mais confiável, mais preciso; • Desvantagens o Constrangedor, exige o reposicionamento do paciente, requer lubrificação; o Contra-indicado: na presença de diarreia, intervenções cirúrgicas do reto, processos inflamatórios locais;
  • 18. TIPOS DE FEBRE • Sustentada: febre mantida, geralmente 38 graus; • Intermitente: a temperatura volta ao nível normal pelo menos 1xdia (Ex. malária); • Remitente: períodos de febre seguidos com períodos sem febre; • Recidivante: a temperatura varia entre faixas normais e febris em intervalos maiores de 24h.
  • 19. VERIFICAÇÃO DA TEMPERATURA AXILAR • Higienize as mãos; • Prepare o material necessário para o procedimento em uma bandeja; • Leve o material para enfermaria/apartamento; • Explique o procedimento para o paciente; • Realize a desinfecção do termômetro utilizando algodão embebido em álcool a 70%;
  • 20. VERIFICAÇÃO DA TEMPERATURA AXILAR • Certifique-se que a coluna de mercúrio está abaixo de 35°C; caso não esteja, agite vigorosamente o termômetro, para que o mercúrio desça; • Enxugue a axila, S/N. • Coloque o termômetro na região axilar com o bulbo em contato direto com a pele do paciente, pedindo ao paciente que mantenha o braço por sobre o tórax, com a mão no ombro oposto e o cotovelo rente ao corpo; • Retire o termômetro após 5min; • Realize a leitura e memorize o resultado e anote;
  • 21. VERIFICAÇÃO DA TEMPERATURA AXILAR • Agite novamente o termômetro para que o mercúrio desça abaixo de 35°C; • Realize a desinfecção do termômetro utilizando algodão embebido em álcool a 70% e guarde-o em local apropriado; • Recolha o material, mantendo a unidade organizada; • Lave a bandeja com água e sabão, seque com papel-toalha e passe álcool a 70%;
  • 22. VERIFICAÇÃO DA TEMPERATURA AXILAR • Retire as luvas de procedimento*; • Higienize as mãos; • Cheque o procedimento realizado, registrando o valor obtido na folha de anotação de enfermagem do prontuário do paciente.
  • 23. RECOMENDAÇÕES • Comunicar alterações ao enfermeiro; • Recomenda-se o uso de termômetro digitais*; • Termômetro de mercúrio: o tempo é de 5min. Digitais: siga as recomendações do fabricante.
  • 24. TERMINOLOGIA DA TEMPERATURA • Normotermia: temperatura corporal normal • Febrícula: 37,2º C a 37,8 ºC • Febre ou Hipertermia: a partir de 37,9 ºC • Pirexia: maior que 39 a 40 °C • Hiperpirexia: maior que 40°C • Hipotermia: temperatura abaixo do normal o Hipotermia leve: 32º a 35ºC o Hipotermia moderada: 30 a 32ºC o Hipotermia grave: menor 30ºC
  • 25. PULSO  É o batimento que se percebe numa artéria e que corresponde, em condições fisiológicas, às contrações sistólicas cardíacas;  É uma sensação ondular que pode ser palpada em uma das artérias periféricas;  Frequência de pulsação é o número de pulsações periféricas palpadas a cada minuto.
  • 26. FATORES QUE AFETAM AS FREQUÊNCIAS CARDÍACAS  IDADE  RITMO CIRCADIANO Manhã (diminui), final do dia (aumenta)  GÊNERO: Mulheres 7 a 8 batimentos a mais por minutos  ATIVIDADE FÍSICA  FEBRE, CALOR, DOR  DROGAS: o EX. digitálicos e sedativos desaceleram enquanto cafeína, nicotina, cocaína, aumentam as contrações cardíacas.  VOLUME DE SANGUE
  • 27. CARACTERÍSTICAS DO PULSO  FREQUÊNCIA : quantas vezes baterá por minuto;  RITMO: regular (normal) ou irregular (anormal);  INTENSIDADE/VOLUME: forte ou cheio, fraco ou fino;
  • 28. FREQUÊNCIA  Corresponde ao número de pulsações por minuto e varia de acordo com a idade e o sexo.  Valores Normais: o ADULTOS : 60 a 100 bpm o CRIANÇAS: 80 a 120 bpm o BEBÊS: 100 a 160 bpm
  • 29. RITMO DO PULSO  Refere-se ao padrão das pulsações e das pausas entre elas;  Quando regulares são sucessivos;  Quando irregular é chamado de arritmia ou disritmia.
  • 30. PULSO: Resumo  Freqüência: o Taquicardia: Aumento da FC e P o Bradicardia: Diminuição da FC e P o Normocardia: Valor Normal da FC e P  Ritmo: o Rítmico: o intervalo entre os batimentos é igual o Arrítmico ou Disrítmico: o intervalo entre os bat. é diferente  Amplitude: o Forte ou Cheio: aumento da força do vol. sanguíneo o Fraco ou Filiforme: redução da força do vol.sanguíneo
  • 33. VERIFICAÇÃO DO PULSO PROCEDIMENTO:  Higienize as mãos;  Explique o procedimento ao paciente e posicione confortavelmente;  Colocar o dedo médio e o indicador sobre a artéria, comprimindo-a levemente;  Verificar frequência, ritmo e amplitude;  Contar durante 1 (um) minuto inteiro (30 seg*);  Repita o procedimento, se necessário;  Higienize as mãos;  Anotar no prontuário.
  • 34. MATERIAL PARA VERIFICAÇÃO DO PULSO  Relógio;  Papel para anotação e Caneta.
  • 35. VERIFICAÇÃO DO PULSO OBSERVAÇÕES:  Ter as mãos aquecidas;  Nunca fazer pressão muito forte sobre a artéria;  Certificar-se primeiro do ritmo, depois contá-lo;  Evite verificação do pulso durante situações de estresse para o paciente;  Os locais para a verificação depende do estado do paciente;  Nunca usar o dedo polegar na verificação, pois pode confundir a sua pulsação com a do paciente;  Evitar verificar o pulso em membros afetados;  As artérias femoral e carótida são locais de fácil palpação.
  • 36. TERMINOLOGIA DO PULSO  Normocardia: frequência normal: 60-100 bpm  Bradicardia: frequência abaixo do normal: < 60 bpm  Taquicardia: frequência acima do normal: > 100 bpm  Taquisfigmia: pulso fino e taquicárdico  Bradisfigmia: pulso fino e bradicárdico
  • 37. RESPIRAÇÃO  Processo através do qual ocorre troca gasosa entre a atmosfera e as células do organismo: Hematose  Mecânica da Respiração: o Inspiração o Expiração
  • 38. FATORES QUE INFLUENCIAM A RESPIRAÇÃO  DOENÇA ou INDISPOSIÇÃO: Ex. enfisema ou bronquite, altera o estímulo natural;  ESTRESSE: ansiedade causa hiperventilação;  IDADE: freqüência e capacidade pulmonar;  POSIÇÃO CORPÓREA: posição curvada ou abaixada reduz a amplitude respiratória;  DROGAS: : narcóticos deprimem a habilidade de respiração, outras podem aumentar ou diminuir ou afetar o ritmo;  EXERCÍCIOS: O exercício aumenta a frequência e a amplitude respiratória.
  • 39. CARACTERÍSTICAS DA RESPIRAÇÃO  Frequência respiratória : pode variar com a idade; o ADULTOS: 12 a 20rpm o CRIANÇAS : 20 a 30rpm o BEBÊS: 30 a 60rpm  Profundidade ventilatória;  Ritmo ventilatório.
  • 40. FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA  Deve-se observar uma inspiração e expiração plena, quando contar a frequência da respiratória;  A frequência respiratória varia de acordo com a idade;  A faixa usual da frequência respiratória diminui durante toda vida.
  • 41. PROFUNDIDADE VENTILATÓRIA  É avaliada através da observação do grau de movimento na parede torácica;  Deve descrever, os movimentos respiratórios como profundos, normais ou superficiais: o Respiração Profunda: envolve a expansão plena dos pulmões, com expiração completa; o Respiração Superficiais: quando apenas pequena quantidade de ar atravessa os pulmões, e o movimento ventilatório é difícil de observar.
  • 42. RITMO VENTILATÓRIO  O padrão respiratório pode ser determinado por meio da observação do tórax ou do abdome;  Homens saudáveis e crianças geralmente apresentam respiração diafragmática (resulta da contração e relaxamento do diafragma, sendo observada melhor pela visualização dos movimentos abdominais);  As mulheres tendem a usar os músculos torácicos para respirar; os movimentos devem ser observados na parte superior do tórax.
  • 43. FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA Adulto:  Valor normal: eupneia - 12 a 20 incursões por minuto (ipm);  Valor alterado: o Taquipneia acima de 20 ipm o Bradipneia abaixo de 12 ipm
  • 44. TERMINOLOGIA DA RESPIRAÇÃO  DISPNEIA: dificuldade de respirar  EUPNEIA: presente em indivíduo que respira normalmente (eupneico)  TAQUIPNEIA: aumento da frequência respiratória  BRADIPNEIA: redução da frequência respiratória  APNEIA: ausência de movimentos respiratórios  ORTOPNEIA: dispneia em decúbito, aliviada pelo menos parcialmente ao sentar, ou pela elevação parcial do tronco  CHEYNE STOKES: caracterizado por períodos alternados de apneia e respiração rápida e profunda. O período de apneia pode durar 3 a 30 segundos  KUSSMAUL: respiração rápida, profunda e trabalhosa, sem pausa
  • 45. MATERIAL PARA VERIFICAÇÃO DO PULSO  Relógio;  Papel para anotação e Caneta.
  • 46. TÉCNICA PARA VERIFICAÇÃO PROCEDIMENTO:  Higienize as mãos;  Posicione o paciente confortavelmente;  Coloque a mão no pulso radial do paciente, como se fosse controlar o pulso e observe os movimentos respiratórios;  Contar a frequência respiratória durante 1 minuto e observar o tipo e as características da respiração;  Se os movimentos respiratórios são anormais, conta-se o número de movimentos durante um minuto completo;  Higienize as mãos;  Anota no prontuário.
  • 47. TÉCNICA PARA VERIFICAÇÃO RECOMENDAÇÕES:  É necessário que paciente esteja tranquilo e em silêncio;  É importante que o paciente não perceba que o número de respirações está sendo verificado, pois isso poderá interferir no padrão respiratório.
  • 48. PRESSÃO ARTERIAL  É a força exercida pelo sangue no interior das artérias;  PA Sistólica (máxima): representa o volume de sangue lançado na corrente sangüínea em cada sístole cardíaca;  PA Diastólica (mínima): representa a resistência que os vasos oferecem ao volume recebido;  Unidade padrão milímetros de mercúrio (mmHg).
  • 49. PRESSÃO ARTERIAL  O instrumento utilizado para medir a pressão arterial é o esfigmomanômetro e os tipos mais usados são: Coluna de mercúrio Ponteiro Pulso
  • 50. PRESSÃO ARTERIAL  O estetoscópio é o instrumento que amplifica os sons e os transmite até os ouvidos do operador: Olivas auriculares Biauricular Campânula Diafragma Tubo
  • 51. PRESSÃO ARTERIAL  A série de sons que o operador ouve, ao verificar a pressão sanguínea são chamados de sons de Korotkoff;  O primeiro som claro, quando o sangue flui, através da artéria comprimida é a pressão sistólica. A pressão diastólica ocorre no ponto em que o som muda ou desaparece;  A medida incorreta da pressão arterial pode trazer consequências graves, tanto por levar pessoas normotensas a serem tratadas sem necessidade ou, ao contrário, deixar de tratar pessoas hipertensas.
  • 52. FATORES QUE INFLUENCIAM A PRESSÃO ARTERIAL  IDADE  DROGAS: Podem aumentar ou diminuir a pressão sanguínea;  COTIDIANO: mais baixa pela manhã, aumentando durante o dia no final da tarde ou começo da noite atinge o pico e diminuindo a seguir;  GÊNERO: As mulheres tendem a ter pressão mais baixa;  EXERCÍCIO: aumenta a pressão sanguínea;  EMOÇÕES E DOR: ela se eleva devido à estimulação do sistema nervoso simpático.
  • 53. FATORES QUE INFLUENCIAM A PRESSÃO ARTERIAL  Obesidade;  Pressão sanguínea nos MMII tendem a ser 10 mmHg mais elevada.
  • 54. Classificação da pressão arterial de acordo com a medida casual no consultório (> 18 anos) Classificação Pressão sistólica (mmHg) Pressão diastólica (mmHg) Ótima < 120 < 80 Normal < 130 < 85 Limítrofe* 130–139 85–89 Hipertensão estágio 1 140–159 90–99 Hipertensão estágio 2 160–179 100–109 Hipertensão estágio 3 ≥ 180 ≥ 110 Hipertensão sistólica isolada ≥ 140 < 90 Quando as pressões sistólica e diastólica situam-se em categorias diferentes, a maior deve ser utilizada para classificação da pressão arterial.
  • 55. TERMINOLOGIAS DA PRESSÃO ARTERIAL  Hipertensão: PA acima da média;  Hipotensão: PA inferior à média;  Convergente: quando a sistólica e a diastólica se aproximam (Ex: 120/100 mmHg);  Divergente: quando a sistólica e a diastólica se afastam (Ex: 120/40 mmHg).
  • 56. HIPERTENSÃO  Existe quando a pressão sistólica ou a diastólica ou ambas permanecem acima dos limites normais se for levada em conta a idade do indivíduo: > 140/90 mmHg;  Uma elevação ocasional na pressão do sangue não significa necessariamente hipertensão;  Geralmente estão associadas a: ansiedade, obesidade, doenças vasculares.
  • 57. HIPOTENSÃO  Ocorre quando as medidas da pressão situam-se abaixo do normal tanto sistólica e diastólica: < 120/80 mmHg;  A permanência da pressão sanguínea baixa parece não prejudicar, mas, deve-se fazer o controle;  Pressão baixa geralmente está associada a: choques, hemorragias e efeitos secundários de drogas.
  • 58. PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL Preparo do paciente: 1. Explicar o procedimento ao paciente e deixá-lo em repouso por pelo menos 5 minutos em ambiente calmo. Deve ser instruído a não conversar durante a medida. Possíveis dúvidas devem ser esclarecidas antes ou após o procedimento.
  • 59. PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL Preparo do paciente: 2. Certificar-se de que o paciente NÃO: o Praticou exercícios físicos há pelo menos 60 minutos; o Ingeriu bebidas alcoólicas, café ou alimentos; o Fumou nos 30 minutos anteriores.
  • 60. PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL 3. Posicionamento do paciente: o Deve estar na posição sentada, pernas descruzadas, pés apoiados no chão, dorso recostado na cadeira e relaxado. O braço deve estar na altura do coração (nível do ponto médio do esterno ou 4o espaço intercostal), livre de roupas, apoiado, com a palma da mão voltada para cima e o cotovelo ligeiramente fletido.
  • 61. PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL Para a medida propriamente: 1. Obter a circunferência aproximadamente no meio do braço. Após a medida selecionar o manguito de tamanho adequado ao braço*; 2. Colocar o manguito, sem deixar folgas, 2 a 3 cm acima da fossa cubital; 3. Centralizar o meio da parte compressiva do manguito sobre a artéria braquial; 4. Estimar o nível da pressão sistólica pela palpação do pulso radial. O seu reaparecimento corresponderá à PA sistólica;
  • 62. PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL 5. Palpar a artéria braquial na fossa cubital e colocar a campânula ou o diafragma do estetoscópio sem compressão excessiva; 6. Inflar rapidamente até ultrapassar 20 a 30 mmHg o nível estimado da pressão sistólica, obtido pela palpação; 7. Proceder à deflação lentamente (velocidade de 2 mmHg por segundo); 8. Determinar a pressão sistólica pela ausculta do primeiro som (fase I de Korotkoff), que é em geral fraco seguido de batidas regulares, e, após, aumentar ligeiramente a velocidade de deflação.
  • 63. PROCEDIMENTO PARA A MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL 9. Determinar a pressão diastólica no desaparecimento dos sons (fase V de Korotkoff); 10. Auscultar cerca de 20 a 30 mmHg abaixo do último som para confirmar seu desaparecimento e depois proceder à deflação rápida e completa; 11. Se os batimentos persistirem até o nível zero, determinar a pressão diastólica no abafamento dos sons (fase IV de Korotkoff) e anotar valores da sistólica/diastólica/zero; 12. Sugere-se esperar em torno de um minuto para nova medida, embora esse aspecto seja controverso 10,11; 13. Informar os valores de pressões arteriais obtidos para o paciente; 14. Anotar os valores exatos e o braço em que a pressão arterial foi medida.
  • 64. CAUSAS DE ENGANO DA MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL ENGANOS DEVIDOS AO EQUIPAMENTO: • Sistemas inadequadamente calibrados ou testados; • Defeitos do esfigmomanômetro ponteiro ou de coluna de mercúrio: orifício de ar obstruído; • Tamanho da braçadeira em desacordo com o do braço.
  • 65.
  • 66. CAUSAS DE ENGANO DA MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL ENGANOS DEVIDOS À TÉCNICA DE EXAMINAR: • Braços sem apoio dão pressões falsamente altas; • Examinador posiciona o instrumento ao nível acima ou abaixo do coração ou comprime o estetoscópio demasiado firme sobre o vaso; • Mãos do examinador e equipamento frios provocam aumento da pressão sanguínea; • Sistema acústico danificado; • Interação entre examinado e examinador pode afetar a leitura da pressão arterial.

Notas do Editor

  1. FEBRE, CALOR: ↑ F.C.devido aumento do ritmo metabólico. DOR: ↑F.C. devido à estimulação simpática.