Tomada de-decisão-em-enfermagemi

1.678 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.678
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tomada de-decisão-em-enfermagemi

  1. 1. Aulatomadec1sem2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I TOMADA DE DECISÃO EM ENFERMAGEM Greco, Rosangela Maria Prof. Associado do Depto. EBA.Objetivo  Compreender e desenvolver o processo decisório fundamentado em conhecimentos, habilidades, valores pessoais e éticos como subsídio para a prática profissional.O que tem de especial e porque estudar o processo de tomada de decisão? O ato de tomar decisões faz parte da vida, todos os dias, a todo o momento estamos tomando decisões das maissimples as mais complexas, como: que roupa vestir, que ônibus tomar, se pego ou não carona, se faço ou não determinadadisciplina do curso, se namoro ou não determinado garoto ou garota, se participo ou não da 16º Feira Hospitalar, quaisempresas seleciono para o meu roteiro de visita, enfim nossa vida é permeada de escolhas. No âmbito pessoal e individual o processo de tomada de decisão tem certa dimensão, ele serve para traçar eorientar os caminhos que nós iremos seguir, ele influenciará as nossas vidas pessoais. Portanto, o processo de tomada dedecisão de alguns temas e assuntos não pode ser feito de modo ingênuo ou através, por exemplo, de cara ou coroa, par ouimpar, sorteio, melhor de três, entre outras “técnicas”. E quando falamos profissionalmente o processo de tomada de decisão ganha outra dimensão. Em um serviçopessoas diferentes compartilham situações que podem ser complexas, necessitando na maioria das vezes que se tomealguma atitude. Ao se fazer escolhas é necessário que se tenha a exata compreensão do que elas poderão significar sendoimportante que as decisões não sejam tomadas empiricamente, mas sim de modo sistematizado para que se obtenha omelhor resultado possível, em cada situação, pois com certeza as escolhas irão influenciar a vida de muitas outras pessoas,e neste caso não temos o direito de sermos superficiais (CIAMPONE 1991). Assim sendo, frente a situações complexas, no processo de trabalho, não podemos simplesmente arriscar tomandodecisões, orientados pelo processo de acerto ou erro (CIAMPONE; MELLEIRO, 2005).O que é o processo decisório Decidir-se por algo, em outras palavras, significa fazer uma escolha. Na gestão de serviços ou de setores específicos a tomada de decisão é uma atividade inerente ao processo deplanejamento, ou seja, quando se define “onde se pretende chegar, o que deve ser feito, quando, como e em queseqüência” está-se tomando uma decisão (KWASNICKA, 1991; CHIAVENATO, 1993). A ação de planejar anda de mãos dadas com a ação de tomar decisões. E nesta perspectiva Ciampone; Melleiros(2005, p. 38) definem o planejamento como sendo a “a arte de fazer escolhas e de elaborar planos para favorecer umprocesso de mudança”. Em relação ao significado e a definição de processo decisório CIAMPONE (1991 p. 192), pesquisando autores eliteraturas diversas, chegou às seguintes definições: “decidir significa ir além do momento da escolha, da decisão em si“;“decidir significa necessariamente escolher entre uma ou mais alternativas ou opções, com vistas a alcançar um resultadodesejado”. A tomada de decisão, portanto, é um processo que envolve aspectos individuais e sociais, sendo necessário que setenha uma meta, um objetivo ao qual se pretende chegar, para que então se escolha uma ou mais alternativas para oalcance da proposição. Ainda segundo CUNHA (1991 p. 34), “a tomada de decisão é uma atitude que requer consciência da situaçãocomo um todo, seja durante uma fração de segundos, seja num período mais longo” pois o processo decisório começaantes do momento da decisão e termina depois dela. Estudiosos sobre o processo de tomada de decisão afirmam que “as melhores decisões são tomadas quandopercorremos todas as fases do processo decisório, de modo sistemático, e que podemos aprender a fazer isso, adquirindomaior segurança” (CIAMPONE, MELLEIRO, 2005, p. 38).Vejamos então quais são as fases desse processo. Antes de estudarmos as fases do processo decisório é importante compreender que quando os membros de um grupo podem conversar abertamente sobre os problemas e dificuldades, discutindo as propostas de solução, estas poderão ter uma implementação mais efetiva. Diante de uma situação crítica, se o impulso e a energia de todos puderem ser canalizados para um esforço no sentido de se superar a situação, deixando de lado as tendências individualistas e competitivas, com certeza se estará caminhando para a melhor solução possível.
  2. 2. As fases do processo decisório são semelhantes as do Método de Solução de Problemas, do planejamento administrativo em enfermagem sendo elas: Identificação do problema; coleta de dados; análise dos dados; descrição de soluções alternativas; escolha ou decisão; implementação e avaliação. Vejamos então o que significa cada uma delas: Identificação do problema - significa descrever objetivamente a situação que se considera como problema do modo¡ como ela é percebida, tentando definir o problema a partir da listagem das supostas causas, a descrição da situação por escrito auxilia na compreensão da situação; Coleta de dados - consiste em se colher e levantar informações que permitam o exame da situação para isso deve-se¡ ouvir todas as pessoas envolvidas na situação e faz-se um estudo de opiniões do grupo de trabalho; Análise dos dados - procura-se chegar às causas e aos determinantes da situação com objetivo de visualizar o¡ problema de diferentes ângulos. Deve-se buscar relacionar as forças restritivas que causam e mantém o problema, resistindo à sua solução (as forças negativas) e as forças impulsoras, que contribuem para a solução do problema (forças positivas); Descrição de Soluções Alternativas – consiste em se listar as várias propostas de soluções alternativas, considerando¡ a viabilidade e os efeitos prováveis de cada uma, ou seja, o impacto e as conseqüências. Deve-se ter o cuidado para não atacar sintomas ao invés de problemas, nessa fase pode-se utilizar as experiências, hábitos e rotinas já existentes, como se pode fazer uso de bibliografias, consulta a especialistas, registros e explorar as opiniões dos envolvidos na situação através de dinâmica de grupo; Escolha ou decisão – é o momento em que após ter-se feito o estudo da situação, das causas e das possíveis¡ alternativas, faz-se uma escolha, opta-se por uma determinada solução, considerando-se as que melhor atendam aos objetivos estabelecidos e às circunstâncias presentes; Implementação - consiste em aplicar a solução escolhida, esta fase depende da anterior, pois a tomada de decisão por¡ consenso do grupo leva a pouca ou nenhuma dificuldade na implementação, já as decisões baseadas em um único elemento são mais difíceis de serem implementadas, pois depende desse indivíduo convencer todo o grupo a aceitar a decisão; Avaliação – consiste em olhar para todo o processo verificando se conseguiu resolver o problema e quais as¡ conseqüências da decisão tomada, para fundamentar futuras intervenções (CIAMPONE 1991; KRON ; GRAY, 1994). Como já vimos anteriormente, vivemos tomando decisões e podemos ou não seguir as etapas acima, mas o estudodessas fases e de como as decisões são tomadas podem contribuir para que se faça uma previsão e que se evite tomardecisões importantes sem uma análise de todo o processo a ser percorrido, levando assim a escolha da melhor alternativa. As decisões podem ir das mais simples onde as opções por uma determinada alternativa surgem de modo fácil eespontâneo e as fases do processo ocorrem de modo inconsciente, até as mais complexas onde as teorias desenvolvidastêm o papel de ajudar a identificar, descrever, explicar, prever, solucionar e corrigir os problemas envolvidos nas diversasfases do processo decisório (CARVALHAL, 1981 apud CIAMPONE, 1991).A enfermagem e o processo de tomada de decisão Na enfermagem não atuamos isoladamente, trabalhamos com outros profissionais, temos que estruturar o nossotrabalho, a nossa ação juntamente com esses trabalhadores. Nosso trabalho tem como finalidade o cuidar, que deve ser entendido como um estar junto, fazer o melhorpossível pelo outro, compreendendo procedimentos técnicos, mas também demonstrações de afetividade, paciência,carinho e respeito, dentro de uma concepção ética, valorizando princípios e valores humanos, enfatizando os aspectoscriativos, emocionais e intuitivos; se operacionalizando através das dimensões desse cuidar – assistir, gerenciar, ensinar einvestigar (WALDOW, 1998). O cuidar envolve fazer escolhas, tomar decisões, seja na dimensão assistir, gerenciar, ensinar ou investigar, assima todo o momento nós enfermeiros nos vemos frente a situações que exigem um posicionamento. Apesar da tomada de decisão no gerenciamento em enfermagem fazer parte do cotidiano de trabalho doenfermeiro, muitas vezes as decisões são circunstanciais, pouco fundamentadas, baseadas apenas em hábitos ou rotinassem explorar variáveis diferenciadas e criativas. Esse fato, segundo Ciampone (1991 p. 194) “causa angustias, inseguranças e inquietação que, somadas àsansiedades geradas pelo próprio ambiente de trabalho, levam o profissional a vivenciar situações de permanentes conflitose insatisfações”. A tomada de decisão em enfermagem é influenciada por padrões, normas e diretrizes, no entanto é importante queestes não sejam seguidos cegamente, usar o pensamento crítico para tomar uma decisão é essencial no momento dereconhecer quando a situação requer soluções criativas. A capacidade para tomar decisões prontamente e de forma adequada não deve ser compreendida como umahabilidade nata, ela pode e deve ser desenvolvida, o que pode ser feito através de exercícios que estimulam a capacidadede tomar decisões (KRON; GRAY, 1994). Nesse sentido, as técnicas e jogos grupais, uma vez que facilitam a participação do grupo, possibilitam a tomadade decisões criativas, elas são um meio para que o grupo possa trabalhar melhor, porém elas devem estar inseridas comoparte da filosofia de trabalho do serviço de enfermagem (CIAMPONE , 1991).Vejamos então algumas dessas técnicas.
  3. 3. Técnicas de tomada de decisão De modo esquemático as técnicas que auxiliam ao processo de tomada de decisão podem ser classificadas emtécnicas tradicionais e modernas, que poderão ser utilizadas nas decisões programadas ou não-programadas conforme oquadro esquemático adaptado de Ciampone (1991, p.203).Decisões Técnicas Tradicionais Técnicas ModernasProgramadas 1. Repetitivas, de rotina. 1. Hábito 1. Pesquisa operacional (observação 2. Decisões tomadas através dos 2. Rotina (procedimentos participante e visão sistêmica do processos da organização, padrões) problema) onde é possível percorrer as 3. Estrutura organizacional: 2. Técnicas grupais fases da teoria. expectativa comum; 3. Processamento de dados canais de informação bem definidos.Não-programadas 1. Decisões de momento 1. Julgamento por intuição. 1. Técnica heurística de solução de (considerando a urgência) 2. Regras empíricas. problemas (deixar que as pessoas 2. Decisões que envolvem 3. Atribuição de crença na busquem a melhor solução) mudanças não previstas na autoridade do pessoal de 2. Exploração das alternativas estrutura 1ª linha – chefes e disponíveis e conseqüências com supervisores incentivo à criatividade do grupo envolvido na decisãoTendências e perspectivas – do modelo gerencial tradicional para o modelo de decisão compartilhada Nas décadas de 80 e 90, as organizações de modo geral passaram por mudanças e reestruturações. As estruturasde verticais passaram para horizontais entre outras transformações, forçando os líderes a partilharem as informações comseu grupo de trabalho, descentralizando a tomada de decisão. Os serviços de saúde de modo geral e como parte deles os serviços de enfermagem vem acompanhando essatendência através da implantação do modelo de tomada de decisão descentralizada, que tem como referência o modelo deAdministração Participativa. Segundo Bork et al (2003, p. 74), “esse modelo é definido como um processo de descentralização que possibilitaao enfermeiro o controle sobre sua prática e ambiente de trabalho, pautado em ações que requerem autoridade comresponsabilidade”, tendo como alvos a serem alcançados: “a autonomia do enfermeiro na tomada de decisão, os níveiselevados de satisfação no trabalho, a maior eficiência e efetividade da prática de enfermagem, o melhor cuidado aopaciente e a menor rotatividade de profissionais”. Ainda segundo esses autores, a decisão compartilhada tem como pilares sete princípios que são: 1. Parceria – consiste no envolvimento de todos na busca dos melhores resultados, através do reconhecimento da interdependência das ações e da contribuição de cada um no resultado. 2. Autoridade com responsabilidade – consiste em garantir ao profissional autonomia, autoridade e controle sobre determinada atividade. Entendendo-se autonomia como sendo o direito a tomada de decisão; autoridade como o poder para a tomada de decisão e o controle como a habilidade e a capacidade para a tomada de decisão. 3. Equidade – consiste em valorizar a todos, permitindo a participação dos diversos representantes no processo de tomada de decisão, estando relacionado ao reconhecimento do valor ético e os princípios de conduta que orientam as relações interpessoais. 4. Propriedade – consiste no comprometimento do trabalho de cada um com a meta da organização. 5. Eficiência, eficácia e efetividade – neste caso a eficiência consiste no empenho dos profissionais para o alcance dos resultados; a eficácia consiste nas ações objetivas e assertivas para o resultado e a efetividade no alcance do resultado esperado. 6. Aprendizado contínuo – todos os membros da equipe devem investir no aprendizado contínuo, buscando ações e decisões embasadas na melhor informação. 7. A pessoa certa no lugar certo – “a melhor decisão não é a mais popular ou da maioria, mas sim aquela respaldada pela melhor informação” assim sendo, deve-se garantir que a pessoa certa esteja no lugar certo para que tenha as melhores informações e assim possa tomar as melhores decisões. Optar por uma mudança de modelo do tradicional para o de Decisão Compartilhada não é simples e deve serpautada e fundamentada em uma escolha consciente. Em relação à enfermagem Bork e et al (2003, p.76) afirmam que: “é fundamental que a decisão de mudança domodelo de gestão de um Sistema de Enfermagem seja aprovada pela liderança do Serviço de Saúde, que devecompreender que o processo de implantação de um novo modelo envolve uma mudança cultural, sendo, portanto,necessário investir tempo adequado para a obtenção de resultados, uma vez que estes não são imediatos”
  4. 4. Estes autores afirmam ainda que “o primeiro passo para escolha do modelo de decisão compartilhada é um amploestudo, que envolva uma busca bibliográfica, eventuais visitas a instituições em que este já fora implantado. E,logicamente, deve ser viável dentro da realidade da instituição e do país”.A título de conclusão Tomar decisões envolve juízo de fatos e de valores, sendo algo complexo, principalmente quando nossas decisõesirão influenciar a vida de muitas outras pessoas. Entretanto no processo de trabalho do enfermeiro ele certamente terá que utilizar “conhecimentos, habilidades eatitudes coerentes, precisas e imparciais para uma tomada de decisão que venha ao encontro de seus valores pessoais eéticos e ao mesmo tempo em que atenda aos objetivos e metas da organização” (CIAMPONE, 1991). Assim sendo, é necessário que o enfermeiro desenvolva: “capacidade de caracterização objetiva da situação,sensibilidade para problemas de relações humanas, descontentamento construtivo (inconformismo com a rotina) e,sobretudo, autodeterminação para solucionar problemas” (CIAMPONE, 1991). Além disso, é importante ressaltar ainda que no processo de tomada de decisão não deve haver um distanciamentoentre os que tomam decisões os que colocam em prática as soluções e alternativas do que foi decidido, este processo temque ser participativo e contar, sempre que possível com a colaboração e o envolvimento de todos os envolvidos, em todasas fases.ReferenciasBORK, et al . Da teoria para o dia a dia – a estrutura de decisão compartilhada do sistema de enfermagem. In: Bork. A. M.T.; Minatel V. de F. Enfermagem de Excelência: da visão à ação. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2003.CIAMPONE, M. H. T. Tomada de decisão em enfermagem. In: KURCGANT, P. Administração em enfermagem. SãoPaulo, EPU, 1991, p.191-206.CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Administração. São Paulo, MAKRON BOOKS, 1993.CUNHA, M. F. N. da. A pedagogia holística face às exigências de uma nova educação. Rio de Janeiro, Téc. Educ. v.20,p.34-7, 1991.KWASNICKA, E. L. Introdução à Administração. São Paulo, Atlas, 1991.KRON, T.; GRAY, A. Administração dos cuidados de enfermagem ao paciente: colocando em ação as habilidades deliderança. Rio de Janeiro, Interlivros, 1994.SILVA, G. B. da. Enfermagem Profissional: análise crítica. São Paulo, Cortez, 1989.WALDOW, V. R. Cuidado Humano: o resgate necessário. Porto Alegre. Sagra Luzzato. 1998.

×