SlideShare uma empresa Scribd logo
LIDERANÇA EM ENFERMAGEM
Professor: Gerson de Souza
enf.gerson@hotmail.com
1. Conceitos de liderança
Liderança é um processo em que há algum
nível de influência de uma pessoa sobre outra,
ou sobre um grupo, para que objetivos sejam
alcançados em uma situação.
Quanto à liderança em enfermagem é
importante que o enfermeiro concilie os
objetivos organizacionais com os objetivos de
seu grupo, para que seja aprimorada a prática
profissional e, consequentemente, uma
assistência de enfermagem adequada à equipe,
aos pacientes e à instituição.
Quanto ao contexto atual da Enfermagem e
observando o quanto esta é uma profissão
recentemente instituída, as ações do enfermeiro
estão ligadas a dois tipos de atividades:
ASSISTÊNCIA ADMINISTRAÇÃO
Quanto as atividades
assistenciais, as ações
são direcionadas para o
tratamento médico
prescrito ao paciente e,
também á prescrição de
enfermagem (higiene,
conforto e segurança do
paciente).
Em relação às atividades
administrativas teremos
ações voltadas à
organização do trabalho
da equipe de
enfermagem e ações de
natureza pedagógica
(como, por exemplo, a
educação continuada.
2. PERFIL DE UM LÍDER
Antigamente entendia-se líder como aquele que
já possui um perfil nato para liderar. Os estilos
de líderes são variáveis conforme a situação na
qual o indivíduo, frente a uma equipe, se
encontra.
Historicamente, desde que foi instituída a
Enfermagem como profissão que possui
embasamento científico, por influência
nightingeliana, temos então desde a época da
guerra da Criméia, por parte do enfermeiro deste
molde, um modelo de natureza autocrática e
extremamente centralizadora. Contudo, esta
posição nas últimas décadas tem sido revista pelos
estudiosos da Administração em saúde.
A imagem de um líder é construída de modo
paulatino, sendo sempre necessário desenvolver
algumas características com o objetivo de
consolidar ainda mais a sua liderança.
Quanto aos vários estilos de liderança, de
acordo com a visão filosófica em questão,
enfatizo três formas de trabalhar na
enfermagem, as quais são baseadas no estilo
autocrático, no estilo democrático e no estilo
liberal.
Entre os mais diversos estilos existentes que a
Administração discute, há de se propor a ideia
de que não existe um estilo ideal o qual se
pode dizer que esta forma de administrar
suprima outra, porém esta pode ser a melhor
para o grupo ou instituição conforme a situação
corrente.
A liderança autocrática possui poder centralizador,
ou seja, em poucos indivíduos, sendo que a
participação dos demais acaba sendo anulada ou
diminuída.
Neste estilo o foco do indivíduo está dentro das
tarefas tornando-se então uma forma de trabalhar
voltadas em suas próprias decisões, sendo tolhido
qualquer ato decorrente de ideia de outrem.
Quanto ao estilo de liderança liberal (laissez-faire),
temos, então, a situação totalmente oposta, em que
o foco das decisões paira sobre os subordinados,
sendo aberto o espaço para organização e debate
de diretrizes.
E por último temos a liderança democrática, na qual
líder e subordinado possuem participação nas decisões
grupais, sendo então dado o espaço para o debate,
porém com assistência do líder frente às decisões. Em
seus mais diversos níveis de influência que uma pessoa
pode exercer, temos os seguintes processos:
Processo individual: centrado
no líder em si.
Processo didático: passaremos
a ter uma troca a nível um
pouco mais complexo
envolvendo dois indivíduos,
erando troca de informações
frente à comunicação
Processo grupal: no qual
acontecerá então a
influência do líder frente ao
grupo e vice-versa.
A partir deste ponto pode se evidenciar o
quanto as situações e as posições das
pessoas envolvidas podem definir a
qualidade da gerência em uma instituição,
pois há uma nítida relação entre
liderança, motivação e poder, sendo que,
para isso, o líder deve ser dinâmico e
flexível, utilizando diferentes modelos de
atuação conforme a situação encontrada.
3. A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NA LIDERANÇA
A comunicação consiste em um processo no qual
ocorre a troca de informações entre dois ou mais
indivíduos, tornando uma mensagem comum aos
envolvidos. Tal processo está envolvido com a
transmissão das informações e a compreensão
recíproca.
Um dos focos a serem
analisados dentro da
questão da liderança em
Enfermagem é a
comunicação, a qual deve
estar presente na logística
das pessoas envolvidas nas
instituições. A comunicação
em seus mais diversos níveis
é um excelente indicativo
(não obstante que deva ser
o único) da qualidade da
gestão de uma instituição.
A comunicação eficaz é uma das bases que devem
fazer parte da gestão do enfermeiro-líder, pois esta
também contribui para as relações interpessoais
saudáveis. Pois através da comunicação eficaz é
que uma pessoa pode exercer influência sobre
outras, o que faz do ser humano um ser político.
A comunicação é uma importante ferramenta para
o aprendizado, sendo que o enfermeiro deve ser
um ouvinte atento e ser reflexivo após questionar e
receber informações.
Tais atitudes ao serem executadas por um líder,
podem evitar que problemas acabem tomando
maiores dimensões.
A comunicação é um importante elemento de liderança,
sendo que, além da mensagem ser clara, é importante
também o modo pela qual ela será transmitida, pois
justamente esse importante detalhe irá pesar
futuramente de modo positivo ou negativo dentro da
instituição envolvida, no que diz respeito a pontos a
serem melhorados nas avaliações de desempenho.
4. DESAFIOS NA LIDERANÇA DE ENFERMAGEM
A enfermagem é uma área propícia para o desenvolvimento
da liderança, pois o trabalho é desenvolvido por um grupo
de pessoas com formação diversificada, ou seja, desde o
nível elementar até o nível superior, cabendo ao enfermeiro
a responsabilidade de coordenar as atividades exercidas
pelos demais membros da equipe de enfermagem.
Um líder é alguém que identifica e satisfaz as
necessidades legítimas de seus liderados e
remove todas as barreiras para que possam
servir ao cliente. Para liderar, você dever servir.
O questionamento sobre liderança é
fundamental para a enfermagem desenvolver
ações relacionadas à competência e à
habilidade do enfermeiro líder em estabelecer
comunicação e a ações diretivas visando á
participação das pessoas no alcance das metas
desejadas pelo grupo de trabalho e a
organização.
As instituições hospitalares têm exigido dos
enfermeiros a habilidade de liderar. Certamente
por meio de bons líderes haverá formação de
um grupo de pessoas comprometidas com a
visão, a missão e os objetivos de uma
organização.
Ela poderá gerenciar a assistência prestada ao
paciente, exercendo, consequentemente,
influência na equipe de enfermagem, médica e
outros membros que integram o serviço, ou
seja, mais uma vez fica clara a importância da
liderança
5. EXPECTATIVAS PARA UM LÍDER
O que mais as pessoas esperam de um líder é
que ele desperte confiança, que seja digno do
crédito, demonstrando coerência com a
filosofia empresarial e congruência em suas
ideias discursos e ações; a lealdade e o
comprometimento dos seguidores pode
depender da credibilidade percebida. Sem
confiança é difícil, se não impossível´,
conservar um bom relacionamento.
O serviço de enfermagem tem a missão de
desenvolver líderes e fazer um elo de
comunicação entre os clientes e a organização.
Os requisitos básicos para atuação dos
enfermeiros são: ter capacidade de liderança e
saber trabalhar em equipe. Nessa perspectiva,
a liderança deve estar pautada nos valores
pessoais, de maneira que contribua para a
transformação do ser humano, em busca de
um mundo melhor.
É preciso que o líder reconheça a importância do
trabalho em grupo, estimulando o ótimo convívio
entre seus membros e exercendo uma liderança
concisa ética e capaz de influenciar os outros, para
aa superação e o alcance dos objetivos
determinados.
O comportamento do líder gera um reflexo no
desempenho do grupo de trabalho, pois geralmente
a equipe se espelha no modelo que acredita ou
percebe como necessário para a execução de suas
práticas de atendimento da clientela.
Como devem ser as relações entre líderes e
seguidores?
A formação de um vínculo social entre o líder e os
liderados consiste em uma condição crucial para o
seu ajustamento nas diferentes circunstâncias de
trabalho; entretanto, a formação deste vínculo
poderá ocasionar sentimentos positivos ou
negativos, ou seja, “o vínculo da liderança só
ocorrerá de maneira produtiva quando as ações do
líder forem ao encontro das expectativas do
subordinados e vice-versa”.
A incapacidade do líder de
perceber as necessidades e
expectativas dos liderados
impedirá a formação do vínculo e
consequentemente, gerará
sensações de inadequação e
inutilidade não só nos liderados
como também no próprio líder.
Para alcançar os objetivos comuns é
imprescindível que todos os componentes de
um grupo tenha motivação.
A motivação ocorre paralelamente à satisfação
no trabalho. ressaltando a importância das
relações humanas na satisfação do trabalho,
essas podem ser adquiridas na associação com
os outros e um trabalho que tem sentido
permite encontrar pessoas com quem os
contatos podem ser francos, honestos, com
quem se pode ter o prazer de trabalhar mesmo
em projetos difíceis.
Assim, o êxito do líder está relacionado com a
habilidade de comunicar-se com os outros. No
futuro, os líderes aprenderão a ouvir, observar
tendências e perceber as necessidades de outras
pessoas.
7. Qual é a importância do líder nas organizações
Vivemos um período de mudança histórica, no
qual antigas respostas são inadequadas para
novas realidades.
O discurso atual consiste em delegação de
poderes, alianças, equipes, envolvimento,
parcerias, negociações e exploração da
motivação humana. Isso trouxe uma nova
linguagem, uma nova abordagem de liderança.
Tendo em vista que a equipe de enfermagem e o objetivo
único de garantir uma assistência de qualidade, a
liderança do profissional deve ser fundamentada no
conhecimento das necessidades dos pacientes e no
conhecimento das habilidades, características individuais
e necessidade dos membros da equipe.
A liderança contribui para o envolvimento, a satisfação e
a motivação transformem a atividade profissional dos
membros da equipe de enfermagem numa atividade
prazerosa, pois a jornada de trabalho e a remuneração
são fatores relevantes para o descontentamento
profissional.
O enfermeiro é contratado na instituição para coordenar
uma equipe. Em uma unidade hospitalar o paciente está
exposto a um ambiente desconhecido. O
desenvolvimento do trabalho nas diversas unidades de
um hospital exige principalmente ações entre duas
equipes, médica e de enfermagem. Somando a estes
aspectos, a área da saúde, em constante evolução
tecnológica, utiliza inúmeros equipamentos para o
atendimento das diferentes especialidades médicas.
Assim, o hospital apresenta-se como um
ambiente repleto de situações e expectativas
diversificadas, que podem resultar em
fracassos ou vitórias.
Isto deixa claro a importância da atuação do
enfermeiro que deve implementar ações
baseadas em um processo de trabalho
planejado com uma série de passos integrados
para oferecer uma assistência adequada ao
paciente, ao atendimento da equipe cirúrgica e
às necessidades da equipe de enfermagem.
Neste cenário entendemos que o enfermeiro, para
desempenhar o seu trabalho, deve saber conduzir a
equipe de enfermagem para obter o melhor
resultado na assistência como um todo.
Para o bom funcionamento de uma unidade, o
trabalho em equipe é primordial, pois, em situações
que exigem a combinação em tempo real de
múltiplos conhecimentos, experiências e
julgamentos, inevitavelmente uma equipe alcança
resultados melhores do que um conjunto de
indivíduos atuando de acordo com as suas
competências e responsabilidades.
LIDERANÇA SITUACIONAL, O QUE É?
Segundo os autores da Liderança Situacional,
(Hersey Blanchard) este modelo baseia-se
numa inter-relação entre a quantidade de
orientação e direção que o líder oferece, a
quantidade de apoio socioemocional dado pelo
líder e o nível de maturidade dos subordinados
no desempenho de uma tarefa, função, ou
objetivo específico.
Comportamento tarefa: é definido como a medida
com que o líder dirige as pessoas, dizendo-lhe o que
fazer, quando fazê-lo e como fazê-lo. Significa
estabelecer-lhe objetivos e definir os seus papéis.
Comportamento de relacionamento: é definido
como a medida com que um líder se empenha em
comunicar-se bilateralmente com as pessoas, dando-
lhe apoio, encorajamento e reforço. Significa ouvir
ativamente as pessoas e apoiar-lhes os esforços.
Maturidade dos liderados: é definida como a
capacidade e a disposição das pessoas de assumir a
responsabilidade de dirigir seu próprio comportamento.
Este conceito inclui duas dimensões: maturidade de
trabalho (capacidade) e maturidade psicológica
(disposição).
a maturidade de trabalho refere-se à capacidade de
fazer alguma coisa, ou seja, está relacionada com o
reconhecimento e a capacidade técnica.
A maturidade psicológica está relacionada com a
disposição ou motivação para realizar alguma coisa.
Essas dimensões de maturidade devem ser
consideradas somente em relação a uma tarefa
específica a ser realizada.
O estilo de liderança que o líder deve adotar com
indivíduos ou grupos depende do nível de
maturidade da pessoa que deseja influenciar.
Assim os autores da Liderança Situacional propõem
quatro estilo de liderança, quais sejam: determinar,
persuadir, compartilhar e delegar.
O estilo de liderança que o líder deve adotar com
indivíduos ou grupos depende do nível de maturidade
da pessoa que deseja influenciar. Assim os autores da
Liderança Situacional propõem quatro estilo de
liderança, quais sejam: determinar, persuadir,
compartilhar e delegar. Cada estilo é uma combinação,
de tarefa e de relacionamento.
A maturidade do liderado é apresentada também em
quatro níveis: baixo (M1), baixo a moderado (M2),
moderado a alto (M3) e alto (M4).
O estilo de liderança apropriado a cada um dos quatro
níveis de maturidade dos liderados inclui a dosagem
certa de comportamento de tarefa (direção) e
comportamento de relacionamento (apoio).
DETERMINAR PERSUADIR
É um estilo de liderança indicado para
liderado com maturidade baixa (M1), ou seja,
pessoa que não tem capacidade e vontade
para realização de determinada tarefa. Neste
estilo o líder define a tarefa e especifica o que
a pessoa deve fazer, como, onde e quando
executar. Esse estilo implica um
comportamento de tarefa alto e
relacionamento baixo.
Este estilo é indicado para liderado que não
tem capacidade, mas sente disposição para
assumir responsabilidades, maturidade entre
baixa e moderada (M2) o líder com este estilo
oferece uma liderança diretiva devido à falta
de capacidade do liderado, mas também
oferece apoio para reforçar sua disposição e
seu entusiasmo. Este estilo envolve
comportamento alto de tarefa e de
relacionamento.
COMPARTILHAR DELEGAR
Este estilo de liderança é indicado para
liderado com maturidade entre moderada e
alta (M3) o liderado com este nível de
maturidade tem capacidade, mas não está
disposto a fazer o que o líder deseja. O estilo
chama-se compartilhar porque o líder e o
liderado participam juntos da tomada de
decisão, sendo que o líder tem o papel de
facilitar a tarefa e a comunicação. Este estilo
envolve comportamento de relacionamento
alto e tarefa baixo.
é um estilo de liderança indicado para o liderado
com maturidade alta (M4). O, liderado deste
nível de maturidade tem capacidade e disposição
para assumir responsabilidades, e o líder com
este estilo, que proporciona pouca direção e
pouco apoio, apresentará a maior probabilidade
de ser eficaz. Mesmo que o líder identifique o
problema, a execução cabe ao liderado, o qual
desenvolve a atividade e decide como, quando e
onde fazer as coisas. Este estilo envolve um
comportamento de relacionamento baixo e
tarefa baixo.
A chave para a utilização de liderança situacional
consiste em avaliar o nível de maturidade do
liderado e o líder adotar o estilo de liderança
preconizado de acordo com o modelo proposto.
A liderança é um recurso importante no processo
de cuidar do ser humano e de gerenciar pessoas.
Portanto, precisa ser mais bem desenvolvida pela
enfermagem.
Para isso, o conhecimento sobre liderança é um
requisito imprescindível; porem, a assunção dessas
habilidades exige ousadia, muita disposição,
coragem e liberdade criativa.
O sucesso da atuação da equipe de enfermagem e a
obtenção da qualidade da assistência estão
pautados na busca por objetivos concisos e por uma
liderança que permita o crescimento de todos
aqueles envolvidos no processo.
É a prática da liderança que deve transformar e
realmente construir o ideal ao assumir os desafios,
remover os entraves, contornar e superar as
barreiras assumidas como intransponíveis,
considerando que a liderança inscreve-se em todas
as atividades do trabalho do enfermeiro.
A liderança na enfermagem deve ser resultado da
luta diária dos indivíduos que a compõem, deve ser
resultado do trabalho coletivo. Deve ser,
fundamentalmente, resultado da valorização e do
reconhecimento de todos os atores envolvidos no
processo de construção diária do futuro. E a
construção do futuro só pode ser obtida através de
um cotidiano reflexivo, partilhado, democrático, em
que todos são sujeitos de sua prática e de sua
história, são construtores desse futuro. Para tanto,
faz se necessário romper com determinadas práticas
autoritárias.
REFERÊNCIAS
1.Hunter JC. O monge e o executivo: uma história
sobre a essência da liderança. Rio de Janeiro (RJ):
Sextante; 2004.
2.Silva LWS, Francione FF, Sena ELS, Carraro TE,
Randünz V. O cuidado na perspectiva de Leonardo
Boff, uma personalidade a ser (re)descoberta na
enfermagem. Rev Bras Enferm 2005 jul/ago; 58(4):
471-75.
3.Castanha ML, Zagonel IPS. A prática de cuidar do
ser humano sob o olhar da equipe de saúde. Rev
Bras Enferm 2005 set/out; 58(5):
• 556-62.
FIM – OBRIGADO.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúdeO trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúde
Luís Fernando Tófoli
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
Renata Cristina
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
Letícia Spina Tapia
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Aroldo Gavioli
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
Fernanda Marinho
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Homero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saudeHomero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saude
comunidadedepraticas
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
Fabiano Ladislau
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
Célia Costa
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
universitária
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

O trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúdeO trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúde
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Homero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saudeHomero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saude
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 

Semelhante a LIDERANÇA EM ENFERMAGEM

Artigo gerencia enf
Artigo   gerencia enfArtigo   gerencia enf
Artigo gerencia enf
Carolina Franco
 
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em ComércioComportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Antonio Pinto Pereira
 
TCC Artigo Liderança Organizacional
TCC Artigo Liderança OrganizacionalTCC Artigo Liderança Organizacional
TCC Artigo Liderança Organizacional
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
Pesquisa 1 versao final nelson
Pesquisa 1 versao final  nelsonPesquisa 1 versao final  nelson
Pesquisa 1 versao final nelson
_Nellsum
 
A Comunicação na Liderança em Enfermagem .
A Comunicação na Liderança em Enfermagem .A Comunicação na Liderança em Enfermagem .
A Comunicação na Liderança em Enfermagem .
Carolina Franco
 
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇAEXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
Coach Érika Fernandes
 
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
Eduardo Rocha
 
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕESO NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
christianceapcursos
 
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
christianceapcursos
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Anderson Pontes
 
Apostila chefia-e-lideranca
Apostila chefia-e-liderancaApostila chefia-e-lideranca
Apostila chefia-e-lideranca
NicoleKrisleyAlvesNo
 
10
1010
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúdeGestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
angelalessadeandrade
 
Chefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfChefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdf
Thiago Thome
 
teste
testeteste
versão final Edilson (Para análise)
versão final Edilson (Para análise)versão final Edilson (Para análise)
versão final Edilson (Para análise)
Raquel Donega
 
Artigo liderança
Artigo liderançaArtigo liderança
Artigo liderança
Daniela Garcia
 
Silid modelo de liderança
Silid modelo de liderançaSilid modelo de liderança
Silid modelo de liderança
profmariaduarte
 
Coaching lideranca-nova-perspectiva
Coaching lideranca-nova-perspectivaCoaching lideranca-nova-perspectiva
Coaching lideranca-nova-perspectiva
Andrea Oliveira
 
Artigo gestão-em-liderança-de-equipes
Artigo gestão-em-liderança-de-equipesArtigo gestão-em-liderança-de-equipes
Artigo gestão-em-liderança-de-equipes
Rafael Lial
 

Semelhante a LIDERANÇA EM ENFERMAGEM (20)

Artigo gerencia enf
Artigo   gerencia enfArtigo   gerencia enf
Artigo gerencia enf
 
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em ComércioComportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
 
TCC Artigo Liderança Organizacional
TCC Artigo Liderança OrganizacionalTCC Artigo Liderança Organizacional
TCC Artigo Liderança Organizacional
 
Pesquisa 1 versao final nelson
Pesquisa 1 versao final  nelsonPesquisa 1 versao final  nelson
Pesquisa 1 versao final nelson
 
A Comunicação na Liderança em Enfermagem .
A Comunicação na Liderança em Enfermagem .A Comunicação na Liderança em Enfermagem .
A Comunicação na Liderança em Enfermagem .
 
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇAEXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
 
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
 
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕESO NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
 
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
 
Apostila chefia-e-lideranca
Apostila chefia-e-liderancaApostila chefia-e-lideranca
Apostila chefia-e-lideranca
 
10
1010
10
 
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúdeGestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
 
Chefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfChefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdf
 
teste
testeteste
teste
 
versão final Edilson (Para análise)
versão final Edilson (Para análise)versão final Edilson (Para análise)
versão final Edilson (Para análise)
 
Artigo liderança
Artigo liderançaArtigo liderança
Artigo liderança
 
Silid modelo de liderança
Silid modelo de liderançaSilid modelo de liderança
Silid modelo de liderança
 
Coaching lideranca-nova-perspectiva
Coaching lideranca-nova-perspectivaCoaching lideranca-nova-perspectiva
Coaching lideranca-nova-perspectiva
 
Artigo gestão-em-liderança-de-equipes
Artigo gestão-em-liderança-de-equipesArtigo gestão-em-liderança-de-equipes
Artigo gestão-em-liderança-de-equipes
 

Mais de Centro Universitário Ages

Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdfSistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Centro Universitário Ages
 
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundoEpidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Centro Universitário Ages
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
Centro Universitário Ages
 
Como fazer Genogramas
Como fazer GenogramasComo fazer Genogramas
Como fazer Genogramas
Centro Universitário Ages
 
Estudos observacionais
Estudos observacionais Estudos observacionais
Estudos observacionais
Centro Universitário Ages
 
A pele e seus anexos
A pele e seus anexosA pele e seus anexos
A pele e seus anexos
Centro Universitário Ages
 
Protocolo Manejo-Coronavirus
Protocolo Manejo-CoronavirusProtocolo Manejo-Coronavirus
Protocolo Manejo-Coronavirus
Centro Universitário Ages
 
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criançaDengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Centro Universitário Ages
 
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de ChikungunyaProtocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Centro Universitário Ages
 
Recém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabéticaRecém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabética
Centro Universitário Ages
 
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagensAlojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Centro Universitário Ages
 
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionaisAlimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Centro Universitário Ages
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
Centro Universitário Ages
 
Acesso venoso em recem nascidos
Acesso venoso em recem nascidosAcesso venoso em recem nascidos
Acesso venoso em recem nascidos
Centro Universitário Ages
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Centro Universitário Ages
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
Centro Universitário Ages
 
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de SaúdeLei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Centro Universitário Ages
 
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoDeterminantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Centro Universitário Ages
 
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXIDesafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Centro Universitário Ages
 
Caminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saudeCaminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saude
Centro Universitário Ages
 

Mais de Centro Universitário Ages (20)

Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdfSistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
 
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundoEpidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
 
Como fazer Genogramas
Como fazer GenogramasComo fazer Genogramas
Como fazer Genogramas
 
Estudos observacionais
Estudos observacionais Estudos observacionais
Estudos observacionais
 
A pele e seus anexos
A pele e seus anexosA pele e seus anexos
A pele e seus anexos
 
Protocolo Manejo-Coronavirus
Protocolo Manejo-CoronavirusProtocolo Manejo-Coronavirus
Protocolo Manejo-Coronavirus
 
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criançaDengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
 
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de ChikungunyaProtocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
 
Recém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabéticaRecém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabética
 
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagensAlojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagens
 
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionaisAlimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Acesso venoso em recem nascidos
Acesso venoso em recem nascidosAcesso venoso em recem nascidos
Acesso venoso em recem nascidos
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
 
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de SaúdeLei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
 
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoDeterminantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
 
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXIDesafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
 
Caminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saudeCaminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saude
 

LIDERANÇA EM ENFERMAGEM

  • 1. LIDERANÇA EM ENFERMAGEM Professor: Gerson de Souza enf.gerson@hotmail.com
  • 2. 1. Conceitos de liderança Liderança é um processo em que há algum nível de influência de uma pessoa sobre outra, ou sobre um grupo, para que objetivos sejam alcançados em uma situação. Quanto à liderança em enfermagem é importante que o enfermeiro concilie os objetivos organizacionais com os objetivos de seu grupo, para que seja aprimorada a prática profissional e, consequentemente, uma assistência de enfermagem adequada à equipe, aos pacientes e à instituição.
  • 3. Quanto ao contexto atual da Enfermagem e observando o quanto esta é uma profissão recentemente instituída, as ações do enfermeiro estão ligadas a dois tipos de atividades: ASSISTÊNCIA ADMINISTRAÇÃO Quanto as atividades assistenciais, as ações são direcionadas para o tratamento médico prescrito ao paciente e, também á prescrição de enfermagem (higiene, conforto e segurança do paciente). Em relação às atividades administrativas teremos ações voltadas à organização do trabalho da equipe de enfermagem e ações de natureza pedagógica (como, por exemplo, a educação continuada.
  • 4. 2. PERFIL DE UM LÍDER Antigamente entendia-se líder como aquele que já possui um perfil nato para liderar. Os estilos de líderes são variáveis conforme a situação na qual o indivíduo, frente a uma equipe, se encontra.
  • 5. Historicamente, desde que foi instituída a Enfermagem como profissão que possui embasamento científico, por influência nightingeliana, temos então desde a época da guerra da Criméia, por parte do enfermeiro deste molde, um modelo de natureza autocrática e extremamente centralizadora. Contudo, esta posição nas últimas décadas tem sido revista pelos estudiosos da Administração em saúde. A imagem de um líder é construída de modo paulatino, sendo sempre necessário desenvolver algumas características com o objetivo de consolidar ainda mais a sua liderança.
  • 6. Quanto aos vários estilos de liderança, de acordo com a visão filosófica em questão, enfatizo três formas de trabalhar na enfermagem, as quais são baseadas no estilo autocrático, no estilo democrático e no estilo liberal. Entre os mais diversos estilos existentes que a Administração discute, há de se propor a ideia de que não existe um estilo ideal o qual se pode dizer que esta forma de administrar suprima outra, porém esta pode ser a melhor para o grupo ou instituição conforme a situação corrente.
  • 7. A liderança autocrática possui poder centralizador, ou seja, em poucos indivíduos, sendo que a participação dos demais acaba sendo anulada ou diminuída. Neste estilo o foco do indivíduo está dentro das tarefas tornando-se então uma forma de trabalhar voltadas em suas próprias decisões, sendo tolhido qualquer ato decorrente de ideia de outrem.
  • 8. Quanto ao estilo de liderança liberal (laissez-faire), temos, então, a situação totalmente oposta, em que o foco das decisões paira sobre os subordinados, sendo aberto o espaço para organização e debate de diretrizes.
  • 9. E por último temos a liderança democrática, na qual líder e subordinado possuem participação nas decisões grupais, sendo então dado o espaço para o debate, porém com assistência do líder frente às decisões. Em seus mais diversos níveis de influência que uma pessoa pode exercer, temos os seguintes processos: Processo individual: centrado no líder em si. Processo didático: passaremos a ter uma troca a nível um pouco mais complexo envolvendo dois indivíduos, erando troca de informações frente à comunicação Processo grupal: no qual acontecerá então a influência do líder frente ao grupo e vice-versa.
  • 10. A partir deste ponto pode se evidenciar o quanto as situações e as posições das pessoas envolvidas podem definir a qualidade da gerência em uma instituição, pois há uma nítida relação entre liderança, motivação e poder, sendo que, para isso, o líder deve ser dinâmico e flexível, utilizando diferentes modelos de atuação conforme a situação encontrada.
  • 11. 3. A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NA LIDERANÇA A comunicação consiste em um processo no qual ocorre a troca de informações entre dois ou mais indivíduos, tornando uma mensagem comum aos envolvidos. Tal processo está envolvido com a transmissão das informações e a compreensão recíproca.
  • 12. Um dos focos a serem analisados dentro da questão da liderança em Enfermagem é a comunicação, a qual deve estar presente na logística das pessoas envolvidas nas instituições. A comunicação em seus mais diversos níveis é um excelente indicativo (não obstante que deva ser o único) da qualidade da gestão de uma instituição.
  • 13. A comunicação eficaz é uma das bases que devem fazer parte da gestão do enfermeiro-líder, pois esta também contribui para as relações interpessoais saudáveis. Pois através da comunicação eficaz é que uma pessoa pode exercer influência sobre outras, o que faz do ser humano um ser político. A comunicação é uma importante ferramenta para o aprendizado, sendo que o enfermeiro deve ser um ouvinte atento e ser reflexivo após questionar e receber informações. Tais atitudes ao serem executadas por um líder, podem evitar que problemas acabem tomando maiores dimensões.
  • 14. A comunicação é um importante elemento de liderança, sendo que, além da mensagem ser clara, é importante também o modo pela qual ela será transmitida, pois justamente esse importante detalhe irá pesar futuramente de modo positivo ou negativo dentro da instituição envolvida, no que diz respeito a pontos a serem melhorados nas avaliações de desempenho.
  • 15. 4. DESAFIOS NA LIDERANÇA DE ENFERMAGEM A enfermagem é uma área propícia para o desenvolvimento da liderança, pois o trabalho é desenvolvido por um grupo de pessoas com formação diversificada, ou seja, desde o nível elementar até o nível superior, cabendo ao enfermeiro a responsabilidade de coordenar as atividades exercidas pelos demais membros da equipe de enfermagem.
  • 16. Um líder é alguém que identifica e satisfaz as necessidades legítimas de seus liderados e remove todas as barreiras para que possam servir ao cliente. Para liderar, você dever servir. O questionamento sobre liderança é fundamental para a enfermagem desenvolver ações relacionadas à competência e à habilidade do enfermeiro líder em estabelecer comunicação e a ações diretivas visando á participação das pessoas no alcance das metas desejadas pelo grupo de trabalho e a organização.
  • 17. As instituições hospitalares têm exigido dos enfermeiros a habilidade de liderar. Certamente por meio de bons líderes haverá formação de um grupo de pessoas comprometidas com a visão, a missão e os objetivos de uma organização. Ela poderá gerenciar a assistência prestada ao paciente, exercendo, consequentemente, influência na equipe de enfermagem, médica e outros membros que integram o serviço, ou seja, mais uma vez fica clara a importância da liderança
  • 18.
  • 19. 5. EXPECTATIVAS PARA UM LÍDER O que mais as pessoas esperam de um líder é que ele desperte confiança, que seja digno do crédito, demonstrando coerência com a filosofia empresarial e congruência em suas ideias discursos e ações; a lealdade e o comprometimento dos seguidores pode depender da credibilidade percebida. Sem confiança é difícil, se não impossível´, conservar um bom relacionamento.
  • 20. O serviço de enfermagem tem a missão de desenvolver líderes e fazer um elo de comunicação entre os clientes e a organização. Os requisitos básicos para atuação dos enfermeiros são: ter capacidade de liderança e saber trabalhar em equipe. Nessa perspectiva, a liderança deve estar pautada nos valores pessoais, de maneira que contribua para a transformação do ser humano, em busca de um mundo melhor.
  • 21. É preciso que o líder reconheça a importância do trabalho em grupo, estimulando o ótimo convívio entre seus membros e exercendo uma liderança concisa ética e capaz de influenciar os outros, para aa superação e o alcance dos objetivos determinados.
  • 22. O comportamento do líder gera um reflexo no desempenho do grupo de trabalho, pois geralmente a equipe se espelha no modelo que acredita ou percebe como necessário para a execução de suas práticas de atendimento da clientela.
  • 23. Como devem ser as relações entre líderes e seguidores? A formação de um vínculo social entre o líder e os liderados consiste em uma condição crucial para o seu ajustamento nas diferentes circunstâncias de trabalho; entretanto, a formação deste vínculo poderá ocasionar sentimentos positivos ou negativos, ou seja, “o vínculo da liderança só ocorrerá de maneira produtiva quando as ações do líder forem ao encontro das expectativas do subordinados e vice-versa”.
  • 24. A incapacidade do líder de perceber as necessidades e expectativas dos liderados impedirá a formação do vínculo e consequentemente, gerará sensações de inadequação e inutilidade não só nos liderados como também no próprio líder.
  • 25. Para alcançar os objetivos comuns é imprescindível que todos os componentes de um grupo tenha motivação. A motivação ocorre paralelamente à satisfação no trabalho. ressaltando a importância das relações humanas na satisfação do trabalho, essas podem ser adquiridas na associação com os outros e um trabalho que tem sentido permite encontrar pessoas com quem os contatos podem ser francos, honestos, com quem se pode ter o prazer de trabalhar mesmo em projetos difíceis.
  • 26. Assim, o êxito do líder está relacionado com a habilidade de comunicar-se com os outros. No futuro, os líderes aprenderão a ouvir, observar tendências e perceber as necessidades de outras pessoas.
  • 27. 7. Qual é a importância do líder nas organizações Vivemos um período de mudança histórica, no qual antigas respostas são inadequadas para novas realidades. O discurso atual consiste em delegação de poderes, alianças, equipes, envolvimento, parcerias, negociações e exploração da motivação humana. Isso trouxe uma nova linguagem, uma nova abordagem de liderança.
  • 28. Tendo em vista que a equipe de enfermagem e o objetivo único de garantir uma assistência de qualidade, a liderança do profissional deve ser fundamentada no conhecimento das necessidades dos pacientes e no conhecimento das habilidades, características individuais e necessidade dos membros da equipe.
  • 29. A liderança contribui para o envolvimento, a satisfação e a motivação transformem a atividade profissional dos membros da equipe de enfermagem numa atividade prazerosa, pois a jornada de trabalho e a remuneração são fatores relevantes para o descontentamento profissional.
  • 30. O enfermeiro é contratado na instituição para coordenar uma equipe. Em uma unidade hospitalar o paciente está exposto a um ambiente desconhecido. O desenvolvimento do trabalho nas diversas unidades de um hospital exige principalmente ações entre duas equipes, médica e de enfermagem. Somando a estes aspectos, a área da saúde, em constante evolução tecnológica, utiliza inúmeros equipamentos para o atendimento das diferentes especialidades médicas.
  • 31. Assim, o hospital apresenta-se como um ambiente repleto de situações e expectativas diversificadas, que podem resultar em fracassos ou vitórias. Isto deixa claro a importância da atuação do enfermeiro que deve implementar ações baseadas em um processo de trabalho planejado com uma série de passos integrados para oferecer uma assistência adequada ao paciente, ao atendimento da equipe cirúrgica e às necessidades da equipe de enfermagem.
  • 32. Neste cenário entendemos que o enfermeiro, para desempenhar o seu trabalho, deve saber conduzir a equipe de enfermagem para obter o melhor resultado na assistência como um todo. Para o bom funcionamento de uma unidade, o trabalho em equipe é primordial, pois, em situações que exigem a combinação em tempo real de múltiplos conhecimentos, experiências e julgamentos, inevitavelmente uma equipe alcança resultados melhores do que um conjunto de indivíduos atuando de acordo com as suas competências e responsabilidades.
  • 33. LIDERANÇA SITUACIONAL, O QUE É? Segundo os autores da Liderança Situacional, (Hersey Blanchard) este modelo baseia-se numa inter-relação entre a quantidade de orientação e direção que o líder oferece, a quantidade de apoio socioemocional dado pelo líder e o nível de maturidade dos subordinados no desempenho de uma tarefa, função, ou objetivo específico.
  • 34. Comportamento tarefa: é definido como a medida com que o líder dirige as pessoas, dizendo-lhe o que fazer, quando fazê-lo e como fazê-lo. Significa estabelecer-lhe objetivos e definir os seus papéis. Comportamento de relacionamento: é definido como a medida com que um líder se empenha em comunicar-se bilateralmente com as pessoas, dando- lhe apoio, encorajamento e reforço. Significa ouvir ativamente as pessoas e apoiar-lhes os esforços.
  • 35. Maturidade dos liderados: é definida como a capacidade e a disposição das pessoas de assumir a responsabilidade de dirigir seu próprio comportamento. Este conceito inclui duas dimensões: maturidade de trabalho (capacidade) e maturidade psicológica (disposição). a maturidade de trabalho refere-se à capacidade de fazer alguma coisa, ou seja, está relacionada com o reconhecimento e a capacidade técnica. A maturidade psicológica está relacionada com a disposição ou motivação para realizar alguma coisa. Essas dimensões de maturidade devem ser consideradas somente em relação a uma tarefa específica a ser realizada.
  • 36. O estilo de liderança que o líder deve adotar com indivíduos ou grupos depende do nível de maturidade da pessoa que deseja influenciar. Assim os autores da Liderança Situacional propõem quatro estilo de liderança, quais sejam: determinar, persuadir, compartilhar e delegar.
  • 37. O estilo de liderança que o líder deve adotar com indivíduos ou grupos depende do nível de maturidade da pessoa que deseja influenciar. Assim os autores da Liderança Situacional propõem quatro estilo de liderança, quais sejam: determinar, persuadir, compartilhar e delegar. Cada estilo é uma combinação, de tarefa e de relacionamento. A maturidade do liderado é apresentada também em quatro níveis: baixo (M1), baixo a moderado (M2), moderado a alto (M3) e alto (M4). O estilo de liderança apropriado a cada um dos quatro níveis de maturidade dos liderados inclui a dosagem certa de comportamento de tarefa (direção) e comportamento de relacionamento (apoio).
  • 38. DETERMINAR PERSUADIR É um estilo de liderança indicado para liderado com maturidade baixa (M1), ou seja, pessoa que não tem capacidade e vontade para realização de determinada tarefa. Neste estilo o líder define a tarefa e especifica o que a pessoa deve fazer, como, onde e quando executar. Esse estilo implica um comportamento de tarefa alto e relacionamento baixo. Este estilo é indicado para liderado que não tem capacidade, mas sente disposição para assumir responsabilidades, maturidade entre baixa e moderada (M2) o líder com este estilo oferece uma liderança diretiva devido à falta de capacidade do liderado, mas também oferece apoio para reforçar sua disposição e seu entusiasmo. Este estilo envolve comportamento alto de tarefa e de relacionamento. COMPARTILHAR DELEGAR Este estilo de liderança é indicado para liderado com maturidade entre moderada e alta (M3) o liderado com este nível de maturidade tem capacidade, mas não está disposto a fazer o que o líder deseja. O estilo chama-se compartilhar porque o líder e o liderado participam juntos da tomada de decisão, sendo que o líder tem o papel de facilitar a tarefa e a comunicação. Este estilo envolve comportamento de relacionamento alto e tarefa baixo. é um estilo de liderança indicado para o liderado com maturidade alta (M4). O, liderado deste nível de maturidade tem capacidade e disposição para assumir responsabilidades, e o líder com este estilo, que proporciona pouca direção e pouco apoio, apresentará a maior probabilidade de ser eficaz. Mesmo que o líder identifique o problema, a execução cabe ao liderado, o qual desenvolve a atividade e decide como, quando e onde fazer as coisas. Este estilo envolve um comportamento de relacionamento baixo e tarefa baixo.
  • 39.
  • 40. A chave para a utilização de liderança situacional consiste em avaliar o nível de maturidade do liderado e o líder adotar o estilo de liderança preconizado de acordo com o modelo proposto. A liderança é um recurso importante no processo de cuidar do ser humano e de gerenciar pessoas. Portanto, precisa ser mais bem desenvolvida pela enfermagem. Para isso, o conhecimento sobre liderança é um requisito imprescindível; porem, a assunção dessas habilidades exige ousadia, muita disposição, coragem e liberdade criativa.
  • 41. O sucesso da atuação da equipe de enfermagem e a obtenção da qualidade da assistência estão pautados na busca por objetivos concisos e por uma liderança que permita o crescimento de todos aqueles envolvidos no processo. É a prática da liderança que deve transformar e realmente construir o ideal ao assumir os desafios, remover os entraves, contornar e superar as barreiras assumidas como intransponíveis, considerando que a liderança inscreve-se em todas as atividades do trabalho do enfermeiro.
  • 42. A liderança na enfermagem deve ser resultado da luta diária dos indivíduos que a compõem, deve ser resultado do trabalho coletivo. Deve ser, fundamentalmente, resultado da valorização e do reconhecimento de todos os atores envolvidos no processo de construção diária do futuro. E a construção do futuro só pode ser obtida através de um cotidiano reflexivo, partilhado, democrático, em que todos são sujeitos de sua prática e de sua história, são construtores desse futuro. Para tanto, faz se necessário romper com determinadas práticas autoritárias.
  • 43. REFERÊNCIAS 1.Hunter JC. O monge e o executivo: uma história sobre a essência da liderança. Rio de Janeiro (RJ): Sextante; 2004. 2.Silva LWS, Francione FF, Sena ELS, Carraro TE, Randünz V. O cuidado na perspectiva de Leonardo Boff, uma personalidade a ser (re)descoberta na enfermagem. Rev Bras Enferm 2005 jul/ago; 58(4): 471-75. 3.Castanha ML, Zagonel IPS. A prática de cuidar do ser humano sob o olhar da equipe de saúde. Rev Bras Enferm 2005 set/out; 58(5): • 556-62.