Adolescência a complexidade do ser na visão espírita

4.913 visualizações

Publicada em

Desenvolvimento do adolescente na visão espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.913
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
133
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Adolescência a complexidade do ser na visão espírita

  1. 1. E s c o l a E s p í r i t aADOLESCÊNCIA:A complexidade do ser navisão espíritaMediador:Silvânio barcelos
  2. 2. Origens do conceito NO PASSADO: Adolescência não passava deuma sala de espera do mundo adulto. SOCIEDADES PRIMITIVAS: Ritos depassagem: Obtenção de alimentos e defesa de seu povo.Casamento e formação do guerreiro, o adulto. NO OCIDENTE: Crianças entravam para o mundoadulto quando amadureciam fisicamente ou quandocomeçavam um aprendizado profissional.(GRIFFA,2008. Pag.09).
  3. 3.  “PUBERDADE” (PUBERTATE) =“IDADE VIRIL” VERBO PUBESCERE = “COBRIR-SEDE PELOS NA REGIÃO PÚBICA” PUBERDADE: MARCA INICIO DAADOLESCÊNCIA ADOLESCENTIA = PERÍODO DECRESCER, DE DESENVOLVER-SE.(GRIFFA, 2008. Pag. 10).
  4. 4. FREUD (1856-1939): adolescência PERÍODO DE RECAPITULAÇÃO E REATIVAÇÃODO COMPLEXO DE ÉDIPO E DE EXPERIÊNCIASANTERIORES, NAS QUAIS OS RESÍDUOSDEVERIAM TER SIDO RESOLVIDOS. TRANSFORMAÇÕES SOMÁTICAS DAPUBERDADE: ORIGEM DAS MUDANÇASPSICOLÓGICAS DA ADOLESCÊNCIA
  5. 5. ANNA FREUD (1895 -1982) OS ADOLESCENTES SÃOEXCESSIVAMENTE EGOÍSTAS,CONSIDERAM-SE O CENTRO DOUNIVERSO E O ÚNICO OBJETO DEINTERESSE PARADOXALMENTE, ESSA É A FASE NAQUAL O SER HUMANO É CAPAZ DEGRANDE GENEROSIDADE, AUTOSACRIFÍCIO E DEVOÇÃO.
  6. 6.  ANNA FREUD: VIDA FLUTUANTE DOADOLESCENTE, CARACTERIZADA PELOSOPOSTOS E OSCILANDO ENTRE TENDÊNCIASQUE SE CONTRAPÕEM: EXALTAÇÃO – INDIFERENÇA ATIVIDADE – PASSIVIDADE; EGOÍSMO – GENEROSIDADE E ALTRUÍSMO APEGO MATERIAL – ESPIRITUALISMODESPRENDIDO SOLIDÃO E ISOLAMENTO – AGRUPAMENTO SUBMISSÃO CEGA – REBELDIA OTIMISMO – PESSIMISMO ASCETISMO – DESCONTROLEAFETIVO, HEDONISMO.
  7. 7. INTELECTUALIZAÇÃO: O JOVEM LEVA PARA O PLANO DADISCUSSÃO TEÓRICA AQUILO QUE ÉUM CONFLITO AFETIVO INTERNO. EX: OCULTA NO DEBATE POLITICO SEUCONFLITO PESSOAL COMAUTORIDADE OU COM OS PAIS. ACEITAÇÃO OU NÃO DA AUTORIDADEPATERNA.
  8. 8.  MUDANÇAS FÍSICAS: REPRESENTAM UMAVERDADEIRA METAMORFOSE. SESENTE IMPULSIONADO POR FORÇASDESCONHECIDAS ATUANDO NO SEUINTERIOR. MEDO DO NOVO: O ADOLESCENTEDEVE ELABORAR A PERDA DO MUNDOINFANTIL, NO QUAL SE REFUGIA DEFORMA NOSTÁLGICA NOS MOMENTOSDE DIFICULDADE.
  9. 9.  ARMINDA ABERASTURY e a Tese sobre o‘TRIPLO LUTO’: LUTO PELO CORPO INFANTIL LUTO PELA IDENTIDADE E PELO PAPELINFANTIL LUTO PELOS PAIS DA INFÂNCIA
  10. 10. O paradoxo (Arminda Aberastury) .
  11. 11.  PERDA DO CORPO INFANTIL COM A TRANSFORMAÇÃOBRUSCA NA PUBERDADE, SEM TER AINDA UMAPERSONALIDADE ADULTA. INEVITABILIDADE DAS MUDANÇAS E DA PERDA DE SUACONDIÇÃO DE CRIANÇA. DEVE ABANDONAR SUA IDENTIDADE E PAPEIS INFANTIS. VIVENCIA NOVOS PAPEIS E BUSCA NOVA IDENTIDADE. PROCURA MAIOR AUTONOMIA EM RELAÇÃO AOS PAISPROTETORES DA INFÂNCIA, EMBORA POR MOMENTOSSINTA NOSTALGIA DA DEPENDÊNCIA INFANTIL. DESEJA SER CONSIDERADO ADULTO PARA TER MAISLIBERDADE, MAS ESPERA SER CONSIDERADO CRIANÇADIANTE DE DETERMINADAS DIFICULDADES OURESPONSABILIDADES.
  12. 12. MAURICIO KNOBEL: adolescente População vulnerável: depositáriosde uma grande quantidade de fenômenos sociaispatológicos, especialmente os do mundo adulto, oqual determina os destinos da sociedade. Os fenômenos sociais da delinqüência, dovício, da prostituição e da promiscuidadesexual estão associados à fase adolescente,embora não sejam exclusivos desse período.
  13. 13. TESE DE KNOBEL: “PATOLOGIANORMAL DA ADOLESCÊNCIA” PROCURA DE SI MESMO. TENDÊNCIA GRUPAL. SUPER-IDENTIFICAÇÃO MACIÇA ENTRE OSMEMBROS DO GRUPO; FUGA DA UNIFORMIZAÇÃO. NECESSIDADE DE FANTASIAR EINTELECTUALIZAR. DESORIENTAÇÃO TEMPORAL: O TEMPO ÉTRANSFORMADO EM PRESENTE, ASURGÊNCIAS SÃO ENORMES E OSADIAMENTOS SÃO CONSIDERADOSIRRACIONAIS.
  14. 14.  MAURICIO KNOBEL: EVOLUÇÃO DO AUTO EROTISMO PARA AHETEROSSEXUALIDADE ATITUDES SOCIAISREIVINDICATÓRIAS. REBELDIA JUVENIL. TENDÊNCIA À AÇÃO. SEPARAÇÃO PROGRESSIVA DOSPAIS. FLUTUAÇÃO DO HUMOR E DOESTADO DE ÂNIMO.
  15. 15. Aspectos emocionais daadolescência:abordagem espírita e psicológicada personalidade
  16. 16. Psicologia e espiritismo• Por que estudar psicologia no interior daDoutrina Espírita? (Questionamentosdirigidos à Divaldo Franco.)• Psique = Alma• Psicologia como instrumento paraaprofundar os conhecimentos espíritas• “A ciência sem religião é manca, a religiãosem ciência é cega” Albert Einstein
  17. 17. • “A psicologia, buscando estudar apsique, alcançou, na atualidade,expressão de relevo paracompreensão do homem, seusproblemas e desafiospsicológicos”• Joanna de Ângelis: “O homem integral”Introdução
  18. 18. • TAREFA DA PSICOLOGIA ESPÍRITA:• Tornar-se ponte entre a psicologia e opensamento espiritista...• “Que ilumina os desvãos e os abismos doinconsciente individual e coletivo, osarquétipos, os impulsos e tendências, osconflitos e tormentos, as aspirações debeleza...”• Joanna de Ângelis: O Despertar do Espírito
  19. 19. Da psicologia tradicional àtranspessoal• Aprofundando a sonda da experiência do “eu” apsicologia demorou muito tempo para descobrirnossa essência:• “A CAUSALIDADE DO QUE SOMOS PROVÉMDO ESPÍRITO”• “O ESPÍRITO IMORTAL TRÁS A HERANÇAHISTÓRICA DAS REENCARNAÇÕES”• “EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL REFLETE-SEDIRETAMENTE NA NOSSA PSIQUE”
  20. 20. Cada camadarepresenta umareencarnação doEspírito, portanto,uma personalidadeT0TModelo em Camadas Rígidas(Hernani Guimarães Andrade)
  21. 21. Parte daidentidade.O que percebemosLembranças de nossa atual existência deque não lembramos mais. Complexos.Diretor da psique.Heranças do Espírito.Centro da totalidade.Imagem de Deus em nós (Jung)Somos algo que desconhecemos em absoluto.O “Eu” que somos não é percebido pelo Ego.
  22. 22. • “O Self preside ao processode desenvolvimento que lheé imperioso alcançar,mediante as experiênciasque fazem parte dosestatutos da vida”.• Joanna de Ângelis: “Triunfo Pessoal” Pietro Ubaldi
  23. 23. • “A conquista da consciência é,desse modo, um parto muitodorido do inconsciente, quecontinua detendo expressiva partedos conteúdos psíquicos que oego necessita e deve assimilar”• Joanna de Ângelis: “Triunfo Pessoal”.
  24. 24. • “O grande desafio da existênciahumana está na capacidade deexplorar esse mundodesconhecido, dele retirandotodos os potenciais que possamproduzir felicidade e auto-realização...”• Joanna de Ângelis: “Vida: desafios e soluções”
  25. 25. • “A educação, a psicoterapia, ametodologia da convivência humanadevem estruturar-se em umaconsciência de ser, antes de ter; deser, ao invés de poder; de ser,embora sem a preocupação deparecer.”• Joanna de Ângelis: “O homem integral”, Cap. 4
  26. 26. Formação da personalidade dacriança• Momento da concepção: Mãe e filhoiniciam uma simbiose de pensamentos eemoções, se influenciando mutuamente.• Criança experimenta os sentimentos damãe• Miramez (1987): Mulher grávida é um sercom duas personalidades.
  27. 27. • Toda a atmosfera psíquica do casalirá influenciar a formação dapersonalidade da criança, quepoderá ser saudável, ditosa...ouentão enfermiça, com dificuldadespsicológicas, a se exteriorizaremcom o tempo, devido ao desamorde que foi vítima, crucificando-adesde o período embrionário.
  28. 28. • Brigas entre casais no período da gravidez:• “o espírito reencarnante, sentindo-serejeitado, indesejado, acredita que a suavida não trará felicidade para os seusgenitores”.• O pequeno fica atento a cada gesto da mãe.• Ligado, vibratoriamente, ao pai experimentasentimentos de rejeição.
  29. 29. • PRIMEIROS ANOS DE VIDA DA CRIANÇA:• Respira profundamente a atmosferapsíquica de sua casa, recebendo ainfluência direta e imediata do estado deânimo dos pais.• Todas as atitudes da mãe e do pai sãoarquivados pela criança e incorporados emsua mente, programando seus futuroscomportamentos quando adulta.
  30. 30. • Quando a criança não recebe amor,contudo, ela canaliza toda a suaagressividade para o mundo exterior, poisnão há o medo da perda de um amor quenunca recebera, ou seja, não há nada que afaça pensar em recuar, em inibir suas mástendências. Não se sente culpada e se tornaagressiva, hostil, desobediente...setornando delinqüente na juventude,desrespeitando as regras sociais, sentindoraiva da sociedade que não lhe deu amor• ( Fraser, 2001).
  31. 31. • .Livro: Adolescência e VidaJoanna de Ângelis
  32. 32. • Adolescência e Vida• Sociedade contemporânea: abusos morais eéticos• Império dos Sentidos...• Dominados pelos impulsos naturais dodesenvolvimento físico antes do emocional• Prazeres anestesiantes: excitação à exaustão• Necessidade de fuga: abusos do sexo e drogas• Antídoto na visão de Joanna de Ângelis: Aeducação integral do ser• Necessidade do conhecimento psicológico
  33. 33. • Fase de transição e de conflitos• Inadaptado ao novo meio social, sofreo conflito de não ser mais criança,encontrando-se, no entanto, semestrutura organizada para os jogos daidade adulta.
  34. 34. • SEXUALIDADE• Despertar da sexualidade é como oromper de um dique, no qual seencontram represadas forçasincomensuráveis, que se atiram,desordenadas, produzindo danos eprejuízos em relação a tudo quantoencontram pela frente.
  35. 35. • DIANTE DA FAMÍLIA• Famílias-bênção e famílias-provação• Laboratório moral para asexperiências da evolução.• Oportunidade de equilíbrio: bases doamor
  36. 36. • POSSIBILIDADES E LIMITES• Na adolescência tudo parece fácil: entusiasmo(júbilo) ou pessimismo.• “A realidade, no entanto, difere de uma comode outra percepção, sem os altos vôos doencantamento nem os abismos profundos doexistencialismo negativo.”• Um mundo de possibilidades: Depende doempenho• Maturação dos sentimentos: entre oimediatismo e a consciência
  37. 37. • O SER E O TER• É necessário ter recursos para umaexistência digna, porém é indispensávelser sóbrio e equilibrado, nobre eempreendedor, conhecendo-seinteriormente e trabalhando-se sempre, afim de se tornar um adulto sadio e umidoso sábio.
  38. 38. • A RELIGIÃO• Visão da imortalidade.• Compreensão da realidade da vida e dos seusobjetivos essenciais.• “O adolescente traz em si o arquétipo religioso,que remanesce das experiências de outrasreencarnações, o que o leva à busca de Deus eda imortalidade do Espírito.”
  39. 39. Considerações finaisZygmunt Baumam
  40. 40. A Nova Era
  41. 41. • Autores consultados:• Anna Freud.• Arminda Aberastury.• Carl Gustav Jung.• Hernani Guimarães Andrade.• Joanna de Ângelis (Psicografia: Divaldo Franco).• Maria Cristina Griffa.• Maurício Knobel.• Pietro Ubaldi.• Sigmund Freud.• Zigmunt Baumam
  42. 42. • Crédito das imagens:• https://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&site• https://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&site=imghp&tbm=isch&source• http://alterbridgebroficial.com/blog/discografia/blackbird/• francisquinho-online.blogspot.com• http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/relacao-entre-circulos-angulos.html• www.grandeponto.com.br• http://blogdofalcao.com/2013/05/23/albert-einstein-alertava-muita-tecnologia-e-pouco-relacionamento-geracao-de-idiotas/

×