A arte como princípio educativo

2.396 visualizações

Publicada em

Apresentação

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.396
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
344
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A arte como princípio educativo

  1. 1. “AArte como Princípio Educativo” Prof. silvânio barcelos
  2. 2. Certa vez, quando tinha seis anos, vi num livro sobre a Floresta Virgem, “Histórias Vividas”, uma imponente gravura. Representava ela uma jiboia que engolia uma fera. Eis a cópia do desenho. Dizia o livro: “As jiboias engolem, sem mastigar, a presa inteira. Em seguida, não podem mover-se e dormem os seis meses da digestão”,..
  3. 3. Refleti muito então sobre as aventuras da selva, e fiz, com lápis de cor, o meu primeiro desenho. Meu desenho número 1 era assim : Mostrei minha obra-prima às pessoas grandes e perguntei se o meu desenho lhes fazia medo. Responderam-me: “Por que é que um chapéu faria medo?” Meu desenho não representava um chapéu. Representava uma jiboia digerindo um elefante.
  4. 4. Desenhei então o interior da jiboia, a fim de que as pessoas grandes pudessem compreender. Elas têm sempre necessidade de explicações. Meu desenho número 2 era assim :
  5. 5. As pessoas grandes aconselharam-me deixar de lado os desenhos de jibóias abertas ou fechadas, e dedicar-me de preferência à geografia, à história, ao cálculo, à gramática. Foi assim que abandonei, aos seis anos, uma esplêndida carreira de pintor. Eu fora desencorajado pelo insucesso do meu desenho número 1 e do meu desenho número 2. As pessoas grandes não compreendem nada sozinhas, e é cansativo, para as crianças, estar toda hora explicando.
  6. 6. • Os slides acima contém citações da obra “O pequeno príncipe” de Antoine de Saint- Exupéry” • Objetivo das citações: • Reflexões sobre a importância da arte e do lúdico na construção da própria identidade
  7. 7. Suprema Arte do(a) Professor(a)  A suprema arte do professor é despertar a alegria na expressão criativa do conhecimento, dar liberdade para que cada estudante desenvolva sua forma de pensar e entender o mundo, assim criamos pensadores, cientistas e artistas que expressarão em seus trabalhos aquilo que aprenderam com seus mestres.  Albert Einstein
  8. 8. arTe • Arte é a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepção, emoções e idéias, com o objetivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores, e cada obra de arte possui um significado único e diferente.
  9. 9. ARTE ATRAVÉS DOS TEMPOS • A arte está presente em todas as manifestações que o homem realiza. Até nas primeiras imagens, ele teve que partir de um olhar, para que a mesma pudesse ser reproduzida. A palavra "Arte" vem do latim Ars, que significa habilidade.
  10. 10. ARTE RUPESTRE • As primeiras formas de arte que se tem notícia são as imagens desenhadas na pré-história nas cavernas, chamada de arte rupestre, que surgiu bem antes da escrita. Disponível em: http://tempodoshomens.blogspot.com.br /2011/04/arte-rupestre.html acesso em 26.04.2014
  11. 11. Idade dos Metais • Período Neolítico: o homem inicia o registro de sua história, com cenas do cotidiano. • Com o tempo novas formas de organização social surgiram e o homem começou a desenvolver armas e outros utensílios a partir do cobre, bronze e ferro, a chamada Idade dos Metais. Disponível em: http://historiarn.blogs.sapo.pt/35494.html Acesso em 26.04.2014
  12. 12. NO EGITO ANTIGO • A arte tinha a intenção de registrar a história dos egípcios, de sua dinastia. • Ela também era dedicada à morte, já que o povo egípcio acreditava que após a morte viveriam eternamente no "Mundo dos Mortos". • Na construção das pirâmides, que eram os túmulos dos faraós, a arte era usada em desenhos de baixo relevo para registrar essas histórias. Disponível em: http://historia7alfandega.blogspot.com.br Acesso em 26.4.2014
  13. 13. IDADE MÉDIA • Bizantino, o Romântico e o Gótico. • Nesses períodos a arte se tornou algo cheio de rigorosidade para o desenvolvimento das obras. • Com o domínio do Cristianismo, na Europa inicia-se uma grande produção de obras com temas religiosos, estampados em paredes e nos vidros das igrejas, denominados respectivamente de afrescos e mosaicos, perdendo o caráter de representar apenas o cotidiano.
  14. 14. RENASCENÇA • A arte ganha mais adeptos e mais técnicas, os artistas passaram então a realizar suas obras em telas feitas de algodão, cânhamo ou linho para a realização das pinturas. • A tinta a óleo começou a ser misturada a terebentina, um tipo de solvente, que fazia com que a tinta demorasse mais tempo para secar possibilitando ao artista alterar parte do trabalho e a dar vida ao mesmo. • As magníficas esculturas e pinturas de Michelangelo (1475-1564) expressavam bem o humanismo característico da época.
  15. 15. ARTE CONTEMPORÂNEA • A arte abstrata surge por volta de 1910. • O surrealismo, que surge na década de 1920, está associado ao subconsciente, as imagens transferidas para os quadros não são controladas pela razão. Ela quebra os padrões com a arte tradicional e tem como um de seus principais precursores: Salvador Dali. • A arte cubista surgiu na mesma época da arte abstrata. Esse estilo visava representar as figuras humanas com formas geométricas, um grande pintor desse período foi Pablo Picasso.
  16. 16.  ..
  17. 17. Uma criança que não sabeUma criança que não sabe brincar, simplesmente serábrincar, simplesmente será um adulto que não sabeum adulto que não sabe pensar. Sendo a infância umpensar. Sendo a infância um aprendizado para a vidaaprendizado para a vida adulta.adulta. P i a g e t
  18. 18. Disponível em: http://metodologia43.pbworks.com/w/page/20815349/ Acesso em 26.4.2014
  19. 19.  Para Piaget, as origens dasPara Piaget, as origens das manifestações lúdicas acompanhammanifestações lúdicas acompanham o desenvolvimento da inteligênciao desenvolvimento da inteligência vinculando-se aos estágios dovinculando-se aos estágios do desenvolvimento cognitivo.desenvolvimento cognitivo. Disponível em: http://psicologiadaeducacao-portfolio.blogspot.com.br /2013/02/piaget-psicologia-genetica-e-educacao.html Acesso em 26.4.2014
  20. 20.  Piaget identifica três grandesPiaget identifica três grandes tipos de estruturas mentais quetipos de estruturas mentais que surgem sucessivamente nasurgem sucessivamente na evolução do brincar infantil:evolução do brincar infantil:  o exercício (Anomia)o exercício (Anomia)  o símbolo (heteronomia)o símbolo (heteronomia)  a regra (Autonomia)a regra (Autonomia)
  21. 21.  O jogo de exercícioO jogo de exercício  Representa a forma inicial do jogo naRepresenta a forma inicial do jogo na criança e caracteriza o período sensório-criança e caracteriza o período sensório- motor do desenvolvimento cognitivo.motor do desenvolvimento cognitivo. Manifesta-se na faixa etária de zero aManifesta-se na faixa etária de zero a dois anos e acompanha o ser humanodois anos e acompanha o ser humano durante toda a sua existência — dadurante toda a sua existência — da infância à idade adulta.infância à idade adulta.  A característica principal do jogo deA característica principal do jogo de exercício é a repetição de movimentos eexercício é a repetição de movimentos e ações que exercitam as funções taisações que exercitam as funções tais como andar, correr, saltar e outras pelocomo andar, correr, saltar e outras pelo simples prazer funcional.simples prazer funcional.
  22. 22.  O jogo simbólicoO jogo simbólico  função simbólicafunção simbólica: etapa pré-operatória: etapa pré-operatória do desenvolvimento cognitivo.do desenvolvimento cognitivo.  Habilidade de estabelecer a diferençaHabilidade de estabelecer a diferença entre alguma coisa usada comoentre alguma coisa usada como símbolo e o que ela representa.símbolo e o que ela representa.  Função de assimilação da realidadeFunção de assimilação da realidade
  23. 23.  O jogo de regrasO jogo de regras  Constituem-se os jogos do serConstituem-se os jogos do ser socializado e se manifestam quando,socializado e se manifestam quando, por volta dos 4 anos, acontece umpor volta dos 4 anos, acontece um declínio nos jogos simbólicos e adeclínio nos jogos simbólicos e a criança começa a se interessar pelascriança começa a se interessar pelas regras. Desenvolvem-se aos 7/11regras. Desenvolvem-se aos 7/11 anos: estágio operatório-concreto.anos: estágio operatório-concreto.
  24. 24. • O JOGO NA CONCEPÇÃO DE WALLON • Para Wallon, o fator mais importante para a formação da personalidade não é o meio físico, mas sim o social. O autor chama a atenção para o aspecto emocional, afetivo e sensível do ser humano e elege a afetividade, intimamente fundida com a motricidade, como desencadeadora da ação e do desenvolvimento psicológico da criança.
  25. 25. • Segundo Wallon, a personalidade humana é um processo de construção progressiva, onde se realiza a integração de duas funções principais: • 1. A afetividade, vinculada à sensibilidade interna e orientada pelo social; • 2. A inteligência, vinculada às sensibilidades externas, orientada para o mundo físico, para a construção do objeto.
  26. 26. • Na concepção de Wallon, infantil é sinônimo de lúdico. Toda atividade da criança é lúdica, no sentido que se exerce por si mesma antes de poder integrar-se em um projeto de ação mais extensivo que a subordine e transforme em meio. • Deste modo, ao postular a natureza livre do jogo, Wallon o define como uma atividade voluntária da criança. Se imposta, deixa de ser jogo; é trabalho ou ensino.
  27. 27. TEORIA HISTÓRICO-CULTURALTEORIA HISTÓRICO-CULTURAL  Na infância (até os seis anos deNa infância (até os seis anos de idade), ao fazer de conta, aidade), ao fazer de conta, a criança não imita meramente ocriança não imita meramente o adulto, mas reproduz para si eadulto, mas reproduz para si e em si, as aptidões, habilidades eem si, as aptidões, habilidades e capacidades humanascapacidades humanas encarnadas historicamente nosencarnadas historicamente nos objetos.objetos.
  28. 28.  Assim, o faz-de-conta representaAssim, o faz-de-conta representa sua atividade principal, por meiosua atividade principal, por meio da qual ela mais aprende e seda qual ela mais aprende e se desenvolve, isto é, nela, adesenvolve, isto é, nela, a criança desenvolve funçõescriança desenvolve funções psíquicas e atitudes, comopsíquicas e atitudes, como condição para seucondição para seu desenvolvimento futuro.desenvolvimento futuro.
  29. 29.  Nessa atividade, a criançaNessa atividade, a criança aprende a controlar aaprende a controlar a conduta, exercita aconduta, exercita a atenção, a memória, aatenção, a memória, a linguagem, o pensamentolinguagem, o pensamento e aprende a viver eme aprende a viver em sociedade.sociedade.
  30. 30.  Além disso, desenvolve a funçãoAlém disso, desenvolve a função simbólica (quando faz de contasimbólica (quando faz de conta que o toquinho de madeira é oque o toquinho de madeira é o carrinho ou que o pente é acarrinho ou que o pente é a tesoura), compreende que umatesoura), compreende que uma coisa representa outra, condiçãocoisa representa outra, condição para mais tarde compreender opara mais tarde compreender o que é escrita.que é escrita.
  31. 31. Princípios que garantem uma boa situação de Aprendizagem O trabalho com arte deve garantir princípios que traduzidos em prática pedagógica desencadeiem boas situações de aprendizagem. Porém, antes de tudo, precisamos valorizar o conhecimento e experiências artísticas que os alunos trazem consigo para a escola promovendo a partir dai novas experiências. Desde cedo a arte é vista e sentida pelos alunos nas suas mais variadas manifestações.
  32. 32. • O ser humano que desconhece a arte possui limitada experiência de aprendizagem, perde a dimensão do sonho, da força comunicativa dos objetos a sua volta, da sonoridade instigante da poesia, das criações musicais, das cores e formas, dos gestos e luzes que buscam o sentido da vida.
  33. 33. Problemas no ensino de ArtesProblemas no ensino de Artes • Quando o professor decide trabalhar alguma atividade artística, ele, muitas vezes, apenas entrega folhas de papel em branco e alguns lápis de cor aos alunos para que estes desenhem livremente. Falta a estes professores o conhecimento que esta atividade, o desenho livre, pode ter grande sentido para o aluno. Muitos destes profissionais trabalham este tipo de atividade apenas para que seus alunos possam estar ocupados durante um período da aula. (Bruna da Silva Paes, 2011).
  34. 34. • A Educação Infantil tem para muitos a função de preparar os pequenos para o ingresso no Ensino Fundamental. • Nela, é necessário que se desenvolva habilidades cognitivas, coordenação motora, conhecimento de letras e números, além de bons hábitos de higiene e boas maneiras. • Desta forma, a Arte nem sempre é bem vista pelos pais dos alunos da Educação Infantil, eles preferem que seus filhos venham para a escola para aprender a ler e a escrever, porque assim entendem que eles estarão sendo preparados para o futuro. (Bruna da Silva Paes, 2011)
  35. 35. • O que os pais não conseguem compreender e, às vezes, nem a escola, é que nesse período que se deve • explorar as diversas linguagens da criança para que a mesma possa ampliar suas capacidades cognitivas. E, • com a Arte, pode-se obter grandes desenvolvimentos de tais capacidades, já que as crianças pequenas tem • algumas peculiaridades como, por exemplo, não conseguem ficar muito tempo sentadas, paradas • recebendo outras formas de conteúdos.
  36. 36. • Para Bruna da Silva Paes, o que os pais não conseguem compreender e, às vezes, nem a escola, é que nesse período que se deve • explorar as diversas linguagens da criança para que a mesma possa ampliar suas capacidades cognitivas. • E, com a Arte, pode-se obter grandes desenvolvimentos de tais capacidades, já que as crianças pequenas tem algumas peculiaridades como, por exemplo, não conseguem ficar muito tempo sentadas, paradas recebendo outras formas de conteúdos.
  37. 37. • .
  38. 38. • ARTES PLÁSTICAS • O significado de artes plásticas, nada mais é do que uma forma de moldar, reestruturar, modificar diversos tipos de materiais para expressar sentimentos e idéias. • Esse nome vem da idéia da essência do plástico, que enquanto líquido, pode se transformar em vários objetos com o uso da criatividade.
  39. 39. • MÚSICA • Expressa sensações, sentimentos, relacionando o som a outras atividades. • A música faz parte da educação desde a Grécia, era usada na formação do cidadão da época. Pitágoras ensinava com acordes, sons e melodias, o que poderia criar reações no organismo humano. • Na Educação Infantil, a música se faz importante em vários objetivos, como uma forma de ensinar diversas atitudes e comportamentos da rotina das crianças. • Vários conteúdos como números, letras, cores e datas comemorativas, são ensinados em formas de canções.
  40. 40. • As crianças utilizam a música em várias partes do dia, nos jogos, brincadeiras, imitando animais e personagens de filmes e desenhos animados. • Na musicalização não se utiliza somente a música, o som, mas também o silêncio. O silêncio para que se possa ouvir o que está ao redor, os sons que vão além dos seus, como pássaros, o vento.
  41. 41. • BRINQUEDOTECA: • Estimulação pedagógica • Participação de professores e alunos • Espaço de cooperação • A brinquedoteca tem que possuir um ambiente alegre, colorido, que pode ser decorados com próprias produções artísticas dos alunos da instituição, para que eles valorizem ainda mais este ambiente.
  42. 42. • DESENHO • Criar e recriar, usando imaginação, reflexão e sensibilidade. • Organizar idéias, conceitos e anseios para compreender o mundo. • Com a ajuda de um simples desenho, as crianças podem mudar até certos comportamentos, como o medodo escuro, por exemplo. • Podendo se expressar se tornará mais sensíveis com questões que enfrentam diariamente.
  43. 43. Por que a maioria das pessoas acha que não tem talento? A principal causa é a educação.  Nosso sistema de educação formal tem 200 anos e durante esse tempo falhamos em conectar os estudantes aos seus talentos. A escola mata a criatividade. Fazemos um uso pobre dos nossos talentos. (Ken Robinson)
  44. 44. Nessa nova visão da educação não somos nós, os educadores, que definimos o tipo de ser humano que queremos “formar”, mas, sim, a criança escolhe o tipo de pessoa ela quer ser, vale dizer, ela pretende tornar-se. (Ken Robinson) C R I A T I V I D A D e
  45. 45. Método w a l d o r f de e n s i n o Disponível em: http://pt.slideshare.net/RenataAndrade/pedagogia-waldorf-18416714 Acesso em 26.4.2014
  46. 46.  Não há, basicamente, emNão há, basicamente, em nenhum nível, uma educaçãonenhum nível, uma educação que não seja a auto-que não seja a auto- educação.educação.  Toda educação é auto-Toda educação é auto- educação e nós, comoeducação e nós, como educadores, somos, emeducadores, somos, em realidade, apenas orealidade, apenas o ambiente da criançaambiente da criança educando-se a si própria.educando-se a si própria.
  47. 47. Devemos criar o maisDevemos criar o mais propício ambiente para quepropício ambiente para que a criança eduque-se junto aa criança eduque-se junto a nós, da maneira como elanós, da maneira como ela precisa educar-se por meioprecisa educar-se por meio de seu destino interior.de seu destino interior.
  48. 48.  A Pedagogia Waldorf transcende aA Pedagogia Waldorf transcende a mera transmissão de conhecimento emera transmissão de conhecimento e se converte em sustentação dose converte em sustentação do desenvolvimento integral dodesenvolvimento integral do educando, cuidando que tudo o queeducando, cuidando que tudo o que se faça tenha como meta ase faça tenha como meta a transformação de sua vontade e otransformação de sua vontade e o cultivo de sua sensibilidade ecultivo de sua sensibilidade e intelecto.intelecto.
  49. 49.  Desse modo, procura-se estabelecerDesse modo, procura-se estabelecer uma relação harmônica entreuma relação harmônica entre desenvolvimento e aprendizagem,desenvolvimento e aprendizagem, fazendo confluir a dinâmica interna dafazendo confluir a dinâmica interna da pessoa com a ação pedagógicapessoa com a ação pedagógica direta, ou seja, integrando osdireta, ou seja, integrando os processos de desenvolvimentoprocessos de desenvolvimento individual com a aprendizagem daindividual com a aprendizagem da experiência humana culturalmenteexperiência humana culturalmente organizadaorganizada..
  50. 50. Daniel Goleman (PhD: Harvard) Disponível em: http://www.vislumbresdaoutramargem.com/2013_02_01_archive.html Acesso em 26.4.2014
  51. 51. Controle das emoções é fator essencial para o desenvolvimento da inteligência. Não há loteria genética a definir vitoriosos ou fracassados no jogo da vida. Incapacidade de lidar com as próprias emoções pode destruir o indivíduo. O aprendizado não pode ocorrer de forma distante dos sentimentos das crianças. Teoria revolucionária que redefine o que é ser INTELIGENTE
  52. 52. Ludopedagogia: CELSO ANTUNES  Dinâmicas de Grupo:  Estabelece uma filosofia formativa  Não representa uma “poção mágica” capaz de educar as pessoas, mas sim uma estratégia educacional viável”  Instrumento lúdico à serviço do professor consciente dos processos de ensino/aprendizagem.
  53. 53.  Bibliografia:Bibliografia:  Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1983). Psicologia educativa.Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1983). Psicologia educativa. Cidade do México: Holt,Rinehart & Wiston.Cidade do México: Holt,Rinehart & Wiston.  LA TAILLE, Yves de. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas emLA TAILLE, Yves de. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. / Yves de La Taille, Marta Kohl de Oliveira, Heloysa Dantas. –discussão. / Yves de La Taille, Marta Kohl de Oliveira, Heloysa Dantas. – São Paulo: Summus, 1992.São Paulo: Summus, 1992.  LANZ, Rudolf. A pedagogia Waldorf: caminhos para um ensino maisLANZ, Rudolf. A pedagogia Waldorf: caminhos para um ensino mais humano. São Paulo.- Ed. Antroposófica, 1998humano. São Paulo.- Ed. Antroposófica, 1998  NEGRINE, Airton.NEGRINE, Airton. O lúdico no contexto da vida humana:O lúdico no contexto da vida humana: da primeirada primeira infância à terceira idade. In: Brinquedoteca: a criança, o adulto e oinfância à terceira idade. In: Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. 1ª ed. Petrópolis-RS : Vozes, 2000;lúdico. 1ª ed. Petrópolis-RS : Vozes, 2000;  Paes, Bruna da Silva. AS CONTRIBUIÇÕES DA ARTE PARA A FORMAÇÃOPaes, Bruna da Silva. AS CONTRIBUIÇÕES DA ARTE PARA A FORMAÇÃO DO ALUNO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Disponível em:DO ALUNO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Disponível em: www.portaleducacao.com.br/Artigo/Imprimir/10204 acesso em 14/Setembwww.portaleducacao.com.br/Artigo/Imprimir/10204 acesso em 14/Setemb ..  Ponte, Gilvânia Maurício Dias de. A presença da arte na educaçãoPonte, Gilvânia Maurício Dias de. A presença da arte na educação infantil: olhares e intenções. Dissertação Mestrado, UFRN, 2001.infantil: olhares e intenções. Dissertação Mestrado, UFRN, 2001.  Antunes, Celso. Manual de Técnicas. Petrópoles, Vozes. 1998.Antunes, Celso. Manual de Técnicas. Petrópoles, Vozes. 1998.  Robinson, Ken. O elemento chave. Ediouro. 2010.Robinson, Ken. O elemento chave. Ediouro. 2010.

×