Tratamento laparoscópico do prolapso genital

2.491 visualizações

Publicada em

Jornada paranaense de urologia
Dr. Milton Tatsuo Tanaka

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.491
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tratamento laparoscópico do prolapso genital

  1. 1. Jornada paranaense de urologia <ul><li>Tratamento laparoscópico do prolapso genital </li></ul><ul><li>Milton Tatsuo Tanaka </li></ul>
  2. 2. Incidência <ul><li>De acordo com a Women Health Initiative, 41% das mulheres acima de 50 anos sofrem de prolapso (cistocele - 33%, retocele - 18%, histerocele - 14%) </li></ul><ul><li>(Hendrix et al, 2002 Am J Obstet Gynecol) </li></ul><ul><li>Um estudo prospectivo norueguês demonstrou que 38% das mulheres com IUE apresentavam prolapso significativo </li></ul><ul><li>(Seim et al, 1996 Scand J Urol Nephrol) </li></ul>Mugnier et al
  3. 3. Acesso vaginal vs abdominal <ul><li>Estudo prospectivo randomizado controlado, comparando as vias vaginal e abdominal: </li></ul><ul><li> Acesso abdominal – 15% de taxa de reoperação </li></ul><ul><li> Acesso Vaginal - 29% de taxa de reoperação (Benson </li></ul><ul><li>et al 1996) </li></ul><ul><li>Sacrocolpopexia abdominal está associada com taxas mais baixas de recorrência do prolapso e dispaurenia do que a abordagem vaginal. Entretanto o acesso abdominal demanda tempo operatório e tempo de retorno às atividades cotidianas maiores bem como aumento de custos(Cochrane review 2004) </li></ul>Mugnier et al
  4. 4. Sacrocolpopexia laparoscópica <ul><li>Dorsay et al foram os primeiros a descrever em 1992 </li></ul><ul><li>Na Clinique St. Augustin: 1994 </li></ul><ul><li>Primeira apresentação da técnica: </li></ul><ul><li>2005 / 697 pts </li></ul><ul><li>(Mugnier, Gaston, Piechaud and Hoeffner, </li></ul><ul><li>Annales d’ Urologie, 2005) </li></ul>Mugnier et al
  5. 5. Vantagens acesso laparoscópico <ul><li>Melhora a visão do assoalho pélvico </li></ul><ul><li>Melhor dissecção em plano avascular </li></ul><ul><li>Permite maior precisão para colocação de sutura </li></ul><ul><li>Evita cicatriz abdominal maior e permite um retorno mais rápido às atividades rotineiras </li></ul>Mugnier et al
  6. 6. Sacrocolpopexia laparoscópica Poliester multi-filamentar Gynemesh Técnica de 2 retalhos Mugnier et al
  7. 7. Sacrocolpopexia laparoscópica Colocação dos trocarteres Mugnier et al
  8. 8. Sacrocolpopexia laparoscópica Posição de trabalho Trendelenburg 30º Mugnier et al
  9. 9. Sacrocolpopexia laparoscópica Posição do assistente Mugnier et al
  10. 10. Sacrocolpopexia laparoscópica Exposicão do promontório Mugnier et al
  11. 11. Sacrocolpopexia laparoscópica Dissecção do espaço inter retovaginal Abertura peritoneal entre os ligamentos uterosacro Mugnier et al
  12. 12. Sacrocolpopexia laparoscópica Dissecção do assoalho pélvico de cada lado do reto Exposicão do músculo elevador do ânus Mugnier et al
  13. 13. Sacrocolpopexia laparoscópica Sutura da tela nos músculos elevadores do ânus Mugnier et al
  14. 14. Sacrocolpopexia laparoscópica Sutura de cada lado do ligamento uterosacro Fio mersilene 0 Mugnier et al
  15. 15. Sacrocolpopexia laparoscópica Dissecção do espaço inter-vesicovaginal Mugnier et al
  16. 16. Sacrocolpopexia laparoscópica Sutura da tela em cada lado da vagina Ancoramento adicional no istmo do útero ou no cervix ou na cúpula vaginal Mugnier et al
  17. 17. Sacrocolpopexia laparoscópica Sutura de ambos os retalhos no promontório sacral Fio inabsorvível Mugnier et al
  18. 18. Sacrocolpopexia laparoscópica Fechamento peritoneal com sutura contínua fio vicryl 2,0 Mugnier et al
  19. 19. Sacrocolpopexia laparoscópica TVT/O Mugnier et al
  20. 20. Clinique St. Augustin:2005 Mugnier et al 69% 30% inserido p/prevenção de possível incontinência de stress Sling de uretra média 97% Correcção dupla 13% Cirurgia prolapso prévia 24% Histerectomia prévia 64(37-89) anos Idade média 137 Número de pacientes
  21. 21. Cistocele pré-operatório % Mugnier et al 72 27
  22. 22. Retocele pré-operatório % Mugnier et al 32 23 14 31
  23. 23. Histerocele pré-operatório % Mugnier et al
  24. 24. Continência pré-operatória Mugnier et al
  25. 25. Resultados 2005 <ul><li>Seguimento obtido em 121 pacientes </li></ul><ul><li>Tempo médio de seguimento de 6.5 meses (1 a 23) </li></ul><ul><li>Complicações intra-operatórias </li></ul><ul><li> Nenhuma conversão </li></ul><ul><li> 1 perfuração de bexiga (suturada) </li></ul><ul><li>Complicações pós-operatórias </li></ul><ul><li> 1 hematoma </li></ul><ul><li> 1 abscesso com remoção da tela (histerectomia ao mesmo </li></ul><ul><li>tempo) </li></ul><ul><li> 2 retenção urinária (necessário afrouxamento do TVT) </li></ul><ul><li>Taxa de complicação exclusiva ao procedimento laparoscópico </li></ul><ul><li>2.5% (3 pcts) </li></ul><ul><li>Taxa total de complicações 3.6% (5 pcts) </li></ul>Mugnier et al
  26. 26. Resultado anatômico % Mugnier et al
  27. 27. Resultados comparativos Mugnier et al 5.2% / 6% 6% 96% 14.6 363 Rozet 2005 6% / 2% 38% 92% 28 697 St Augustin 2001/2004 De novo esforço / Urge incontinência Constipacão Resultado funcional excelente Seguimento médio (meses) Nº de pacientes Autores
  28. 28. Complicações <ul><li>Rozet et al 2005 Mugnier et al 2004 </li></ul><ul><li>(363 pts) (697 pts) </li></ul><ul><li>Erosão prótese 0.8% 0.7% </li></ul><ul><li>Infecção do retalho 0.5% 0.5% </li></ul><ul><li>Obstrução intestinal 0.3% 0.3% </li></ul><ul><li>Hérnia portal 0.3% 0.3% </li></ul><ul><li>Retenção urinária 0.5% 2% </li></ul><ul><li>Espondilite 0.3% 0% </li></ul><ul><li>Conversão 2.2% - </li></ul><ul><li>Drenagem hematoma/ - 0.3% </li></ul><ul><li>transfusão </li></ul>Mugnier et al
  29. 29. Conclusão <ul><li>Em mãos experientes, a correção cirúrgica do prolapso pélvico por meio de promontofixação laparoscópica: </li></ul><ul><li> Proporciona excelentes resultados anatômico e </li></ul><ul><li>funcional </li></ul><ul><li> Os dois principais problemas foram infecção da </li></ul><ul><li>prótese em 0.3% e disfunção retal em </li></ul><ul><li>aproximadamente 30% </li></ul><ul><li> É um procedimento muito seguro com taxas de </li></ul><ul><li>complicações mais baíxa que todas as outras </li></ul><ul><li>técnicas </li></ul>Mugnier et al
  30. 30. OBRIGADO PELA ATENÇÃO
  31. 31. Sacrocolpopexia laparoscópica <ul><li> Long term outcome of laparoscopic promontofixation for P.O.P </li></ul><ul><li> Nº pacients 186 </li></ul><ul><li> Average follow up 60 meses </li></ul><ul><li> Satisfaction rate 91% </li></ul><ul><li> Q.O.L. 80% </li></ul><ul><li> No major complications </li></ul><ul><li>Robert Sabbagh et al </li></ul><ul><li>AUA Annual Meeting 2007(#1286) </li></ul>
  32. 32. Resultados comparativos Mugnier et al 6% / ? 6% / 2% 5.2% / 6% De novo esforço / Urge incontinência 27% 38% 6% Constipacão 90% 92% 96% Resultado funcional excelente 6.5 28 14.6 Seguimento médio (meses) 121 697 363 Nº de pacientes Revisão atualizada 2005 St Augustin 2001/2004 Rozet 2005 Autores

×