Criatividade Pedagógica

1.221 visualizações

Publicada em

Discutir e promover a criatividade e a inovação na área educação

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Criatividade Pedagógica

  1. 1. Criatividade Pedagógica Rosário  Cação  
  2. 2. Cria,vidade  e  Inovação   Cria,vidade  é  pensar  em  coisas   novas     Inovação  é  fazer  coisas  novas   Sem  cria,vidade  não  há  inovação     Uma  ideia  nova  só  é  inovadora  se   sair  do  laboratório  ou  do  papel  
  3. 3. Cria,vidade  e  Inovação   Baixo                                    Elevado   Grau  de  sucesso  da  implementação   Desvio  do     status  quo   Elevado                     Baixo   Cria,vidade            Inovação             Inép,dão                  Processo  
  4. 4. Pessoas  Cria,vas   Todas  as  pessoas  são  cria,vas.     Não  há  pessoas  menos  cria,vas  ou  menos  inspiradas   Existem  factores  internos  e  externos   que  condicionam  ou  promovem  as   habilidades  cria,vas   Qual  é  o  efeito  da  cultura  organizacional  na   expressão  da  cria,vidade  da  equipa  pedagógica?     Qual  é  o  efeito  da  cria,vidade  de  um  formador  ou   tutor  na  promoção  da  cria,vidade  do  formando?    
  5. 5. Bloqueios  à  Cria,vidade   Falta  de  preparação  e  de  hábitos  de  produção   cria,va   Resistência  e  aversão  à  mudança,  a  mo,vação  e   os  traços  de  personalidade   Stress,  instabilidade  profissional  e  carga  de   trabalho  administra,va   Hábitos  de  recompensas  e  punições  (notas,   aproveitamento,  faltas,  reprovações,  etc.)   Estratégia,  procedimentos,  regras  e   cultura  da  ins,tuição  e  dos  grupos  de   trabalho  
  6. 6. Problemas  de  Inovação   na  Educação   A  diferenciação  e  a  inovação  pedagógicas   não  são  facilmente  patenteáveis   Faltam  ideias  e  modelos  novos  na  educação   Faltam  hábitos  de  reflexão  sobre  as   experiências  pedagógicas   Falta  liberdade  experimental   Falta  perspec,va  de  negócio  na  educação  
  7. 7. Perspec,va  de  Negócio   Baixa  orientação  para  o  negócio   Estrutura  organizacional  pesada  e  pouco  funcional     Estrutura  de  gestão  deficitária  e  processos  de   gestão  ineficientes   Elevada  resistência  às  rupturas  agressivas  e  dificuldade   em  digerir  os  insucessos     Falta  incen,vo  e  estruturas  de  apoio  à  inovação   Falta  de  sen,do  de  grupo  e  de  trabalho  colabora,vo   Elevada  percepção  de  risco  cria,vo  e  aversão  ao  risco  cria,vo    
  8. 8. O  Valor  da  Cria,vidade   Os  conceitos  de  cria,vidade  e  inovação  pedagógica   não  são  absolutos:  eles  dependem  do  contexto   O  valor  pedagógico  de  algumas  inovações  é   ques,onável   As  inovações  pedagógicas  podem  ser  ,ros  no   pé  em  termos  de  negócio   Há  ideias  que  são  inovadoras  mas  não  são  inovadoras   em  termos  pedagógicos   O  que  é  o  valor  pedagógico?    
  9. 9. O  Valor  da  Cria,vidade   Em  úl,ma  análise,  o  que  importa  é  a  valorização  do   u,lizador   Valorização   pedagógica   Valorização   interna   Valorização   externa  
  10. 10. O  Valor  da  Cria,vidade   A  valorização  da  inovação  pedagógica  pode  incluir  8   ,pos  de  valor   Extrínseco   Intrínseco   Auto-­‐orientado   Ac,vo   Eficiência   Diversão   Reac,vo   Excelência   Esté,ca   Orientado  para   os  outros   Ac,vo   Estatuto     É,ca   Reac,vo   Es,ma   Espiritualidade   Fonte:  Holbrook,  M.  B.  (1999).  Introduc,on  to  consumer  value.  In  M.  B.  Holbrook  (Ed.),  Consumer  value:   A  framework  for  analysis  and  research  (pp.  1-­‐28).  New  York:  Routledge.
  11. 11. Zonas  de  Tolerância   A  valorização  da  inovação  pedagógica  é  influenciada  por   factores  internos  e  externos   Cada  pessoa  tem  uma  zona  de  conforto  em   termos  educa,vos  e  um  perfil  de  resistência  à   mudança  e  à  disrupção  pedagógica   As  inovações  pedagógicas  devem  atender  às   zonas  de  tolerância  dos  par,cipantes  
  12. 12. Zona  de  Tolerância   As  zonas  de  tolerância  podem  ser  trabalhadas   Zona  de   conforto   Zona  de   tolerância   Zona  de   desconforto  
  13. 13. A  Disrupção  Pedagógica   É  mais  fácil  fazer  alterações   pedagógicas  suaves?      
  14. 14. A  Disrupção  Pedagógica   …ou  disrupções  e  esperar  pela  adaptação?      
  15. 15. A  Disrupção  Pedagógica   É  mais  fácil  inovar  no  e-­‐learning  ou  na  formação   presencial?     As  inovações  disrup,vas  são  melhor  aceites  e  mais   fáceis  de  executar  no  e-­‐learning?  
  16. 16. Cria,vidade  e  Sa,sfação   Sa,sfação   Confiabi-­‐ lidade   Resposta   Garan,a  Empa,a   Tangibi-­‐ lidade   Fonte:  Parasuraman,  A.,  Zeithaml,  V.  A.,  &  Berry,  L.  (1988).  SERVQUAL:  A  mul,ple-­‐item  scale  for   measuring  consumer  percep,ons  of  service  quality.  Journal  of  Retailing,  64(1),  12-­‐40.     A  valorização  das  inovações  pedagógicas  pode  ser   vista  à  luz  dos  modelos  de  sa,sfação  do  cliente  
  17. 17. Tendências  na  Educação   Fonte:  University  of  Minnesota,  2015,  Hype  Cycle   for  Educa,on  (Gartner  e  Horizon),  hnps:// hypecycle.umn.edu/   As  tendências  na   educação  são  sinónimo   de  inovação  pedagógica?    
  18. 18. Inovações  Pedagógicas   É  ques,onável  se  as  tendências  e  as  prá,cas  dos   úl,mos  anos  são  inovações  pedagógicas       Por  exemplo:     •  Jogos  online   •  PLE’s   •  Recurso  às  redes  sociais   •  MOOCs,  SPOOCs  et  al.     •  Flipped  learning  
  19. 19. Inovações  Pedagógicas   1:  O  recurso  aos  serviços  postais  para  criar  a   formação  a  distância     2:  A  passagem  da  formação  por  correspondência   para  a  formação  online  
  20. 20. Inovações  Pedagógicas   1:  A  massificação  da  educação  com  a  introdução  do   conceito  de  sala  de  aula  em  oposição  à   aprendizagem  em  contexto  de  trabalho  junto  do   mestre     2:  A  massificação  da  educação  online  através  dos   cursos  gratuitos  
  21. 21. Produzir  Inovações   Por  exemplo:       •  O  just-­‐in-­‐Gme  pedagógico  mistura  as   preocupações  e  prá,cas  pedagógicas  com   um  conceito  de  gestão  de  stocks  e  de   clientes   Algumas  inovações  pedagógicas  podem  surgir  da   confluência  de  diferentes  áreas  ciensficas   •  A  aplicação  do  neuromarke,ng  aos   processos  de  aprendizagem  
  22. 22. Tipos  de  Co-­‐Criação       Abertura   Qualquer   pessoa  se   pode  juntar   Mul,dão   Comunidade  de   almas  gémeas   Processo  de   selecção   Clube  de  peritos   Coligação  de   par,dos   Iniciadores   Iniciadores  +   contribuidores   Propriedade  (ownership)   Fonte:  Fronteer  Strategy,  2009,  Co-­‐Crea,on’s  5  Guiding  Principles  or  What  is  successful  co-­‐ crea,on  made  of?,  hnp://fronteerstrategy.blogspot.pt/2009/04/co-­‐crea,ons-­‐5-­‐guiding-­‐ principles-­‐or.html  
  23. 23. Contributo  dos  Clientes       Ac,vidade     Liderada  pelo   cliente   Co-­‐design   Colaboração   Liderada  pela   organização   Submissão   Melhoradores   Fixo   Aberto   Contributo   Fonte:  O’Hern,  Manhew  S.  and  Aric  Rindfleisch  (2009),  Customer  Co-­‐Crea,on:  A  Typology  and  Research  Agenda,  in  Review  of  Marke,ng  Research,  Vol.  6,  Naresh  K.   Malholtra,  ed.  Armonk,  NY:  M.E.  Sharpe,  84-­‐106  
  24. 24. Tipos  de  Contribuição   Sonhadores   Planeadores   Celebradores   Executantes  
  25. 25. Maturidade  Cria,va   O  processo  de  cria,vidade  deve  começar  pelo   diagnós,co  da  maturidade  cria,va   Geração   de  ideias   Conversão   Difusão  
  26. 26. Cadeia  de  Valor   Geração  de  Ideias   Conversão   Difusão   Interna   Polinização   cruzada   Externa   Selecção   Desenvolvi-­‐ mento   Disseminação     Criação  dentro   de  uma  unidade   Colaboração  entre   unidades   Colaboração  com   partes  fora  da   organização   Screening  e   financiamento   interno   Movimento  da  ideia   pra  o  primeiro   resultado   Disseminação  por   toda  a  organização   Perguntas   chave   As  pessoas  na   nossa  unidade   criam  boas  ideias   por  si  só?   Nós  criamos  boas   ideias  ao  colaborar   com  outras  partes   da  organização?   Conseguimos   fornecimento  de   boas  ideias  de  fora   da  organização?   Somos  bons  a   screening  e  a   financiar  novas   ideias?     Somos  bons  a   transformar  ideias   em  produtos  viáveis,   negócios  e  best   pra,ces?     Somos  bons  a   difundir  as  ideias   desenvolvidas  por   toda  a  organização?   Indicadores   de   desempenho   Número  de   ideias  de   qualidade   geradas  dentro   da  unidade   Número  de  ideias  de   qualidade  geradas   entre  unidades   Número  de  ideias  de   qualidade  geradas   fora  da  organização   Percentagem  de   todas  as  ideias  que   acabaram  por  ser   seleccionadas  e   financiadas   Percentagem  de   ideias  financiadas   que  trouxera   receitas;  número  de   meses  para  a   primeira  venda   Percentagem  de   penetração  em   mercados,  canais,   grupos  de  clientes   desejados.  Número   de  meses  para  a   difusão  total   Fonte:  Hansen  &  Birkinshaw,  2007,  Harvard  Business  Review,  hnps://hbr.org/2007/06/the-­‐innova,on-­‐value-­‐chain  
  27. 27. Maturidade  Cria,va   Cadeia  de  valor  da  inovação   Solução  possível   Geração   de  ideias   Geração  interna   de  ideias   How  to  Kill  Crea,vity,  by  Teresa  M.  Amabile  (HBR  September–October  1998)   Jamming:  The  Art  and  Discipline  of  Business  Crea,vity,  by  John  Kao  (HarperBusiness,  1996)   Polinização   cruzada   Collabora,on  Rules,  by  Philip  Evans  and  Bob  Wolf  (HBR  July–August  2005)   Coevolving:  At  Last,  a  Way  to  Make  Synergies  Work,  by  Kathleen  M.  Eisenhardt  and  D.  Charles  Galunic  (HBR   January–February  2000)   Geração  externa   de  ideias   Democra,zing  Innova,on,  by  Eric  von  Hippel  (MIT  Press,  2005)   Blue  Ocean  Strategy,  by  W.  Chan  Kim  and  Renée  Mauborgne  (Harvard  Business  School  Press,  2004)   Open  Innova,on:  The  New  Impera,ve  for  Crea,ng  and  Profi,ng  from  Technology,  by  Henry  Chesbrough   (Harvard  Business  School  Press,  2003)   Conversão   Selecção   Bringing  Silicon  Valley  Inside,  by  Gary  Hamel  (HBR  September–October  1999)   Corporate  Venturing:  Crea,ng  New  Businesses  Within  the  Firm,  by  Zenas  Block  and  Ian  C.  MacMillan  (Harvard   Business  School  Press,  1993)   Desenvol-­‐ vimento   10  Rules  for  Strategic  Innovators:  From  Idea  to  Execu,on,  by  Vijay  Govindarajan  and  Chris  Trimble  (Harvard   Business  School  Press,  2005)   The  Innovator’s  Solu,on:  Crea,ng  and  Sustaining  Successful  Growth,  by  Clayton  M.  Christensen  and  Michael  E.   Raynor  (Harvard  Business  School  Press,  2003)   Difusão   Disseminação   da  ideia   Payback:  Reaping  the  Rewards  of  Innova,on,  by  Harold  L.  Sirkin,  James  P.  Andrew,  and  John  Butman  (Harvard   Business  School  Press,  2007)   Tipping  Point  Leadership,  by  W.  Chan  Kim  and  Renée  Mauborgne  (HBR  April  2003)     Fonte:  Hansen  &   Birkinshaw  (2007)    
  28. 28. Criação  de  Ideias   Dar  liberdade,  autonomia  e  recursos  para  as   pessoas  fazerem  experiências   Valorizar  as  inicia,vas   Não  sancionar  os  erros  e  as  falhas  mas  aprender   com  eles   Libertar  as  pessoas  para  terem  tempo  para  criar   Dar  tempo  às  pessoas  e  aos  grupos  para  aprenderem  a   criar   Rever  prá,cas,  polí,cas  e  procedimentos  da  ins,tuição  
  29. 29.  Competências   Desafio   O  Flow  e  a  Cria,vidade   Fonte:  Csikszentmihalyi,  M.  (2013).  CreaGvity:  The  Psychology  of  Discovery   and  InvenGon.  New  York:  Harper  Perennial.   Canal  do  flow  
  30. 30.  Competências   Desafio   O  Flow  e  a  Cria,vidade   Fonte:  Csikszentmihalyi,  M.  (2013).  CreaGvity:  The  Psychology  of  Discovery   and  InvenGon.  New  York:  Harper  Perennial.               Flow  
  31. 31. Modelo  de  Cria,vidade   Fonte:  Csikszentmihalyi,  M.  (2015).  The  Systems  Model  of   CreaGvity:  The  Collected  Works  of  Mihaly  Csikszentmihalyi.   Amsterdam:  Springer  Netherlands.   O  modelo  de  Csikszentmihalyi  destaca  o  contexto   social  onde  a  cria,vidade  e  a  inovação  emergem.     Cultura   Sociedade   Percurso   pessoal   Domínio   Individual  Área   Selecciona     novidades   Transmite   informação   Produz  novidades   Es,mula  as   novidades  
  32. 32. Fonte:  Rogers,  E.  (1995).  Diffusion  of  InnovaGons  (fi•h  ed.).  New  York:  Free  Press.   Difusão  da  Inovação  
  33. 33. Ondas  de  Inovação     Tempo   Desafio  
  34. 34. Obrigada  

×