SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Plano de Sessão




                         1ª Sessão




            Paul Rocha
DPF111.A
Objectivos da Sessão

No final da sessão os formandos deverão:

•Definir plano de sessão;
•Identificar vantagens da elaboração do plano de
sessão;
•Explicar quais os parâmetros que deve conter um
plano de sessão;
•Identificar as etapas do plano;
•Planificar sessões de ensino/ aprendizagem
“Fazer o plano do seu trabalho e,
depois, fazer o trabalho do seu plano.”
                              Baden-Powell
O Plano de Sessão é um
instrumento de gestão do
formador que visa servir
de orientação e suporte
durante a sessão de
formação
O Plano de Sessão funciona como um guia
que permite manter a sessão na linha
previamente traçada.
Plano de Sessão
É um resumo dos tópicos necessários a
tratar para se atingir o objectivo dessa
sessão.
Plano de Sessão
Indica no mínimo: o tema a ser
tratado, os objectivos, os conteúdos,
as técnicas e auxiliares a usar, a
ordem de utilização, a avaliação e o
tempo de duração previsto
Plano de Sessão define
• Os resultados que se espera atingir
com a formação;
• A estratégia e meios a utilizar para
os obter;
• A forma de verificar/controlar os
resultados obtidos.
Plano de Sessão deve reflectir
preocupações ao nível da:
 • Preparação;

 • Desenvolvimento ou desenrolar da
 sessão;

 • Análise dos resultados.
Fases de uma Sessão

Preparação- Corresponde ao trabalho a
desenvolver antes do inicio da sessão

Introdução               Corresponde
Desenvolvimento          ao desenrolar
Conclusão: Avaliação     da sessão
e Síntese

Análise dos Resultados
Questões a considerar na Planificação das
                    Sessões
1. Quem são os formandos ?
2. O que vão ter de saber no final da
   sessão?
3. Para quê?
4. Que saberes já dominam?
Questões a considerar na Planificação das
                 Sessões
 5. Que percurso formativo se vai
 adoptar?
 6. Que motivações/desmotivações se têm
 de considerar?
 7. Que meios de aprendizagem
 8.Como deverão      ser   avaliados   os
 resultados?
Quem são os formandos?



Donde vêm, quais são as suas
expectativas, o que esperam da
formação, etc
O que vão ter de saber no
final da sessão?


Definição rigorosa dos objectivos, dela
dependendo em larga percentagem o
sucesso/insucesso da formação
Para quê?


Qual a utilidade do tema/assunto/tarefa
no contexto da actividade profissional
dos formandos
Que saberes já dominam?

Dominam os saberes necessários ao
acesso fácil a novos saberes?
Não dominam? Se não dominam,
como irão lá chegar
Que percurso formativo se
vai ter de adoptar?


Que métodos e técnicas vamos utilizar,
que processos de aprendizagem se
podem desencadear?
Que motivações/desmotivações
vou ter de considerar?


Que desmotivações podemos ter de
enfrentar a nível individual e do grupo?
Que fazer para levar os formandos a
ultrapassá-los?
Que meios de aprendizagem
são necessários?

Que     materiais  pedagógicos     vamos
seleccionar ou elaborar, de que outros
materiais e equipamentos necessitamos?
Como deverão ser avaliados os
resultados?


Que técnicas de avaliação vamos
privilegiar, que instrumentos parecem
mais coerentes com os objectivos visados?
Fases de uma Sessão


Introdução
Desenvolvimento
Conclusão
Introdução
Acolhimento
Apresentação do Tema
Apresentação do formador
Apresentação dos formandos
Apresentação dos objectivos
Levantamento de pré-requisitos
Desenvolvimento

Motivação
Apresentação do assunto
Demonstração/discussão
Aplicação
Conclusão
Avaliação
Correcção
Síntese
Distribuição de textos e bibliografia
Encerramento
Planificação de uma Sessão de Formação

Para que se possa planificar com êxito uma sessão
de formação é necessário dominar os seguintes
conteúdos:
Objectivos de formação
Métodos Pedagógicos
Avaliação
Objectivo
É a descrição de um conjunto de
comportamentos (ou Actuações) de que o
formando se deve mostrar capaz para ser
reconhecido competente.
Um objectivo descreve mais uma intenção
do que um processo de aprendizagem
Método
    Para que a aprendizagem aconteça é necessário a
existência de um método
    A escolha do método reveste-se de um carácter
estratégico por parte do formador
    O método funciona como elemento de ligação
entre o formador, formando e saber e permite que
estes três elementos se articulem de forma
harmoniosa
Técnicas pedagógicas
Conjunto de atitudes, procedimentos e
actuações que o formador adopta para utilizar
correctamente os diversos instrumentos de
formação de que dispõe: a palavra, o gesto, a
imagem, o texto, o audiovisual, a informática,
etc.
Preparação da Sessão
•Seleccionar o assunto
•Conhecer o público alvo
•Definir os objectivos
•Obter a informação necessária
•Organizar o plano
•Escolher o método adequado
•Procurar alternativas

•Preparar exercícios significativos

•Prever sempre a aplicação prática

•Ser criativo
•Confirmar se a sala, os audiovisuais e o
equipamento estão em ordem
•Testar o material que se vai utilizar
•Preparar a documentação de apoio
•Evitar o improviso
Desenrolar da Sessão
•Apresente-se e faça com que os participantes se
apresentem
• Seja natural, evite estilos alheios
• Estimule a informalidade
•Divulgue os objectivos da sessão
•Use a palavra, o gesto e os audiovisuais de uma
forma equilibrada
•Utilize os exemplos dados pelos participantes
•Introduza o humor
•Mantenha contacto visual directo com todo o grupo
•Oiça mais do que fala, sempre que possível
•Reforce os tópicos essenciais
•Resuma regularmente
•Abandone o plano de sessão quando necessário
•Faça uma síntese global
•Evite incluir novos assuntos
•Acentue os pontos essenciais
•Avalie os resultados alcançados
•Sintetize, enfatizando         os   objectivos   menos
conseguidos
•Relacione o que foi dito e feito com trabalho futuro
Vantagens da utilização do Plano de Sessão

Permite ao formador reflectir sobre o tema da
formação e estruturar as suas ideias de forma
coerente e lógica;
Permite ao formador reflectir sobre quais os
métodos, técnicas e auxiliares pedagógicos a utilizar e
como deverá ser a sua articulação;
Vantagens da utilização do Plano de Sessão

Dá segurança ao formador, pois constitui uma
ferramenta de ajuda caso haja um esquecimento ou
uma confusão sobre qual o conteúdo a bordar, o
exercício a aplicar, o tempo que ainda há disponível,
os materiais a utilizar, etc.
Vantagens da utilização do Plano de Sessão

Ajuda a manter o rumo face aos objectivos e facilita
a avaliação dos participantes;
Permite ajustar, posteriormente, os desvios
verificados no desenvolvimento das sessões.
Cuidados a ter na utilização do Plano de
Sessão
Cuidados a ter na utilização do plano
O plano de sessão é apenas um guião, não deve ser
encarado como uma formula perfeita adaptado a
todas as situações.


O plano não deve ser rígido.
Sempre que se julgue pertinente, o formador deverá
improvisar e adaptar o seu plano à realidade que está
a encontrar;
Cuidados a ter na utilização do plano

O Plano de sessão poderá incluir “caminhos
alternativos”, que podem passar por metodologias
diferentes para trabalhar o mesmo tema, exercícios de
reserva ou slides que reforcem/ aprofundem
determinados aspectos se necessários;
Cuidados a ter na utilização do plano

O plano de sessão deverá ser revisto após cada
acção de formação podendo-se passar a incluir algo
que o formador experimentou de forma espontânea;
Cuidados a ter na utilização do plano

E… um plano de sessão, mesmo que com poucos
elementos, é sempre melhor do que não ter qualquer
plano de formação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Definição de Objetivos - construção
Definição de Objetivos - construçãoDefinição de Objetivos - construção
Definição de Objetivos - construçãoRonaldo Otero
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de AprendizagemPlataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de AprendizagemCarina Mano
 
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdfCEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdfanabelamartins61
 
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano LageProposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano LageCristiano Esperto Lage
 
Projeto de intervenção pedagógica
Projeto de intervenção pedagógica Projeto de intervenção pedagógica
Projeto de intervenção pedagógica Thacia Carpenter
 
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]J P
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Cátia Elias
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoBiblioteca Escolar Ourique
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresRosario Cação
 
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - FlyerFormação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - FlyerDianova
 
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemPortefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemElisa Dias
 
Recursos didaticosmultimedia
Recursos didaticosmultimediaRecursos didaticosmultimedia
Recursos didaticosmultimediaCristina Mota
 
Modelo relatorio
Modelo relatorioModelo relatorio
Modelo relatoriorsaloes
 
Modelo slide para apresentação do artigo
Modelo   slide para apresentação do artigoModelo   slide para apresentação do artigo
Modelo slide para apresentação do artigoAdelmo Bicalho
 
Recursos didaticos e multimedia
Recursos didaticos e multimediaRecursos didaticos e multimedia
Recursos didaticos e multimediaAna Martins
 

Mais procurados (20)

Definição de Objetivos - construção
Definição de Objetivos - construçãoDefinição de Objetivos - construção
Definição de Objetivos - construção
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de AprendizagemPlataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
 
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdfCEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
 
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano LageProposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
Proposta de intervenção pedagógica - PIP - Cristiano Lage
 
Projeto de intervenção pedagógica
Projeto de intervenção pedagógica Projeto de intervenção pedagógica
Projeto de intervenção pedagógica
 
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadores
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
 
P.i.p
P.i.pP.i.p
P.i.p
 
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - FlyerFormação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
Formação Pedagógica Inicial de Formadores - Flyer
 
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemPortefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
 
Recursos didaticosmultimedia
Recursos didaticosmultimediaRecursos didaticosmultimedia
Recursos didaticosmultimedia
 
Recursos didáticos
Recursos didáticosRecursos didáticos
Recursos didáticos
 
Modelo relatorio
Modelo relatorioModelo relatorio
Modelo relatorio
 
Portifólio Reflexivo de Aprendizagem
Portifólio Reflexivo de AprendizagemPortifólio Reflexivo de Aprendizagem
Portifólio Reflexivo de Aprendizagem
 
Modelo slide para apresentação do artigo
Modelo   slide para apresentação do artigoModelo   slide para apresentação do artigo
Modelo slide para apresentação do artigo
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Recursos didaticos e multimedia
Recursos didaticos e multimediaRecursos didaticos e multimedia
Recursos didaticos e multimedia
 

Semelhante a Plano de sessão

SEMIÁRIOS_APRENTAÇÃODESEMINARIO_EDUCAÇÃO.pdf
SEMIÁRIOS_APRENTAÇÃODESEMINARIO_EDUCAÇÃO.pdfSEMIÁRIOS_APRENTAÇÃODESEMINARIO_EDUCAÇÃO.pdf
SEMIÁRIOS_APRENTAÇÃODESEMINARIO_EDUCAÇÃO.pdflouisevictori924
 
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdfProjeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdfSIRLENEMOTAPINHEIROD
 
Apresentação 2 planejamento
Apresentação 2   planejamentoApresentação 2   planejamento
Apresentação 2 planejamentoLídia Lourinho
 
16 parametros de avaliação explicados da SPI
16 parametros de avaliação explicados da SPI16 parametros de avaliação explicados da SPI
16 parametros de avaliação explicados da SPIdesportistaluis
 
Fases do projeto ead
Fases do projeto eadFases do projeto ead
Fases do projeto eadlpereirapoa
 
Fases do projeto ead
Fases do projeto eadFases do projeto ead
Fases do projeto eadlpereirapoa
 
Apresentacaoseminario 091004123012-phpapp02
Apresentacaoseminario 091004123012-phpapp02Apresentacaoseminario 091004123012-phpapp02
Apresentacaoseminario 091004123012-phpapp02João Carlos Melo Silva
 
Prepararumasessodejri
Prepararumasessodejri Prepararumasessodejri
Prepararumasessodejri Marco Leonardo
 
O Guia Definitivo para Criar um Cronograma de Estudos que Realmente Funciona.pdf
O Guia Definitivo para Criar um Cronograma de Estudos que Realmente Funciona.pdfO Guia Definitivo para Criar um Cronograma de Estudos que Realmente Funciona.pdf
O Guia Definitivo para Criar um Cronograma de Estudos que Realmente Funciona.pdfAlessandrodoNascimen2
 
Tecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencar
Tecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencarTecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencar
Tecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencarPROIDDBahiana
 
Backwards design e objetivos
Backwards design e objetivosBackwards design e objetivos
Backwards design e objetivosValeria Sasser
 
Backword Design aplicado em modelos facilmente compreensível
Backword Design aplicado em modelos facilmente compreensívelBackword Design aplicado em modelos facilmente compreensível
Backword Design aplicado em modelos facilmente compreensívelCLEBERLOPES30
 

Semelhante a Plano de sessão (20)

Planejamento, execução e avalição da ação educacional
Planejamento, execução e avalição da ação educacional Planejamento, execução e avalição da ação educacional
Planejamento, execução e avalição da ação educacional
 
SEMIÁRIOS_APRENTAÇÃODESEMINARIO_EDUCAÇÃO.pdf
SEMIÁRIOS_APRENTAÇÃODESEMINARIO_EDUCAÇÃO.pdfSEMIÁRIOS_APRENTAÇÃODESEMINARIO_EDUCAÇÃO.pdf
SEMIÁRIOS_APRENTAÇÃODESEMINARIO_EDUCAÇÃO.pdf
 
Aula 08 recursos humano
Aula 08 recursos humanoAula 08 recursos humano
Aula 08 recursos humano
 
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdfProjeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
 
8.gerenciamento de tempo
8.gerenciamento de tempo8.gerenciamento de tempo
8.gerenciamento de tempo
 
Didática.ppt
Didática.pptDidática.ppt
Didática.ppt
 
AULA_SOBRE SEMINARIO.ppt
AULA_SOBRE SEMINARIO.pptAULA_SOBRE SEMINARIO.ppt
AULA_SOBRE SEMINARIO.ppt
 
Apresentação 2 planejamento
Apresentação 2   planejamentoApresentação 2   planejamento
Apresentação 2 planejamento
 
16 parametros de avaliação explicados da SPI
16 parametros de avaliação explicados da SPI16 parametros de avaliação explicados da SPI
16 parametros de avaliação explicados da SPI
 
Fases do projeto ead
Fases do projeto eadFases do projeto ead
Fases do projeto ead
 
Fases do projeto ead
Fases do projeto eadFases do projeto ead
Fases do projeto ead
 
Aula 5.2a
Aula 5.2aAula 5.2a
Aula 5.2a
 
Apresentacaoseminario 091004123012-phpapp02
Apresentacaoseminario 091004123012-phpapp02Apresentacaoseminario 091004123012-phpapp02
Apresentacaoseminario 091004123012-phpapp02
 
Prepararumasessodejri
Prepararumasessodejri Prepararumasessodejri
Prepararumasessodejri
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
O Guia Definitivo para Criar um Cronograma de Estudos que Realmente Funciona.pdf
O Guia Definitivo para Criar um Cronograma de Estudos que Realmente Funciona.pdfO Guia Definitivo para Criar um Cronograma de Estudos que Realmente Funciona.pdf
O Guia Definitivo para Criar um Cronograma de Estudos que Realmente Funciona.pdf
 
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCPreferencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
 
Tecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencar
Tecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencarTecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencar
Tecnicas e-instrumentos-de-avaliacao-gidelia-alencar
 
Backwards design e objetivos
Backwards design e objetivosBackwards design e objetivos
Backwards design e objetivos
 
Backword Design aplicado em modelos facilmente compreensível
Backword Design aplicado em modelos facilmente compreensívelBackword Design aplicado em modelos facilmente compreensível
Backword Design aplicado em modelos facilmente compreensível
 

Último

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

Plano de sessão

  • 1. Plano de Sessão 1ª Sessão Paul Rocha DPF111.A
  • 2. Objectivos da Sessão No final da sessão os formandos deverão: •Definir plano de sessão; •Identificar vantagens da elaboração do plano de sessão; •Explicar quais os parâmetros que deve conter um plano de sessão; •Identificar as etapas do plano; •Planificar sessões de ensino/ aprendizagem
  • 3. “Fazer o plano do seu trabalho e, depois, fazer o trabalho do seu plano.” Baden-Powell
  • 4. O Plano de Sessão é um instrumento de gestão do formador que visa servir de orientação e suporte durante a sessão de formação
  • 5. O Plano de Sessão funciona como um guia que permite manter a sessão na linha previamente traçada.
  • 6. Plano de Sessão É um resumo dos tópicos necessários a tratar para se atingir o objectivo dessa sessão.
  • 7. Plano de Sessão Indica no mínimo: o tema a ser tratado, os objectivos, os conteúdos, as técnicas e auxiliares a usar, a ordem de utilização, a avaliação e o tempo de duração previsto
  • 8. Plano de Sessão define • Os resultados que se espera atingir com a formação; • A estratégia e meios a utilizar para os obter; • A forma de verificar/controlar os resultados obtidos.
  • 9. Plano de Sessão deve reflectir preocupações ao nível da: • Preparação; • Desenvolvimento ou desenrolar da sessão; • Análise dos resultados.
  • 10. Fases de uma Sessão Preparação- Corresponde ao trabalho a desenvolver antes do inicio da sessão Introdução Corresponde Desenvolvimento ao desenrolar Conclusão: Avaliação da sessão e Síntese Análise dos Resultados
  • 11. Questões a considerar na Planificação das Sessões 1. Quem são os formandos ? 2. O que vão ter de saber no final da sessão? 3. Para quê? 4. Que saberes já dominam?
  • 12. Questões a considerar na Planificação das Sessões 5. Que percurso formativo se vai adoptar? 6. Que motivações/desmotivações se têm de considerar? 7. Que meios de aprendizagem 8.Como deverão ser avaliados os resultados?
  • 13. Quem são os formandos? Donde vêm, quais são as suas expectativas, o que esperam da formação, etc
  • 14. O que vão ter de saber no final da sessão? Definição rigorosa dos objectivos, dela dependendo em larga percentagem o sucesso/insucesso da formação
  • 15. Para quê? Qual a utilidade do tema/assunto/tarefa no contexto da actividade profissional dos formandos
  • 16. Que saberes já dominam? Dominam os saberes necessários ao acesso fácil a novos saberes? Não dominam? Se não dominam, como irão lá chegar
  • 17. Que percurso formativo se vai ter de adoptar? Que métodos e técnicas vamos utilizar, que processos de aprendizagem se podem desencadear?
  • 18. Que motivações/desmotivações vou ter de considerar? Que desmotivações podemos ter de enfrentar a nível individual e do grupo? Que fazer para levar os formandos a ultrapassá-los?
  • 19. Que meios de aprendizagem são necessários? Que materiais pedagógicos vamos seleccionar ou elaborar, de que outros materiais e equipamentos necessitamos?
  • 20. Como deverão ser avaliados os resultados? Que técnicas de avaliação vamos privilegiar, que instrumentos parecem mais coerentes com os objectivos visados?
  • 21. Fases de uma Sessão Introdução Desenvolvimento Conclusão
  • 22. Introdução Acolhimento Apresentação do Tema Apresentação do formador Apresentação dos formandos Apresentação dos objectivos Levantamento de pré-requisitos
  • 25. Planificação de uma Sessão de Formação Para que se possa planificar com êxito uma sessão de formação é necessário dominar os seguintes conteúdos: Objectivos de formação Métodos Pedagógicos Avaliação
  • 26. Objectivo É a descrição de um conjunto de comportamentos (ou Actuações) de que o formando se deve mostrar capaz para ser reconhecido competente. Um objectivo descreve mais uma intenção do que um processo de aprendizagem
  • 27. Método Para que a aprendizagem aconteça é necessário a existência de um método A escolha do método reveste-se de um carácter estratégico por parte do formador O método funciona como elemento de ligação entre o formador, formando e saber e permite que estes três elementos se articulem de forma harmoniosa
  • 28. Técnicas pedagógicas Conjunto de atitudes, procedimentos e actuações que o formador adopta para utilizar correctamente os diversos instrumentos de formação de que dispõe: a palavra, o gesto, a imagem, o texto, o audiovisual, a informática, etc.
  • 29. Preparação da Sessão •Seleccionar o assunto •Conhecer o público alvo •Definir os objectivos •Obter a informação necessária •Organizar o plano •Escolher o método adequado
  • 30. •Procurar alternativas •Preparar exercícios significativos •Prever sempre a aplicação prática •Ser criativo
  • 31. •Confirmar se a sala, os audiovisuais e o equipamento estão em ordem •Testar o material que se vai utilizar •Preparar a documentação de apoio •Evitar o improviso
  • 32. Desenrolar da Sessão •Apresente-se e faça com que os participantes se apresentem • Seja natural, evite estilos alheios • Estimule a informalidade •Divulgue os objectivos da sessão •Use a palavra, o gesto e os audiovisuais de uma forma equilibrada
  • 33. •Utilize os exemplos dados pelos participantes •Introduza o humor •Mantenha contacto visual directo com todo o grupo •Oiça mais do que fala, sempre que possível •Reforce os tópicos essenciais •Resuma regularmente •Abandone o plano de sessão quando necessário
  • 34. •Faça uma síntese global •Evite incluir novos assuntos •Acentue os pontos essenciais •Avalie os resultados alcançados •Sintetize, enfatizando os objectivos menos conseguidos •Relacione o que foi dito e feito com trabalho futuro
  • 35. Vantagens da utilização do Plano de Sessão Permite ao formador reflectir sobre o tema da formação e estruturar as suas ideias de forma coerente e lógica; Permite ao formador reflectir sobre quais os métodos, técnicas e auxiliares pedagógicos a utilizar e como deverá ser a sua articulação;
  • 36. Vantagens da utilização do Plano de Sessão Dá segurança ao formador, pois constitui uma ferramenta de ajuda caso haja um esquecimento ou uma confusão sobre qual o conteúdo a bordar, o exercício a aplicar, o tempo que ainda há disponível, os materiais a utilizar, etc.
  • 37. Vantagens da utilização do Plano de Sessão Ajuda a manter o rumo face aos objectivos e facilita a avaliação dos participantes; Permite ajustar, posteriormente, os desvios verificados no desenvolvimento das sessões.
  • 38. Cuidados a ter na utilização do Plano de Sessão
  • 39. Cuidados a ter na utilização do plano O plano de sessão é apenas um guião, não deve ser encarado como uma formula perfeita adaptado a todas as situações. O plano não deve ser rígido. Sempre que se julgue pertinente, o formador deverá improvisar e adaptar o seu plano à realidade que está a encontrar;
  • 40. Cuidados a ter na utilização do plano O Plano de sessão poderá incluir “caminhos alternativos”, que podem passar por metodologias diferentes para trabalhar o mesmo tema, exercícios de reserva ou slides que reforcem/ aprofundem determinados aspectos se necessários;
  • 41. Cuidados a ter na utilização do plano O plano de sessão deverá ser revisto após cada acção de formação podendo-se passar a incluir algo que o formador experimentou de forma espontânea;
  • 42. Cuidados a ter na utilização do plano E… um plano de sessão, mesmo que com poucos elementos, é sempre melhor do que não ter qualquer plano de formação.