Teoria da contingência 2012_01

50.627 visualizações

Publicada em

Material da Disciplina de Fundamentos da Administração Prof. Milton Henrique miltonh@terra.com.br

Publicada em: Negócios
4 comentários
27 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
50.627
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2.090
Comentários
4
Gostaram
27
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria da contingência 2012_01

  1. 1. Teoria da Contingência Milton Henrique do Couto Neto miltonh@terra.com.br
  2. 2. Contingência• Não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa;• Tudo é relativo;• Tudo depende!
  3. 3. Abordagem Contingencial Relação “SE – ENTÃO” AçõesAdministrativas Dependem das Características ENTÃO serápreciso adequar Situacionais Para Obter Resultados SE houver mudanças Organizacionais
  4. 4. Premissas da Teoria da Contingência• Não há um único e melhor jeito de organizar
  5. 5. Premissas da Teoria da Contingência • O jeito de organizar depende de condições ditadas “de fora” da empresa, isto é, do seu ambiente
  6. 6. Premissas da Teoria da Contingência• As contingências externas podem ser consideradas oportunidades ou ameaças que influenciam a estrutura e os processos internos da organização
  7. 7. Pesquisa de Chandler sobre Estratégia e Estrutura • A estrutura organizacional das grandes empresas americanas foi sendo gradativamente determinada pela suaAlfred Chandler estratégia mercadológica.
  8. 8. 1ª Fase, Segundo Chandler• ACUMULAÇÃO DE RECURSOS – Crescimento urbano facilitado pela estrada de ferro; – As empresas preferiram ampliar suas instalações de produção a organizar uma rede de distribuição; – Controle por integração vertical que permitiu a economia em escala.
  9. 9. 2ª Fase, Segundo Chandler• RACIONALIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS – As novas empresas verticalmente integradas tornaram-se grandes e precisaram ser organizadas pois acumularam mais recursos do que era necessário; – Para reduzir riscos de flutuação do mercado, as empresas se voltaram para o planejamento, organização e coordenação. planejamento coordenação
  10. 10. 3ª Fase, Segundo Chandler • CONTINUAÇÃO DO CRESCIMENTO – A reorganização da 2ª fase permitiu o aumento de eficiência nas vendas, compras, produção e distribuição em todas as empresas do setor; – Isso fez com que os lucros baixassem, o mercado ficasse saturado e as oportunidades diminuíssem; – As empresas optam então pela diversificação e a busca de novos produtos e novos mercados.
  11. 11. 4ª Fase, Segundo Chandler • RACIONALIZAÇÃO DO USO DE RECURSOS EM EXPANSÃO – A ênfase se concentra na estratégia mercadológica para abranger novas linhas de produtos e novos mercados; – Necessidade de racionalizar a aplicação dos recursos em expansão, a preocupação com o planejamento de longo prazo, a administração voltada a objetivos e a avaliação do desempenho de cada divisão; – De um lado, a descentralização das operações e, de outro, a centralização de controles administrativos. administrativos
  12. 12. Conclusão de Chandler
  13. 13. Pesquisa de Burns e Stalker• Pesquisaram 20 indústrias inglesas para verificar a relação entre práticas administrativas e o ambiente externo dessas indústrias;• Impressionados com os diferentes procedimentos administrativos encontrados nessas indústria, classificaram-nas em dois tipos: Organizações Organizações Mecanicistas Orgânicas
  14. 14. Organizações Mecanicistas (ambiente estável) Estrutura burocrática baseada em minuciosa divisão do trabalho Cargos ocupados por especialistas com atribuições claramente definidas Centralização das decisões que são concentradas na cúpula da empresa Hierarquia rígida de autoridade baseada no comando único Sistemas rígidos de controle Predomínio da interação vertical entre superior e subordinado Amplitude de controle administrativo mais estreita Ênfase nas regras e procedimentos formais Ênfase nos princípios universais da Teoria Clássica
  15. 15. Organizações Orgânicas (ambiente em mudança) Estruturas organizacionais flexíveis com pouca divisão de trabalho Cargos continuamente modificados e redefinidos através da interação com outras pessoas que participam da tarefa Descentralização das decisões que são delegadas aos níveis inferiores Tarefas executadas através do conhecimento que as pessoas têm da empresa como um todo Hierarquia flexível, com predomínio da interação lateral sobre a vertical Amplitude de controle administrativo mais ampla Maior confiabilidade nas comunicações informais Ênfase nos princípios de relacionamento humano da Teoria das Relações Humanas
  16. 16. • Coordenação centralizada • Elevada interdependência• Padrões rígidos de interação em • Intensa interação em cargos cargos bem definidos autodefinidos e mutáveis• Limitada capacidade de • Capacidade expandida de processamento da informação processamento da informação• Adequada para tarefas simples e • Adequado para tarefas únicas e repetitivas complexas• Adequação para eficiência da • Adequada para criatividade e produção inovação Há um imperativo ambiental: é o ambiente que determina a estrutura e o funcionamento das organizações!
  17. 17. Pesquisa de Lawrence e Lorsch sobre o Ambiente Paul R. Lawrence “À medida que os sistemas crescem de tamanho, diferenciam-se em partes e o funcionamento dessas partes separadas tem de ser integrado para que o Jay W. Lorsch sistema inteiro seja viável.”
  18. 18. Pesquisa de Lawrence e Lorsch sobre o Ambiente• Preocupados com as características que as empresas devem ter para enfrentar com eficiência as diferentes condições externas, tecnológicas e de mercado, fizeram uma pesquisa sobre dez empresas• Os autores concluíram que os problemas organizacionais básicos são a diferenciação e a integração.
  19. 19. Conceito de Diferenciação• É a divisão da organização em subsistemas ou departamentos, cada qual desempenhando uma tarefa especializada para um contexto ambiental também especializado.• Se houver diferenciação nos ambientes específicos aparecerão diferenciações na estrutura e abordagem dos departamentos.
  20. 20. Conceito de Integração• Refere-se ao processo oposto, gerado por pressões vindas do ambiente da organização no sentido de obter unidade de esforços e coordenação entre vários departamentos (ou subsistemas).
  21. 21. Subsistemas e seus Ambientes Específicos Subsistemas Ambientes Específicos (Departamentos) Vendas Mercadológico Produção Técnico – Científico Pesquisa Científico
  22. 22. Teoria da Contingência, segundo Lawrence e Lorsch  A organização é de natureza sistêmica, isto é, ela é um sistema aberto;  As características organizacionais apresentam uma interação entre si e o ambiente;  As características ambientais funcionam como variáveis independentes, enquanto as características organizacionais são variáveis dependentes daquelas.
  23. 23. Teoria da Contingência, segundo Lawrence e LorschEm suma:Não há nada de absoluto nosprincípios gerais da administração;Os aspectos universais enormativos devem ser substituídospelo critério de ajuste constanteentre cada organização e o seuambiente e tecnologia. tecnologia
  24. 24. Pesquisa de Joan Woodward sobre a Tecnologia Joan Woodward
  25. 25. Pesquisa de Joan Woodward sobre a Tecnologia • Pesquisa para verificar se os princípios da administração propostos pelas teorias administrativas se relacionavam com o êxito do negócio quando colocada em prática • Pesquisa com 100 empresas do sul da Inglaterra variando de 100 a 8.000 empregados
  26. 26. Pesquisa de Joan Woodward sobre a Tecnologia Produção Unitária ou Oficina A produção é feita por unidades ou pequenas quantidades, cada produto a seu tempo sendo modificado à medida que é feito
  27. 27. Pesquisa de Joan Woodward sobre a Tecnologia Produção em Massa ou Mecanizada A produção é feita em grande quantidade. Os operários trabalham em linha de montagem ou operando máquinas que podem desempenhar uma ou mais operações sobre o produto
  28. 28. Pesquisa de Joan Woodward sobre a Tecnologia Produção em Processo ou Automatizada Produção em processo contínuo em que poucos operários monitorizam um processo total ou parcialmente automático de produção
  29. 29. Conclusões Tecnologia e suas ConsequênciasTecnologia de Níveis Padronização e Áreas Previsibilidade Produção Hierárquicos Automação Predominantes Produção Baixa Pouca Poucos níveis Engenharia Unitária ou previsibilidade padronização e hierárquicos (P & D) Oficina dos resultados automação Média MédiaProdução em Médios níveis Produção previsibilidade padronização e Massa hierárquicos (Operações) dos resultados automação Elevada Muita Produção Muitos níveis Marketing previsibilidade padronização e Contínua hierárquicos (Vendas) dos resultados automaçãoHá um imperativo tecnológico: a tecnologia adotada pela empresa determina a sua estrutura e comportamento organizacional!
  30. 30. Resultado das Pesquisas Chandler Essas pesquisas revelam aBurns e Stalker dependência da organização em relação Lawrence e ao seu ambiente e a Lorsch tecnologia adotada Joan Woodward Teoria da Contingência
  31. 31. Ambiente• Ambiente é o contexto que envolve a organização.• Tudo o que ocorre externamente no ambiente passa a influenciar internamente o que ocorre na organização.
  32. 32. Ambiente Geral• É o macroambiente, ou seja, o ambiente genérico e comum a todas as organizações.• O ambiente geral é constituído de um conjunto de condições comuns para todas as organizações.
  33. 33. Ambiente Geral Condições Tecnológicas Condições Legais Condições Políticas Condições Econômicas Condições Demográficas Condições Ecológicas Condições Culturais
  34. 34. Ambiente da Tarefa• É o ambiente mais próximo e imediato de cada organização.• É o segmento do ambiente geral do qual uma determinada organização extrai as suas entradas e deposita as suas saídas.
  35. 35. Ambiente da Tarefa  Fornecedores ou Entradas  Clientes ou Usuários  Concorrentes  Entidades Reguladoras
  36. 36. Ambiente Geral e Ambiente da Tarefa
  37. 37. Incerteza Ambiental• O simples fato de reconhecer os elementos ambientais relevantes já diminui a incerteza da organização.• A incerteza que se produz na organização acerca do ambiente é a incerteza de saber quais são as oportunidades e ameaças existentes no ambiente e como utiliza-las ou evita-las respectivamente.
  38. 38. Tipologia dos AmbientesQuanto a sua estrutura: – Ambiente Homogêneo • Quando há pouca segmentação ou diferenciação dos mercados – Ambiente Heterogêneo • Quando há muita diferenciação dos mercados
  39. 39. Tipologia dos Ambientes Quanto a sua dinâmica: – Ambiente Estável • É um ambiente tranquilo e previsível – Ambiente Instável • A instabilidade provocada pelas mudanças gera a incerteza para a organização
  40. 40. Tecnologia• Algo que se desenvolve nas organizações através de conhecimentos acumulados e desenvolvidos sobre o significado e execução de tarefas (know how) e pelas suas manifestações físicas (máquinas, equipamentos e instalações) constituindo um complexo de técnicas usadas na transformação de insumos recebidos pela empresa em resultados, isto é, em produtos e serviços.
  41. 41. Tecnologia +Tecnologia Não Incorporada Tecnologia Incorporada Software Hardware
  42. 42. • Como variável ambiental (externa)Tecnologia – É um componente do meio ambiente, à medida que as empresas adquirem, incorporam e absorvem as tecnologias criadas e desenvolvidas pelas outras empresas do seu ambiente de tarefa em seus sistemas.
  43. 43. Tecnologia• Como variável organizacional (interna) – É um componente organizacional, à medida que faz parte do sistema interno da organização, já incorporada a ele, passando assim a influencia-lo poderosamente e, com isto, influenciando também o seu ambiente de tarefa.
  44. 44. Tecnologia – Tipologia de Thompson• Tecnologia de Elos em Sequência – É o caso da linha de montagem da produção em massa. A B C D Produto Tarefas Relacionadas Serialmente
  45. 45. Tecnologia – Tipologia de Thompson• Tecnologia Mediadora – É o caso de um banco comercial que liga os depositantes com aqueles que desejam tomar emprestado Organizaçã o Cliente Mediadora Cliente
  46. 46. Tecnologia – Tipologia de Thompson• Tecnologia Intensiva – É o caso do hospital geral, que pode exigir uma combinação de serviços dietéticos, radiológicos, de laboratório, etc. Serviços e Técnicas Especializadas: A B Cliente C D E Retroação
  47. 47. Tecnologia – Tipologia de ThompsonTecnologia Características Ênfase Processo Abordagem Elos em Interdependência serial entre as Produto Repetitividade do processo produtivo, Administração CientíficaSequência diferentes tarefas que é cíclico Diferentes tarefas Repetitividade do padronizadas são Clientes separados, processo produtivo, Teoria daMediadora distribuídas mas padronizado e Burocracia extensivamente em interdependentes sujeito a normas e diferentes locais procedimentos Processo produtivo envolve variedade e Diferentes tarefas heterogeneidade de são convergidas e Teoria daIntensiva focalizadas sobre o Cliente técnicas Contingência determinadas pela cliente retroação fornecida pelo próprio objeto
  48. 48. Impacto da Tecnologia• A tecnologia determina a natureza da estrutura organizacional e do comportamento organizacional das empresas• A tecnologia, isto é, a racionalidade técnica, tornou-se um sinônimo de eficiência• A tecnologia leva os administradores a melhorar cada vez mais a eficácia, mas sempre dentro dos limites da eficiência
  49. 49. Homem Complexo Administração Homem Científica Econômico Teoria das Relações Homem Social Humanas Teoria Homem Homem Estruturalista Organizacional Complexo Teoria HomemComportamental Administrativo Teoria dos Homem Sistemas Funcional
  50. 50. • O homem é umHomem Complexo ser transacional, que não só recebe insumos do ambiente, como reage aos mesmos e adota uma posição proativa, antecipando-se e provocando mudanças no seu ambiente.
  51. 51. Homem Complexo• O homem tem um comportamento dirigido para objetivos. Cada sistema individual desenvolve seus próprios padrões de percepções, valores e motivos.
  52. 52. Homem Complexo• Os sistemas individuais não são estáticos, mas em contínuo desenvolvimento, embora mantendo sua identidade e individualidade ao longo do tempo.

×