Abordagens sistêmica e contingencial

43.370 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
43.370
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
374
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
586
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Abordagens sistêmica e contingencial

  1. 1. ABORDAGEM SISTÊMICA E ABORDAGEM CONTINGENCIAL Universidade Federal de Itajubá – UNIFEI Curso de Especialização em Gestão de Pessoas e de Projetos Sociais Disciplina: Tendências Contemporâneas de Gestão Organizacional Professora: Célia Ottoboni Carla Graziella Célia Carvalho Rosalia Chiemi
  2. 2. ABORDAGEM SISTÊMICA <ul><li>A Teoria Sistêmica possui uma visão complexa da realidade. Nessa teoria as organizações passaram a ser vistas como um todo e não em partes como eram consideradas pelas Abordagens Clássicas. </li></ul><ul><li>Reconhece a interdependência das várias partes dentro de uma organização. </li></ul>
  3. 3. ABORDAGEM SISTÊMICA BASES TEÓRICAS <ul><li>A Abordagem Sistêmica se desenvolveu sob três bases: </li></ul><ul><li>1 - Teoria Geral de Sistemas (TGS): </li></ul><ul><li>Por: Ludwin Bertalanffy, biólogo em 1937; </li></ul><ul><li>Todos os sistemas são formados por partes interdependentes; </li></ul><ul><li>Devem ser aplicados vários enfoques para entender e lidar com uma realidade que se torna cada vez mais complexa. </li></ul>
  4. 4. ABORDAGEM SISTÊMICA BASES TEÓRICAS <ul><li>2 - A Teoria da Forma ou Gestalt: </li></ul><ul><li>Foi proposta por Wertheimar, Kurt Koffka e Wolfgang Kohler, psicólogos, por volta de 1912; </li></ul><ul><li>Possui um raciocínio integrativo. Tudo e todos fazem parte de um conjunto. </li></ul><ul><li>3 – Cibernética: </li></ul><ul><li>Surgiu por meio de Norbert Wiener, matemático, na década de 40; </li></ul><ul><li>Idéia central: todo organismo deve ser auto-controlado por meio de um fluxo de informações que possibilite seu funcionamento. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>As organizações como sistemas abertos: </li></ul><ul><li>As organizações são consideradas abertas quando interagem com o seu ambiente. Nenhum sistema é absolutamente fechado, apenas difere-se pelo grau de interação com o ambiente. </li></ul><ul><li>Uma organização como um sistema aberto, aborda sua complexidade visualizando fatores ambientais externos e componentes estruturais internos como um todo integrado. </li></ul>ABORDAGEM SISTÊMICA
  6. 6. <ul><li>Ambiente Externo </li></ul><ul><li>Elementos de Ação Direta e Indireta </li></ul><ul><li>Ambiente Externo: são elementos externos utilizados para o desenvolvimento do trabalho da organização. </li></ul><ul><li>Elementos de ação direta: Elementos do ambiente que influenciam diretamente nas atividades das organizações. </li></ul><ul><li>Stakeholders interno: empregados, os acionistas e os boards. </li></ul>ABORDAGEM SISTÊMICA
  7. 7. <ul><li>Ambiente Externo </li></ul><ul><li>Elementos de Ação Direta e Indireta </li></ul><ul><li>Elementos de ação indireta: Elementos do meio ambiente que influenciam indiretamente nas organizações tais como: a tecnologia, a economia, a política, órgãos reguladores, etc. </li></ul><ul><li>Stakeholders externo: consumidores, fornecedores, governos, grupos de interesses especiais, mídia, sindicatos, instituições financeiras e competidores. </li></ul>ABORDAGEM SISTÊMICA
  8. 8. ABORDAGEM CONTINGENCIAL <ul><li>É a principal corrente de pensamento administrativo da atualidade. Porém, alguns não a consideram uma Teoria já que não conseguem agregar todos os aspectos da Teoria de Sistemas e porque não trás nenhuma nova perspectiva. </li></ul><ul><li>Surgiu por volta da década de 70, tendo por base os pensamentos da Teoria Sistêmica e várias pesquisas desenvolvidas posteriormente. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Pressupostos </li></ul><ul><li>Como o próprio nome diz, tem a ver com a proposição, ou algo incerto, ou seja, não existe uma única ou melhor forma para o sucesso nas organizações que dependem de variáveis internas e externas não dependendo necessariamente de regras administrativas, mas sim de fatores ambientais e tecnológicos. </li></ul><ul><li>Dentro de uma relação funcional, as variáveis ambientais são variáveis independentes, enquanto as técnicas administrativas são variáveis dependentes. </li></ul>ABORDAGEM CONTINGENCIAL
  10. 10. <ul><li>As pesquisas </li></ul><ul><li>Por: Joan Woodward – socióloga </li></ul><ul><li>Objetivou: Estudar a ligação entre o sucesso das empresas e a aplicação das Teorias Administrativas. </li></ul><ul><li>Concluiu: A tecnologia é determinada pelos objetivos da fábrica, por aquilo que se deseja produzir e pelo mercado que se deseja atingir. </li></ul><ul><li>Identificou: 3 grupos de tecnologia de produção: 1 - Produção unitária ou oficina, 2 - Produção de massa ou mecanizada, 3 - Produção em processo ou automatizada. </li></ul>ABORDAGEM CONTINGENCIAL
  11. 11. ABORDAGEM CONTINGENCIAL <ul><li>As pesquisas </li></ul><ul><li>Por: Burns e Stalker – sociólogo, psicólogo </li></ul><ul><li>Objetivou: Verificar a relação entre as formas de administração e o ambiente externo das indústrias. </li></ul><ul><li>Concluiu: Formas mecanicistas, adequadas às empresas cujo o ambiente é mais estável. Formas orgânicas, adequadas às empresas onde o ambiente está mais propenso a mudanças e inovações. </li></ul><ul><li>Identificou: variados métodos e formas administrativas que foram classificadas em dois grupos: 1 - Mecanicistas ou burocracias; 2 - Orgânicas ou “Ad hoc” </li></ul>
  12. 12. ABORDAGEM CONTINGENCIAL <ul><li>As pesquisas </li></ul><ul><li>Por: James Thompson </li></ul><ul><li>Objetivou: Entender quais tecnologias influenciam a estrutura das organizações. </li></ul><ul><li>Concluiu: Tecnologias foram identificadas a partir da interdependência. </li></ul><ul><li>Identificou: Três tipos de tecnologias: 1 – Tecnologia de Intermediação, 2 – Tecnologia de longas ligações, 3 - Tecnologia Intensiva. </li></ul>
  13. 13. ABORDAGEM CONTINGENCIAL <ul><li>As pesquisas </li></ul><ul><li>Por: Paul R. Lawrence e Jay W. Lorsch - professores </li></ul><ul><li>Objetivou: Analisar três tipos de inter-relacionamento: 1 – entre organização e ambiente, 2 – entre grupos e 3 – entre individuo e organização. </li></ul><ul><li>Concluiu: Existem problemas organizacionais básicos. </li></ul><ul><li>Identificou: Os dois tipos de problemas organizacionais: </li></ul><ul><li>1 – Diferenciação, 2 – Integração. </li></ul>
  14. 14. ABORDAGEM CONTINGENCIAL <ul><li>As pesquisas </li></ul><ul><li>Por: Charles Perrow </li></ul><ul><li>Objetivou: Analisar técnicas e tecnologias utilizadas para realização de um trabalho. </li></ul><ul><li>Concluiu: Tecnologia, segundo ele, é o meio que permite a transformação da matéria-prima (sejam humanas, simbólicas, ou materiais) em bens e/ou serviços. </li></ul><ul><li>Identificou: A análise da tecnologia a partir de duas dimensões: 1 – Variabilidade da situação; 2 – Reação do indivíduo a situação. </li></ul>
  15. 15. RELAÇÃO ENTRE AS ABORDAGENS <ul><li>Pensar na relação entre as presentes abordagens leva a considerar o fato de que ambas equivalem-se no sentido de que a Abordagem Sistêmica foi precursora à Abordagem Contingencial. Tanto uma como a outra leva em consideração a integração entre as partes. </li></ul><ul><li>Porém, a Abordagem Sistêmica como foi estudada analisa a organização como um todo e que as influências ambientais, exteriores a organização, dependem do grau de interação com as mesmas. Já na Abordagem Contingencial tais influências são consideradas determinantes para o desenvolvimento do trabalho na organização. </li></ul>
  16. 16. RELAÇÃO ENTRE AS ABORDAGENS <ul><li>A Abordagem Contingencial não apresenta uma forma única de se compreender a realidade, já a Sistêmica compreende pela complexidade. </li></ul><ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><li>O trabalho em equipe interdisciplinar pode ser compreendida pela perspectiva Sistêmica, tendo em vista que os profissionais interagem entre si para um determinado fim. </li></ul><ul><li>As empresas que utilizam-se de pesquisas e dados estatísticos sobre o consumo para determinar sua produção pode ser compreendida sob a luz da Abordagem Contingencial. </li></ul>
  17. 17. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS OTTOBONI, Célia; MOLINA, Carlos Eduardo. Abordagem Sistêmica: Aula 7.2011, 9p. Material para Pós Graduação em Gestão de Pessoas e Projetos Sociais, Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, 2011. ______________, Abordagem Contingencial: Aula 8. 2011, 8p. Material para Pós Graduação em Gestão de Pessoas e Projetos Sociais, Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, 2011. Imagem retirada do site: administra%C3%A7ao2.jpg

×