SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 172
Avaliação de Empresas e
Gestão de Investimentos
Prof. Milton Henrique do Couto Neto
miltonhenrique@mhempresarial.com
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
MBA em Controladoria
Prof. Milton Henrique do Couto Neto
miltonhenrique@mhempresarial.com
Quem sou eu?
Prof. Milton Henrique do Couto Neto
miltonhenrique@mhempresarial.com
 Administração, Estácio
 Engenharia Mecânica, UFF
 MBA em Gestão Empresarial, UVV
 MBA em Marketing Empresarial, UVV
 Mestrado Acadêmico em Administração, UFES
 Pós-MBA em Inteligência Empresarial, FGV
http://lattes.cnpq.br/8394911895758599
https://br.linkedin.com/in/miltonhenrique
Experiência como Professor Universitário
2011
2004 2011
2006
2007 2009
2017
2017
Disciplinas Lecionadas
Graduação
 Administração de Materiais
 Economia da Engenharia
 Economia Empresarial
 Empreendedorismo
 Engenharia de Manutenção e Confiabilidade
 Engenharia de Métodos
 Fundamentos da Administração
 Gestão de Marketing
 Gestão de Processos e Empresas
 Gestão de Vendas
 Gestão Financeira e Orçamentária
 Marketing de Relacionamento
 Matemática Básica
 Matemática Financeira
 Novas Abordagens em Administração
 Planejamento Estratégico da Produção
 Plano de Negócios
 Tópicos Especiais em Administração
Pós-Graduação
 Comportamento do Consumidor
 Consultoria de RH
 E-commerce e Marketing Digital
 Endomarketing e Comunicação Corporativa
 Estratégia Competitiva de Preços
 Estudo de Viabilidade Econômico Financeira
 Formação do Preço de Venda no Varejo
 Gestão de Tesouraria
 Marketing Competitivo, Criatividade e
Inovação
 Pesquisa de Marketing
 Teoria do Desenvolvimento Organizacional
Experiência como Gestor
Empresário de
diversos setores
1995 2006
2006 2012
2012 2013
2013
20152014
2008
2016
Cursos,
Palestras,
Treinamentos e
Consultorias
miltonhcoutomiltonhenrique miltonhcouto
miltonhenrique@mhempresarial.com
Contatos
Este e outros arquivos estão
disponíveis para download no
www.slideshare.net/miltonh
Roteiro
1. Avaliação de Investimentos
2. Estrutura de Capital
3. Índices de Lucratividade
4. Índices de Valor de Mercado
5. VPL, TIR e Payback
6. Sistema Du Pont
7. Modelos de Insolvência
8. Avaliação de Empresas
9. Fusões e Aquisições
1) Avaliação de
Investimentos
Conceito de Investimentos
Em linguagem financeira, o termo
investimento pode ser definido de
forma abrangente como aplicação de
dinheiro em títulos, ações, imóveis,
maquinários, etc., com o propósito de
obter ganho (lucro)
Retorno do Investimento
Quanto mais longo o investimento, maior o risco
Quanto maior o risco, maior deve ser o retorno do
investimento
Prazo
RiscoRetorno
Otimizar
Retorno
Prazo
Risco
Investimento Financeiro e Operacional
Financeiro
Operacional
É aplicação de dinheiro em ativos de
natureza financeira, tais como: CDB, Fundo
de Investimento em Renda Fixa, Caderneta
de Poupança, Tesouro Direto, etc.
É aplicação de dinheiro em ativos que
geram receita, tais como: estoques,
duplicatas a receber, maquinários e
prédios.
Investimentos
Financeiros
Renda
Variável ou Fixa
Prazo
Variável ou Fixa
Emissão
Privada ou Pública
Investimentos
Renda Fixa Renda Variável
Pré-fixado
Pós-fixado
Investimentos Financeiros
Renda Fixa
• CDB
• Fundos DI
• Títulos do Tesouro Nacional
• Letras de Crédito Imobiliário
• Letras de Crédito do
Agronegócio
• Letra de Câmbio
Renda Variável
• Abertura de um novo
negócio
• Investimento em ações
• Ouro
• Commodities
• Derivativos
Aplicações Financeiras de Renda Fixa
Caderneta de Poupança
– Tipo mais popular de investimento
– Todos os bancos pagam a mesma taxa de
rendimento de TR + 0,5%, mensalmente
– O inconveniente é que se for sacado antes de
completar o mês, o rendimento do mês
incompleto é perdido
Aplicações Financeiras de Renda Fixa
Certificado de Depósito Bancário (CDB)
– Título emitido por instituição financeira, por prazo
determinado, com taxa prefixada ou pós-fixada
Aplicações Financeiras de Renda Fixa
Fundos de Renda Fixa
– Fundos de investimento administrado por
instituições especializadas mediante a
cobrança de uma taxa de administração
– As carteiras de ativos dos fundos são
compostas por CDBs, títulos da dívida pública,
debêntures, etc.
Aplicações Financeiras de Renda Fixa
Fundos DI
– São fundos semelhantes aos fundos de renda
fixa que se propõe a remunerar os cotistas de
acordo com a variação da taxa do CDI, que são
títulos negociados entre instituições
financeiras e que acompanham a variação da
taxa Selic
Aplicações Financeiras de Renda Fixa
Títulos da Dívida Pública
– São títulos emitidos pelos governos para
financiar a dívida pública
– Pessoas físicas podem adquirir os títulos do
Governo Federal por meio do sistema
denominado Tesouro Direto
Aplicações Financeiras de Renda Variável
Ações
– Ações negociadas na Bolsa de Valores são
títulos representativos do capital das
companhias (S.A.s) de capital aberto
– O preço de uma ação oscila ao longo do tempo
em função de vários fatores: situação
econômica e financeira, rentabilidade, cenários
econômicos, etc.
Aplicações Financeiras de Renda Variável
Ouro
– O preço do ouro acompanha a cotação
internacional e é negociado em bolsa de valores
Aplicações Financeiras de Renda Variável
Fundos de Renda Variável
– Similar aos Fundos de Renda Fixa, a diferença é
que neste fundo o capital é investido em ativos
de renda variável
– Fundos de ações, fundos cambiais, fundos
multimercado, etc.
Sugestão: Regra dos 100
Idade
Renda
Fixa
Renda
Variável
%
Investimento
70%
30%
30 anos 70 anos
Com 30 anos
Com 70 anos
 30% Renda Fixa
 70% Renda Variável
 70% Renda Fixa
 30% Renda Variável
Mais arriscado!
Mais conservador!
Avaliação de Projetos de Investimento
Estimativa de Fluxos de
Caixa Futuros
Estimativa do Custo de
Financiamento ou Taxa de
Mínima Atratividade
Projeção de Fluxos de Caixa
Tempo
Investimento Inicial
Fluxos de Caixa
Incrementais
TMA
Fluxo de Caixa Disponível da Empresa (FCDE)
Receita Operacional Bruta
- Deduções e Impostos
= Receita Operacional Líquida
- Custos e despesas operacionais (exceto depreciação e amortização)
= EBITDA Lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização
- Depreciação
= EBIT Lucro antes dos juros e dos impostos (Lucro Operacional Bruto)
- Imposto de Renda sobre o EBIT
= NOPAT Lucro Operacional Líquido do Imposto de Renda
+ Depreciação
= FCO Fluxo de Caixa Operacional
- CAPEX Gastos de Capital
- Variações nas necessidades de capital de giro
= FCDE Fluxo de Caixa Disponível da Empresa
EBITDA e EBIT
EBITDA
EBIT
 Earning Before Interest, Taxes, Depreciation/Depletion and
Amortization
 É o lucro antes dos juros, imposto de renda, depreciação,
amortização e exaustão
 É a receita operacional de vendas menos os custos e as despesas,
sem considerar as despesas não reembolsáveis como
depreciação, amortização e exaustão
 Earning Before Interest and Taxes
 É o lucro antes dos juros e do imposto de renda e após as
despesas de depreciação
 EBIT = EBITDA - Depreciação
NOPAT – Lucro Operacional Líquido do IR
NOPAT
 Net Operating Profit After Taxes
 NOPAT = EBIT – Imposto de Renda
CAPEX - Gastos de Capital
CAPEX
 Capital Expenditures
 As variações nos gastos de capital representam todos os
acréscimos necessários de investimentos em ativos fixos previstos
no horizonte de tempo
 Em períodos de forte crescimento ou de implantação de novos
projetos de investimentos na empresa, o fluxo de gastos de
capital costuma ser elevado, reduzindo-se em anos de maior
estabilidade
Variações nas Necessidades de Capital de Giro
 Outros acréscimos de investimento são
as necessidades incrementais de capital
de giro
 Aumentos na necessidade de capital de
giro reduzem o caixa e, em
consequência, os fluxos de caixa
previstos
 Reduções no giro, ao contrário, liberam
recursos financeiros, elevando os fluxos
de caixa
2) Estrutura de
Capital
Taxa de Mínima Atratividade (TMA)
Deve representar uma média
ponderada dos custos dos
capitais investidos na
empresa, seja capital oriundo
dos sócios ou oriundo de
terceiros
Custo do Capital de Terceiros
Capital Próprio 50% Capital de
Terceiros
Balanço Patrimonial
Ativos 400,00 400,00
Dívidas (20%a.a.) - 200,00
PL 400,00 200,00
Passivos 400,00 400,00
Demonstração de Resultados
LAJIR 100,00 100,00
(-) Juros - (40,00)
LAIR 100,00 60,00
(-) IR (30%) (30,00) (18,00)
LL 70,00 42,00
Benefício fiscal associado
às despesas financeiras
Custo do Capital de Terceiros
Capital Próprio 50% Capital de
Terceiros
Balanço Patrimonial
Ativos 400,00 400,00
Dívidas (20%a.a.) - 200,00
PL 400,00 200,00
Passivos 400,00 400,00
Demonstração de Resultados
LAJIR 100,00 100,00
(-) Juros - (40,00)
LAIR 100,00 60,00
(-) IR (30%) (30,00) (18,00)
LL 70,00 42,00
𝐾 𝑑 = 𝐾𝑎 . (1 − 𝐼𝑅%)
Kd = Custo Efetivo da Dívida
Ka = Custo Aparente da Dívida
IR = Alíquota do Imposto de Renda
𝐾 𝑑 = 𝐾 𝑎 . (1 − 𝐼𝑅%)
𝐾 𝑑 = 20% . (1 − 20%)
𝐾 𝑑 = 16%
Custo do Capital Próprio
Modelo de Crescimento Constante de Gordon e Shapiro
– Premissas:
Os dividendos por ação crescem a uma taxa constante g por período
As taxas Ks (custo do capital próprio) e g são constantes e Ks>g
𝑃0 =
𝐷1
𝐾𝑠 − 𝑔
𝐾𝑠 =
𝐷1
𝑃0
+ 𝑔
P0 = Preço da ação no ano zero
D1 = dividendo pago pela ação no ano 1
Ks = Custo do capital próprio
g = taxa de crescimento dos dividendos
Arrumando...
Fórmula de Gordon-Shapiro
Custo do Capital Próprio
Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (CAPM)
𝐸 𝑅𝑖 = 𝑅𝑓 + 𝛽 [ 𝐸 𝑅 𝑚 − 𝑅𝑓]
E(Ri) = Retorno esperado do ativo i
Rf = Taxa livre de risco
β = Beta, nível de risco sistemático
E(Rm) = Retorno esperado do mercado
Custo do Capital Próprio
Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (CAPM)
𝐸 𝑅𝑖 = 𝑅𝑓 + 𝛽 [ 𝐸 𝑅 𝑚 − 𝑅𝑓] Prêmio pelo risco
de mercado
Prêmio de risco do
ativo
Beta (β) Excesso de retorno do
ativo
Excesso de retorno do
mercado
β = 1 (Mercado)
β < 1 (Conservadora)
β > 1 (Agressiva)
WACC - Custo Médio Ponderado de Capital
EXEMPLO: Calcule o WACC considerando que a Cia. Valor pegou um empréstimo
equivalente a 30% de seu capital a 15% e que a empresa se encontra operando
numa alíquota de 34% de IR. Considere ainda que o Custo do Capital Próprio é de
16,4%.
𝐾𝑖 = 𝐷í𝑣𝑖𝑑𝑎 𝑥 (1 − 𝐼𝑅)
𝐾𝑖 = 15% 𝑥 (1 − 0,34)
𝐾𝑖 = 9,9%
𝐾𝑖 = Custo do Capital de Terceiros Líquido do IR
𝐾𝑒 = Custo do Capital Próprio
𝐾𝑒 = 16,4%
Contribuição do Ki = 30% x 9,9% = 2,97%
Contribuição do Ke = 70% x 16,4% = 11,48%
WACC = 2,97% + 11,48% = 14,45%
3) Índices de
Lucratividade
Margem Líquida
• Mede o quanto se lucra em R$ 1,00 de venda
𝑀𝑎𝑟𝑔𝑒𝑚 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑎 =
𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜
𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠
ROI - Retorno Sobre o Investimento
O ROI apresenta a rentabilidade da operação
𝑅𝑂𝐼 =
𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜
𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙
Vantagens Desvantagens
 Extremamente simples
 Transmite, de forma fácil, o
desempenho empresarial
 Utilizado como taxa máxima do
custo do capital suportado pela
empresa
 Enfatiza desempenho de curto
prazo e não um horizonte temporal
maior
 Não considera o fluxo de caixa e o
custo de capital, sendo uma medida
incompleta de performance
ROE – Retorno Sobre o Patrimônio Líquido
É uma porcentagem usada para medir o quão eficiente
uma empresa é para a capacidade de geração de lucros
É um indicador de eficiência de gestão, pois acaba
mostrando se a empresa está “aplicando bem” o
dinheiro dos acionistas para os seus devidos fins
𝑅𝑂𝐸 =
𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜
𝑃𝑎𝑡𝑟𝑖𝑚ô𝑛𝑖𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜
Apenas Capital Próprio
ROA – Retorno Operacional sobre Ativos
Pode ser entendido como o lucro gerado pelos ativos
O lucro operacional não depende da forma pela qual a
empresa é financiada, pois vem antes das despesas
financeiras
𝑅𝑂𝐴 =
𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝑂𝑝𝑒𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙
𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙
ROIC – Retorno Sobre Capital Investido
 Apresenta, em termos percentuais, quanto dinheiro a
organização tem capacidade de gerar com o capital investido
 Mede o retorno sobre o capital investido, independente de ser
capital próprio ou de terceiros
𝑅𝑂𝐼𝐶 =
𝑁𝑂𝑃𝐴𝑇
𝐶𝑎𝑝𝑖𝑡𝑎𝑙 𝐼𝑛𝑣𝑒𝑠𝑡𝑖𝑑𝑜
NOPAT = Lucro Líquido Operacional
menos os impostos ajustados
EVA – Valor Econômico Agregado
 Patenteado pela Consultoria Stern Stewart & Company
 Considera o custo de oportunidade do capital próprio
 A empresa só gera riqueza para seus acionistas se os lucros
forem superiores ao custo de todo o capital utilizado em suas
operações
EVA = Lucro Líquido – Custo de Oportunidade do Capital Próprio
MVA – Valor Adicional de Mercado
É a diferença entre o valor de mercado de uma
determinada empresa e o seu patrimônio líquido
É a soma de todos os valores presentes dos EVAs futuros
MVA ≥ 0
MVA < 0
Projeto Viável
Projeto Inviável
4) Índices de
Valor de
Mercado
LPA - Lucro por Ação
• Corresponde ao lucro do período dividido pelo número
de ações. Refere-se ao lucro que pode ser destinado aos
acionistas
𝐿𝑃𝐴 =
𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜
𝐴çõ𝑒𝑠 𝑒𝑚 𝐶𝑖𝑟𝑐𝑢𝑙𝑎çã𝑜
Índice Preço / Lucro
• Mede o quanto os investidores estão dispostos a pagar
por R$ 1,00 de lucro corrente
Í𝑛𝑑𝑖𝑐𝑒 𝑃 𝐿 =
𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑝𝑜𝑟 𝑎çã𝑜
𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝑝𝑜𝑟 𝑎çã𝑜
• Proposição 1: Tudo mais constante, empresas de crescimento esperado alto
terão P/L maior do que empresas de crescimento esperado baixo.
• Proposição 2: Tudo o mais constante, empresas mais arriscadas terão
menor P/L do que empresas menos arriscadas.
• Proposição 3: Tudo o mais constante, empresas com taxa de reinvestimento
baixa terão P/L maior do que empresas com taxa de reinvestimento maior.
Índice Preço / Vendas
• Este índice mostra a relação entre a capitalização da
empresa e o valor da receita líquida de vendas
Í𝑛𝑑𝑖𝑐𝑒 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 =
𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑝𝑜𝑟 𝐴çã𝑜
𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝑝𝑜𝑟 𝐴çã𝑜
5) VPL, TIR e
Payback
Payback
O método de avaliação do Payback informa o prazo necessário para o retorno do
investimento.
Esse método deve ser utilizado quando avaliamos projetos que não possuem
muita representatividade no patrimônio total.
Isso se deve ao fato de que o Payback possui alguns problemas:
• Desconsidera os fluxos de caixa posteriores ao retorno do investimento
• Desconsidera o valor do dinheiro no tempo
• Arbitrariedade da gerência
Necessidade de escolher o investimento
que dê retorno mais rápido, mas que
não dá o melhor retorno
Payback
• É o prazo de recuperação do investimento, isto é, o prazo
no qual o FC acumulado é igual a zero.
payback
tempo
Payback Descontado
• Irá medir o prazo de retorno de um investimento. No
entanto, passará a considerar o valor do dinheiro no
tempo, mas continuará a ter os outros dois problemas
existentes no Payback
VPL - Valor Presente Líquido
O valor presente líquido é a forma mais usual de se
avaliar um investimento.
Enquanto no Payback Descontado vamos trazendo
a valor presente todos os fluxos de caixa até o
momento da inversão de sinal, no valor presente
líquido devemos levar todos os fluxos de caixa para
a data zero e efetuar o somatório.
Utilizamos sinal positivo para os valores recebidos
e negativo para os valores aplicados.
VPL – Valor Presente Líquido
Tempo
Investimento Inicial
Fluxos de Caixa
Incrementais
VPL – Valor Presente Líquido
• Traduzindo a fórmula: O Valor Presente Líquido de um projeto será
a soma do valor presente de todos os fluxos de caixa do projeto,
desde a data zero (investimento) até o final do projeto;
• Caso o VPL seja um número positivo, isso significa que o valor
presente dos valores aplicados foi inferior ao valor presente dos
valores recebidos e, portanto, o investidor estaria ficando “mais
rico” a dinheiro de hoje do que se estivesse deixando de aplicar
naquele projeto;
• Por outro lado, se o VPL for um número negativo, isso significa que
o valor presente dos valores aplicados foi superior ao valor
presente dos valores recebidos e, portanto, o investidor estaria
ficando “mais pobre” a dinheiro de hoje do que se estivesse
deixando de aplicar naquele projeto.
TIR – Taxa Interna de Retorno
• É a taxa de juros que “zera” o Valor Presente Líquido –
VPL de um projeto qualquer
TIR – Taxa Interna de Retorno
Problemas com a TIR
 a de existir mais de uma TIR ou mesmo não existir
nenhuma TIR
 a de se supor que os fluxos de caixa são
reinvestidos à própria TIR
 a de se supor que os investimentos (fluxos de caixa
negativos) são financiados a uma taxa igual à TIR
 necessidade de se trabalhar com investimento
incremental quando se tem projetos mutuamente
excludentes, entre outros problemas
TIRM – Taxa Interna de Retorno Modificada
Tempo
Leva os desembolsos para o
valor presente
Leva os recebimentos para o
valor futuro
VP
VF
i = TIRM
6) Sistema Du
Pont
Sistema Du Pont
• É uma decomposição do ROE e do ROA, que deixa a
fórmula do ROE em função de:
– Eficiência operacional (medida pela margem de lucro)
– Eficiência no uso dos ativos (medida pelo giro do ativo total)
– Alavancagem financeira (medida pelo multiplicador do
patrimônio líquido)
Sistema Du Pont
𝑅𝑂𝐸 =
𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜
𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠
𝑥
𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠
𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜
𝑥
𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜
𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑃𝑎𝑡𝑟𝑖𝑚ô𝑛𝑖𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜
ROE = Margem de Lucro x Giro do Ativo Total x Multiplicador do Patrimônio Líquido
Retorno sobre o Ativo
7) Modelos de
Insolvência
Insolvência
O estado de insolvência de cada empresa pode ser definido como
a incapacidade para pagar as suas obrigações financeiras na data
de seu vencimento, bem como quando seus ativos forem inferiores
ao valor dos seus passivos
SOLVENTE
INSOLVENTE
Tem condições de pagar as contas
Nãotem condições de pagar as contas
Modelo Kanitz
Modelo Matias
Modelo Altman
Modelo Silva
Modelo Elizabetsky
8) Avaliação de
Empresas
Motivos para Avaliação
• Entrada de um novo sócio
• Fusão de duas empresas
• Dissolução de empresa
concordatária
• Abertura de capital
• Etc.
Objetivo
• alcançar o valor justo de mercado, ou seja, aquele que
representa, de modo equilibrado, a potencialidade
econômica de determinada companhia
Dificuldade - Subjetividade
• A dificuldade dá-se, principalmente, pelo fato do
valor percebido de uma empresa para um
indivíduo não necessariamente ser o mesmo
para outro.
Conclusão:
Não existe um valor único e exato
As previsões são cheias de incertezas
Incerteza na
Estimativa
Incerteza da
Empresa
Incerteza
Macroeconômica
Erro ao converter
os dados brutos
em inputs para o
modelo
Erros sobre como
será o caminho
da empresa no
futuro
Mudanças no
ambiente
macroeconômico
Fatores que Alteram o Valor das Empresas
Economia Global
Políticas do Governo Federal
Competição na Indústria
Macroeconomia
Quanto vale?
Depende do objeto
Depende de quem avalia
Depende do momento
• Contabilidade
• Economia
• Finanças
• Direito
• Marketing
• Estratégia Empresarial
• Psicologia
Combinação
entre várias
disciplinas
Valor de Negociação e Valor Justo
Valor de Negociação
 O valor máximo que um
comprador estaria disposto a
pagar e, ao mesmo tempo, o
valor mínimo pelo qual o
vendedor aceitaria realizar a
venda
Valor Justo (fair value)
 É calculado pelos resultados
futuros de caixa esperados da
empresa, trazidos a valor
presente por uma taxa de
desconto que reflete o risco do
negócio
+ Objetivo+ Subjetivo
Princípio Básico do Valuation
Um ativo vale pelo fluxo de caixa
líquido que se espera que ele
entregue ao seu proprietário ao
longo do tempo, no futuro
O real valor de um ativo
• O valor de um ativo é função da sua capacidade futura de
gerar riqueza, e não:
– de seus resultados acumulados em exercícios anteriores
– do custo de seus ativos
Informações Indispensáveis para Avaliação
 Objeto Social
 Quadro Administrativo
 Quadro Funcional
 Carteira de Clientes
 Carteira de Fornecedores
 Participação de Mercado
 Situação Financeira
 Dívidas Contingenciais
 Ativos Intangíveis
 Patentes
 Contratos
 Litígios Judiciais
 Passivos Trabalhistas
 Etc.
Fontes de
Informações
• A empresa
• O setor
• O mercado
Fatores Chaves para Uma Boa Avaliação
Utilize modelos simples;
Siga os princípios econômicos;
Minimize os viéses no processo de avaliação;
Analise o ciclo do negócio;
Se possível, faça a análise por vários métodos;
Justifique o modelo de negócio e as premissas chaves;
Comprove as informações;
As avaliações são suscetíveis a julgamentos quando apenas
baseadas em julgamentos profissionais sem a utilização de
métodos quantitativos adequados.
Onde as coisas podem dar errado
 Quando há dinheiro em excesso e muitos ativos não
operacionais;
 Quando há dúvidas sobre a transparência da empresa e a
governança corporativa;
 Quando há dúvidas sobre as práticas contábeis;
 Quando há holdings envolvidas sem clareza nas informações;
 Ambiente Legal e Implicações Fiscais;
 Quando há muitos intangíveis;
 Dúvidas sobre eventos subsequentes;
 Quando há itens fora do balanço patrimonial;
 Taxa de desconto não adequada.
Quanto vale meu carro? Busca por similar
Consulta um especialista
Busca por valores tabelados
Buscamos várias
fontes e métodos
para estabelecer o
real valor do veículo
Métodos Clássicos de Avaliação
1. Valor Patrimonial
A avaliação é feita com base nos dados dos balanços da empresa. É a metodologia
indicada para empresas de grande porte e com grandes valores em seus ativos
2. Análise de Transações Comparáveis (comparação entre empresas) - Múltiplos
A avaliação toma por base a comparação da empresa/transação (compra, venda ou
fusão) objeto com outras que sejam semelhantes em termos de seu “core business”,
market share, tecnologia empregada, desempenho financeiro e porte
3. Fluxo de Caixa Descontado
A avaliação é feita a partir da capacidade de geração de valor (resultados) da empresa
em um período de tempo representativo de suas operações. São levados em conta as
necessidades de investimentos, capital de giro, as dívidas e, principalmente, as metas
estratégicas da empresa
4. Opções Reais
Método do
Valor
Patrimonial
Valor Patrimonial
• É medido pela diferença entre o valor de seus
ativos e o montante de suas obrigações
(passivo)
Avaliação de Ativos
• Valor Histórico
• Valor Histórico Corrigido
• Valor de Realização de Mercado
• Valor de Realizado Líquido
• Valor de Liquidação
• Valor de Reposição
Avaliação de Ativos
Operacionais
 Os ativos utilizados na
operação do negócio,
incluindo capital de giro,
imobilizado equipamentos e
intangíveis
 A valorização de ativos
operacionais é geralmente
refletida no fluxo de caixa
gerado pela empresa
Não Operacionais
 Ativos não utilizados nas
operações, incluindo os saldos
de caixa em excesso, e os
ativos mantidos para fins de
investimento, tais como
terrenos
 Ativos não operacionais são
geralmente avaliados em
separado e adicionado ao
valor das operações
Valor Histórico
• Considera o valor registrado no momento de sua
aquisição ou elaboração
Limitação do Valor Histórico
• Baseado em valores passados e não em expectativas
futuras de resultados
Valor Histórico Corrigido
• Restabelece o poder
aquisitivo dos
desembolsos
verificados no
passado para
determinada data-
base, permitindo uma
avaliação patrimonial
com valores
monetariamente
comparáveis
Valor de Realização de Mercado
• Determina o valor possível dos ativos da empresa
de serem realizados individualmente em
condições normais de transações dentro de um
mercado organizado, ou seja, o preço razoável que
se pode obter na alienação de cada um deles
Limitação do Valor de Realização
• Não leva em consideração a possível sinergia dos
ativos e possui dificuldades naturais de avaliação
Valor Realizado Líquido
• É medido pela diferença entre o valor corrente de venda do
ativo e todos os custos e despesas incrementais previstos
relacionados com a transação de venda e entrega
(comissões, fretes, produção, embalagens, etc.), exceto os
de natureza fiscal
Valor de Liquidação
• Representa o resultado que se obteria de um eventual
encerramento das atividades da empresa, e sujeitos os
ativos aos preços de realização vigentes no mercado
Limitação do Valor de Liquidação
• O custo de liquidação é
estabelecido em
condições desvantajosas
de mercado, valorando
os ativos a preços
reduzidos e abaixo de
seus custo
Valor de Reposição
• Equivale ao preço
corrente de repor
todos os ativos em uso
da empresa, ou seja, o
custo baseado nos
valores de mercado dos
diversos ativos em
avaliação, admitindo-se
que se encontram em
estado de novo
Ativos Tangíveis e Ativos Intangíveis
Até aqui só falamos em ativos tangíveis, mas há
também os intangíveis que devem ser levados
em conta por que afetam a avaliação
Alguns Exemplos de Ativos Intangíveis
Bom Relacionamento com os Clientes
Empregados Motivados
Empregados Bem Treinados
Ponto Comercial Importante
Marca Tradicional
Número de Telefone Bem Conhecido
Etc.
G O O D W I L L
Goodwill
Chama-se Goodwill a diferença entre o
valor pago em uma transação
empresarial (traded value) e o valor
patrimonial (registrado no balanço) da
empresa adquirida
Característica de
Inseparabilidade
Uma das características do Goodwill é a inseparabilidade, ou
seja, não é possível separar o goodwill da empresa, ou mesmo
identifica-lo em uma máquina ou em um imóvel, pois asso, já
deixaria de sê-lo
Característica de
Sinergia
Outra característica do Goodwill é ser gerado a partir da
sinergia dos ativos
O GOODWILL difere dos demais ativos
identificáveis e separáveis que podem
ser transacionados individualmente,
pois tem sua existência vinculada a
existência da empresa, dela não
podendo ser separado e vendido.
Também é Goodwill
Empresa A
Lucros normais e
razoáveis para seu
setor de atividade
Empresa B
Lucros classificados
acima do normal
Paga-se aproximadamente o valor
necessário para monta-la
Paga-se um valor bem acima do
necessário para monta-la
A empresa vale mais que a soma de
seus ativos
Exemplo de Goodwill
• Quando uma empresa tem seu valor de
mercado fixado acima do valor de
reposição de seu patrimônio líquido
Fatores que geram o Goodwill
 Administração superior
 Organização ou gerente de vendas proeminente
 Fraqueza na administração do competidor
 Propaganda eficaz
 Processos secretos de fabricação
 Boas relações com os empregados
 Crédito proeminente como resultado de uma sólida reputação
 Excelente treinamento para os empregados
 Alta posição perante a comunidade, conseguida através de ações filantrópicas e
participação em atividades cívicas por parte dos administradores da empresa
 Desenvolvimento desfavorável nas operações do competidor
 Associações favoráveis com outra empresa
 Localização estratégica
 Descoberta de talentos ou recursos
 Condições favoráveis com relação aos impostos
 Legislação favorável
Método
dos
Múltiplos
Avaliação
Baseada em
Múltiplos
De forma simplificada:
Empresa
A
Empresa
B
Clientes da Empresa A = 3x Clientes da Empresa B
Valor de A = 3x Valor de B
Lucro da Empresa A = 3x Lucro da Empresa B
Valor de A = 3x Valor de B
Tradição da Empresa A = 3x Tradição da Empresa B
Valor de A = 3x Valor de B
ou
ou
Alguns Exemplos de Múltiplos
• Múltiplo de Lucro
• Múltiplo de EBIT
• Múltiplo de EBITDA
• Múltiplo de receita
• Múltiplo de valor contábil
• Múltiplo de patrimônio líquido
• Múltiplos setoriais –Ex. Empresas de internet podem ter
múltiplos por quantidade de acessos, visitas, etc.
Método do
Fluxo de Caixa
Descontado
Modelo de Criação de Valor
• possibilita o conhecimento
e mensuração do
desempenho empresarial
Fluxo de Caixa Descontado
• se baseia no desconto dos
fluxos futuros de caixa
para a obtenção do valor
justo de uma empresa,
partindo da premissa de
que o valor da empresa
deve ser obtido por meio
de sua potencialidade em
gerar caixas futuros
Fluxo de Caixa Descontado
Capta todas as variáveis que impactam na geração de
valor com mais precisão que os outros métodos.
 Efeito dos investimentos passados
Efeito dos investimentos planejados
Peso e efeito das dívidas
Efeito das reservas contingenciais
Fluxo de Caixa Descontado
• Uma empresa é avaliada por sua riqueza econômica
expressa a valor presente, dimensionada pelos benefícios
de caixa esperados no futuro e descontados por uma taxa
de atratividade que reflete o custo de oportunidade dos
vários provedores de capital
Etapas do Cálculo do Fluxo de Caixa Descontado
Analisar desempenho
histórico
Projetar
desempenho
Estimar custo de
capital
Estimar valor da
perpetuidade
Calcular e
interpretar
resultados
• Calcular o lucro
operacional e o
capital investido;
• Desenvolver a
perspectiva
histórica;
• Analisar a saúde
financeira da
empresa.
• Compreender as
estratégias;
• Desenvolver
cenários de
desempenho;
• Projetar rubricas
individuais;
• Checar a
razoabilidade das
previsões.
• Estabelecer pesos
para as fontes de
capital;
• Estimar custo das
dívidas;
• Estimar custo das
ações/cotas.
• Selecionar o
horizonte das
previsões;
• Estimar
parâmetros;
• Trazer a
perpetuidade a
valor presente.
• Calcular e testar
resultados;
• Interpretar os
resultados.
Vantagens do Método do Fluxo de Caixa
Descontado
1. Dispensa a avaliação dos estoques de matéria prima e produtos acabados,
pois os mesmos já se encontram presentes nos históricos e projeções e
vendas e de custos;
2. Na maior parte das vezes também elimina a avaliação técnica de imóveis e
bens do ativo fixo pois seus valores estão implícitos nas rubricas de
investimentos, depreciações e amortizações que compõem os resultados
de caixa livre.
3. A avaliação pode ser desmembrada pelas unidades de negócios das
empresas, facilitando a negociação destes elementos separadamente.
4. É o método que melhor expressa o real valor de uma empresa (o fluxo de
caixa livre para seus proprietários).
Fluxo de Caixa Descontado
𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 =
𝐹𝐶1
(1 + 𝐾)1
+
𝐹𝐶2
(1 + 𝐾)2
+ … +
𝐹𝐶 𝑛
(1 + 𝐾) 𝑛
Onde:
Valor = Valor Presente do Investimento
FCn = Fluxo de Caixa Operacional
K = Taxa de Desconto Associada ao Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa Descontado
Admitindo perpetuidade e valores constantes dos fluxos
de caixa, tem-se:
𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 =
𝐹𝐶𝑖
𝑘
Onde:
Valor = Valor Presente do Investimento
FCi = Fluxo de Caixa Operacional Perpétuo
K = Taxa de Desconto Associada ao Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa Descontado
Considerando, no entanto, que os fluxos de caixa cresçam
todo ano a uma taxa g constante, tem-se:
𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 =
𝐹𝐶1
𝐾 − 𝑔
Onde:
Valor = Valor Presente do Investimento
FC1 = Fluxo de Caixa Operacional no Período 1
K = Taxa de Desconto Associada ao Fluxo de Caixa
g = Taxa de Crescimento do Fluxo Operacional
Modelo de Gordon
Horizonte de Tempo das Projeções
 Reflete a definição do prazo de geração dos fluxos de caixa
esperados
 Como as empresas não possuem data prevista de encerramento
de suas atividades, considera-se uma duração indefinida
Tempo
R$
Período Explícito Período indefinido (Perpetuidade)
Horizonte de Tempo das Projeções
Tempo
R$
Período Explícito Período indefinido (Perpetuidade)
O crescimento da economia e a
concorrência são barreiras
naturais para que uma empresa
mantenha altas taxas de
crescimento por muito tempo
Ao atingir a estabilidade em seus fluxos de caixa se inicia
a segunda parte do horizonte de projeção, cuja avaliação
é conhecida por valor residual e tem duração
indeterminada (perpetuidade)
Método de
Opções Reais
Definição
Uma opção real é o direito — mas não
a obrigação — de alterar o caminho de
um projeto ou negócio ao longo do
tempo
Opções Reais
Utilizamos esta metodologia quando, por exemplo, estamos
avaliando uma empresa e esta tem projetos guardados que,
se forem viabilizados, podem aumentar ou diminuir o valor
da empresa proposto
Na abordagem das opções reais um projeto é visto como um
conjunto de opções reais, que tem como ativo objeto o
valor do projeto
Opções dão flexibilidade ao projeto de investimento
Valor de uma Opção Real
Uma opção real tem valor quando três características, comuns à
maioria das decisões estratégicas e financeiras das empresas,
estão presentes:
 Flexibilidade: capacidade de mudar o caminho da empresa ou negócio ao
longo do tempo
 Incerteza: não é possível prever com exatidão o futuro
 Irreversibilidade: investimentos e desinvestimentos são geralmente
irreversíveis implicando custos elevados
VPL(projeto) = VPL(tradicional) + VPL(flexibilidade)
Flexibilidade na Operação
Flexibilidade de
Valor Moderado
Flexibilidade de
Alto Valor
Flexibilidade de
Baixo Valor
Flexibilidade de
Valor Moderado
Probabilidade de receber nova informação
CapacidadedeReagir
AltaBaixa
Baixa
Alta
Tipo de Opções
As Opções Reais são normalmente classificadas em função do tipo de flexibilidade que criam para a
gestão
• Opção de diferimento: a empresa detém o direito mas não a obrigação de investir imediatamente
• Opção operacional: dependendo da evolução do mercado a empresa tem as opções de:
abandonar, contrair ou expandir a escada de produção
• Opção de mudança de atividade: opção de trocar de atividade sem perder o investimento
realizado. ex.: transformação de uma loja comercial num restaurante, etc.
• Opção de aprendizagem: quando a empresa investe visando aprender mais sobre o negócio. Ex.:
P&D; abrir uma pequeno restaurante ao invés de um grande ate conhecer bem o negócio
• Opções compostas: alguns investimentos abrem portas para novos investimentos em novas
tecnologias. ex.: indústria de telefonia móvel; P&D na indústria farmacêutica
• Opções arco-íris: são opções com múltiplas fontes de incerteza. Ex.: na exploração de petróleo
existem incertezas quanto real capacidade das reservas e o preço do petróleo o mercado (incerteza
técnica & incerteza econômica)
Procure Por ou Crie Opções Futuras
Quanto maior a incerteza inerente a sua decisão, maior o valor da
flexibilidade administrativa e, assim, das opções reais. Pergunte-se:
• Em quais momentos (ou na evolução do projeto) seremos capazes de
alterar o cronograma dos rendimentos, custos e outros resultados?
• Podemos adiar ou acelerar partes do projeto?
• Que ações podemos tomar para capitalizar resultados melhores que
o esperado?
• Como podemos mitigar os efeitos de resultados piores que o
esperado?
• Em outras palavras, tenha planos de reserva em ação antes de se
• meter em problemas
9) Fusões e
Aquisições
Incorporação
• É a operação pela qual uma ou mais
sociedades são absorvidas por outra, que lhes
sucede em todos os direitos e obrigações
Empresa A
Empresa B
Incorporação
Empresa A
Empresa B
Controle
Empresa A incorpora a Empresa B
Incorporação
A marca BANCO REAL desapareceu,
sendo incorporada pelo SANTANDER
Fusão
• É a operação pela qual se unem duas ou mais
sociedades para formar sociedade nova, que
lhes sucederá em todos os direitos e
obrigações
Empresa A
Empresa B
Fusão Empresa C
Empresa A se funde com a Empresa B
Fusão
Cisão
• É a operação pela qual a companhia transfere
parcelas do seu patrimônio para uma ou mais
sociedades
Empresa A
Empresa BCisão
Empresa A
Empresa A faz cisão com a Empresa B
Cisão
Antes
 Geração
 Distribuição
 Controle de Cheias
 Etc.
+
Só a distribuição Todo o resto
Participantes
• Empresa Adquirente
– Empresa que adquire
outra
• Empresa Alvo
– Empresa que é
adquirida
• Empresa Resultante
– Empresa que surge
após uma fusão
Compra / Venda de Empresas
É um processo e não um evento;
Cautela e segurança;
Precisa ser controlado e conduzido;
Precisa ser avaliado e entendido;
Todas as questões devem ser resolvidas antes
do inicio do processo;
Ninguém compra possibilidades,
compra realidade.
Por que se vende uma empresa?
Necessidade de capitalização do negócio;
Envelhecimento das pessoas envolvidas e falta de sucessão;
Perdas econômicas;
Desentendimentos entre sócios;
Planos para empreender outros negócios em outro setor;
Falta de tempo para acompanhar devidamente o negócio;
Mudança de residência;
Problemas familiares;
Problemas de saúde;
Cansaço, aborrecimento, desinteresse pelo negócio;
Por que se compra uma empresa?
• Não começa do zero, rentabilidade em menor tempo;
• Já existem clientes conhecidos e fornecedores testados;
• Ganho de tempo (ponto comercial, documentação);
• Pessoal treinado e capacitado no negócio;
• Maior facilidade de acesso a crédito (histórico de vendas);
• Empreendedor recebe um treinamento a custo praticamente
zero;
• Estabelecimento de uma rede de contatos em curto período;
• Desembolso para pagamento da transação pode sair do
próprio negócio.
Formas de Fusões ou Aquisições
• Fusões ou Aquisições Operacionais
– Objetivam obter economias de escala,
reduções de custo, aumento de receitas,
crescimento dos lucros ou maior
participação no mercado
Formas de Fusões ou Aquisições
• Fusões ou Aquisições Financeiras
– Ocorrem com o objetivo de reestruturar a
companhia adquirida, para melhorar seu fluxo
de caixa. Para isso a adquirente procura
cortar substancialmente os custos e vender
ativos que não agreguem valor
Tipos de
Fusões e
Aquisições
• Horizontais
• Verticais
• Congêneres
• Conglomerado
Fusões e Aquisições Horizontais
• Ocorrem quando uma empresa adquire outra do
mesmo ramo de atividades
Vantagens da
Aquisição Horizontal
• Maior participação de mercado
• Aumento da receita
• Maior poder de barganha junto a fornecedores e clientes
• Possibilidade de melhor promoção de seus produtos
• Melhor acesso aos canais de distribuição
Fusões e Aquisições Verticais
• São aquisições de uma empresa fornecedora
ou cliente
Fusões e Aquisições Verticais
• Aquisição Progressiva
– Adquire outra companhia que compra seus produtos
(Empresa A compra a Empresa B)
• Aquisição Regressiva
– Adquire outra companhia que é fornecedora da adquirente
(Empresa B compra a Empresa A)
Empresa A Empresa B
Fornece
Fusões e Aquisições Congêneres
• São aquisições de uma empresa do mesmo
setor, sem que haja uma relação de
fornecedor ou de cliente
Fusões e Aquisições Conglomerado
• São aquisições de empresas de setores diferentes
daquele da empresa adquirente
BancoSeguradora
Motivos para
Fusões e Aquisições
• Expansão
• Sinergia
• Compra de ativos com preços favoráveis
• Melhoria gerencial e tecnológica
• Aumento da liquidez dos proprietários
• Proteção contra aquisição hostil
Passo a Passo da Aquisição ou Fusão
1. Determinação do Perfil da Empresa-Alvo
2. Pesquisa de Candidatas para a Fusão ou Aquisição
3. Sondagem
4. Determinação do Valor Econômico
5. Negociação entre Comprador e o Vendedor
6. Fechamento do Contrato
Pontos de Atenção
• Sigilo deve ser mantido, informando apenas as pessoas que
realmente são necessárias e importantes;
• Empresa deve ser mantida limpa, organizada e em plena atividade;
• Definir o preço de venda através de critérios técnicos para
sustentação do valor;
• Preparação de um Plano de Negócios para o processo de Venda;
• Definição das Estratégias para a Venda;
• Apontar quem deverá conduzir o processo de Venda;
• Evitar a exposição da Empresa no Mercado.
Desvantagens das Fusões
• Grandes empresas se tornam lentas, burocráticas e
distantes dos clientes
• Muitas fusões resultam mais de ambição do que de
busca de eficiência
• Muitas vezes as fusões tem objetivos predatórios
• Muitas fusões resultam em fracassos quanto aos
objetivos pretendidos
• Diferenças de culturas organizacionais
Desvantagens das Aquisições
• Empresas menores são engolidas por empresas maiores
• Insegurança e conflito dos membros da empresa
adquirida
• Problemas de adaptação dos funcionários antigos às
novas regras, normas e cultura
• Funcionários demitidos ou remanejados
Fracasso nas Fusões
• Falta de planejamento na gestão e integração das pessoas
• Complexidade na união das culturas
• Retenção de talentos
• Estilos e prática gerenciais
Desafios das Fusões
• Integrar cultura organizacional
• Conseguir adesão dos funcionários dos
novos programas
• Conseguir adesão dos executivos no
processo
• Manter a concentração dos
funcionários
• Integrar benefícios
• Integrar culturas sociais
• Reter funcionários chave
Dificuldades Encontradas
• Falta de um Plano de Negócios para o
processo;
• Envolvimento emocional com a negociação;
• Apresentação informal e desencontrada do
negócio;
• Avaliação sem critério técnico;
• Negócio sem viabilidade ou negócio sem
maturação necessária.
Cláusulas Restritivas
• No shop
– impedimento de venda do negócio para terceiros ou período de tempo;
• Não concorrência
– impedir que o vendedor exerça a mesma atividade por um período de tempo;
• Earn out
– pode vincular parte do preço final aos resultados futuros da companhia alvo ou a atribuição
de um papel gerencial aos vendedores na mesma empresa vendida;
• Escrow
– para assegurar a aplicação de penalidades em razão do descumprimento de obrigações ou o
pagamento de indenizações.
Aspectos Contábeis-Tributários
• Due Dilligence
– Processo pelo qual a compradora interpela as
informações fornecidas pela empresa-alvo
sobre seu desempenho financeiro histórico e
atual, condições financeiras, projeções e
outros assuntos operacionais
Auditoria Completa!
Due Dilligence - Básico
Assegure-se de que os representantes da empresa-alvo
estão legalmente autorizados a conduzir as negociações;
Determine se o negócio está sendo conduzido e operado
dentro das normas legais;
Verifique se não há cláusulas restritivas de credores que
possam impedir a transação;
Certifique-se de que os acionistas e seus sucessores
poderão ser responsabilizados por seus atos na
empresa-alvo.
Due Dilligence inclui ainda a verificação
aprofundada dos seguintes itens:
 Assuntos Contábeis e Financeiros
 Assuntos Tributários
 Propriedades Imobiliárias
 Propriedades Mobiliárias
 Seguros
 Propriedades Intelectuais
 Contratos e Compromissos
 Assuntos Ambientais
 Empregados e Planos de Benefícios
 Litígios
Aspectos Culturais
Cultura
da
Empresa
A Cultura
da
Empresa
B
Choque Cultural
• Ocorre quando dois
grupos possuem
opiniões diferentes
sobre:
– o que é realmente
importante,
– o que deve ser
mensurado,
– como tomar as
melhores decisões,
– etc.
Muita Atenção!
A incompatibilidade cultural é a
maior causa isolada da não
concretização do desempenho
projetado, da saída de executivos
chave e de demorados conflitos na
consolidação do negócio
FIM
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questoes contabilidade gerencial
Questoes contabilidade gerencialQuestoes contabilidade gerencial
Questoes contabilidade gerencialsimuladocontabil
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão FinanceiraCadernos PPT
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Adriano Bruni
 
Lista de-exercícios-fluxo-de-caixa
Lista de-exercícios-fluxo-de-caixaLista de-exercícios-fluxo-de-caixa
Lista de-exercícios-fluxo-de-caixaRonaldo Carvalho
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosRafhael Sena
 
Formação de preço
Formação de preçoFormação de preço
Formação de preçoCarlos Rocha
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoEliseu Fortolan
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosDiego Lopes
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giroFEARP/USP
 
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00capitulocontabil
 
Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeEliseu Fortolan
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaWandick Rocha de Aquino
 

Mais procurados (20)

Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
 
Questoes contabilidade gerencial
Questoes contabilidade gerencialQuestoes contabilidade gerencial
Questoes contabilidade gerencial
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
Formação de preços e vendas
Formação de preços e vendasFormação de preços e vendas
Formação de preços e vendas
 
Análise de investimentos
Análise de investimentosAnálise de investimentos
Análise de investimentos
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
 
Lista de-exercícios-fluxo-de-caixa
Lista de-exercícios-fluxo-de-caixaLista de-exercícios-fluxo-de-caixa
Lista de-exercícios-fluxo-de-caixa
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
 
Formação de preço
Formação de preçoFormação de preço
Formação de preço
 
Alavancagem alunos (1)
Alavancagem alunos (1)Alavancagem alunos (1)
Alavancagem alunos (1)
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
 
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
 
Gestão de custos alavancagem
Gestão de custos   alavancagemGestão de custos   alavancagem
Gestão de custos alavancagem
 
Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
 

Semelhante a Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos

Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry KatoAvaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry KatoSustentare Escola de Negócios
 
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressaoVa analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressaoJoyce Pereira
 
Investments & Valuation Class
Investments & Valuation ClassInvestments & Valuation Class
Investments & Valuation ClassRicardo Moraes
 
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfIntrodução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfAntonioCarlosMarques20
 
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14Ricardo Moraes
 
FE 2022_23 - Capítulo 3 - Parte 3.pdf
FE 2022_23 - Capítulo 3 - Parte 3.pdfFE 2022_23 - Capítulo 3 - Parte 3.pdf
FE 2022_23 - Capítulo 3 - Parte 3.pdfAliceSoares89
 
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.pptFinanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.pptAlmirSilveira7
 
Aula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.pptAula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.pptPedro Luis Moraes
 
6 avaliação de investimentos
6   avaliação de investimentos6   avaliação de investimentos
6 avaliação de investimentosJeferson Silva
 
Apostila adm fin gest fin-or
Apostila adm fin gest fin-orApostila adm fin gest fin-or
Apostila adm fin gest fin-orapostilacontabil
 
Apostila adm fin gest fin-or
Apostila adm fin gest fin-orApostila adm fin gest fin-or
Apostila adm fin gest fin-oradmcontabil
 
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoUeliton Carvalho
 
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 379023º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790APEPREM
 

Semelhante a Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos (20)

Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry KatoAvaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
 
Avaliação projetos investimento_Fernando Bueno
Avaliação projetos investimento_Fernando BuenoAvaliação projetos investimento_Fernando Bueno
Avaliação projetos investimento_Fernando Bueno
 
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressaoVa analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
Va analise de_investimentos_aula_01_tema_01_02_impressao
 
Capital De Giro
Capital De GiroCapital De Giro
Capital De Giro
 
Investments & Valuation Class
Investments & Valuation ClassInvestments & Valuation Class
Investments & Valuation Class
 
Empreendedorismo 2015 10 - Plano de Finanças
Empreendedorismo 2015 10 - Plano de FinançasEmpreendedorismo 2015 10 - Plano de Finanças
Empreendedorismo 2015 10 - Plano de Finanças
 
Institucional%20 itaú
Institucional%20 itaúInstitucional%20 itaú
Institucional%20 itaú
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfIntrodução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
 
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
Finanças e Investimentos para Startups - Startup Pirates Foz ´14
 
FE 2022_23 - Capítulo 3 - Parte 3.pdf
FE 2022_23 - Capítulo 3 - Parte 3.pdfFE 2022_23 - Capítulo 3 - Parte 3.pdf
FE 2022_23 - Capítulo 3 - Parte 3.pdf
 
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.pptFinanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
Finanças Corporativas aulas 1 e 2.ppt
 
Avaliação de Intangíveis
Avaliação de IntangíveisAvaliação de Intangíveis
Avaliação de Intangíveis
 
Plano de finanças 2012_01
Plano de finanças 2012_01Plano de finanças 2012_01
Plano de finanças 2012_01
 
Aula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.pptAula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.ppt
 
6 avaliação de investimentos
6   avaliação de investimentos6   avaliação de investimentos
6 avaliação de investimentos
 
Apostila adm fin gest fin-or
Apostila adm fin gest fin-orApostila adm fin gest fin-or
Apostila adm fin gest fin-or
 
Apostila adm fin gest fin-or
Apostila adm fin gest fin-orApostila adm fin gest fin-or
Apostila adm fin gest fin-or
 
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
 
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 379023º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosMilton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemMilton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidosMilton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambienteMilton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeMilton Henrique do Couto Neto
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Milton Henrique do Couto Neto
 
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura OrganizacionalDO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura OrganizacionalMilton Henrique do Couto Neto
 
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do ConhecimentoDO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do ConhecimentoMilton Henrique do Couto Neto
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto (20)

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
 
Politicas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de FinanciamentoPoliticas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de Financiamento
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
 
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura OrganizacionalDO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
 
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do ConhecimentoDO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
 
DO Unidade 2 - Inovação e Intraempreendedorismo
DO Unidade 2 - Inovação e IntraempreendedorismoDO Unidade 2 - Inovação e Intraempreendedorismo
DO Unidade 2 - Inovação e Intraempreendedorismo
 

Último

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdfEMERSON EDUARDO RODRIGUES
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGil Giardelli
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfReinerModro
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxvaniapatriciapimente
 

Último (6)

CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 

Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos

  • 1. Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos Prof. Milton Henrique do Couto Neto miltonhenrique@mhempresarial.com
  • 2. Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos MBA em Controladoria Prof. Milton Henrique do Couto Neto miltonhenrique@mhempresarial.com
  • 3. Quem sou eu? Prof. Milton Henrique do Couto Neto miltonhenrique@mhempresarial.com  Administração, Estácio  Engenharia Mecânica, UFF  MBA em Gestão Empresarial, UVV  MBA em Marketing Empresarial, UVV  Mestrado Acadêmico em Administração, UFES  Pós-MBA em Inteligência Empresarial, FGV http://lattes.cnpq.br/8394911895758599 https://br.linkedin.com/in/miltonhenrique
  • 4. Experiência como Professor Universitário 2011 2004 2011 2006 2007 2009 2017 2017
  • 5. Disciplinas Lecionadas Graduação  Administração de Materiais  Economia da Engenharia  Economia Empresarial  Empreendedorismo  Engenharia de Manutenção e Confiabilidade  Engenharia de Métodos  Fundamentos da Administração  Gestão de Marketing  Gestão de Processos e Empresas  Gestão de Vendas  Gestão Financeira e Orçamentária  Marketing de Relacionamento  Matemática Básica  Matemática Financeira  Novas Abordagens em Administração  Planejamento Estratégico da Produção  Plano de Negócios  Tópicos Especiais em Administração Pós-Graduação  Comportamento do Consumidor  Consultoria de RH  E-commerce e Marketing Digital  Endomarketing e Comunicação Corporativa  Estratégia Competitiva de Preços  Estudo de Viabilidade Econômico Financeira  Formação do Preço de Venda no Varejo  Gestão de Tesouraria  Marketing Competitivo, Criatividade e Inovação  Pesquisa de Marketing  Teoria do Desenvolvimento Organizacional
  • 6. Experiência como Gestor Empresário de diversos setores 1995 2006 2006 2012 2012 2013 2013 20152014 2008 2016
  • 9. Este e outros arquivos estão disponíveis para download no www.slideshare.net/miltonh
  • 10. Roteiro 1. Avaliação de Investimentos 2. Estrutura de Capital 3. Índices de Lucratividade 4. Índices de Valor de Mercado 5. VPL, TIR e Payback 6. Sistema Du Pont 7. Modelos de Insolvência 8. Avaliação de Empresas 9. Fusões e Aquisições
  • 12. Conceito de Investimentos Em linguagem financeira, o termo investimento pode ser definido de forma abrangente como aplicação de dinheiro em títulos, ações, imóveis, maquinários, etc., com o propósito de obter ganho (lucro)
  • 13. Retorno do Investimento Quanto mais longo o investimento, maior o risco Quanto maior o risco, maior deve ser o retorno do investimento Prazo RiscoRetorno Otimizar Retorno Prazo Risco
  • 14. Investimento Financeiro e Operacional Financeiro Operacional É aplicação de dinheiro em ativos de natureza financeira, tais como: CDB, Fundo de Investimento em Renda Fixa, Caderneta de Poupança, Tesouro Direto, etc. É aplicação de dinheiro em ativos que geram receita, tais como: estoques, duplicatas a receber, maquinários e prédios.
  • 16. Investimentos Renda Fixa Renda Variável Pré-fixado Pós-fixado
  • 17. Investimentos Financeiros Renda Fixa • CDB • Fundos DI • Títulos do Tesouro Nacional • Letras de Crédito Imobiliário • Letras de Crédito do Agronegócio • Letra de Câmbio Renda Variável • Abertura de um novo negócio • Investimento em ações • Ouro • Commodities • Derivativos
  • 18. Aplicações Financeiras de Renda Fixa Caderneta de Poupança – Tipo mais popular de investimento – Todos os bancos pagam a mesma taxa de rendimento de TR + 0,5%, mensalmente – O inconveniente é que se for sacado antes de completar o mês, o rendimento do mês incompleto é perdido
  • 19. Aplicações Financeiras de Renda Fixa Certificado de Depósito Bancário (CDB) – Título emitido por instituição financeira, por prazo determinado, com taxa prefixada ou pós-fixada
  • 20. Aplicações Financeiras de Renda Fixa Fundos de Renda Fixa – Fundos de investimento administrado por instituições especializadas mediante a cobrança de uma taxa de administração – As carteiras de ativos dos fundos são compostas por CDBs, títulos da dívida pública, debêntures, etc.
  • 21. Aplicações Financeiras de Renda Fixa Fundos DI – São fundos semelhantes aos fundos de renda fixa que se propõe a remunerar os cotistas de acordo com a variação da taxa do CDI, que são títulos negociados entre instituições financeiras e que acompanham a variação da taxa Selic
  • 22. Aplicações Financeiras de Renda Fixa Títulos da Dívida Pública – São títulos emitidos pelos governos para financiar a dívida pública – Pessoas físicas podem adquirir os títulos do Governo Federal por meio do sistema denominado Tesouro Direto
  • 23. Aplicações Financeiras de Renda Variável Ações – Ações negociadas na Bolsa de Valores são títulos representativos do capital das companhias (S.A.s) de capital aberto – O preço de uma ação oscila ao longo do tempo em função de vários fatores: situação econômica e financeira, rentabilidade, cenários econômicos, etc.
  • 24. Aplicações Financeiras de Renda Variável Ouro – O preço do ouro acompanha a cotação internacional e é negociado em bolsa de valores
  • 25. Aplicações Financeiras de Renda Variável Fundos de Renda Variável – Similar aos Fundos de Renda Fixa, a diferença é que neste fundo o capital é investido em ativos de renda variável – Fundos de ações, fundos cambiais, fundos multimercado, etc.
  • 26. Sugestão: Regra dos 100 Idade Renda Fixa Renda Variável % Investimento 70% 30% 30 anos 70 anos Com 30 anos Com 70 anos  30% Renda Fixa  70% Renda Variável  70% Renda Fixa  30% Renda Variável Mais arriscado! Mais conservador!
  • 27. Avaliação de Projetos de Investimento Estimativa de Fluxos de Caixa Futuros Estimativa do Custo de Financiamento ou Taxa de Mínima Atratividade
  • 28. Projeção de Fluxos de Caixa Tempo Investimento Inicial Fluxos de Caixa Incrementais TMA
  • 29. Fluxo de Caixa Disponível da Empresa (FCDE) Receita Operacional Bruta - Deduções e Impostos = Receita Operacional Líquida - Custos e despesas operacionais (exceto depreciação e amortização) = EBITDA Lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização - Depreciação = EBIT Lucro antes dos juros e dos impostos (Lucro Operacional Bruto) - Imposto de Renda sobre o EBIT = NOPAT Lucro Operacional Líquido do Imposto de Renda + Depreciação = FCO Fluxo de Caixa Operacional - CAPEX Gastos de Capital - Variações nas necessidades de capital de giro = FCDE Fluxo de Caixa Disponível da Empresa
  • 30. EBITDA e EBIT EBITDA EBIT  Earning Before Interest, Taxes, Depreciation/Depletion and Amortization  É o lucro antes dos juros, imposto de renda, depreciação, amortização e exaustão  É a receita operacional de vendas menos os custos e as despesas, sem considerar as despesas não reembolsáveis como depreciação, amortização e exaustão  Earning Before Interest and Taxes  É o lucro antes dos juros e do imposto de renda e após as despesas de depreciação  EBIT = EBITDA - Depreciação
  • 31. NOPAT – Lucro Operacional Líquido do IR NOPAT  Net Operating Profit After Taxes  NOPAT = EBIT – Imposto de Renda
  • 32. CAPEX - Gastos de Capital CAPEX  Capital Expenditures  As variações nos gastos de capital representam todos os acréscimos necessários de investimentos em ativos fixos previstos no horizonte de tempo  Em períodos de forte crescimento ou de implantação de novos projetos de investimentos na empresa, o fluxo de gastos de capital costuma ser elevado, reduzindo-se em anos de maior estabilidade
  • 33. Variações nas Necessidades de Capital de Giro  Outros acréscimos de investimento são as necessidades incrementais de capital de giro  Aumentos na necessidade de capital de giro reduzem o caixa e, em consequência, os fluxos de caixa previstos  Reduções no giro, ao contrário, liberam recursos financeiros, elevando os fluxos de caixa
  • 35. Taxa de Mínima Atratividade (TMA) Deve representar uma média ponderada dos custos dos capitais investidos na empresa, seja capital oriundo dos sócios ou oriundo de terceiros
  • 36. Custo do Capital de Terceiros Capital Próprio 50% Capital de Terceiros Balanço Patrimonial Ativos 400,00 400,00 Dívidas (20%a.a.) - 200,00 PL 400,00 200,00 Passivos 400,00 400,00 Demonstração de Resultados LAJIR 100,00 100,00 (-) Juros - (40,00) LAIR 100,00 60,00 (-) IR (30%) (30,00) (18,00) LL 70,00 42,00 Benefício fiscal associado às despesas financeiras
  • 37. Custo do Capital de Terceiros Capital Próprio 50% Capital de Terceiros Balanço Patrimonial Ativos 400,00 400,00 Dívidas (20%a.a.) - 200,00 PL 400,00 200,00 Passivos 400,00 400,00 Demonstração de Resultados LAJIR 100,00 100,00 (-) Juros - (40,00) LAIR 100,00 60,00 (-) IR (30%) (30,00) (18,00) LL 70,00 42,00 𝐾 𝑑 = 𝐾𝑎 . (1 − 𝐼𝑅%) Kd = Custo Efetivo da Dívida Ka = Custo Aparente da Dívida IR = Alíquota do Imposto de Renda 𝐾 𝑑 = 𝐾 𝑎 . (1 − 𝐼𝑅%) 𝐾 𝑑 = 20% . (1 − 20%) 𝐾 𝑑 = 16%
  • 38. Custo do Capital Próprio Modelo de Crescimento Constante de Gordon e Shapiro – Premissas: Os dividendos por ação crescem a uma taxa constante g por período As taxas Ks (custo do capital próprio) e g são constantes e Ks>g 𝑃0 = 𝐷1 𝐾𝑠 − 𝑔 𝐾𝑠 = 𝐷1 𝑃0 + 𝑔 P0 = Preço da ação no ano zero D1 = dividendo pago pela ação no ano 1 Ks = Custo do capital próprio g = taxa de crescimento dos dividendos Arrumando... Fórmula de Gordon-Shapiro
  • 39. Custo do Capital Próprio Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (CAPM) 𝐸 𝑅𝑖 = 𝑅𝑓 + 𝛽 [ 𝐸 𝑅 𝑚 − 𝑅𝑓] E(Ri) = Retorno esperado do ativo i Rf = Taxa livre de risco β = Beta, nível de risco sistemático E(Rm) = Retorno esperado do mercado
  • 40. Custo do Capital Próprio Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (CAPM) 𝐸 𝑅𝑖 = 𝑅𝑓 + 𝛽 [ 𝐸 𝑅 𝑚 − 𝑅𝑓] Prêmio pelo risco de mercado Prêmio de risco do ativo
  • 41. Beta (β) Excesso de retorno do ativo Excesso de retorno do mercado β = 1 (Mercado) β < 1 (Conservadora) β > 1 (Agressiva)
  • 42. WACC - Custo Médio Ponderado de Capital EXEMPLO: Calcule o WACC considerando que a Cia. Valor pegou um empréstimo equivalente a 30% de seu capital a 15% e que a empresa se encontra operando numa alíquota de 34% de IR. Considere ainda que o Custo do Capital Próprio é de 16,4%. 𝐾𝑖 = 𝐷í𝑣𝑖𝑑𝑎 𝑥 (1 − 𝐼𝑅) 𝐾𝑖 = 15% 𝑥 (1 − 0,34) 𝐾𝑖 = 9,9% 𝐾𝑖 = Custo do Capital de Terceiros Líquido do IR 𝐾𝑒 = Custo do Capital Próprio 𝐾𝑒 = 16,4% Contribuição do Ki = 30% x 9,9% = 2,97% Contribuição do Ke = 70% x 16,4% = 11,48% WACC = 2,97% + 11,48% = 14,45%
  • 44. Margem Líquida • Mede o quanto se lucra em R$ 1,00 de venda 𝑀𝑎𝑟𝑔𝑒𝑚 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑎 = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠
  • 45. ROI - Retorno Sobre o Investimento O ROI apresenta a rentabilidade da operação 𝑅𝑂𝐼 = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙 Vantagens Desvantagens  Extremamente simples  Transmite, de forma fácil, o desempenho empresarial  Utilizado como taxa máxima do custo do capital suportado pela empresa  Enfatiza desempenho de curto prazo e não um horizonte temporal maior  Não considera o fluxo de caixa e o custo de capital, sendo uma medida incompleta de performance
  • 46. ROE – Retorno Sobre o Patrimônio Líquido É uma porcentagem usada para medir o quão eficiente uma empresa é para a capacidade de geração de lucros É um indicador de eficiência de gestão, pois acaba mostrando se a empresa está “aplicando bem” o dinheiro dos acionistas para os seus devidos fins 𝑅𝑂𝐸 = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 𝑃𝑎𝑡𝑟𝑖𝑚ô𝑛𝑖𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 Apenas Capital Próprio
  • 47. ROA – Retorno Operacional sobre Ativos Pode ser entendido como o lucro gerado pelos ativos O lucro operacional não depende da forma pela qual a empresa é financiada, pois vem antes das despesas financeiras 𝑅𝑂𝐴 = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝑂𝑝𝑒𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙 𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙
  • 48. ROIC – Retorno Sobre Capital Investido  Apresenta, em termos percentuais, quanto dinheiro a organização tem capacidade de gerar com o capital investido  Mede o retorno sobre o capital investido, independente de ser capital próprio ou de terceiros 𝑅𝑂𝐼𝐶 = 𝑁𝑂𝑃𝐴𝑇 𝐶𝑎𝑝𝑖𝑡𝑎𝑙 𝐼𝑛𝑣𝑒𝑠𝑡𝑖𝑑𝑜 NOPAT = Lucro Líquido Operacional menos os impostos ajustados
  • 49. EVA – Valor Econômico Agregado  Patenteado pela Consultoria Stern Stewart & Company  Considera o custo de oportunidade do capital próprio  A empresa só gera riqueza para seus acionistas se os lucros forem superiores ao custo de todo o capital utilizado em suas operações EVA = Lucro Líquido – Custo de Oportunidade do Capital Próprio
  • 50. MVA – Valor Adicional de Mercado É a diferença entre o valor de mercado de uma determinada empresa e o seu patrimônio líquido É a soma de todos os valores presentes dos EVAs futuros MVA ≥ 0 MVA < 0 Projeto Viável Projeto Inviável
  • 51. 4) Índices de Valor de Mercado
  • 52. LPA - Lucro por Ação • Corresponde ao lucro do período dividido pelo número de ações. Refere-se ao lucro que pode ser destinado aos acionistas 𝐿𝑃𝐴 = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 𝐴çõ𝑒𝑠 𝑒𝑚 𝐶𝑖𝑟𝑐𝑢𝑙𝑎çã𝑜
  • 53. Índice Preço / Lucro • Mede o quanto os investidores estão dispostos a pagar por R$ 1,00 de lucro corrente Í𝑛𝑑𝑖𝑐𝑒 𝑃 𝐿 = 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑝𝑜𝑟 𝑎çã𝑜 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝑝𝑜𝑟 𝑎çã𝑜 • Proposição 1: Tudo mais constante, empresas de crescimento esperado alto terão P/L maior do que empresas de crescimento esperado baixo. • Proposição 2: Tudo o mais constante, empresas mais arriscadas terão menor P/L do que empresas menos arriscadas. • Proposição 3: Tudo o mais constante, empresas com taxa de reinvestimento baixa terão P/L maior do que empresas com taxa de reinvestimento maior.
  • 54. Índice Preço / Vendas • Este índice mostra a relação entre a capitalização da empresa e o valor da receita líquida de vendas Í𝑛𝑑𝑖𝑐𝑒 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 = 𝑃𝑟𝑒ç𝑜 𝑝𝑜𝑟 𝐴çã𝑜 𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝑝𝑜𝑟 𝐴çã𝑜
  • 55. 5) VPL, TIR e Payback
  • 56. Payback O método de avaliação do Payback informa o prazo necessário para o retorno do investimento. Esse método deve ser utilizado quando avaliamos projetos que não possuem muita representatividade no patrimônio total. Isso se deve ao fato de que o Payback possui alguns problemas: • Desconsidera os fluxos de caixa posteriores ao retorno do investimento • Desconsidera o valor do dinheiro no tempo • Arbitrariedade da gerência Necessidade de escolher o investimento que dê retorno mais rápido, mas que não dá o melhor retorno
  • 57. Payback • É o prazo de recuperação do investimento, isto é, o prazo no qual o FC acumulado é igual a zero. payback tempo
  • 58. Payback Descontado • Irá medir o prazo de retorno de um investimento. No entanto, passará a considerar o valor do dinheiro no tempo, mas continuará a ter os outros dois problemas existentes no Payback
  • 59. VPL - Valor Presente Líquido O valor presente líquido é a forma mais usual de se avaliar um investimento. Enquanto no Payback Descontado vamos trazendo a valor presente todos os fluxos de caixa até o momento da inversão de sinal, no valor presente líquido devemos levar todos os fluxos de caixa para a data zero e efetuar o somatório. Utilizamos sinal positivo para os valores recebidos e negativo para os valores aplicados.
  • 60. VPL – Valor Presente Líquido Tempo Investimento Inicial Fluxos de Caixa Incrementais
  • 61. VPL – Valor Presente Líquido • Traduzindo a fórmula: O Valor Presente Líquido de um projeto será a soma do valor presente de todos os fluxos de caixa do projeto, desde a data zero (investimento) até o final do projeto; • Caso o VPL seja um número positivo, isso significa que o valor presente dos valores aplicados foi inferior ao valor presente dos valores recebidos e, portanto, o investidor estaria ficando “mais rico” a dinheiro de hoje do que se estivesse deixando de aplicar naquele projeto; • Por outro lado, se o VPL for um número negativo, isso significa que o valor presente dos valores aplicados foi superior ao valor presente dos valores recebidos e, portanto, o investidor estaria ficando “mais pobre” a dinheiro de hoje do que se estivesse deixando de aplicar naquele projeto.
  • 62. TIR – Taxa Interna de Retorno • É a taxa de juros que “zera” o Valor Presente Líquido – VPL de um projeto qualquer
  • 63. TIR – Taxa Interna de Retorno
  • 64. Problemas com a TIR  a de existir mais de uma TIR ou mesmo não existir nenhuma TIR  a de se supor que os fluxos de caixa são reinvestidos à própria TIR  a de se supor que os investimentos (fluxos de caixa negativos) são financiados a uma taxa igual à TIR  necessidade de se trabalhar com investimento incremental quando se tem projetos mutuamente excludentes, entre outros problemas
  • 65. TIRM – Taxa Interna de Retorno Modificada Tempo Leva os desembolsos para o valor presente Leva os recebimentos para o valor futuro VP VF i = TIRM
  • 67. Sistema Du Pont • É uma decomposição do ROE e do ROA, que deixa a fórmula do ROE em função de: – Eficiência operacional (medida pela margem de lucro) – Eficiência no uso dos ativos (medida pelo giro do ativo total) – Alavancagem financeira (medida pelo multiplicador do patrimônio líquido)
  • 68. Sistema Du Pont 𝑅𝑂𝐸 = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝑥 𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑥 𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑃𝑎𝑡𝑟𝑖𝑚ô𝑛𝑖𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 ROE = Margem de Lucro x Giro do Ativo Total x Multiplicador do Patrimônio Líquido Retorno sobre o Ativo
  • 70. Insolvência O estado de insolvência de cada empresa pode ser definido como a incapacidade para pagar as suas obrigações financeiras na data de seu vencimento, bem como quando seus ativos forem inferiores ao valor dos seus passivos SOLVENTE INSOLVENTE Tem condições de pagar as contas Nãotem condições de pagar as contas
  • 77. Motivos para Avaliação • Entrada de um novo sócio • Fusão de duas empresas • Dissolução de empresa concordatária • Abertura de capital • Etc.
  • 78. Objetivo • alcançar o valor justo de mercado, ou seja, aquele que representa, de modo equilibrado, a potencialidade econômica de determinada companhia
  • 79. Dificuldade - Subjetividade • A dificuldade dá-se, principalmente, pelo fato do valor percebido de uma empresa para um indivíduo não necessariamente ser o mesmo para outro.
  • 80. Conclusão: Não existe um valor único e exato As previsões são cheias de incertezas Incerteza na Estimativa Incerteza da Empresa Incerteza Macroeconômica Erro ao converter os dados brutos em inputs para o modelo Erros sobre como será o caminho da empresa no futuro Mudanças no ambiente macroeconômico
  • 81. Fatores que Alteram o Valor das Empresas Economia Global Políticas do Governo Federal Competição na Indústria Macroeconomia
  • 82. Quanto vale? Depende do objeto Depende de quem avalia Depende do momento
  • 83. • Contabilidade • Economia • Finanças • Direito • Marketing • Estratégia Empresarial • Psicologia Combinação entre várias disciplinas
  • 84. Valor de Negociação e Valor Justo Valor de Negociação  O valor máximo que um comprador estaria disposto a pagar e, ao mesmo tempo, o valor mínimo pelo qual o vendedor aceitaria realizar a venda Valor Justo (fair value)  É calculado pelos resultados futuros de caixa esperados da empresa, trazidos a valor presente por uma taxa de desconto que reflete o risco do negócio + Objetivo+ Subjetivo
  • 85. Princípio Básico do Valuation Um ativo vale pelo fluxo de caixa líquido que se espera que ele entregue ao seu proprietário ao longo do tempo, no futuro
  • 86. O real valor de um ativo • O valor de um ativo é função da sua capacidade futura de gerar riqueza, e não: – de seus resultados acumulados em exercícios anteriores – do custo de seus ativos
  • 87. Informações Indispensáveis para Avaliação  Objeto Social  Quadro Administrativo  Quadro Funcional  Carteira de Clientes  Carteira de Fornecedores  Participação de Mercado  Situação Financeira  Dívidas Contingenciais  Ativos Intangíveis  Patentes  Contratos  Litígios Judiciais  Passivos Trabalhistas  Etc.
  • 88. Fontes de Informações • A empresa • O setor • O mercado
  • 89. Fatores Chaves para Uma Boa Avaliação Utilize modelos simples; Siga os princípios econômicos; Minimize os viéses no processo de avaliação; Analise o ciclo do negócio; Se possível, faça a análise por vários métodos; Justifique o modelo de negócio e as premissas chaves; Comprove as informações; As avaliações são suscetíveis a julgamentos quando apenas baseadas em julgamentos profissionais sem a utilização de métodos quantitativos adequados.
  • 90. Onde as coisas podem dar errado  Quando há dinheiro em excesso e muitos ativos não operacionais;  Quando há dúvidas sobre a transparência da empresa e a governança corporativa;  Quando há dúvidas sobre as práticas contábeis;  Quando há holdings envolvidas sem clareza nas informações;  Ambiente Legal e Implicações Fiscais;  Quando há muitos intangíveis;  Dúvidas sobre eventos subsequentes;  Quando há itens fora do balanço patrimonial;  Taxa de desconto não adequada.
  • 91. Quanto vale meu carro? Busca por similar Consulta um especialista Busca por valores tabelados Buscamos várias fontes e métodos para estabelecer o real valor do veículo
  • 92. Métodos Clássicos de Avaliação 1. Valor Patrimonial A avaliação é feita com base nos dados dos balanços da empresa. É a metodologia indicada para empresas de grande porte e com grandes valores em seus ativos 2. Análise de Transações Comparáveis (comparação entre empresas) - Múltiplos A avaliação toma por base a comparação da empresa/transação (compra, venda ou fusão) objeto com outras que sejam semelhantes em termos de seu “core business”, market share, tecnologia empregada, desempenho financeiro e porte 3. Fluxo de Caixa Descontado A avaliação é feita a partir da capacidade de geração de valor (resultados) da empresa em um período de tempo representativo de suas operações. São levados em conta as necessidades de investimentos, capital de giro, as dívidas e, principalmente, as metas estratégicas da empresa 4. Opções Reais
  • 94. Valor Patrimonial • É medido pela diferença entre o valor de seus ativos e o montante de suas obrigações (passivo)
  • 95. Avaliação de Ativos • Valor Histórico • Valor Histórico Corrigido • Valor de Realização de Mercado • Valor de Realizado Líquido • Valor de Liquidação • Valor de Reposição
  • 96. Avaliação de Ativos Operacionais  Os ativos utilizados na operação do negócio, incluindo capital de giro, imobilizado equipamentos e intangíveis  A valorização de ativos operacionais é geralmente refletida no fluxo de caixa gerado pela empresa Não Operacionais  Ativos não utilizados nas operações, incluindo os saldos de caixa em excesso, e os ativos mantidos para fins de investimento, tais como terrenos  Ativos não operacionais são geralmente avaliados em separado e adicionado ao valor das operações
  • 97. Valor Histórico • Considera o valor registrado no momento de sua aquisição ou elaboração
  • 98. Limitação do Valor Histórico • Baseado em valores passados e não em expectativas futuras de resultados
  • 99. Valor Histórico Corrigido • Restabelece o poder aquisitivo dos desembolsos verificados no passado para determinada data- base, permitindo uma avaliação patrimonial com valores monetariamente comparáveis
  • 100. Valor de Realização de Mercado • Determina o valor possível dos ativos da empresa de serem realizados individualmente em condições normais de transações dentro de um mercado organizado, ou seja, o preço razoável que se pode obter na alienação de cada um deles
  • 101. Limitação do Valor de Realização • Não leva em consideração a possível sinergia dos ativos e possui dificuldades naturais de avaliação
  • 102. Valor Realizado Líquido • É medido pela diferença entre o valor corrente de venda do ativo e todos os custos e despesas incrementais previstos relacionados com a transação de venda e entrega (comissões, fretes, produção, embalagens, etc.), exceto os de natureza fiscal
  • 103. Valor de Liquidação • Representa o resultado que se obteria de um eventual encerramento das atividades da empresa, e sujeitos os ativos aos preços de realização vigentes no mercado
  • 104. Limitação do Valor de Liquidação • O custo de liquidação é estabelecido em condições desvantajosas de mercado, valorando os ativos a preços reduzidos e abaixo de seus custo
  • 105. Valor de Reposição • Equivale ao preço corrente de repor todos os ativos em uso da empresa, ou seja, o custo baseado nos valores de mercado dos diversos ativos em avaliação, admitindo-se que se encontram em estado de novo
  • 106. Ativos Tangíveis e Ativos Intangíveis Até aqui só falamos em ativos tangíveis, mas há também os intangíveis que devem ser levados em conta por que afetam a avaliação
  • 107. Alguns Exemplos de Ativos Intangíveis Bom Relacionamento com os Clientes Empregados Motivados Empregados Bem Treinados Ponto Comercial Importante Marca Tradicional Número de Telefone Bem Conhecido Etc. G O O D W I L L
  • 108. Goodwill Chama-se Goodwill a diferença entre o valor pago em uma transação empresarial (traded value) e o valor patrimonial (registrado no balanço) da empresa adquirida
  • 109. Característica de Inseparabilidade Uma das características do Goodwill é a inseparabilidade, ou seja, não é possível separar o goodwill da empresa, ou mesmo identifica-lo em uma máquina ou em um imóvel, pois asso, já deixaria de sê-lo
  • 110. Característica de Sinergia Outra característica do Goodwill é ser gerado a partir da sinergia dos ativos
  • 111. O GOODWILL difere dos demais ativos identificáveis e separáveis que podem ser transacionados individualmente, pois tem sua existência vinculada a existência da empresa, dela não podendo ser separado e vendido.
  • 112. Também é Goodwill Empresa A Lucros normais e razoáveis para seu setor de atividade Empresa B Lucros classificados acima do normal Paga-se aproximadamente o valor necessário para monta-la Paga-se um valor bem acima do necessário para monta-la A empresa vale mais que a soma de seus ativos
  • 113. Exemplo de Goodwill • Quando uma empresa tem seu valor de mercado fixado acima do valor de reposição de seu patrimônio líquido
  • 114. Fatores que geram o Goodwill  Administração superior  Organização ou gerente de vendas proeminente  Fraqueza na administração do competidor  Propaganda eficaz  Processos secretos de fabricação  Boas relações com os empregados  Crédito proeminente como resultado de uma sólida reputação  Excelente treinamento para os empregados  Alta posição perante a comunidade, conseguida através de ações filantrópicas e participação em atividades cívicas por parte dos administradores da empresa  Desenvolvimento desfavorável nas operações do competidor  Associações favoráveis com outra empresa  Localização estratégica  Descoberta de talentos ou recursos  Condições favoráveis com relação aos impostos  Legislação favorável
  • 116. Avaliação Baseada em Múltiplos De forma simplificada: Empresa A Empresa B Clientes da Empresa A = 3x Clientes da Empresa B Valor de A = 3x Valor de B Lucro da Empresa A = 3x Lucro da Empresa B Valor de A = 3x Valor de B Tradição da Empresa A = 3x Tradição da Empresa B Valor de A = 3x Valor de B ou ou
  • 117. Alguns Exemplos de Múltiplos • Múltiplo de Lucro • Múltiplo de EBIT • Múltiplo de EBITDA • Múltiplo de receita • Múltiplo de valor contábil • Múltiplo de patrimônio líquido • Múltiplos setoriais –Ex. Empresas de internet podem ter múltiplos por quantidade de acessos, visitas, etc.
  • 118. Método do Fluxo de Caixa Descontado
  • 119. Modelo de Criação de Valor • possibilita o conhecimento e mensuração do desempenho empresarial
  • 120. Fluxo de Caixa Descontado • se baseia no desconto dos fluxos futuros de caixa para a obtenção do valor justo de uma empresa, partindo da premissa de que o valor da empresa deve ser obtido por meio de sua potencialidade em gerar caixas futuros
  • 121. Fluxo de Caixa Descontado Capta todas as variáveis que impactam na geração de valor com mais precisão que os outros métodos.  Efeito dos investimentos passados Efeito dos investimentos planejados Peso e efeito das dívidas Efeito das reservas contingenciais
  • 122. Fluxo de Caixa Descontado • Uma empresa é avaliada por sua riqueza econômica expressa a valor presente, dimensionada pelos benefícios de caixa esperados no futuro e descontados por uma taxa de atratividade que reflete o custo de oportunidade dos vários provedores de capital
  • 123. Etapas do Cálculo do Fluxo de Caixa Descontado Analisar desempenho histórico Projetar desempenho Estimar custo de capital Estimar valor da perpetuidade Calcular e interpretar resultados • Calcular o lucro operacional e o capital investido; • Desenvolver a perspectiva histórica; • Analisar a saúde financeira da empresa. • Compreender as estratégias; • Desenvolver cenários de desempenho; • Projetar rubricas individuais; • Checar a razoabilidade das previsões. • Estabelecer pesos para as fontes de capital; • Estimar custo das dívidas; • Estimar custo das ações/cotas. • Selecionar o horizonte das previsões; • Estimar parâmetros; • Trazer a perpetuidade a valor presente. • Calcular e testar resultados; • Interpretar os resultados.
  • 124. Vantagens do Método do Fluxo de Caixa Descontado 1. Dispensa a avaliação dos estoques de matéria prima e produtos acabados, pois os mesmos já se encontram presentes nos históricos e projeções e vendas e de custos; 2. Na maior parte das vezes também elimina a avaliação técnica de imóveis e bens do ativo fixo pois seus valores estão implícitos nas rubricas de investimentos, depreciações e amortizações que compõem os resultados de caixa livre. 3. A avaliação pode ser desmembrada pelas unidades de negócios das empresas, facilitando a negociação destes elementos separadamente. 4. É o método que melhor expressa o real valor de uma empresa (o fluxo de caixa livre para seus proprietários).
  • 125. Fluxo de Caixa Descontado 𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 = 𝐹𝐶1 (1 + 𝐾)1 + 𝐹𝐶2 (1 + 𝐾)2 + … + 𝐹𝐶 𝑛 (1 + 𝐾) 𝑛 Onde: Valor = Valor Presente do Investimento FCn = Fluxo de Caixa Operacional K = Taxa de Desconto Associada ao Fluxo de Caixa
  • 126. Fluxo de Caixa Descontado Admitindo perpetuidade e valores constantes dos fluxos de caixa, tem-se: 𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 = 𝐹𝐶𝑖 𝑘 Onde: Valor = Valor Presente do Investimento FCi = Fluxo de Caixa Operacional Perpétuo K = Taxa de Desconto Associada ao Fluxo de Caixa
  • 127. Fluxo de Caixa Descontado Considerando, no entanto, que os fluxos de caixa cresçam todo ano a uma taxa g constante, tem-se: 𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟 = 𝐹𝐶1 𝐾 − 𝑔 Onde: Valor = Valor Presente do Investimento FC1 = Fluxo de Caixa Operacional no Período 1 K = Taxa de Desconto Associada ao Fluxo de Caixa g = Taxa de Crescimento do Fluxo Operacional Modelo de Gordon
  • 128. Horizonte de Tempo das Projeções  Reflete a definição do prazo de geração dos fluxos de caixa esperados  Como as empresas não possuem data prevista de encerramento de suas atividades, considera-se uma duração indefinida Tempo R$ Período Explícito Período indefinido (Perpetuidade)
  • 129. Horizonte de Tempo das Projeções Tempo R$ Período Explícito Período indefinido (Perpetuidade) O crescimento da economia e a concorrência são barreiras naturais para que uma empresa mantenha altas taxas de crescimento por muito tempo Ao atingir a estabilidade em seus fluxos de caixa se inicia a segunda parte do horizonte de projeção, cuja avaliação é conhecida por valor residual e tem duração indeterminada (perpetuidade)
  • 131. Definição Uma opção real é o direito — mas não a obrigação — de alterar o caminho de um projeto ou negócio ao longo do tempo
  • 132. Opções Reais Utilizamos esta metodologia quando, por exemplo, estamos avaliando uma empresa e esta tem projetos guardados que, se forem viabilizados, podem aumentar ou diminuir o valor da empresa proposto Na abordagem das opções reais um projeto é visto como um conjunto de opções reais, que tem como ativo objeto o valor do projeto Opções dão flexibilidade ao projeto de investimento
  • 133. Valor de uma Opção Real Uma opção real tem valor quando três características, comuns à maioria das decisões estratégicas e financeiras das empresas, estão presentes:  Flexibilidade: capacidade de mudar o caminho da empresa ou negócio ao longo do tempo  Incerteza: não é possível prever com exatidão o futuro  Irreversibilidade: investimentos e desinvestimentos são geralmente irreversíveis implicando custos elevados VPL(projeto) = VPL(tradicional) + VPL(flexibilidade)
  • 134. Flexibilidade na Operação Flexibilidade de Valor Moderado Flexibilidade de Alto Valor Flexibilidade de Baixo Valor Flexibilidade de Valor Moderado Probabilidade de receber nova informação CapacidadedeReagir AltaBaixa Baixa Alta
  • 135. Tipo de Opções As Opções Reais são normalmente classificadas em função do tipo de flexibilidade que criam para a gestão • Opção de diferimento: a empresa detém o direito mas não a obrigação de investir imediatamente • Opção operacional: dependendo da evolução do mercado a empresa tem as opções de: abandonar, contrair ou expandir a escada de produção • Opção de mudança de atividade: opção de trocar de atividade sem perder o investimento realizado. ex.: transformação de uma loja comercial num restaurante, etc. • Opção de aprendizagem: quando a empresa investe visando aprender mais sobre o negócio. Ex.: P&D; abrir uma pequeno restaurante ao invés de um grande ate conhecer bem o negócio • Opções compostas: alguns investimentos abrem portas para novos investimentos em novas tecnologias. ex.: indústria de telefonia móvel; P&D na indústria farmacêutica • Opções arco-íris: são opções com múltiplas fontes de incerteza. Ex.: na exploração de petróleo existem incertezas quanto real capacidade das reservas e o preço do petróleo o mercado (incerteza técnica & incerteza econômica)
  • 136. Procure Por ou Crie Opções Futuras Quanto maior a incerteza inerente a sua decisão, maior o valor da flexibilidade administrativa e, assim, das opções reais. Pergunte-se: • Em quais momentos (ou na evolução do projeto) seremos capazes de alterar o cronograma dos rendimentos, custos e outros resultados? • Podemos adiar ou acelerar partes do projeto? • Que ações podemos tomar para capitalizar resultados melhores que o esperado? • Como podemos mitigar os efeitos de resultados piores que o esperado? • Em outras palavras, tenha planos de reserva em ação antes de se • meter em problemas
  • 138. Incorporação • É a operação pela qual uma ou mais sociedades são absorvidas por outra, que lhes sucede em todos os direitos e obrigações Empresa A Empresa B Incorporação Empresa A Empresa B Controle Empresa A incorpora a Empresa B
  • 139. Incorporação A marca BANCO REAL desapareceu, sendo incorporada pelo SANTANDER
  • 140. Fusão • É a operação pela qual se unem duas ou mais sociedades para formar sociedade nova, que lhes sucederá em todos os direitos e obrigações Empresa A Empresa B Fusão Empresa C Empresa A se funde com a Empresa B
  • 141. Fusão
  • 142. Cisão • É a operação pela qual a companhia transfere parcelas do seu patrimônio para uma ou mais sociedades Empresa A Empresa BCisão Empresa A Empresa A faz cisão com a Empresa B
  • 143. Cisão Antes  Geração  Distribuição  Controle de Cheias  Etc. + Só a distribuição Todo o resto
  • 144. Participantes • Empresa Adquirente – Empresa que adquire outra • Empresa Alvo – Empresa que é adquirida • Empresa Resultante – Empresa que surge após uma fusão
  • 145. Compra / Venda de Empresas É um processo e não um evento; Cautela e segurança; Precisa ser controlado e conduzido; Precisa ser avaliado e entendido; Todas as questões devem ser resolvidas antes do inicio do processo; Ninguém compra possibilidades, compra realidade.
  • 146. Por que se vende uma empresa? Necessidade de capitalização do negócio; Envelhecimento das pessoas envolvidas e falta de sucessão; Perdas econômicas; Desentendimentos entre sócios; Planos para empreender outros negócios em outro setor; Falta de tempo para acompanhar devidamente o negócio; Mudança de residência; Problemas familiares; Problemas de saúde; Cansaço, aborrecimento, desinteresse pelo negócio;
  • 147. Por que se compra uma empresa? • Não começa do zero, rentabilidade em menor tempo; • Já existem clientes conhecidos e fornecedores testados; • Ganho de tempo (ponto comercial, documentação); • Pessoal treinado e capacitado no negócio; • Maior facilidade de acesso a crédito (histórico de vendas); • Empreendedor recebe um treinamento a custo praticamente zero; • Estabelecimento de uma rede de contatos em curto período; • Desembolso para pagamento da transação pode sair do próprio negócio.
  • 148. Formas de Fusões ou Aquisições • Fusões ou Aquisições Operacionais – Objetivam obter economias de escala, reduções de custo, aumento de receitas, crescimento dos lucros ou maior participação no mercado
  • 149. Formas de Fusões ou Aquisições • Fusões ou Aquisições Financeiras – Ocorrem com o objetivo de reestruturar a companhia adquirida, para melhorar seu fluxo de caixa. Para isso a adquirente procura cortar substancialmente os custos e vender ativos que não agreguem valor
  • 150. Tipos de Fusões e Aquisições • Horizontais • Verticais • Congêneres • Conglomerado
  • 151. Fusões e Aquisições Horizontais • Ocorrem quando uma empresa adquire outra do mesmo ramo de atividades
  • 152. Vantagens da Aquisição Horizontal • Maior participação de mercado • Aumento da receita • Maior poder de barganha junto a fornecedores e clientes • Possibilidade de melhor promoção de seus produtos • Melhor acesso aos canais de distribuição
  • 153. Fusões e Aquisições Verticais • São aquisições de uma empresa fornecedora ou cliente
  • 154. Fusões e Aquisições Verticais • Aquisição Progressiva – Adquire outra companhia que compra seus produtos (Empresa A compra a Empresa B) • Aquisição Regressiva – Adquire outra companhia que é fornecedora da adquirente (Empresa B compra a Empresa A) Empresa A Empresa B Fornece
  • 155. Fusões e Aquisições Congêneres • São aquisições de uma empresa do mesmo setor, sem que haja uma relação de fornecedor ou de cliente
  • 156. Fusões e Aquisições Conglomerado • São aquisições de empresas de setores diferentes daquele da empresa adquirente BancoSeguradora
  • 157. Motivos para Fusões e Aquisições • Expansão • Sinergia • Compra de ativos com preços favoráveis • Melhoria gerencial e tecnológica • Aumento da liquidez dos proprietários • Proteção contra aquisição hostil
  • 158. Passo a Passo da Aquisição ou Fusão 1. Determinação do Perfil da Empresa-Alvo 2. Pesquisa de Candidatas para a Fusão ou Aquisição 3. Sondagem 4. Determinação do Valor Econômico 5. Negociação entre Comprador e o Vendedor 6. Fechamento do Contrato
  • 159. Pontos de Atenção • Sigilo deve ser mantido, informando apenas as pessoas que realmente são necessárias e importantes; • Empresa deve ser mantida limpa, organizada e em plena atividade; • Definir o preço de venda através de critérios técnicos para sustentação do valor; • Preparação de um Plano de Negócios para o processo de Venda; • Definição das Estratégias para a Venda; • Apontar quem deverá conduzir o processo de Venda; • Evitar a exposição da Empresa no Mercado.
  • 160. Desvantagens das Fusões • Grandes empresas se tornam lentas, burocráticas e distantes dos clientes • Muitas fusões resultam mais de ambição do que de busca de eficiência • Muitas vezes as fusões tem objetivos predatórios • Muitas fusões resultam em fracassos quanto aos objetivos pretendidos • Diferenças de culturas organizacionais
  • 161. Desvantagens das Aquisições • Empresas menores são engolidas por empresas maiores • Insegurança e conflito dos membros da empresa adquirida • Problemas de adaptação dos funcionários antigos às novas regras, normas e cultura • Funcionários demitidos ou remanejados
  • 162. Fracasso nas Fusões • Falta de planejamento na gestão e integração das pessoas • Complexidade na união das culturas • Retenção de talentos • Estilos e prática gerenciais
  • 163. Desafios das Fusões • Integrar cultura organizacional • Conseguir adesão dos funcionários dos novos programas • Conseguir adesão dos executivos no processo • Manter a concentração dos funcionários • Integrar benefícios • Integrar culturas sociais • Reter funcionários chave
  • 164. Dificuldades Encontradas • Falta de um Plano de Negócios para o processo; • Envolvimento emocional com a negociação; • Apresentação informal e desencontrada do negócio; • Avaliação sem critério técnico; • Negócio sem viabilidade ou negócio sem maturação necessária.
  • 165. Cláusulas Restritivas • No shop – impedimento de venda do negócio para terceiros ou período de tempo; • Não concorrência – impedir que o vendedor exerça a mesma atividade por um período de tempo; • Earn out – pode vincular parte do preço final aos resultados futuros da companhia alvo ou a atribuição de um papel gerencial aos vendedores na mesma empresa vendida; • Escrow – para assegurar a aplicação de penalidades em razão do descumprimento de obrigações ou o pagamento de indenizações.
  • 166. Aspectos Contábeis-Tributários • Due Dilligence – Processo pelo qual a compradora interpela as informações fornecidas pela empresa-alvo sobre seu desempenho financeiro histórico e atual, condições financeiras, projeções e outros assuntos operacionais Auditoria Completa!
  • 167. Due Dilligence - Básico Assegure-se de que os representantes da empresa-alvo estão legalmente autorizados a conduzir as negociações; Determine se o negócio está sendo conduzido e operado dentro das normas legais; Verifique se não há cláusulas restritivas de credores que possam impedir a transação; Certifique-se de que os acionistas e seus sucessores poderão ser responsabilizados por seus atos na empresa-alvo.
  • 168. Due Dilligence inclui ainda a verificação aprofundada dos seguintes itens:  Assuntos Contábeis e Financeiros  Assuntos Tributários  Propriedades Imobiliárias  Propriedades Mobiliárias  Seguros  Propriedades Intelectuais  Contratos e Compromissos  Assuntos Ambientais  Empregados e Planos de Benefícios  Litígios
  • 170. Choque Cultural • Ocorre quando dois grupos possuem opiniões diferentes sobre: – o que é realmente importante, – o que deve ser mensurado, – como tomar as melhores decisões, – etc.
  • 171. Muita Atenção! A incompatibilidade cultural é a maior causa isolada da não concretização do desempenho projetado, da saída de executivos chave e de demorados conflitos na consolidação do negócio