Parada Cardiorrespiratória

801 visualizações

Publicada em

procedimentos em PCR

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
801
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parada Cardiorrespiratória

  1. 1. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA
  2. 2. O QUE É UMA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Parada cardíaca é o cessar da atividade mecânica do coração. É um diagnóstico clínico confirmado pela falta de resposta a estímulos, ausência de pulso detectável e apneia (ou respirações agônicas).
  3. 3. SINAIS DE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA  Inconsciência;  Ausência de respiração;  Ausência de pulso. Ou seja, as ausências de batimentos cardíacos e movimentos respiratórios satisfatórios.
  4. 4. FATORES DE RISCO DE SOFRER UM ATAQUE CARDÍACO - Fatores de risco que não podem ser mudados:  Herança genética;  Sexo (masculino);  Idade avançada. - Fatores de risco que podem ser mudados:  Tabagismo;  Pressão arterial elevada;  Níveis elevados de colesterol;  Inatividade física.
  5. 5. - Fatores contribuintes  Diabetes;  Obesidade (IMC > 30);  Estresse.  Uso de Drogas ilegais (espasmo de uma artéria coronária.)
  6. 6. COMO DEVE SER O ATENDIMENTO DE UMA PCR ? O primeiro passo do Emergencista antes de iniciar o atendimento de uma vítima de Parada cardiorrespiratória deverá ser, a verificação do local onde essa vítima está. Ele deve observar se o local é seguro para o próprio emergencista, para a vítima e demais envolvidos no fato. Se o local é apropriado para o atendimento deste paciente e se não existem riscos futuros. Ex.: o risco de um princípio de incêndio em veículo, ou até mesmo o perigo de ser atropelado pelos carros que ainda trafegam na via pública.
  7. 7. O ATENDIMENTO O primeiro passo no atendimento deve ser a checagem do nível de consciência do paciente. Seguindo a seguinte sequencia:  A Está Alerta?  V Responde ao estímulo Verbal?  D Reage ao estímulo de Dor?  I Inconsciente, não responde ou não reage?
  8. 8. Se a vítima estiver inconsciente (desacordada), o Emergencista deverá checar a sua respiração. Deve-se observar a inspiração e a expiração do paciente (ventilação) durante 10 segundos. Observar se a respiração está anormal ou ausente.
  9. 9. Se o emergencista verificar que a vítima não responde e não está respirando ou apresenta respiração anormal (GASPING agônico), deve-se verificar o pulso. adulto/criança lactente
  10. 10. Se durante 10 segundo ele não conseguir sentir pulso, ele deverá acionar o Suporte Avançado de Vida ou ajuda especializada. E iniciar RCP.
  11. 11. PONTOS DE COMPRESSÕES DE RCP Ao detectar uma parada cardíaca, deve-se proceder a compressões torácicas, de acordo com o seguinte procedimento:  Adulto/Criança: dois dedos acima do processo xifoide  Lactente: um dedo abaixo da linha imaginária, entre os mamilos.
  12. 12. RCP (30 compressões torácicas X 2 ventilações) 5 ciclos completos
  13. 13. Muitas vezes o Emergencista fica com receito em realizar as insuflações boca-boca ou boca-máscara ou por não conhecer a vítima ou por não ter o conhecimento prático. Neste caso, ele pode adotar somente o procedimento de massagem cardíaca externa, pois mesmo sem as insuflações a vítima ainda possui uma reserva de oxigênio em seus pulmões, o que será “suficiente” para o seu metabolismo celular. Como ele irá apenas massagear, ele deverá realizar o ciclo de massagens durante os dois minutos, sem pausas. E após dois minutos, ele deverá checar pulso e respiração do paciente.
  14. 14. INICIANDO E TERMINANDO A TÉCNICA DE RCP Uma vez iniciada a técnica de RCP, deve-se mantê-la até que: 1. Se retorne a circulação (continuar com a ventilação artificial); 1. Se retorne a circulação e ventilação espontâneas; 2. Pessoal mais capacitado que você o substitua; 3. Você não possa continuar com o procedimento por se encontrar exausto.
  15. 15. COMPLICAÇÕES POR MANOBRAS INADEQUADAS DE RCP  O paciente não está sobre uma superfície rígida: as compressões são ineficazes.  O paciente não está em posição horizontal: caso a cabeça do paciente esteja mais alta do que o resto do corpo, ocorrerá um fluxo insuficiente de sangue ao cérebro.  Não se executa adequadamente a manobra de extensão da cabeça.  Se a técnica de RCP for interrompida, existe alto risco de lesão cerebral irreversível.
  16. 16.  Compressões muito profundas ou muito rápidas: não há impulsão adequada do volume sanguíneo.  Colocação inadequada das mãos ou compressão em local incorreto: costelas fraturadas; esterno fraturado; laceração do fígado, baço, pulmões; o coração tem a pleura lesionada como resultado das costelas fraturadas.
  17. 17. EXEMPLOS ERRADOS DE MASSAGEM
  18. 18. DÚVIDAS ?

×