SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
São os cuidados imediatos prestados a
uma    pessoa,      fora   do   ambiente
hospitalar, cujo estado físico, psíquico
e ou emocional...
coloquem em    perigo sua vida ou sua saúde,
com o objetivo de manter suas funções vitais
e evitar o agravamento de suas condições
(estabilização), até que receba assistência
médica especializada.
Pessoa   leiga,   mas   com   o    mínimo   de
conhecimento       capaz      de      prestar
atendimento à uma vítima até a chegada
do socorro especializado.
É a pessoa tecnicamente capacitada para,
com    segurança,   avaliar   e  identificar
problemas que comprometam a vida. Cabe ao
socorrista prestar o adequado socorro pré-
hospitalar e o transporte do paciente sem
agravar as lesões já existentes.
Ações desenvolvidas com o objetivo
de garantir a vida da vítima,
sobrepondo à "qualidade de vida".
Ações desenvolvidas para reduzir
as seqüelas que possam surgir
durante e após o atendimento.
Estado    grave,     que     necessita
atendimento médico, embora não seja
necessariamente uma emergência.

    Ex: contusões leves, entorses,
              luxações.
Estado      que      necessita de
encaminhamento rápido ao hospital.
O tempo gasto entre o momento
em que a vítima é encontrada e o
seu encaminhamento deve ser o
mais curto possível.
Exemplos de emergência:

Parada Cardiorrespiratória e
    hemorragias graves.
Fato ou evento desastroso do qual
não resultam pessoas mortas ou
feridas, mas que pode oferecer risco
futuro.
É a informação obtida a partir
da observação da vítima.
É informação a partir de um
relato da vítima.
Lembre-se!!!



Acidentes ocorrem a qualquer hora, em
qualquer lugar e com qualquer pessoa.
Devemos estar preparados para enfrentá-
los, e da melhor maneira possível.
Deixar de prestar socorro, ou seja, não dar
nenhuma assistência a vítima de acidente ou
a pessoa em perigo iminente podendo fazê-
lo, é crime segundo o artigo 135 do Código
Penal Brasileiro.
A omissão ou a falta de um pronto
atendimento eficiente são os principais
motivos de mortes ou danos irreversíveis
em vítimas de acidentes de trânsito.
Preservar a vida;
Reduzir o sofrimento;
Prevenir complicações;
 Proporcionar    transporte       adequado,
possibilitando melhores    condições   para
receber o tratamento definitivo.
1º - Mantenha a calma;

2º - Tenha em mente a seguinte ordem de
segurança     quando   você   estiver   prestando
socorro: primeiro eu (o socorrista), depois minha
equipe (incluindo os transeuntes) e por ultimo a
vítima. Isso parece ser contraditório à primeira
vista, mas tem o intuito básico de não gerar
novas vítimas;
3º - Ao prestar socorro, é fundamental ligar
para o atendimento pré-hospitalar assim que
chegar ao local do acidente. Podemos, por
exemplo, discar 193 (número do corpo de
bombeiros);

4º - sempre verificar se há riscos no local,
para você e sua equipe, antes de agir no
acidente;

5º - Mantenha sempre o bom-senso;
6º - Mantenha o espírito de liderança, pedindo
ajuda e afastando os curiosos;

7º - Distribua tarefas, assim, os transeuntes
que lhe atrapalhariam o ajudará e se sentirão
mais úteis;

8º - Evite manobras intempestivas (realizar de
forma imprudente, com pressa);
9º - Em caso de múltiplas vítimas, dê
preferência aquelas que correm maior
risco de vida como, por exemplo, vítimas
em parada cardiorrespiratória ou que estejam
sangrando muito;

10º - Seja socorrista e não       um   herói
(lembre-se do 2º mandamento).
Enquanto o socorro especializado não chegar,
devemos tomar algumas precauções básicas.

Antes de qualquer procedimento, avaliar a
cena do acidente e observar se ela pode
oferecer riscos, para o acidentado e para
você. EM HIPÓTESE NENHUMA PONHA
SUA PRÓPRIA VIDA EM RISCO.
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA

Consiste na primeira avaliação feita ao
chegar ao local do acidente, antes de se
iniciar o socorro:
1º Avaliar o Local
Observar se existem perigos, por exemplo:

 Fios elétricos soltos e desencapados; tráfego
 de veículos;     risco de desmoronamento,
 explosão, queda de objetos, etc.

 Assumir o controle da situação;

 Evitar o pânico e afastar os curiosos.
2º Avaliar a Vítima - o estado que ela se
encontra:

Na avaliação será feito um rápido exame
da vítima, obedecendo a uma sequência
padronizada e corrigindo imediatamente os
problemas encontrados.
O exame deverá ser feito rigorosamente
nessa seqüência: O “ABCDE” da vida.

A - Abertura das vias aéreas com controle
cervical - Estão desobstruídas? Existe
lesão da cervical?

B - Boa ventilação, respiração - Está
adequada?
C - Circulação, hemorragia e controle do
choque - Existe pulso palpável? Há
hemorragias graves?

D - Distúrbio      neurológico,   nível   de
consciência;

E - Exposição e proteção da vítima.
É realizado após a estabilização dos sinais
vitais da vítima. Consiste em uma avaliação
minuciosa, a qual se inicia na cabeça e vai
até os pés, na parte anterior (frente) e
posterior    (costas),  identificando lesões que
apesar de sua gravidade não colocam a vítima em
risco iminente de morte.
Pelo histórico do acidente deve-se observar
indícios que possam ajudar ao prestador
de socorro classificar a vítima como clínica
ou traumática.
 Vítima Clínica: apresenta sinais e sintomas
de disfunções com natureza fisiológica, como
doenças, etc.
Vítima de Trauma: apresenta sinais e
sintomas de natureza traumática,
como possíveis fraturas.

Devemos nesses casos atentar para a
imobilização e estabilização da região
suspeita de lesão.
Sinais vitais são aqueles que indicam a
existência de vida. São indícios que
permitem concluir sobre o estado geral
de uma pessoa.

Os sinais sobre o funcionamento do corpo
humano que devem ser compreendidos e
conhecidos são:
Temperatura    (precisa   de   instrumental
específico);
Pulso – braquial (antebraço) e carotídeo
(pescoço);
Respiração - geralmente usa-se o dorso
da mão para sentir;
Pressão arterial (precisa de instrumental
específico).
Temperatura: 36.5º C;
Pulso: 60 a 100 bpm;
Freqüência Respiratória: 12 a 20 ipm;
Pressão Arterial: 120 x 80 mmHg.
Os   sinais    vitais    são    sinais   que
podem    ser       facilmente   percebidos,
deduzindo-se    assim,    que   na ausência
deles, existem alterações nas funções
vitais do corpo.
O pulso é a onda de distensão de uma
artéria transmitida pela pressão que o
coração exerce sobre o sangue. Esta onda
é perceptível pela palpação de uma
artéria e se repete com regularidade,
segundo as batidas do coração.
OSSO
PULSO NORMAL       FAIXA ETÁRIA

 60-100 bpm             Adultos

  80-90 bpm    Crianças acima de 7 anos

 80-120 bpm     Crianças de 1 a 7 anos

 110-130 bpm   Crianças abaixo de um ano

 130-160 bpm        Recém-nascidos
A alteração na freqüência do pulso denuncia
alteração na quantidade de fluxo sanguíneo.

As causas fisiológicas que aumentam os
batimentos     do     pulso  são:    digestão,
exercícios    físicos, banho frio, estado de
excitação emocional e qualquer estado de
reatividade do organismo.
Socorrismo: Princípios e Procedimentos de Primeiros Socorros
Socorrismo: Princípios e Procedimentos de Primeiros Socorros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSNOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
1 slides animais peçonhentos
1   slides    animais peçonhentos1   slides    animais peçonhentos
1 slides animais peçonhentos
 
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICOPRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Primerios socorros
Primerios socorrosPrimerios socorros
Primerios socorros
 
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
 
Primeiros Socorros Modulo III
Primeiros Socorros Modulo IIIPrimeiros Socorros Modulo III
Primeiros Socorros Modulo III
 
NR 32
NR 32 NR 32
NR 32
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Choque elétrico
Choque elétricoChoque elétrico
Choque elétrico
 
Aph
AphAph
Aph
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
Primeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IVPrimeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IV
 
Queimadura e choque elétrico
Queimadura e choque elétricoQueimadura e choque elétrico
Queimadura e choque elétrico
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 

Destaque

Destaque (19)

Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
 
Primeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - QueimadurasPrimeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - Queimaduras
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Fraturas
FraturasFraturas
Fraturas
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
 
Queimaduras
Queimaduras Queimaduras
Queimaduras
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Fraturas
FraturasFraturas
Fraturas
 
Envenenamento e Intoxicações
Envenenamento e IntoxicaçõesEnvenenamento e Intoxicações
Envenenamento e Intoxicações
 
Aula primeiros socorros eletricistas
Aula primeiros socorros eletricistasAula primeiros socorros eletricistas
Aula primeiros socorros eletricistas
 
Primeiros socorros nas escolas - queimaduras
Primeiros socorros nas escolas - queimadurasPrimeiros socorros nas escolas - queimaduras
Primeiros socorros nas escolas - queimaduras
 
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointUnidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatórios
 
Trabalho sobre Queimaduras
Trabalho sobre QueimadurasTrabalho sobre Queimaduras
Trabalho sobre Queimaduras
 
Primeiros socorros 2015
Primeiros socorros  2015Primeiros socorros  2015
Primeiros socorros 2015
 

Semelhante a Socorrismo: Princípios e Procedimentos de Primeiros Socorros

Primeiros socorros completo
Primeiros socorros completoPrimeiros socorros completo
Primeiros socorros completoMay Mello
 
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdfPrimeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdfLilian Litiere
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorroscelsoricca
 
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).pptPRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).pptDevanir Miranda
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptxInstitutoVidaBsica
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptxInstitutoVidaBsica
 
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSterSoares1
 
Aula 01 primeiros socorros
Aula 01   primeiros socorrosAula 01   primeiros socorros
Aula 01 primeiros socorrosLegiane Bortoli
 
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdfaula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdfEdmar Barbosa
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxsoniaalmeida38
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROSmiguel_ytchu
 
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros SocorrosLuis Antonio Cezar Junior
 

Semelhante a Socorrismo: Princípios e Procedimentos de Primeiros Socorros (20)

primeiros socorros básico.pptx
primeiros socorros básico.pptxprimeiros socorros básico.pptx
primeiros socorros básico.pptx
 
Primeiros Socorros Mirim
Primeiros Socorros MirimPrimeiros Socorros Mirim
Primeiros Socorros Mirim
 
Primeiros socorros completo
Primeiros socorros completoPrimeiros socorros completo
Primeiros socorros completo
 
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdfPrimeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
1ªaula - primeiros socorros.ppt
1ªaula - primeiros socorros.ppt1ªaula - primeiros socorros.ppt
1ªaula - primeiros socorros.ppt
 
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).pptPRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
PRIMEIROS SOCORROS (2).ppt
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
 
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
 
Aula 01 primeiros socorros
Aula 01   primeiros socorrosAula 01   primeiros socorros
Aula 01 primeiros socorros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Primeiros socorros - Alessandro Leal
Primeiros socorros - Alessandro LealPrimeiros socorros - Alessandro Leal
Primeiros socorros - Alessandro Leal
 
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdfaula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
 
Aula 05 introdução aos primeiros socorros
Aula 05   introdução aos primeiros socorrosAula 05   introdução aos primeiros socorros
Aula 05 introdução aos primeiros socorros
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptx
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
 

Mais de Oberlania Alves

Slides sistema de transportes
Slides sistema de transportesSlides sistema de transportes
Slides sistema de transportesOberlania Alves
 
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados UnidosPaíses pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados UnidosOberlania Alves
 
G 20 e o mundo multipolar
G 20 e o mundo multipolarG 20 e o mundo multipolar
G 20 e o mundo multipolarOberlania Alves
 
Ordem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOrdem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOberlania Alves
 
Países de industrialialização tardia - Alemanha e Japão
Países de industrialialização tardia - Alemanha e JapãoPaíses de industrialialização tardia - Alemanha e Japão
Países de industrialialização tardia - Alemanha e JapãoOberlania Alves
 
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênioSlides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênioOberlania Alves
 

Mais de Oberlania Alves (10)

Slides sistema de transportes
Slides sistema de transportesSlides sistema de transportes
Slides sistema de transportes
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados UnidosPaíses pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
 
G 20 e o mundo multipolar
G 20 e o mundo multipolarG 20 e o mundo multipolar
G 20 e o mundo multipolar
 
Ordem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOrdem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômica
 
Países de industrialialização tardia - Alemanha e Japão
Países de industrialialização tardia - Alemanha e JapãoPaíses de industrialialização tardia - Alemanha e Japão
Países de industrialialização tardia - Alemanha e Japão
 
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênioSlides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
 
Manual sobre a tese
Manual sobre a teseManual sobre a tese
Manual sobre a tese
 
Educaçaõ Física
Educaçaõ FísicaEducaçaõ Física
Educaçaõ Física
 

Socorrismo: Princípios e Procedimentos de Primeiros Socorros

  • 1.
  • 2.
  • 3. São os cuidados imediatos prestados a uma pessoa, fora do ambiente hospitalar, cujo estado físico, psíquico e ou emocional...
  • 4. coloquem em perigo sua vida ou sua saúde, com o objetivo de manter suas funções vitais e evitar o agravamento de suas condições (estabilização), até que receba assistência médica especializada.
  • 5.
  • 6. Pessoa leiga, mas com o mínimo de conhecimento capaz de prestar atendimento à uma vítima até a chegada do socorro especializado.
  • 7. É a pessoa tecnicamente capacitada para, com segurança, avaliar e identificar problemas que comprometam a vida. Cabe ao socorrista prestar o adequado socorro pré- hospitalar e o transporte do paciente sem agravar as lesões já existentes.
  • 8. Ações desenvolvidas com o objetivo de garantir a vida da vítima, sobrepondo à "qualidade de vida".
  • 9. Ações desenvolvidas para reduzir as seqüelas que possam surgir durante e após o atendimento.
  • 10. Estado grave, que necessita atendimento médico, embora não seja necessariamente uma emergência. Ex: contusões leves, entorses, luxações.
  • 11. Estado que necessita de encaminhamento rápido ao hospital. O tempo gasto entre o momento em que a vítima é encontrada e o seu encaminhamento deve ser o mais curto possível.
  • 12. Exemplos de emergência: Parada Cardiorrespiratória e hemorragias graves.
  • 13.
  • 14. Fato ou evento desastroso do qual não resultam pessoas mortas ou feridas, mas que pode oferecer risco futuro.
  • 15. É a informação obtida a partir da observação da vítima.
  • 16. É informação a partir de um relato da vítima.
  • 17. Lembre-se!!! Acidentes ocorrem a qualquer hora, em qualquer lugar e com qualquer pessoa. Devemos estar preparados para enfrentá- los, e da melhor maneira possível.
  • 18. Deixar de prestar socorro, ou seja, não dar nenhuma assistência a vítima de acidente ou a pessoa em perigo iminente podendo fazê- lo, é crime segundo o artigo 135 do Código Penal Brasileiro.
  • 19. A omissão ou a falta de um pronto atendimento eficiente são os principais motivos de mortes ou danos irreversíveis em vítimas de acidentes de trânsito.
  • 20. Preservar a vida; Reduzir o sofrimento; Prevenir complicações; Proporcionar transporte adequado, possibilitando melhores condições para receber o tratamento definitivo.
  • 21. 1º - Mantenha a calma; 2º - Tenha em mente a seguinte ordem de segurança quando você estiver prestando socorro: primeiro eu (o socorrista), depois minha equipe (incluindo os transeuntes) e por ultimo a vítima. Isso parece ser contraditório à primeira vista, mas tem o intuito básico de não gerar novas vítimas;
  • 22. 3º - Ao prestar socorro, é fundamental ligar para o atendimento pré-hospitalar assim que chegar ao local do acidente. Podemos, por exemplo, discar 193 (número do corpo de bombeiros); 4º - sempre verificar se há riscos no local, para você e sua equipe, antes de agir no acidente; 5º - Mantenha sempre o bom-senso;
  • 23. 6º - Mantenha o espírito de liderança, pedindo ajuda e afastando os curiosos; 7º - Distribua tarefas, assim, os transeuntes que lhe atrapalhariam o ajudará e se sentirão mais úteis; 8º - Evite manobras intempestivas (realizar de forma imprudente, com pressa);
  • 24. 9º - Em caso de múltiplas vítimas, dê preferência aquelas que correm maior risco de vida como, por exemplo, vítimas em parada cardiorrespiratória ou que estejam sangrando muito; 10º - Seja socorrista e não um herói (lembre-se do 2º mandamento).
  • 25. Enquanto o socorro especializado não chegar, devemos tomar algumas precauções básicas. Antes de qualquer procedimento, avaliar a cena do acidente e observar se ela pode oferecer riscos, para o acidentado e para você. EM HIPÓTESE NENHUMA PONHA SUA PRÓPRIA VIDA EM RISCO.
  • 26. AVALIAÇÃO PRIMÁRIA Consiste na primeira avaliação feita ao chegar ao local do acidente, antes de se iniciar o socorro:
  • 27. 1º Avaliar o Local Observar se existem perigos, por exemplo: Fios elétricos soltos e desencapados; tráfego de veículos; risco de desmoronamento, explosão, queda de objetos, etc. Assumir o controle da situação; Evitar o pânico e afastar os curiosos.
  • 28.
  • 29. 2º Avaliar a Vítima - o estado que ela se encontra: Na avaliação será feito um rápido exame da vítima, obedecendo a uma sequência padronizada e corrigindo imediatamente os problemas encontrados.
  • 30. O exame deverá ser feito rigorosamente nessa seqüência: O “ABCDE” da vida. A - Abertura das vias aéreas com controle cervical - Estão desobstruídas? Existe lesão da cervical? B - Boa ventilação, respiração - Está adequada?
  • 31. C - Circulação, hemorragia e controle do choque - Existe pulso palpável? Há hemorragias graves? D - Distúrbio neurológico, nível de consciência; E - Exposição e proteção da vítima.
  • 32. É realizado após a estabilização dos sinais vitais da vítima. Consiste em uma avaliação minuciosa, a qual se inicia na cabeça e vai até os pés, na parte anterior (frente) e posterior (costas), identificando lesões que apesar de sua gravidade não colocam a vítima em risco iminente de morte.
  • 33. Pelo histórico do acidente deve-se observar indícios que possam ajudar ao prestador de socorro classificar a vítima como clínica ou traumática. Vítima Clínica: apresenta sinais e sintomas de disfunções com natureza fisiológica, como doenças, etc.
  • 34. Vítima de Trauma: apresenta sinais e sintomas de natureza traumática, como possíveis fraturas. Devemos nesses casos atentar para a imobilização e estabilização da região suspeita de lesão.
  • 35. Sinais vitais são aqueles que indicam a existência de vida. São indícios que permitem concluir sobre o estado geral de uma pessoa. Os sinais sobre o funcionamento do corpo humano que devem ser compreendidos e conhecidos são:
  • 36. Temperatura (precisa de instrumental específico); Pulso – braquial (antebraço) e carotídeo (pescoço); Respiração - geralmente usa-se o dorso da mão para sentir; Pressão arterial (precisa de instrumental específico).
  • 37. Temperatura: 36.5º C; Pulso: 60 a 100 bpm; Freqüência Respiratória: 12 a 20 ipm; Pressão Arterial: 120 x 80 mmHg.
  • 38. Os sinais vitais são sinais que podem ser facilmente percebidos, deduzindo-se assim, que na ausência deles, existem alterações nas funções vitais do corpo.
  • 39. O pulso é a onda de distensão de uma artéria transmitida pela pressão que o coração exerce sobre o sangue. Esta onda é perceptível pela palpação de uma artéria e se repete com regularidade, segundo as batidas do coração.
  • 40. OSSO
  • 41. PULSO NORMAL FAIXA ETÁRIA 60-100 bpm Adultos 80-90 bpm Crianças acima de 7 anos 80-120 bpm Crianças de 1 a 7 anos 110-130 bpm Crianças abaixo de um ano 130-160 bpm Recém-nascidos
  • 42. A alteração na freqüência do pulso denuncia alteração na quantidade de fluxo sanguíneo. As causas fisiológicas que aumentam os batimentos do pulso são: digestão, exercícios físicos, banho frio, estado de excitação emocional e qualquer estado de reatividade do organismo.