Pintura barroca

23.447 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
2 comentários
35 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Cade o download ?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Bom dia
    O meu nome é Cláudia Monteiro e também sou professora de história.
    Queria agradecer o facto de disponibilizar o seu trabalho que é sempre interessante e que utilizo muitas vezes nas minhas aulas.
    Como este ano estou a dar pela 1ª vea HCA de 10 ano os seus slides têm sido muitos úteis.
    Muito obrigada
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.447
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.873
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
2
Gostaram
35
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pintura barroca

  1. 1. A pintura barroca
  2. 2. A pintura barroca Maneirismo Rococó Barroco (início séc. XVII a meados Séc. XVIII) Itália + Igreja da Contra-Reforma Sedução pelos sentimentos Captação da atenção e da fé
  3. 3. A pintura barroca Barroco (início séc. XVII a meados Séc. XVIII)Sedução pelos sentimentos Captação da atenção e da fé -Deslumbramento - Surpresa - encenação - luz Reflexos sobre a pintura barroca: -Irracionalidade - contrastes - exuberância -Dramatismo - ambientes grandiosos
  4. 4. A pintura barroca móvel Pintura sobre tela Diferentes tendências - Classicismo: Carraci + Poussin + Lorrain - Naturalismo: Caravaggio + Ribera - Realismo: Vermeer + Rembrandt Grande variedade cultural, social e estética da Europa + Atributos estéticos de cada pintor
  5. 5. A pintura barroca móvel Diversidade temática: -Temas religiosos -Temas profanos - temas mitológicos - retratos - paisagens - naturezas mortas Ribera Rubens
  6. 6. A pintura barroca móvel Características técnico-formais Rubens, O Rapto das filhas de Leucipo, 1618, óleo sobre tela
  7. 7. A pintura barroca móvel Características técnico-formais Rubens, O Rapto das filhas de Leucipo, 1618, óleo sobre tela - Representação do momento Ênfase ao acontecimento e à ação - Linha do horizonte delineada abaixo do normal para dar primazia aos elementos representados e destacar as figuras representadas
  8. 8. A pintura barroca móvel Características técnico-formais Rubens, O Rapto das filhas de Leucipo, 1618, óleo sobre tela - Composição ?
  9. 9. A pintura barroca móvel Características técnico-formais Rubens, O Rapto das filhas de Leucipo, 1618, óleo sobre tela -Composição aberta, de dentro para fora - sobreposição de formas para conseguir a profundidade, sem descontinuidades, preservando a unidade do espaço - formas dinâmicas e sinuosas, enquadradas ou combinadas com estruturas poligonais (triângulo, quadrado e sosango) e com formas circulares ou ovaladas
  10. 10. A pintura barroca móvel Características técnico-formais Rubens, O Rapto das filhas de Leucipo, 1618, óleo sobre tela -Composição aberta, de dentro para fora - sobreposição de formas para conseguir a profundidade, sem descontinuidades, preservando a unidade do espaço - formas dinâmicas e sinuosas, enquadradas ou combinadas com estruturas poligonais (triângulo, quadrado e sosango) e com formas circulares ou ovaladas
  11. 11. A pintura barroca móvel Características técnico-formais Rubens, O Rapto das filhas de Leucipo, 1618, óleo sobre tela - Luz/sombra - Cor ?
  12. 12. A pintura barroca móvel Características técnico-formais Rubens, O Rapto das filhas de Leucipo, 1618, óleo sobre tela - União plástica da luz/sombra e da cor para focalizar a atenção nos principais elementos da composição (por vezes de forma artificial); os restantes elementos ficam diluídos na penumbra: - a luz rasante chama a atenção para determinadas zonas do quadro, orientando a leitura - a cor pura e cálida tem como objetivo captar e sensibilizar o espectador
  13. 13. A pintura barroca móvel Caravaggio, A morte da Virgem Caravaggio, aliás, Michelangelo Merisi, nasceu em Caravaggio, Itália, no dia 28 de Setembro de 1573, ficando a dever o nome à sua terra natal. É o primeiro grande representante do estilo barroco. Iniciou sua carreira como assistente de pintor aos 15 anos. Era o chamado período da contra- reforma e o clero católico investia na produção artística , a fim de combater as ideias dos protestantes.
  14. 14. A pintura barroca móvel A adivinha, c. 1596,óleo sobre tela, 99 x 131 cm, Musée du Louvre, Paris Inovador pela forma original como tratava os temas Procurou a realidade tangível e concreta Uilização de mulheres e homens comuns como modelos Nunca utilizou modelos belos
  15. 15. A pintura barroca móvel Vocação de S. Mateus, 1599- 1600, óleo sobre tela, Contarelli Chapel, San Luigi dei Francesi, Roma Retrata o primeiro encontro entre Jesus e Mateus, um coletor de impostos que abandona o emprego para seguir Jesus.
  16. 16. A pintura barroca móvel Vocação de S. Mateus, 1599- 1600, óleo sobre tela, Contarelli Chapel, San Luigi dei Francesi, Roma Todos estão vestidos com roupas modernas, em uso na época de Caravaggio É uma das primeiras vezes em que foi representado um evento sagrado no presente e com grande realismo.
  17. 17. A pintura barroca móvel Vocação de S. Mateus, 1599- 1600, óleo sobre tela, Contarelli Chapel, San Luigi dei Francesi, Roma Utilizou pela primeira vez a luz rasante e descontínua iluminação forte de alguns pormenores ou personagens importantes da cena, deixando o resto da composição numa semipenumbra
  18. 18. A pintura barroca móvel São Mateus com o dedo voltado para si Detalhe do feixe de luz que ilumina a cena e guia o expectador
  19. 19. A pintura barroca móvel São Mateus com o dedo voltado para si Mateus, com o dedo apontado para si mesmo, surpreso, parece perguntar a Cristo: "Estais me chamando? Eu mesmo?"
  20. 20. A pintura barroca móvel Detalhe do feixe de luz que ilumina a cena e guia o expectador A iluminação torna-se direcional: a luz perfura a escuridão com uma violenta intensidade dramática. + A obra ganha vida e movimento por causa da luz ou não o caminho salvação.
  21. 21. A pintura barroca móvel Detalhe do feixe de luz que ilumina a cena e guia o expectador A luz é o símbolo da Graça Divina que afeta todos os homens: Mateus, no entanto, é o único a atender o chamado de Jesus. Ele é a transposição pictórica do conceito do livre- arbítrio: Cada homem pode optar por seguir ou não o caminho salvação.
  22. 22. A pintura barroca móvel Detalhe Jesus e São Pedro
  23. 23. A pintura barroca móvel Detalhe Jesus e São Pedro Criação de Adão, Michelangelo Buonarroti - Capela Sistina
  24. 24. A pintura barroca móvel Narciso,1598-99, óleo sobre tela, 110 x 92 cm, Galleria Nazionale d'Arte Antica, Roma
  25. 25. A pintura barroca móvel Narciso,1598-99, óleo sobre tela, 110 x 92 cm, Galleria Nazionale d'Arte Antica, Roma Retira o belo Narciso da Antiguidade clássica, para retratá-lo como um jovem da época do pintor.
  26. 26. A pintura barroca móvel O aspeto mais notável da sua obra é o tratamento da luz Tenebrismo Consiste em projetar a luz sobre as formas, por vezes com violência, e em contraste intenso e brusco com as sombras. + As figuras, as cenas sobressaem num fundo sem fundo. Narciso,1598-99, óleo sobre tela, 110 x 92 cm, Galleria Nazionale d'Arte Antica, Roma
  27. 27. A pintura barroca móvel As primeiras obras barrocas O tocador de alaúde, 1596 Baco, 1590
  28. 28. A pintura barroca móvel Ceia de Emaús, 1596-98, óleo sobre tela
  29. 29. A pintura barroca móvel Ceia de Emaús, 1596-98, óleo sobre tela -Reduziu os elementos do cenário ao mínimo, assim como as cores - tenebrismo fortemente acentuado permite realçar o silêncio poético, quase solene, da composição
  30. 30. A pintura barroca móvel A conversão de S. Paulo, c. 1596
  31. 31. A pintura barroca móvel A conversão de S. Paulo, c. 1596 - A luz focalizada atribui-lhe um caráter irreal - A composição é orientada pelas linhas, formadas pelos braços estendidos do apóstolo e pelo dorso do cavalo - As cores, quentes e terrosas acentuam o caráter vigoroso da cena - a ausência de detalhes supérfluos vira a atenção para o dramatismo da cena
  32. 32. A pintura barroca móvel
  33. 33. A pintura barroca móvel
  34. 34. A pintura barroca móvel A morte da Virgem, 1605-06 Caravaggio representou uma Maria ‘inchada ´’, num ambiente de pobreza. Terá usado como modelo uma prostituta, que, estando grávida, se suicidara, atirando-se às águas do rioTibre.
  35. 35. A pintura barroca móvel A morte da Virgem, 1605-06 - A cor densa e a forte intensidade luminosa que se abate, brutalmente, sobre o cadáver de aspeto vulgar chocaram o público da época. - Transparece uma dualidade entre luz/trevas, bem/mal, vida/morte. trouxe o profano para a vida sagrada, cultivando um grande realismo
  36. 36. A pintura barroca móvel A deposição do túmulo, 1602-03,
  37. 37. A pintura barroca móvel A deposição do túmulo, 1602-03, A deposição no Túmulo constituiu a única obra devota que foi aceite sem hesitação pela Igreja , apesar da utilização de modelos com profissões duvidosas. A utilização de uma luz artificial e brutal, que suspende os movimentos, acentua os gestos e evidencia o drama que se desenrola na cena
  38. 38. A pintura barroca móvel A dúvida de S. Tomé, 1602-03
  39. 39. A pintura barroca móvel A dúvida de S. Tomé, 1602-03 Os protagonistas são representados como homens comuns do povo, em toda a sua simplicidade natural Reflexão profunda sobre o modo de tratar os temas religiosos
  40. 40. A pintura barroca móvel Nápoles Artemisia Gentileschi, Judite e Holofernes, c. 1630 - Salvatore Rosa - Luca Giordano - Jiusepe Recco - Giovanni Battista Ruoppola - Paolo Porpora Naturezas mortas
  41. 41. A pintura barroca móvel Nápoles José de Ribera, Martírio de S. Batolomeu, c. 1630 - Salvatore Rosa - Luca Giordano - Jiusepe Recco - Giovanni Battista Ruoppola - Paolo Porpora Naturezas mortas
  42. 42. Tromp d’oeil A pintura barroca mural
  43. 43. A pintura barroca mural Técnicas - trompe-l’oeil - truques de perspetiva que criam uma ilusão óptica de objetos ou formas que não existem realmente - soto in sú – perspetiva vista de baixo para cima - Quadri riportati – Imitação dos quadros de cavalete inscritos nas paredes ou nos tetos Paredes e tetos das igrejas e dos palácios
  44. 44. Tromp d’oeil A pintura barroca mural Glória de Santo Inácio, frescos do teto da Igreja de Santo Inácio, Andrea Pozzo, Roma, 1684
  45. 45. Tromp d’oeil A pintura barroca mural Glória de Santo Inácio, frescos do teto da Igreja de Santo Inácio, Andrea Pozzo, Roma, 1684 Objetivo: na sua luta contra o protestantismo, a Igreja procurava glorificar e enaltecer os seus santos
  46. 46. Tromp d’oeil A pintura barroca mural Glória de Santo Inácio, frescos do teto da Igreja de Santo Inácio, Andrea Pozzo, Roma, 1684 No centro da nave, Santo Inácio, guiado pela luz divina, ilumina as quatro partes do mundo representadas pelas alegorias, em cada canto da composição
  47. 47. Tromp d’oeil A pintura barroca mural Glória de Santo Inácio, frescos do teto da Igreja de Santo Inácio, Andrea Pozzo, Roma, 1684 Efeitos de trompe l’oeil sotto in sú O espaço, visto de baixo para cima, estende-se para o infinito Transmite a noção de espaço místico
  48. 48. Tromp d’oeil A pintura barroca mural Glória de Santo Inácio, frescos do teto da Igreja de Santo Inácio, Andrea Pozzo, Roma, 1684
  49. 49. Tromp d’oeil A pintura barroca mural Pietro da Cortona, O triundo da Divina Providência
  50. 50. Tromp d’oeil A pintura barroca mural Pietro da Cortona, O triundo da Divina Providência - objetivo desta obra: a glorificação papal - tónica profundamente decorativa - composição dinâmica, grandiosa, mesmo espetacular e esmagadora, devido à perspetiva, à figuração e ao cromatismo
  51. 51. A pintura barroca mural Annibale Carracci, As metamorfoses de Ovídeo, frescos do teto da Gallleria Farnese, Roma, 1597-1600 Técnica de Quadri riportati – Imitação dos quadros de cavalete inscritos nas paredes ou nos tetos
  52. 52. Tromp d’oeil A pintura barroca mural Annibale Carracci, As metamorfoses de Ovídeo, frescos do teto da Gallleria Farnese, Roma, 1597-1600 Dentro de cada quadro, as composições são dinâmicas, embora não nitidamente barrocas na composição
  53. 53. Rubens Vermeer Rembrant Ribera

×