HIPERTENSÃO E DIABETES

ABORDAGEM CLÍNICA GERAL

IVETE COUTO
CARDIOLOGISTA
INTRODUÇÃO
Hipertensão Arterial (HTA) e Diabetes Mellitus são doenças crônicas não
Transmissíveis que ocorrem com muita fr...
INTRODUÇÃO
• A HTA é uma patologia de início silencioso com repercursões clínicas
importantes para os sistemas cardiovascu...
INTRODUÇÃO
• Segundo o relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), The World health
statistics 2012:
- Doenças não tr...
CONCEITOS
A Hipertensão arterial é definida pela persistência dos níveis de pressão
arterial sistólica (PAS) maior ou igua...
PORQUE É TÃO FREQUENTE A HA NO DIABÉTICO?
• A Diabetes tipo 2 pode causar Hipertensão Arterial por meio da
hiperinsulinemi...
GUIDELINES E OBJETIVOS
TERAPÊUTICOS
RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS
Doentes com diabetes tipo 2 devem também receber1,2:

1.

Tratamento agressivo de tod...
HIPERTENSÃO ARTERIAL E RISCO DE COMPLICAÇÕES (UKPDS)
Cada redução de 10 mmHg na pressão arterial sistólica reduz o risco d...
HIPERGLICEMIA E RISCO DE COMPLICAÇÕES (UKPDS)
Cada 1% de redução na HbA1c reduz o risco :

Infarto do
Miocárdio

Doença
mi...
RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS
PRESSÃO ARTERIAL
ADA1

Pressão
Arterial

IDF2

SBD3

ESH/ESC 4

<140/80
mmHg

<130/80...
RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS
CONTROLE METABÓLICO.
ADA1

IDF2

SBD 3

HbA1c

<7.0%

<6.5%

< 7%

Glicémia em
jejum
...
RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS
DISLIPIDEMIA
ADA1

IDF2

<2.6 mmol/L
<100 ou 70mg/dl

<2.5 mmol/L
<96mg/dl
<2.3 mmol/...
RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS
OBESIDADE

• Definição Obesidade Abdominal- IDF 2005:
Perímetro cintura >94cm Homem
>...
TRATAMENTO DA HA NO DM
• Abordagem Terapêutica Primária:
Para o tratamento anti-hipertensivo é importante a mudança no est...
ESCOLHA DO FÁRMACO ANTI HIPERTENSOR

• Objetivos:
Redução dos eventos CV fatais e não fatais
Redução da repercussão nos ór...
QUANDO INICIAR O TRATAMENTO ANTIHIPERTENSIVO E SEUS ALVOS
• No que se refere ao tratamento anti-hipertensivo no diabetes, ...
• Nos pacientes diabéticos hipertensos que necessitem de terapia
combinada, recomenda-se a utilização dos inibidores da EC...
• IECA e ARA são igualmente efetivos no tratamento da nefropatia
diabética *
• O tratamento da pressão arterial é importan...
• No caso de falha da monoterapia, preferencialmente, deve ser introduzido
diurético como segundo agente.
• OS IECAS São i...
MANEJO DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR
DISLIPIDEMIA E DIABETES
• Pacientes diabéticos <40 anos sem DCV, com LDL>130 : ...
MANEJO DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR
ANTIAGREGANTES PLAQUETÁRIOS
• Em cerca de 25% dos pacientes diabéticos, a prime...
MANEJO DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR
ANTIAGREGANTES PLAQUETÁRIOS

• Clopidogrel (75mg/dia)- em doentes com Contra in...
CONCLUSÃO
• Deve-se tratar o doente na sua globalidade, atendendo aos vários fatores de
risco nele implicados.
• A maior d...
OBRIGADA.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Curso 50 ii

441 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
441
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso 50 ii

  1. 1. HIPERTENSÃO E DIABETES ABORDAGEM CLÍNICA GERAL IVETE COUTO CARDIOLOGISTA
  2. 2. INTRODUÇÃO Hipertensão Arterial (HTA) e Diabetes Mellitus são doenças crônicas não Transmissíveis que ocorrem com muita frequência e constituem os principais fatores de risco populacional para as doenças cardiovasculares, motivo pelo qual representam sérios problemas de saúde pública. HTA e DM estão constantemente associadas, visto que possuem vários aspectos em comum, como etiopatogenia, fatores de risco, tratamento não medicamentoso, cronicidade, complicações e geralmente, a ausência de sintomas. Além disso, juntamente com a obesidade e a dislipidemia, fazem parte da Síndrome Metabólica, que corresponde a um conjunto de doenças cuja base é a resistência insulínica.
  3. 3. INTRODUÇÃO • A HTA é uma patologia de início silencioso com repercursões clínicas importantes para os sistemas cardiovascular e renovascular, acompanhada frequentemente de co – morbidades, sendo 3x mais frequente no diabético. • Na altura do diagnóstico de diabetes 40% são já hipertensos. • As complicações macrovasculares, incluindo DC, AVC e doença vascular periférica são as principais causas de morbilidade e mortalidade em indivíduos diabéticos.
  4. 4. INTRODUÇÃO • Segundo o relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), The World health statistics 2012: - Doenças não transmissíveis atualmente causam quase 2/3 de todas as mortes no mundo. - 1 em cada 3 adultos tem Hipertensão arterial - 1 em cada 10 adultos tem Diabetes Mellitus, - Em África, estima-se que mais de 40% (e até 50%) dos adultos estejam com Hipertensão arterial. - A prevalência média global de Diabete Mellitus é de cerca de 10% - Cerca de meio milhão de pessoas (12% da população mundial) são consideradas obesas.
  5. 5. CONCEITOS A Hipertensão arterial é definida pela persistência dos níveis de pressão arterial sistólica (PAS) maior ou igual a 140mmHg e/ou pressão arterial diastólica (PAD) maior ou igual a 90mmHg. O Diabetes Mellitus definida como quadro de hiperglicemia crônica, acompanhado de distúrbios no metabolismo de carbohidratos, de proteínas e de gorduras, caracterizado por hiperglicemia que resulta de uma deficiente secreção de insulina pelas células beta, resistência periférica à ação da insulina ou ambas cujos efeitos crônicos incluem dano ou falência de órgãos, especialmente rins, nervos, coração e vasos sanguíneos.
  6. 6. PORQUE É TÃO FREQUENTE A HA NO DIABÉTICO? • A Diabetes tipo 2 pode causar Hipertensão Arterial por meio da hiperinsulinemia (decorrente da resistência à insulina), que estimula o sistema nervoso simpático a promover a vasoconstrição, retém água e sódio nos rins e estimula a proliferação da musculatura lisa da parede arterial (diminuindo o lúmen do vaso), mecanismos que elevam a pressão. • HTA e DM2 podem gerar as mesmas complicações: disfunção endotelial, por estímulos físicos e químicos e por estresse oxidativo; aterosclerose, aumentando a adesão da parede vascular e a hemoglobina glicosilada, que facilita a obstrução. As duas também podem ser causadas pelo mesmo fator, como obesidade, que gera insulino-resistência, hiperinsulinemia, e, finalmente, Diabetes e Hipertensão.
  7. 7. GUIDELINES E OBJETIVOS TERAPÊUTICOS
  8. 8. RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS Doentes com diabetes tipo 2 devem também receber1,2: 1. Tratamento agressivo de todos os factores de risco: Hiperglicémia Hipertensão Dislipidémia 2. Aspirina (ou clopidogrel) se têm alto risco cardiovascular 3. Deteção e tratamento de complicações: Nefropatia Retinopatia Neuropatia Pé Diabético 1American Diabetes Association. Diabetes Care 2005; 28: S4–36. 2 IDF Clinical Guidelines Task Force. Global guideline for type 2 diabetes. Brussels: International Diabetes Federation, 2005.
  9. 9. HIPERTENSÃO ARTERIAL E RISCO DE COMPLICAÇÕES (UKPDS) Cada redução de 10 mmHg na pressão arterial sistólica reduz o risco de: Risco de desenvolvimento das complicações da diabetes Morte relacionada com a diabetes Doença microvascular †p<0.0001 11%† 12%† 13%† 15%† Adler AI, et al. BMJ 2000; 321: 412–9. Enfarte do Miocárdio
  10. 10. HIPERGLICEMIA E RISCO DE COMPLICAÇÕES (UKPDS) Cada 1% de redução na HbA1c reduz o risco : Infarto do Miocárdio Doença microvascular Doença vascular periférica* 14%† 14%† 37%† 43%† Stratton IM, et al. BMJ 2000; 321: 405–12. Mortalidade de qualquer causa AVC 12%‡ * Amputação de membro inferior ou doença vascular periférica fatal † p < 0.0001 ‡ p = 0.035
  11. 11. RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS PRESSÃO ARTERIAL ADA1 Pressão Arterial IDF2 SBD3 ESH/ESC 4 <140/80 mmHg <130/80 mmHg < 130-135/ 80 mmHg < 140/85 mmHg 1American Diabetes Association. Diabetes Care. janeiro 2013 type 2 diabetes. Brussels: International Diabetes 2 IDF Clinical Guidelines Task Force. Global guideline for Federation, 2005. 3Novas Recomendações da DH-BSC referente à Administração Ideal de Hipertensão em Diabéticos 2013 4ESH/ESC: European Society of Hypertension/European Society of Cardiology 2013
  12. 12. RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS CONTROLE METABÓLICO. ADA1 IDF2 SBD 3 HbA1c <7.0% <6.5% < 7% Glicémia em jejum 5.0–7.2 mmol/L <6.0 mmol/L 90-130 mg/dl <110mg/dl < 110 mg/dl Glicémia pósprandial <10.0 mmol/L <180 mg/dl <140 mg/dl 1American Diabetes Association. Diabetes Care 2005; <8.0 mmol/L <140mg/dl 28: S4–36. 2 IDF Clinical Guidelines Task Force. Global guideline for type 2 diabetes. Brussels: International Diabetes Federation, 2005. 3Destaques das novas diretrizes da SBD 2013
  13. 13. RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS DISLIPIDEMIA ADA1 IDF2 <2.6 mmol/L <100 ou 70mg/dl <2.5 mmol/L <96mg/dl <2.3 mmol/L <200mg/dl Lipidos: LDL-C Trigliceridos HDL-C 1American Diabetes Association. Diabetes Care <1.7 mmol/L <150mg/dl >1.0 mmol/L >40 (homens) e > 50 (mulheres)mg/dl >1.0 mmol/L >40mg/dl 2005; 28: S4–36. Clinical Guidelines Task Force. Global guideline for type 2 diabetes. Brussels: International Diabetes Federation, 2005. 3National Cholesterol Education Program. JAMA 2001; 285: 2486–97. 2 IDF
  14. 14. RECOMENDAÇÕES DAS GUIDELINES ACTUAIS OBESIDADE • Definição Obesidade Abdominal- IDF 2005: Perímetro cintura >94cm Homem >80cm na Mulher
  15. 15. TRATAMENTO DA HA NO DM • Abordagem Terapêutica Primária: Para o tratamento anti-hipertensivo é importante a mudança no estilo de vida, que inclui as seguintes medidas: - Redução do peso corporal; * - Redução da ingestão de sódio (dieta hipossalina, variada nutricionalmente e equilibrada); - Exercício físico regular (30-60 min 4-7d/sem). - Redução do consumo de álcool - Abandono do tabagismo * IMC<25 e Perim cint <94cm homem <80cm mulher
  16. 16. ESCOLHA DO FÁRMACO ANTI HIPERTENSOR • Objetivos: Redução dos eventos CV fatais e não fatais Redução da repercussão nos órgão alvo Redução das complicações microvasculares Redução da progressão para nefropatia Redução da evolução da nefropatia Redução morbilidade e mortalidade
  17. 17. QUANDO INICIAR O TRATAMENTO ANTIHIPERTENSIVO E SEUS ALVOS • No que se refere ao tratamento anti-hipertensivo no diabetes, não existe um único agente ou esquema ideal que só traga benefícios à população diabética hipertensa. • A escolha do fármaco deve ser individualizada às caracteristicas específicas do risco global de cada doente • Todos os agentes anti-hipertensivos podem ser utilizados. Frequentemente, os indivíduos diabéticos hipertensos necessitarão de dois ou mais agentes para obter um bom controle pressórico. • Recomenda-se a manutenção de níveis pressóricos abaixo de 130/80 mmHg.. Se os níveis pressóricos encontram-se entre 130/80 mmHg e 140/90 mmHg,, mudança de estilo de vida.
  18. 18. • Nos pacientes diabéticos hipertensos que necessitem de terapia combinada, recomenda-se a utilização dos inibidores da ECA sempre que possível. • Beta-bloqueadores são uma boa opção para pacientes diabéticos hipertensos com doença arterial coronariana ou insuficiência cardíaca compensada. Nos pacientes com micro ou macroalbuminúria, recomendase o uso de inibidores da ECA .
  19. 19. • IECA e ARA são igualmente efetivos no tratamento da nefropatia diabética * • O tratamento da pressão arterial é importante para prevenção da DCV e para prevenir e minimizar a progressão da nefropatia e retinopatia. • Na associação de classes de agentes anti-hipertensivos, devem ser utilizados agentes com diferentes mecanismos de ação. * Está desaconselhada a associação IECA+ARAII no diabético (Meta-análise do Hospital São Lucas, Nova York, publicado no dia 28 de janeiro de 2013 no BMJ.
  20. 20. • No caso de falha da monoterapia, preferencialmente, deve ser introduzido diurético como segundo agente. • OS IECAS São indicados no pós-infarto do miocárdio e na insuficiência cardíaca. Não devem ser usados em indivíduos com estenose bilateral de artéria renal, creatinina acima de 3,0 mg/dl e na gestação. • A principal indicação da metildopa é a gestante diabética. Ainda, mostra-se eficaz na reversão de Hipertrofia de Ventrículo Esquerdo.
  21. 21. MANEJO DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR DISLIPIDEMIA E DIABETES • Pacientes diabéticos <40 anos sem DCV, com LDL>130 : MEV+ Estatina (alvo LDL<100) * • Se LDL>100 em tratamento não farmacológico: Estatina *Evidências sugerem que a MEV (alimentação + atividade física regular adequada máxima reduz LDL em 15-25 mg/dl) • Pacientes diabéticos >40 anos sem DCV e que possuam 1 ou mais fatores de risco CV ou longa duração do diabetes: MEV + Estatina (alvo LDL<100 ) • Pacientes diabéticos com DCV: Estatina , independente dos níveis lipídicos (alvo LDL<70 )
  22. 22. MANEJO DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR ANTIAGREGANTES PLAQUETÁRIOS • Em cerca de 25% dos pacientes diabéticos, a primeira manifestação de DAC é o IAM ou morte súbita. • Aspirina (75-162mg) Prevenção primária: O uso de AAS em doses 75-162 mg deve ser considerado para pacientes com risco de DCV aumentado na ausência de fatores de risco para sangramento: Diabéticos homens >50 anos e mulheres >60 anos que tenham outro fator de risco CV significativo ( tabagismo, HAS, dislipidemia, historia familiar ou albuminúria). Prevenção secundária no diabético com evento CV. .
  23. 23. MANEJO DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR ANTIAGREGANTES PLAQUETÁRIOS • Clopidogrel (75mg/dia)- em doentes com Contra indicação à AAS. • AAS+ Clopidogrel- após evento coronário agudo
  24. 24. CONCLUSÃO • Deve-se tratar o doente na sua globalidade, atendendo aos vários fatores de risco nele implicados. • A maior determinante na redução do risco CV é a redução da PA e não o tipo de fármaco anti-HTA * • A associação de 2 ou + fármacos é frequentemente necessária, sempre que não se atinge valores alvo. • A simplificação terapêutica do número de comprimidos e tomas diárias facilita a adesão; Melhoria na qualidade de vida * Sociedade Europeia de Cardiologia
  25. 25. OBRIGADA.

×