SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
HIPERTENSÃO ARTERIAL
DIABETES
Dr. Gustavo Biasi
24 de maio de 2012
•
•
•
•
•

Médico formado na Universidade Federal de Santa
Maria (UFSM).
Residência em Clínica Médica no Hospital Nossa
Senhora da Conceição (HNSC) – Porto Alegre.
Residência em Cardiologia no Instituto de Cardiologia –
Fundação Universitária de Cardiologia – Porto Alegre.
Residência em Ecocardiografia no Instituto Nacional de
Cardiologia (INC) – Rio de Janeiro.
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela
Sociedade Brasileira de Cardiologia.
Causas de Mortalidade - Brasil
Hipertensão Arterial
O sangue leva para nossas células o
combustível necessário para manter a nossa
vida: açúcar (glicose), oxigênio, hormônios.
E retira das células o lixo da combustão ácidos, gás carbônico.
Para realizar este trabalho, o
sangue precisa circular por todo o
organismo.
artérias

O sangue sai com força do
coração, percorre
“quilômetros” de artérias e
volta ao coração trazido
pelas veias.

veias
14
Para que o sangue possa circular pelo corpo, é necessário
que uma bomba (o coração) faça força (pressão) para
empurrar este sangue por dentro das artérias.
Ao passar dentro das artérias, o sangue encontra uma
resistência (pressão), provocada pelo atrito e pela
resistência dos vasos.

Quanto mais estreita é a artéria, maior a
resistência (pressão) à passagem do sangue.
A força do coração para
bombear o sangue é
chamada de pressão máxima,
ou sistólica.
A resistência que a artéria oferece à
passagem do sangue é chamada de
pressão mínima, ou diastólica.
Desta forma, quando o médico diz
que sua pressão é 12 por 8, ele
está informando que a pressão
(força) exercida pelo seu coração
para empurrar o sangue pelas
artérias é igual a 120 milímetros
de mercúrio (mmHg) e que a
pressão (resistência) que suas
artérias estão oferecendo à
passagem do sangue é de 80
mmHg.
A pressão arterial depende da
largura (calibre) da artéria.
Artérias com calibre normal

artéria
normal

permitem que as pressões

artéria
estreitada

máxima e mínima sejam também
normais.
Se o calibre da artéria se
estreitar, aumenta o atrito do
sangue e a pressão mínima. O
coração terá que fazer mais força
para empurrar o sangue dentro

pressão
normal

da artéria, aumentando a pressão
máxima.

pressão
aumentada
Veja os exemplos:

Artéria com calibre normal.
O sangue passa sem dificuldade.
Pressão arterial normal, tipo 12 x 7.

Neste caso, a força que o coração faz pressão máxima - está normal, porque a
artéria tem calibre adequado e não faz
grande resistência à passagem do sangue
(pressão mínima normal).
Artéria com calibre reduzido.
O sangue passa com dificuldade.
Pressão arterial alterada, tipo 18 x 10.
Quando o calibre da artéria fica reduzido,
aumenta a resistência à passagem do sangue e,
consequentemente, a pressão mínima se eleva.
Quando a pressão mínima se eleva, o coração
tem que fazer muito mais força para empurrar o
sangue, e, consequentemente, a pressão
máxima também se eleva.
 
A  hipertensão  arterial  (ou  pressão  alta) 
tem  sua  origem  no  estreitamento  do 
calibre  das  artérias  (e  consequente 
aumento  de  pressão),  o  que  obriga  o 
coração  a  também  aumentar  sua  pressão 
para poder empurrar o sangue por dentro 
destas artérias estreitadas.
Hipertensão Arterial Sistêmica
 A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma

doença multifatorial, caracterizada por níveis
elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

 Aproximadamente 30% da

população tem hipertensão.
Hipertensão Arterial Sistêmica
 Não se conhece, até hoje, o motivo 
pelo  qual  as  pessoas  ficam 
hipertensas. 
  Enquanto  não  se  descobrir  este 
motivo,  não  haverá  cura  para  a 
pressão alta.
 Fatores de Risco para HAS:
 Idade
 Gênero e Etnia
 Excesso de peso e Obesidade
 Ingestão de sal
 Ingestão de álcool
 Sedentarismo
 Genética
 Quem tem pressão alta deve tomar 
seus remédios regularmente. 
 Não adianta tomar medicamentos 
durante um certo tempo e achar que 
está curado. 

Não está!!!!
 Quando a pessoa para de tomar 
os medicamentos a pressão volta a 
ficar alta. 
 Isto acontece porque o remédio 
não está atuando sobre a causa da 
hipertensão (não se sabe qual é), 
mas sim sobre seus efeitos 
(o estreitamento da artéria).
Prevenção e Tratamento da HAS
 Medidas não-medicamentosas
 Controle do Peso
 Estilo Alimentar
 Redução do consumo de sal
 Atividades Físicas
 Cessação do Tabagismo
 Equipe Multidisciplinar

 Medidas medicamentosas
 No Brasil, estudos populacionais

realizados nos últimos quinze anos,
revelaram baixos níveis de controle da PA
(19,6%).
 Ou seja, a cada 5 pacientes

tratando a hipertensão,
apenas 1 está com sua
pressão controlada !!
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
PRESSÃO ALTA
(Hipertensão Arterial)

SE VOCÊ NÃO TEM, PREVINA-SE !
SE VOCÊ TEM, CONTROLE !
Diabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Precisamos de duas substâncias muito
importantes para ter energia : o oxigênio
(presente no ar) e o açúcar (em forma de glicose
presente nos alimentos).

Açúcar

Oxigênio

+
Diabetes Mellitus
Uma das funções do sangue é transportar o
oxigênio e o açúcar que vão nutrir nossas
células. Isto gera a energia !
Açúcar

Oxigênio

+

=

Energi
a
Diabetes Mellitus
 O açúcar no
sangue precisa
de uma permissão
para entrar na célula.
 Quem dá essa
permissão para
o açúcar entrar
na célula é um
Hormônio, chamado
insulina, produzido
pelo pâncreas.
Diabetes Mellitus
Diabetes mellitus
Tipo 1

Tipo 2

80-90% dos casos
diagnosticados
Diabetes Melitus
Definição:
 Glicemia de Jejum maior que 126 mg/dL.
 Glicemia > 200 mg/dL no Teste Oral de Tolerância a

Glicose.
 Hemoglobina Glicosilada > 6,5%.
 Paciente com sintomas clássicos e glicose casual >

200 mg/dL.
Diabetes Mellitus
Diabetes Mellitus Tipo 1 é causada por um
defeito: destruição das células que
produzem insulina no pâncreas.
Diabetes Mellitus Tipo 2 é causada por dois
defeitos: as células não dão muita
permissão para o açúcar entrar e o pâncreas
cansa de fabricar insulina.
Diabetes Mellitus
Diabetes Mellitus Tipo 1 o paciente sempre
usará insulina.
Diabetes Mellitus
Diabetes Mellitus Tipo 2 o paciente sempre
usará medicamento oral e /ou insulina.
Sintomas
do
Diabetes
Como controlar o Diabetes
Alimentação
 Coma mais frutas, legumes, verduras, cereais e
laticínios com baixos teores de gordura.
 Use menos sal, açúcar e frituras.
 Dê preferência às carnes brancas.
 Evite bebidas alcoólicas
Como controlar o Diabetes
Suspensão do
tabagismo
“O fumo agrava várias doenças (nos rins,
no coração e nos olhos)”
“dificulta a redução do açúcar pela
insulina”
“aumenta a pressão e o colesterol”
“reduz a circulação de oxigênio no
organismo” ...
“provoca rugas”
Como controlar o Diabetes
Aumento da atividade
física

Mexam-se !

O exercício faz bem para o corpo e para a
mente. As pequenas práticas de atividades
físicas diárias previnem as doenças e melhoram
a qualidade de vida.
Como controlar o Diabetes
Medicamentos e Exames
 Compareça às consultas agendadas na
Unidade. Participe do seu tratamento !
 Tome seu remédio regularmente.
 Faça seus exames sempre que solicitado.
As orientações anteriores são
importantes porque ...
Mantêm a glicose na taxa normal, prevenindo
complicações da doença.
Atingem níveis de colesterol e triglicerídeos normais
para reduzir riscos de doenças cardíacas.
Auxiliam no controle da pressão arterial.
Previnem e tratam a obesidade.
Cuidados com os pés
NÃO FUME
Examine seu pé diariamente. Se for necessário, peça
ajuda a um familiar ou use um espelho.
Avise seu médico se tiver rachaduras, calos, feridas
ou notar alterações na cor da pele.
Calce sempre meias limpas, de preferência de
algodão.
Calce apenas sapatos que não lhe apertem, de
preferência macios. Não use sapatos sem meias.
Não use sandálias de dedo.
Sapatos novos devem ser usados aos poucos.
Use-os nos primeiros dias em casa por no
máximo 2 horas. Compre-os de preferência no
final do dia.
Nunca ande descalço, mesmo em casa.
Examine o interior do sapato antes de calçá-los.
Os diabéticos têm motivos muito especiais para cuidar de seus pés.
O menor fluxo sanguíneo, a formação de feridas que se infeccionam
e de difícil cicatrização (úlceras de perna) podem levar à gangrena.
As complicações nos pés dos pacientes diabéticos são
responsáveis por cerca de 25% das internações hospitalares destes
pacientes.
CEGUEIRA
O Diabetes descontrolado causa uma alteração da retina que diminui
sua função , fazendo com que a imagem não se forme
adequadamente e também não seja conduzida de forma adequada ao
cérebro para sua interpretação.
NEFROPATIAS
Doenças como a diabetes e pressão alta que, se não tratadas
de maneira correta, podem levar à falência total do
funcionamento renal. E, finalmente, existem pessoas que
quando sentem alguma coisa, já têm os rins totalmente
paralisados. Quando os rins já não funcionam corretamente,
há necessidade de se fazer diálise.
Diabetes Mellitus
OBRIGADO !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Hipertensão arterial powerpoint
Hipertensão arterial   powerpoint Hipertensão arterial   powerpoint
Hipertensão arterial powerpoint
 
Hipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão altaHipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão alta
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
HiperDia
HiperDia HiperDia
HiperDia
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Apresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebralApresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebral
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Diabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapiaDiabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapia
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Aula de diabetes
Aula de diabetesAula de diabetes
Aula de diabetes
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICAHAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Insuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestivaInsuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestiva
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 

Semelhante a HAS e DM causas morte Brasil

Cartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetesCartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetesRoberto Silva
 
diabetes-120127205252-phpapp01.pdf
diabetes-120127205252-phpapp01.pdfdiabetes-120127205252-phpapp01.pdf
diabetes-120127205252-phpapp01.pdfHISTEFFANYMENDONCA1
 
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptxTRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptxJarley Oliveira
 
aula09-diabetesmellitus-enfermagemmdica-231025233348-df01c76f.pptx
aula09-diabetesmellitus-enfermagemmdica-231025233348-df01c76f.pptxaula09-diabetesmellitus-enfermagemmdica-231025233348-df01c76f.pptx
aula09-diabetesmellitus-enfermagemmdica-231025233348-df01c76f.pptxJamiliSilva3
 
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptxAULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptxJoaoLucasSilva9
 
Prevenção de doenças
Prevenção de doençasPrevenção de doenças
Prevenção de doenças8d20092010
 
Diabetes prevenção e controle
Diabetes prevenção e controleDiabetes prevenção e controle
Diabetes prevenção e controleadrianomedico
 
Colesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor RobsonColesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor RobsonProfessor Robson
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudávelraquelpiress
 
Doenças da Modernidade Professor Robson
Doenças da Modernidade Professor RobsonDoenças da Modernidade Professor Robson
Doenças da Modernidade Professor RobsonProfessor Robson
 
Patologias e nutrição
Patologias e nutriçãoPatologias e nutrição
Patologias e nutriçãoe.ferreira
 
DoençAsrelacionadascomamáAlimentaçãO
DoençAsrelacionadascomamáAlimentaçãODoençAsrelacionadascomamáAlimentaçãO
DoençAsrelacionadascomamáAlimentaçãODaniel Sousa
 
Patologias e nutrição
Patologias e nutriçãoPatologias e nutrição
Patologias e nutriçãoe.ferreira
 

Semelhante a HAS e DM causas morte Brasil (20)

29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico
 
Cartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetesCartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
HipertensãO
HipertensãOHipertensãO
HipertensãO
 
diabetes-120127205252-phpapp01.pdf
diabetes-120127205252-phpapp01.pdfdiabetes-120127205252-phpapp01.pdf
diabetes-120127205252-phpapp01.pdf
 
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptxTRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
TRABALHO DE hytalo hipertenso e diabetes.pptx
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
aula09-diabetesmellitus-enfermagemmdica-231025233348-df01c76f.pptx
aula09-diabetesmellitus-enfermagemmdica-231025233348-df01c76f.pptxaula09-diabetesmellitus-enfermagemmdica-231025233348-df01c76f.pptx
aula09-diabetesmellitus-enfermagemmdica-231025233348-df01c76f.pptx
 
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptxAULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
 
Prevenção de doenças
Prevenção de doençasPrevenção de doenças
Prevenção de doenças
 
Diabetes prevenção e controle
Diabetes prevenção e controleDiabetes prevenção e controle
Diabetes prevenção e controle
 
Colesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor RobsonColesterol - Professor Robson
Colesterol - Professor Robson
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
 
Fasciculo Nutricao 03
Fasciculo Nutricao 03Fasciculo Nutricao 03
Fasciculo Nutricao 03
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
 
Doenças da Modernidade Professor Robson
Doenças da Modernidade Professor RobsonDoenças da Modernidade Professor Robson
Doenças da Modernidade Professor Robson
 
Patologias e nutrição
Patologias e nutriçãoPatologias e nutrição
Patologias e nutrição
 
DoençAsrelacionadascomamáAlimentaçãO
DoençAsrelacionadascomamáAlimentaçãODoençAsrelacionadascomamáAlimentaçãO
DoençAsrelacionadascomamáAlimentaçãO
 
Patologias e nutrição
Patologias e nutriçãoPatologias e nutrição
Patologias e nutrição
 

Mais de clinicansl

Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratoriasclinicansl
 
035 o nosso poder vem de dentro
035 o nosso poder vem de dentro035 o nosso poder vem de dentro
035 o nosso poder vem de dentroclinicansl
 
Licao dos-gansospps
Licao dos-gansosppsLicao dos-gansospps
Licao dos-gansosppsclinicansl
 
O segredo (resumido)
O segredo (resumido)O segredo (resumido)
O segredo (resumido)clinicansl
 
Sábios porcos espinhos
Sábios porcos espinhosSábios porcos espinhos
Sábios porcos espinhosclinicansl
 
Tudo depende de_mim_chaplin_1_
Tudo depende de_mim_chaplin_1_Tudo depende de_mim_chaplin_1_
Tudo depende de_mim_chaplin_1_clinicansl
 
Como minimizar o risco de ataque cardíaco
Como minimizar o  risco de ataque cardíacoComo minimizar o  risco de ataque cardíaco
Como minimizar o risco de ataque cardíacoclinicansl
 
Equoterapia parte 1 1
Equoterapia parte 1 1Equoterapia parte 1 1
Equoterapia parte 1 1clinicansl
 
Equoterapia parte 3
Equoterapia   parte 3Equoterapia   parte 3
Equoterapia parte 3clinicansl
 
Equoterapia parte 2
Equoterapia   parte 2Equoterapia   parte 2
Equoterapia parte 2clinicansl
 
Modificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestaçãoModificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestaçãoclinicansl
 
Incontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaIncontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaclinicansl
 
Primerios socorros
Primerios socorrosPrimerios socorros
Primerios socorrosclinicansl
 
Vida o maior de todos os presentes
Vida   o maior de todos os presentesVida   o maior de todos os presentes
Vida o maior de todos os presentesclinicansl
 
Entendendoodiabetes
EntendendoodiabetesEntendendoodiabetes
Entendendoodiabetesclinicansl
 
Celebrar a vida
Celebrar a vidaCelebrar a vida
Celebrar a vidaclinicansl
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurançaclinicansl
 
Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1clinicansl
 

Mais de clinicansl (20)

Tabagismo 1
Tabagismo 1Tabagismo 1
Tabagismo 1
 
Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratorias
 
035 o nosso poder vem de dentro
035 o nosso poder vem de dentro035 o nosso poder vem de dentro
035 o nosso poder vem de dentro
 
Licao dos-gansospps
Licao dos-gansosppsLicao dos-gansospps
Licao dos-gansospps
 
O segredo (resumido)
O segredo (resumido)O segredo (resumido)
O segredo (resumido)
 
Sábios porcos espinhos
Sábios porcos espinhosSábios porcos espinhos
Sábios porcos espinhos
 
Tudo depende de_mim_chaplin_1_
Tudo depende de_mim_chaplin_1_Tudo depende de_mim_chaplin_1_
Tudo depende de_mim_chaplin_1_
 
Como minimizar o risco de ataque cardíaco
Como minimizar o  risco de ataque cardíacoComo minimizar o  risco de ataque cardíaco
Como minimizar o risco de ataque cardíaco
 
Equoterapia parte 1 1
Equoterapia parte 1 1Equoterapia parte 1 1
Equoterapia parte 1 1
 
Equoterapia parte 3
Equoterapia   parte 3Equoterapia   parte 3
Equoterapia parte 3
 
Equoterapia parte 2
Equoterapia   parte 2Equoterapia   parte 2
Equoterapia parte 2
 
Fisioterapia
FisioterapiaFisioterapia
Fisioterapia
 
Modificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestaçãoModificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestação
 
Incontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaIncontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapia
 
Primerios socorros
Primerios socorrosPrimerios socorros
Primerios socorros
 
Vida o maior de todos os presentes
Vida   o maior de todos os presentesVida   o maior de todos os presentes
Vida o maior de todos os presentes
 
Entendendoodiabetes
EntendendoodiabetesEntendendoodiabetes
Entendendoodiabetes
 
Celebrar a vida
Celebrar a vidaCelebrar a vida
Celebrar a vida
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1Biossegurança parte 1
Biossegurança parte 1
 

Último

LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 

Último (20)

LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 

HAS e DM causas morte Brasil

  • 2. • • • • • Médico formado na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Residência em Clínica Médica no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) – Porto Alegre. Residência em Cardiologia no Instituto de Cardiologia – Fundação Universitária de Cardiologia – Porto Alegre. Residência em Ecocardiografia no Instituto Nacional de Cardiologia (INC) – Rio de Janeiro. Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.
  • 5. O sangue leva para nossas células o combustível necessário para manter a nossa vida: açúcar (glicose), oxigênio, hormônios. E retira das células o lixo da combustão ácidos, gás carbônico.
  • 6. Para realizar este trabalho, o sangue precisa circular por todo o organismo.
  • 7. artérias O sangue sai com força do coração, percorre “quilômetros” de artérias e volta ao coração trazido pelas veias. veias 14
  • 8. Para que o sangue possa circular pelo corpo, é necessário que uma bomba (o coração) faça força (pressão) para empurrar este sangue por dentro das artérias.
  • 9. Ao passar dentro das artérias, o sangue encontra uma resistência (pressão), provocada pelo atrito e pela resistência dos vasos. Quanto mais estreita é a artéria, maior a resistência (pressão) à passagem do sangue.
  • 10. A força do coração para bombear o sangue é chamada de pressão máxima, ou sistólica.
  • 11. A resistência que a artéria oferece à passagem do sangue é chamada de pressão mínima, ou diastólica.
  • 12. Desta forma, quando o médico diz que sua pressão é 12 por 8, ele está informando que a pressão (força) exercida pelo seu coração para empurrar o sangue pelas artérias é igual a 120 milímetros de mercúrio (mmHg) e que a pressão (resistência) que suas artérias estão oferecendo à passagem do sangue é de 80 mmHg.
  • 13. A pressão arterial depende da largura (calibre) da artéria. Artérias com calibre normal artéria normal permitem que as pressões artéria estreitada máxima e mínima sejam também normais. Se o calibre da artéria se estreitar, aumenta o atrito do sangue e a pressão mínima. O coração terá que fazer mais força para empurrar o sangue dentro pressão normal da artéria, aumentando a pressão máxima. pressão aumentada
  • 14. Veja os exemplos: Artéria com calibre normal. O sangue passa sem dificuldade. Pressão arterial normal, tipo 12 x 7. Neste caso, a força que o coração faz pressão máxima - está normal, porque a artéria tem calibre adequado e não faz grande resistência à passagem do sangue (pressão mínima normal).
  • 15. Artéria com calibre reduzido. O sangue passa com dificuldade. Pressão arterial alterada, tipo 18 x 10. Quando o calibre da artéria fica reduzido, aumenta a resistência à passagem do sangue e, consequentemente, a pressão mínima se eleva. Quando a pressão mínima se eleva, o coração tem que fazer muito mais força para empurrar o sangue, e, consequentemente, a pressão máxima também se eleva.
  • 16.   A  hipertensão  arterial  (ou  pressão  alta)  tem  sua  origem  no  estreitamento  do  calibre  das  artérias  (e  consequente  aumento  de  pressão),  o  que  obriga  o  coração  a  também  aumentar  sua  pressão  para poder empurrar o sangue por dentro  destas artérias estreitadas.
  • 17. Hipertensão Arterial Sistêmica  A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma doença multifatorial, caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).  Aproximadamente 30% da população tem hipertensão.
  • 19.  Não se conhece, até hoje, o motivo  pelo  qual  as  pessoas  ficam  hipertensas.    Enquanto  não  se  descobrir  este  motivo,  não  haverá  cura  para  a  pressão alta.
  • 20.  Fatores de Risco para HAS:  Idade  Gênero e Etnia  Excesso de peso e Obesidade  Ingestão de sal  Ingestão de álcool  Sedentarismo  Genética
  • 23. Prevenção e Tratamento da HAS  Medidas não-medicamentosas  Controle do Peso  Estilo Alimentar  Redução do consumo de sal  Atividades Físicas  Cessação do Tabagismo  Equipe Multidisciplinar  Medidas medicamentosas
  • 24.  No Brasil, estudos populacionais realizados nos últimos quinze anos, revelaram baixos níveis de controle da PA (19,6%).  Ou seja, a cada 5 pacientes tratando a hipertensão, apenas 1 está com sua pressão controlada !!
  • 27. PRESSÃO ALTA (Hipertensão Arterial) SE VOCÊ NÃO TEM, PREVINA-SE ! SE VOCÊ TEM, CONTROLE !
  • 29. Diabetes Mellitus Precisamos de duas substâncias muito importantes para ter energia : o oxigênio (presente no ar) e o açúcar (em forma de glicose presente nos alimentos). Açúcar Oxigênio +
  • 30. Diabetes Mellitus Uma das funções do sangue é transportar o oxigênio e o açúcar que vão nutrir nossas células. Isto gera a energia ! Açúcar Oxigênio + = Energi a
  • 31. Diabetes Mellitus  O açúcar no sangue precisa de uma permissão para entrar na célula.  Quem dá essa permissão para o açúcar entrar na célula é um Hormônio, chamado insulina, produzido pelo pâncreas.
  • 33. Diabetes mellitus Tipo 1 Tipo 2 80-90% dos casos diagnosticados
  • 34. Diabetes Melitus Definição:  Glicemia de Jejum maior que 126 mg/dL.  Glicemia > 200 mg/dL no Teste Oral de Tolerância a Glicose.  Hemoglobina Glicosilada > 6,5%.  Paciente com sintomas clássicos e glicose casual > 200 mg/dL.
  • 35. Diabetes Mellitus Diabetes Mellitus Tipo 1 é causada por um defeito: destruição das células que produzem insulina no pâncreas. Diabetes Mellitus Tipo 2 é causada por dois defeitos: as células não dão muita permissão para o açúcar entrar e o pâncreas cansa de fabricar insulina.
  • 36. Diabetes Mellitus Diabetes Mellitus Tipo 1 o paciente sempre usará insulina.
  • 37. Diabetes Mellitus Diabetes Mellitus Tipo 2 o paciente sempre usará medicamento oral e /ou insulina.
  • 38.
  • 40. Como controlar o Diabetes Alimentação  Coma mais frutas, legumes, verduras, cereais e laticínios com baixos teores de gordura.  Use menos sal, açúcar e frituras.  Dê preferência às carnes brancas.  Evite bebidas alcoólicas
  • 41. Como controlar o Diabetes Suspensão do tabagismo “O fumo agrava várias doenças (nos rins, no coração e nos olhos)” “dificulta a redução do açúcar pela insulina” “aumenta a pressão e o colesterol” “reduz a circulação de oxigênio no organismo” ... “provoca rugas”
  • 42. Como controlar o Diabetes Aumento da atividade física Mexam-se ! O exercício faz bem para o corpo e para a mente. As pequenas práticas de atividades físicas diárias previnem as doenças e melhoram a qualidade de vida.
  • 43. Como controlar o Diabetes Medicamentos e Exames  Compareça às consultas agendadas na Unidade. Participe do seu tratamento !  Tome seu remédio regularmente.  Faça seus exames sempre que solicitado.
  • 44. As orientações anteriores são importantes porque ... Mantêm a glicose na taxa normal, prevenindo complicações da doença. Atingem níveis de colesterol e triglicerídeos normais para reduzir riscos de doenças cardíacas. Auxiliam no controle da pressão arterial. Previnem e tratam a obesidade.
  • 45. Cuidados com os pés NÃO FUME Examine seu pé diariamente. Se for necessário, peça ajuda a um familiar ou use um espelho. Avise seu médico se tiver rachaduras, calos, feridas ou notar alterações na cor da pele. Calce sempre meias limpas, de preferência de algodão.
  • 46. Calce apenas sapatos que não lhe apertem, de preferência macios. Não use sapatos sem meias. Não use sandálias de dedo. Sapatos novos devem ser usados aos poucos. Use-os nos primeiros dias em casa por no máximo 2 horas. Compre-os de preferência no final do dia. Nunca ande descalço, mesmo em casa. Examine o interior do sapato antes de calçá-los.
  • 47. Os diabéticos têm motivos muito especiais para cuidar de seus pés. O menor fluxo sanguíneo, a formação de feridas que se infeccionam e de difícil cicatrização (úlceras de perna) podem levar à gangrena. As complicações nos pés dos pacientes diabéticos são responsáveis por cerca de 25% das internações hospitalares destes pacientes.
  • 48. CEGUEIRA O Diabetes descontrolado causa uma alteração da retina que diminui sua função , fazendo com que a imagem não se forme adequadamente e também não seja conduzida de forma adequada ao cérebro para sua interpretação.
  • 49. NEFROPATIAS Doenças como a diabetes e pressão alta que, se não tratadas de maneira correta, podem levar à falência total do funcionamento renal. E, finalmente, existem pessoas que quando sentem alguma coisa, já têm os rins totalmente paralisados. Quando os rins já não funcionam corretamente, há necessidade de se fazer diálise.