Curso 50 ia

310 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
310
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso 50 ia

  1. 1. Luís Gardete Correia Presidente da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal – APDP – Diabetes Portugal Director do Observatório Nacional da Diabetes – OND
  2. 2. A Diabetes no Mundo I •382 milhões (8,3%) de pessoas com diabetes - 2011 e 552 milhões (9,9%) - 2030. •O número de pessoas com diabetes tipo 2 está a aumentar rapidamente em todos os países. •80% estão em países com baixo ou médio desenvolvimento económico. •O maior número situa-se entre a faixa etária dos 40 a 59 anos de idade. International Diabetes Federation 2011
  3. 3. A Diabetes no Mundo II •176 milhões de pessoas (46%) com diabetes estão por diagnosticar. •A diabetes causou cerca de 4.6 milhões de mortes em 2011. •A diabetes custou em 2011 cerca de 465 biliões de dólares em despesas com a saúde (11% do total despendido com a saúde de adultos -20-79 anos). International Diabetes Federation 2011
  4. 4. O Impacto da Doença por Grupo e por Região 60% das mortes globalmente são responsabilidade das Doenças Crónicas Source: WHO, 2008 & WHO, 2005
  5. 5. A transição epidemiológica Fonte: New England Journal of Medicine, 2012 Principais Causas de Morte nos EUA em 1900 e 2010
  6. 6. Magnitude Global da Mortalidade por Doenças Crónicas 70 million 10% 60 million 31% 40 million 59% 30 million 20 million 18.0M 10 million 0 Total number of deaths (2004) Group III - Injuries Group II – Deaths from noncommunicable diseases Group I – Communicable diseases, maternal, perinatal and nutritional conditions Source: 50 million 5.8M 35.0M
  7. 7. As doenças não transmissíveis representam hoje uma enorme ameaça para a saúde e desenvolvimento dos países: 4 doenças : Cancro Diabetes Doença cardiovascular Doença crónica respiratória são responsáveis por 60% das mortes no mundo Mas ….são doenças largamente preveníveis …..se eliminarmos os factores de risco.
  8. 8. Diabetes: um Desafio Mundial
  9. 9. Países com mais diabetes no mundo 2011-2030
  10. 10. A Diabetes na China 1980 1% 1994 2,5% 2001 5,5% 2007 9,7% 2010 11,6% > 100 milhões de pessoas com diabetes
  11. 11. Prevalência da Diabetes •A Prevalência da Diabetes em Portugal é de 12,7% na população adulta (1.000.000 de pessoas).
  12. 12. Prevalência da Diabetes •Verifica-se uma correlação direta entre o aumento da prevalência da Diabetes e o envelhecimento da população. •Mais de um ¼ da população portuguesa integrada no escalão etário dos 60-79 anos tem Diabetes.
  13. 13. Prevalência da Diabetes e da Pré-Diabetes 39,2% da população adulta (correspondendo a 3 milhões de indivíduos) ou tem Diabetes ou Hiperglicémia Intermédia/Pré-Diabetes.
  14. 14. Incidência da Diabetes •Verifica-se um crescimento acentuado do número de novos casos diagnosticados anualmente em Portugal na última década. Em 2011 estima-se a existência de 652 novos casos de Diabetes por cada 100.000 habitantes.
  15. 15. Prevalência da Diabetes tipo 1 nas Crianças e Jovens •A Diabetes tipo 1 nas crianças e nos jovens em Portugal (Registo DOCE), em 2011, atingia mais de 3 mil indivíduos com idades entre 0 e 19 anos, o que corresponde a 0,14% da população portuguesa neste escalão etário.
  16. 16. Mortalidade por Diabetes •A Diabetes assume um papel significativo nas causas de morte, tendo a sua importância decrescido ligeiramente no último ano.
  17. 17. Mortalidade por Diabetes •Em 2010 a Diabetes representou cerca de sete anos de vida perdida por cada óbito por Diabetes na população com idade inferior a 70 anos.
  18. 18. Hospitalização na Diabetes •O número de doentes saídos (internamentos) nos hospitais do SNS com Diabetes como diagnóstico principal apresenta uma tendência de estabilização nos últimos anos. •Já o número de doentes saídos (internamentos) em que a Diabetes surge como diagnóstico associado tem vindo a aumentar significativamente ao longo do período em análise (aumentou 82% entre 2002 e 2011).
  19. 19. Hospitalização na Diabetes •A duração média dos internamentos dos doentes com Diabetes é superior à média global.
  20. 20. Complicações da Diabetes Amputações •O número de amputações major dos membros inferiores, por Diabetes, tem registado uma trajetória de redução após o ano de 2004 (valor máximo das amputações na última década). O número de amputações major é inferior ao número de amputações minor pelo segundo ano consecutivo.
  21. 21. Complicações da Diabetes Rim •A prevalência da Diabetes nas pessoas com IRC em Hemodiálise, bem como nos novos casos, aumentou significativamente entre 2007 e 2011.
  22. 22. Complicações da Diabetes Doença Macro Vascular •28% dos internamentos por AVC são em pessoas com Diabetes, tendo a sua importância relativa aumentado 5,5p.p. nos últimos 10 anos. A letalidade nas pessoas com Diabetes e AVC é inferior à registada para os AVC.
  23. 23. Complicações da Diabetes Doença Macro Vascular •31% dos internamentos por EAM são em pessoas com Diabetes, tendo a sua importância relativa aumentado 6p.p. nos últimos 10 anos. Não obstante a letalidade nas pessoas com Diabetes e EAM ser superior aos valores globais de EAM, é de salientar a dinâmica regressiva mais acentuada da taxa de letalidade nesta população.
  24. 24. Controlo e Tratamento da Diabetes •O incremento do consumo tem-se traduzido num acréscimo das vendas de medicamentos para a Diabetes, quer em termos de volume de embalagens vendidas quer de valor.
  25. 25. Custos da Diabetes •Se considerarmos que a despesa identificada, de acordo com Estrutura da Despesa de Saúde em Diabetes - Estudo CODE-2, corresponde entre 50-60% do total da despesa, a Diabetes em Portugal, em 2011, representou um custo direto estimado entre 1.600 − 1.900 milhões de USD (um acréscimo de 133 milhões de USD face ao ano transato).
  26. 26. Diabetes Mellitus: Impacto na Saúde 1as causas de morte Doença cardiovascular e AVC: 2x a 4x aumentada 1ª causa de Insuficiência Renal Diabetes 1ª causa de cegueira Lesões neurológicas em 60% a 70% dos doentes 1ª causa de amputações não traumáticas Diabetes Statistics. March 1999. NIDDK publication NIH 99-3892. Harris MI et al. Diabetes Care. 1993;16:1446–1452.
  27. 27. Courtesy of A. Kapur O Estilo de Vida em Transição
  28. 28. O Estilo de Vida em transição Courtsy of A. Kapur
  29. 29. A evolução para a modernidade 60 milhões de anos 60 anos
  30. 30. Evolução histórica Inicio do Séc. XX Esperança de vida ao diagnóstico era de 44 anos 1921 insulina Esperança de vida sobe para 61 anos Após 1921 As complicações tardias da diabetes e a idade c/ risco Séc. XX Melhoria das condições sanitárias Anos 40 Os antibióticos Anos 50/60 A genética e a obesidade Anos 70/80/90 Urbanização, mais acesso a alimentos e sedentarização Obesidade Epidemia Global de Diabetes
  31. 31. História natural da diabetes tipo 2 ATG Diabetes Niveis plasmáticos Insulinoresistência insulina normal Glicemia normal Insulina endógena Glicemia Post-prandial Glicemia em Jejum Complicações microvasculares Complicações macrovasculares Média de 6.5 anos
  32. 32. Factores que contribuem para o aumento da prevalência da diabetes tipo 2 Diabetes tipo 2 Obesidade Sedentarismo Excesso calórico Predisposição genética Envelhecimento
  33. 33. Factores sociais e ambientais no risco da diabetes Padrões de alimentação – Portugal • Calorias ingeridas Homens 2.473 cal. dia (1961) 3.617 cal. dia (2009) • Porções médias Bebidas soft (açucaradas) Sumos Fast food Promoções • Alimentos ricos em gorduras, hidratos de carbono e açúcares Exercício físico • • • 19% fazem exercício físico regular 50% não fazem qualquer tipo de exercício Caminhar Bicicleta exercício físico na rotina diária • meios digitais(TV/computadores/jogos)
  34. 34. Aumento de tamanho médio nos últimos 20 anos
  35. 35. Alimentos processados devem ser evitados na alimentação • Alimentos enlatados com largas quantidades de sal e gordura. • Massas feitas com farinhas refinadas em vez de farinhas completas. • Snacks altamente calóricos com fritos e doces. • Congelados com elevado teor de sal. • Pacotes de bolos e doces de longa conservação. • Caixas com refeições completas ricas em gordura e sal. • Pequenos almoços de cereais açucarados. • Carnes processadas.
  36. 36. Adaptado de: Societal Approach to DM Prevention in the Young. Francine Kaufman
  37. 37. 350 Kcal 90 Kcal 1400 Kcal 320 Kcal 230 Kcal 2 fatias = 700 Kcal 60 Kcal 150 Kcal 210 Kcal 900 Kcal 250 Kcal
  38. 38. Que fazer? Prevenir, detectar precocemente, tratar adequadamente e acompanhar, sempre!
  39. 39. Na prevenção primária: • A forma mais prevalente da Diabetes – a tipo 2 - é largamente prevenível: a introdução de alterações comportamentais pode evitar até 60% da incidência da doença; • A Diabetes partilha os factores de risco com a generalidade das doenças crónicas, pelo que a intervenção na sua prevenção é altamente efectiva, ultrapassando o campo da própria Diabetes; • A introdução da “Ficha de Avaliação de Risco da Diabetes tipo 2” permitirá identificar a população em risco e encaminhá-la para sessões de educação para a sua prevenção
  40. 40. Critérios para rastreio de pessoas de risco para diabetes 2 1. Pessoas com mais de 40 anos de idade com 1 ou mais dos factores:  história familiar de diabetes em 1º grau e/ou  IMC >25 kg/m2 e/ou  Cintura ≥ 94 cm no homem e ≥ 80 na mulher e/ou  TAS ≥ 140 mmHG e TAD ≥ 90 mmHg e/ou  HDL colesterol ≤ 35 mg/dl ou TG ≥ 200 mg/dl ou dislipidemia em med. 2. 3. 4. 5. 6. 7. História de diabetes gestacional ou criânça com + de 4 Kg ao nascer História de diabetes temporária induzida Pessoas com doença cardíaca isquémica, AVC ou doença vascular periférica Mulher com sind. de ovário poliquístico e IMC > 30 Kg/m2 Pessoas com doenças mental ou medicada com fármacos anti-psicóticos História de anomalia da glicémia em jejum ou alteração da tolerância à glucose
  41. 41. Na detecção precoce: • O conhecimento do risco também permitirá uma identificação mais precoce das pessoas com Diabetes (todas as que têm um risco moderado ou alto deverão fazer PTOG) e a introdução de uma educação atempada e eventualmente medicação para evitar a sua progressão.
  42. 42. No tratamento: • Um adequado controlo metabólico das pessoas com Diabetes pode evitar 50 a 70% das complicações da doença;
  43. 43. Modelo de Prevenção Envolvimento profissional Informação Alimentação ingerida Energia adquirida Escola Actividade Física Energia gasta Envolvimento sócio-cultural Urbanização Equipa de saúde Politica ambiental Adaptado de: Societal Approach to DM Prevention in the Young. Francine Kaufman
  44. 44. Planeamento urbano Adaptado de: Societal Approach to DM Prevention in the Young. Francine Kaufman
  45. 45. Exercício físico • 150 minutos de exercício físico moderado ou intenso por semana (30 minutos em 5 dias)
  46. 46. Padrões de alimentação que estão associadas a redução de risco de diabetes 2 • • • • • Alimentação rica em vegetais Alimentos à base de cereais não refinados Utilização de óleos de origem vegetal Opção por peixe ou proteínas de origem vegetal Limitação de alimentos processados
  47. 47. Prevenção da Diabetes TASK 1 – Prevenção primária (Portugal sem Diabetes) 1.a: Target – População geral – campanha media (TV, jornais, rádio, redes sociais) Desenvolvimento Criativo e Estratégico da Campanha (criação de imagem e aplicação em vários formatos: anúncios de imprensa, spot rádio, spot TV …); Implementação, Promoção e Comunicação das ações Produção de Conteúdos e Plano de media/anual (Televisão, Rádio e Imprensa) 1.b: Target – Escolas 1º Ciclo: Kit/Aula – Alimentação saudável 3980 Kits interativo com DVD + envio para escolas do ensino básico do 1º ciclo 2º Ciclo: Concurso Nacional Desafio às escolas para fazerem um vídeo sobre a prevenção da Diabetes 3º Ciclo: Carrinha com adaptação a cozinha Universidades: Aulas de ginástica e/ou dança Sessões de exercício físico nas diferentes universidades (Inclui: Deslocação, estrado para a aula de exercício físico, sistema de som e professor de ginástica)
  48. 48. 1.c: Target – Grávidas 5000 Folhetos impressos a 4 cores, 2000 Cartazes A3 impressos a 4 cores 1.d: Target – Idosos Programa de Atividade Física nos centros de dia e lares (Inclui: estrado para a aula de exercício físico, sistema de som e professor de ginástica) TASK 2 – Prevenção secundária / terciária (Diabetes sem Complicações) 3 Carrinhas “Diabetes Portugal”: Norte / Lisboa / Alentejo em coordenação com APDP’s Avaliação olhos/pés/rins/TA/Cintura/Lípidos/A1c TASK 3 – Formação de Gestores de Diabetes Curso de Formação para 1 representante Câmara Municipal + representante/UCF de diabetes TASK 4 – Monitorização (Observatório da Diabetes + outros Programas/Sociedades) 1.a: Monitorização de Implementação 1.b: Monitorização de resultados de saúde TASK 5 – Coordenação e Acompanhamento 1.a: Nacional / Projeto – APDP + FCG + EDP + … 1.b: Regional – Gestores de Diabetes
  49. 49. Comparação dos custos e impacto na saúde Campo de actuação Recursos Impacto Sistema de saúde 90% 11% Meio ambiente 1,5% 19% Prevenção 1,5% 43% Investigação 7% 27%
  50. 50. Organização dos cuidados médicos centrados no doente Urologia Oftalmologia Neurologia Consulta Diabetes Cardiologia Nefrologia Podologia Modelo existente Organização por especialidades APDP/Michael Porter
  51. 51. PISO 6 – Crianças e Jovens /Especialidades - Cirurgia vascular - Diabetologia (1 médico, 1 enfermeiro) - Cardiologia (2 médicos, 1 técnico) - Psicólogo (1) - Nutricionista (2) - Medicina interna (1 médico) - Pediatria (1 médico) - Auxiliares Ação Médica (3) - Administrativa (1) PISO 5 – Consulta de Oftalmologia - Oftalmologia (5 médicos + 1 Enfermeira ) - Ortópticos (6) - Auxiliares Ação Médica (3) - Administrativa (2) PISO 4 – Consulta de Diabetologia - Diabetologia (4 enfermeiras) - Endocrinologia (4 médicos) - Medicina Interna (1 médico coordenador) - Medicina Geral (1 médico) - Dietistas (2) - Nutricionistas (2) - Auxiliares Ação Médica (2) - Administrativa (2) PISO 3 – Consulta de Diabetologia - Diabetologia (3 enfermeiras ) - Endocrinologia (1 médico coordenador) - Medicina Geral (2 médicos) - Dietistas (2) - Auxiliares Ação Médica (2) - Administrativa (1) PISO 2 – Consulta de Podologia - Podologia (5 enfermeiros + 1 técnico) - Endocrinologia (1 médico) - Medicina Geral (1 médico) - Auxiliares Ação Médica (2) - Quiropodistas (2) - Esterilização (1) PISO 1 – Circuito 1ª Vez - Análises laboratoriais (2 técnico) - Retinografia (1 técnico) - Electrocardiograma (1 técnico) - 2 Enfermeiros - Dietista (1) • Escola da Diabetes Cursos para Profissionais de Saúde Pós-Graduação em Diabetes • APDP Norte PISO 01– Diálise - 1 Médico - 2 Enfermeiros - 2 Auxiliares PISO 02 – Blocos Operatórios - Médicos - 2 Enfermeiros - 1 Auxiliar
  52. 52. A Epidemia de Diabetes • Epidemia fora de controlo. • Graves implicações no desenvolvimento dos países. • Urgente necessidade de: – Programas de prevenção. – Reforço dos sistemas de saúde.
  53. 53. Luis Gardete Correia gardete@apdp.pt luisgardete@netcabo.pt Muito obrigado!
  54. 54. A quantidade de açúcar refinado consumido em média por dia por cada português - 2012 2,9 Kg de açúcar por mês ou 96,3 g por dia (como se comêssemos por dia 16 pacotes de açúcar ou 23 colheres de chá de açúcar) 34,7 Kg por ano 30% das criânças portuguesas têm excesso de peso e destas 10% são obesas

×