A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea. Roberto Lopes – Doutorando em CI (IBICT/...
Questão inicial e as razões que a circunscrevem <ul><li>Mesmo que se observe um relativo afastamento entre as áreas da Arq...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  3/34 A Proposta...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  4/34 De que for...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  5/34 A Distribu...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  8/34 Aluf A. El...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  13/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  14//34 Aluf A. ...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  15/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  17/34 Aluf A. E...
“  O arquivo é, de início, aquilo que pode ser dito, o sistema que rege o aparecimento dos enunciados como acontecimentos ...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  19/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  20/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  21/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  22/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  23/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  22/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  25/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  26/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  27/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  28/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  28/34 Aluf A. E...
A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório.  31/34 Aluf A. E...
Referencias bibliográficas   <ul><li>BARROS, T. H. B.  A Construção Discursiva em Arquivística: Uma Análise do Percurso Hi...
Referencias bibliográficas  <ul><li>CARTER. S. G.  Of Things Said and Unsaid: Power,Archival Silences, and Power in Silenc...
Obrigado ! [email_address] [email_address]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contemporanea. aluf elias e bobb lopes. 2010

3.557 visualizações

Publicada em

Apresentado na II II Reunião Brasileira de Ensino e Pesquisa em Arquivologia, 2011, Rio de Janeiro.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.557
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
70
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contemporanea. aluf elias e bobb lopes. 2010

  1. 1. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea. Roberto Lopes – Doutorando em CI (IBICT/ UFRJ) Aluf Alba Elias – Mestranda em CI (IBICT/ UFRJ) II Reunião Brasileira de Ensino e Pesquisa em Arquivologia Rio de Janeiro – RJ 16 a 18 de novembro de 2011
  2. 2. Questão inicial e as razões que a circunscrevem <ul><li>Mesmo que se observe um relativo afastamento entre as áreas da Arquivística e da Filosofia Contemporânea, decorrente da baixa incidência de pesquisas que objetivem analisar seus inter-relacionamentos teóricos e práticos , encontraremos influentes autores que, ocasionalmente, citaram ou analisaram a questão do Arquivo como parte de sua obra. </li></ul><ul><li>Forte representatividade da “corrente” de pensamento filosófica denominada Pós-estruturalismo, cujo representante Michel Foucault contribuiu significantemente para a questão do Arquivo. </li></ul>A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 2/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes
  3. 3. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 3/34 A Proposta de Trabalho Aluf A. Elias e Roberto Lopes <ul><li>Iniciar uma breve reflexão acerca da abordagem foucaultiana sobre a questão do Arquivo; </li></ul><ul><li>Observar como o campo arquivístico se apropriou e configurou das idéias de Foucault sobre o que e como o filósofo apresenta o Arquivo; </li></ul><ul><li>Categorizar a influência foucaultiana nos estudos arquivísticos e documentais, indo de encontro a uma nova proposta em relação aos conceitos da filosofia Foucaultiana para uma realidade baseada na produção e disseminação da informação em arquivos. </li></ul>
  4. 4. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 4/34 De que forma? Aluf A. Elias e Roberto Lopes <ul><li>Breve abordagem sobre o Pós-estruturalismo, identificando de forma resumida, as análises feitas por essa corrente filosófica sobre os conceitos informação, documento e Arquivo; </li></ul><ul><li>Discussão e categorização das análises feitas por Michel Foucault, em partes localizadas de sua obra, referentes ao arquivo e documento; </li></ul><ul><li>Discussão sobre a apropriação de autores ligados à arquivística ou a áreas correlatas (por exemplo Frohmann) das idéias foucaultianas . Nessa parte, devido ao escopo diversificado do tema estudado, foram realizados levantamentos em periódicos internacionais que tratam da arquivística como Archivaria , Archival Science e American Archivist e, também, em publicações nacionais localizadas;. </li></ul>
  5. 5. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 5/34 A Distribuição dos Capítulos Aluf A. Elias e Roberto Lopes <ul><li>1. Introdução </li></ul><ul><li>Breve análise da relação entre o Pós-estruturalismo, Ciência </li></ul><ul><li>da Informação e Arquivologia. </li></ul><ul><li>3. A filosofia de Michel Foucault e a questão do Arquivo </li></ul><ul><li>4. Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata </li></ul><ul><li>4.1 Autores nacionais </li></ul><ul><li>4.2 Autores internacionais </li></ul><ul><li>5. Novas abordagens do dispositivo foucaultiano. </li></ul>
  6. 6. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 8/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Michel Foucault 15/10/1926 – 25/06/1984 “ O homem é uma invenção recente que a arqueologia de nosso pensamento mostra claramente a data recente, e talvez também o fim próximo” Um dos mais influentes pensadores franceses contemporâneos, inicialmente identificado como estruturalista. Nasceu em Poitiers e foi professor no Collège de France (1970). Seu ponto de partida é o conceito de episteme , uma rede de significados – uma formação discursiva – que caracteriza uma determinada época nos diversos domínios da sociedade e da cultura. A análise arqueológica que realiza, representa um método original em história das ideias . Mais tarde inspirado por Nietzsche, desenvolve seu método em outra direção, que chama de genealogia, que é essencialmente uma análise histórica de como o poder pode ser tomado como explicativo nas produções dos saberes. O poder contudo deve ser visto ai de uma forma difusa, não se identificando necessariamente com a questão do estado, mas nas várias instancias sociais e culturais. (JAPIASSU e MARCONDES, 1991.)
  7. 7. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 13/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes O Pós-estruturalismo Os pós-estruturalistas reivindicam conhecer impossibilidade do conhecimento sistemático Não existe um significado transcendental e sim o relativismo determinado pelo contexto, o significado não é centrado ou fixo porque está preso num jogo de referências entre as palavras e definições. Os significados estão dispersos, indo da palavra para a definição, para as definições de palavras na definição e assim por diante. As políticas públicas e o Estado, não passariam da compreensão de poder situado no contexto da perspectiva, do ponto de vista do discurso. Cherryholmes (1993).
  8. 8. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 14//34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes O Pós-estruturalismo “ A existência do objeto é inseparável da trama lingüística que supostamente o descreve” (Silva, 2007) ...as classes não mais existissem.... O significado não é centrado ou fixo por que está preso num jogo de referências ou de palavras. Os significados estão dispersos indo da palavra à definição e vice-versa , assim por diante. (Cherryholmes, 1993)
  9. 9. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 15/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Breve análise da relação entre o Pós-estruturalismo, Ciência da Informação e Arquivologia. Ronald Day (2005): a relação ente o Pós-estruturalismo e os estudos da informação, em particular a CI, são problemáticos e intrigantes; A forma epistêmica ou ontológica da noção de CI é muitas vezes auto-referente (auto-afetiva – “informação”, “dados”, “fatos”) se mostrando ser um efeito sociocultural de contextos muito vagos ou gerais; A identidade é constituída de jogos de diferença; Nesse sentido as teorias de estudos de informação têm se apresentado como uma empresa positivista se enquadrando dentro da tradição metafísica ocidental dos atos de linguagem, substituindo uma pragmática variável com modelos idealistas;
  10. 10. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 17/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes A filosofia de Michel Foucault e a questão do Arquivo No que tange a Arquivística, são as idéias de Foucault, no âmbito da filosofia contemporânea, as mais apropriadas e discutidas dentro da área. Sua abordagem sobre o arquivo, quando ainda se dedica à construção dos saberes, o sugere como dispositivo de afirmação/construção dos saberes, relativizando a questão do documento (de arquivo) como um “monumento” repleto de intenções futuristas. O autor apresenta o documento (arquivo) sendo um instrumento historicizado, portanto, negando a sua idéia forjada de legado verdadeiro do passado e afirmando o papel do historiador em transformá-lo, oferecendo-lhe uma elaboração, um estatuto. Essas idéias causaram impacto para a disciplina Arquivística, pois a partir desta perspectiva o Arquivo perde sua “pureza” e imutabilidade e passa se tornar algo maleável, que se transforma conforme a manipulação.
  11. 11. “ O arquivo é, de início, aquilo que pode ser dito, o sistema que rege o aparecimento dos enunciados como acontecimentos singulares. Mas o arquivo é , também, o que faz com que todas as coisas ditas não se acumulem indefinidamente em uma massa amorfa, não se inscrevam, tampouco, em uma linearidade sem rupturas e não desapareçam ao simples acaso dos acidentes externos , mas que se agrupem em figuras distintas, se componham umas com as outras segundo relações múltiplas, se mantenham ou se esfumem segundo regularidades específicas (...)” Foucault, p. 147, 2007)
  12. 12. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 19/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata Autores Nacionais Encontramos autores que apenas fazem menção a sua obra ou a idéias esparsas, apresentadas em ponto específico de sua literatura (por exemplo, em Jardim, 1995, p.23; 1999, p.97; Fonseca, 2005, p. 34-35), ligadas a aspectos epistemológicos.
  13. 13. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 20/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes A filosofia de Michel Foucault e a questão do Arquivo Outros pesquisadores buscaram utilizar conceitos mais específicos do filósofo francês em relação a função ou definição de arquivo. Isso é visto, por exemplo, em Heymann (2008, p.3-4) e Duarte (2007, p.143-144), que citam a classificação dada por Foucault aos arquivos no livro Arqueologia do saber, especificamente na idéias da relação entre saber e poder, onde as afirmações de poder se atualizam ou fica evidenciadas quando é estabelecido, direta ou indiretamente, o que é “interdito” ou o que é permitido.
  14. 14. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 21/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata Em relação a autores que utilizaram de forma um pouco mais aprofundada as abordagens de Foucault, cita-se a comunicação de Marques e Rodrigues (2010), que ao estudarem os referenciais teóricos da interlocução da Arquivologia nacional e internacional, separaram, entre outros conceitos um chamado de “campo dos acontecimentos discursivos” onde são analisados aspectos de circulação e constituição dos discursos a partir da (já citada) correlação entre saber e poder. Barros (2010, cap.4) também utiliza parcialmente as idéias foucaultianas, a partir do desenvolvimento de uma “análise do discurso” que permite, segundo o autor, contribuir para o crescimento da disciplina arquivística, e entender os discursos mais influentes na área.
  15. 15. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 22/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata Autores Internacionais Na produção internacional arquivistica, destaca-se a cena canadense, que apresentou um numero considerável de pesquisadores que, em diferentes graus, estudaram aspectos da obra do filósofo Francês em seus trabalhos [1] . Destaca-se Terry Cook, que, entre o final dos anos 1990 e início dos anos 2000, produziu influentes trabalhos buscando novos paradigmas “pós-modernos” para a arquivistica, buscando incluir correntes filosóficas ou questões éticas, políticas, sociais e (em menor medida) teóricas e epistemológicas para a discussão da disciplina, do seu profissional e do objeto de estudo . [ 1] Podem ser citados autores Verne Harris e Bernadette Dodge, que em seus estudos, utilizaram de forma localizada a obra de Foucault em alguns de seus trabalhos.
  16. 16. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 23/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata As analises de Foucault na obra de Cook variavam, por exemplo, indo de uma breve citação (por exemplo, em Cook, 1997; 2001), buscando identificar entre várias correntes filosóficas, autores que podiam ser relacionados aos arquivos e, no caso de Foucault, poderiam ter conceitos críticos acerca do papel do cientista ou da construção dos arquivos.
  17. 17. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 22/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata Ou em análises mais aprofundadas sobre a utilização de idéias foucaultianas na arquivologia, onde aparecem, por exemplo, em um trabalho que discute a relação entre arquivos, documentos e poder (Schwartz, Cook, 2002). Nesse artigo, os autores enfatizam a definição de Foucault (reutilizada por Derrida) ao papel dos arquivos de “um construto metafórico onde expõem perspectivas do conhecimento humano, memória e poder e uma questão de justiça” (Schwartz, Cook, 2002, p.4) revisando autores que utilizaram, indiretamente, questões de “microfísica do poder”, controle e o acesso a utilização dos documentos em diferentes suportes e conteúdos .
  18. 18. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 25/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata Outro trabalho que merece citação é de Katelaar (2002), nele encontramos uma das poucas utilizações das idéias da função e papel dos documentos ou arquivos feitas pelo autor no livro vigiar e punir, onde chega a ser citado e discutido o conceito de panópitco, do qual Foucault se apropria em parte deste trabalho
  19. 19. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 26/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata Carter fez utilização de Foucault em uma interessante tema que relaciona o arquivo não só ao poder, mas ao silêncio que as vezes podem ser sentidos nesses documentos ou nas informações não utilizadas, acessadas ou divulgadas neles. Em relação a análise ligada a documentação, o (já citado) autor canadense Bernd Frohmann foi um dos que mais abordou, de forma quantitativa e aprofundada, a relação entre Foucault e o papel dos documentos ou conjuntos documentais. Além da já citada qualidade de sua análise sobre o autor, outra vantagem do estudo de Frohmann é a inclusão de outras características na filosofia foucaultiana que também podem ser aproveitadas no estudo do documento, além das apresentadas em arqueologia do saber e Vigiar e Punir.
  20. 20. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 27/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata Entre diferentes artigos, o trabalho que pode ser considerado como o “principal” é o artigo com o sugestivo título Discourse and Documentation (2000) onde é feito uma análise inicialmente sobre  o conceito de documentação oferecido por Paul Otlet, partindo para a análise da visão micro (ligado a arqueologia do saber e da materialização do documento) e macro(relacionado a obra vigiar e punir- e da função do documento) de Foucault e, por fim, buscando utilizar ambas as abordagens tentando utilizar uma junção entre a documentação e a analise do discurso.
  21. 21. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 28/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Identificando Foucault na bibliografia Arquivística e co-relata Sobre análises de outras idéias feitas por Foucault, não necessariamente relacionadas ao documento, pode ser citado a proposta feita pelo autor (FROHMANN, 2009) de buscar uma “biopolítica documental”, utilizando conceitos feitos por diferentes autores, mas baseando-se fundamentalmente na concepção de biopoder [2] apresentada por Focault. 2] O conceito de Biopoder, segundo a definição original de Foucault, baseia-se ao controle dos corpos e da vida exercidos pelo estado contemporâneo por meio de leis e normas aplicadas pela pedagogia, medicina e economia, que regulariam a sexualidade e o modo de vida da sociedade. Essas idéias podem ser encontras na trilogia História da Sexualidade, sendo o primeiro volume publicado em 1976 e os dois últimos em 1984.
  22. 22. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 28/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes Novas abordagens do dispositivo foucaultiano: Ineficiência das práticas e teorias clássicas de recuperação da informação no ambiente digital, onde uma possível “solução” pode ser encontrada na abordagem de Wittgenstein relacionada aos jogos de linguagens (Blair, 2006; Saldanha, Gracioso, 2010). Ou , também, na abordagem novos “dispositivos” , políticas, ou instrumentos que discutam o fluxo informacional nessas novas midias (Braman, 2006). Análise sobre questões relacionadas ao poder e ética nas redes digitais a partir de uma visão das idéias de Foucault e Deleuze (Frohmann, 2004). Alguns trabalhos que lidam com arquivos (ou documentos de arquivo) digitais podem ser incluídos na discussão de novas formas de estudar o dispositivo foucaultiano na era &quot;virtual“, (apesar de não citarem, pelo menos diretamente, a obra do filósofo francês ou a corrente Pós-esturturalista). “ Aprofundamento” dos estudos de autores como Jardim e Heymann, que aprofundaram, nas décadas de 1990 e 2000, o conceito de dispositivo de Foucault no âmbito da arquivologia.
  23. 23. A Filosofia de Michel Foucault e sua apropriação pela Arquivística Contemporânea: um ensaio exploratório. 31/34 Aluf A. Elias e Roberto Lopes <ul><li>Algumas conclusões </li></ul><ul><li>Análises centralizadas em obras especificas de Foucault, principalmente na Arqueologia do saber. </li></ul><ul><li>No Brasil, estudos ou superficiais ou focados na relação verdade e poder ou de definição do conceito arquivo no Arqueologi a. </li></ul><ul><li>Internacionalmente, visão mais ampla, porém a questão de dispositivo por vezes fica um tanto obscura nas abordagens, apesar que tanto o aspecto da materialidade quando da relação saber e poder são estudados. </li></ul><ul><li>Em relação a análise de novos dispositivos foucaultianos, percebe-se a falta de pesquisas de autores brasileiros ligados a arquivo sobre o tema, focando muito na legitimação ou ao trâmite do documento, sem maiores análises éticas ou filosóficas do tema. </li></ul>
  24. 24. Referencias bibliográficas <ul><li>BARROS, T. H. B. A Construção Discursiva em Arquivística: Uma Análise do Percurso Histórico e </li></ul><ul><li>Conceitual da Disciplina por meio dos Conceitos de Classificação e Descrição. Dissetação de mestrado (Ciência da Informação), UNESP, 2010. </li></ul><ul><li>BLAIR, D. C. Wittgenstein , language and information: 'back to the rough ground!’ Springer, 2006. </li></ul><ul><li>BRAMAN, S. Information, policy, and power in the informational state .  In Change of state:  Information, policy, and power , pp. 313-328.  Cambridge, MA:  MIT Press, 2006 </li></ul><ul><li>COOK, T. What is past is prologue: a history of archival ideas since 1898, and the future </li></ul><ul><li>paradigm shift. Archivaria, v. 43, Spring, p. 18-63. 1997 </li></ul><ul><li>___________. Fashionable nonsense or professional Rebirth: postmodernism and practices of </li></ul><ul><li>archives. Archivaria, n. 51, spring, 2001, p. 14-35. </li></ul><ul><li>Day, R. E. . Post-structuralism and Information Science. In B. Cronin (Ed.), Annual Review of </li></ul><ul><li>Information Science and Technology, vol. 39 (pp. 575-609). 2005 </li></ul><ul><li>FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997. </li></ul><ul><li>FROHMANN, B. Discourse and Documentation: Some Implications for Pedagogy and  Research </li></ul><ul><li>The Journal of Education for Library and Information Science 42: 13-28. 2000 </li></ul><ul><li>FROHMANN, B. Foucault, Deleuze, and the Ethics of Digital Networks International ICIE Symposium 2004, Localizing the Internet: Ethical Issues in Intercultural Perspective, Karlsruhe, Germany, 4-6 October, 2004. </li></ul><ul><li>FROHMANN, B . Documentary Ethics, Ontology, and Politics a rchival Science , 3 (8): 165-180, 2009. </li></ul><ul><li>JARDIM, J. M. . Sistemas e políticas públicas de Arquivos no Brasil. . Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 1995. </li></ul><ul><li>JARDIM, J. M. . Transparência e opacidade do Estado no Brasil: usos e desusos da informação fovernamental. Niteroi: Editora da Universidade Federal Fluminense, 1999. </li></ul><ul><li>Marques, Angelica, E Rodrigues, Georgete. &quot;Interlocuções entre a Arquivologia internacional e a nacional: referenciais teóricos para a sua compreensão&quot; ENANCIB - Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação </li></ul>
  25. 25. Referencias bibliográficas <ul><li>CARTER. S. G. Of Things Said and Unsaid: Power,Archival Silences, and Power in Silence. Archivaria, 2003. </li></ul><ul><li>DUARTE, Z. Arquivo e arquivista: conceituação e perfil profissional. Revista da Faculdade de Letras, porto, 2007. </li></ul><ul><li>FONSECA, M. O. Arquivologia e Ciência da Informação. Editora FGV, 2005. </li></ul><ul><li>HEYMANN, L. Q. . Arquivos e interdisciplinaridade: algumas reflexões . In: seminários CPDOC 2008. </li></ul><ul><li>KETELAAR, E. Archival Temples, Archival Prisons:  Modes of Power and Protection , Archival Science 2 (2002) 221-238. </li></ul><ul><li>SCHWARTZ, J. A.; COOK, T. “Archives, Records, and Power: The Making of Modern Memory,” a rchives, Records, and Power, special double issue of Archival Science: </li></ul><ul><li>International Journal on Recorded Information, 2, 1-2, 2002, pp.1-19. </li></ul>
  26. 26. Obrigado ! [email_address] [email_address]

×