As regularidades discursivas - Foucault

463 visualizações

Publicada em

Slides apresentados na disciplina Metodologia da pesquisa científica, no curso de Mestrado em Ciência da Informação - UFBA.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

As regularidades discursivas - Foucault

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INSTITUTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIA DA INFROMAÇÃO DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof.ª : ZENY DUARTE “AS REGULARIDADES DISCURSIVAS” CAPÍTULO II DO LIVRO “A ARQUEOLOGIA DO SABER”, DE FOUCAULT Bruna Lessa
  2. 2. SUMÁRIO 2 1 O AUTOR: RESUMO HISTÓRICO SOBRE A VIDA DE FOUCAULT 2 O LIVRO “A ARQUEOLOGIA DO SABER” 3 CAPÍTULO II: AS REGULARIDADES DISCURSIVAS 3.1 AS UNIDADES DO DISCURSO 3.2 AS FORMAÇÕES DISCURSIVAS 3.3 A FORMAÇÃO DOS OBJETOS 3.4 A FORMAÇÃO DAS MODALIDADE ENUNCIATIVAS 3.5 A FORMAÇÃO DOS CONCEITOS 3.5 A FORMAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS 3.6 OBSERVAÇÕES E CONSEQUÊNCIAS 4 CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO REFERÊNCIAS Salvador, 2014
  3. 3. O AUTOR: RESUMO HISTÓRICO SOBRE A VIDA DE FOUCAULT Paul-Michel Foucault nasceu em 15 de outubro de 1926, na cidade de Poitiers, na França. Oriundo de uma família de médicos, seu avô era cirurgião; seu pai, Paul Foucault, foi um renomado médico cirurgião e professor de anatomia na escola de medicina. Em 1946, Michel Foucault foi admitido pela Escola Normal Superior da Rua d’Ulm. Em 1949 termina sua graduação em Filosofia e habilita-se também em Psicologia Patológica pelo Instituto de Psicologia de Paris. Em 1955 aceita uma posição na Universidade de Uppsala, na Suécia, como professor e conselheiro cultural. Em 1961, doutorou-se com a tradução e uma introdução com notas sobre Antropologia do ponto de vista pragmático, de Kant. 3 Fonte: Google Imagens Salvador, 2014
  4. 4. O AUTOR: RESUMO HISTÓRICO SOBRE A VIDA DE FOUCAULT Em 1966 publicou As Palavras e as Coisas. Em 1966 visita o Departamento de Filosofia da USP, São Paulo. Em 1969 publica A arqueologia do saber. Em 1984, morre. Encontra-se sepultado no Cimetiere du Vendeuvre, Vendeuvre-du-Poitou, Vienne, na região de Poitou- Charentes, França. 4 Fonte: Google Imagens Salvador, 2014
  5. 5. O LIVRO “A ARQUEOLOGIA DO SABER” “A arqueologia do saber”, publicado pela primeira vez em 1969, é um livro extremamente complexo, pois aborda toda a teoria de Foucault até então de forma a tentar demonstrar sua validade por meio da descrição de uma metodologia. Segundo Machado (2006), nesta obra, Foucault faz uma revisão crítica de seus trabalhos anteriores, explicando conceitos e organizando-os de forma metodológica, como se fosse um manual da pesquisa arqueológica. 5 Fonte: Google Imagens Salvador, 2014
  6. 6. O LIVRO “A ARQUEOLOGIA DO SABER” 6 A definição de todo seu método se construirá na definição dos principais objetos: o discurso, o enunciado e o saber. Salvador, 2014
  7. 7. CAPÍTULO II: AS REGULARIDADES DISCURSIVAS Procura descobrir quais são as unidades reais que existem na história do discurso. Análise das formações discursivas (relações entre enunciados), Existência de quatro unidades complexas que só podem ser estudadas em seus contextos históricos específicos e em sua grande variabilidade ao longo da história. Descreve e observa as consequências de aparecimento na história dos discursos das quatro unidades. 7Salvador, 2014
  8. 8. AS UNIDADES DO DISCURSO 8 “[...] permite reagrupar uma sucessão de acontecimentos dispersos; relacioná-los a um único e mesmo princípio organizador [...] descobrir, já atuantes em cada começo, um princípio de coerência e o esboço de uma unidade futura”(Foucault, 2009, p. 24). “[...] permitem estabelecer entre os fenômenos simultâneos ou sucessivos de uma determinada época uma comunidade de sentido, ligações simbólicas” (Foucault, 2009, p. 24). CONCEITO DE DESCONTINUIDADE CONCEITO DE MENTALIDADE E ESPÍRITO Salvador, 2014
  9. 9. AS UNIDADES DO DISCURSO O analista do discurso: precisa descrever a relação entre enunciados; analisar toda forma de descontinuidade, de corte, limiar ou de limite; analisar os enunciados no campo do discurso e das relações de que são suscetíveis. 9
  10. 10. AS FORMAÇÕES DISCURSIVAS Procura desvendar e reconhecer os laços existentes entre enunciados familiares. 10  Foucault define enunciado como uma função de existência, que cruza um domínio de estruturas e de unidades possíveis, e as faz aparecer com conteúdos concretos, no espaço e no tempo. Identidade e persistência dos temas Interação entre um organismo Salvador, 2014
  11. 11. AS FORMAÇÕES DISCURSIVAS 11 Para compreender como se efetuam as relações entre os enunciados nos campos de saber, Foucault lança mão de quatro hipóteses:  o conjunto se refere ao mesmo objeto;  as relações se definem pela forma e tipo de encadeamento, ou um “estilo”;  grupos de enunciados a partir de sistemas de conceitos permanentes;  encadeamentos por um eixo de temas. Salvador, 2014
  12. 12. A FORMAÇÃO DOS OBJETOS Os objetos são parecidos, porém diferentes em suas épocas e em suas ordens respectivas de discurso; Em cada esfera, o objeto foi moldado de acordo com a ordem do discurso vigente; As relações discursivas não são internas ao discurso, mas sim exteriores a ele. São limítrofes, objetos são ofertados para serem reformulados em suas grades de especificação. São legitimados e interiorizados pela ordem discursiva vigente. Tomados como verdades incontestáveis. 12Salvador, 2014
  13. 13. A FORMAÇÃO DOS OBJETOS 13  Discurso é “um conjunto de enunciados, na medida em que se apoiem na mesma formação discursiva.”  Os discursos possuem um suporte histórico e institucional, que permite ou proíbe sua realização. Um sujeito, quando ocupa um lugar institucional, faz uso dos enunciados de determinado campo discursivo segundo os interesses de cada trama momentânea.  O discurso é uma prática, que constrói seu sentido nas relações e nos enunciados em pleno funcionamento. Salvador, 2014
  14. 14. Observações e consequentes dificuldades: 1. Condições históricas numerosas e importantes >> objeto de discurso 2. Relações estabelecidas entre >> instituições, processos econômicos e sociais, formas de comportamentos, sistemas de normas, técnicas, tipos de classificação, modos de caracterização - não estão presentes no objeto ou definem sua condição interna = mas o permite aparecer e se situar em relação aos outros; 3. Essas relações ≠ relações primárias ou reais Podem se situar no campo as relações secundárias / reflexivas / discursivas. A FORMAÇÃO DOS OBJETOS 14
  15. 15. A FORMAÇÃO DAS MODALIDADE ENUNCIATIVAS 15 Para Foucault, não é um estilo enunciativo que encerra determinado discurso. Para comprovar, cita o exemplo da medicina clínica, composta por uma variada gama de tipos enunciativos (descrições qualitativas, narrativas biográficas, demarcação, dedução, estimativas estatísticas, etc.) Salvador, 2014
  16. 16. OBJETIVO: Encadeamento >> enunciados 1. Quem fala? 2. Qual o status do indivíduo? 3. Onde o sujeito obtém seu discurso? A FORMAÇÃO DAS MODALIDADE ENUNCIATIVAS 16
  17. 17. A FORMAÇÃO DOS CONCEITOS “[...] as regras de formação dos conceitos, qualquer que seja sua generalidade, não são o resultado, depositado na história e sedimentado na espessura dos hábitos coletivos, de operações efetuadas pelos indivíduos coletivos, não constituem o esquema descarnado de todo um trabalho obscuro, ao longo do qual os conceitos se teriam mostrado através de ilusões, preconceitos, erros, tradições.” p.70 17Salvador, 2014
  18. 18. “[...] a organização dos conceitos compreende, inicialmente, formas de sucessão, as diversas posições das séries enunciativas, os diversos tipos de correlação dos enunciados, os diversos esquemas retóricos. “(LIMA, 2012, p. 94) A FORMAÇÃO DOS CONCEITOS 18
  19. 19. A FORMAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS 19 A análise das estratégias, segundo Foucault (p. 73), deve determinar primeiramente os pontos de difração do discurso, ou seja, pontos de incompatibilidade entre dois objetos, dois tipos de enunciação ou dois conceitos. Em seguida, se estabelecem os pontos de equivalência, já que as teorias discordantes surgem da mesma maneira e a partir das mesmas regras. Por último, se caracterizam os pontos de ligação de uma sistematização, de níveis ao mesmo tempo incompatíveis e equivalentes, que podem formar até subconjuntos discursivos. Salvador, 2014
  20. 20. “Uma formação discursiva será individualizada se se puder definir o sistema de formação das diferentes estratégias que nela se desenrola; em outros termos, se se puder mostrar como todas derivam (malgrado sua diversidade por vezes extrema, malgrado sua dispersão no tempo) de um mesmo jogo de relações” (FOUCAULT, 1969, p. 75) A FORMAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS 20
  21. 21. OBSERVAÇÕES E CONSEQUÊNCIAS 21 “[...] através das mesmas leis de formação, novos objetos aparecem (novos tipos de indivíduos, novas classes e comportamento são caracterizadas como patológicas), novas modalidades de enunciação são empregadas (notações quantitativas e cálculos estatísticos), novos conceitos são delineados (como os de degenerescência, perversidade, neurose) e, certamente, novos edifícios teóricos podem ser construídos.” p.83 Salvador, 2014
  22. 22. CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO 22 A arqueologia do saber relaciona diferentes discursos, articulando suas formações discursivas com as práticas econômicas, políticas e sociais. “[...] a arqueologia não contempla apenas uma ciência ou apenas um conceito, ela vai além e busca estabelecer o saber a partir de uma época. A arqueologia procura, no interior do saber, definir a verdade de uma época e, assim, estabelecer as condições de possibilidades desses saberes.” (MACHADO, 2009) Salvador, 2014
  23. 23. Foucault se ocupa mais das formações que podem ser chamadas de pré- discursivas, mas com a condição de que, essas formações pertencem ao discursivo - “Não procuramos, pois, passar do texto ao pensamento, da conversa ao silêncio, do exterior ao interior, da dispersão espacial ao puro recolhimento do instante, da multiplicidade superficial à unidade profunda. Permanecemos na dimensão do discurso” (FOUCAULT, 2008, p. 85). Com isso, Foucault apresenta um procedimento metodológico que surge como uma alternativa para aqueles que se ocupam com análise do discurso que emerge de documentações da Antiguidade. (LIMA, 2012, p. 95) CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO 23
  24. 24. 24 Conceito da descontinuidade e da mentalidade- reagrupar uma sucessão de acontecimentos dispersos... Sucessão de fatos...ligações simbólicas Práticas institucionais do objeto, suas funções na sociedade – “o intradiscurso e interdiscurso.” Qual o discurso vigente para este objeto? Sistemas de conceitos permanentes Séries enunciativas Correlação dos enunciados Criação de esquemas Jogo de Relações: hábitos coletivos, o que falam, a posição dos sujeitos em relação ao objeto, qual o lugar no objeto na sociedade.
  25. 25. REFERÊNCIAS 25 FOUCAULT, P. M. As regularidades discursivas. In: ______. A arqueologia do saber. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1987. p.21-85. LIMA, J. C. R. Michel Foucault e as regularidades discursivas: algumas reflexões. Disponível em : < http://www.nea.uerj.br/nearco/arquivos/numero9/7.pdf > Acesso em: 24 de maio 2014. MACHADO, R. Uma arqueologia do Saber. In: _____. Foucault: a ciência e o saber. 4. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009. p. 111-142. Salvador, 2014
  26. 26. Obrigada! 26Salvador, 2014

×