UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA
LABORATÓRIO DE ...
2
SUMÁRIO
GÊNERO, FEMINISMO E CIÊNCIAS _______________________________________ 1
SUMÁRIO _________________________________...
3
1. Introdução
O presente relatório trata das principais discussões suscitadas ao longo do
semestre durante a minha parti...
4
A apresentação de Rosa Blanca tinha como objetivo problematizar o código binário,
acrescentando às perspectivas de Miche...
5
sua reconstrução da Antropologia a partir da margem2
e no documentário de Miriam
Grossi e Carmen Rial intitulado "Mauss ...
6
autor@s indianos, que incluem "identitaristas", "narcisistas", "carnaval acadêmico",
dentre outros.
Por fim, coloca que ...
7
patriarcado constituem duas lógicas de opressão diferentes, ainda que andem juntas na
nossa sociedade.
Ao utilizar como ...
8
pretende a eliminação do gênero como forma de poder ou uma sociedade sem gênero,
mas na constante renegociação das suas ...
9
"natural", não há possibilidades de mudança e é essa a grande força da essencialização,
colocando no corpo o signo da op...
10
Trata-se de uma crítica ao feminismo heterossexual, branco e burguês.
Questiona a categoria "patriarcado" como forma de...
11
Caterina colocou ainda que uma das questões mais controversas que encontrou
em sua pesquisa foi a respeito da existênci...
12
para produzir seu processo histórico, ainda quando em contato com as experiências e
processos de outros povos. Nessa pe...
13
respeito do processo de democratização e de cidadania no Brasil após a Constituição de
1988. Foi nesse ano, que acontec...
14
que presenciou em sua pesquisa de doutorado, em Moçambique, o lugar do silêncio
carregado de expressividade na cultura ...
15
França como no Brasil. Na França, a resistência ao termo mesmo de gênero contribuiu a
obstaculizar o desenvolvimento de...
16
desenvolver câncer de mama ou enfermidades cardiovasculares. Este mito da eterna
juventude associado a um bem estar fem...
17
trabalhando no Departamento de Sociologia da UFSC, e durante 25 anos como
professora, teve apenas três alun@s negr@s, s...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório final prática de pesquisa

380 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
380
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório final prática de pesquisa

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA LABORATÓRIO DE ANTROPOLOGIA SOCIAL NÚCLEO DE IDENTIDADES DE GÊNERO E SUBJETIVIDADES GÊNERO, FEMINISMO E CIÊNCIAS Relatório final apresentado para a disciplina de Prática de Pesquisa I, sob coordenação do professor Scott Correl Head no segundo semestre do ano de 2012. ALUNA: Bruna Klöppel ORIENTAÇÃO: Profa Dra Miriam Pillar Grossi FLORIANÓPOLIS, dezembro de 2012.
  2. 2. 2 SUMÁRIO GÊNERO, FEMINISMO E CIÊNCIAS _______________________________________ 1 SUMÁRIO _______________________________________________________________ 2 1. Introdução _______________________________________________________ 3 2. Discussões________________________________________________________ 3 2.1 21/09/2012 __________________________________________________________________3 2.2 28/09/2012 __________________________________________________________________6 2.3 05/10/2012 __________________________________________________________________8 2.4 19/10/2012 __________________________________________________________________9 2.5 26/10/2012 _________________________________________________________________11 2.6 30/11/2012 _________________________________________________________________13 2.7 07/12/2012 _________________________________________________________________14 2.8 14/12/2012 _________________________________________________________________16
  3. 3. 3 1. Introdução O presente relatório trata das principais discussões suscitadas ao longo do semestre durante a minha participação no Grupo de Estudos Gênero, Feminismo e Ciências, sob coordenação da bolsista PNPD CAPES Caterina Rea, pós-doutoranda no Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS), coordenado pela professora Dra. Miriam Pillar Grossi. As reuniões aconteceram às sextas-feiras, das 18h30 às 20h30 na sala 317 do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, nas quais foram discutidas diversas correntes feministas e sua relação com temas diversos, além de discussões acerca do campo conhecido como Gênero e Ciências. Foram oito encontros ao longo do semestre, nos quais em quatro deles foram discutidos textos relativos aos temas, apresentados em forma de seminários pel@s própri@s participantes do grupo. Nos outros quatro, palestrantes convidad@s falaram sobre suas experiências de pesquisa em áreas afins. O grupo existe sob essa coordenação desde o início de 2012, que foi quando dei início à minha participação, ainda que conste nesse relatório apenas as atividades do segundo semestre. As discussões serão trazidas no relatório através da divisão em oito partes do subtítulo de mesmo nome, que correspondem aos encontros do grupo, e nas quais serão relatados os principais debates e questões levantados no dia. Tais partes serão intituladas com a data do encontro, e nelas serão colocados os textos lidos e discutidos na semana seguido de resumo da apresentação realizada ou, quando for o caso, um resumo da palestra ou mesa redonda. 2. Discussões 2.1 21/09/2012 Na primeira reunião do grupo de estudos realizada no semestre, tivemos o privilégio de uma mesa redonda intitulada "Feminismo, Arte e História da Ciência", composta pela Dra. Rosa Blanca, que tratou da queerização dos códigos binários, e pelo mestrando Vinícius Kauê Ferreira, que está fazendo um trabalho comparativo sobre a Antropologia na Índia e a indologia francesa.
  4. 4. 4 A apresentação de Rosa Blanca tinha como objetivo problematizar o código binário, acrescentando às perspectivas de Michel Foucault, Judith Butler e Beatriz Preciado sobre as corporificações identitárias, uma análise própria. Tinha como argumento que esses são processos que se executam através de informações visuais, o que denomina “regime epistemológico visual”. Como sua principal atuação é na área das Artes, Blanca busca em Gloria Anzaldua inspiração, ainda que essa tenha sua produção centrada na literatura. Enquanto pioneira dos estudos queer, essa autora busca superar todas as fronteiras, sejam elas raciais, nacionais, sexuais e também disciplinares. Rosa Blanca a tem como uma referência importante para o que seu trabalho objetiva. Outro aporte utilizado por ela é a genealogia de Nietzsche e Foucault, já que essa permite entender e resgatar como um conceito é usado em um contexto particular e num quadro epistemológico mais geral, sem focar em um ponto de onde seria descendente direto. Rosa divide sua fala em três partes, sendo elas “pressupostos (i)lógicos”, “breve genealogia do código binário” e, por fim, “queerizando através da arte”. No primeiro dos pontos, Rosa coloca uma forte crítica à ciência, realizada tanto pelos estudos feministas quanto pel@s teóric@s queer, questionando sua divisão disciplinaria e a forte categorização que conduz, acabando por reafirmar fronteiras no lugar de desfazê- las, que é o que propõe a teoria queer, radicalizando as ideias feministas. No segundo ponto, utiliza-se da teórica Cherie Zalaquett, que faz uma separação entre epistemologias legítimas e bastardas, sendo as primeiras as construídas dentro do modelo científico racional e ocidental e as segundas aquelas que se contrapõem a ele. Ainda, busca autores como Carl Von Linné e Charles Darwin, colocando-os como importantes precursores dos binarismos. Por fim, no terceiro ponto, Blanca coloca algumas produções artísticas que questionam o código binário, queerizando-o. Um dos projetos do qual fala é de Margarita Ariza, intitulado Blanco Porcelana, que reflete sobre o racismo. Além disso, Rosa nos mostrou sua produção fotográfica que objetivava a mesma queerização quanto às normas de gênero. Já o trabalho de Vinícius Ferreira, intitulado "Antropologia, alteridade e ambivalência : notas sobre a Antropologia na Índia (e na França)", foi inspirado em teóricas feministas como Sandra Harding e sua "objetividade robusta"1 , Mariza Corrêa e 1 A objetividade robusta de Sandra Harding não questiona a própria objetividade, mas a ideia de que o conhecimento se produz a partir de algum lugar, o qual deve ser explicitado pel@ cientista. Contrapõe-se à objetividade fraca que parte de uma suposta neutralidade.
  5. 5. 5 sua reconstrução da Antropologia a partir da margem2 e no documentário de Miriam Grossi e Carmen Rial intitulado "Mauss segundo suas alunas" que, a partir de uma perspectiva de gênero, resgata uma parte importante da história da antropologia francesa3 . Inspirado por Shiv Visvantham4 , Ferreira pretende refazer a trajetória da Antropologia indiana e as narrativas históricas sobre suas principais correntes. Essas narrativas incluem também um ponto de vista ocidental sobre a Índia, legitimada sob a figura de Louis Dumont, importante representante da indologia francesa. A questão principal é, portanto, problematizar as disputas de prestígio e legitimidade refletindo antropologicamente sobre a Antropologia feita na e sobre a Índia. Quanto ao método e campo de pesquisa, Vinícius se propõe a fazer uma etnografia do campo acadêmico, partido de uma análise particular a uma análise comparativa. Isso porque, sua experiência no campo francês, onde faz o mestrado, fez com que sua visão sobre a Índia fosse permeada pela produção francesa sobre o país. Por ainda não ter realizado o campo na Índia, tem-se atido ao estudo de obras coletivas representativas dos movimentos teóricos indianos. Após fazer um breve resumo sobre a narrativa hegemônica sobre a história da Antropologia na Índia, coloca-se a questionar onde estão as histórias não contadas. Identifica, enfim, uma perspectiva não brâmane que faz uma crítica a toda produção antropológica brâmane, provenientes de movimentos anticastas, em que as mulheres estão no centro do debate. Quanto ao campo francês, percebe que há uma predominância de Louis Dumont, que informa todos os estudos na França sobre a Índia. Esse autor contrapõe uma ideologia igualitária e universalista que corresponderia ao ocidente a uma ideologia holista produzida na Índia. Contudo, a cosmologia igualitária teria alcance universal, englobando a ideologia holista. Isso acaba por dizer muito da Antropologia, que é produzida em contexto igualitário. Apesar dessa visão ser ultrapassada em contexto francês, há nela pressupostos que sustentam a produção francesa, fundamentando o debate. Isso fica demonstrado através de uma assimetria percebida através dos qualificativos utilizados pel@s pesquisador@s frances@s sobre 2 CORRÊA, Mariza. Antropólogas e Antropologia. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003. 3 O documentário pode ser assistido online no sítio http://vimeo.com/14828727. 4 VISVANTHAM, Shiv. Hegemonia oficial y pluralismos contestatarios. In: RIBEIRO, Gustavo L; ESCOBAR, Arturo. Antropologias del mundo. Transformaciones disciplinarias dentro de sistemas de poder, Envión Editores, 2008.
  6. 6. 6 autor@s indianos, que incluem "identitaristas", "narcisistas", "carnaval acadêmico", dentre outros. Por fim, coloca que essas centralidades e marginalidades são posições moventes, incessante e relacionamente produzidas. Até o presente momento da pesquisa, tem identificado três posições principais além da hegemônica da Índia, quais são: a d@s subalternistas, que têm origem nas altas castas beneficiadas pelo colonialismo e impedidas de contato com as baixas castas; a perspectiva não brâmane, de orientação marxista, que se opõe fortemente ao bramanismo; e, por fim, a visão da produção francesa sobre a Índia. 2.2 28/09/2012 Texto: FALQUET, Jules. CURIEL, Ochy. El patriarcado al desnudo. Tres feministas materialistas. Editora Brecha lésbica, 2005. Apresentação por Caterina Rea. O principal tema trabalhado nesse dia foi a corrente feminista materialista francesa. Essa corrente é contrária ao pensamento diferencialista (ou french feminism), entendido como aquele defendido por Luce Irigaray, Hélène Cixous, Julia Kristeva, Geneviève Fraisse e Françoise Héritier. O feminismo materialista tem como principais representantes Monique Wittig, Christine Delphy, NicoleClaude Mathieu, Colette Guillaumin, Emanuelle de Lesseps, Paola Tabet e Monique Plaza. Essas feministas entendem que homens e mulheres são como classes sociais e que, uma vez superado o patriarcado, não irá mais existir "mulheres" e "homens" como existem hoje. Têm como referência fundamental Simone de Beauvoir5 , colocando que "a mulher" como categoria universal não existe. Essa corrente teve como contexto a década de 1970 e esteve associada ao Movimento de Liberação das Mulheres. Para essas autoras, o embate constitui os grupos, que não existem anteriormente a ele. Isso serve tanto ao antagonismo proletariado e capitalistas, quanto para o homens e mulheres. Com isso, tentam mostrar a especificidade do patriarcado que, apesar de próximo do capitalismo, não é idêntico a ele, exigindo uma luta própria. Não há, portanto, uma hierarquia das lutas, na qual aquela contra o capitalismo fosse a essencial e a contra o patriarcado apenas um apêndice. Segundo as autoras, capitalismo e 5 Principalmente o livro “O Segundo Sexo”, de 1949.
  7. 7. 7 patriarcado constituem duas lógicas de opressão diferentes, ainda que andem juntas na nossa sociedade. Ao utilizar como método o materialismo histórico, têm como ponto de partida os feitos materiais e as relações sociais concretas. Ainda que acreditem existir um plano simbólico e ideológico, o ponto inicial da análise é sempre as divisões sociais, os conflitos de interesses e as relações de trabalho. A diferença entre homens e mulheres e entre seus papeis e posições sociais seria, portanto, efeito da dominação masculina e não da natureza. Ainda, não uma separação entre teoria e prática, sendo que toda posição intelectual é produto de uma situação concreta. Aqui, há já uma crítica da universalidade científica, pontuando que a neutralidade não existe já que serve para proteger certos laços de poder. Dessa forma, as reivindicações de universalidade do saber sempre vêm de pontos de vista específicos e esses devem ser questionados a fim de se descobrir de onde fala o sujeito presumido da ciência. Discutem, ainda, a questão do racismo, e colocam-se contrárias à proibição do uso do véu na França, já que essa seria apenas uma forma de preconceito disfarçado contra determinada minoria. Um dos pontos interessantes da apresentação de Caterina foi que chamou atenção para o fato de que muito do que hoje se atribui à Judith Butler e à teoria queer já foi antecipado por essas feministas materialistas na década de 1970, ainda que não tenham o devido reconhecimento. Refere-se a teses como a de que tanto gênero quanto sexo são politicamente construídos. Rea coloca ainda que, para a materialista Delphy, que não aprova a teoria queer, os atos performativos de Butler não dão conta de resolver o problema, porque são relações materiais e de poder consolidadas e cristalizadas por milênios de história. Ainda, Caterina colocou alguns dos objetivos do feminismo materialista. Dentre eles, tem-se a supressão do gênero enquanto sistema de opressão e hierarquia social; a igualdade entre homens e mulheres e a eliminação da lógica mesma da dominação, e a eliminação da oposição entre privado e público enquanto esta protege os privilégios da classe dominante dos homens. Para essas teóricas, por fim, o patriarcado é também um sistema econômico, pois é fruto da divisão do trabalho. Além de, como no caso das outras formas de dominação, no patriarcado as relações sociais de poder motivam-se no benefício do grupo dominante devido à inferiorização do grupo dominado. Ao fim da explanação de Caterina, perguntei se uma diferenciação possível entre as feministas materialistas e Judith Butler se dava em função de que, para Butler, não se
  8. 8. 8 pretende a eliminação do gênero como forma de poder ou uma sociedade sem gênero, mas na constante renegociação das suas normas. Ao que Caterina respondeu que sim. 2.3 05/10/2012 Texto: DUPONT, Christine. O inimigo principal. In: DURAND, Emmanuèle et AL (org.). Liberação da mulher: ano zero. Tradução: Sônia Roedel e Liliana Santos. Belo Horizonte: Interlivros, 1978. Apresentação por Camila Laurindo e Izabela Liz Schlindwein. Na apresentação, Camila e Izabela continuam expondo acerca do feminismo materialista francês, do qual Christine Dupont é representante. Um dos pontos que frisam é que essa foi a primeira corrente teórica a instituir a categoria de gênero como categoria política, ou seja, é o gênero que cria o sexo. Questionam-nos também sobre a relação entre machismo/homofobia e classe social, colocando a pergunta se esses são mais recorrentes na periferia. Também apresentaram alguns dados sobre a política brasileira e avanços no Brasil em relação às mulheres. Conversamos também a respeito da realidade no sul do Brasil; Izabela colocou a realidade da comunicação e eu coloquei alguns exemplos da burguesia de Blumenau, cidade onde nasci. Texto: GUILLAUMIN, Colette. “Enquanto tivermos mulheres para nos darem filhos”: a respeito da raça e do sexo. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, no especial, 1994. Apresentação por Arianna Sala. Em sua apresentação, Arianna colocou alguns pontos importantes sobre a relação entre sexo e raça a partir do texto. Primeiramente, pontuou que as pessoas não brancas e as mulheres compartilham a violência e a inferioridade social. Além disso, coloca que racismo e sexismo são formas particulares de relações sociais baseadas no controle e exploração. Quanto ao racismo e o sexismo como sistemas sociais de controle e exploração, expõe que há uma construção discursiva que constroi os dominados como diferentes. A pergunta a ser feita então é: diferente do quê? Segundo o texto, é o próprio racismo e o sexismo que inventam a existência de raças e sexos diferentes na espécie humana. Essencializam a diferença, colocando-a como a-histórica e a-social. Sendo a diferença
  9. 9. 9 "natural", não há possibilidades de mudança e é essa a grande força da essencialização, colocando no corpo o signo da opressão. Coloca, ainda, que dentre todas as possíveis características físicas que poderiam ser utilizadas para a diferenciação, só algumas são colocadas, ou “inventadas”, para justificar as diferenças. Tais características marcam a discriminação (estabelecem o lugar social das pessoas e dos grupos) e a dominação/exploração (as pessoas com essas marcas são explorad@s fisicamente). Para essa teórica, o traço físico em si é indiferente, e só faz sentido dentro de uma relação social de exploração e descriminação. Geralmente, as teorias de raça e sexo sobre tais discriminações e exploração são posteriores a elas, e são ferramentas discursivas que visam justificá-las. Pontua então uma diferença fundamental entre os dois sistemas de controle e exploração, colocando que o racismo intervém nas relações sociais entre grupos que são constituídos como heterogêneos, enquanto o sexismo intervém nas relações sociais entre pessoas do mesmo grupo social. A especificidade do sexismo estaria no fato de que as mulheres não têm legitimidade social pois não tem direito de decisão sobre as estruturas coletivas. Em todas as sociedades, as mulheres são bens a serem destruídos (ex. estupros nas guerras) ou controlados. Por isso, conforme Guillaumin, a independência econômica verdadeira das mulheres ainda não foi alcançada. Por fim, coloca a novidade que traz o feminismo.Ainda que sempre tenha havido formas individuais de revolta, é desde então que há movimentos de mulheres que, organizadas, lutam por sua emancipação. No século XX (e mais no XXI), esses movimentos estão se organizando trans-nacionalmente e transcomunitariamente. Isso permite às mulheres querer conquistar e defender direitos que não são sequer questionados. 2.4 19/10/2012 Texto: BIDASECA, Karina. “Mujeres blancas buscando salvar a las mujeres color café”: desigualdad, colonialismo jurídico y feminismo postcolonial. In: BIDASECA, Karina; LABA, Vanesa Vazquez. Feminismos y poscolonialidad. Buenos Aires: Ediciones Godot, 2011. Apresentação por Arianna Sala.
  10. 10. 10 Trata-se de uma crítica ao feminismo heterossexual, branco e burguês. Questiona a categoria "patriarcado" como forma de dominação masculina universal, ahistórica e essencialista. Bidaseca coloca que é necessário abordar racismo, colonialismo, elitismo conjuntamente com a crítica ao sexismo. É essa a articulação que o feminismo pós-colonial propõe. Essa autora questiona a própria cateogoria gênero, ao dizer que essa não dá conta das relações que são criadas na cosmovisão indígena andina. Acredita que a patriarcalização e a colonização aparecem ao mesmo tempo, estando fortemente interligadas. Além disso, utiliza-se de Spivak6 , ao colocar que @ subaltern@ é aquel@ que não pode falar pois carece de um lugar de enunciação. Basicamente, Bidaseca contrapõe a visão nativa e a ocidental através de uma história de um homem de 28 anos que "violenta sexualmente" a filha de 10 anos de sua companheira. Na comunidade em questão, a partir da menarca, a criança/mulher pode ter relações sexuais com o homem que quiser. Essa menina escolheu e teve a aceitação da comunidade. Na história que nos conta, faz-nos perceber que há várias vozes sufocadas e outras muito altas. Dentre as sufocadas, estão a da menina-adulta que pede a liberação do pai do seu filho, a da mãe da menina convencida a denunciar pela diretora da escola, a do acusado que teve o consentimento da comunidade e as vozes da própria comunidade, que pedem a liberação do acusado e reivindicam autoridade para julgá-lo. Já dentra as vozes altas, encontra-se a da mulher branca e diretora da escola, que interpreta a gravidez como consequência de uma violência, a voz do Código Penal, d@s juíz@s, d@s antropólog@s e das mulheres acadêmicas. Tivemos ainda no mesmo dia, uma apresentação da Dra. Caterina Rea sobre sua pesquisa a respeito do feminismo cigano. Primeiramente, coloca que, até então, a pesquisa vem sendo realizada a partir da internet e particularmente na rede social facebook, na qual associações, organizações e personalidades ciganas militantes são muito ativas. A questão principal trata da constituição de movimentos sociais e políticos ciganos, de um ativismo militante no qual el@s são atores e protagonistas das linhas de ação e da direção deste ativismo. Em particular, Caterina coloca o foco na constituição de movimentos que se auto-denominam como feministas (ou talvez de mulheres) ou em favor da diversidade também em matéria de sexualidade. 6 SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.
  11. 11. 11 Caterina colocou ainda que uma das questões mais controversas que encontrou em sua pesquisa foi a respeito da existência de um movimento propriamente cigano- feminista. Uma de suas informantes a relatou que a diversidade dentro do povo cigano é ainda complicada, que a comunidade é bastante patriarcal, não restando espaço para um movimento desse tipo. Existiria, assim, um patriarcado, na medida em que as mulheres ciganas são colocadas sempre na condição de mães ou esposas, e somente isso. Haveria também um forte sistema binário baseado nas regras de pureza/impureza. Contudo, Caterina identifica algumas reivindicações do movimento cigano que poderiam ser caracterizadas como feministas: produção de conhecimento sobre a comunidade cigana para romper preconceitos e estereótipos; gerar conhecimento sobre as mulheres ciganas para abrir novas possibilidades de trabalho; consideração das mulheres ciganas como motores de mudança cultural; desenvolvimento de um proceso dialógico; colaboração com profissionais nas áreas de gênero e recursos sociais; compromisso com a educação, entre outros. Por fim, Caterina pontuou que, em sua pesquisa, descobriu já houve três conferências internacionais de mulheres ciganas e a quarta está para acontecer em outubro de 2013 na cidade de Helsinki (Finlândia). 2.5 26/10/2012 Texto: SEGATO, Rita Laura. Género y colonialidad: en busca de clave de lectura y de um vocabulario estrategico descolonial. In: BIDASECA, Karina; LABA, Vanesa Vazquez. Feminismos y poscolonialidad. Buenos Aires: Ediciones Godot, 2011. Apresentação por Bruna Klöppel A autora do texto propõe uma “antropologia por demanda”, que seria a produção de conhecimento e reflexão como resposta às perguntas colocadas com quem, na perspectiva clássica, seriam “objetos” de observação e estudo, na intenção de percorrer um caminho descolonial. A autora comenta os argumentos anti-relativistas e anti- indígenas utilizados para a defesa de punimento de agentes estatais que nada fizessem frente a infanticídios em aldeias indígenas. Para combater esses argumentos, a autora defende ser necessário a construção de um discurso que não recorra ao relativismo cultural, nem às noções de cultura e tradição. Defende então a ideia de pluralismo histórico, que diz que os sujeitos coletivos são os povos, com autonomia deliberativa
  12. 12. 12 para produzir seu processo histórico, ainda quando em contato com as experiências e processos de outros povos. Nessa perspectiva, esses povos não seriam percebidos como um patrimônio substantivo, estável e fixo de cultura, uma episteme cristalizada, mas como um vetor histórico. Compartilhariam um projeto histórico, em que há passado e futuro em comum conjuntamente com conflito de interesses e o antagonismo das sensibilidades éticas e posturas políticas internas. Daí, teria-se a substituição de “uma cultura” por “um povo”, sujeito vivo de uma história, em meio a articulações e intercâmbios, que mais que “interculturalidade” desenha uma “inter-historicidade”. Nesse sentido, um bom estado seria um estado restituidor da jurisdição própria e do foro comunitário, garantindo a deliberação interna. É a brecha descolonial possível, segundo a autora: a devolução da capacidade de cada povo implantar seu próprio projeto histórico. A nação seria uma aliança entre povos, em que haveria a circulação de ideias e interação entre historicidades. Segundo a autora, com a chegada da modernidade ocidental, há um agravamento e uma intensificação das hierarquias que formavam parte da ordem pré-intrusão, inclusive àquelas que se referem ao gênero. Essas relações se modificam e a hierarquia se intensifica na medida em que há uma cooptação dos homens como a classe ancestralmente dedicada aos papeis públicos. Dessa forma, há uma forte perda dos direitos políticos das mulheres. Isso porque há o sequestro de toda política (deliberação sobre o bem comum) por parte da esfera pública e a consequente privatização do espaço doméstico, sua marginalização (vida privada). Deixa as mulheres mais vulneráveis, sem autoridade e valor. A autora então coloca que no mundo pré-intrusão, havia uma dualidade, em que, ainda que desiguais, ambos os termos possuíam plenitude ontológica e política. Já com a entrada da modernidade, insere-se um binarismo, em que o homem é universal e a mulher é apenas resto, problema. Texto: RIBEIRO, Matilde. Mulheres negras : uma trajetória de criatividade, determinação e organização. Revista Estudos Feministas, 2008. BARROS, Luiza. III Conferência Mundial contra o racismo, Revista Estudos Feministas, 2002. Apresentação por Bruno Cordeiro. Os dois textos apresentados, como colocado por Bruno, não são muito teóricos, porém são importantes por tratarem da história dos movimentos sociais no Brasil e, em particular, do movimento negro e feminista. Sobretudo, mostram dados fundamentais a
  13. 13. 13 respeito do processo de democratização e de cidadania no Brasil após a Constituição de 1988. Foi nesse ano, que aconteceu o Primeiro Encontro nacional de Mulheres Negras, que dentre suas resoluções, tinha a de eliminar o racismo e o sexismo na sociedade brasileira. Uma de suas principais pautas é a de considerar a esfera privada também como política, já que afetam a coletividade. Foram fundamentais também na aprovação, em 2005, da lei Maria da Penha. Apesar de todos os avanços, constata que há ainda preconceito na sociedade brasileira. A garantia de direitos muitas vezes acaba por ficar somente na esfera abstrata, não se refletindo como deveria na realidade das pessoas, já que essa discriminação provém de uma histórica e cristalizada relação de poder. A partir do texto, o grupo acabou por discutir a política de cotas, vista como positiva para a promoção cultural e social de grupos que sofreram historicamente o preconceito e a discriminação. 2.6 30/11/2012 Nesse dia, tivemos a presença de Dra. Roselete Aviz, com a apresentação “Escutando Zora Neale Hourston: quando as questões de gênero se relevaram como motivo de atenção e preocupação a uma professora”. Em sua fala, contou-nos sobre a obra de Zora Hourston (1891-1960), autora de literatura afroamericana. Era também antropóloga e aluna de Franz Boas. Essas duas áreas se intercruzam em suas obras. Escreveu quatro romances, sendo o mais importante o escrito em 1937, Seus Olhos Viram Deus. Segundo Roselete, ao contar a história da heroína do romance, Zora acaba por contar sua própria história, centrada na busca de sua própria identidade e autoconfiança. A mesma característica também aparece na obra Mules and men, de 1935. Roselete pontua algumas questões que orientam sua pesquisa sobre a autora. Uma delas é o que compreendemos por “voz” e “fala”. Seria a mesma coisa? Como se articulam? Como Zora pensa o tempo? O que significa ser mulher e negra em uma cultura globalizada? Para Roselete, em Zora, até mesmo o silêncio tem seu papel fundamental, localizando-se entre o sentir e o pensar, como uma potencialidade de mesma sonoridade. Não é necessariamente uma forma de repressão, mas também um exercício de liberdade, em que a pessoa toma decisão sobre falar ou não. Roselete coloca também
  14. 14. 14 que presenciou em sua pesquisa de doutorado, em Moçambique, o lugar do silêncio carregado de expressividade na cultura desse país. Por fim, contou-nos um pouco sobre sua experiência nesse país, em que também teve muitas dificuldades, enquanto mulher não acompanhada por um homem, enquanto brasileira estigmatizada, enquanto “mulata”. Apesar das dificuldades, conseguiu ganhar a confiança das pessoas e observar, viver e participar das relações entre negr@s, que objetivava. 2.7 07/12/2012 Nesse dia, tivemos uma palestra muito importante proferida pela professora Illana Lowy (CERMES – Paris), bióloga e historiadora das ciências, investigando principalmente na área de biomedicina e gênero. Logo no início de sua palestra, Ilana destacou duas perspectivas distintas de estudo. São elas: o estudo das mulheres na ciência e o estudo propriamente de gênero e ciências. O primeiro campo interroga o porquê de ser tão difícil para as mulheres adentrarem o campo das ciências hard. Nesse campo, as pioneiras são Evelyn Fox- Keller e Emily Martin (University of York). Esta ultima, em particular, destaca o caráter sexuado (gendered-based) da mesma linguagem cientifica quando, por exemplo, identifica o caráter ativo, dinâmico, competitivo e valioso do esperma em relação à passividade dos ovócitos. A própria linguagem da ciência está carregada de uma concepção negativa das mulheres e ajuda a reforçar estereótipos sexistas segundo os quais o campo da competição é masculino. Cita ainda outras importantes autoras nesse campo, como Michelle Le Doeuff, filósofa feminista francesa, e Londa Schiebinger, historiadora da ciência de Stanford. Conclui então que a história da produção do saber é sempre, ao mesmo tempo, uma historia de co-construção da ignorância. A ignorância não é algo passivo, não é a simples falta de saber, mas é também o fruto de uma construção histórica e social que coage na produção do saber e das esferas da legitimidade. A demarcação e a fronteira entre saber e ignorância, entre saberes legítimos e ilegítimos é uma produção social que acompanha a instituição das formas de saber reconhecidas como científicas. A segunda perspectiva estuda a articulação entre a construção do saber cientifico e do saber sobre o gênero. Nesta perspectiva busca-se identificar uma co-construção recíproca de campos de saber. Esta perspectiva é a mais difícil de desenvolver e, conforme destaca Ilana, a produção neste campo segue sendo ainda fraca, tanto na
  15. 15. 15 França como no Brasil. Na França, a resistência ao termo mesmo de gênero contribuiu a obstaculizar o desenvolvimento desta área de estudos, assim como a falta de desenvolvimento na área dos estudos sociais da ciência. Ilana realça que a ciência é uma atividade humana, histórica e social, que muda em diferentes épocas e contextos sócio-culturais. Sendo assim, não há apenas uma biologia, mas uma grande diversidade de abordagens, dependendo do tempo e espaço que são produzidas. Dessa forma, o sexo biológico mesmo não é algo fixo: foi em uma época e espaço que foi definido o caráter fundamental e normativo da diferença entre os sexos. Conforme destacam Ludwig Fleck e Thomas Laqueur, na historia da biologia e da medicina, os órgãos sexuais foram diferentemente representados. Antes do século XVIII, os órgãos das mulheres foram considerados como inferiores, pois eles eram internos e considerados como frios em comparação aos órgãos masculinos que, sendo externos, seriam supostamente enérgicos e vitais. Como exemplo, Ilana cita os estudos endocrinológicos, nos quais diferencia-se os hormônios masculinos e femininos como sendo duas dimensões diversas. Nessa cosmologia, tem-se que a vida das mulheres é submetida a ciclos hormonais, sendo sempre condiciona a eles. Já quanto aos homens, a dependência hormonal é representada como menos fundamental. A referência à testosterona enquanto hormônio masculino é associada à força e à agressividade, ainda que nem sempre homens com muita testosterona sejam necessariamente agressivos. Essa ideia de que o corpo feminino é determinado por sua vida interna e por seus órgãos reprodutivos foi um tópico constante na história da biologia, da medicina e até da psicanálise. Continuando a refletir sobre os hormônios, Ilana conta-nos que, em 1920, quando os estudos a respeito começaram, acreditava-se que esses eram sexuais e sexuados, sendo diferentes e específicos nos dois sexos. Logo, descobriu-se que os dois tipos de hormônios existem em ambos os sexos e a estrutura química e funções não são tão diferentes como se acreditava. Essa história mostra como o próprio conhecimento científico teve um papel importante na determinação de marcadores sociais de sexo. Segundo a palestrante, ainda hoje essa associação é continuamente realizada. São exemplos o tratamento hormonal da transexualidade e a hormone therapy, feita em mulheres na menopausa. Coloca que, ainda recentemente, na França, mais de 50% das mulheres em menopausa tomavam hormônios na esperança que este tipo de tratamento as ajudasse a restabelecer e re-fabricar a sua “feminilidade” anterior. Ilana destaca os riscos associados à utilização massiva de hormônios relativos à possibilidade de
  16. 16. 16 desenvolver câncer de mama ou enfermidades cardiovasculares. Este mito da eterna juventude associado a um bem estar feminino ligado à utilização de hormônios não faz senão expor ao risco uma população. Os estudos mais recentes na área de gênero e ciência centrados na co-construção de saberes ajudaram a limitar hoje os abusos das terapias hormonais para mulheres em menopausa. Segundo ela, a insistência sobre o caráter limitante da menopausa é um efeito da cultura sexista que separa público e privado e que associa as mulheres à natureza dos hormônios: enquanto nas mulheres o fenômeno da menopausa é considerado como uma doença e uma deficiência, no caso dos homens, as marcas do envelhecimento são mais facilmente associadas ao stress do trabalho e às responsabilidades assumidas por eles. Por fim, coloca ainda que, no campo de gênero e ciências, destacam-se os trabalhos da socióloga Adele Clarke sobre a articulação entre gênero e história das ciências da saúde, da bióloga Diane Lang e de Nelly Oudshoorn sobre tecnologias dinâmicas nas ciências da saúde na ótica de uma co-construção de tecnologias médicas e usuários. Há ainda o sociólogo da ciência Michel Callon, que Ilana considera como um autor de grande importância para o desenvolvimento de uma teoria social e cultural da ciência. Para Callon, é preciso que a ciência saia dos laboratórios e dos círculos fechados. Trata-se então de dessacralizar o trabalho da ciência segundo a perspectiva já aberta por Bruno Latour. No Brasil, temos o trabalho de Emilia Sanabria, sobre a co- construção de praticas corpóreas e práticas biomédicas. Em um estudo etnográfico conduzido em Salvador, a pesquisadora mostra como as fronteiras corporais no caso das mulheres são continuamente produzidas e reproduzidas em relação a intervenções biomédicas. 2.8 14/12/2012 Nesse dia, tivemos a presença da professora Luzinete Minella (UFSC), que tem pesquisado na área de gênero e ciências, mais especificamente na medicina. Iniciou sua fala discorrendo sobre sua trajetória. Falou sobre sua entrada tardia no campo de gênero e que, onde fez seu doutorado (México), não havia espaço para esses estudos. Durante muito tempo, estudou saúde das mulheres sem acreditar estudar gênero, até que Miriam Grossi e Joana Pedro a chamaram para participar de uma edição do Fazendo Gênero e, logo depois, para a revista de Ciências Humanas. Outro ponto importante que coloca sobre sua trajetória é que foi durante muitos anos a única pessoa afrodescendente
  17. 17. 17 trabalhando no Departamento de Sociologia da UFSC, e durante 25 anos como professora, teve apenas três alun@s negr@s, sendo que os três vindos da África. Perguntava-se onde estavam seus iguais. Luzinete tem estudado medicina e gênero, pensando em fazer futuras comparações. Ao observar o prédio em que estudam Medicina na UFSC, percebe que houve a entrada de mulheres, mas não negras e indígenas. @s estudantes parecem de camadas médias e há muitos carros estacionados na área. A ideia dela é comparar a UFSC, a UFBA e a UNIVILLE. Assim, pode ver diferenças entre universidades do capital e do interior, do sul e do nordeste, e públicas e privadas. A pergunta será como os contextos regionais interferem nesse perfis. Após esse momento, Luzinete comentou sobre seu trabalho de balanço da literatura do campo de gênero e ciências, a ser publicado nos Cadernos Pagu. Tenta perceber, em um esforço reflexivo, quais são as pioneiras brasileiras que começaram a estudar as pioneiras mulheres na ciência. Localiza principalmente, Maria Lucia de Barros Mote, Monica Schpun, Julie Hahner (EUA) entre os anos 1990 e 2000. Já desde 2000, tem-se Elizabeth Carraro, Maria Aparecida de Lima Vieira, dentre outras. A maior parte delas tem formação em História, são brancas de classe média, de famílias de imigrantes assim como aquelas que pesquisam, e são de uma mesma geração. Chamou a atenção de Luzinete a riqueza das fontes consultadas por essas pesquisadoras. Ao fim da apresentação, o grupo ainda voltou ao debate das cotas, com alguns estudantes contando de suas experiências na Universidade. Luzinete também comentou como o debate sobre racismo é apaixonado no estado da Bahia. Chegamos à conclusão que, apesar dos avanços, ainda há um longo caminho a ser percorrido.

×