SlideShare uma empresa Scribd logo
CONTEXTUALIZANDO A GESTÃO
E PRESERVAÇÃO DA
INFORMAÇÃO: DA “EXPLOSÃO
INFORMACIONAL” AO BIG DATA
ROBERTO LOPES DOS SANTOS JUNIOR
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ
V ENCONTRO DE HISTÓRIA E ARQUIVOS
15 DE ABRIL DE 2016
E NO INICIO
• A partir de 1945, após a segunda guerra mundial, uma nova realidade tomava
forma no cenário internacional. Uma característica marcante desse período
foi a produção maciça de documentos e o rápido e vertiginoso
desenvolvimento de serviços de acumulação e armazenamento da
informação, onde pesquisadores e cientistas das mais variadas áreas de
estudo repensaram suas práticas de produção e gestão informacional.
• Consolidava-se o que viria a ser conhecido como “era da informação”, que
continua com diferentes desdobramentos até os dias atuais.
• Essa breve apresentação irá identificar os principais conceitos que nortearam
a sociedade no pós segunda guerra, contextualizando a realidade onde a
gestão, acesso e preservação da informação estão inseridas.
• Separada em quatro principais eixos:
1. Explosão da informação
2. Sociedade da informação
3. Gestão de documentos, da informação e do conhecimento
4. Big data
APÓS A SEGUNDA GUERRA
• Aparecimento de novas tecnologias, muitas delas relacionadas aos computadores. Apesar de modelos
analógicos como, por exemplo, os norte-americanos Analisador Diferencial (1931) e Harvard Mark I
(1944), o alemão Z3 (1943), e o inglês Colossus (1943), terem sido importantes marcos de consolidação
dessas tecnologias, a primeira geração computacional, marcada por equipamentos de grande porte e
com considerável capacidade de processamento de operações, surgiu somente em 1946, obtendo
considerável, e por vezes exagerada e confusa, recepção por parte do público, organismos
governamentais, imprensa e escritores de ficção científica.
ENIAC (1946) ; UNIVAC-1 (1951) ; 7090 (1958);
360/370 MAINFRAMES (1964)
• Nos EUA, as novas tecnologias de informação progressivamente tiveram sua produção e utilização
afastadas do contexto estritamente militar, sendo gradativamente inseridos nos ambientes das
empresas privadas (na década de 1960) e no âmbito de uso pessoal durante as décadas de 1970 e 1980.
Esse fato permitiu o papel de vanguarda e liderança do país na chamada “terceira revolução industrial” .
• Um dos primeiros questionamentos, a partir da evolução desses novos horizontes tecnológicos, foi a de
quais vantagens ou problemas poderiam advir na inserção desses novos equipamentos na produção,
organização e armazenamento da informação.
EXPLOSÃO DA INFORMAÇÃO
• As we may think”, de Vannevar Bush (1890-1974), líder de projetos e órgãos de pesquisa no EUA
durante a segunda guerra, publicado em meados de 1945 no periódico The Atlantic Monthly, como um
dos trabalhos pioneiros na busca de respostas ou direcionamentos para essas questões.
• O autor afirma a iminência de uma realidade denominada de “explosão da informação”, relacionada a
produção maciça de material científico e tecnológico, criando dificuldade para a sociedade e
pesquisadores de localizarem e identificarem informações ou pesquisas de seu interesse.
• Ao idealizar uma solução para esse problema, Bush sugere o desenvolvimento de uma máquina (ou
computador analógico) denominado Memex, equipamento que seria “(...) capaz de ampliar a
capacidade da memória humana, permitindo ao usuário guardar e recuperar documentos interligados
por associação” que seria constituído por um “(...) teclado, botões e alavancas de seleção, e
armazenamento de microfilme e serviria como uma extensão da memória humana e das suas
associações” .
EXPLOSÃO DA INFORMAÇÃO
• Alguns autores indicam esse texto como um importante ponto de discussão dos principais tópicos
relacionados à informação no pós-guerra e, talvez, o primeiro grande artigo a resumir essas
problemáticas, inspirando décadas mais tarde, conceitos como, por exemplo, de hipertexto. Trabalhos
mais recentes, apresentam também que o mesmo possui certa “indefinição epistemológica”, onde o
autor não identifica claramente as áreas onde essas ideias, além do próprio Memex, poderiam ser
assimiladas ou utilizadas.
• Outras ideias importantes: Cibernética – Norbert Weiner (1948); Teoria matemática da informação –
Claude Shannon (1949) e recuperação da informação.
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO
• Os campos da administração, Comunicação e Sociologia, a partir do inicio dos anos 1960,
apresentaram influentes abordagens, análises e avaliações sobre a consolidação de uma nova
realidade, sugerindo uma possível obsolescência de antigos paradigmas ligados à produção
industrial, científica e tecnológica nos Estados Unidos e Europa ocidental.
• Muitos trabalhos desses campos buscavam classificar esse novo e complexo cenário, onde a
informação, o conhecimento, a inovação, o capital imaterial e as novas tecnologias
substituíam ou interagiam com a então dominante forma de produção taylorista-fordista
nesses países.
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO
• “Aldeia Global” (Marshall Macluhan)
• ”sociedade do conhecimento” (Fritz Machlup, Peter Drucker)
• “sociedade pós-industrial” (Daniel Bell)
• “sociedade da informação” (Marc Porat)
• “terceira onda” (Alvin Toffler)
• “Sociedade em Rede” (Manuel Castells)
• “cibercultura” (Pierre Levy)
• “capitalismo cognitivo” (Antonio Negri)
• política da informação (Sandra Braman)
• Regime de informação (B. Frohmann )
GESTÃO DE DOCUMENTOS / INFORMAÇÃO/
CONHECIMENTO
• Além do surgimento das novas tecnologias, outra consequência do pós-guerra nos Estados Unidos foi a
produção maciça de documentos, em diferentes suportes, que precisavam ser organizados e
armazenados. Uma preocupação sobre como gerenciar essa massa documental gerou novos horizontes
para a arquivologia e Biblioteconomia norte-americana, além de oferecer diferentes alternativas
teóricas e práticas para o campo da Documentação no país.
GESTÃO DE DOCUMENTOS/ INFORMAÇÃO
• Gestão de documentos emerge, em meados do século XX, com um forte referencial estatal. No entanto,
a gestão de documentos pode ser também compreendida fora das dinâmicas e reestruturações do
Estado norte-americano, no cenário da organização capitalista no pós-guerra e da influencia da
administração como campo cientifico.
• As primeiras reflexões sobre a gestão da informação incidiram, pois, sobre sua natureza física: reduzir o
excesso, otimizar a circulação, identificar com precisão as necessárias e descartar as inúteis ou
redundantes.
• estudos empíricos para se determinar os tipos e a importância estratégica das diversas fontes de
informação utilizadas no ambiente organizacional, tanto no ambiente interno quanto no externo,
mediante determinados critérios estabelecidos acerca de sua qualidade, tomando como referência os
objetivos organizacionais.
GESTÃO DO CONHECIMENTO
• Não bastava gerir os recursos informacionais, era preciso também gerir o conhecimento, criando as
condições propícias para transformá-lo em informação. Seguiram-se, ao longo dos anos, diversos
modelos definindo as ações necessárias para a execução deste processo.
• Algumas correntes importantes
Conhecimento tácito e explicito de Polanyi
Nonaka e Takeuchi : espiral do conhecimento (externalização, combinação, internalização e socialização ) e
práticas de “ba”
Anos 1970 a 1990: capital intelectual , valor agregado , questão da aprendizagem , aspectos interacionais
Choo: reflexões sobre as organizações que aprendem, isto é, que são capazes de gerenciar os contextos
nos quais o conhecimento acontece
A partir dos anos 1990: “cultura informacional” , inteligência competitiva , comunidades de prática,
serviços de inteligência e segurança , orientação informacional e gestão de informações pessoais
•
BIG DATA
• Apesar de Big Data ser uma expressão criada para ter impacto mercadológico, acabou definindo uma
nova área de pesquisa.
• Descreve um conjunto de problemas e suas soluções tecnológicas em computação aplicada com
características que tornam seus dados difíceis de tratar.
• um dos desafios é a enorme quantidade de dados, ou seja, seu volume. Os sistemas tradicionais atuais
não estão preparados para tratar certas coleções de dados que já temos ou vamos obter nos próximos
anos.
• Celulares, redes sociais (facebook, Linkedin, twitter, Tumblr), aplicativos (whatsapp, entre outros), smart
TV, jogos online...
• Passamos da faixa de muitos gigabytes (bilhões de bytes) ou poucos terabytes (trilhões) para a faixa de
petabytes (milhares de trilhões) ou até mesmo exabytes (milhões de trilhões)
• Com a diminuição do custo de armazenamento de dados causada pela redução do preço dos discos
rígidos, guarda-se tudo que é possível e, mais tarde, descobre-se como usar. Porém, nem sempre isso é
possível.
BIG DATA
Dilemas e polêmicas do big data (Ekbia et al. 2015):
• Epistemológico
• Estético / artístico
• Tecnológico
• Ético
• legais
• Político
• econômico
BIG DATA
• Segundo Simon Szykman, diretor de informática do Departamento de Comércio Norte-americano, os desafios
em relação aos dados podem ser divididos em:
i) como adquirir;
ii) armazenar;
iii) processar;
iv) transmitir e disseminar;
v) gerenciar e manter;
vi) arquivar por longo prazo;
vii) garantir a segurança;
viii) treinar pessoas para usá-los;
ix) pagar por tudo isso.
CONCLUINDO...
• Estamos inseridos em uma nova realidade tecnológica, onde a mesma, em diferentes maneiras, está
presente em nosso dia a dia. Sejam nos países desenvolvidos ou em grande parte dos
subdesenvolvidos, a influência dessa nova era informacional não deve ser ignorada.
• Cabe ao arquivista, e profissionais ligados a informação, não somente se “adaptar” a essa nova era
informacional, mas ter consciência da constante e permanente atualização de seus conhecimentos e
práticas, como também em possuir sensibilidade sobre diferentes questões que permeiam o
funcionamento das instituições contemporâneas (arquivística pós-moderna e arquivística pós-
custodial).
• Muita informação gerida, em circulação e perdida. O que preservar ou descartar numa era de produção
em exabytes? (instituições públicas, privadas, acervos pessoais, produção da informação em ambiente
digital, nuvem, diferentes suportes). Como adaptar a classificação, avaliação e descrição nessa nova
realidade tecnológica?
• Mas não nos esqueçamos, na defesa de qualquer modelo logico
ou conceitual, que é preciso haver algum espaço para serendipity,
acaso, emoção, paixão, individualidade e idiossincrasia. Um
modelo deve apontar – e ser usado – não para produzir
autômatos, todos marchando juntos como robôs, mas para
abranger a diversidade dentro de uma ampla unidade de visão e
proposito (Terry Cook, 2000).
REFERÊNCIAS
• ARAUJO, C. A. A.. Fundamentos da ciência da informação: correntes teóricas e o conceito de informação.
Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, p. 57-79, 2014.
• Ekbia, H., Matiolli, M., Kouper, I., Arave, G., Ghazinejad, A. Bowman, T., Suri, R., Tsou, A., Weingart, S., & Sugimoto, C.
(2015). Big Data, Bigger Dilemmas: A Critical Review. Journal of American Society for Information Science and
Technology, v. 66, n.8, p. 1523-1746, 2015.
• JARDIM, J. M.. Caminhos e perspectivas da Gestão de Documentos em cenários de transformações. Acervo, v. 28, p.
19-50, 2015.
• SANTOS JUNIOR, R. L.. Análise sobre o desenvolvimento do campo de estudo em informação científica e técnica nos
Estados Unidos e na antiga União Soviética durante a guerra fria (1945-1991). RBBD. Revista Brasileira de
Biblioteconomia e Documentação (Online), v. 8, p. 130-157, 2012.
• SANTOS JUNIOR, R. L.. Nos primórdios da informática: estudo sobre a construção dos primeiros computadores
eletrônicos digitais nos Estados Unidos e União Soviética. In: X Semana de História Política: Minorias étnicas, de
gênero e religiosas, 2015, Rio de Janeiro: UERJ / PPGH, 2015. v. 1. p. 2566-2575.
• Xexéo, G. Os desafios do Big Data. Ciência Hoje, v. 52, n.306, p.18-23, 2013.
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ITIL na prática - Gerenciamento de Incidentes, Problemas e Mudanças
ITIL na prática - Gerenciamento de Incidentes, Problemas e MudançasITIL na prática - Gerenciamento de Incidentes, Problemas e Mudanças
ITIL na prática - Gerenciamento de Incidentes, Problemas e Mudanças
Wise Systems
 
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRiaSistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
guest4f7dd23
 
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
José Araujo
 
COMPUTAÇÃO EM NUVEM: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
COMPUTAÇÃO EM NUVEM: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃOCOMPUTAÇÃO EM NUVEM: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
COMPUTAÇÃO EM NUVEM: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
Allan Reis
 
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para IdososManual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
Ministério Público de Santa Catarina
 
Cadernos de atencao basica saude mental - nº 34
Cadernos de atencao basica   saude mental - nº 34Cadernos de atencao basica   saude mental - nº 34
Cadernos de atencao basica saude mental - nº 34
Binô Zwetsch
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Certificacao iso 27001
Certificacao iso 27001Certificacao iso 27001
Certificacao iso 27001
Andre Verdugal
 
Cartilha pgrssa
Cartilha pgrssaCartilha pgrssa
Cartilha pgrssa
Raquel Braga
 
Bancos de dados nas nuvens: uma visão geral
Bancos de dados nas nuvens: uma visão geralBancos de dados nas nuvens: uma visão geral
Bancos de dados nas nuvens: uma visão geral
PET Computação
 
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Alexandre Naime Barbosa
 
Manual No.29 - Estabilidade de rochas – superfície de deslizamento plana
Manual No.29 - Estabilidade de rochas – superfície de deslizamento planaManual No.29 - Estabilidade de rochas – superfície de deslizamento plana
Manual No.29 - Estabilidade de rochas – superfície de deslizamento plana
GEO5 Software - PT
 
Mapeamento de risco
Mapeamento de riscoMapeamento de risco
Mapeamento de risco
slides-mci
 
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vida
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vidaProjeto promoção a saude e qualidade_de_vida
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vida
ivanaferraz
 
Engenharia dos cargos de UI, UX, PM
Engenharia dos cargos de UI, UX, PMEngenharia dos cargos de UI, UX, PM
Engenharia dos cargos de UI, UX, PM
Marcello Cardoso
 
Sistemas de Saúde
Sistemas de SaúdeSistemas de Saúde
Sistemas de Saúde
miguelcabral
 
BPMN - Modelagem de negocio
BPMN - Modelagem de negocioBPMN - Modelagem de negocio
BPMN - Modelagem de negocio
Eduardo Greco
 
Fatores de Sucesso e Fracasso no Gerenciamento de Projetos de Engenharia
Fatores de Sucesso e Fracasso no Gerenciamento de Projetos de EngenhariaFatores de Sucesso e Fracasso no Gerenciamento de Projetos de Engenharia
Fatores de Sucesso e Fracasso no Gerenciamento de Projetos de Engenharia
Danielle Almeida Ribeiro
 
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúdeAspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Vanessa Paiva
 
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Solange Santana
 

Mais procurados (20)

ITIL na prática - Gerenciamento de Incidentes, Problemas e Mudanças
ITIL na prática - Gerenciamento de Incidentes, Problemas e MudançasITIL na prática - Gerenciamento de Incidentes, Problemas e Mudanças
ITIL na prática - Gerenciamento de Incidentes, Problemas e Mudanças
 
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRiaSistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
Sistema De GestãO De ClíNica VeterináRia
 
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção p...
 
COMPUTAÇÃO EM NUVEM: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
COMPUTAÇÃO EM NUVEM: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃOCOMPUTAÇÃO EM NUVEM: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
COMPUTAÇÃO EM NUVEM: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
 
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para IdososManual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
Manual Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos
 
Cadernos de atencao basica saude mental - nº 34
Cadernos de atencao basica   saude mental - nº 34Cadernos de atencao basica   saude mental - nº 34
Cadernos de atencao basica saude mental - nº 34
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Certificacao iso 27001
Certificacao iso 27001Certificacao iso 27001
Certificacao iso 27001
 
Cartilha pgrssa
Cartilha pgrssaCartilha pgrssa
Cartilha pgrssa
 
Bancos de dados nas nuvens: uma visão geral
Bancos de dados nas nuvens: uma visão geralBancos de dados nas nuvens: uma visão geral
Bancos de dados nas nuvens: uma visão geral
 
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
 
Manual No.29 - Estabilidade de rochas – superfície de deslizamento plana
Manual No.29 - Estabilidade de rochas – superfície de deslizamento planaManual No.29 - Estabilidade de rochas – superfície de deslizamento plana
Manual No.29 - Estabilidade de rochas – superfície de deslizamento plana
 
Mapeamento de risco
Mapeamento de riscoMapeamento de risco
Mapeamento de risco
 
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vida
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vidaProjeto promoção a saude e qualidade_de_vida
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vida
 
Engenharia dos cargos de UI, UX, PM
Engenharia dos cargos de UI, UX, PMEngenharia dos cargos de UI, UX, PM
Engenharia dos cargos de UI, UX, PM
 
Sistemas de Saúde
Sistemas de SaúdeSistemas de Saúde
Sistemas de Saúde
 
BPMN - Modelagem de negocio
BPMN - Modelagem de negocioBPMN - Modelagem de negocio
BPMN - Modelagem de negocio
 
Fatores de Sucesso e Fracasso no Gerenciamento de Projetos de Engenharia
Fatores de Sucesso e Fracasso no Gerenciamento de Projetos de EngenhariaFatores de Sucesso e Fracasso no Gerenciamento de Projetos de Engenharia
Fatores de Sucesso e Fracasso no Gerenciamento de Projetos de Engenharia
 
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúdeAspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
 
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
 

Destaque

Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafiosComunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Roberto Lopes
 
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital Introdução
Oficina preservação digital IntroduçãoOficina preservação digital Introdução
Oficina preservação digital Introdução
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital Módulo 2
Oficina preservação digital Módulo 2Oficina preservação digital Módulo 2
Oficina preservação digital Módulo 2
Roberto Lopes
 
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital Módulo 3
Oficina preservação digital Módulo 3Oficina preservação digital Módulo 3
Oficina preservação digital Módulo 3
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital Módulo 1
Oficina preservação digital Módulo 1Oficina preservação digital Módulo 1
Oficina preservação digital Módulo 1
Roberto Lopes
 
Oficina gestão eletrônica de documentos
Oficina gestão eletrônica de documentosOficina gestão eletrônica de documentos
Oficina gestão eletrônica de documentos
Roberto Lopes
 
Oficina preservação digital bibliografia
Oficina preservação digital bibliografiaOficina preservação digital bibliografia
Oficina preservação digital bibliografia
Roberto Lopes
 
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Roberto Lopes
 
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Roberto Lopes
 
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
Roberto Lopes
 
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Roberto Lopes
 
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Roberto Lopes
 
Bob Marley
Bob MarleyBob Marley
Bob Marley
Fátima Silva
 
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
Roberto Lopes
 

Destaque (16)

Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafiosComunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
Comunicação e divulgação científica: perspectivas e desafios
 
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
A Arquivologia e a jornada pela sua identidade acadêmica
 
Oficina preservação digital Introdução
Oficina preservação digital IntroduçãoOficina preservação digital Introdução
Oficina preservação digital Introdução
 
Oficina preservação digital Módulo 2
Oficina preservação digital Módulo 2Oficina preservação digital Módulo 2
Oficina preservação digital Módulo 2
 
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
Preservação digital dos videogames: primeiras aproximações com a Arquivologia.
 
Oficina preservação digital Módulo 3
Oficina preservação digital Módulo 3Oficina preservação digital Módulo 3
Oficina preservação digital Módulo 3
 
Oficina preservação digital Módulo 1
Oficina preservação digital Módulo 1Oficina preservação digital Módulo 1
Oficina preservação digital Módulo 1
 
Oficina gestão eletrônica de documentos
Oficina gestão eletrônica de documentosOficina gestão eletrônica de documentos
Oficina gestão eletrônica de documentos
 
Oficina preservação digital bibliografia
Oficina preservação digital bibliografiaOficina preservação digital bibliografia
Oficina preservação digital bibliografia
 
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisa...
 
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
Analise da terminologia soviética "informatika" e da sua utilização nas décad...
 
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Inf...
 
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
Uma relação distante: análise sobre a utilização de métodos bibliométricos / ...
 
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
Fator de Impacto e índice H : o antes e o agora da medição da produtividade c...
 
Bob Marley
Bob MarleyBob Marley
Bob Marley
 
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
A filosofia de michel foucault e sua apropriação pela arquivística contempora...
 

Semelhante a Contextualizando a gestão e preservação da informação

Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
Ricardo Pimenta
 
comunicação em rede. e nós com isso
 comunicação em rede. e nós com isso comunicação em rede. e nós com isso
comunicação em rede. e nós com isso
Márcia Marques
 
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).pptCiencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
AnaPaulaVillalobos
 
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).pptCiencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
AnaPaulaVillalobos
 
Origens e evolução da Ciência da Informação
Origens e evolução da Ciência da InformaçãoOrigens e evolução da Ciência da Informação
Origens e evolução da Ciência da Informação
Gislene Tais de Souza Sperandio
 
Redes Digitais
Redes DigitaisRedes Digitais
Redes Digitais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Jornalismo e mídias sociais
Jornalismo e mídias sociaisJornalismo e mídias sociais
Jornalismo e mídias sociais
Fundação Universidade Federal do Tocantins
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Aula5 _ Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Aula5 _ Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptxAula5 _ Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Aula5 _ Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
VINICIUSLUIZDESOUZAG
 
7 Ciência e Tecnologia.pptx
7 Ciência e Tecnologia.pptx7 Ciência e Tecnologia.pptx
7 Ciência e Tecnologia.pptx
Andrea Silva
 
Palestra
PalestraPalestra
Cbc e documentos
Cbc e documentosCbc e documentos
Cbc e documentos
André Pereira Rocha
 
Aula 02 evolução historica sistemas de informação - db
Aula 02   evolução historica sistemas de informação - dbAula 02   evolução historica sistemas de informação - db
Aula 02 evolução historica sistemas de informação - db
Daniela Brauner
 
Documento de qualificação Nepomuceno Tese
Documento de qualificação Nepomuceno TeseDocumento de qualificação Nepomuceno Tese
Documento de qualificação Nepomuceno Tese
Carlos Nepomuceno (Nepô)
 
A atuação do profissional bibliotecário na era digital
A atuação do profissional bibliotecário na era digitalA atuação do profissional bibliotecário na era digital
A atuação do profissional bibliotecário na era digital
Lygia Canelas
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
História da Internet
História da InternetHistória da Internet
História da Internet
miltonafonso
 
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptxSociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Paulalsilveira Silveira
 
A comunicação e tecnologias na era digital
A comunicação  e tecnologias na era digitalA comunicação  e tecnologias na era digital
A comunicação e tecnologias na era digital
marluiz31
 
O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima
O futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania limaO futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania lima
O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima
Monitor Científico FaBCI
 

Semelhante a Contextualizando a gestão e preservação da informação (20)

Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
Aula/curso realizada na disciplina de Humanidades Digitais e Ciência da Infor...
 
comunicação em rede. e nós com isso
 comunicação em rede. e nós com isso comunicação em rede. e nós com isso
comunicação em rede. e nós com isso
 
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).pptCiencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
 
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).pptCiencia_da_Informacao (Aula2).ppt
Ciencia_da_Informacao (Aula2).ppt
 
Origens e evolução da Ciência da Informação
Origens e evolução da Ciência da InformaçãoOrigens e evolução da Ciência da Informação
Origens e evolução da Ciência da Informação
 
Redes Digitais
Redes DigitaisRedes Digitais
Redes Digitais
 
Jornalismo e mídias sociais
Jornalismo e mídias sociaisJornalismo e mídias sociais
Jornalismo e mídias sociais
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
 
Aula5 _ Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Aula5 _ Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptxAula5 _ Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Aula5 _ Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
 
7 Ciência e Tecnologia.pptx
7 Ciência e Tecnologia.pptx7 Ciência e Tecnologia.pptx
7 Ciência e Tecnologia.pptx
 
Palestra
PalestraPalestra
Palestra
 
Cbc e documentos
Cbc e documentosCbc e documentos
Cbc e documentos
 
Aula 02 evolução historica sistemas de informação - db
Aula 02   evolução historica sistemas de informação - dbAula 02   evolução historica sistemas de informação - db
Aula 02 evolução historica sistemas de informação - db
 
Documento de qualificação Nepomuceno Tese
Documento de qualificação Nepomuceno TeseDocumento de qualificação Nepomuceno Tese
Documento de qualificação Nepomuceno Tese
 
A atuação do profissional bibliotecário na era digital
A atuação do profissional bibliotecário na era digitalA atuação do profissional bibliotecário na era digital
A atuação do profissional bibliotecário na era digital
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
História da Internet
História da InternetHistória da Internet
História da Internet
 
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptxSociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
Sociedade da informação e do conhecimento (2).pptx
 
A comunicação e tecnologias na era digital
A comunicação  e tecnologias na era digitalA comunicação  e tecnologias na era digital
A comunicação e tecnologias na era digital
 
O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima
O futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania limaO futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania lima
O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima
 

Último

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (6)

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

Contextualizando a gestão e preservação da informação

  • 1. CONTEXTUALIZANDO A GESTÃO E PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO: DA “EXPLOSÃO INFORMACIONAL” AO BIG DATA ROBERTO LOPES DOS SANTOS JUNIOR ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ V ENCONTRO DE HISTÓRIA E ARQUIVOS 15 DE ABRIL DE 2016
  • 2. E NO INICIO • A partir de 1945, após a segunda guerra mundial, uma nova realidade tomava forma no cenário internacional. Uma característica marcante desse período foi a produção maciça de documentos e o rápido e vertiginoso desenvolvimento de serviços de acumulação e armazenamento da informação, onde pesquisadores e cientistas das mais variadas áreas de estudo repensaram suas práticas de produção e gestão informacional. • Consolidava-se o que viria a ser conhecido como “era da informação”, que continua com diferentes desdobramentos até os dias atuais.
  • 3. • Essa breve apresentação irá identificar os principais conceitos que nortearam a sociedade no pós segunda guerra, contextualizando a realidade onde a gestão, acesso e preservação da informação estão inseridas. • Separada em quatro principais eixos: 1. Explosão da informação 2. Sociedade da informação 3. Gestão de documentos, da informação e do conhecimento 4. Big data
  • 4. APÓS A SEGUNDA GUERRA • Aparecimento de novas tecnologias, muitas delas relacionadas aos computadores. Apesar de modelos analógicos como, por exemplo, os norte-americanos Analisador Diferencial (1931) e Harvard Mark I (1944), o alemão Z3 (1943), e o inglês Colossus (1943), terem sido importantes marcos de consolidação dessas tecnologias, a primeira geração computacional, marcada por equipamentos de grande porte e com considerável capacidade de processamento de operações, surgiu somente em 1946, obtendo considerável, e por vezes exagerada e confusa, recepção por parte do público, organismos governamentais, imprensa e escritores de ficção científica.
  • 5. ENIAC (1946) ; UNIVAC-1 (1951) ; 7090 (1958); 360/370 MAINFRAMES (1964)
  • 6.
  • 7. • Nos EUA, as novas tecnologias de informação progressivamente tiveram sua produção e utilização afastadas do contexto estritamente militar, sendo gradativamente inseridos nos ambientes das empresas privadas (na década de 1960) e no âmbito de uso pessoal durante as décadas de 1970 e 1980. Esse fato permitiu o papel de vanguarda e liderança do país na chamada “terceira revolução industrial” . • Um dos primeiros questionamentos, a partir da evolução desses novos horizontes tecnológicos, foi a de quais vantagens ou problemas poderiam advir na inserção desses novos equipamentos na produção, organização e armazenamento da informação.
  • 8. EXPLOSÃO DA INFORMAÇÃO • As we may think”, de Vannevar Bush (1890-1974), líder de projetos e órgãos de pesquisa no EUA durante a segunda guerra, publicado em meados de 1945 no periódico The Atlantic Monthly, como um dos trabalhos pioneiros na busca de respostas ou direcionamentos para essas questões. • O autor afirma a iminência de uma realidade denominada de “explosão da informação”, relacionada a produção maciça de material científico e tecnológico, criando dificuldade para a sociedade e pesquisadores de localizarem e identificarem informações ou pesquisas de seu interesse. • Ao idealizar uma solução para esse problema, Bush sugere o desenvolvimento de uma máquina (ou computador analógico) denominado Memex, equipamento que seria “(...) capaz de ampliar a capacidade da memória humana, permitindo ao usuário guardar e recuperar documentos interligados por associação” que seria constituído por um “(...) teclado, botões e alavancas de seleção, e armazenamento de microfilme e serviria como uma extensão da memória humana e das suas associações” .
  • 9. EXPLOSÃO DA INFORMAÇÃO • Alguns autores indicam esse texto como um importante ponto de discussão dos principais tópicos relacionados à informação no pós-guerra e, talvez, o primeiro grande artigo a resumir essas problemáticas, inspirando décadas mais tarde, conceitos como, por exemplo, de hipertexto. Trabalhos mais recentes, apresentam também que o mesmo possui certa “indefinição epistemológica”, onde o autor não identifica claramente as áreas onde essas ideias, além do próprio Memex, poderiam ser assimiladas ou utilizadas. • Outras ideias importantes: Cibernética – Norbert Weiner (1948); Teoria matemática da informação – Claude Shannon (1949) e recuperação da informação.
  • 10.
  • 11. SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO • Os campos da administração, Comunicação e Sociologia, a partir do inicio dos anos 1960, apresentaram influentes abordagens, análises e avaliações sobre a consolidação de uma nova realidade, sugerindo uma possível obsolescência de antigos paradigmas ligados à produção industrial, científica e tecnológica nos Estados Unidos e Europa ocidental. • Muitos trabalhos desses campos buscavam classificar esse novo e complexo cenário, onde a informação, o conhecimento, a inovação, o capital imaterial e as novas tecnologias substituíam ou interagiam com a então dominante forma de produção taylorista-fordista nesses países.
  • 12. SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO • “Aldeia Global” (Marshall Macluhan) • ”sociedade do conhecimento” (Fritz Machlup, Peter Drucker) • “sociedade pós-industrial” (Daniel Bell) • “sociedade da informação” (Marc Porat) • “terceira onda” (Alvin Toffler) • “Sociedade em Rede” (Manuel Castells) • “cibercultura” (Pierre Levy) • “capitalismo cognitivo” (Antonio Negri) • política da informação (Sandra Braman) • Regime de informação (B. Frohmann )
  • 13. GESTÃO DE DOCUMENTOS / INFORMAÇÃO/ CONHECIMENTO • Além do surgimento das novas tecnologias, outra consequência do pós-guerra nos Estados Unidos foi a produção maciça de documentos, em diferentes suportes, que precisavam ser organizados e armazenados. Uma preocupação sobre como gerenciar essa massa documental gerou novos horizontes para a arquivologia e Biblioteconomia norte-americana, além de oferecer diferentes alternativas teóricas e práticas para o campo da Documentação no país.
  • 14. GESTÃO DE DOCUMENTOS/ INFORMAÇÃO • Gestão de documentos emerge, em meados do século XX, com um forte referencial estatal. No entanto, a gestão de documentos pode ser também compreendida fora das dinâmicas e reestruturações do Estado norte-americano, no cenário da organização capitalista no pós-guerra e da influencia da administração como campo cientifico. • As primeiras reflexões sobre a gestão da informação incidiram, pois, sobre sua natureza física: reduzir o excesso, otimizar a circulação, identificar com precisão as necessárias e descartar as inúteis ou redundantes. • estudos empíricos para se determinar os tipos e a importância estratégica das diversas fontes de informação utilizadas no ambiente organizacional, tanto no ambiente interno quanto no externo, mediante determinados critérios estabelecidos acerca de sua qualidade, tomando como referência os objetivos organizacionais.
  • 15. GESTÃO DO CONHECIMENTO • Não bastava gerir os recursos informacionais, era preciso também gerir o conhecimento, criando as condições propícias para transformá-lo em informação. Seguiram-se, ao longo dos anos, diversos modelos definindo as ações necessárias para a execução deste processo. • Algumas correntes importantes Conhecimento tácito e explicito de Polanyi Nonaka e Takeuchi : espiral do conhecimento (externalização, combinação, internalização e socialização ) e práticas de “ba” Anos 1970 a 1990: capital intelectual , valor agregado , questão da aprendizagem , aspectos interacionais Choo: reflexões sobre as organizações que aprendem, isto é, que são capazes de gerenciar os contextos nos quais o conhecimento acontece A partir dos anos 1990: “cultura informacional” , inteligência competitiva , comunidades de prática, serviços de inteligência e segurança , orientação informacional e gestão de informações pessoais •
  • 16. BIG DATA • Apesar de Big Data ser uma expressão criada para ter impacto mercadológico, acabou definindo uma nova área de pesquisa. • Descreve um conjunto de problemas e suas soluções tecnológicas em computação aplicada com características que tornam seus dados difíceis de tratar. • um dos desafios é a enorme quantidade de dados, ou seja, seu volume. Os sistemas tradicionais atuais não estão preparados para tratar certas coleções de dados que já temos ou vamos obter nos próximos anos. • Celulares, redes sociais (facebook, Linkedin, twitter, Tumblr), aplicativos (whatsapp, entre outros), smart TV, jogos online... • Passamos da faixa de muitos gigabytes (bilhões de bytes) ou poucos terabytes (trilhões) para a faixa de petabytes (milhares de trilhões) ou até mesmo exabytes (milhões de trilhões) • Com a diminuição do custo de armazenamento de dados causada pela redução do preço dos discos rígidos, guarda-se tudo que é possível e, mais tarde, descobre-se como usar. Porém, nem sempre isso é possível.
  • 17. BIG DATA Dilemas e polêmicas do big data (Ekbia et al. 2015): • Epistemológico • Estético / artístico • Tecnológico • Ético • legais • Político • econômico
  • 18. BIG DATA • Segundo Simon Szykman, diretor de informática do Departamento de Comércio Norte-americano, os desafios em relação aos dados podem ser divididos em: i) como adquirir; ii) armazenar; iii) processar; iv) transmitir e disseminar; v) gerenciar e manter; vi) arquivar por longo prazo; vii) garantir a segurança; viii) treinar pessoas para usá-los; ix) pagar por tudo isso.
  • 19. CONCLUINDO... • Estamos inseridos em uma nova realidade tecnológica, onde a mesma, em diferentes maneiras, está presente em nosso dia a dia. Sejam nos países desenvolvidos ou em grande parte dos subdesenvolvidos, a influência dessa nova era informacional não deve ser ignorada. • Cabe ao arquivista, e profissionais ligados a informação, não somente se “adaptar” a essa nova era informacional, mas ter consciência da constante e permanente atualização de seus conhecimentos e práticas, como também em possuir sensibilidade sobre diferentes questões que permeiam o funcionamento das instituições contemporâneas (arquivística pós-moderna e arquivística pós- custodial). • Muita informação gerida, em circulação e perdida. O que preservar ou descartar numa era de produção em exabytes? (instituições públicas, privadas, acervos pessoais, produção da informação em ambiente digital, nuvem, diferentes suportes). Como adaptar a classificação, avaliação e descrição nessa nova realidade tecnológica?
  • 20. • Mas não nos esqueçamos, na defesa de qualquer modelo logico ou conceitual, que é preciso haver algum espaço para serendipity, acaso, emoção, paixão, individualidade e idiossincrasia. Um modelo deve apontar – e ser usado – não para produzir autômatos, todos marchando juntos como robôs, mas para abranger a diversidade dentro de uma ampla unidade de visão e proposito (Terry Cook, 2000).
  • 21. REFERÊNCIAS • ARAUJO, C. A. A.. Fundamentos da ciência da informação: correntes teóricas e o conceito de informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, p. 57-79, 2014. • Ekbia, H., Matiolli, M., Kouper, I., Arave, G., Ghazinejad, A. Bowman, T., Suri, R., Tsou, A., Weingart, S., & Sugimoto, C. (2015). Big Data, Bigger Dilemmas: A Critical Review. Journal of American Society for Information Science and Technology, v. 66, n.8, p. 1523-1746, 2015. • JARDIM, J. M.. Caminhos e perspectivas da Gestão de Documentos em cenários de transformações. Acervo, v. 28, p. 19-50, 2015. • SANTOS JUNIOR, R. L.. Análise sobre o desenvolvimento do campo de estudo em informação científica e técnica nos Estados Unidos e na antiga União Soviética durante a guerra fria (1945-1991). RBBD. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação (Online), v. 8, p. 130-157, 2012. • SANTOS JUNIOR, R. L.. Nos primórdios da informática: estudo sobre a construção dos primeiros computadores eletrônicos digitais nos Estados Unidos e União Soviética. In: X Semana de História Política: Minorias étnicas, de gênero e religiosas, 2015, Rio de Janeiro: UERJ / PPGH, 2015. v. 1. p. 2566-2575. • Xexéo, G. Os desafios do Big Data. Ciência Hoje, v. 52, n.306, p.18-23, 2013.