SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Dalila Marcão – Dez. 2013
A capnografia é uma tecnologia que permite ter
uma imagem gráfica e uma medida objetiva do
estado ventilatório de um doente.
Qualquer alteração na forma da onda na
capnografia pode ser detetada perante uma
alteração de:
- Metabolismo
- Perfusão sanguínea ou
- Ventilação








Explicar a importância da capnografia
Descrever o uso da capnografia
Identificar as ondas mais comuns
Entender como as alterações nas ondas e no
valor numérico se relaciona com as alterações
na ventilação, perfusão e/ou metabolismo do
doente
Interpretar e corrigir ondas que possam exibir
um padrão diferente devido a circunstâncias
internas ou externas


A capnografia é o método mais rápido para
um socorrista avaliar e identificar alterações
na condição de um doente.



Permite detetar alterações do metabolismo,
ventilação e perfusão do doente de uma
forma mais rápida do que qualquer outro
método de avaliação disponível atualmente




O capnografo mede o dióxido de carbono
(CO2) expirado, através do tubo
endotraqueal (num doente intubado) ou
através das vias aéras (boca ou nariz) num
doente não intubado
Permite aos socorristas monitorizar e vigiar o
CO2 exalado do doente
É mais comum fazer capnografia em doentes
intubados mas está provado que em doentes não
intubados é igualmente eficaz.
 Noutros países, no socorro pré-hospitalar, o uso
da capnografia é vulgar, porque permite melhorar
a avaliação do doente e consequentemente o seu
tratamento ser iniciado mais precocemente.
 Em Portugal, a capnografia, quando utilizada por
médicos ou enfermeiros, ainda é “mantida em
segredo”. Como se mede, para que serve e em que
aparelhos é encontrado um capnografo ainda são
informações desconhecidas para a grande maioria
dos técnicos pré-hospitalares



O capnografo está presente nos mais baratos
oximetros de pulso?




Durante o metabolismo, o corpo transforma
o açúcar e o oxigénio (O2) em energia, o subproduto deste processo é o dióxido de
carbono (CO2).
Se o metabolismo aumentar (por exemplo,
realizando esforço) ou diminuir, assim a
produção de CO2 aumenta ou diminui
também, e isto pode ser medido pela
capnografia.


Se a pressão arterial baixar, a capacidade do
organismo levar o CO2 aos pulmões também
diminui




O corpo regula a frequência respiratória
através de receptores quimicos nos vasos
sanguíneos que “calculam” a pressão parcial
de dióxido de carbono (pCO2).
À medida que o pCO2 aumenta, o corpo
também aumenta a frequência respiratória
para expelir o excesso


Ler uma capnografia requer olhar para a
altura e para a largura da onda



A altura mostra a quantidade numérica de
CO2 em mmHg (milímetros de mercúrio)
A largura retrata o tempo da expiração




A capnografia tem 4 fases, sendo as fases II e
III as mais importantes para a interpretação




Ocorre durante a expiração do ar a partir do
espaço anatómico oco, que normalmente
não contém CO2.
Esta linha é reta e constitui a base da linha


Ocorre durante a “lavagem” alveolar e inicio
das trocas gasosas, onde o ar se mistura com
o ar do espaço anatómico oco. É também o
inicio da expiração.


É o “topo” alveolar, com o gás expirado a libertar-se.
Esta é a parte mais importante da onda porque
representa o funcionamento dos pulmões. O ponto
mais alto desta linha representa o volume tidal
(final) do valor de CO2.


Ocorre durante a inspiração, onde o volume
de CO2 desce abruptamente.




Quem socorre necessita entender as
variações nas ondas capnográficas, sejam
elas normais ou não.
Para reconhecer uma onda não normal é
necessário primeiro saber o que é uma onda
normal
Uma onda normal deve ser quadrada ou
assemelhar-se a uma caixa.
 O volume normal de CO2 situa-se entre os 35 e os
45 mmHg e a frequência respiratória deve situar-se
entre as 12-20 vpm.



Ondas não normais apresentarão um
aumento do volume tidal de CO2, sendo as
mais comuns de Hipoventilação,
hiperventilação e broncoconstrição.


Tem forma de barbatana de tubarão.



Tipicamente quadrada. A expiração pode
estar um pouco prolongada
O Volume tidal de CO2 é superior a 45 mmHg



Tipicamente quadrada mas com uma fase de
expiração mais curta.
O volume de CO2 tidal é inferior a 35 mmHg


A capnografia demonstrou ser útil em doentes
com as seguintes condições:
- Alterações do estado de consciência
- Paragem cardíaca (PCR), mede a eficácia das
-

compressões
Diabetes
Over-dose
Asma e DPOC
Queixas respiratórias
Convulsões e
No tratamento da dor





Um oximetro de pulso leva 8 a 12 minutos a
conseguir uma leitura de SPO2 exacta.
O uso do capnografo é tão útil como um
eletrocardiograma (ECG) de 12 derivações.
A capnografia é o meio complementar de
diagnóstico mais rápido atualmente.
O uso do capnografo não é influenciado pela
temperatura, nem pela pele espessa… O
capnografo pode ser usado sob quaiquer
condições, em qualquer doente, seja qual for o
problema
Pela nossa saúde,

aprenda a fazer uso da
capnografia
Dalila Marcão – Dez. 2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânicaresenfe2013
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tóraxpauloalambert
 
Desconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório NeonatalDesconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório Neonatalblogped1
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduaçãoIapes Ensino
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Alexandre Naime Barbosa
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraquealRodrigo Abreu
 
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0Brenda Lahlou
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adrianaSMS - Petrópolis
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tóraxresenfe2013
 
Monitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialMonitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialresenfe2013
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterialresenfe2013
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaMarkus Fiuza
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básicodapab
 
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoDERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoBrenda Lahlou
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Iapes Ensino
 

Mais procurados (20)

Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Desconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório NeonatalDesconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório Neonatal
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
 
Monitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialMonitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterial
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
 
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoDERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
 

Destaque (20)

Monitorização Ventilatória
Monitorização VentilatóriaMonitorização Ventilatória
Monitorização Ventilatória
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Oximetria De Pulso
Oximetria De PulsoOximetria De Pulso
Oximetria De Pulso
 
Oximetría de pulso y capnografía
Oximetría de pulso y capnografíaOximetría de pulso y capnografía
Oximetría de pulso y capnografía
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometriaFisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Oximetria de pulso
Oximetria de pulsoOximetria de pulso
Oximetria de pulso
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
 
Ventilometria
VentilometriaVentilometria
Ventilometria
 
Monitorização neurologica
Monitorização neurologicaMonitorização neurologica
Monitorização neurologica
 
Oximetro de pulso
Oximetro de pulsoOximetro de pulso
Oximetro de pulso
 
Capnografia pdf
Capnografia pdfCapnografia pdf
Capnografia pdf
 
La capnografía en los servicios de emergencia
La capnografía en los servicios de emergenciaLa capnografía en los servicios de emergencia
La capnografía en los servicios de emergencia
 
Balão intra aórtico
Balão intra aórticoBalão intra aórtico
Balão intra aórtico
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica BásicaVentilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
 

Semelhante a Importância da capnografia no socorro pré-hospitalar

Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdfCapnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdfDaniel Entorno
 
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioMeios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioAlbanoGanga
 
Fisiologia Pulmonar: Difusão
Fisiologia Pulmonar: DifusãoFisiologia Pulmonar: Difusão
Fisiologia Pulmonar: DifusãoFlávia Salame
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaDeylane Melo
 
04 Sistema Respiratório.pdf
04 Sistema Respiratório.pdf04 Sistema Respiratório.pdf
04 Sistema Respiratório.pdfobmicall
 
1_ SINAIS VITAIS_1686140172 (1).pdf
1_ SINAIS VITAIS_1686140172 (1).pdf1_ SINAIS VITAIS_1686140172 (1).pdf
1_ SINAIS VITAIS_1686140172 (1).pdfDaianeNascimento43
 
Estudo de caso de um paciente portador de DPOC
Estudo de caso de um paciente portador de DPOCEstudo de caso de um paciente portador de DPOC
Estudo de caso de um paciente portador de DPOCGeizeReisdeAlmeida
 
Gasometria arterial fisioterapia
Gasometria arterial fisioterapiaGasometria arterial fisioterapia
Gasometria arterial fisioterapiaFelipe Bezerril
 
Aula 12 sistema respiratório
Aula 12   sistema respiratórioAula 12   sistema respiratório
Aula 12 sistema respiratórioJonatas Carlos
 
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICAGRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICAdouglas870578
 
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA - uma aula para aprender
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA - uma aula para aprenderFISIOLOGIA RESPIRATÓRIA - uma aula para aprender
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA - uma aula para aprenderdeawlopes1
 
Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Pedro Miguel
 
SISTEMA  RESPIRATÓRIO
SISTEMA  RESPIRATÓRIOSISTEMA  RESPIRATÓRIO
SISTEMA  RESPIRATÓRIORubensRafael4
 
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilSandra Regina
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarAnestesiador
 

Semelhante a Importância da capnografia no socorro pré-hospitalar (20)

Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdfCapnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
 
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioMeios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
 
Fisiologia Pulmonar: Difusão
Fisiologia Pulmonar: DifusãoFisiologia Pulmonar: Difusão
Fisiologia Pulmonar: Difusão
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapia
 
04 Sistema Respiratório.pdf
04 Sistema Respiratório.pdf04 Sistema Respiratório.pdf
04 Sistema Respiratório.pdf
 
1_ SINAIS VITAIS_1686140172 (1).pdf
1_ SINAIS VITAIS_1686140172 (1).pdf1_ SINAIS VITAIS_1686140172 (1).pdf
1_ SINAIS VITAIS_1686140172 (1).pdf
 
Estudo de caso de um paciente portador de DPOC
Estudo de caso de um paciente portador de DPOCEstudo de caso de um paciente portador de DPOC
Estudo de caso de um paciente portador de DPOC
 
Gasometria arterial fisioterapia
Gasometria arterial fisioterapiaGasometria arterial fisioterapia
Gasometria arterial fisioterapia
 
Medidas do Sistema Respiratório
Medidas do Sistema RespiratórioMedidas do Sistema Respiratório
Medidas do Sistema Respiratório
 
Aula 12 sistema respiratório
Aula 12   sistema respiratórioAula 12   sistema respiratório
Aula 12 sistema respiratório
 
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICAGRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
 
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA - uma aula para aprender
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA - uma aula para aprenderFISIOLOGIA RESPIRATÓRIA - uma aula para aprender
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA - uma aula para aprender
 
Ciclo cardíaco
Ciclo cardíacoCiclo cardíaco
Ciclo cardíaco
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3Fisiologia - Sistema Respiratório 3
Fisiologia - Sistema Respiratório 3
 
SISTEMA  RESPIRATÓRIO
SISTEMA  RESPIRATÓRIOSISTEMA  RESPIRATÓRIO
SISTEMA  RESPIRATÓRIO
 
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonar
 
Gasometria
GasometriaGasometria
Gasometria
 

Mais de Dalila_Marcao

Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaDalila_Marcao
 
Abordagem a lesões da coluna
Abordagem a lesões da colunaAbordagem a lesões da coluna
Abordagem a lesões da colunaDalila_Marcao
 
Avaliar condições de segurança do local e de quem presta socorro
Avaliar condições de segurança do local e de quem presta socorroAvaliar condições de segurança do local e de quem presta socorro
Avaliar condições de segurança do local e de quem presta socorroDalila_Marcao
 
Apostilha do tripulante de ambulância
Apostilha do tripulante de ambulânciaApostilha do tripulante de ambulância
Apostilha do tripulante de ambulânciaDalila_Marcao
 
Infeções dos tecidos moles
Infeções dos tecidos molesInfeções dos tecidos moles
Infeções dos tecidos molesDalila_Marcao
 
Manejo da via aérea e administração de oxigénio
Manejo da via aérea e administração de oxigénioManejo da via aérea e administração de oxigénio
Manejo da via aérea e administração de oxigénioDalila_Marcao
 
Reações alérgicas
Reações alérgicasReações alérgicas
Reações alérgicasDalila_Marcao
 

Mais de Dalila_Marcao (7)

Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologia
 
Abordagem a lesões da coluna
Abordagem a lesões da colunaAbordagem a lesões da coluna
Abordagem a lesões da coluna
 
Avaliar condições de segurança do local e de quem presta socorro
Avaliar condições de segurança do local e de quem presta socorroAvaliar condições de segurança do local e de quem presta socorro
Avaliar condições de segurança do local e de quem presta socorro
 
Apostilha do tripulante de ambulância
Apostilha do tripulante de ambulânciaApostilha do tripulante de ambulância
Apostilha do tripulante de ambulância
 
Infeções dos tecidos moles
Infeções dos tecidos molesInfeções dos tecidos moles
Infeções dos tecidos moles
 
Manejo da via aérea e administração de oxigénio
Manejo da via aérea e administração de oxigénioManejo da via aérea e administração de oxigénio
Manejo da via aérea e administração de oxigénio
 
Reações alérgicas
Reações alérgicasReações alérgicas
Reações alérgicas
 

Último

TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.ColorNet
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOJessicaAngelo5
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (7)

TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Importância da capnografia no socorro pré-hospitalar

  • 1. Dalila Marcão – Dez. 2013
  • 2. A capnografia é uma tecnologia que permite ter uma imagem gráfica e uma medida objetiva do estado ventilatório de um doente. Qualquer alteração na forma da onda na capnografia pode ser detetada perante uma alteração de: - Metabolismo - Perfusão sanguínea ou - Ventilação 
  • 3.      Explicar a importância da capnografia Descrever o uso da capnografia Identificar as ondas mais comuns Entender como as alterações nas ondas e no valor numérico se relaciona com as alterações na ventilação, perfusão e/ou metabolismo do doente Interpretar e corrigir ondas que possam exibir um padrão diferente devido a circunstâncias internas ou externas
  • 4.  A capnografia é o método mais rápido para um socorrista avaliar e identificar alterações na condição de um doente.  Permite detetar alterações do metabolismo, ventilação e perfusão do doente de uma forma mais rápida do que qualquer outro método de avaliação disponível atualmente
  • 5.   O capnografo mede o dióxido de carbono (CO2) expirado, através do tubo endotraqueal (num doente intubado) ou através das vias aéras (boca ou nariz) num doente não intubado Permite aos socorristas monitorizar e vigiar o CO2 exalado do doente
  • 6. É mais comum fazer capnografia em doentes intubados mas está provado que em doentes não intubados é igualmente eficaz.  Noutros países, no socorro pré-hospitalar, o uso da capnografia é vulgar, porque permite melhorar a avaliação do doente e consequentemente o seu tratamento ser iniciado mais precocemente.  Em Portugal, a capnografia, quando utilizada por médicos ou enfermeiros, ainda é “mantida em segredo”. Como se mede, para que serve e em que aparelhos é encontrado um capnografo ainda são informações desconhecidas para a grande maioria dos técnicos pré-hospitalares 
  • 7.  O capnografo está presente nos mais baratos oximetros de pulso?
  • 8.
  • 9.   Durante o metabolismo, o corpo transforma o açúcar e o oxigénio (O2) em energia, o subproduto deste processo é o dióxido de carbono (CO2). Se o metabolismo aumentar (por exemplo, realizando esforço) ou diminuir, assim a produção de CO2 aumenta ou diminui também, e isto pode ser medido pela capnografia.
  • 10.  Se a pressão arterial baixar, a capacidade do organismo levar o CO2 aos pulmões também diminui
  • 11.   O corpo regula a frequência respiratória através de receptores quimicos nos vasos sanguíneos que “calculam” a pressão parcial de dióxido de carbono (pCO2). À medida que o pCO2 aumenta, o corpo também aumenta a frequência respiratória para expelir o excesso
  • 12.  Ler uma capnografia requer olhar para a altura e para a largura da onda  A altura mostra a quantidade numérica de CO2 em mmHg (milímetros de mercúrio) A largura retrata o tempo da expiração   A capnografia tem 4 fases, sendo as fases II e III as mais importantes para a interpretação
  • 13.   Ocorre durante a expiração do ar a partir do espaço anatómico oco, que normalmente não contém CO2. Esta linha é reta e constitui a base da linha
  • 14.  Ocorre durante a “lavagem” alveolar e inicio das trocas gasosas, onde o ar se mistura com o ar do espaço anatómico oco. É também o inicio da expiração.
  • 15.  É o “topo” alveolar, com o gás expirado a libertar-se. Esta é a parte mais importante da onda porque representa o funcionamento dos pulmões. O ponto mais alto desta linha representa o volume tidal (final) do valor de CO2.
  • 16.  Ocorre durante a inspiração, onde o volume de CO2 desce abruptamente.
  • 17.   Quem socorre necessita entender as variações nas ondas capnográficas, sejam elas normais ou não. Para reconhecer uma onda não normal é necessário primeiro saber o que é uma onda normal
  • 18. Uma onda normal deve ser quadrada ou assemelhar-se a uma caixa.  O volume normal de CO2 situa-se entre os 35 e os 45 mmHg e a frequência respiratória deve situar-se entre as 12-20 vpm. 
  • 19.  Ondas não normais apresentarão um aumento do volume tidal de CO2, sendo as mais comuns de Hipoventilação, hiperventilação e broncoconstrição.
  • 20.  Tem forma de barbatana de tubarão.
  • 21.   Tipicamente quadrada. A expiração pode estar um pouco prolongada O Volume tidal de CO2 é superior a 45 mmHg
  • 22.   Tipicamente quadrada mas com uma fase de expiração mais curta. O volume de CO2 tidal é inferior a 35 mmHg
  • 23.  A capnografia demonstrou ser útil em doentes com as seguintes condições: - Alterações do estado de consciência - Paragem cardíaca (PCR), mede a eficácia das - compressões Diabetes Over-dose Asma e DPOC Queixas respiratórias Convulsões e No tratamento da dor
  • 24.     Um oximetro de pulso leva 8 a 12 minutos a conseguir uma leitura de SPO2 exacta. O uso do capnografo é tão útil como um eletrocardiograma (ECG) de 12 derivações. A capnografia é o meio complementar de diagnóstico mais rápido atualmente. O uso do capnografo não é influenciado pela temperatura, nem pela pele espessa… O capnografo pode ser usado sob quaiquer condições, em qualquer doente, seja qual for o problema
  • 25. Pela nossa saúde, aprenda a fazer uso da capnografia
  • 26. Dalila Marcão – Dez. 2013