SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
MITOSEVERDADES
SOBREOTDAH
ENTENDENDO PARA INCLUIR
POR DR.CLAY BRITES-NEUROPEDIATRA
Dedico este texto aos meus pacientes, seus familiares, pro-
fessores e profissionais da Saúde e educação que constan-
temente tem que lidar com o preconceito e a desinformação
acerca deste tema.
A vocês meu mais profundo respeito!!!
DR.CLAY BRITES-NEUROPEDIATRA
Pediatra e Neurologista Infantil
Doutorando em Ciências Médicas (UNICAMP)
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 2
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 3
Foi-se as época em que nos baseávamos em tradições
e mitos para definirmos uma rotina ou decidirmos sobre um
tratamento. A expansão do conhecimento médico e o avan-
ço das pesquisas científicas e da neurociência veio trazer um
novo paradigma de como entender e desfazer incertezas. Em
várias áreas da medicina muito do que se achava foi suplan-
tado por outras evidências e tornado, assim, uma nova ver-
dade. É muito comum, nas mais diversas áreas da Saúde e da
Educação, aparecerem comentários e saberes sem qualquer
fundamento antes das explicações mais racionais, experien-
tes, centradas no atendimento clínico e na observação cri-
teriosa. É o caso do TDAH ! Nunca, nestes anos recentes, vi
tantos comentários descabidos e veiculação de mitos des-
vairados e sensacionalistas acerca de uma condição médica
como as que são expostas sobre o TDAH !
Não vejo comentários semelhantes sobre Diabetes, Hi-
pertensão, Depressão, Reumatismos e tampouco impropérios
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 4
sobre seus tratamentos medicamentosos como acerca da Ri-
talina para o TDAH. Como podem pessoas que não tem um
artigo ou pesquisa sequer sobre o TDAH nem participação
em grupos multicêntricos de avaliação e acompanhamento
clínico destes pacientes aparecerem fortuitamente e de for-
ma irresponsável falando como se soubessem há anos sobre
o assunto. Um dos grandes erros destes grupos, produtores
de mitos, serão expostos e comentados aqui:
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 5
MITO1
O TDAH é uma doença inventada
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br -
O TDAH é considerado atualmente uma das condições
médicas mais pesquisadas e posta `a prova de evidências
científicas. Desde 1902 se conhece e se publica sobre TDAH
e seus mecanismos neurobiológicos são conhecidos desde
os anos 1950. Desde então, a produção científica tem com-
provado que o TDAH leva a alterações de funcionamento
neurológico, problemas motores, atraso de desenvolvimento
neuropsicomotor, disfunções cognitivas, prejuízos de rendi-
mento no trabalho e nas atividades acadêmicas por levar a
excessivo déficit atencional seletivo e sustentado, problemas
de memória operacional, severas restrições na auto-esti-
ma, risco maior de insucesso profissional, traumas, quedas
e hospitalizações, desagregação familiar, separação conju-
gal e maior risco de suicídio. Crianças inteligentes e espertas
quando portadoras de TDAH tem seu potencial intelectual e
funcional no ambiente muito mais reduzido e prejudicado.
Como pode uma doença deste calibre avassalador ser inven-
tada?
6
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 7
MITO2
TDAH é igual a hiperatividade
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 8
TDAH e Hiperatividade não são sinônimos.TDAH e agita-
ção não são termos iguais. A Hiperatividade e a agitação não
significam um transtorno e podem somente ser um perfil de
personalidade e condicionamento adquiridos pela cultura.Já
o TDAH é um transtorno onde estes sinais PODEM APENAS
SER UM DOS SINAIS componentes. A agitação pode ser um
padrão normal dependendo da idade e se não causar prejuí-
zos a quem a tem mas se esta vier associada a dificuldade de
se controlar de acordo com a necessidade e com as exigên-
cias do contexto, esquecimentos frequentes, desorganização
motora e espacial, incapacidade de aprender com o erro,
baixo rendimento em atividades que exigem prazo/tempo/
espaço/sequência, excessiva desatenção, inadequação social,
problemas recorrentes de humor e aversão grave `as frus-
trações e a necessidade de esperar, podemos entender que
pode ser TDAH além de outras condições neuropsiquiátricas.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 9
MITO3
O TDAH é um problema de cunho social e culpa
dos pais e educadores
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 10
O TDAH NÃO resulta de má educação, falta de limites, perda
de oportunidades, abandono afetivo ou lares desajustados.
NÃO RESULTA de uma sociedade hiperativa, informatiza-
da, imediatista, hiperfocada em vários estímulos ao mesmo
tempo... O TDAH é conhecidos desde tempos da carroça e
das cartas (primeiros relatos em 1850 e primeiro artigo pu-
blicado em 1902) onde não existiam TV, computador e ga-
mes. O padrão clínico foi bem definido entre os anos 50-60
e reconhecido como transtorno em 1980. O que temos hoje
são informações ainda mais completas e esclarecidas pela
tecnologia médica exuberante e resultante de um boom de
desenvolvimento dos anos 1990 para cá. Com mais informa-
ções, o aparecimento do TDAH fica mais frequente e repetiti-
vo dando a impressão que tem mais criança com TDAH hoje
do que na época de nossos avós, o que não condiz `a verdade.
O fato é de que estamos mais vigilantes para identificá-lo
assim como estamos mais alertas para descobrirmos outras
condições médicas como a miopia, os cânceres, diabetes e
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 11
e outras deficiências.Além disto,pesquisas recentes mostram
que a incidência de TDAH é mais ou menos igual em todo o
planeta independente da cultura e do nível social e os sinais
do transtorno já podem ser observados e sentidos antes dos 5
anos e com efeitos no sono,alimentação,no comportamento
dos esfíncteres, no padrão motor e na linguagem da criança
e nas dificuldades em memorizar e aprender sequências (e,
sinceramente, o que isto tem a ver com influência social??)
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 12
MITO4
TDAH é um problema exclusivo de escola
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 13
O TDAH é um transtorno que leva a problemas em todos os
aspectos da vida do portador e daqueles que convivem com
o mesmo. Acarreta problemas sociais, afetivos, de auto-ima-
gem, ansiedade, dificuldades de relacionamento, agressivi-
dade global, impulsividade e grave desatenção com conse-
quências na relação com os amigos, mais desavenças com
os irmãos, mais acidentes, risco maior de gravidez na ado-
lescência, separação conjugal, abandono afetivo por causa
do comportamento “difícil” sendo preterido pelos pais em
detrimento dos irmãos mais focados e controlados além de
muitas pesquisas já mostrarem que esta população tem mais
risco de obesidade, mais cáries, maior risco de suicídio e oito
vezes mais chance de não atingir o diploma universitário ou
plenitude na carreira profissional. E onde entra a escola nis-
to??
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 14
MITO5
Professor quer induzir ao diagnóstico do TDAH
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 15
O professor não induz ao diagnóstico caso saiba profunda-
mente o que é e como encaminhar estas crianças. O proble-
ma é a falta de informação que ainda impera neste meio in-
clusive induzida por secretarias de educação que impedem a
atualização, a circulação de profissionais especialistas entre
os educadores e a veiculação de informações desencontra-
das sobre o TDAH e seu tratamento (repletas de preconcei-
to e ojeriza pelo assunto). Além disto, por não existir leis e
marcos regulatórios nem sequer equipes especializadas em
conjunto com as escolas, o professor, desprovido de como
agir, no desespero, encaminha estas crianças sem qualquer
preparo ou modo preventivo de agir com eles dentro de sala
de aula. Depois do diagnóstico, continuam sem saber o que
fazer pois, a prinicípio, o TDAH “não existe”.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 16
MITO6
Médicos são controlados pela indústria a
prescreverem a Ritalina
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 17
Existem médicos sem caráter e muitos são induzidos pela
indústria a cumprirem papéis, na sua profissão, sem qualquer
ética ou lisura. Assim como existem engenheiros, advoga-
dos, juízes, professores, pais e gestores que também fazem
ou cumprem formas de agir muito semelhantes ou até pior...
Isto não justifica generalizar e achar que todo o médico que
prescreve Ritalina é controlado e/ou seduzido pela indústria.
A grande maioria não se baseia em absolutamente nada dis-
to mas sim plenamente em propiciar aos pacientes o que a
ciência preconiza! Quem induz ao abandono do tratamento
comete ato lesivo muito pior, pois engana e aliena os pais
destinando seu filho com TDAH a não ter as mesmas opor-
tunidades que os outros.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 18
MITO7
Ritalina dopa,vicia e robotiza as crianças
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 19
A Ritalina não é um calmante e tampouco um sedativo. Não
robotiza nem dopa e as evidências mostram que o risco de
vício é mínimo. Em mais de 10 anos tratando e acompanhan-
do estes pacientes, raramente vi estes efeitos! O que vejo
é exatamente o inverso e, tanto os pais quanto `a escola,
veem a mesma coisa : a criança fica mais atenta e consegue
dar conta das atividades que antes fracassava e reduzia sua
auto-estima. Existem casos onde ocorreram tais situações?
Sim. Nestes casos, deve-se suspender a medicação pois toda
a medicação tem a chance de não dar certo em alguns casos
como os antidepressivos, antidiabéticos e medicações para
infecções...
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 20
MITO8
Se os exames são normais,não tem TDAH
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 21
O TDAH é um transtorno sem marcador biológico ainda defi-
nido. Portanto, os exames de sangue, de audição, de imagem,
como Tomografia e Ressonância e o eletro de nada servirão
pois nada mostrarão... O TDAH é um problema que se iden-
tifica pela observação do comportamento, da cognição e do
rendimento em situações sociais, afetivas e acadêmicas. Pelo
excesso de sintomas de desatenção , impulsividade e even-
tual hiperatividade descritas pelos critérios diagnósticos do
DSM-5 e por meio de escalas de avaliação com lastro cientí-
fico confiável e realmente indicativos para rastreamento do
transtorno. A normalidade daqueles exames nada significa e
nada se descarta.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 22
MITO9
Há um excesso de prescrição de medicamentos
para o TDAH
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 23
O aumento da utilização da Ritalina de uns anos para cá tem
sido erroneamente interpretado pela mídia - desavisada e
sensacionalista - como uso excessivo e, exagerada, causada
pela displicência médica e a “abusiva necessidade de contro-
lar o comportamento das crianças num mundo intolerante”.O
aumento da prescrição em si não explica nada, mas sim que
entender o porquê. O aumento se dá pelos mais diversos mo-
tivos, bons e ruins. MOTIVO BOM: mais conhecimento, mais
identificação; antigamente, quase não se prescrevia porque
tampouco se identificava; MOTIVO RUIM: por uso indevido e
sem prescrição médica para pessoas que querem, de forma
errada, melhorar sua concentração para concursos públicos
ou para melhora da performance para as provas escolares
ou na faculdade; uso indevido para recreação em festas e
raves. O controle adequado do seu uso pelas autoridades
competentes devem ser estimuladas. O problema é que fal-
tam políticas públicas para encarar de frente o problema:
regulamentar não para proibir ou coibir o uso da Ritalina,
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 24
mas sim para direcionar seu uso estrito para quem tem indi-
cação e por meio prescrição médica após diagnóstico correto
do transtorno (preconizado por protocolos internacionais ou
orientados por grupos de pesquisa especializados de nossas
instituições universitárias).
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 25
MITO10
Todos os profissionais sabem identificar e
tratar o transtorno
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 26
Nem todo profissional sabe diagnosticar o TDAH mesmo
sendo especialista em neurologia ou psiquiatria. Capacidade
técnica para tal requer conhecimento profundo sobre todos
os aspectos do TDAH: quadro clínico, perfil do portador, co-
nhecedor dos guidelines e dos aspectos neuropsicológicos e
dos protocolos internacionais para o diagnóstico e tratamen-
to do TDAH. Nossas faculdades de Medicina estão ainda em
fase de implementação curricular acerca do TDAH e muitas
residências médicas ainda carecem de abordar o assunto sem
muita teoria e muita pouca prática. No geral, os especialistas
médicos mais aptos pela experiência são os neuropediatras
e psiquiatras infantis. Nas áreas afins, os psicólogos e os fo-
noaudiólogos mas nestas áreas ainda muito pouco se veicula
e na graduação muito pouco se ensina ora por desconheci-
mento ora por preconceito ideológico.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 27
1. Castaneda GY, Heilbroner PL. Pediatric Neurology: Essentials for General Practice.
Philadelphia (PA): Lippincott Williams & Wilkins; 2007.
2. Polanczyk G, Silva de Lima M, Horta BL, Biederman J, Rohde LA. The Worldwide
Prevalence of ADHD : A Systematic Review and Metaregression Analysis. Am J Psy-
chiatry 2007; 164: 942-948.
3. Banaschewski T, Becker K, Scherag S, Franke B, Coghill D. Molecular genetics of
attention-deficit/hyperactivity disorder: an overview. Eur Child Adolesc Psychiatry
2010; 19:237–257.
4. Kieling R, Rohde LA. ADHD in children and adults: diagnosis and prognosis. Curr
Top Behav Neuroscience 2012; 9: 1-16.
5. Pastura GMC, Mattos P, Araújo APQC. Desempenho Escolar e Transtorno de Dé-
ficit de Atenção e Hiperatividade. Rev Psiq Clín 2005; 32 (6): 324-329.
6. Rohde LA, Halpern R. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade: Atuali-
zação. J Pediatr (Rio J) 2004; 80 (2a Supl) : S61-S70.
7. Castellanos FX, Sonuga-Barke EJS, Scheres A, Di Martino A, Hyde C, Walters JR.
Varieties of Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder Intra-Individual Variability.
Biol Psychiatry 2005; 57 : 1416-1423.
Referências Bibliográficas
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 28
8. American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental
disorders (5th ed.). Arlington,VA: American Psychiatric Publishing; 2013.
9. Sonuga-Barke EJ. Causal models of attention-deficit/hyperactivity disorder: From
common simple deficits to multiple developmental pathways. Biol Psychiatry. 2005;
57(11):1231–1238. [PubMed: 15949993].
10. Castellanos FX, Tannock R. Neuroscience of attention-deficit/hyperactivity disor-
der: The search for endophenotypes. Nat Rev Neurosci. 2002; 3(8):617–628. [Pub-
Med: 12154363]
11. Volkow ND, Wang GJ, Newcorn J, Telang F, Solanto MV, Fowler JS, et al. Depres-
sed dopamine activity in caudate and preliminary evidence of limbic involvement in
adults with ADHD.Arch Gen Psychiatry 2008; 64 : 932-940.
12. Volkow ND, Wang GJ, Tomasi D, Kollins SH, Wigal TL, Newcorn JH, et al. Methyl-
phenidate-Elicited Dopamine Increases in Ventral Striatum Are Associated with Lon-
g-Term Symptom Improvement in Adults with ADHD. The Journal of Neuroscience
2012; 32(3): 841-849.
13. Nigg JT, Casey, BJ. An integrative theory of ADHD based on the cognitive and
affective neuroscience. Development and Psychopathology 2005; (17): 785-806.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 29
14.Rapport MD,Bolden J,Kofler MJ,Sarver DE,Raiker JS,Alderson RM Hyperactivity in
Boys with Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder (ADHD): a ubiquitous core symp-
tom or manifestation of working memory deficits ? J Abnorm Child Psychol 2008; 3
( 7) 521-534.
15. Shaw P , Eckstrand K , Sharp W , Blumenthal J , Lerch JP , Greenstein D , Clasen L ,
Evans A,Giedd J ,Rapoport JL.Attention-deficit/hyperactivity disorder is characterized
by a delay in cortical maturation. Proc Natl Acad Sci USA 2007; 104:19649–19654.
16. Sobanski E, Banaschewski T, Sergeant JA, Faraone S. Emotional Lability in Chil-
dren and Adolescents with ADHD: Clinical Correlates and Familial Prevalences. Jour-
nal of Child Psychology and Psychiatric 2010; ( 51) : 915-923.
17.Nigg J,Nikolas M,Burt SA.Measured Gene-by-Environment Interaction in relation
to ADHD. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry 2010;
49(9) : 863-873.
18. Semiz UB, Basoglu C, Oner C et al. Effects of diagnostic comorbitidy and dimen-
sional symptoms of attention-deficit-hyperactivity disorder in men with antisocial
personality disorder. Aust N Z J Psychiatry 2008; 42(5): 405-413.
19. Lalonde J, Turgay A, Hudson JI. Attention-deficit hyperactivity disorder subtypes
and comorbid disruptive behavior disorder in a child and adolescent mental health
clinic. Canadian J Psychiatry 1998; 43 (6): 623-628.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 30
20. Aarnoudse-Moens CSH,Weisglas-Kuperus N,Van Goudoever JB, Oosterlain J. Me-
ta-Analysis of Neurobehavioral Outcomes in Very Preterm and/or Very Low Birth Wei-
ght Children. Pediatrics 2009; 124 (2): 117-128.
21. Simão ANP, Toledo MM, Ciasca SM. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperati-
vidade. In: Ciasca SM, Rodrigues SD, Salgado CA. TDAH – Transtorno de Déficit de
Atenção e Hiperatividade. Rio de Janeiro : Revinter; 2010.
22. Milich R, Balentine AC, Lynam DR. ADHD Combined Type and ADHD Predomi-
nantly Inattentive Type Are Distinct and Unrelated Disorders. Clinical Psychology
2001; 8(4): 463-488.
23. Ciasca, S. (org.) Distúrbios de Aprendizagem: proposta de avaliação interdiscipli-
nar. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003.
24.Barkley,R.A.Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder.In: E.J.Mash & R.A.Barkley
(Orgs.),Treatment of childhood disorders.(vol.2,pp.55-110) NewYork: Guilford; 1998.
25. Barkley, R. A., Fischer, M., Edelbrock, C. S., & Smallish, I. The adolescent outco-
me of hyperactive children diagnosed by research criteria. I. An 8-year prospective
follow-up study.The Journal of American Academia of Child and Adolescent Psychia-
try 1990; 29, 546-57.
26.Garfinkel BD,August GJ.Comorbidity of ADHD and reading disability among clinic
-referred children. Journal of Abnormal Child Psychology 1990; 18(1): 29-45.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 31
27. Barkley RA. Behavioural inhibition, susteined attention, and executive functions:
constructing a unifying theory of ADHD. Psychol Bull 1997; 121: 65-94.
28. Sergeant, JA. The cognitive-energetic model: an empirical approach to ADHD.
Neuroscience and Behavioral Reviews 2000; 24: 7-12.
29. Rapport MD, Bolden J, Kofler MJ, Sarver DE, Raiker JS, Alderson RM Hyperactivi-
ty in Boys with Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder (ADHD): a ubiquitous core
symptom or manifestation of working memory deficits ? J Abnorm Child Psychology
2008; 37, 521-534.
30.Castellanos FX,Tannock R.Neuroscience of Attention-Deficit/Hyperactivity Disor-
der: the search for endophenotypes. Nature 2002; 3: 617-629.
31. Halperin, JM, Schulz KP. Revisiting the role of the prefrontal cortex in the patho-
physiology of attention-deficit/hyperactivity disorder. Psychological Bulletin 2006;
132, 560–581.
32. Rhodes SM, Coghill DR, Matthews K. Methylphenidate restores visual memory
but not working memory function in attention deficit- hyperkinetic disorder. Psycho-
pharmacology 2004; 175, 319–330.
33. Rucklidge, J. J., & Tannock, R. Psychiatric, psychosocial, and cognitive functioning
of female adolescents with ADHD. Journal of the American Academy of Child and
Adolescent Psychiatry 2001; 40, 530–540.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 32
34. Sonuga-Barke EJS, Sergeant JA, Nigg J, Willcutt E. Executive dysfunction and
delay aversion in attention deficit hyperactivity disorder: Nosologic and diagnostic
implications. Child and Adolescent Psychiatric Clinics of North America 2008; 17,
367–384.
35. Borkowska AR1, Słopień A, Pytlińska N, Rajewski A, Dmitrzak-Weglarz M, Szcze-
pankiewicz A,Wolańiczyk T.Visual-spatial functions and organisation of grapho-mo-
tor actions in ADHD children. [Article in Polish] Psychiat Pol 2011; 45(3) : 367-378.
36. Bolden J, Rapport MD, Raiker JS, Sarver DE, Kofler MJ. Understanding Phonolo-
gical Memory Deficits in Boys with Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder (ADHD):
Dissociation of Short-term Storage and Articulatory Rehearsal Processes. Journal of
Abnormal Child Psycology 2012; 40 (6) 999-1011.
37. Sobanski E, Banaschewski T, Chen Wai MRCP, Holtmann M, Asherson P, Argyris S
et al.Emotional lability in children and adolescents with Attention Deficit / Hyperac-
tivity Disorder (ADHD): Clinical correlates and familial prevalence. Journal of Child
Psychology and Psychiatry 2010; 51, 915-923.
38. Kam HJ, Lee K, Cho S, Shin Y, Park RW. High-Resolution Actigraphic Analysis of
ADHD: A wide range of movement variability observation in three school courses – a
pilot study. Healthcare Informatics Research 2011; 17(1): 29-37.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 33
39. De Crescenzo F, Armando M, Mazzone L, Ciliberto L, Sciannamea M, Figueroa C,
et al. The use of actigraphy in the monitoring of methylphenidate versus placebo in
ADHD: a meta-analysis.ADHD Atten Def Hyp Disord 2014; 6: 49-58.
40.Dick MJ,Piek JP. Developmental Delays in Children with ADHD. Journal of Atten-
tion Disorders. 2014; 18(5): 466-478.
41. Possa MA, Spanemberg L , Guardiola A. Comorbidades do Transtorno de Déficit
de Atenção e Hiperatividade em crianças escolares. Arq Neuropsiquiatr 2005; 63 (2-
B):479-483 .
42. Nunes MMS, Werlang BSG. Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade e
transtorno de conduta: aspectos familiares e escolares. ConScientia e Saúde 2008;
7(2):207-216.
43. Ferreira SHA, Barrera SD. Ambiente familiar e aprendizagem escolar em alunos
da educação infantil . Psico 2010; 41 (4): 462-472.
44. DuPaul GJ, Stoner G. TDAH nas Escolas. São Paulo: M.Books do Brasil; 2007.
45. Amiri S, Fakhari A, Salman A, Golmirzaei J, Akbari Z. Psychiatric Comorbidities in
ADHD Children: An Iranian Study among Primary School Students . Arch Iran Med
2013; 16(9): 513-517.
46. Nascimento RTA. O aluno com Transtorno do Déficit de Atenção em sala de aula.
Temas sobre Desenvolvimento 2013; 19(105): 81-85
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 34
47.Van der Oord S,Prins PJM,Oosterlaan J ,Emmelkamp PMG. Efficacy of methylphe-
nidate, psychosocial treatments and their combination in school-aged children with
ADHD: A meta-analysis . Clinical Psychology Review 2008; 28: 783–800.
48. Muzetti CMV, Vinhas MCZL. Influência do déficit de atenção e hiperatividade na
aprendizagem em escolares. Psicol.Argum 2011; 29 (65): 237-248.
49. Pfiffner LJ, Villodas M, Kaiser N, Rooney M, McBurnett K. Educational Outcomes
of a Collaborative School–Home Behavioral Intervention for ADHD. Sch Psychol Q.
2013; 28(1): 25–36. doi:10.1037/spq0000016.
50. Capano L, Minden D, Chen SX, Schachar RJ, Ickowicz A. Mathematical Learning
Disorder in School-Age Children with Attention-Deficit Hyperactivity Disorder. Cana-
dian Journal of Psychiatry 2008; 53 (6): 1-8.
51. Kieling C, Kieling RR, Rohde LA, Frick PJ, Moffitt T, Nigg JT et al. The age at onset
of attention deficit hyperactivity disorder. Am J Psych 2010; 167 (1): 14-16.
52. Brites C. Sinais precoces de transtornos neurológicos nos Transtornos de Desen-
volvimento. In: Ciasca SM e cols. (org.). Transtornos de Desenvolvimento : do diag-
nóstico a intervenção precoce. São Paulo: Book Toy; 2014.
53. Cardo E, Amengual-Gual M. ¿Se asocia el trastorno por déficit de atención/hi-
peractividad con otras patologías prevalentes de la infancia? Rev Neurol 2015; 60
(Supl 1): S109-S113.
Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir
-neurosaber.com.br - 35
54. Mulas F, Roca P, Ros-Cervera G, Gandia-Benetó R, Ortiz-Sanchez P. Manejo far-
macológico del trastorno por déficit de atención/hiperactividad con metilfenidato y
atomoxetina en un contexto de epilepsia . Rev Neurol 2014; 58 (Supl 1): S43-S49.
55. Schmitz M, Polanczyk G, Rohde LA. TDAH: remissão na adolescência e preditor
es de persistência em adultos. J. Bras. Psiquiatr. 2007; 56(1) : 25-29.
56. Kollins,S.H.,Sparrow,E.P.,Conners C.K.Guide to Assessment Scales in ADHD,2nd
Ed., Ed. Springer Healthcare; 2010, ISBN 978-1- 907673-15-3.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1Tiago Pádua
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividadeTranstorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividadeAna Larissa Perissini
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioDenise Pacheco
 
Tdah slide
Tdah   slideTdah   slide
Tdah slideUNIME
 
Tdah uma conversa_com_educadores
Tdah uma conversa_com_educadoresTdah uma conversa_com_educadores
Tdah uma conversa_com_educadoresMarlene Campos
 
Palestra saúde mental e qualidade de vida
Palestra saúde mental e qualidade de vidaPalestra saúde mental e qualidade de vida
Palestra saúde mental e qualidade de vidaFernando R. G. Paolini
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIAFernanda Marinho
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre AutismoTathiane Cuesta
 
Saúde mental da mulher e seus reflexos na
Saúde mental da mulher e seus reflexos naSaúde mental da mulher e seus reflexos na
Saúde mental da mulher e seus reflexos naGisele Cortoni Calia
 
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com HiperatividadeTDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com HiperatividadeJanaina Spolidorio
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoCaio Maximino
 

Mais procurados (20)

Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1
 
TDAH - Rogério Goulart Paes
TDAH - Rogério Goulart PaesTDAH - Rogério Goulart Paes
TDAH - Rogério Goulart Paes
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividadeTranstorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidio
 
Tdah adul..[1]
Tdah adul..[1]Tdah adul..[1]
Tdah adul..[1]
 
Tdah slide
Tdah   slideTdah   slide
Tdah slide
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APSSaúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
 
Tdah uma conversa_com_educadores
Tdah uma conversa_com_educadoresTdah uma conversa_com_educadores
Tdah uma conversa_com_educadores
 
Palestra saúde mental e qualidade de vida
Palestra saúde mental e qualidade de vidaPalestra saúde mental e qualidade de vida
Palestra saúde mental e qualidade de vida
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Familia e autismo
Familia e autismoFamilia e autismo
Familia e autismo
 
Saúde mental da mulher e seus reflexos na
Saúde mental da mulher e seus reflexos naSaúde mental da mulher e seus reflexos na
Saúde mental da mulher e seus reflexos na
 
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com HiperatividadeTDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
 
Tdah tela
Tdah telaTdah tela
Tdah tela
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Saúde Mental na Escola
Saúde Mental na EscolaSaúde Mental na Escola
Saúde Mental na Escola
 

Semelhante a TDAN mitos e verdades

TDAH uma Conversa entre Educadores
TDAH uma Conversa entre EducadoresTDAH uma Conversa entre Educadores
TDAH uma Conversa entre EducadoresAna Paula Silva
 
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdf
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdftdah_uma_conversa_com_educadores.pdf
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdfLeandroSantos258975
 
Vi phda
 Vi phda Vi phda
Vi phdaHDFF
 
Parecer cfm deficit da atencao
Parecer cfm   deficit da atencaoParecer cfm   deficit da atencao
Parecer cfm deficit da atencaoRebecaIvantes2
 
slide TDAH completo.ppt.pptx
slide TDAH completo.ppt.pptxslide TDAH completo.ppt.pptx
slide TDAH completo.ppt.pptxBLACKNET4
 
Artigo de conclusão da pós em docência do ensino superior
Artigo de conclusão da pós em docência do ensino superiorArtigo de conclusão da pós em docência do ensino superior
Artigo de conclusão da pós em docência do ensino superiorSolange Guimarães
 
11787791 hiperactividade-cadin
11787791 hiperactividade-cadin11787791 hiperactividade-cadin
11787791 hiperactividade-cadinLiliana Romão
 
Transtornos do Neurodesenvolvimento - TDAH.pptx
Transtornos do Neurodesenvolvimento - TDAH.pptxTranstornos do Neurodesenvolvimento - TDAH.pptx
Transtornos do Neurodesenvolvimento - TDAH.pptxJessicaDassi
 
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdfIBEE5
 
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulPalestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulClinicaAssis
 
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBPTranstorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBPProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdfPed._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdfBielzinThekid
 

Semelhante a TDAN mitos e verdades (20)

TDAH uma Conversa entre Educadores
TDAH uma Conversa entre EducadoresTDAH uma Conversa entre Educadores
TDAH uma Conversa entre Educadores
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdf
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdftdah_uma_conversa_com_educadores.pdf
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdf
 
Vi phda
 Vi phda Vi phda
Vi phda
 
Parecer cfm deficit da atencao
Parecer cfm   deficit da atencaoParecer cfm   deficit da atencao
Parecer cfm deficit da atencao
 
TDAH set10
TDAH set10TDAH set10
TDAH set10
 
slide TDAH completo.ppt.pptx
slide TDAH completo.ppt.pptxslide TDAH completo.ppt.pptx
slide TDAH completo.ppt.pptx
 
Artigo de conclusão da pós em docência do ensino superior
Artigo de conclusão da pós em docência do ensino superiorArtigo de conclusão da pós em docência do ensino superior
Artigo de conclusão da pós em docência do ensino superior
 
TDAH
TDAH TDAH
TDAH
 
Inquietos e desatentos
Inquietos e desatentosInquietos e desatentos
Inquietos e desatentos
 
Barkley
BarkleyBarkley
Barkley
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
11787791 hiperactividade-cadin
11787791 hiperactividade-cadin11787791 hiperactividade-cadin
11787791 hiperactividade-cadin
 
Slides .pdf
Slides .pdfSlides .pdf
Slides .pdf
 
Transtornos do Neurodesenvolvimento - TDAH.pptx
Transtornos do Neurodesenvolvimento - TDAH.pptxTranstornos do Neurodesenvolvimento - TDAH.pptx
Transtornos do Neurodesenvolvimento - TDAH.pptx
 
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf
 
Tg ds
Tg dsTg ds
Tg ds
 
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulPalestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
 
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBPTranstorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
 
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdfPed._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
 

Mais de Fabricio Batistoni (20)

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
 
Febre
FebreFebre
Febre
 
Tosse
TosseTosse
Tosse
 
Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
 
Novo normal
Novo normalNovo normal
Novo normal
 
Novo normal na infância
Novo normal na infânciaNovo normal na infância
Novo normal na infância
 

TDAN mitos e verdades

  • 2. Dedico este texto aos meus pacientes, seus familiares, pro- fessores e profissionais da Saúde e educação que constan- temente tem que lidar com o preconceito e a desinformação acerca deste tema. A vocês meu mais profundo respeito!!! DR.CLAY BRITES-NEUROPEDIATRA Pediatra e Neurologista Infantil Doutorando em Ciências Médicas (UNICAMP) Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 2
  • 3. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 3 Foi-se as época em que nos baseávamos em tradições e mitos para definirmos uma rotina ou decidirmos sobre um tratamento. A expansão do conhecimento médico e o avan- ço das pesquisas científicas e da neurociência veio trazer um novo paradigma de como entender e desfazer incertezas. Em várias áreas da medicina muito do que se achava foi suplan- tado por outras evidências e tornado, assim, uma nova ver- dade. É muito comum, nas mais diversas áreas da Saúde e da Educação, aparecerem comentários e saberes sem qualquer fundamento antes das explicações mais racionais, experien- tes, centradas no atendimento clínico e na observação cri- teriosa. É o caso do TDAH ! Nunca, nestes anos recentes, vi tantos comentários descabidos e veiculação de mitos des- vairados e sensacionalistas acerca de uma condição médica como as que são expostas sobre o TDAH ! Não vejo comentários semelhantes sobre Diabetes, Hi- pertensão, Depressão, Reumatismos e tampouco impropérios
  • 4. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 4 sobre seus tratamentos medicamentosos como acerca da Ri- talina para o TDAH. Como podem pessoas que não tem um artigo ou pesquisa sequer sobre o TDAH nem participação em grupos multicêntricos de avaliação e acompanhamento clínico destes pacientes aparecerem fortuitamente e de for- ma irresponsável falando como se soubessem há anos sobre o assunto. Um dos grandes erros destes grupos, produtores de mitos, serão expostos e comentados aqui:
  • 5. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 5 MITO1 O TDAH é uma doença inventada
  • 6. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - O TDAH é considerado atualmente uma das condições médicas mais pesquisadas e posta `a prova de evidências científicas. Desde 1902 se conhece e se publica sobre TDAH e seus mecanismos neurobiológicos são conhecidos desde os anos 1950. Desde então, a produção científica tem com- provado que o TDAH leva a alterações de funcionamento neurológico, problemas motores, atraso de desenvolvimento neuropsicomotor, disfunções cognitivas, prejuízos de rendi- mento no trabalho e nas atividades acadêmicas por levar a excessivo déficit atencional seletivo e sustentado, problemas de memória operacional, severas restrições na auto-esti- ma, risco maior de insucesso profissional, traumas, quedas e hospitalizações, desagregação familiar, separação conju- gal e maior risco de suicídio. Crianças inteligentes e espertas quando portadoras de TDAH tem seu potencial intelectual e funcional no ambiente muito mais reduzido e prejudicado. Como pode uma doença deste calibre avassalador ser inven- tada? 6
  • 7. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 7 MITO2 TDAH é igual a hiperatividade
  • 8. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 8 TDAH e Hiperatividade não são sinônimos.TDAH e agita- ção não são termos iguais. A Hiperatividade e a agitação não significam um transtorno e podem somente ser um perfil de personalidade e condicionamento adquiridos pela cultura.Já o TDAH é um transtorno onde estes sinais PODEM APENAS SER UM DOS SINAIS componentes. A agitação pode ser um padrão normal dependendo da idade e se não causar prejuí- zos a quem a tem mas se esta vier associada a dificuldade de se controlar de acordo com a necessidade e com as exigên- cias do contexto, esquecimentos frequentes, desorganização motora e espacial, incapacidade de aprender com o erro, baixo rendimento em atividades que exigem prazo/tempo/ espaço/sequência, excessiva desatenção, inadequação social, problemas recorrentes de humor e aversão grave `as frus- trações e a necessidade de esperar, podemos entender que pode ser TDAH além de outras condições neuropsiquiátricas.
  • 9. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 9 MITO3 O TDAH é um problema de cunho social e culpa dos pais e educadores
  • 10. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 10 O TDAH NÃO resulta de má educação, falta de limites, perda de oportunidades, abandono afetivo ou lares desajustados. NÃO RESULTA de uma sociedade hiperativa, informatiza- da, imediatista, hiperfocada em vários estímulos ao mesmo tempo... O TDAH é conhecidos desde tempos da carroça e das cartas (primeiros relatos em 1850 e primeiro artigo pu- blicado em 1902) onde não existiam TV, computador e ga- mes. O padrão clínico foi bem definido entre os anos 50-60 e reconhecido como transtorno em 1980. O que temos hoje são informações ainda mais completas e esclarecidas pela tecnologia médica exuberante e resultante de um boom de desenvolvimento dos anos 1990 para cá. Com mais informa- ções, o aparecimento do TDAH fica mais frequente e repetiti- vo dando a impressão que tem mais criança com TDAH hoje do que na época de nossos avós, o que não condiz `a verdade. O fato é de que estamos mais vigilantes para identificá-lo assim como estamos mais alertas para descobrirmos outras condições médicas como a miopia, os cânceres, diabetes e
  • 11. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 11 e outras deficiências.Além disto,pesquisas recentes mostram que a incidência de TDAH é mais ou menos igual em todo o planeta independente da cultura e do nível social e os sinais do transtorno já podem ser observados e sentidos antes dos 5 anos e com efeitos no sono,alimentação,no comportamento dos esfíncteres, no padrão motor e na linguagem da criança e nas dificuldades em memorizar e aprender sequências (e, sinceramente, o que isto tem a ver com influência social??)
  • 12. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 12 MITO4 TDAH é um problema exclusivo de escola
  • 13. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 13 O TDAH é um transtorno que leva a problemas em todos os aspectos da vida do portador e daqueles que convivem com o mesmo. Acarreta problemas sociais, afetivos, de auto-ima- gem, ansiedade, dificuldades de relacionamento, agressivi- dade global, impulsividade e grave desatenção com conse- quências na relação com os amigos, mais desavenças com os irmãos, mais acidentes, risco maior de gravidez na ado- lescência, separação conjugal, abandono afetivo por causa do comportamento “difícil” sendo preterido pelos pais em detrimento dos irmãos mais focados e controlados além de muitas pesquisas já mostrarem que esta população tem mais risco de obesidade, mais cáries, maior risco de suicídio e oito vezes mais chance de não atingir o diploma universitário ou plenitude na carreira profissional. E onde entra a escola nis- to??
  • 14. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 14 MITO5 Professor quer induzir ao diagnóstico do TDAH
  • 15. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 15 O professor não induz ao diagnóstico caso saiba profunda- mente o que é e como encaminhar estas crianças. O proble- ma é a falta de informação que ainda impera neste meio in- clusive induzida por secretarias de educação que impedem a atualização, a circulação de profissionais especialistas entre os educadores e a veiculação de informações desencontra- das sobre o TDAH e seu tratamento (repletas de preconcei- to e ojeriza pelo assunto). Além disto, por não existir leis e marcos regulatórios nem sequer equipes especializadas em conjunto com as escolas, o professor, desprovido de como agir, no desespero, encaminha estas crianças sem qualquer preparo ou modo preventivo de agir com eles dentro de sala de aula. Depois do diagnóstico, continuam sem saber o que fazer pois, a prinicípio, o TDAH “não existe”.
  • 16. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 16 MITO6 Médicos são controlados pela indústria a prescreverem a Ritalina
  • 17. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 17 Existem médicos sem caráter e muitos são induzidos pela indústria a cumprirem papéis, na sua profissão, sem qualquer ética ou lisura. Assim como existem engenheiros, advoga- dos, juízes, professores, pais e gestores que também fazem ou cumprem formas de agir muito semelhantes ou até pior... Isto não justifica generalizar e achar que todo o médico que prescreve Ritalina é controlado e/ou seduzido pela indústria. A grande maioria não se baseia em absolutamente nada dis- to mas sim plenamente em propiciar aos pacientes o que a ciência preconiza! Quem induz ao abandono do tratamento comete ato lesivo muito pior, pois engana e aliena os pais destinando seu filho com TDAH a não ter as mesmas opor- tunidades que os outros.
  • 18. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 18 MITO7 Ritalina dopa,vicia e robotiza as crianças
  • 19. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 19 A Ritalina não é um calmante e tampouco um sedativo. Não robotiza nem dopa e as evidências mostram que o risco de vício é mínimo. Em mais de 10 anos tratando e acompanhan- do estes pacientes, raramente vi estes efeitos! O que vejo é exatamente o inverso e, tanto os pais quanto `a escola, veem a mesma coisa : a criança fica mais atenta e consegue dar conta das atividades que antes fracassava e reduzia sua auto-estima. Existem casos onde ocorreram tais situações? Sim. Nestes casos, deve-se suspender a medicação pois toda a medicação tem a chance de não dar certo em alguns casos como os antidepressivos, antidiabéticos e medicações para infecções...
  • 20. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 20 MITO8 Se os exames são normais,não tem TDAH
  • 21. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 21 O TDAH é um transtorno sem marcador biológico ainda defi- nido. Portanto, os exames de sangue, de audição, de imagem, como Tomografia e Ressonância e o eletro de nada servirão pois nada mostrarão... O TDAH é um problema que se iden- tifica pela observação do comportamento, da cognição e do rendimento em situações sociais, afetivas e acadêmicas. Pelo excesso de sintomas de desatenção , impulsividade e even- tual hiperatividade descritas pelos critérios diagnósticos do DSM-5 e por meio de escalas de avaliação com lastro cientí- fico confiável e realmente indicativos para rastreamento do transtorno. A normalidade daqueles exames nada significa e nada se descarta.
  • 22. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 22 MITO9 Há um excesso de prescrição de medicamentos para o TDAH
  • 23. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 23 O aumento da utilização da Ritalina de uns anos para cá tem sido erroneamente interpretado pela mídia - desavisada e sensacionalista - como uso excessivo e, exagerada, causada pela displicência médica e a “abusiva necessidade de contro- lar o comportamento das crianças num mundo intolerante”.O aumento da prescrição em si não explica nada, mas sim que entender o porquê. O aumento se dá pelos mais diversos mo- tivos, bons e ruins. MOTIVO BOM: mais conhecimento, mais identificação; antigamente, quase não se prescrevia porque tampouco se identificava; MOTIVO RUIM: por uso indevido e sem prescrição médica para pessoas que querem, de forma errada, melhorar sua concentração para concursos públicos ou para melhora da performance para as provas escolares ou na faculdade; uso indevido para recreação em festas e raves. O controle adequado do seu uso pelas autoridades competentes devem ser estimuladas. O problema é que fal- tam políticas públicas para encarar de frente o problema: regulamentar não para proibir ou coibir o uso da Ritalina,
  • 24. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 24 mas sim para direcionar seu uso estrito para quem tem indi- cação e por meio prescrição médica após diagnóstico correto do transtorno (preconizado por protocolos internacionais ou orientados por grupos de pesquisa especializados de nossas instituições universitárias).
  • 25. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 25 MITO10 Todos os profissionais sabem identificar e tratar o transtorno
  • 26. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 26 Nem todo profissional sabe diagnosticar o TDAH mesmo sendo especialista em neurologia ou psiquiatria. Capacidade técnica para tal requer conhecimento profundo sobre todos os aspectos do TDAH: quadro clínico, perfil do portador, co- nhecedor dos guidelines e dos aspectos neuropsicológicos e dos protocolos internacionais para o diagnóstico e tratamen- to do TDAH. Nossas faculdades de Medicina estão ainda em fase de implementação curricular acerca do TDAH e muitas residências médicas ainda carecem de abordar o assunto sem muita teoria e muita pouca prática. No geral, os especialistas médicos mais aptos pela experiência são os neuropediatras e psiquiatras infantis. Nas áreas afins, os psicólogos e os fo- noaudiólogos mas nestas áreas ainda muito pouco se veicula e na graduação muito pouco se ensina ora por desconheci- mento ora por preconceito ideológico.
  • 27. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 27 1. Castaneda GY, Heilbroner PL. Pediatric Neurology: Essentials for General Practice. Philadelphia (PA): Lippincott Williams & Wilkins; 2007. 2. Polanczyk G, Silva de Lima M, Horta BL, Biederman J, Rohde LA. The Worldwide Prevalence of ADHD : A Systematic Review and Metaregression Analysis. Am J Psy- chiatry 2007; 164: 942-948. 3. Banaschewski T, Becker K, Scherag S, Franke B, Coghill D. Molecular genetics of attention-deficit/hyperactivity disorder: an overview. Eur Child Adolesc Psychiatry 2010; 19:237–257. 4. Kieling R, Rohde LA. ADHD in children and adults: diagnosis and prognosis. Curr Top Behav Neuroscience 2012; 9: 1-16. 5. Pastura GMC, Mattos P, Araújo APQC. Desempenho Escolar e Transtorno de Dé- ficit de Atenção e Hiperatividade. Rev Psiq Clín 2005; 32 (6): 324-329. 6. Rohde LA, Halpern R. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade: Atuali- zação. J Pediatr (Rio J) 2004; 80 (2a Supl) : S61-S70. 7. Castellanos FX, Sonuga-Barke EJS, Scheres A, Di Martino A, Hyde C, Walters JR. Varieties of Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder Intra-Individual Variability. Biol Psychiatry 2005; 57 : 1416-1423. Referências Bibliográficas
  • 28. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 28 8. American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.). Arlington,VA: American Psychiatric Publishing; 2013. 9. Sonuga-Barke EJ. Causal models of attention-deficit/hyperactivity disorder: From common simple deficits to multiple developmental pathways. Biol Psychiatry. 2005; 57(11):1231–1238. [PubMed: 15949993]. 10. Castellanos FX, Tannock R. Neuroscience of attention-deficit/hyperactivity disor- der: The search for endophenotypes. Nat Rev Neurosci. 2002; 3(8):617–628. [Pub- Med: 12154363] 11. Volkow ND, Wang GJ, Newcorn J, Telang F, Solanto MV, Fowler JS, et al. Depres- sed dopamine activity in caudate and preliminary evidence of limbic involvement in adults with ADHD.Arch Gen Psychiatry 2008; 64 : 932-940. 12. Volkow ND, Wang GJ, Tomasi D, Kollins SH, Wigal TL, Newcorn JH, et al. Methyl- phenidate-Elicited Dopamine Increases in Ventral Striatum Are Associated with Lon- g-Term Symptom Improvement in Adults with ADHD. The Journal of Neuroscience 2012; 32(3): 841-849. 13. Nigg JT, Casey, BJ. An integrative theory of ADHD based on the cognitive and affective neuroscience. Development and Psychopathology 2005; (17): 785-806.
  • 29. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 29 14.Rapport MD,Bolden J,Kofler MJ,Sarver DE,Raiker JS,Alderson RM Hyperactivity in Boys with Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder (ADHD): a ubiquitous core symp- tom or manifestation of working memory deficits ? J Abnorm Child Psychol 2008; 3 ( 7) 521-534. 15. Shaw P , Eckstrand K , Sharp W , Blumenthal J , Lerch JP , Greenstein D , Clasen L , Evans A,Giedd J ,Rapoport JL.Attention-deficit/hyperactivity disorder is characterized by a delay in cortical maturation. Proc Natl Acad Sci USA 2007; 104:19649–19654. 16. Sobanski E, Banaschewski T, Sergeant JA, Faraone S. Emotional Lability in Chil- dren and Adolescents with ADHD: Clinical Correlates and Familial Prevalences. Jour- nal of Child Psychology and Psychiatric 2010; ( 51) : 915-923. 17.Nigg J,Nikolas M,Burt SA.Measured Gene-by-Environment Interaction in relation to ADHD. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry 2010; 49(9) : 863-873. 18. Semiz UB, Basoglu C, Oner C et al. Effects of diagnostic comorbitidy and dimen- sional symptoms of attention-deficit-hyperactivity disorder in men with antisocial personality disorder. Aust N Z J Psychiatry 2008; 42(5): 405-413. 19. Lalonde J, Turgay A, Hudson JI. Attention-deficit hyperactivity disorder subtypes and comorbid disruptive behavior disorder in a child and adolescent mental health clinic. Canadian J Psychiatry 1998; 43 (6): 623-628.
  • 30. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 30 20. Aarnoudse-Moens CSH,Weisglas-Kuperus N,Van Goudoever JB, Oosterlain J. Me- ta-Analysis of Neurobehavioral Outcomes in Very Preterm and/or Very Low Birth Wei- ght Children. Pediatrics 2009; 124 (2): 117-128. 21. Simão ANP, Toledo MM, Ciasca SM. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperati- vidade. In: Ciasca SM, Rodrigues SD, Salgado CA. TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Rio de Janeiro : Revinter; 2010. 22. Milich R, Balentine AC, Lynam DR. ADHD Combined Type and ADHD Predomi- nantly Inattentive Type Are Distinct and Unrelated Disorders. Clinical Psychology 2001; 8(4): 463-488. 23. Ciasca, S. (org.) Distúrbios de Aprendizagem: proposta de avaliação interdiscipli- nar. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003. 24.Barkley,R.A.Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder.In: E.J.Mash & R.A.Barkley (Orgs.),Treatment of childhood disorders.(vol.2,pp.55-110) NewYork: Guilford; 1998. 25. Barkley, R. A., Fischer, M., Edelbrock, C. S., & Smallish, I. The adolescent outco- me of hyperactive children diagnosed by research criteria. I. An 8-year prospective follow-up study.The Journal of American Academia of Child and Adolescent Psychia- try 1990; 29, 546-57. 26.Garfinkel BD,August GJ.Comorbidity of ADHD and reading disability among clinic -referred children. Journal of Abnormal Child Psychology 1990; 18(1): 29-45.
  • 31. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 31 27. Barkley RA. Behavioural inhibition, susteined attention, and executive functions: constructing a unifying theory of ADHD. Psychol Bull 1997; 121: 65-94. 28. Sergeant, JA. The cognitive-energetic model: an empirical approach to ADHD. Neuroscience and Behavioral Reviews 2000; 24: 7-12. 29. Rapport MD, Bolden J, Kofler MJ, Sarver DE, Raiker JS, Alderson RM Hyperactivi- ty in Boys with Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder (ADHD): a ubiquitous core symptom or manifestation of working memory deficits ? J Abnorm Child Psychology 2008; 37, 521-534. 30.Castellanos FX,Tannock R.Neuroscience of Attention-Deficit/Hyperactivity Disor- der: the search for endophenotypes. Nature 2002; 3: 617-629. 31. Halperin, JM, Schulz KP. Revisiting the role of the prefrontal cortex in the patho- physiology of attention-deficit/hyperactivity disorder. Psychological Bulletin 2006; 132, 560–581. 32. Rhodes SM, Coghill DR, Matthews K. Methylphenidate restores visual memory but not working memory function in attention deficit- hyperkinetic disorder. Psycho- pharmacology 2004; 175, 319–330. 33. Rucklidge, J. J., & Tannock, R. Psychiatric, psychosocial, and cognitive functioning of female adolescents with ADHD. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry 2001; 40, 530–540.
  • 32. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 32 34. Sonuga-Barke EJS, Sergeant JA, Nigg J, Willcutt E. Executive dysfunction and delay aversion in attention deficit hyperactivity disorder: Nosologic and diagnostic implications. Child and Adolescent Psychiatric Clinics of North America 2008; 17, 367–384. 35. Borkowska AR1, Słopień A, Pytlińska N, Rajewski A, Dmitrzak-Weglarz M, Szcze- pankiewicz A,Wolańiczyk T.Visual-spatial functions and organisation of grapho-mo- tor actions in ADHD children. [Article in Polish] Psychiat Pol 2011; 45(3) : 367-378. 36. Bolden J, Rapport MD, Raiker JS, Sarver DE, Kofler MJ. Understanding Phonolo- gical Memory Deficits in Boys with Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder (ADHD): Dissociation of Short-term Storage and Articulatory Rehearsal Processes. Journal of Abnormal Child Psycology 2012; 40 (6) 999-1011. 37. Sobanski E, Banaschewski T, Chen Wai MRCP, Holtmann M, Asherson P, Argyris S et al.Emotional lability in children and adolescents with Attention Deficit / Hyperac- tivity Disorder (ADHD): Clinical correlates and familial prevalence. Journal of Child Psychology and Psychiatry 2010; 51, 915-923. 38. Kam HJ, Lee K, Cho S, Shin Y, Park RW. High-Resolution Actigraphic Analysis of ADHD: A wide range of movement variability observation in three school courses – a pilot study. Healthcare Informatics Research 2011; 17(1): 29-37.
  • 33. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 33 39. De Crescenzo F, Armando M, Mazzone L, Ciliberto L, Sciannamea M, Figueroa C, et al. The use of actigraphy in the monitoring of methylphenidate versus placebo in ADHD: a meta-analysis.ADHD Atten Def Hyp Disord 2014; 6: 49-58. 40.Dick MJ,Piek JP. Developmental Delays in Children with ADHD. Journal of Atten- tion Disorders. 2014; 18(5): 466-478. 41. Possa MA, Spanemberg L , Guardiola A. Comorbidades do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade em crianças escolares. Arq Neuropsiquiatr 2005; 63 (2- B):479-483 . 42. Nunes MMS, Werlang BSG. Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade e transtorno de conduta: aspectos familiares e escolares. ConScientia e Saúde 2008; 7(2):207-216. 43. Ferreira SHA, Barrera SD. Ambiente familiar e aprendizagem escolar em alunos da educação infantil . Psico 2010; 41 (4): 462-472. 44. DuPaul GJ, Stoner G. TDAH nas Escolas. São Paulo: M.Books do Brasil; 2007. 45. Amiri S, Fakhari A, Salman A, Golmirzaei J, Akbari Z. Psychiatric Comorbidities in ADHD Children: An Iranian Study among Primary School Students . Arch Iran Med 2013; 16(9): 513-517. 46. Nascimento RTA. O aluno com Transtorno do Déficit de Atenção em sala de aula. Temas sobre Desenvolvimento 2013; 19(105): 81-85
  • 34. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 34 47.Van der Oord S,Prins PJM,Oosterlaan J ,Emmelkamp PMG. Efficacy of methylphe- nidate, psychosocial treatments and their combination in school-aged children with ADHD: A meta-analysis . Clinical Psychology Review 2008; 28: 783–800. 48. Muzetti CMV, Vinhas MCZL. Influência do déficit de atenção e hiperatividade na aprendizagem em escolares. Psicol.Argum 2011; 29 (65): 237-248. 49. Pfiffner LJ, Villodas M, Kaiser N, Rooney M, McBurnett K. Educational Outcomes of a Collaborative School–Home Behavioral Intervention for ADHD. Sch Psychol Q. 2013; 28(1): 25–36. doi:10.1037/spq0000016. 50. Capano L, Minden D, Chen SX, Schachar RJ, Ickowicz A. Mathematical Learning Disorder in School-Age Children with Attention-Deficit Hyperactivity Disorder. Cana- dian Journal of Psychiatry 2008; 53 (6): 1-8. 51. Kieling C, Kieling RR, Rohde LA, Frick PJ, Moffitt T, Nigg JT et al. The age at onset of attention deficit hyperactivity disorder. Am J Psych 2010; 167 (1): 14-16. 52. Brites C. Sinais precoces de transtornos neurológicos nos Transtornos de Desen- volvimento. In: Ciasca SM e cols. (org.). Transtornos de Desenvolvimento : do diag- nóstico a intervenção precoce. São Paulo: Book Toy; 2014. 53. Cardo E, Amengual-Gual M. ¿Se asocia el trastorno por déficit de atención/hi- peractividad con otras patologías prevalentes de la infancia? Rev Neurol 2015; 60 (Supl 1): S109-S113.
  • 35. Mitos e verdades sobre o TDAH: Entendendo para incluir -neurosaber.com.br - 35 54. Mulas F, Roca P, Ros-Cervera G, Gandia-Benetó R, Ortiz-Sanchez P. Manejo far- macológico del trastorno por déficit de atención/hiperactividad con metilfenidato y atomoxetina en un contexto de epilepsia . Rev Neurol 2014; 58 (Supl 1): S43-S49. 55. Schmitz M, Polanczyk G, Rohde LA. TDAH: remissão na adolescência e preditor es de persistência em adultos. J. Bras. Psiquiatr. 2007; 56(1) : 25-29. 56. Kollins,S.H.,Sparrow,E.P.,Conners C.K.Guide to Assessment Scales in ADHD,2nd Ed., Ed. Springer Healthcare; 2010, ISBN 978-1- 907673-15-3.