SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
INTRODUÇÃO
Olá,tudobem?
Eu me chamo Yuri Maia e desde que nasci, há 33 anos,
o TDAH está presente em minha vida. Desde pequeno,
com as primeiras interações sociais, brincadeiras em
grupo ou principalmente sozinho, eu já apresentava
alguns sinais típicos da presença do transtorno, tais
como: desatenção aos comandos vindos de outras
pessoas; dificuldade de me manter engajado em
tarefas em grupo (ou mesmo sozinho, se fosse uma
tarefa demandada por outra pessoa); desistia com
facilidade de realizar uma tarefa mentalmente
trabalhosa e desinteressante (aprender um jogo
novo, com regras complexas que não fosse algo
imediatamente excitante); interromper os colegas
por pura impaciência; não respeitar as regras das
brincadeiras (nossa, tenho mesmo que decorar todas
as regras?); esquecimentos aleatórios, até de algo que
foiditorecentemente.
Durante a vida escolar não foi diferente e os sintomas
ficaram ainda mais evidentes. Ora, se em uma
atividade lúdica eu não tinha paciência e persistência
em aprender e assimilar, quanto mais em um local
onde eu precisava ficar sentado durante 6 horas,
focado, aprendendo coisas (na maioria das vezes)
desinteressantes e, o pior de tudo para mim, era
obrigado a copiar as tarefas do quadro. Logo os
problemas começaram a aparecer: falta de empatia
por parte dos adultos, principalmente professores,
que não entendiam os motivos que causavam estes
comportamentos; isolamento por parte dos
coleguinhas, costumava não me dar bem com
brincadeiras em grupo, muitas vezes preferia a
solidão. Ela sempre esteve presente por me sentir
deslocado e com poucos amigos, o que me
acompanhou desde a infância até a fase adulta. Hoje,
percebo que um dos motivos principais desse meu
“isolamento” foi também a dificuldade em sustentar
conversas cujos assuntos não são do meu interesse, o
queexigeumgrandeesforçoeatençãoativosparaser
compensado.
Mas por que estes sintomas? Por que sempre tão
presentes? E, principalmente, por que atrapalham
TANTOavidadequemTDAH?Certamentesãodúvidas
muito comuns em quem tem o transtorno ou seus
familiares.
Para compreender melhor, explicarei rapidamente
como o TDAH age em nosso cérebro, de forma que
seja possível compreendermos suas consequências
diretas: as características e sintomas mais comuns em
quemotem.
Tudo começa no modo como nossos neurônios se
comunicam, as chamadas sinapses neurais, presentes
na parte do nosso cérebro responsável pelas nossas
funções executivas, o Córtex Pré-Frontal. Por sua vez,
as funções executivas podem ser resumidamente
definidas como um conjunto de capacidades que nos
possibilitam engajar-se de maneira independente,
autônoma e auto-organizada, em comportamentos e
ações alinhados a um determinado objetivo. Ou seja,
nosso controle inibitório (autocontrole), capacidade
de julgar quais tarefas são prioridades em uma
determinada situação e saber resistir àquelas mais
tentadoras; nossa memória de trabalho, que mantém
ativo, por alguns segundos, pequenas informações e
orientações necessárias para executar determinada
tarefa, enquanto a processa em conjunto com nossa
vasta memória de longo prazo; atenção dividida,
capacidadedeestaratentoadoisestímulosdiferentes
ao mesmo tempo; bem como a capacidade de calcular
o tempo de execução de uma tarefa ou regulação de
nossos impulsos em falar ou agir, tudo isso, dentre
outros exemplos, fazem parte de nossa função
executiva.
De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de
TranstornosMentaisemsua5aedição,DSM-V,oTDAH
é um transtorno de origem predominantemente
genética,quesemanifestaatravésdesinapsesneurais
deficientes no córtex pré-frontal, por uma anomalia
nos neurotransmissores dopamina, serotonina e
noradrenalina. Esta anomalia causa a hipofunção
destes neurotransmissores que, como consequência,
geram uma série de caraterísticas semelhantes dentre
as pessoas que possuem o TDAH, principalmente
dificuldade de sustentação do foco, hipervigilância,
lapsos de memória, impulsividade, busca incessante
por recompensa, dificuldade de lidar com frustração,
dificuldade de priorizar suas atividades e assim por
diante.
Durante muitos anos sofri as consequências da falta
de informação, tanto pelos que me cercavam quanto
de mim mesmo, alguém que tinha TDAH
diagnosticado desde criança, mas não tinha exata
noção do quanto isso influenciava diretamente nas
minhasexperiênciasaolongodavida.
Somente após adulto, ao procurar ajuda em diversos
profissionais e terapias ao longo da vida, consegui
finalmente encontrar o elo entre causa e efeito do
meu jeito de ser. Isso foi essencial para compreender
até que ponto influenciava minhas ações, minhas
escolhas, meu modo de pensar e, principalmente, a
forma como eu me via perante o mundo,
principalmenteemsetratardeautoestima.
Com isso, em 2015, iniciei o projeto TDAH
Descomplicado no Facebook e no Youtube, ao
publicar vídeos em que conto minha história de vida,
minhas vitórias, frustrações, dou dicas e ensino um
pouco de tudo que costuma dar certo comigo em
relação ao TDAH. Abordo métodos e práticas
desenvolvidas, estudadas e aprendidas que creio
serem eficazes em outras pessoas que passam pelo
mesmoqueeupassei.
Acredito que após compreendermos um pouco sobre
o que origina tais comportamentos vistos como
inadequados,existeumfatoressencialemotivadorao
realizar o tratamento com as pessoas que possuem
TDAH: Empatia. Com empatia, acompanhamento
profissional especializado através da equipe
interdisciplinar (psicopedagogos, psicólogos,
fonoaudiólogos, médicos especialistas e assim por
diante), bem como adoção de boas práticas como as
que estão dispostas neste e-book e em vários vídeos
que já publiquei no canal do Youtube e na Fanpage do
TDAH Descomplicado, o sucesso no tratamento
dessaspessoasébastantepromissor.
As dicas contidas neste e-book foram inspiradas em
minha vivência pessoal, observação de casos
semelhantes e na leitura do livro Tendência à
Distração, do psiquiatra estadunidense Edward
Hallowell, assim como em diversas pesquisas sobre o
tema.
Bom proveito! :)
Abraços,
Yuri Maia
Março de 2017
01
O Primeiro passo e mais
i m p o r t a n t e é OBTER O
DIAGNÓSTICO Procure seu
m é d i c o n e u r o l o g i s t a o u
p s i q u i a t r a e s i g a s u a s
orientações para, em seguida,
iniciar o tratamento. Testes de
internet não são suficientes
p a r a f e c h a r q u a l q u e r
diagnóstico.
02
A educação da família é de
extrema importância para o
s u c e s s o d e q u a l q u e r
tratamento.
C E R T I F I Q U E - S E Q U E
TODOS OS MEMBROS DA
F A M Í L I A P O S S A M
E S C L A R E C E R S U A S
DÚVIDAS E APRENDAM OS
FATOSSOBREOTDAH.
Portanto, procure seu médico e
peça orientações de como lidar
com o transtorno e quais os
comportamentos esperados de
quemotem.Empatia,respeitoe
conhecimento acerca do
mesmo deverá ser a base.
Ignorar esta etapa poderá
dificultar todo o manejo e
tratamento.
03
TENTE MUDAR A FORMA COMO A FAMÍLIA
ENXERGA A PESSOA COM TDAH
A reputação na família, assim como nos demais locais
de convívio da pessoa com TDAH, pode estabelecer
expectativas mais brilhantes. Se todos esperam que
você fracasse, a chance disso ocorrer é muito alta,
assim como a chance de você se tornar um sucesso
será muito maior, caso as pessoas ao seu redor
acreditarem que você será um sucesso. Tente sempre
observar e desenvolver os aspectos positivos da
pessoa com TDAH e trate de mudar as ideias de sua
família acerca dele(a). A família é o grupo que mais
temaoferecerparaajudaraalcançarseupotencial
04
ESCLAREÇA PARA TODOS DA
FAMÍLIA QUE O TDAH NÃO É
CULPADENINGUÉM
É muito importante que os
membros da família entendam e
acreditem nisso. Continuar com
o sentimento de que o TDAH é
apenas uma desculpa para um
comportamento irresponsável
ou causado pela preguiça
sabotaráotratamento.
05
DEIXE CLARO QUE O TDAH É UMA
QUESTÃO QUE ENVOLVE TODA A
F A M Í L I A , E Q U E A F E T A O
COMPORTAMENTO EM TODAS AS
TAREFASDIÁRIAS
Onde o indivíduo TDAH estiver
presente, haverá chances dele afetar
o funcionamento e a rotina daquela
atividade, seja na execução de
tarefasdomésticas,sejanumpasseio
com a família no parque ou mesmo
na ida à praia durante as férias. O
TDAH poderá se envolver em
situações indesejadas por descuido
ou desatenção e todos precisam
estar cientes. Faça com que a família
se torne parte da solução, assim
como cada membro da família
também faz parte do problema.
Empatiaeunião.
06
TENHA MUITO CUIDADO AO DIVIDIR A ATENÇÃO
QUE É DADA A CRIANÇA COM TDAH.
O excesso de atenção pode ser prejudicial. Esse
desequilíbrio pode gerar ressentimento entre os
irmãos. Permita que sintam preocupações,
ressentimentosetemoresarespeitodoqueacontece.
Os irmãos têm que sentir livres tanto para ajudar
quanto para sentir raiva. Fique atento para que a
distribuição da atenção não deixe que a pessoa com
TDAH defina cada acontecimento e controle a rotina
dafamília
VAMOS AGORA ENTENDER O SIGNIFICADO DO QUE
EU CHAMO DE A GRANDE BATALHA!
AGrandeBatalhaéaconsequênciadarepetiçãodeum
padrãocomportamentalcrônicodapessoacomTDAH
em relação à sua família. Ela é o conflito causado por
comportamentos repetitivos típicos de quem tem
TDAH,quepodemsertraduzidoscomoApessoacom
TDAH não tem a intenção de fazer as coisas que faz e
nãofazascoisasquedizteraintençãodefazer.
Nesta afirmação, estão descritas 2 realidades comuns
para quem tem o transtorno. Não ter a intenção de
fazer as coisas que faz é quando o seu lado impulsivo
se manifesta, quando a pessoa diz ou faz algo sem
parar pra pensar, causando alguma situação
07
desconfortável com outras pessoas: uma piada
imprópria, uma pergunta indiscreta, uma grosseria
por falta de atenção, etc. Já em não faz as coisas que
diz ter a intenção de fazer, descreve como a
desorganização crônica faz com que o TDAH tenha
grandes dificuldades em cumprir suas obrigações,
afazeres domésticos, deveres escolares e respeitar os
horáriosdacasa.
A Grande Batalha é iniciada quando este
comportamento típico –e, portanto, inevitável- entra
emconflitocomorestantedafamília,emgeralcomos
pais de uma criança TDAH. Veja este exemplo: A
criança ou adolescente com TDAH tem dificuldades
em manter sua rotina, estar pronto para o colégio na
hora certa, sentar-se à mesa no momento em que
todos estão ou participar de forma cooperativa com a
família em geral. Em consequência, os pais tentam
instintivamente estabelecer mais limites, adotar
penas mais severas, retirar direitos de forma mais
rigorosa, na tentativa em vão de que isso será a
solução para o comportamento indesejado do filho.
No entanto, este comportamento dos pais não irá
melhorar sua condição neurológica (a criança
continuará se esquecendo ou se atrasando, o que os
pais julgam por teimosia), ela irá se tornar cada vez
mais desafiadora, menos cooperativa, levando os pais
aacreditaremquesetratadeumproblemadeatitude,
que a criança toma as ações erradas de forma
voluntária,sem criara consciênciade que, na verdade,
ateimosiaéfrutodeumproblemaneurológico.
Em contrapartida, a criança se esforçará para entrar
na linha, irá fazer diversas promessas que
dificilmente cumprirá, ou que cumprirá por um curto
período de tempo. Dentre elas, estão: vou estudar
mais, prometo não me atrasar, não vou mais
deixar meu quarto desorganizado. Dessa forma,
como a criança não cumprirá com as promessas, aos
poucos os pais ficam ainda mais incisivos e descrentes
em relação à criança/adolescente, de forma que, em
pouco tempo, os ciclos de desentendimento/
promessa/ castigo tornam-se crônicos, literalmente
umaGrandeBatalha,porvezes,diária.
Em casos como estes, frequentemente a criança
começa a receber rótulos e tem sua palavra
desacreditada, mesmo que diante de uma situação
nova, como exemplo, ao iniciar o ano letivo em uma
escola nova: já na primeira semana os pais tentam
estipular regras firmes para que o filho estude com
mais afinco. A criança então pode questionar Mãe, o
ano mal começou, deixa eu tentar me adaptar e
estudar por conta própria, tentando buscar dentro
desisuaautoconfiançaeautonomiaoutroraperdidos.
Então, a mãe diz Não, filho! Já confiei nessa conversa
antes, agora vai ser do meu jeito!. Inicia-se
novamente A Grande Batalha. De um lado, os pais
acreditam estar fazendo o correto ao fechar o cerco
para que seu filho ande na linha, por outro lado, seu
filho está lutando contra os pais e contra si mesmo,
pois ele sabe muito bem o quão frustrante é não
conseguir cumprir com suas promessas e obrigações
assim como seus colegas conseguem. Na realidade a
criança/adolescente está lutando pela sua
independência, ela não quer realizar tarefas básicas
somentequandosobordenssuperioresdeseuspais
mas, assim como seus colegas, ela também quer
conquistar seu espaço por esforço próprio e receber
ordens para tarefas básicas costuma ser muito
irritante.
EviteaomáximoAsGrandesBatalhas,épossívelevitar
ao identificá-las! A Grande Batalha geralmente ocorre
em famílias onde um membro com TDAH não foi
diagnosticado, ou foi diagnosticado mas não foi
tratado adequadamente, lançando quem tem o
transtorno contra seus familiares onde vivem uma
guerra de vontades. Isso pode ocasionar discussões
diárias,ondecadavezqueapessoacomTDAHfalhaao
realizar alguma atividade, ocasionando um
sentimento de frustração constante para todos os
membros da família (os pais se sentem impotentes ao
nãoconseguirorientarseufilhodaformacomojulgam
correta e o portador do transtorno ao não conseguir
atingirasexpectativasdospais).
A família pode absorver a negatividade trazida pelos
conflitos gerados através da Grande Batalha,
tornando o convívio e a resolução dos conflitos muito
mais complexa. Portanto, passe a compreender e
interpretar situações de Grande Batalha, entendendo
que o filho, antes considerado teimoso,
possivelmente está se esforçando para atingir seus
objetivos e deve ser respeitado e confiado por seus
pais, embora os mesmos devam permanecer
vigilantes.
08
· Após o diagnóstico e o
esclarecimento da família sobre o
TDAH É IMPORTANTE QUE A
FAMÍLIA SE REÚNA PARA
PENSAR EM ESTRATÉGIAS PARA
S E R E M T R A B A L H A D A S
DIARIAMENTE, sempre com foco
em um plano de ação, onde todos
os familiares possam participar.
Esse plano de ação deve ser
baseado em negociações, para
que a família consiga chegar a um
acordo. É importante que esses
planos de ações sejam feitos por
escrito, assim, sempre que um
membro da família desejar ou
precisar, poderá relembrar tudo
que foi proposto. Inclusive, deve-
se incluir eventuais planos b no
caso de alcançar ou não os
objetivospretendidos.
09
Casoasnegociaçõesfalhem,
É IMPORTANTE QUE A FAMÍLIA
P E R M A N E Ç A R E S I L I E N T E E
CONTINUE MANTENDO CONTATO
FREQUENTE COM O PSICÓLOGO
designado para tratar o indivíduo
c o m T D A H . D e v e - s e b u s c a r
orientações e conselhos com o
profissional, em relação a como agir
nas situações que surgirão. Se for
possível, considerar a possibilidade
de recorrer à terapia familiar. De
modo geral, o terapeuta familiar,
apesar de pouco conhecido, conta
com experiência em ajudar os
membros da família a ouvir uns aos
outros. Esse auxilio será de grande
importância para evitar conflitos, já
que algumas famílias podem ser
explosivas.
PROCURE SE INFORMAR SOBRE A
TERAPIAFAMILIARNASUACIDADE.
10
NO CONTEXTO DA TERAPIA FAMILIAR, A
REPRESENTAÇÃO DE PAPÉIS PODE SER DE GRANDE
AJUDA.
Geralmente, as pessoas com TDAH tendem a ter uma
autopercepção muito ruim e a observação de como
os outros o veem pode ser uma forma mais fácil de
aceitar comportamentos que ele não tem
consciência. A percepção desses comportamentos
ajudará a tomar consciência de suas atitudes,
tornando mais fácil a aceitação de que uma mudança
de comportamento seja necessária.
11
Se você perceber que uma
Grande Batalha está começando,
faça o possível para não se
envolver nela. Tente retroceder e
retornaràs negociações.Pormais
que você perceba que a situação
clame em transformar-se numa
batalha,resista!Sempre!
12
FAÇA COM QUE TODOS OS
MEMBROS DA FAMÍLIA SE
SINTAM À VONTADE PARA
EXPRESSARSUAOPINIÃO.
O TDAH afeta a todos, mesmo
que de forma silenciosa. Tente
fazer com que os mais calados
manifestem suas opiniões e
sentimentos,tendoTDAHounão.
13
ACABE COM OS PROCESSOS NEGATIVOS
TRANSFORMANDO-OS EM POSITIVOS.
Sempre mostre entusiasmo quando se deparar com o
êxito e a vitória do indivíduo TDAH, por menor que
pareça. Faça com que a família seja direcionada para
metas positivas, não fique na expectativa de que o
pior aconteça e se esforce para construir abordagens
positivas. Um dos maiores desafios que uma família
com um TDAH enfrenta é seguir um caminho
promissor. Encoraje, tente novamente, busque
soluções e contorne os obstáculos com entusiasmo.
Quando a família consegue isso, os resultados serão
surpreendentes.
14
SEMPRE DEIXE MUITO CLARO A
RESPONSABILIDADE DE CADA
UM DENTRO DA FAMÍLIA,
exponha quais são as regras e as
c o n s e q u ê n c i a s . É m u i t o
importante que cada membro
saiba o que se espera dele ou
dela.
15
Crianças com TDAH tendem a
u m a i n s t a b i l i d a d e n o
comportamento, comparável a
um anjinho num dia e um
verdadeiro diabinho no outro.
Não trate seu filho com rejeição e
punições num dia e no outro com
muito amor e atenção. É MUITO
IMPORTANTE QUE OS PAIS
MANTENHAM ESTABILIDADE
DIANTE DESSAS MUDANÇAS DE
COMPORTAMENTO para evitar
um ambiente familiar turbulento
e imprevisível. Isso também ajuda
a diminuir a ansiedade na criança
TDAH..
16
OS PAIS DEVEM MANTER O DIÁLOGO CONSTANTE
PARA DEBATER ASSUNTOS REFERENTES À FAMÍLIA,
apresentando-se unidos e mantendo-se coerentes
sobre as decisões tomadas. A constância é
fundamentalparaosucessodotratamentodoTDAH.
17
Ao contrário do que muitos
pensam, NÃO SE DEVE GUARDAR
SEGREDOSOBREOTDAHPARAO
RESTANTE DOS FAMILIARES
Quanto mais pessoas souberem
e, principalmente, entenderem o
transtorno mais poderão ajudar.
TDAH não é motivo de vergonha!
Nunca!
18
Identifique os momentos que
geram maior transtorno na rotina
da família, como: hora de
estudos, hora de dormir, hora das
refeições, sair de casa, sair de
férias, entre outros. UMA VEZ
IDENTIFICADOS OS PROBLEMAS
MAIS COMUNS ENFRENTADOS,
E N C A R E - O S D E F O R M A
CONSTRUTIVA, negociando a
melhormaneirapararealizarcada
tarefa. É importante que todos os
membros da família possam dar
sugestões.
19
UTILIZE OS MOMENTOS FORA DA CRISE PARA
DEBATER A MELHOR MANEIRA DE SOLUCIONAR OS
PROBLEMAS.
Agir de cabeça quente geralmente não resulta em
atitudes construtivas. Estejam dispostos a debater e
testar todas as sugestões para terem certeza do que
pode funcionar. Olhe para sua família como uma
equipeeencareosproblemasdeformapositiva.
20
BUSQUE OPINIÕES E ESTEJA
ABERTOÀREALIDADE!
Às vezes tendemos a não ouvir ou
acreditar no que alguém da
família nos diz, mas geralmente
damos ouvidos a pessoas de fora
de círculo familiar. É muito
comum que alguns membros da
família aceitem o TDAH no filho,
mas outros relutam em aceitar,
entender ou até acreditar na
existência do transtorno, bem
como no diagnóstico. Neste caso,
procure ouvir a opinião de outras
pessoas envolvidas na situação
como os professores, médicos,
psicólogos, psicopedagogos e
outras famílias que enfrentam a
mesmasituação.
21
PROCURE ACEITAR O TDAH
COMO QUALQUER OUTRA
CONDIÇÃO E SE ESFORCE PARA
QUE TODOS OS MEMBROS DA
FAMÍLIA O ENXERGUEM ASSIM.
Aceite essa condição como você
faria com um membro da família
que tenha um interesse ou um
talento especial específico que
possa interferir em sua rotina,
como habilidades musicais ou
atléticas. Acostume-se ao TDAH,
mas não deixe que ele domine a
família. Em momentos de crise,
onde tudo pode ser muito mais
difícil, lembre-se de que nada é
parasempre,acrisepassará.
22
Pode levar muito tempo para que os resultados do
tratamento apareçam e PROVAVELMENTE SERÃO
NECESSÁRIOSAJUSTESDURANTEOPROCESSO.
Da mesma forma, tais alterações podem ocorrer na
adoção ou retirada de medicamentos, práticas
esportivas, encontro de um hobby ou readequação na
rotina da família. Nada mudará do dia para a noite!
Caso seja necessário, marque outra consulta ou peça
ajuda externa, mas é muito importante que você
persista. Em muitos casos, o seu maior aliado para
passar pelas dificuldades será o senso de humor, ele
será muito importante para manter a harmonia na
família.Sejaleve!Pegueleve!
23
NUNCA TENTE RESOLVER OS
P R O B L E M A S S O Z I N H O ,
PROCUREAPOIO.
Sempre envolva a família, médico
da família, terapeuta, escola,
amigos e parentes. Ter mais de
uma visão sobre o problema
facilitará sua resolução. Lembre-
se: sua família não é a única a
passar por essa dificuldade. Ter
isso em mente pode não trazer as
r e s p o s t a s q u e p r e c i s a
imediatamente, mas fará com
que você se sinta mais acolhido e
que seja mais fácil gerenciar o
problema.
24
A pessoa com TDAH tem a
tendência de ultrapassar os
limitessemteressaintenção.
É MUITO IMPORTANTE QUE OS
PAIS CONSIGAM MANTER O
CONTROLE, MAS É ESSENCIAL
CUIDAR PARA QUE O CONTROLE
NÃO SE TORNE EXCESSIVO E
ARBITRÁRIO.
Essa atitude deixará a família em
desarmonia.
25
NÃO USE O TDAH COMO DESCULPA.
Cadaumdeveserresponsávelporseusatos,poroutro
lado o conhecimento sobre o TDAH será de grande
ajudanacompreensãodentrodeumrelacionamento.
26
E lembre-se:
TODA SITUAÇÃO É PASSAGEIRA!
Momentos ruins e momentos
bons vêm e vão. Portanto, se hoje
você estiver enfrentando uma
crise, tenha a certeza de que aor
encarardefrente,comresiliência,
entusiasmo, leveza e coragem,
essa situação logo mudará. Tenha
fé e confie nas suas atitudes
positivas.
/TdahDescomplicado
TdahDescomplicado
@TdahDescomplicado
contato@tdahdescomplicado.com
ACOMPANHE NOSSOS CONTEÚDOS!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf

Nossa quanta agitação!ok
Nossa quanta agitação!okNossa quanta agitação!ok
Nossa quanta agitação!ok
Josiane Mochel
 
Educa%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusicaEduca%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusica
Eliane1964
 
A autoestima das pessoas com tdah
A autoestima das pessoas com tdahA autoestima das pessoas com tdah
A autoestima das pessoas com tdah
Rada Ead
 
TDAH em Crianças_ Desvendando os Sinais e Sintomas.pdf
TDAH em Crianças_ Desvendando os Sinais e Sintomas.pdfTDAH em Crianças_ Desvendando os Sinais e Sintomas.pdf
TDAH em Crianças_ Desvendando os Sinais e Sintomas.pdf
pedroclaurenco2205
 
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
CarlaOliveira280252
 
ApresentaçãO1 Filosofia Hiperactividade
ApresentaçãO1  Filosofia HiperactividadeApresentaçãO1  Filosofia Hiperactividade
ApresentaçãO1 Filosofia Hiperactividade
elvira.sequeira
 

Semelhante a 26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf (20)

Nossa quanta agitação!ok
Nossa quanta agitação!okNossa quanta agitação!ok
Nossa quanta agitação!ok
 
Educa%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusicaEduca%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusica
 
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
 
Inquietos e desatentos
Inquietos e desatentosInquietos e desatentos
Inquietos e desatentos
 
Déficit de Atenção, Hiperatividade, Discalculia e Outras Síndromes Que Causam...
Déficit de Atenção, Hiperatividade, Discalculia e Outras Síndromes Que Causam...Déficit de Atenção, Hiperatividade, Discalculia e Outras Síndromes Que Causam...
Déficit de Atenção, Hiperatividade, Discalculia e Outras Síndromes Que Causam...
 
Slideaula
Slideaula Slideaula
Slideaula
 
Slideaula helen
Slideaula helenSlideaula helen
Slideaula helen
 
A autoestima das pessoas com tdah
A autoestima das pessoas com tdahA autoestima das pessoas com tdah
A autoestima das pessoas com tdah
 
TDAH em Crianças_ Desvendando os Sinais e Sintomas.pdf
TDAH em Crianças_ Desvendando os Sinais e Sintomas.pdfTDAH em Crianças_ Desvendando os Sinais e Sintomas.pdf
TDAH em Crianças_ Desvendando os Sinais e Sintomas.pdf
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
 
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
TDAH uma Conversa entre Educadores
TDAH uma Conversa entre EducadoresTDAH uma Conversa entre Educadores
TDAH uma Conversa entre Educadores
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdf
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdftdah_uma_conversa_com_educadores.pdf
tdah_uma_conversa_com_educadores.pdf
 
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentaisA comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
A comunicacao na interacao com individuos com alteracoes ou perturbacoes mentais
 
ApresentaçãO1 Filosofia Hiperactividade
ApresentaçãO1  Filosofia HiperactividadeApresentaçãO1  Filosofia Hiperactividade
ApresentaçãO1 Filosofia Hiperactividade
 
Depressão na Infância
Depressão na InfânciaDepressão na Infância
Depressão na Infância
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 

Mais de IBEE5

Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdfUso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
IBEE5
 
PRANCHA PARA AUTISMO EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
PRANCHA  PARA AUTISMO EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdfPRANCHA  PARA AUTISMO EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
PRANCHA PARA AUTISMO EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
IBEE5
 
16.Como Desenvolver Dominância Lateral Durante a Fase Escolar de Crianças (2)...
16.Como Desenvolver Dominância Lateral Durante a Fase Escolar de Crianças (2)...16.Como Desenvolver Dominância Lateral Durante a Fase Escolar de Crianças (2)...
16.Como Desenvolver Dominância Lateral Durante a Fase Escolar de Crianças (2)...
IBEE5
 
E-Book - Conheça 5 Atividades Práticas para Crianças com Dificuldades no Dese...
E-Book - Conheça 5 Atividades Práticas para Crianças com Dificuldades no Dese...E-Book - Conheça 5 Atividades Práticas para Crianças com Dificuldades no Dese...
E-Book - Conheça 5 Atividades Práticas para Crianças com Dificuldades no Dese...
IBEE5
 
EBOOK LINGUAGEM GRATUITO EUDCAÇÃO INFANTIL.pdf
EBOOK LINGUAGEM GRATUITO EUDCAÇÃO INFANTIL.pdfEBOOK LINGUAGEM GRATUITO EUDCAÇÃO INFANTIL.pdf
EBOOK LINGUAGEM GRATUITO EUDCAÇÃO INFANTIL.pdf
IBEE5
 
CORDEIRINHO DA PÁSCOA - MATERIAISPDG.COM.BR.pdf
CORDEIRINHO DA PÁSCOA - MATERIAISPDG.COM.BR.pdfCORDEIRINHO DA PÁSCOA - MATERIAISPDG.COM.BR.pdf
CORDEIRINHO DA PÁSCOA - MATERIAISPDG.COM.BR.pdf
IBEE5
 
REGRAS PARA SALA DE AULA DE EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
REGRAS PARA SALA DE AULA DE EDUCAÇÃO INFANTIL.pdfREGRAS PARA SALA DE AULA DE EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
REGRAS PARA SALA DE AULA DE EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
IBEE5
 

Mais de IBEE5 (8)

Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdfUso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
 
Fine-motor-Exercises-OT-Leaflet KIDS.pdf
Fine-motor-Exercises-OT-Leaflet KIDS.pdfFine-motor-Exercises-OT-Leaflet KIDS.pdf
Fine-motor-Exercises-OT-Leaflet KIDS.pdf
 
PRANCHA PARA AUTISMO EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
PRANCHA  PARA AUTISMO EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdfPRANCHA  PARA AUTISMO EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
PRANCHA PARA AUTISMO EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
 
16.Como Desenvolver Dominância Lateral Durante a Fase Escolar de Crianças (2)...
16.Como Desenvolver Dominância Lateral Durante a Fase Escolar de Crianças (2)...16.Como Desenvolver Dominância Lateral Durante a Fase Escolar de Crianças (2)...
16.Como Desenvolver Dominância Lateral Durante a Fase Escolar de Crianças (2)...
 
E-Book - Conheça 5 Atividades Práticas para Crianças com Dificuldades no Dese...
E-Book - Conheça 5 Atividades Práticas para Crianças com Dificuldades no Dese...E-Book - Conheça 5 Atividades Práticas para Crianças com Dificuldades no Dese...
E-Book - Conheça 5 Atividades Práticas para Crianças com Dificuldades no Dese...
 
EBOOK LINGUAGEM GRATUITO EUDCAÇÃO INFANTIL.pdf
EBOOK LINGUAGEM GRATUITO EUDCAÇÃO INFANTIL.pdfEBOOK LINGUAGEM GRATUITO EUDCAÇÃO INFANTIL.pdf
EBOOK LINGUAGEM GRATUITO EUDCAÇÃO INFANTIL.pdf
 
CORDEIRINHO DA PÁSCOA - MATERIAISPDG.COM.BR.pdf
CORDEIRINHO DA PÁSCOA - MATERIAISPDG.COM.BR.pdfCORDEIRINHO DA PÁSCOA - MATERIAISPDG.COM.BR.pdf
CORDEIRINHO DA PÁSCOA - MATERIAISPDG.COM.BR.pdf
 
REGRAS PARA SALA DE AULA DE EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
REGRAS PARA SALA DE AULA DE EDUCAÇÃO INFANTIL.pdfREGRAS PARA SALA DE AULA DE EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
REGRAS PARA SALA DE AULA DE EDUCAÇÃO INFANTIL.pdf
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 

26 dicas para ajudar o TDAH em família.pdf

  • 1.
  • 2. INTRODUÇÃO Olá,tudobem? Eu me chamo Yuri Maia e desde que nasci, há 33 anos, o TDAH está presente em minha vida. Desde pequeno, com as primeiras interações sociais, brincadeiras em grupo ou principalmente sozinho, eu já apresentava alguns sinais típicos da presença do transtorno, tais como: desatenção aos comandos vindos de outras pessoas; dificuldade de me manter engajado em tarefas em grupo (ou mesmo sozinho, se fosse uma tarefa demandada por outra pessoa); desistia com facilidade de realizar uma tarefa mentalmente trabalhosa e desinteressante (aprender um jogo novo, com regras complexas que não fosse algo imediatamente excitante); interromper os colegas por pura impaciência; não respeitar as regras das brincadeiras (nossa, tenho mesmo que decorar todas as regras?); esquecimentos aleatórios, até de algo que foiditorecentemente.
  • 3. Durante a vida escolar não foi diferente e os sintomas ficaram ainda mais evidentes. Ora, se em uma atividade lúdica eu não tinha paciência e persistência em aprender e assimilar, quanto mais em um local onde eu precisava ficar sentado durante 6 horas, focado, aprendendo coisas (na maioria das vezes) desinteressantes e, o pior de tudo para mim, era obrigado a copiar as tarefas do quadro. Logo os problemas começaram a aparecer: falta de empatia por parte dos adultos, principalmente professores, que não entendiam os motivos que causavam estes comportamentos; isolamento por parte dos coleguinhas, costumava não me dar bem com brincadeiras em grupo, muitas vezes preferia a solidão. Ela sempre esteve presente por me sentir deslocado e com poucos amigos, o que me acompanhou desde a infância até a fase adulta. Hoje, percebo que um dos motivos principais desse meu “isolamento” foi também a dificuldade em sustentar conversas cujos assuntos não são do meu interesse, o queexigeumgrandeesforçoeatençãoativosparaser compensado.
  • 4. Mas por que estes sintomas? Por que sempre tão presentes? E, principalmente, por que atrapalham TANTOavidadequemTDAH?Certamentesãodúvidas muito comuns em quem tem o transtorno ou seus familiares. Para compreender melhor, explicarei rapidamente como o TDAH age em nosso cérebro, de forma que seja possível compreendermos suas consequências diretas: as características e sintomas mais comuns em quemotem. Tudo começa no modo como nossos neurônios se comunicam, as chamadas sinapses neurais, presentes na parte do nosso cérebro responsável pelas nossas funções executivas, o Córtex Pré-Frontal. Por sua vez, as funções executivas podem ser resumidamente definidas como um conjunto de capacidades que nos possibilitam engajar-se de maneira independente, autônoma e auto-organizada, em comportamentos e ações alinhados a um determinado objetivo. Ou seja, nosso controle inibitório (autocontrole), capacidade de julgar quais tarefas são prioridades em uma determinada situação e saber resistir àquelas mais
  • 5. tentadoras; nossa memória de trabalho, que mantém ativo, por alguns segundos, pequenas informações e orientações necessárias para executar determinada tarefa, enquanto a processa em conjunto com nossa vasta memória de longo prazo; atenção dividida, capacidadedeestaratentoadoisestímulosdiferentes ao mesmo tempo; bem como a capacidade de calcular o tempo de execução de uma tarefa ou regulação de nossos impulsos em falar ou agir, tudo isso, dentre outros exemplos, fazem parte de nossa função executiva. De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de TranstornosMentaisemsua5aedição,DSM-V,oTDAH é um transtorno de origem predominantemente genética,quesemanifestaatravésdesinapsesneurais deficientes no córtex pré-frontal, por uma anomalia nos neurotransmissores dopamina, serotonina e noradrenalina. Esta anomalia causa a hipofunção destes neurotransmissores que, como consequência, geram uma série de caraterísticas semelhantes dentre as pessoas que possuem o TDAH, principalmente dificuldade de sustentação do foco, hipervigilância, lapsos de memória, impulsividade, busca incessante por recompensa, dificuldade de lidar com frustração,
  • 6. dificuldade de priorizar suas atividades e assim por diante. Durante muitos anos sofri as consequências da falta de informação, tanto pelos que me cercavam quanto de mim mesmo, alguém que tinha TDAH diagnosticado desde criança, mas não tinha exata noção do quanto isso influenciava diretamente nas minhasexperiênciasaolongodavida. Somente após adulto, ao procurar ajuda em diversos profissionais e terapias ao longo da vida, consegui finalmente encontrar o elo entre causa e efeito do meu jeito de ser. Isso foi essencial para compreender até que ponto influenciava minhas ações, minhas escolhas, meu modo de pensar e, principalmente, a forma como eu me via perante o mundo, principalmenteemsetratardeautoestima. Com isso, em 2015, iniciei o projeto TDAH Descomplicado no Facebook e no Youtube, ao publicar vídeos em que conto minha história de vida, minhas vitórias, frustrações, dou dicas e ensino um pouco de tudo que costuma dar certo comigo em
  • 7. relação ao TDAH. Abordo métodos e práticas desenvolvidas, estudadas e aprendidas que creio serem eficazes em outras pessoas que passam pelo mesmoqueeupassei. Acredito que após compreendermos um pouco sobre o que origina tais comportamentos vistos como inadequados,existeumfatoressencialemotivadorao realizar o tratamento com as pessoas que possuem TDAH: Empatia. Com empatia, acompanhamento profissional especializado através da equipe interdisciplinar (psicopedagogos, psicólogos, fonoaudiólogos, médicos especialistas e assim por diante), bem como adoção de boas práticas como as que estão dispostas neste e-book e em vários vídeos que já publiquei no canal do Youtube e na Fanpage do TDAH Descomplicado, o sucesso no tratamento dessaspessoasébastantepromissor.
  • 8. As dicas contidas neste e-book foram inspiradas em minha vivência pessoal, observação de casos semelhantes e na leitura do livro Tendência à Distração, do psiquiatra estadunidense Edward Hallowell, assim como em diversas pesquisas sobre o tema. Bom proveito! :) Abraços, Yuri Maia Março de 2017
  • 9. 01 O Primeiro passo e mais i m p o r t a n t e é OBTER O DIAGNÓSTICO Procure seu m é d i c o n e u r o l o g i s t a o u p s i q u i a t r a e s i g a s u a s orientações para, em seguida, iniciar o tratamento. Testes de internet não são suficientes p a r a f e c h a r q u a l q u e r diagnóstico.
  • 10. 02 A educação da família é de extrema importância para o s u c e s s o d e q u a l q u e r tratamento. C E R T I F I Q U E - S E Q U E TODOS OS MEMBROS DA F A M Í L I A P O S S A M E S C L A R E C E R S U A S DÚVIDAS E APRENDAM OS FATOSSOBREOTDAH. Portanto, procure seu médico e peça orientações de como lidar com o transtorno e quais os comportamentos esperados de quemotem.Empatia,respeitoe conhecimento acerca do mesmo deverá ser a base. Ignorar esta etapa poderá dificultar todo o manejo e tratamento.
  • 11. 03 TENTE MUDAR A FORMA COMO A FAMÍLIA ENXERGA A PESSOA COM TDAH A reputação na família, assim como nos demais locais de convívio da pessoa com TDAH, pode estabelecer expectativas mais brilhantes. Se todos esperam que você fracasse, a chance disso ocorrer é muito alta, assim como a chance de você se tornar um sucesso será muito maior, caso as pessoas ao seu redor acreditarem que você será um sucesso. Tente sempre observar e desenvolver os aspectos positivos da pessoa com TDAH e trate de mudar as ideias de sua família acerca dele(a). A família é o grupo que mais temaoferecerparaajudaraalcançarseupotencial
  • 12. 04 ESCLAREÇA PARA TODOS DA FAMÍLIA QUE O TDAH NÃO É CULPADENINGUÉM É muito importante que os membros da família entendam e acreditem nisso. Continuar com o sentimento de que o TDAH é apenas uma desculpa para um comportamento irresponsável ou causado pela preguiça sabotaráotratamento.
  • 13. 05 DEIXE CLARO QUE O TDAH É UMA QUESTÃO QUE ENVOLVE TODA A F A M Í L I A , E Q U E A F E T A O COMPORTAMENTO EM TODAS AS TAREFASDIÁRIAS Onde o indivíduo TDAH estiver presente, haverá chances dele afetar o funcionamento e a rotina daquela atividade, seja na execução de tarefasdomésticas,sejanumpasseio com a família no parque ou mesmo na ida à praia durante as férias. O TDAH poderá se envolver em situações indesejadas por descuido ou desatenção e todos precisam estar cientes. Faça com que a família se torne parte da solução, assim como cada membro da família também faz parte do problema. Empatiaeunião.
  • 14. 06 TENHA MUITO CUIDADO AO DIVIDIR A ATENÇÃO QUE É DADA A CRIANÇA COM TDAH. O excesso de atenção pode ser prejudicial. Esse desequilíbrio pode gerar ressentimento entre os irmãos. Permita que sintam preocupações, ressentimentosetemoresarespeitodoqueacontece. Os irmãos têm que sentir livres tanto para ajudar quanto para sentir raiva. Fique atento para que a distribuição da atenção não deixe que a pessoa com TDAH defina cada acontecimento e controle a rotina dafamília
  • 15. VAMOS AGORA ENTENDER O SIGNIFICADO DO QUE EU CHAMO DE A GRANDE BATALHA! AGrandeBatalhaéaconsequênciadarepetiçãodeum padrãocomportamentalcrônicodapessoacomTDAH em relação à sua família. Ela é o conflito causado por comportamentos repetitivos típicos de quem tem TDAH,quepodemsertraduzidoscomoApessoacom TDAH não tem a intenção de fazer as coisas que faz e nãofazascoisasquedizteraintençãodefazer. Nesta afirmação, estão descritas 2 realidades comuns para quem tem o transtorno. Não ter a intenção de fazer as coisas que faz é quando o seu lado impulsivo se manifesta, quando a pessoa diz ou faz algo sem parar pra pensar, causando alguma situação 07
  • 16. desconfortável com outras pessoas: uma piada imprópria, uma pergunta indiscreta, uma grosseria por falta de atenção, etc. Já em não faz as coisas que diz ter a intenção de fazer, descreve como a desorganização crônica faz com que o TDAH tenha grandes dificuldades em cumprir suas obrigações, afazeres domésticos, deveres escolares e respeitar os horáriosdacasa. A Grande Batalha é iniciada quando este comportamento típico –e, portanto, inevitável- entra emconflitocomorestantedafamília,emgeralcomos pais de uma criança TDAH. Veja este exemplo: A criança ou adolescente com TDAH tem dificuldades em manter sua rotina, estar pronto para o colégio na hora certa, sentar-se à mesa no momento em que todos estão ou participar de forma cooperativa com a família em geral. Em consequência, os pais tentam instintivamente estabelecer mais limites, adotar penas mais severas, retirar direitos de forma mais rigorosa, na tentativa em vão de que isso será a solução para o comportamento indesejado do filho. No entanto, este comportamento dos pais não irá
  • 17. melhorar sua condição neurológica (a criança continuará se esquecendo ou se atrasando, o que os pais julgam por teimosia), ela irá se tornar cada vez mais desafiadora, menos cooperativa, levando os pais aacreditaremquesetratadeumproblemadeatitude, que a criança toma as ações erradas de forma voluntária,sem criara consciênciade que, na verdade, ateimosiaéfrutodeumproblemaneurológico. Em contrapartida, a criança se esforçará para entrar na linha, irá fazer diversas promessas que dificilmente cumprirá, ou que cumprirá por um curto período de tempo. Dentre elas, estão: vou estudar mais, prometo não me atrasar, não vou mais deixar meu quarto desorganizado. Dessa forma, como a criança não cumprirá com as promessas, aos poucos os pais ficam ainda mais incisivos e descrentes em relação à criança/adolescente, de forma que, em pouco tempo, os ciclos de desentendimento/ promessa/ castigo tornam-se crônicos, literalmente umaGrandeBatalha,porvezes,diária. Em casos como estes, frequentemente a criança começa a receber rótulos e tem sua palavra
  • 18. desacreditada, mesmo que diante de uma situação nova, como exemplo, ao iniciar o ano letivo em uma escola nova: já na primeira semana os pais tentam estipular regras firmes para que o filho estude com mais afinco. A criança então pode questionar Mãe, o ano mal começou, deixa eu tentar me adaptar e estudar por conta própria, tentando buscar dentro desisuaautoconfiançaeautonomiaoutroraperdidos. Então, a mãe diz Não, filho! Já confiei nessa conversa antes, agora vai ser do meu jeito!. Inicia-se novamente A Grande Batalha. De um lado, os pais acreditam estar fazendo o correto ao fechar o cerco para que seu filho ande na linha, por outro lado, seu filho está lutando contra os pais e contra si mesmo, pois ele sabe muito bem o quão frustrante é não conseguir cumprir com suas promessas e obrigações assim como seus colegas conseguem. Na realidade a criança/adolescente está lutando pela sua independência, ela não quer realizar tarefas básicas somentequandosobordenssuperioresdeseuspais mas, assim como seus colegas, ela também quer conquistar seu espaço por esforço próprio e receber ordens para tarefas básicas costuma ser muito
  • 19. irritante. EviteaomáximoAsGrandesBatalhas,épossívelevitar ao identificá-las! A Grande Batalha geralmente ocorre em famílias onde um membro com TDAH não foi diagnosticado, ou foi diagnosticado mas não foi tratado adequadamente, lançando quem tem o transtorno contra seus familiares onde vivem uma guerra de vontades. Isso pode ocasionar discussões diárias,ondecadavezqueapessoacomTDAHfalhaao realizar alguma atividade, ocasionando um sentimento de frustração constante para todos os membros da família (os pais se sentem impotentes ao nãoconseguirorientarseufilhodaformacomojulgam correta e o portador do transtorno ao não conseguir atingirasexpectativasdospais). A família pode absorver a negatividade trazida pelos conflitos gerados através da Grande Batalha, tornando o convívio e a resolução dos conflitos muito mais complexa. Portanto, passe a compreender e interpretar situações de Grande Batalha, entendendo que o filho, antes considerado teimoso, possivelmente está se esforçando para atingir seus
  • 20. objetivos e deve ser respeitado e confiado por seus pais, embora os mesmos devam permanecer vigilantes.
  • 21. 08 · Após o diagnóstico e o esclarecimento da família sobre o TDAH É IMPORTANTE QUE A FAMÍLIA SE REÚNA PARA PENSAR EM ESTRATÉGIAS PARA S E R E M T R A B A L H A D A S DIARIAMENTE, sempre com foco em um plano de ação, onde todos os familiares possam participar. Esse plano de ação deve ser baseado em negociações, para que a família consiga chegar a um acordo. É importante que esses planos de ações sejam feitos por escrito, assim, sempre que um membro da família desejar ou precisar, poderá relembrar tudo que foi proposto. Inclusive, deve- se incluir eventuais planos b no caso de alcançar ou não os objetivospretendidos.
  • 22. 09 Casoasnegociaçõesfalhem, É IMPORTANTE QUE A FAMÍLIA P E R M A N E Ç A R E S I L I E N T E E CONTINUE MANTENDO CONTATO FREQUENTE COM O PSICÓLOGO designado para tratar o indivíduo c o m T D A H . D e v e - s e b u s c a r orientações e conselhos com o profissional, em relação a como agir nas situações que surgirão. Se for possível, considerar a possibilidade de recorrer à terapia familiar. De modo geral, o terapeuta familiar, apesar de pouco conhecido, conta com experiência em ajudar os membros da família a ouvir uns aos outros. Esse auxilio será de grande importância para evitar conflitos, já que algumas famílias podem ser explosivas. PROCURE SE INFORMAR SOBRE A TERAPIAFAMILIARNASUACIDADE.
  • 23. 10 NO CONTEXTO DA TERAPIA FAMILIAR, A REPRESENTAÇÃO DE PAPÉIS PODE SER DE GRANDE AJUDA. Geralmente, as pessoas com TDAH tendem a ter uma autopercepção muito ruim e a observação de como os outros o veem pode ser uma forma mais fácil de aceitar comportamentos que ele não tem consciência. A percepção desses comportamentos ajudará a tomar consciência de suas atitudes, tornando mais fácil a aceitação de que uma mudança de comportamento seja necessária.
  • 24. 11 Se você perceber que uma Grande Batalha está começando, faça o possível para não se envolver nela. Tente retroceder e retornaràs negociações.Pormais que você perceba que a situação clame em transformar-se numa batalha,resista!Sempre!
  • 25. 12 FAÇA COM QUE TODOS OS MEMBROS DA FAMÍLIA SE SINTAM À VONTADE PARA EXPRESSARSUAOPINIÃO. O TDAH afeta a todos, mesmo que de forma silenciosa. Tente fazer com que os mais calados manifestem suas opiniões e sentimentos,tendoTDAHounão.
  • 26. 13 ACABE COM OS PROCESSOS NEGATIVOS TRANSFORMANDO-OS EM POSITIVOS. Sempre mostre entusiasmo quando se deparar com o êxito e a vitória do indivíduo TDAH, por menor que pareça. Faça com que a família seja direcionada para metas positivas, não fique na expectativa de que o pior aconteça e se esforce para construir abordagens positivas. Um dos maiores desafios que uma família com um TDAH enfrenta é seguir um caminho promissor. Encoraje, tente novamente, busque soluções e contorne os obstáculos com entusiasmo. Quando a família consegue isso, os resultados serão surpreendentes.
  • 27. 14 SEMPRE DEIXE MUITO CLARO A RESPONSABILIDADE DE CADA UM DENTRO DA FAMÍLIA, exponha quais são as regras e as c o n s e q u ê n c i a s . É m u i t o importante que cada membro saiba o que se espera dele ou dela.
  • 28. 15 Crianças com TDAH tendem a u m a i n s t a b i l i d a d e n o comportamento, comparável a um anjinho num dia e um verdadeiro diabinho no outro. Não trate seu filho com rejeição e punições num dia e no outro com muito amor e atenção. É MUITO IMPORTANTE QUE OS PAIS MANTENHAM ESTABILIDADE DIANTE DESSAS MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO para evitar um ambiente familiar turbulento e imprevisível. Isso também ajuda a diminuir a ansiedade na criança TDAH..
  • 29. 16 OS PAIS DEVEM MANTER O DIÁLOGO CONSTANTE PARA DEBATER ASSUNTOS REFERENTES À FAMÍLIA, apresentando-se unidos e mantendo-se coerentes sobre as decisões tomadas. A constância é fundamentalparaosucessodotratamentodoTDAH.
  • 30. 17 Ao contrário do que muitos pensam, NÃO SE DEVE GUARDAR SEGREDOSOBREOTDAHPARAO RESTANTE DOS FAMILIARES Quanto mais pessoas souberem e, principalmente, entenderem o transtorno mais poderão ajudar. TDAH não é motivo de vergonha! Nunca!
  • 31. 18 Identifique os momentos que geram maior transtorno na rotina da família, como: hora de estudos, hora de dormir, hora das refeições, sair de casa, sair de férias, entre outros. UMA VEZ IDENTIFICADOS OS PROBLEMAS MAIS COMUNS ENFRENTADOS, E N C A R E - O S D E F O R M A CONSTRUTIVA, negociando a melhormaneirapararealizarcada tarefa. É importante que todos os membros da família possam dar sugestões.
  • 32. 19 UTILIZE OS MOMENTOS FORA DA CRISE PARA DEBATER A MELHOR MANEIRA DE SOLUCIONAR OS PROBLEMAS. Agir de cabeça quente geralmente não resulta em atitudes construtivas. Estejam dispostos a debater e testar todas as sugestões para terem certeza do que pode funcionar. Olhe para sua família como uma equipeeencareosproblemasdeformapositiva.
  • 33. 20 BUSQUE OPINIÕES E ESTEJA ABERTOÀREALIDADE! Às vezes tendemos a não ouvir ou acreditar no que alguém da família nos diz, mas geralmente damos ouvidos a pessoas de fora de círculo familiar. É muito comum que alguns membros da família aceitem o TDAH no filho, mas outros relutam em aceitar, entender ou até acreditar na existência do transtorno, bem como no diagnóstico. Neste caso, procure ouvir a opinião de outras pessoas envolvidas na situação como os professores, médicos, psicólogos, psicopedagogos e outras famílias que enfrentam a mesmasituação.
  • 34. 21 PROCURE ACEITAR O TDAH COMO QUALQUER OUTRA CONDIÇÃO E SE ESFORCE PARA QUE TODOS OS MEMBROS DA FAMÍLIA O ENXERGUEM ASSIM. Aceite essa condição como você faria com um membro da família que tenha um interesse ou um talento especial específico que possa interferir em sua rotina, como habilidades musicais ou atléticas. Acostume-se ao TDAH, mas não deixe que ele domine a família. Em momentos de crise, onde tudo pode ser muito mais difícil, lembre-se de que nada é parasempre,acrisepassará.
  • 35. 22 Pode levar muito tempo para que os resultados do tratamento apareçam e PROVAVELMENTE SERÃO NECESSÁRIOSAJUSTESDURANTEOPROCESSO. Da mesma forma, tais alterações podem ocorrer na adoção ou retirada de medicamentos, práticas esportivas, encontro de um hobby ou readequação na rotina da família. Nada mudará do dia para a noite! Caso seja necessário, marque outra consulta ou peça ajuda externa, mas é muito importante que você persista. Em muitos casos, o seu maior aliado para passar pelas dificuldades será o senso de humor, ele será muito importante para manter a harmonia na família.Sejaleve!Pegueleve!
  • 36. 23 NUNCA TENTE RESOLVER OS P R O B L E M A S S O Z I N H O , PROCUREAPOIO. Sempre envolva a família, médico da família, terapeuta, escola, amigos e parentes. Ter mais de uma visão sobre o problema facilitará sua resolução. Lembre- se: sua família não é a única a passar por essa dificuldade. Ter isso em mente pode não trazer as r e s p o s t a s q u e p r e c i s a imediatamente, mas fará com que você se sinta mais acolhido e que seja mais fácil gerenciar o problema.
  • 37. 24 A pessoa com TDAH tem a tendência de ultrapassar os limitessemteressaintenção. É MUITO IMPORTANTE QUE OS PAIS CONSIGAM MANTER O CONTROLE, MAS É ESSENCIAL CUIDAR PARA QUE O CONTROLE NÃO SE TORNE EXCESSIVO E ARBITRÁRIO. Essa atitude deixará a família em desarmonia.
  • 38. 25 NÃO USE O TDAH COMO DESCULPA. Cadaumdeveserresponsávelporseusatos,poroutro lado o conhecimento sobre o TDAH será de grande ajudanacompreensãodentrodeumrelacionamento.
  • 39. 26 E lembre-se: TODA SITUAÇÃO É PASSAGEIRA! Momentos ruins e momentos bons vêm e vão. Portanto, se hoje você estiver enfrentando uma crise, tenha a certeza de que aor encarardefrente,comresiliência, entusiasmo, leveza e coragem, essa situação logo mudará. Tenha fé e confie nas suas atitudes positivas.